Vous êtes sur la page 1sur 150

Mapa de conteúdo

UNIDADE I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1. DAS PESSOAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1 DAS PESSOAS NATURAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.1 DOS DlRElTOS DA PERSONALlDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.2 DA AUSÊNClA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2 DAS PESSOAS JURlDlCAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2.1 DAS ASSOClAÇÕES E DAS SOClEDADES: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2.2 DAS FUNDAÇÕES: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3 O DOMlClLlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3.1 DOMlClLlO DA PESSOA NATURAL: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3.2 DOMlClLlO DA PESSOA JURlDlCA: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2. DOS BENS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1 DOS BENS CONSlDERADOS EM Sl MESMOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1.1 DOS BENS lMÓvElS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1.2 DOS BENS MÓvElS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.1.3 DOS BENS FUNGlvElS, lNFUNGlvElS, CONSUMlvElS E lNCONSUMlvElS . . 14
2.1.4 DOS BENS DlvlSlvElS E lNDlvlSlvElS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
2.1.5 DOS BENS SlNGULARES E COLETlvOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15
2.2 DOS BENS REClPROCAMENTE CONSlDERADOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.3 DOS BENS PÚBLlCOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.4 DAS BENFElTORlAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3. FATOS JURlDlCOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.1 FATOS, ATOS E NEGÓClOS JURlDlCOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.2 DA REPRESENTAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3 DA CONDlÇÀO, DO TERMO E DO ENCARGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3.1 DA CONDlÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3.2 DO TERMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3.3 DO ENCARGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.4 DOS DEFElTOS DO NEGÓClO JURlDlCO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.4.1 DO ERRO OU lGNORÂNClA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.4.2 DO DOLO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
3.4.3 DA COAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4.4 DO ESTADO DE PERlGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4.5 DA LESÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4.6 DA FRAUDE CONTRA CREDORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.4.7 SlMULAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
3.5 DA lNvALlDADE DO NEGÓClO JURlDlCO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21
3.6 DOS ATOS lLlClTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.7 DA PRESCRlÇÀO E DA DECADÊNClA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.7.1 DA PRESCRlÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.7.2 DA DECADÊNClA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
UNIDADE II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25
4. DO DlRElTO DAS OBRlGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.1 DAS MODALlDADES DAS OBRlGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.1.1 DAS OBRlGAÇÕES DE DAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.1.2 DAS OBRlGAÇÕES DE FAZER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.1.3 DAS OBRlGAÇÕES DE NÀO FAZER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.1.4 DAS OBRlGAÇÕES ALTERNATlvAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.1.5 DAS OBRlGAÇÕES DlvlSlvElS E lNDlvlSlvElS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.1.6 DAS OBRlGAÇÕES SOLlDÁRlAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4.2 DA TRANSMlSSÀO DAS OBRlGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.1 DA CESSÀO DE CRÉDlTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.2.2 DA ASSUNÇÀO DE DlvlDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.3 DO ADlMPLEMENTO E EXTlNÇÀO DAS OBRlGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.3.1 DO PAGAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.3.2 PAGAMENTO EM CONSlGNAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4.3.3 DO PAGAMENTO COM SUB-ROGAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
4.3.4 DA lMPUTAÇÀO DO PAGAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
4.3.5 DA DAÇÀO EM PAGAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
4.3.6 DA NOvAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
4.3.7 DA COMPENSAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
4.3.8 DA CONFUSÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
4.3.9 DA REMlSSÀO DAS DlvlDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
4.3.10 DA TRANSAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
4.4 DO lNADlMPLEMENTO DAS OBRlGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
4.4.1 DA MORA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
4.4.2 DAS PERDAS E DANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
4.4.3 DOS JUROS LEGAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.4.4 DA CLÁUSULA PENAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.4.5 DAS ARRAS OU SlNAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.5 DOS CONTRATOS EM GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4.5.1 DA FORMAÇÀO DOS CONTRATOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4.5.2 DA ESTlPULAÇÀO EM FAvOR DE TERCElRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
4.5.3 DA PROMESSA DE FATO DE TERCElRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37
4.5.4 DOS vlClOS REDlBlTÓRlOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
4.5.5 DA EvlCÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.5.6 DOS CONTRATOS ALEATÓRlOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.5.7 DO CONTRATO PRELlMlNAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.5.8 DO CONTRATO COM PESSOA A DECLARAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.5.9 DA EXTlNÇÀO DO CONTRATO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.6 DAS vÁRlAS ESPÉClES DE CONTRATO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.6.1 DA COMPRA E vENDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.6.2 DA TROCA OU PERMUTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
4.6.3 DO CONTRATO ESTlMATÓRlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
4.6.4 DA DOAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
4.6.5 DA LOCAÇÀO DE COlSAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4.6.6 DO EMPRÉSTlMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4.6.7 DA PRESTAÇÀO DE SERvlÇO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
4.6.8 DO DEPÓSlTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
4.6.9 DO MANDATO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
4.6.10 DA COMlSSÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
4.6.11 DA CORRETAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.6.12 DA FlANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.6.13 DA TRANSAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4.6.14 DO COMPROMlSSO OU ARBlTRAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4.7 DOS ATOS UNlLATERAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
4.7.1 DA PROMESSA DE RECOMPENSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
4.7.2 DO PAGAMENTO lNDEvlDO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
4.7.3 DO ENRlQUEClMENTO SEM CAUSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
UNIDADE III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .53
5. DlRElTO DAS COlSAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
5.1 DA POSSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
5.1.1 DA POSSE E SUA CLASSlFlCAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
5.1.2 DA AQUlSlÇÀO DA POSSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
5.1.3 DOS EFElTOS DA POSSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
5.1.4 DA PERDA DA POSSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
5.2 DOS DlRElTOS REAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
5.3 DA PROPRlEDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
5.3.1 DA AQUlSlÇÀO DA PROPRlEDADE lMÓvEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
5.3.2 DA PERDA DA PROPRlEDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
5.3.3 DOS DlRElTOS DE vlZlNHANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
5.4 DO CONDOMlNlO GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
5.4.1 DO CONDOMlNlO vOLUNTÁRlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
5.4.2 DO CONDOMlNlO NECESSÁRlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
5.5 DO CONDOMlNlO EDlLlClO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
5.6 DA PROPRlEDADE RESOLÚvEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
5.7 DlRElTOS REAlS DE GOZO OU FRUlÇÀO SOBRE COlSAS ALHElAS . . . . . . . . . . . . 61
5.7.1 DA SUPERFlClE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
5.7.2 DAS SERvlDÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
5.7.3 DO USUFRUTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
5.7.4 DO USO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.7.5 DA HABlTAÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.7.6 DO DlRElTO DO PROMlTENTE COMPRADOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.8 DlRElTOS REAlS DE GARANTlA SOBRE COlSAS ALHElAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
5.8.1 DO PENHOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
5.8.2 DA HlPOTECA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
5.8.3 DA ANTlCRESE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
UNIDADE IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
6. LEl Nº 4.591, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1964 DlSPÕE SOBRE O CONDOMlNlO EM
EDlFlCAÇÕES E AS lNCORPORAÇÕES lMOBlLlÁRlAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .67
6.1 DO CONDOMlNlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .67
6.2 DAS lNCORPORAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .67
6.2.1 DA CONSTRUÇÀO DE EDlFlCAÇÀO EM CONDOMlNlO . . . . . . . . . . . . . . . . . .68
6.2.2 DAS lNFRAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
7. LEl Nº 6.766, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1979 DlSPÕE SOBRE O PARCELAMENTO DO
SOLO URBANO E DÁ OUTRAS PROvlDÊNClAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
8. LEl Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 DlSPÕE SOBRE A PROTEÇÀO DO
CONSUMlDOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .73
8.1 DEFlNlÇÕES E CONCElTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .73
8.2 DA RESPONSABlLlDADE PELO FATO DO PRODUTO E DO SERvlÇO . . . . . . . . . . . .73
8.3 DA RESPONSABlLlDADE POR vlClO DO PRODUTO E DO SERvlÇO . . . . . . . . . . . . .74
8.4 DA DECADÊNClA E DA PRESCRlÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
8.5 DAS PRÁTlCAS COMERClAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
8.5.1 DA OFERTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
8.5.2 DA PUBLlClDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75
8.5.3 DAS PRÁTlCAS ABUSlvAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75
8.5.4 DA COBRANÇA DE DlvlDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .76
8.6 DA PROTEÇÀO CONTRATUAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .76
8.6.1 DAS CLÁUSULAS ABUSlvAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .76
8.6.2 DOS CONTRATOS DE ADESÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77
9 . LEl Nº 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991 DlSPÕE SOBRE AS LOCAÇÕES DOS
lMÓvElS URBANOS E OS PROCEDlMENTOS A ELAS PERTlNENTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77
9.1 DA LOCAÇÀO EM GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77
9.2 DA LOCAÇÀO RESlDENClAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .81
9.3 DA LOCAÇÀO PARA TEMPORADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82
9.4 DA LOCAÇÀO NÀO RESlDENClAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82
9.5 DAS DlSPOSlÇÕES GERAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .83
9.5.1 DAS AÇÕES DE DESPEJO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .83
10. LEl Nº 6.015, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1973 DlSPÕE SOBRE OS REGlSTROS
PÚBLlCOS, E DÁ OUTRAS PROvlDÊNClAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87
10.1 DAS ATRlBUlÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87
10.2 DA PUBLlClDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87
10.3 DO REGlSTRO ClvlL DAS PESSOAS NATURAlS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87
10.4 DO REGlSTRO ClvlL DE PESSOAS JURlDlCAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88
10.5 DO REGlSTRO DE TlTULOS E DOCUMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88
10.6 DO REGlSTRO DE lMÓvElS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
11. LEl Nº 6.530, DE 12 DE MAlO DE 1978 E SEU lNSTRUMENTO REGULAMENTADOR, O
DECRETO Nº 81.871, DE 29 DE JUNHO DE 1978. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
12. RESOLUÇÀO-COFECl Nº 146/82 APROvA O CÓDlGO DE PROCESSO DlSClPLlNAR .92
12.1 DA JURlSDlÇÀO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92
12.2 DO PROCESSO DlSClPLlNAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92
12.3 DOS RECURSOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94
13. RESOLUÇÀO COFECl Nº 326/92 lNSTlTUl O CÓDlGO DE ÉTlCA PROFlSSlONAL . . . .94
14. RESOLUÇÀO - COFECl Nº 458/95 DlSPÕE SOBRE A OBRlGATORlEDADE
DO DESTAQUE DO REGlSTRO PROFlSSlONAL EM DOCUMENTOS E ANÚNClOS
PUBLlClTÁRlOS, E TAMBÉM SOBRE O NÚMERO DO REGlSTRO OU DA lNCORPORAÇÀO
lMOBlLlÁRlA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
14.1 DO ANÚNClO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
UNIDADE V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .99
15. MODELOS DE CONTRATOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
15.1 COMPRA E vENDA COM RESERvA DE DOMlNlO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
15.2 CONTRATO DE CESSÀO DE SERvlDÀO DE PASSAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
15.3 CONTRATO DE COMPRA E vENDA DE ESTABELEClMENTO COMERClAL . . . . . 104
15.4 CONTRATO DE COMPROMlSSO DE COMPRA E vENDA DE lMÓvEL . . . . . . . . . . 106
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
15.6 CONTRATO DE LOCAÇÀO COMERClAL COM FlADOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
15.7 CONTRATO DE LOCAÇÀO RESlDENClAL COM SEGURO FlANÇA . . . . . . . . . . . . . . 116
15.8 CONTRATO DE LOCAÇÀO RESlDENClAL PARA TEMPORADA . . . . . . . . . . . . . . . . 121
15.9 CONTRATO DE PEQUENA EMPRElTADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
15.10 CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E vENDA DE FRAÇÀO lDEAL DE lMÓvEL 125
15.11 CONTRATO PARTlCULAR DE EMPRElTADA PARA EXECUÇÀO DE... . . . . . . . . . 127
15.12 lNSTRUMENTO PARTlCULAR DE DlSTRATO AMlGÁvEL DE CONTRATO DE
CORRETAGEM lMOBlLlÁRlA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Estudar Direito e Legislação e sempre uma grande descoberta, embora, infelizmente, não se
tenha em nosso pais o habito de conhecê-lo. Em algumas profssões, Direito e Legislação são
vitais, e o caso do profssional de corretagem de imóveis.
Nas transações imobiliarias, o desempenho orientador do corretor de imóveis (que tem o
papel de buscar no mercado o melhor negócio, dentro dos padrões pessoais de cada parte
interessada, ou melhor, de cada clientej não pode dispensar o conhecimento do Direito e da
Legislação. Assim, nesta disciplina, abordam-se os aspectos juridicos e legais que envolvem
a atuação profssional do corretor de imóveis, especialmente aqueles diplomas legais que são
diretamente afetos ao profssional em questão.
Ainda que se ressalte a importância da Constituição Federal, que se encontra no apice do
ordenamento juridico patrio, sendo que a ela todas as normas devem se adequar, sob pena
de serem inconstitucionais e, consequentemente, fcarem "fora" do mundo juridico, cada Lei
decorrente da Constituição trata, em regra, da conceituação basica de uma area de interesse
e/ou das diretrizes especifcas que se objetiva regular.Essas normas estabelecem os direitos
e os deveres do cidadão em todos os campos de atividade - profssionais, socioculturais,
politicos e econômicos; alem de fundamentar e delimitar a Atividade Estatal.
Todavia, neste estudo a relevância esta sob a egide do Direito Civil, uma vez que e nesta esfera
juridica que se encontram as legislações patrimoniais.
Desta forma, tem-se no tópico primeiro Lei de lntrodução ao Código Civil; no segundo, Do
Direito das Obrigações; no terceiro, Direito das Coisas, no quarto, Legislação e, fnalmente, no
quinto com Modelos de Contratos.
A exploração dos temas, porem, não deve fcar limitada ao conteúdo desta 'apostila', sendo o
objetivo desta servir de fo condutor a um estudo nas leis de forma integral.
Embora se procure cobrir neste estudo os aspectos indispensaveis da vida profssional do
corretor, sozinho este material não tem o condão de enfrentar todas as situações faticas.
Não obstante, estão inseridos no tópico alguns modelos de contratos, nos quais se arranjou
clausulas usuais e não usuais para nortear a elaboração de um contrato no caso concreto. Por
exemplo, nos contratos de corretagem, no que se refere ao objeto, ha a Obrigação de Fazer, ou
seja, trata-se de um acordo contratual no qual o corretor fca obrigado a buscar no mercado o
melhor negócio em conformidade com os anseios do comitente e, posteriormente, devera orientar
esse comitente sobre os demais pontos (clausulasj a serem fxados na efetivação do negócio.
Percebe-se, portanto, a importância de se conhecer os aspectos contratuais que regem o tema.
Introdução
lgualmente, ressalta-se a importância de se atentar às leis e regulamentos especifcos do
profssional, tais como código de etica e leis locais (aquelas dos municipios onde atuara o
profssionalj, pois cada realidade conta com ditames especifcos. Ademais, o corretor pode
ser contratado tanto pelo vendedor do imóvel quanto pelo futuro adquirente, que busca auxilio
do profssional para encontrar o imóvel que deseja comprar dentro de suas condições, e em
cada caso havera regulações próprias. Assim, e de suma importância o estudo do Direito e
Legislação, especifcos.
Ainda, recomenda-se que as indicações de leituras e estudos que são apontados neste
material sejam de fato encarados como parte integrante da disciplina, uma vez que serão,
sim, úteis e necessarias ao dia a dia do melhor profssional.
Como ja dito, o estudo do Direito e fascinante, e seu dominio e atualização com certeza
oferecem maior segurança profssional, afnal, quando se conhece daquilo que se atua, os
resultados são maiores e melhores.
Bom Estudo e muito sucesso!
9
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
UNIDADE I
In|c|ando
o assunto
Em 1942, foi promulgado o Decreto - Lei Nº
4.657, conhecido como Lei de lntrodução ao
Código Civil Brasileiro. Essa Lei estabelece
dispositivos importantes que não foram
derrogados pelo novo Código Civil.
O tema central da Lei de lntrodução do
Código Civil e a própria lei, na medida em que
versa a respeito:
Da sua vigência;
Da sua revogação;
Da impossibilidade de alegar-se o seu
desconhecimento;
Da aplicação da mesma;
De suas lacunas;
Da sua interpretação; e
Sua efcacia no tempo e no espaço.
Cabe ressaltar que a Lei de lntrodução ao
Código Civil, na sua parte fnal, regula o
chamado Direito lnternacional Privado, que
não e objeto de analise do presente trabalho.
Feita tal consideração, lembramos que toda
Lei, depois de aprovada na Câmara dos
Deputados e no Senado Federal, e sancionada
pelo Presidente da República, e apresentada
ao povo, por meio do Diario Ofcial da União,
como ato de tornar a lei pública e, portanto,
de conhecimento geral.
A lei, para ser imperativa, ou seja, para ser
obrigatória a todos, deve estar em vigor. A
maioria delas costuma indicar a data a partir
da qual entrara em vigor. Todavia, se uma lei
nada dispuser a respeito, ela entrara em vigor
45 dias após a publicação ofcial, no território
nacional, e em 3 meses nos paises estrangeiros
onde se admite a legislação patria.
O intervalo de tempo que vai da data da
publicação da lei ate a data de sua entrada
em vigor denomina-se vacat|o |eg|s. Durante
esse periodo ela não produz efeito, valendo a
lei anterior. Tal medida objetiva a concessão
de prazo para que todos se adaptem à
nova lei. via de regra, a lei vigora por tempo
indeterminado, ate que uma outra lei posterior
a modifque ou revogue. Mas, a lei nova deve
ter hierarquia (grau de poderj igual ou superior
à da lei modifcada ou revogada.
Ha casos em que a lei e de vigência
temporaria, principalmente para atender
situações extremas, mas passageira.
Se a lei estiver em vigor, ninguem pode
escusar-se de cumpri-la, alegando que não
a conhece.
A lei não e capaz de prever todas as situações
juridicas e, sendo omissa, deve, então, o juiz
decidir o caso de acordo com a analogia
(semelhança entre coisas ou fatosj, com os
costumes e com os principios gerais de direito.
A aplicação da lei ao caso concreto deve
sempre atender aos fns sociais a que ela se
dirige e às exigências do bem comum. Uma
vez em vigor, a lei tem efeito imediato e geral,
mas deve respeitar o ato juridico perfeito, o
direito adquirido e a coisa julgada.
Conce|to
Ato juríd|co perfe|to e o ja
consumado segundo a lei vigente,
ao tempo em que se efetuou.

D|re|to adqu|r|do e especie do
direito subjetivo incorporado ao
patrimônio juridico do titular,
ja consumado ou não, porem
exigivel na via judicial se não
cumprido voluntariamente pelo
titular, e esta protegido de
mudanças legislativas futuras.

Co|sa ju|gada e a decisão judicial
que não cabe mais recurso. Essas
informações são de ordem geral
para todas as leis brasileiras.

A partir de agora, você vai conhecer alguns
dispositivos do Código Civil, aqueles que
guardam estreita relação com o Tecnico em
Transação lmobiliaria.
10
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
1. DAS PESSOAS
Pela legislação brasileira todo individuo e
capaz de direitos e obrigações na ordem civil.
O reconhecimento da pessoa como tal
e dada por sua personalidade juridica. A
personalidade civil começa com o nascimento,
mas a lei protege, tambem, o nascituro desde
a sua concepção.

1.1 DAS PESSOAS NATURAIS
Toda pessoa e capaz de direitos e deveres
na vida civil, ou seja, tem personalidade que
a autoriza a ser titular de deveres e direitos
nas relações juridicas entre os homens. A
personalidade civil da pessoa começa do
nascimento com vida e termina com a morte.
A respiração e considerada como sendo a
prova mais efcaz do nascimento com vida.
Todavia, desde a concepção, a lei põe a salvo
os direitos do nascituro; ser ja concebido,
mas que esta por nascer. Nesse sentido, o
nascituro pode herdar, receber doações e
legados, ser adotado, fgurar como sujeito
ativo e passivo de diretos e obrigações,
desde que venha a nascer.
Conce|to
A CAPACIDADE CIVIL e a aptidão da
pessoa para ser titular de direito, ou seja,
exercer direitos e assumir obrigações na
ordem civil.
Apesar de toda pessoa ser titular de direitos
e deveres necessariamente, não signifca
que ela possa exercê-los plenamente. Ha
casos em que a lei protege determinados
grupos de pessoas, considerando a idade,
estado de saúde e o desenvolvimento mental,
impedindo-os de exercer pessoalmente seus
direitos. A esse grupo de pessoas da-se a
denominação de incapazes.
Assim, a INCAPACIDADE pode ser entendida
como a vedação imposta pela lei para a pratica
pessoal de direitos e obrigações, não obstante
a pessoa seja titular desses direitos e deveres.
A incapacidade pode ser absoluta ou relativa.
São ABSOLUTAMENTE INCAPAZES para
exercer, pessoalmente, os atos da sua vida
civil, os menores de dezesseis anos, os que,
por enfermidade ou defciência mental, não
demonstram o necessario discernimento
para a pratica desses atos, e os que, mesmo
por causa transitória, não puderem exprimir
sua vontade.
A determinação da capacidade da pessoa e
de suma importância para a validade de um
negócio juridico, pois ele e NULO quando
celebrado por pessoa absolutamente incapaz.
E sendo nulo não gera nenhum efeito.
No exercicio de diretos e deveres, os abso-
lutamente incapazes são REPRESENTADOS
pelo pai, tutor ou curador, que pratica ato
juridico em nome ou pela pessoa, absoluta-
mente incapaz.
São RELATIVAMENTE INCAPAZES a certos
atos ou à maneira de os exercer os maiores
de dezesseis e menores de dezoito anos;
os ebrios habituais; os viciados em tóxicos
e os que, por defciência mental, tenham o
discernimento reduzido; os excepcionais,
sem desenvolvimento mental completo; os
pródigos, ou seja, o dissipador de seus bens.
ImportanteI
O negócio juridico celebrado por pessoa
relativamente incapaz e ANULÁvEL.
A lei permite aos relativamente incapazes a
pratica de atos juridicos, mas condiciona
essa pratica à ASSISTÊNCIA do pai, tutor ou
11
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
curador, ou seja, de uma pessoa plenamente
capaz, que se posta ao lado do relativamente
incapaz, auxiliando-o na pratica do ato
juridico e integrando-lhe a capacidade.
A menoridade cessa aos dezoito anos
completos, quando a pessoa fca habilitada à
pratica de todos os atos da vida civil. Todavia,
a incapacidade pode ser cessada, para os
menores, pela EMANCIPAÇÃO concedida
pelos pais, pelo casamento, pelo exercicio
de emprego público efetivo, pela colação
de grau em curso de ensino superior, pelo
estabelecimento civil ou comercial, ou pela
existência de relação de emprego no qual o
menor, com dezesseis anos completos tenha
economia própria.
ImportanteI
QUEM SE EMANClPOU pelo exercicio do
comercio e depois faliu, quem se casou
e depois fcou viúvo ou se divorciou não
retorna à condição de incapaz.
Ou seja, uma vez ocorrida a emancipação,
ela se torna irrevogavel e defnitiva, assim os
negócios feitos são validos.
O fm da pessoa natural:
A existência da pessoa natural termina com
a morte.
Pode-se tambem presumir a morte e assim
declara-la, sem decretação de ausência,
depois de esgotadas as buscas e averiguações,
nos casos em que e extremamente provavel
a morte de quem estava em perigo de vida,
se o desaparecido em campanha ou feito
prisioneiro não for encontrado ate dois anos
após o termino da guerra.
A morte presumida tem como consequência
a abertura da sucessão defnitiva quanto aos
bens e à dissolução da sociedade conjugal.
COMORIÊNCIA quando dois ou mais individuos
falecerem na mesma ocasião, não se podendo
averiguar se algum precedeu ao(sj outro(sj,
presumindo-se simultaneamente mortos.
A observação de informações como essas
são muito importantes no estabelecimento de
uma transação imobiliaria, principalmente no
que tange à cobrança de impostos, sucessões
de bens e realização de negócios, lembrando
sempre, neste último caso, de se averiguar a
idade e o desenvolvimento mental da pessoa
com a qual sera realizado qualquer contrato.
A pessoa natural e, tambem, conhecida como
pessoa fisica.
1.1.1 DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE
Toda pessoa tem direitos relativos à sua
personalidade.
Os direitos da personalidade são a intimidade,
a vida privada, a honra e a imagem das pessoas,
o nome e o pseudônimo. São intransmissiveis
e irrenunciaveis, não podendo o seu exercicio
sofrer limitação voluntaria. lsto signifca que o
titular de direitos de personalidade não pode,
exceto em casos especifcos previstos em lei,
transmitir esses direitos a outrem, não pode
renunciar ou deles dispor voluntariamente.
Toda pessoa tem direito ao nome, nele
compreendidos o prenome e o sobrenome.
O nome da pessoa não pode ser empregado
por outrem em publicações ou representações
que a exponham ao desprezo público, ainda
quando não haja intenção difamatória, nem
se pode usar o nome alheio em propaganda
comercial sem a devida anuência de seu titular.
Pode-se exigir que cesse a ameaça, ou a
lesão, a direito da personalidade, e reclamar
perdas e danos, sem prejuizo de outras
sanções previstas em lei.
1.1.2 DA AUSÊNCIA
A ausência ocorre quando uma pessoa
desaparece do seu domicilio e dela não
se tem mais noticia ou não tenha deixado
representante ou procurador. Ao ausente
12
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
sera nomeado curador, que procedera a
arrecadação dos bens.
ImportanteI
TAL FATO PODE GERAR providências a
serem observadas pelo corretor durante
uma transação imobiliaria.
Os interessados poderão requerer a declaração
de ausência e a abertura da sucessão provisória
depois de decorrido um ano da arrecadação
dos bens do ausente, ou três anos se ele deixou
representante ou procurador.
São considerados interessados na declaração
de ausência: o cônjuge não separado
judicialmente, os herdeiros presumidos,
legitimos ou testamentarios, os que tiverem
sobre os bens do ausente direito dependente
de sua morte e os credores de obrigações
vencidas e não pagas.
Dez anos depois passada em julgado a
sentença que concedeu a abertura da
sucessão provisória, poderão os interessados
requerer a sucessão defnitiva. Pode-se
requerer a sucessão defnitiva, tambem,
provando-se que o ausente conta oitenta
anos de idade e que as últimas noticias dele
remontam a cinco anos.
1.2 DAS PESSOAS JURÍDICAS
Conce|to
Pessoa juríd|ca e a entidade constituida
de individuos ou de bens com vida,
direitos, obrigações e patrimônio próprios.
As pessoas juridicas são de direito
público, interno ou externo, e de direito
privado.
São pessoas juríd|cas de d|re|to púb||co
|nterno: a União; os Estados; o Distrito
Federal e os Territórios; os Municipios, as
autarquias e as demais entidades de carater
público criadas por Lei.
São pessoas juríd|cas de d|re|to púb||co
externo: os Estados estrangeiros e todas
as pessoas que forem regidas pelo direito
internacional público. São pessoas juridicas
de direito privado as associações, as
sociedades e as fundações. A existência
legal das pessoas juridicas de direito privado
começa com a inscrição do ato constitutivo
no respectivo registro. Aplica-se às pessoas
juridicas, no que couber, a proteção dos
direitos da personalidade.
1.2.1 DAS ASSOCIAÇÕES E DAS
SOCIEDADES:
As associações são constituidas pela união de
pessoas que se organizem para fns não eco-
nômicos, exercendo, via de regra, atividades
culturais, religiosas ou benefcentes. As socie-
dades são constituidas pela união de pessoas
que se organizam visando fns econômicos,
ou seja, visando ao lucro. São exemplos a so-
ciedade civil, a sociedade limitada, a socieda-
de anônima de economia mista.
1.2.2 DAS FUNDAÇÕES:
Fundação e a pessoa juridica composta pela
organização de um patrimônio, destacado
pelo seu instituidor para fns religiosos, morais,
culturais ou de assistência. A fundação possui
apenas patrimônio gerido por curadores e não
tem proprietario, nem titular, nem sócios.
As fundações são veladas pelo Ministerio
Público da unidade de federação onde
estão situadas.
1.3 O DOMICÍLIO
Conce|to
Na area juridica, dom|cí||o e o local onde
se considera que uma pessoa reside
ou esteja estabelecida para os efeitos
legais; e onde ela se encontra para
cumprir determinados atos. O domicilio
pode ser classifcado como voluntario,
legal e de eleição.
13
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Vo|untár|o: É o domicilio estabelecido por
criterio exclusivo do individuo, sem qualquer
interferência exceto sua manifestação de
vontade.
Lega| ou necessár|o: É o domicilio fxado
por lei para determinadas pessoas (exemplo:
flhos menores - domicilio dos pais;
funcionario público - local da lotaçãoj.
Dom|cí||o de e|e|ção: É o especifcado, de
comum acordo, pelas partes contratantes.
1.3.1 DOMICÍLIO DA PESSOA NATURAL:
O domicilio da pessoa natural ou pessoa
fisica e o lugar onde ela estabelece a sua
residência com ânimo defnitivo. Todavia, se
a pessoa tiver diversas residências, vivendo
nelas alternadamente, qualquer delas podera
ser considerada seu domicilio. O domicilio
tambem pode ser o local de trabalho ou o
lugar onde a pessoa mantem o centro de
suas ocupações, ou, ainda, o lugar onde for
encontrada, se não tiver residência fxa ou
centro de ocupações habituais.
1.3.2 DOMICÍLIO DA PESSOA JURÍDICA:
O domicilio das pessoas juridicas e o lugar
onde funcionarem as respectivas diretorias
e administrações ou onde elegerem
domicilio especial no seu estatuto ou atos
constitutivos. Tendo a pessoa juridica
diversos estabelecimentos em lugares
diferentes, cada um deles sera considerado
domicilio para os atos nele praticados.
2. DOS BENS
Conce|to
Bens são as coisas de quantidades
limitadas e com utilidade econômica ou
juridica à pessoa e que nela provoca o
desejo de possui-las.
Estão, portanto, fora da categoria de bens:
terrenos em Marte, o ar atmosferico, a agua do
mar, a lnternet, a Lua, entre outros. Conforme
as suas caracteristicas, os bens têm diversas
classifcações, a saber.
2.1 DOS BENS CONSIDERADOS EM SI
MESMOS
2.1.1 DOS BENS IMOVEIS
São bens |móve|s o solo e tudo quanto se
lhe incorporar natural ou artifcialmente.
Tambem são considerados imóveis, para
efeitos legais, os direitos reais sobre imóveis
e as ações que os asseguram e o direito à
sucessão aberta.
Não perdem o carater de imóveis as
edifcações que, separadas do solo
mas conservando a sua unidade, forem
removidas para outro local, e os materiais
provisoriamente separados de um predio,
para nele se reempregarem.
2.1.2 DOS BENS MOVEIS
São móve|s os bens suscetiveis de movimento
próprio, ou de remoção por força alheia, sem
alteração da substância ou da destinação
econômico-social.
Tambem são considerados móveis, para
efeitos legais, as energias que tenham valor
econômico, os direitos reais sobre objetos
móveis e as ações correspondentes, e os
direitos pessoais de carater patrimonial e
respectivas ações.
Os materiais destinados a alguma construção,
enquanto não forem empregados, conservam
sua qualidade de móveis; e, atenção:
readquirem essa qualidade os provenientes
da demolição de algum predio.
14
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
2.1.3 DOS BENS FUNGÍVEIS, INFUNGÍ-
VEIS, CONSUMÍVEIS E INCONSUMÍVEIS
São fungíve|s os móveis que podem
substituir-se por outros da mesma especie,
qualidade e quantidade.
Infungíve|s são os que não podem ser
subst|tuídos, valendo pela sua individualidade.
Por exemplo, obras de arte originais.
São consumíve|s os bens móveis cujo uso
importa destruição imediata da própria
substância , sendo tambem considerados
tais os destinados à alienação.
E, são bens |nconsumíve|s, são os bens
móveis de natureza duravel.
2.1.4 DOS BENS DIVISÍVEIS E INDIVISÍVEIS
Bens d|v|síve|s são os que se podem fracionar
sem alteração na sua substância, diminuição
consideravel de valor, ou prejuizo do uso a
que se destinam. É exemplo a barra de ouro
ou um terreno fracionado em condominio.
Ind|v|síve|s são os bens que não admitem
divisão, pois, se divididos, perdem sua
qualidade ou a sua natureza.
ImportanteI
A indivisibilidade pode resultar:
Da própria natureza do bem em
questão: por exemplo, um animal.
De determinação legal, imposição
da lei: por exemplo, o módulo rural
e a servidão são exemplos bem
comuns.
É no campo dos bens incorpóreos que
mais se associa a indivisibilidade por
determinação legal. Pereira (2001, p.273j
cita que:
"a hipoteca, como direito real sobre coisa
alheia, e um bem incorpóreo a que se
atribui a condição legal da indivisibilidade
[...| as servidões prediais são igualmente
mantidas como bens indivisiveis".
E de convenção, isto e, por
manifestação da vontade das
partes interessadas: por exemplo,
em uma obrigação de dinheiro
que deva ser satisfeita por
varios devedores, estipulou-se a
indivisibilidade do pagamento.
15
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Para Orlando Gomes (2001, p.226j:
"A distinção entre bens divisiveis e
indivisiveis aplica-se às obrigações e
aos direitos. A regra dominante para
as obrigações e que, mesmo quando
a prestação e divisivel, o credor não
pode ser compelido a receber por
partes, se assim não se convencionou.
Se a prestação for indivisivel e houver
pluralidade de devedores, cada qual
sera obrigado pela divida toda".
2.1.5 DOS BENS SINGULARES E COLETIVOS
São s|ngu|ares os bens que, embora reunidos,
se consideram de oe| s|, independentemente
dos demais.
São co|et|vos os bens singulares que,
pertinentes à mesma pessoa, tenham
destinação unitaria. Sendo compostos de
varios bens singulares, acabam por formar
um todo homogêneo. Como, por exemplo,
a boiada formada por diversos bois, uma
pinacoteca formada por varias pinturas, ou
uma biblioteca formada de varios livros.
2.2 DOS BENS RECIPROCAMENTE
CONSIDERADOS
Pr|nc|pa|: É o bem que existe sobre si, abstrata
ou concretamente, o solo, por exemplo.
Acessór|o: É aque|e que é |ncorporado ao
pr|nc|pa| ou que é acresc|do a e|e, como
uma p|antação no so|o ou uma casa num
terreno; e o bem cuja existência supõe a
do principal.
ImportanteI
De modo geral, o acessório segue o
principal. Por outro lado, o fruto e a
produção normal e periódica da coisa,
sem diminuição de sua substância. Os
frutos podem ser naturais, resultando
do desenvolvimento da própria coisa,
como as crias dos animais ou as frutas
de uma arvore; industriais, decorrentes
da intervenção do homem, como
as manufaturas; e civis, como os
rendimentos obtidos da coisa, como no
caso dos alugueis e dividendos.
Pertenças: Trata-se de acessór|os
destinados duradouramente a conservar ou
facilitar o uso das partes, servir, ou, tambem,
a servir de adorno ao bem principal sem ser
parte integrante deste. Conservam-se na
individualidade, mas têm uma subordinação
econômica e juridica, como a moldura de
um quadro, um chafariz num jardim, ou um
acessório de veiculo.
Assim, pertenças são os bens que, não
constituindo partes integrantes, destinam-se,
de modo duradouro, ao uso, ao serviço ou ao
aformoseamento de outro.
Os negócios juridicos que dizem respeito
ao bem principal não abrangem as
pertenças, salvo se o contrario resultar da
lei, da manifestação de vontade, ou das
circunstâncias do caso.
ImportanteI
Apesar de ainda não separados do bem
principal, os frutos e produtos podem ser
objeto de negócio juridico.
16
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
2.3 DOS BENS PÚBLICOS
Conce|to
São púb||cos os bens do dominio
nacional pertencentes às pessoas
juridicas de direito público interno. Todos
os outros bens são particulares, seja qual
for a pessoa a que pertencerem.
Sâo bens púb//cos:
I| os de uso comum do povo, tais como
rios, mares, estradas, ruas e praças;
II| os de uso especial, tais como edificios
ou terrenos destinados a serviço ou
estabelecimento da administração
federal, estadual, territorial ou
municipal, inclusive os de suas
autarquias;
III| e os dominais ou dominicais, que
constituem o patrimônio das pessoas
juridicas de direito público, como
objeto de direito pessoal, ou real, de
cada uma dessas entidades.
Os bens públicos de uso comum do povo e
os de uso especial são inalienaveis enquanto
conservarem a sua qualifcação.
Os bens públicos dominicais podem
ser alienados desde que observadas as
exigências da lei. Em qualquer hipótese os
bens públicos não estão sujeitos a usucapião.
2.4 DAS BENFEITORIAS
Na area juridica, benfeitoria signifca obra,
modifcação ou conserto útil, realizado na
propriedade - móvel ou imóvel - com intenção
de conserva-lo, melhora-lo ou embeleza-lo.
As benfe|tor|as podem ser voluptuarias, úteis
ou necessarias.
São vo|uptuár|as as benfeitorias dispensaveis,
que se prestam ao mero deleite ou recreio,
que não aumentam o uso habitual do bem,
ainda que o tornem mais agradavel ou sejam
de elevado valor. Por exemplo, obras de
jardinagem, decoração, estetica.
São úte|s as benfeitorias que aumentam ou
facilitam o uso do bem. Por exemplo construção
de muros, garagem, grades nas janelas.
São necessarias as benfeitorias indispensaveis,
que têm por fm conservar o bem ou evitar que
se deteriore. Por exemplo reparo no telhado
ou parede, conserto infltração.
ImportanteI
Não se cons|deram benfeitorias
os melhoramentos ou acrescimos
sobrevindos ao bem sem a
intervenção do proprietario,
possuidor ou detentor.
No processo de transação imobiliaria, esses
conceitos são muito importantes e muito
utilizados.
3. FATOS JURÍDICOS
3.1 FATOS, ATOS E NEGOCIOS JURÍDICOS
Fato juríd|co e o acontecimento que produz
consequênc|as juríd|cas. O fato juridico pode
decorrer da natureza, como os efeitos de uma
ventania, ou de uma ação humana, criando,
transferindo, modifcando ou extinguindo
direitos e obrigações. O nascimento e um fato
juridico, pois acarreta direitos de sucessão,
por exemplo. A passagem do tempo tambem,
pois, implica prescrição, decadência.
O ato juríd|co e o acontecimento que
depende da atuação humana, que tem
seus ||m|tes estabe|ec|dos pe|a |e|, tanto
na forma, nos termos quanto nos efeitos. O
casamento e um exemplo classico. Trata-se
de "toda e qualquer manifestação da vontade
habil a criar, modifcar, ou extinguir direitos
e, contam com três requisitos: agente capaz,
objeto licito e forma prescrita ou não defesa
em lei (art. 82 do CC.j.
17
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
O negóc|o juríd|co e o ato licito que faculta
às partes estabelecerem a fxação dos termos
e dos efeitos, de acordo com seus interesses
particulares.
O negócio juridico e a relação entre duas
ou mais pessoas determinadas, causando
os efeitos do ato juridico. Pode ser um
contrato de compra e venda, de aluguel, de
emprestimo, de doação, etc.
Para Maria Helena Diniz, Negócio Juridico
"e o poder de auto-regulação dos interesses
que contem a enunciação de um preceito,
independentemente do querer interno."
Negócio Juridico, portanto, corresponde
a todo ato decorrente de uma vontade
autorregu|ada, onde uma ou ma|s pessoas
obr|gam-se a efetuar determ|nada
prestação juríd|ca v|sando à consecução
de determ|nado objet|vo. Ha a presença
incontestavel da autonomia privada como
pressuposto à realização de determinado
negócio.
Como em todo ato juridico, os efeitos do
negócio juridico são previamente instituidos
pelas normas de direito, porem os meios para
a realização destes efeitos estão sujeitos à
livre negociação das partes negociantes, que
estabelecem as clausulas negociais de acordo
com suas conveniências, em conformidade
com os limites legais.
A validade do negócio juridico requer agente
capaz; objeto licito, possivel, determinado ou
determinavel, e forma prescrita ou não defesa
em lei (proibida por leij.
ImportanteI
A realização de negócio juridico tem
como pressuposto uma declaração de
vontade. Aquele que a emite deve ter
capac|dade, ou seja, estar consciente
da declaração de vontade e das suas
consequências, pois o agente devera
expressar sua vontade, livre e consciente,
e deve conhecer as consequências da
expressão de sua vontade.
Quando existe incapacidade absoluta ou
relativa, o agente deve ser representado ou
assistido. (tutor, curador, MP...j
A qualidade e o requisito do que e licito, ou
seja, a ||c|tude do objeto visa garantir à
obediência dos negócios ao ordenamento
juridico na medida que não permite negócios
juridicos que vão de encontro à lei, a moral ou
aos bons costumes.
ImportanteI
Ressalte-se que a impossibilidade inicial
do objeto não invalida o negócio juridico se
for relativa, ou se cessar antes de realizada
a condição a que ele estiver subordinado.
Ainda na realização do negócio juridico e
imprescindivel a obed|ênc|a à forma, ou seja,
o meio pelo qual ele se exterioriza, quando a
lei exigir.
A regra geral e de que a validade da
declaração de vontade dependera de
forma especial somente quando a lei
expressamente a exigir, sendo livre a forma
nos demais casos.
No negócio juridico celebrado com a clausula
de não valer sem instrumento público, a sua
ausência o invalida.
A manifestação de vontade, mesmo que
o autor haja feito a reserva mental de não
querer o que manifestou, tem validade,
exceto se o destinatario da manifestação
18
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
tinha conhecimento do desejo do declarante.
O silêncio importa anuência, quando as
circunstâncias ou os usos o autorizarem
e quando não for necessaria a declaração
de vontade expressa. Nas declarações de
vontade se atendera mais à intenção nelas
consubstanciada que ao sentido literal da
linguagem. Os negócios juridicos devem ser
interpretados conforme a boa-fe e os usos
do lugar de sua celebração. Os negócios
juridicos benefcos e a renúncia interpretam-
se estritamente.
Todos os negócios juridicos e todos os atos
juridicos são tambem fatos juridicos. Porem,
nem todos os fatos juridicos tratam-se de
fatos ou negócios juridicos.
3.2 DA REPRESENTAÇÃO
Os poderes de representação são conferidos
pela lei ou pelo interessado. A manifestação
de vontade do representante, nos limites de
seus poderes, produz efeitos em relação ao
representado.
O representante e obrigado a provar
às pessoas, com quem tratar em nome
do representado, a sua qualidade e a
extensão de seus poderes, sob pena
de, não o fazendo, responder pelos
atos que a estes excederem.

É anulavel o negócio concluido pelo
representante em confito de interesses com
o representado, se tal fato era ou devia ser do
conhecimento de quem com aquele tratou.
Realizado o negócio, o prazo de decadência
para pleitear sua anulação e de cento e oitenta
dias, a contar da conclusão do negócio ou
da cessação da incapacidade, ultrapassado
este prazo decai o direito de ação.
3.3 DA CONDIÇÃO, DO TERMO E DO
ENCARGO
3.3.1 DA CONDIÇÃO
É a clausula que subordina o efeito do
negócio juridico a evento futuro e incerto;
requer sempre um fato futuro, do qual o efeito
do negócio fcara dependendo; relaciona-se,
ainda, a um acontecimento incerto, que pode
ou não ocorrer. Deriva exclusivamente da
vontade das partes.
São licitas todas as condições não contrarias
à lei, à ordem pública ou aos bons costumes.
São proibidas as condições que privarem o
negócio juridico de todo efeito ou o sujeitar
ao puro arbitrio de uma das partes.
lnvalidam os negócios juridicos, que lhes
são subordinados, as condições impossiveis
(quando suspensivasj; as ilicitas, as de fazer
coisa ilicita e as condições incompreensiveis
ou contraditórias.
A condição impossivel e aquela em que
o acontecimento necessario à efcacia do
ato juridico e inatingivel, inalcançavel ou
legalmente proibida.
Condições suspensivas são aquelas em que
a aquisição do direito fca na dependência
de um evento futuro e incerto. Enquanto este
não ocorrer, não se tera adquirido o direito.
3.3.2 DO TERMO
Termo e a defnição do momento, do dia em
que começam ou terminam os efeitos do
negócio juridico.
ImportanteI
Para estabelecimento do termo, salvo
disposição legal ou convencional em
contrario, computam-se os prazos,
excluido o dia do começo, e incluido o
do vencimento.
Se o dia do vencimento cair em feriado,
considerar-se-a prorrogado o prazo ate o
seguinte dia útil. Meado e considerado, em
qualquer mês, o seu decimo quinto dia.
Os prazos de meses e anos expiram no dia de
igual número do de inicio, ou no imediato, se
faltar exata correspondência. Os prazos fxados
por hora contar-se-ão minuto a minuto.
19
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Estabelecido um negócio juridico entre vivos,
sem fxação de prazo, ele e exequivel desde
logo, exceto se a execução tiver de ser feita
em lugar diverso ou depender de tempo.
3.3.3 DO ENCARGO
O encargo e clausula acessória que impõe
uma obrigação ao benefciario do ato juridico.
Não suspende a aquisição nem o exercicio do
direito, salvo quando expressamente imposto
no negócio juridico, pelo disponente, como
condição suspensiva.
O encargo ilicito ou impossivel sera
considerado não escrito, liberando o ato
negocial de qualquer restrição. Todavia,
se constituir o motivo determinante da
liberalidade sera invalidado o negócio juridico.
3.4 DOS DEFEITOS DO NEGOCIO JURÍDICO
O negócio juridico tem como fundamento a
livre e consciente manifestação de vontade
com vistas a atingir os fns pretendidos. Se
ela não e consciente ou o querer não se
manifestou livremente, o negócio juridico
pode ser anulado porque defeituoso.
O negócio juridico e passivel de anulação nos
casos de erro ou ignorância, dolo, coação,
estado de perigo e lesão.
Ha, tambem, manifestação de vontade que
o agente quis e estava consciente, mas a
expressou em desacordo com as disposições
legais ou da boa-fe, como no caso da fraude
contra credores.
3.4.1 DO ERRO OU IGNORÂNCIA
Erro e a fa|sa noção sobre alguma coisa,
como numa ilusão, enquanto a ignorância e
o desconhecimento acerca de algo. Ambos
viciam o consentimento do declarante, que
teria se manifestado de outra maneira se
conhecesse a realidade.
ImportanteI
São anulaveis os negócios juridicos,
quando as declarações de vontade
emanarem de erro substancial que
poderia ser percebido por pessoa
de diligência normal, em face das
circunstâncias do negócio.
Erro substanc|a| ou essenc|a| e aquele
que recai sobre a natureza do negócio,
sobre o objeto principal da declaração
ou sobre alguma das qualidades a
ele essenciais. Da mesma forma, erro
substancial e aquele que recai sobre
a identidade ou sobre a qualidade
essencial da pessoa a quem se refra a
declaração de vontade, desde que tenha
infuido nesta, de modo relevante. Ainda,
erro substancial e aquele que ocorre
quando for o motivo único ou principal
do negócio juridico, sendo de direito e
não implicando recusa à aplicação da lei.
O ato juríd|co somente é anu|ado por
erro substanc|a| ou essenc|a|. Não
acarreta nu||dade o erro ac|denta| ou
secundár|o.
O erro de indicação da pessoa ou da
coisa, denominado erro ac|denta|, a
que se referir a declaração de vontade,
não viciara o negócio quando, por seu
contexto e pelas circunstâncias, se puder
identifcar a coisa ou pessoa cogitada.
3.4.2 DO DOLO
Dolo e o artificio ou expediente usado para
enganar alguem, intencionalmente. Os negócios
juridicos são anulaveis quando o dolo for a
sua causa. Diferencia o dolo do erro porque a
vontade neste e enganada espontaneamente,
enquanto que naquele ela e provocada.
O dolo e acidental quando, a seu despeito, o
negócio seria realizado, embora por outro modo.
Ele só obriga à satisfação das perdas e danos.
20
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Nos negócios juridicos bilaterais, o silêncio
intencional de uma das partes a respeito de fato
ou qualidade que a outra parte haja ignorado,
constitui omissão dolosa, provando-se que
sem ela o negócio não se teria celebrado.
Se ambas as partes procederem com dolo,
nenhuma pode alega-lo para anular o negócio
ou reclamar indenização.
3.4.3 DA COAÇÃO
Coação e a violência fisica ou moral que
impede alguem de dispor livremente de sua
vontade. A coação, para viciar a declaração
da vontade, ha de ser tal que incuta ao
paciente fundado temor de dano iminente e
consideravel à sua pessoa, à sua familia, ou
aos seus bens.
Não se considera coação a ameaça do
exercicio normal de um direito, nem o
simples temor reverencial. Por exemplo de
ser seo|ocado ou medo de apanhar do pai!
3.4.4 DO ESTADO DE PERIGO
Ocorre o estado de perigo quando alguem,
premido da necessidade de salvar-se, ou
a pessoa de sua familia, de grave dano
conhecido pela outra parte, assume obrigação
excessivamente onerosa. Por exemplo vendo
o flho ameaçado por uma doença grave, o
pai vende um imóvel a valor vil.
3.4.5 DA LESÃO
Ocorre a lesão quando uma pessoa, sob
premente necessidade ou por inexperiência,
obriga-se a prestação manifestamente
desproporcional ao valor da prestação oposta.
Caio Mario da Silva Pereira faz um apanhado
desses institutos. Primeiramente discorre
que a lesão deriva da força "socializadora"
do direito moderno, em contradição ao
liberalismo, ao "pacto sunt servanda",
refetindo no "intervencionismo" do Estado
nos contratos, a "realização da equidade", o
"sentido de proteção", salienta o doutrinador.
3.4.6 DA FRAUDE CONTRA CREDORES
Pratica fraude contra credores o devedor
insolvente ou na iminência de o ser, que
onera ou aliena seus bens, desfalcando seu
patrimônio em detrimento dos credores.
Nesse caso, os credores poderão anular os
negócios de transmissão gratuita de bens
ou remissão de divida. Serão igualmente
anulaveis os contratos onerosos do devedor
insolvente, quando a insolvência for notória,
ou houver motivo para ser conhecida do
outro contratante.
3.4.7 SIMULAÇÃO
Pela simulação, as partes, mediante um
concerto, buscam deliberadamente atingir fm
diverso do exteriorizado no negócio, visando
prejudicar terceiros ou burlar a lei. Esta e a
sintese do que seja simulação.
É mister ressaltar que a simulação pode
esconder negócio real, vedado pela lei; como
tambem pode não ocultar nenhum outro ato.
Conforme a hipótese, a simulação recebera o
nome de relativa ou absoluta.
21
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Simulação Absoluta: Ocorre a simulação
absoluta quando, por detras do ato simulado,
nenhum ato existe. O exemplo classico e o
do devedor que - ciente da execução que
lhe bate às portas - elabora documento de
confssão de dividas com oferecimento de
garantia real a amigo, objetivando assim
subtrair seus bens dos efeitos constritivos da
execução. Não ha divida com o amigo, não
ha outro negócio que se busque esconder.
De verdadeiro ha apenas a intenção de
prejudicar os verdadeiros credores.
Simulação Relativa: Diz-se da simulação
que esconde outro ato proibido pela lei.
O exemplo tradicional e o do marido que
- impossibilitado de efetuar doação à
concubina - simula com ela contrato de
venda e compra. Note que por detras deste
último contrato ha outro ato real e desejado
pelas partes, a despeito da vedação legal.
Mais frequente ainda a declaração de valor
abaixo do realmente acordado visando menor
recolhimento de imposto aos cofres públicos.
ImportanteI
Nesta espéc|e de s|mu|ação, a |e|
a|nda d|spõe: "subs|st|rá o que se
d|ss|mu|ou se vá||do for na substânc|a
e na forma".
Em sintese, a simulação ocorre nos casos
de declaração, confssão, condição ou
clausula não verdadeira, ao se antedatar ou
pós-datar escritos particulares, ou, ainda,
quando aparentarem conferir ou transmitir
direitos a pessoas diversas daquelas às quais
realmente se conferem ou transmitem.
3.5 DA INVALIDADE DO NEGOCIO JURÍDICO
A desobediência quanto à forma prescrita
em lei acarreta uma sanção que impede o
negócio juridico de produzir efeitos. Essa
sanção é denom|nada nu||dade, que pode
ser absoluta ou relativa.
A nu||dade abso|uta caracteriza-se pela
falta de algum elemento substancial do
negócio juridico, como, por exemplo, quando
for celebrado por pessoa absolutamente
incapaz, quando for ilicito, impossivel ou
indeterminavel o seu objeto, quando o
motivo determinante das partes for ilicito.
A s|mu|ação é o ún|co víc|o que enseja a
nu||dade abso|uta.
Da mesma forma, nulo e o negócio juridico
quando não se reveste da forma prescrita em
lei, tiver por objetivo fraudar lei imperativa, e
quando a lei taxativamente o declarar nulo ou
proibir-lhe a pratica, sem cominar sanção.
A nulidade relativa caracteriza-se pela
incapacidade relativa do agente ou por vicio
resultante de manifestação de vontade.
A nulidade relativa só pode ser levantada pelo
interessado direto. Pode ser convalidada com
a ocorrência da prescrição, pela correção do
vicio, pela revogação da exigência legal ou
pela ratifcação.
A nu||dade abso|uta, por ser matér|a de
ordem púb||ca, pode ser |evantada a
qua|quer tempo, por qua|quer pessoa.
Não adm|te conva||dação ou rat|ñcação
e não se suje|ta a prescr|ção.
ImportanteI
O prazo decadencial para anulação do
negócio juridico decorrente e vicio de
vontade e de quatro anos, contados
conforme o vicio. Quando a lei dispuser
que determinado ato e anulavel, sem
estabelecer prazo para pleitear-se a
anulação, sera este de dois anos, a
contar da data da conclusão do ato.
22
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Anulado o negócio juridico, restituir-se-ão
as partes ao estado em que antes dele se
achavam e, não sendo possivel restitui-las,
serão indenizadas com o equivalente.
A invalidade do instrumento não induz à
invalidade do negócio juridico sempre que este
puder provar-se por outro meio. Respeitada
a intenção das partes, a invalidade parcial
de um negócio juridico não o prejudicara na
parte valida, se esta for separavel.
A invalidade da obrigação principal implica a
das obrigações acessórias, mas a destas não
induz a da obrigação principal.
3.6 DOS ATOS ILÍCITOS
Denomina-se ilicito o ato condenado pela lei
e/ou pela moral. É um ato, uma causa ou um
procedimento proibido, ilegal.
Em Direito existe ato ilicito e negócio ilicito.
A distinção entre ato ilicito e negócio ilicito
observa-se, sobretudo, quanto aos seus
efeitos. O primeiro e punido com a inefcacia,
enquanto o segundo gera a obrigação de
reparar o dano.
A pessoa que, por ação ou omissão
voluntaria, negligência ou imprudência, violar
direito e causar dano a outrem, ainda que
exclusivamente moral, comete ato ilicito.
Tambem comete ato ilicito, o titular de um
direito que, ao exercê-lo, excede os limites
impostos pelo seu fm econômico ou social,
pela boa-fe ou pelos bons costumes.
Não são considerados atos ilicitos aqueles
praticados em legitima defesa ou no exercicio
regular de direito ou a promoção da deterioração
ou a destruição da coisa alheia, ou a lesão a
pessoa, a fm de remover perigo iminente,
observados as circunstâncias e o limites.
3.7 DA PRESCRIÇÃO E DA DECADÊNCIA
Em português, a palavra prescrição tem
sentido diferente. Ela e entendida como receita
medica ou como ato de dar ordem antecipada
para que se faça algo. Mas, juridicamente, ela
tem outro sentido, bem diferente.
O titular de direitos deve, portanto, exercê-
los no tempo e na forma estabelecida pela lei
ou estabelecida particularmente, sob pena
de caducidade, prescrição, de decadência e,
por consequência, o perecimento do direito
ou da possibilidade de cobra-lo.
3.7.1 DA PRESCRIÇÃO
Conce|to
Na area juridica, Prescr|ção signifca
esgotamento de prazo concedido por lei;
perda de ação atribuida a um direito que
fca desprotegido, em função do não uso
dela durante aquele prazo.
A prescrição e a extinção de uma ação
ajuizavel em decorrência da inercia do
seu titular, durante certo lapso de tempo.
Extingue a pretensão e por consequência
a possibilidade de se exigir um direito.
Ocorre em dez anos, quando a |e| não
|he haja ñxado prazo menor.

Especifcamente no direito imobiliario:
Prescrevem em três anos:
a pretensão relativa a alugueis de
predios urbanos ou rústicos;
a pretensão para receber prestações
vencidas de rendas temporarias ou
vitalicias;
pretensão para haver juros, dividendos
ou quaisquer prestações acessórias,
pagaveis em periodos não maiores de
um ano com ou sem capitalização;
a pretensão de ressarcimento
de enriquecimento sem causa, a
pretensão de reparação civil;
a pretensão do benefciario contra o
segurador, e a do terceiro prejudicado,
no caso de seguro de responsabilidade
civil obrigatório.
23
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Prescrevem em c|nco anos:
a pretensão de cobrança de dividas
liquidas constantes de instrumento
público ou particular;
a pretensão dos profssionais liberais,
contado o prazo da conclusão dos
serviços, da cessação dos respectivos
contratos ou mandato;
a pretensão do vencedor para haver do
vencido o que despendeu em juizo.
3.7.2 DA DECADÊNCIA
Conce|to
Decadência e a extinção do direito em
decorrência da inercia do seu titular,
que deixa escoar o prazo legal ou
convencionado para o seu exercicio.
Enquanto a prescrição extingue a
pretensão, na decadência, o titular perde
o próprio direito e extingue-se não só a
pretensão, mas o próprio direito pelo não
exercicio do mesmo.
O titular inerte perde a possibilidade de ajuizar
ação para fazer valer um direito. Por exemplo:
Entra com ação, mas não prova devidamente
seu direito, ou deixa passar os prazos de
defesa - perda do direito de defender-se
(decadencialj.
25
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
UNIDADE II
In|c|ando
o assunto
4. DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES
O direito das obrigações compreende os
vinculos de conteúdo patrimonial que se
estabelecem de pessoa a pessoa, colocando-
as, uma em face da outra, como credora e
devedora, de tal modo que uma esteja na
situação de poder exigir a prestação, e a
outra, na contingência de cumpri-la.
As pessoas, quase sempre, devem dar, fazer
ou não devem fazer alguma coisa de ordem
moral ou econômica em beneficio de outrem.
Esse dar, fazer ou não fazer determinada
coisa, torna-se oo||gação. Mas, algumas
obrigações possuem vinculo de direito. Assim,
muitas dessas obrigações são expressas em
um esc||to, pelo qual a pessoa se obriga a
satisfazer uma divida, a cumprir um contrato.
A prestação ou contraprestação pessoal
deve ser possivel, licita, determinada ou
determinavel, e traduzivel em dinheiro.
Direito das Obrigações não deve se confundir
com o Direito das Coisas, que sera visto na
próxima unidade e que diz respeito à vinculação
com a coisa, dai derivando o direito de sequela
- de ir atras, seguir, ir em busca.
ImportanteI
O direito das obrigações tem por objeto
direitos de natureza pessoal, que resultam
de um vinculo juridico estabelecido
entre o credor, como sujeito ativo, e o
devedor, na posição de sujeito passivo.
São direito relativos, uma vez que se
dirigem contra pessoas determinadas,
vinculando sujeito ativo e passivo, não
sendo oponiveis "e|ga omnes", ou seja,
contra todos os homens.
4.1 DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES

As obrigações dividem-se em:
Obrigação de dar
Obrigação de dar coisa certa
Obrigação de dar coisa incerta
Obrigação de fazer
Obrigação de não fazer
Obrigações alternativas
Obrigações divisiveis e não divisiveis
Obrigações solidarias
vejamos uma a uma.
4.1.1 DAS OBRIGAÇÕES DE DAR
Essas obrigações relacionam-se a
obrigatoriedade de entregar alguma coisa, que
podera ser certa, determinada e especifca
ou incerta, indeterminada ou generica. via
de regra as obrigações incertas tratam sobre
coisas fungiveis, e as obrigações certas sobre
coisas infungiveis (insubstituiveisj.
ImportanteI
Dar e entregar, que tambem e chamado
tradição, para coisas móveis e registro
para imóveis!
DAS OBRIGAÇÕES DE DAR COISA CERTA
A obrigação de dar coisa certa abrange
os acessórios dela, mesmo que não
mencionados, salvo se o contrario resultar do
titulo ou das circunstâncias do caso. O credor
de coisa certa não esta obrigado a receber
outra, ainda que mais valiosa.
As obrigações de dar e de restituir se resolvem
conforme averiguação da existência de culpa
do devedor.
Nas obrigações de dar coisa certa, se a coisa
se perder por culpa do devedor, respondera
este pelo equivalente e mais perdas e danos.
Se deteriorada, podera o credor exigir o
equivalente, ou aceitar a coisa no estado em
que se acha, com direito a reclamar indenização
das perdas e danos. Nas obrigações de dar
coisa certa, se a coisa se perder, sem culpa
26
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
do devedor, antes da tradição, ou pendente a
condição suspensiva, fca resolvida a obrigação
para ambas as partes. Se deteriorada a coisa,
podera o credor resolver a obrigação, ou
aceitar a coisa, abatido de seu preço o valor
que perdeu.
Tradição e a entrega da coisa, feita pelo
devedor ao credor; e obrigação resolvida e
a obrigação fnda, extinta.
Se a obrigação for de restituir coisa certa,
e esta, sem culpa do devedor, se perder
antes da tradição, sofrera o credor a perda,
e a obrigação se resolvera, ressalvados os
seus direitos ate o dia da perda. Se a coisa
se perder por culpa do devedor, respondera,
este, pelo equivalente mais perdas e danos.
Se a coisa restituivel se deteriorar sem culpa
do devedor, recebê-la-a o credor, tal qual se
ache, sem direito a indenização; se a perda
resultar de culpa do devedor, respondera
este pelo equivalente e mais perdas e danos.
Nas transações imobiliarias esta obrigação e
muito comum. Por exemplo, na defnição das
caracteristicas do imóvel alugado, quando se
registra por meio de vistoria o estado do imóvel.
A obrigação de dar coisa certa e aquela que
consiste na entrega de uma coisa certa e
determinada. O objeto da prestação e uma
coisa individualizada, delimitada, distinta
de todas as outras da mesma especie.
DAS OBRIGAÇÕES DE DAR COISA INCERTA
A coisa incerta sera indicada, ao menos,
pelo gênero e pela quantidade. Nas coisas
determinadas pelo gênero e pela quantidade,
a escolha pertence ao devedor, se o contrario
não resultar do titulo da obrigação; mas não
podera dar a coisa pior, nem sera obrigado
a prestar a melhor. Antes da escolha,
não podera o devedor alegar perda ou
deterioração da coisa, ainda que por força
maior ou caso fortuito.
A obrigação de dar coisa certa distingue-
se da obrigação de dar coisa incerta. No
primeiro caso, o devedor, para cumprir a
obrigação, devera entregar uma coisa que
tenha indicação precisa, individualizada; ja no
segundo caso, exige-se apenas a indicação
do gênero (apartamento, por exemploj e
a quantidade (10 lotes, um, dois, três etc.j,
porque a coisa sera individualizada pela
escolha, quando a obrigação for solvida.
4.1.2 DAS OBRIGAÇÕES DE FAZER
A obrigação de fazer relaciona-se com o
encargo de prestar um serviço, um ato
positivo, material ou imaterial, em beneficio
do credor ou terceiro. Bem exemplifca a
obrigação de fazer o encargo aceito pelo
pedreiro para construir um muro. O devedor
que recusar a prestação somente a ele
imposta, ou só por ele exequivel incorrera na
obrigação de indenizar perdas e danos.
Se a prestação do fato tornar-se impossivel
sem culpa do devedor, resolver-se-a a
obrigação; se por culpa dele, respondera
por perdas e danos. Se o fato puder ser
executado por terceiro, sera livre ao credor
manda-lo executar as custas do devedor,
havendo recusa ou mora deste, sem prejuizo
da indenização cabivel. Em caso de urgência,
pode o credor, independentemente de
autorização judicial, executar ou mandar
executar o fato, sendo depois ressarcido.
4.1.3 DAS OBRIGAÇÕES DE NÃO FAZER
A obrigação de não fazer relaciona-se com o
encargo de abster-se obrigatoriamente de um
fato que poderia praticar, de tolerar, consentir
ou não impedir. Extingue-se a obrigação de
não fazer, desde que, sem culpa do devedor,
se lhe torne impossivel abster-se do ato, que
se obrigou a não praticar.
Se aquele que se obrigou a abster-se de
praticar o ato o fzer, o credor pode exigir seu
desfazimento, sob pena de o próprio credor o
desfazer a custa do devedor, que respondera
tambem por perdas e danos. Em caso de
urgência, podera o credor desfazer ou mandar
desfazer, sem prejuizo do ressarcimento devido.
27
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Exemplifcando: A se oo||ga a não s0o|| o
m0|o oa|a não t||a| a vent||ação do se0 v|z|n|o
B. Caso A a0mente o m0|o, B oode|a ex|g|| a
demo||ção, o0 fazê-|a a c0stas daq0e|e.
Atenção: Neste exemo|o do m0|o, se
A se m0da|, o novo mo|ado| te|a q0e
|esoe|ta| a oo||gação? Não, oo|s q0em
ce|eo|o0 o cont|ato não fo| e|e. Po|em,
se B hze| 0ma se|v|dão o|ed|a|, todos
os f0t0|os o|oo||eta||os da casa não
oode|ão a0menta| o m0|o. E, se fo| o
ente o0o||co q0e manda| const|0|| o0
de||0oa| o m0|o? Neste caso o|eva|ece
o |nte|esse o0o||co.
4.1.4 DAS OBRIGAÇÕES ALTERNATIVAS
Conce|to
Obrigação alternativa e aquela que tem
por objeto duas ou varias prestações que
são devidas de tal maneira que o devedor
se libere inteiramente executando uma
só dentre elas.
Nas obrigações alternativas, a escolha cabe
ao devedor, se outra coisa não se estipulou,
mas ele não pode obrigar o credor a receber
parte em uma prestação e parte em outra.
Quando a obrigação for de prestações
periódicas, a faculdade de opção podera ser
exercida em cada periodo.
Se uma das duas prestações não puder ser
objeto de obrigação ou se tornada inexequivel,
subsistira o debito quanto à outra.
Se, por culpa do devedor, não se puder
cumprir nenhuma das prestações, não
competindo ao credor a escolha, fcara aquele
obrigado a pagar o valor da que por último se
impossibilitou, mais as perdas e danos que o
caso determinar.
Quando a escolha couber ao credor e uma
das prestações tornar-se impossivel por
culpa do devedor, o credor tera direito de
exigir a prestação subsistente ou o valor da
outra, com perdas e danos; se, por culpa do
devedor, ambas as prestações se tornarem
inexequiveis, podera o credor reclamar o valor
de qualquer das duas, alem da indenização
por perdas e danos.
Se todas as prestações se tornarem
impossiveis sem culpa do devedor, extinguir-
se-a a obrigação.
4.1.5 DAS OBRIGAÇÕES DIVISÍVEIS E
INDIVISÍVEIS
Conce|to
Obr|gação d|v|síve| e aquela cuja
prestação o devedor pode cumprir a
obrigação por partes.
Havendo mais de um devedor ou mais de um
credor em obrigação divisivel, esta presume-se
dividida em tantas obrigações, iguais e distintas,
quantos os credores ou devedores. Exemplo:
pode-se comprar um terreno em prestações.
Conce|to
A obr|gação é |nd|v|síve| quando a
prestação tem por objeto uma coisa ou
um fato não suscetiveis de divisão.
Se, havendo dois ou mais devedores, a
prestação não for divisivel, cada um sera
obrigado pela divida toda. O devedor, que
paga a divida, sub-roga-se no direito do
credor em relação aos outros coobrigados.
Perde a qualidade de indivisivel a obrigação
que se resolver em perdas e danos.
4.1.6 DAS OBRIGAÇÕES SOLIDÁRIAS
Ha solidariedade quando na mesma obrigação
concorre mais de um credor, ou mais de um
devedor, cada um com direito, ou obrigado, à
divida toda. A solidariedade não se presume,
resulta da lei ou da vontade das partes.
28
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A obrigação solidaria pode ser pura e simples
para um dos co-credores ou co-devedores, e
condicional, ou a prazo, ou pagavel em lugar
diferente, para o outro.
Exemplificando: Um pai morre e deixa
dividas, seus filhos irão pagar estas dividas
dentro dos limites da herança recebida do
pai (se a obrigação for divisivel - podem
parcelar e cada um responde pela fração
da divida que corresponde a sua parte na
'herança', senão cada um respondera por
toda a divida ou todos por toda a divida de
uma vez - indivisivelj. O mesmo se da em
relação aos credores, se divisivel cada um
podera exigir a sua parte, caso contrario
qualquer um podera exigir a divida toda.
DA SOLIDARIEDADE ATIVA (NA
COBRANÇA|
Cada um dos credores solidarios tem direito
a exigir, do devedor o cumprimento da
prestação por inteiro.
Enquanto alguns dos credores solidarios não
demandarem o devedor comum, a qualquer
daqueles podera este pagar. O pagamento
feito a um dos credores solidarios extingue a
divida ate o montante do que foi pago.
Convertendo-se a prestação em perdas e
danos, subsiste, para todos os efeitos, a
solidariedade.
O credor que tiver remitido a divida ou
recebido o pagamento respondera aos outros
pela parte que lhes caiba.
DA SOLIDARIEDADE PASSIVA (NO
PAGAMENTO|
O credor tem direito a exigir e receber de um
ou de alguns dos devedores, parcialmente ou
totalmente, a divida comum; se o pagamento
tiver sido parcial, todos os demais devedores
continuam obrigados solidariamente pelo resto.
O pagamento parcial feito por um dos
devedores e a remissão por ele obtida não
aproveitam aos outros devedores, senão ate
à concorrência da quantia paga ou relevada.
A clausula, condição ou obrigação adicional,
qualquer que seja ela, estipulada entre um
dos devedores solidarios e o credor, não
podera agravar a posição dos outros sem
consentimento destes.
lmpossibilitando-se a prestação por culpa de
um dos devedores solidarios, subsiste para
todos o encargo de pagar o equivalente; mas
pelas perdas e danos só responde o culpado.
Todos os devedores respondem pelos juros
da mora, ainda que a ação tenha sido proposta
somente contra um; mas o culpado responde
aos outros pela obrigação acrescida.
O credor pode renunciar à solidariedade
em favor de um, de alguns ou de todos
os devedores. Se o credor exonerar da
solidariedade um ou mais devedores,
subsistira a dos demais.
4.2 DA TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES
4.2.1 DA CESSÃO DE CRÉDITO
Na cessão de credito, o credor (cedentej pode
transferir a terceiro (cessionarioj o direito que
possui em relação ao devedor (cedidoj, se a
isso não se opuser à natureza da obrigação, a
lei, ou a convenção com o devedor.
A clausula proibitiva da cessão não podera
ser oposta ao cessionario de boa-fe, se não
constar do instrumento da obrigação. A
cessão do credito não tem efcacia em relação
ao devedor, senão quando a este notifcada.
Salvo estipulação em contrario, o cedente
não responde pela solvência do devedor. O
cedente, responsavel ao cessionario pela
solvência do devedor, não responde por mais
do que daquele recebeu, com os respectivos
juros; mas tem de ressarcir-lhe as despesas da
cessão e as que o cessionario houver feito com
a cobrança. O credito, uma vez penhorado,
não pode mais ser transferido pelo credor que
tiver conhecimento da penhora; mas o devedor
que o pagar, não tendo notifcação dela, fca
exonerado, subsistindo somente contra o
credor os direitos de terceiro.
29
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4.2.2 DA ASSUNÇÃO DE DÍVIDA
É facultado a terceiro assumir a obrigação do
devedor, com o consentimento expresso do
credor, fcando exonerado o devedor primitivo,
salvo se aquele, ao tempo da assunção, era
insolvente e o credor o ignorava.
Qualquer das partes pode assinar prazo ao
credor para que consinta na assunção da divida,
interpretando-se o seu silêncio como recusa.
Salvo assentimento expresso do devedor
primitivo, consideram-se extintas, a partir da
assunção da divida, as garantias especiais
por ele originariamente dadas ao credor.
ImportanteI
Se a substituição do devedor vier a
ser anulada, restaura-se o debito,
com todas as suas garantias, salvo as
garantias prestadas por terceiros, exceto
se este conhecia o vicio que inquinava
(corrompia, infamavaj a obrigação.
4.3 DO ADIMPLEMENTO E EXTINÇÃO DAS
OBRIGAÇÕES
O ato de cumprir a obrigação e denominado
adimplemento. A obrigação pode ser extinta
com o pagamento, com a dação em pagamento,
com a novação, a compensação, a transação,
confusão e a remissão de dividas.
4.3.1 DO PAGAMENTO
Conce|to
O pagamento e o cumprimento dado a
uma obrigação, em dinheiro ou coisa.
DE QUEM DEVE PAGAR
Qualquer interessado na extinção da divida
pode paga-la, usando, se o credor se opuser,
dos meios conducentes à exoneração
do devedor (ação de consignação em
pagamentoj. lgual direito cabe ao terceiro
não interessado, se o fzer em nome e à conta
do devedor, salvo oposição deste.
Só tera efcacia o pagamento que importar
transmissão da propriedade, quando esse for
feito por quem possa alienar o objeto em que
ele consistiu. Se se der em pagamento coisa
fungivel, não se podera mais reclamar do credor
que, de boa-fe, a recebeu e consumiu, ainda
que o solvente não tivesse o direito de aliena-la.
DAQUELES A QUEM SE DEVE PAGAR
O pagamento deve ser feito ao credor ou a
quem de direito o represente, sob pena de
só valer depois de por ele ratifcado, ou tanto
quanto reverter em seu proveito.
O pagamento feito de boa-fe ao credor
putativo (suposto como legitimoj e valido,
ainda provado depois que não era credor.
Não tem validade o pagamento, cientemente,
feito ao credor incapaz de quitar, se o
devedor não provar que em beneficio dele
efetivamente reverteu.
DO OBJETO DO PAGAMENTO E SUA PROVA
O credor não e obrigado a receber prestação
diversa da que lhe e devida, ainda que mais
valiosa. Ainda que a obrigação tenha por
objeto prestação divisivel, não pode o credor
ser obrigado a receber, nem o devedor a
pagar, por partes, se assim não se ajustou.
As dividas em dinheiro deverão ser pagas no
vencimento, em moeda corrente e pelo valor
nominal. É licito convencionar o aumento
progressivo de prestações sucessivas.
Quando, por motivos imprevisiveis, sobrevier
desproporção manifesta entre o valor da
prestação devida e o do momento de sua
execução, podera o juiz corrigi-lo, a pedido
da parte, de modo que assegure, quanto
possivel, o valor real da prestação.
São nulas as convenções de pagamento em
ouro ou em moeda estrangeira, bem como
para compensar a diferença entre o valor
desta e o da moeda nacional, excetuados os
casos previstos na legislação especial.
O devedor que paga tem direito a quitação
regular e pode reter o pagamento, enquanto
não lhe seja dada. A quitação designara o
valor e a especie da divida quitada, o nome do
30
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
devedor, ou quem por este pagou, o tempo e
o lugar do pagamento, com a assinatura do
credor ou do seu representante.
Quando o pagamento for em quotas periódicas,
a quitação da última estabelece, ate prova em
contrario, a presunção de estarem solvidas
as anteriores. Se o pagamento se houver de
fazer por medida, ou peso, entender-se-a, no
silêncio das partes, que aceitaram os do lugar
da execução.
DO LUGAR DO PAGAMENTO
Efetuar-se-a o pagamento no domicilio do
devedor, salvo se as partes convencionarem
diversamente, ou se o contrario resultar
da lei, da natureza da obrigação ou das
circunstâncias. Designados dois ou mais
lugares, cabe ao credor escolher entre eles.
Divida q0e|ao|e - que deve ser
reclamada, paga no domicilio do
devedor.

Divida oo|tao|e ou portavel, que deve
ser paga no domicilio do credor.
ImportanteI
Sendo o contrato omisso prevalecera
o domicilio do devedor como lugar do
pagamento. Se o pagamento consistir na
tradição de um imóvel, ou em prestações
relativas a imóvel, far-se-a no lugar onde
situado o bem. Ocorrendo motivo grave
para que se não efetue o pagamento no
lugar determinado, podera o devedor fazê-
lo em outro, sem prejuizo para o credor. O
pagamento reiteradamente feito em outro
local faz presumir renúncia do credor,
relativamente ao previsto no contrato.
DO TEMPO DO PAGAMENTO
Salvo disposição legal em contrario, não tendo
sido ajustada epoca para o pagamento, pode
o credor exigi-lo imediatamente. As obrigações
condicionais cumprem-se na data do
implemento da condição, cabendo ao credor a
prova de que o devedor teve ciência deste.
Ao credor assistira o direito de cobrar a
divida antes de vencido o prazo estipulado
no contrato ou defnido no Código Civil, nos
seguintes casos:
Desde que no caso de falência do
devedor, ou de concurso de credores;
Se os bens hipotecados ou
empenhados forem penhorados em
execução por outro credor;
Se cessarem ou se tornarem
insufcientes as garantias do debito e o
devedor se negar a reforça-las.
4.3.2 PAGAMENTO EM CONSIGNAÇÃO
Consignação, na esfera juridica, signifca a
entrega ou depósito judicial ou extrajudicial, em
mãos de um terceiro ou em um estabelecimento
ou caixa pública, que o devedor faz da quantia
em dinheiro ou da coisa que constitui o objeto
da obrigação, seja porque o credor se recusa a
receber, seja por outros motivos determinados
em lei. Pode o devedor efetuar o depósito
judicial ou em estabelecimento bancario
da coisa devida, sendo o ato considerado
pagamento, extinguindo-se a obrigação.
ImportanteI
O pagamento pode ser feito em
consignação nos seguintes casos:
Se o credor não puder ou recusar,
sem justa causa, receber o
pagamento dar quitação na devida
forma;
Se o credor não for ou não
mandar receber a coisa no lugar,
no tempo e condição devidos;
Se o credor for incapaz de
receber; for desconhecido,
declarado ausente, ou residir
em lugar incerto ou de acesso
perigoso ou dificil;
Se ocorrer dúvida sobre quem
deva legitimamente receber o
objeto do pagamento;
31
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Se pender litigio sobre o objeto do
pagamento.
Para que a consignação tenha força
de pagamento, e imprescindivel
a observância dos requisitos do
pagamento, ou seja, feita observando
a identidade do credor, a prestação
deve ser integral e efetuada na epoca
acordada, ou se feita com atraso,
acompanhada dos encargos da mora.
Por fm, deve ocorrer no lugar estipulado
para o pagamento.
Enquanto o credor não declarar que aceita
o depósito, ou não o impugnar, podera
o devedor requerer o levantamento,
pagando as respectivas despesas, e
subsistindo a obrigação para todas as
consequências de direito.
4.3.3 DO PAGAMENTO COM
SUB-ROGAÇÃO
Sub-rogar tem o signifcado de trocar,
substituir, colocar uma coisa ou pessoa
no lugar de outra. A sub-rogação deve ser
declarada expressamente no contrato, não se
presumindo. Ocorre quando o credor recebe
o pagamento de terceiro e lhe transfere
todos os seus direitos. Ela transfere ao novo
credor todos os direitos, ações, privilegios e
garantias do primitivo, em relação à divida,
contra o devedor principal e os fadores.
Ela pode ser pessoal ou real; legal ou
convencional:
Na sub-rogação pessoal a divida e
paga por um co-devedor ou terceiro
interessado.
Na sub-rogação real substitui-se a
coisa devida.
A sub-rogação legal resulta de uma
defnição juridica e se manifesta nos
casos em que o credor paga a divida
do devedor comum; em que terceiro
efetiva o pagamento para não ser
privado de direito sobre imóvel, em que
terceiro interessado paga a divida pela
qual era ou podia ser obrigado, no todo
ou em parte.
A sub-rogação convencional decorre de
estipulação de vontades entre o credor
e terceiro ou entre o devedor e terceiro.
4.3.4 DA IMPUTAÇÃO DO PAGAMENTO
lmputar o pagamento signifca indicar o que
se esta pagando. Ocorre quando a pessoa
obrigada por dois ou mais debitos da mesma
natureza, a um só credor, indica a qual deles
oferece pagamento, se todos forem liquidos
e vencidos. São requisitos a dualidade ou
pluralidade de dividas, a identidade do
credor e devedor, debitos de natureza igual
e sufciência de pagamento para qualquer
das dividas.
Se não houver imputação no momento da
quitação, esta se fara primeiro das dividas
liquidas e vencidas. E se todas forem liquidas
e vencidas ao mesmo tempo, far-se-a da
mais onerosa.
4.3.5 DA DAÇÃO EM PAGAMENTO
Dação em pagamento e o ato de pagar com
algum bem uma divida em dinheiro.
ImportanteI
A entrega pelo mutuario de imóvel
hipotecado ao agente fnanceiro, ou de
devedor a credor correspondente ao que
deveria ser pago em moeda e uma forma
de dação.
O credor de coisa certa não pode ser obrigado
a receber outra coisa, ainda que mais valiosa.
Mas o credor pode consentir em receber
prestação diversa da que lhe e devida. A coisa
dada em pagamento, mesmo que diversa do
estipulado, pode extinguir a obrigação desde
que o credor concorde com a substituição.
Determinado o preço da coisa dada em
pagamento, as relações entre as partes
regular-se-ão pelas normas do contrato de
compra e venda.
Se for titulo de credito a coisa dada em
pagamento, a transferência importara em
cessão. Se o credor for evicto da coisa recebida
32
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
em pagamento, restabelecer-se-a a obrigação
primitiva, fcando sem efeito a quitação dada,
ressalvados os direitos de terceiros.
ImportanteI
Credor evicto e aquele que perdeu um
bem, em consequência de reivindicação
feita pelo verdadeiro dono.
Para reñet|rI
Comentario: É muito comum a clausula de
evicção nos contratos de compra e venda
de imóveis, pois, muitas vezes, o imóvel foi
dado em garantia em alguma obrigação ou
e objeto de ação judicial, e nestes casos o
imóvel, se negociado, retornara ao credor
que o tinha por garantia.
4.3.6 DA NOVAÇÃO
Conce|to
Novação e a renovação de
contrato ou obrigação judicial.
É a substituição de uma obrigação
por outra.
É a extinção de uma divida anterior
por uma nova que e criada.
A novação ocorre pela substituição do sujeito
ativo ou do sujeito passivo ou do objeto
da obrigação, surgindo uma nova relação
juridica, que extingue e substitui a anterior.
A novação por substituição do devedor
pode ser efetuada independentemente de
consentimento deste. Se o novo devedor for
insolvente, não tem o credor que o aceitou o
direito de ação regressiva contra o primeiro,
salvo se este obteve por ma-fe a substituição.
A novação extingue os acessórios e garantias da
divida, sempre que não houver estipulação em
contrario. Não aproveitara, contudo, ao credor
ressalvar o penhor, a hipoteca ou a anticrese,
se os bens dados em garantia pertencerem a
terceiro que não foi parte na novação.
ImportanteI
Anticrese e um tipo de contrato em que o
devedor entrega um imóvel, transferindo-
lhe o direito de auferir os frutos e
rendimentos para compensar uma divida.
É uma consignação de rendimento.
lmporta exoneração do fador a novação
feita sem seu consentimento com o devedor
principal. Não podem ser objeto de novação
obrigações nulas ou extintas, exceto as
obrigações simplesmente anulaveis.
4.3.7 DA COMPENSAÇÃO
Juridicamente, a compensação e uma
modalidade de extinção de obrigação
reciproca. Se duas pessoas forem, ao mesmo
tempo, credores e devedores uma da outra, as
duas obrigações extinguem-se, ate onde se
compensarem. A compensação efetua-se entre
dividas liquidas, vencidas e de coisas fungiveis.
A diferença de causa nas dividas não impede
a compensação, exceto se provier de
esbulho, furto ou roubo, se uma se originar de
comodato, depósito ou alimentos, ou se uma
for de coisa não suscetivel de penhora. As
partes podem, de comum acordo, estipular
a exclusão da compensação, ou, ainda, no
caso de renúncia previa de uma delas.
4.3.8 DA CONFUSÃO
Em determinados negócios, pode ocorrer o
fato de uma mesma pessoa ser identifcada
como credor e como devedor. A esse fato,
da-se o nome de confusão. Exemplifcando:
A e inquilino de seu pai B, mas o pai morre
e A herda o apartamento, extinguindo a
obrigação de pagar aluguel face à confusão,
pois B vai reunir as qualidades de credor e
devedor, afnal ninguem pode ser devedor ou
credor de si mesmo. (MENEZESj.
A confusão exige identidade de pessoas
e de patrimônios, de modo que o dono
33
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
de uma pessoa juridica pode dever a sua
Se na mesma pessoa se confundir as qualidades
de credor e devedor, a obrigação sera extinta.
A confusão pode verifcar-se a respeito de
toda a divida, ou só de parte dela. Cessando
a confusão, logo se restabelece, com todos os
seus acessórios, a obrigação anterior.
4.3.9 DA REMISSÃO DAS DÍVIDAS

Conce|to
Na esfera juridica, remissão e o ato pelo
qual o credor dispensa graciosamente o
devedor de pagar a divida. É um ato de
liberalidade do credor, e bilateral, pois
depende da concordância do devedor.
A remissão pode ser total ou parcial, e pode
produzir os mesmos efeitos que a transação,
extingue a obrigação, mas não pode
prejudicar terceiro.
4.3.10 DA TRANSAÇÃO
De acordo com o Código Civil e nas palavras
do professor Menezes, trata-se na verdade de
um contrato, porem e importante conhecê-la
desde ja, pois, para alguns e um modo de
extinção das obrigações.
O conceito doutrinario diz que transação e a
solução contratual da lide; pelo conceito legal,
transação e o contrato pelo qual as partes
terminam ou previnem um litigio mediante
concessões mútuas.
É essencial que na transação existam
concessões mútuas, ou seja, cada uma
das partes perde e ganha um pouco. As
concessões podem ser desproporcionais, ou
seja, uma parte pode se quiser perder mais
do que a outra, mas as concessões têm que
ser mútuas. Se uma das partes perde tudo
e esta parte e o credor, existe remissão da
devedor perde tudo existe pagamento, mas
não transação. (MENEZESj.
ImportanteI
Atenção: a transação não se aplica
a todas as obrigações, mas apenas
às obrigações de carater patrimonial
privado. Todavia, tolera-se transação em
outras areas, como em alguns casos de
familia, penal e trabalho.
4.4 DO INADIMPLEMENTO DAS
OBRIGAÇÕES
lnadimplir signifca descumprir uma
obrigação assumida. Essa inexecução
gera uma serie de consequências juridicas,
conforme a obrigação. Pelo inadimplemento
das obrigações respondem todos os bens do
devedor. O inadimplemento pode ser relativo
ou absoluto.
Relativo, tambem denominado mora, ocorre
quando a obrigação não foi cumprida no tempo,
lugar e formas estipuladas, mas sua execução
ainda pode ser aproveitada pelo credor.
A inadimplência e considerada absoluta
quando a obrigação não foi cumprida e sua
execução fora do tempo, lugar e formas
estipuladas não mais se aproveita ao credor.
Nesse caso ocorre o inadimplemento.
Não cumprida a obrigação, responde o devedor
por perdas e danos, mais juros e atualização
monetaria segundo indices ofciais regularmente
estabelecidos e honorarios de advogado.
Nas obrigações negativas, de não fazer, o
devedor e havido por inadimplente desde o
dia em que executou o ato de que se devia
abster. Nos contratos benefcos, responde
por simples culpa o contratante, a quem
o contrato aproveite, e por dolo aquele a
quem não favoreça. Nos contratos onerosos,
responde cada uma das partes por culpa,
salvo as exceções previstas em lei.
O devedor não responde pelos prejuizos
resultantes de caso fortuito ou força maior,
se expressamente não se houver por eles
responsabilizado. O caso fortuito ou de força
34
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
maior se caracteriza pela inevitabilidade do
acontecimento, do fato, e pela ausência de
culpa na produção do evento.
4.4.1 DA MORA
Mora e uma delonga, uma demora do tempo.
Em Economia, mora signifca a quantia que
se paga a mais em uma divida pelo não
cumprimento do prazo estipulado. No campo
juridico, mora e retardamento do devedor ou
do credor no cumprimento de uma obrigação.
É o atraso no pagamento ou no recebimento,
tanto por culpa do devedor (mo|a so|vend|j
como por culpa do credor (mo|a acc|o|end|j.
Curioso e que a mora pode tambem ser do
aceitar o pagamento. (MENEZESj.
Consiste na inexecução total ou parcial de uma
obrigação, mas sua execução, ainda que tardia
ou defciente pode, ser aproveitada pelo credor.
Considera-se em mora o devedor que não
efetuar o pagamento e o credor que não
quiser recebê-lo no tempo, lugar e forma
que a lei ou a convenção estabelecer.
O devedor responde pelos prejuizos a que
sua mora der causa, mais juros, atualização
dos valores monetarios segundo indices
ofciais regularmente estabelecidos e
honorarios de advogado.
Se a prestação, devido à mora, tornar-se inútil
ao credor, este podera enjeita-la, e exigir a
satisfação das perdas e danos.
Não havendo fato ou omissão imputavel ao
devedor, não incorre este em mora.
No prazo estipulado, o inadimplemento da
obrigação positiva e liquida constitui de pleno
direito em mora o devedor. Não havendo
prazo estipulado, a mora se constitui mediante
interpelação judicial ou extrajudicial.
Nas obrigações provenientes de ato ilicito,
considera-se o devedor em mora, desde que
o praticou.
Nas obrigações negativas, considera-se o
devedor em mora a partir do dia em que se
executou o ato, se dele havia a obrigação de
se abster.
Nos contratos que versam sobre imóveis, a
interpelação cartoraria ou judicial constitui
o devedor em mora. O devedor em mora
responde pela impossibilidade da prestação,
mesmo sendo essa impossibilidade
resultante de caso fortuito ou de força maior,
se estes ocorrerem durante o atraso, salvo
se provar isenção de culpa, ou que o dano
sobreviria ainda quando a obrigação fosse
oportunamente desempenhada.
A mora do credor faz cessar para o devedor
a responsabilidade de conservação da coisa,
obriga o credor a ressarcir as despesas
empregadas em conserva-la, e sujeita-o a recebê-
la pela estimação mais favoravel ao devedor, se
o seu valor oscilar entre o dia estabelecido para
o pagamento e o da sua efetivação.
Purga-se a mora, por parte do devedor,
oferecendo este a prestação mais a
importância dos prejuizos decorrentes
do dia da oferta, e por parte do credor,
oferecendo-se este a receber o pagamento
e sujeitando-se aos efeitos da mora ate a
mesma data.
4.4.2 DAS PERDAS E DANOS
Aquele que causar prejuizo a alguem, pelo
descumprimento culposo de um contrato
ou pela pratica de ato ilicito, deve reparar
as perdas e danos. Salvo as exceções
expressamente previstas em lei, as perdas
e danos devidos ao credor abrangem, alem
do que ele efetivamente perdeu, o que
razoavelmente deixou de lucrar.
35
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4.4.3 DOS JUROS LEGAIS
Conce|to
Juro e a quantia que remunera um
credor pelo uso de seu dinheiro durante
determinado tempo; uma porcentagem
sobre o qual foi emprestado. É a
soma cobrada por quem empresta o
seu dinheiro a outrem. Juro signifca,
tambem, a renda ou rendimento de um
capital, de uma importância investida. É
a remuneração que o credor exige por
emprestar dinheiro ao devedor. Juro e
igual a rendimento, e igual a fruto civil.
Distinguem-se os juros em compensatório e
moratório.
Juro compensatório e a remuneração
do capital empregado.
Juro moratório e a indenização pelo
prejuizo resultante da mora culposa na
execução de uma obrigação.
Quando os juros moratórios não forem
convencionados ou o forem sem taxa
estipulada ou quando provierem de
determinação da lei, serão fxados segundo
a taxa que estiver em vigor para a mora do
pagamento de impostos devidos à Fazenda
Nacional. Ainda que se não alegue prejuizo, e
obrigado o devedor aos juros da mora que se
contarão assim às dividas em dinheiro, como
às prestações de outra natureza, uma vez
que lhes esteja fxado o valor pecuniario por
sentença judicial, arbitramento, ou acordo
entre as partes.
4.4.4 DA CLÁUSULA PENAL
A clausula penal, ou multa convencional,
e uma convenção estipulada pelas partes
na qual estas se obrigam a pagar uma
determinada multa no caso de violação
de algum dispositivo contratual. Trata-
se de uma obrigação acessória, que
tem por objetivo garantir o cumprimento
da obrigação principal e tambem fxar
previamente o valor das perdas e danos em
caso de descumprimento do pactuado.
Por ser obrigação acessória, sendo nula ou
anulada a obrigação principal, tambem o são
as disposições contidas na clausula penal.
lncorre de pleno direito o devedor na clausula
penal, desde que, culposamente, deixe de
cumprir a obrigação ou se constitua em mora.
A clausula penal pode ser estipulada
conjuntamente com a obrigação, ou em
ato posterior. Tambem pode referir-se à
inexecução completa da obrigação, de alguma
clausula especial ou simplesmente à mora.
O valor da cominação imposta na clausula penal
não pode exceder o da obrigação principal,
sendo a penalidade reduzida equitativamente
se a obrigação principal tiver sido cumprida
em parte, ou se o montante da penalidade for
manifestamente excessivo, tendo-se em vista a
natureza e a fnalidade do negócio.
Para exigir a pena convencional, não e
necessario que o credor alegue prejuizo. Ainda
que o prejuizo exceda ao previsto na clausula
penal, não pode o credor exigir indenização
suplementar se assim não foi convencionado.
Se o tiver sido, a pena vale como minimo da
indenização, competindo ao credor provar o
prejuizo excedente.
4.4.5 DAS ARRAS OU SINAL
Conce|to
Arras são os recursos pagos por um dos
contratantes para garantir o cumprimento
de um contrato, comumente conhecido
por sinal.
É um termo muito comum na area de
transação imobiliaria.
Por sua importância, o Código Civil trata do
assunto no Capitulo vl. Um contrato preliminar
pode ser garantido pelas arras ou sinal, que
torna presumido o acordo fnal e obrigatório
o contrato. Se, por ocasião da conclusão do
contrato, uma parte der à outra, a titulo de
arras, dinheiro ou outro bem móvel, deverão
as arras, em caso de execução, ser restituidas
ou computadas na prestação devida, se do
mesmo gênero da principal. Se a parte que deu
36
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
as arras não executar o contrato, podera a outra
tê-lo por desfeito, retendo-as. Se inexecução
for de quem recebeu as arras, podera quem as
deu haver o contrato por desfeito, e exigir sua
devolução mais o equivalente, com atualização
monetaria segundo indices ofciais regularmente
estabelecidos, juros e honorarios de advogado.
A parte inocente pode pedir indenização
suplementar, se provar maior prejuizo, valendo
as arras como taxa minima. Pode, tambem, a
parte inocente exigir a execução do contrato,
com as perdas e danos, valendo as arras como
o minimo da indenização.
Se no contrato for estipulado o direito de
arrependimento para qualquer das partes,
as arras ou sinal terão função unicamente
indenizatória. Neste caso, quem as deu
perdê-las-a em beneficio da outra parte; e
quem as recebeu tera de devolvê-las em
dobro. Em ambos os casos não havera direito
a indenização suplementar.
4.5 DOS CONTRATOS EM GERAL
Conce|to
Contrato e uma convenção estabelecida
entre duas ou mais pessoas, com
o objetivo de adquirir, resguardar,
modifcar ou extinguir entre elas uma
relação juridica patrimonial.
A validade do contrato depende da
capacidade juridica das partes, do objeto
licito, possivel, determinado ou determinavel,
bem como de forma prescrita ou não proibida
pela lei.
São principios basicos que informam os
contratos:
A autonomia de vontades;
A supremacia da ordem pública;
A força vinculante do contrato.
A autonomia de vontades faculta às partes
a liberdade para estipular ou não estipular
o que lhes convenha ou de escolher com
quem contratar.
A supremacia da ordem pública torna a
autonomia da vontade relativa, uma vez que
ela esta sujeita às normas legais imperativas e
aos principios da moral e dos bons costumes.
Nesse sentido, a liberdade de contratar sera
exercida em razão e nos limites da função
social do contrato, alem de que e obrigatório
aos contratantes guardar, tanto na execução
quanto na conclusão do contrato, os
principios de probidade e boa-fe.
A força vinculante do contrato, tambem
denominada "oacta s0nt se|vanda", signifca
que o contrato faz lei entre as partes. Uma vez
estipuladas as condições, observada a livre
e consciente manifestação de vontade e a
supremacia da ordem pública, as disposições
expressas no contrato são de cumprimento
obrigatório pelas partes.
As clausulas ambiguas ou contraditórias,
eventualmente constantes do contrato de
adesão devem ser interpretadas de modo mais
favoravel ao aderente. Da mesma forma, nos
contratos de adesão são nulas as clausulas
que estipulem a renúncia antecipada do
aderente a direito resultante da natureza do
negócio. As partes podem estipular contratos
atipicos, desde que observem as normas
fxadas pela lei.
A lei veda a contratação de herança de
pessoa viva.
4.5.1 DA FORMAÇÃO DOS CONTRATOS
A proposta de contrato obriga o proponente,
se o contrario não resultar dos termos dela, da
natureza do negócio, ou das circunstâncias
do caso. Deixa de ser obrigatória a
proposta feita para pessoa presente, sem
estabelecimento de prazo, e não aceita
imediatamente. A pessoa que contrata
por telefone ou por meio de comunicação
semelhante e considerada presente.
Tambem deixa de ser obrigatória a
proposta feita para pessoa ausente sem o
estabelecimento de prazo, se tiver decorrido
tempo sufciente para chegar a resposta ao
conhecimento do proponente. Da mesma
forma, deixa de ser obrigatória a proposta feita
para pessoa ausente com estabelecimento de
prazo, se não tiver sido expedida a resposta
dentro do prazo estipulado.
37
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Por fm, deixa de ser obrigatória a proposta
se, antes dela, ou simultaneamente, chegar
ao conhecimento da outra parte a retratação
do proponente. A oferta ao público equivale
à proposta quando encerra os requisitos
essenciais ao contrato, salvo se o contrario
resultar das circunstâncias ou dos usos.
Pode revogar-se a oferta pela mesma via de
sua divulgação, desde que ressalvada esta
faculdade na oferta realizada. Se a aceitação,
por circunstância imprevista chegar tarde ao
conhecimento do proponente, este devera
comunicar imediatamente ao aceitante, sob
pena de responder por perdas e danos.
ImportanteI
A aceitação fora do prazo, com adições,
restrições ou modifcações importara
nova proposta.
Se o negócio for daqueles em que não
seja costume a aceitação expressa, ou o
proponente a tiver dispensado, o contrato
sera considerado concluido caso não
chegue à recusa. Considera-se inexistente a
aceitação se antes dela ou com ela chegar
ao proponente a retratação do aceitante. Os
contratos entre ausentes tornam-se perfeitos
desde que a aceitação seja expedida.
Todavia, são exceções a essa regra os casos
em que aceitação e considerada inexistente,
se o proponente se houver comprometido
a esperar resposta, ou se a aceitação não
chegar no prazo convencionado.
Reputar-se-a celebrado o contrato no lugar
em que foi proposto, ainda que o aceite venha
de outro lugar.
4.5.2 DA ESTIPULAÇÃO EM FAVOR DE
TERCEIRO
Estipular signifca contratar, estabelecer
condições, clausulas e obrigações
reciprocas. A estipulação pode ser feita
em favor de terceiro, que não participa do
estipulado. Exemplifcando: alugo minha
casa e determino que o aluguel seja pago a
meu irmão desempregado; outro exemplo e o
seguro de vida; da-se a estipulação em favor
de terceiro, na medida em que o segurado
estabelece com a seguradora algum beneficio
em favor do benefciario, que não participa
diretamente do contrato.
O benefciario pode exigir o cumprimento
do estipulado, observando as condições e
normas do contrato, mas tambem pode ser
substituido pelo estipulante, independente de
anuência, por ato entre vivos ou disposição
de última vontade.
4.5.3 DA PROMESSA DE FATO DE
TERCEIRO
Pode alguem frmar compromisso para que
terceiro pratique determinado ato.
Aquele que tiver prometido fato de terceiro
respondera por perdas e danos quando este
o não executar.
4.5.4 DOS VÍCIOS REDIBITORIOS
Redibir signifca devolver (uma mercadoria
com defeitoj, enjeitar; anular a venda de algo
que possui defeitos ocultos descobertos pelo
adquirente. Redibitório e o que pode motivar
a anulação de uma venda.
Conce|to
vicios Redibitórios são os defeitos
ocultos presentes na coisa, de tal modo
grave que a tornam imprópria ao uso a
que se destina ou lhe diminuam o valor.
verifcado o vicio redibitório, pode o adquirente
optar pelo abatimento no preço ou por rejeitar
a coisa. Se o alienante conhecia o vicio ou
defeito da coisa, restituira o que recebeu
com perdas e danos. Se o não conhecia, tão
somente restituira o valor recebido mais as
despesas do contrato.
A responsabilidade do alienante subsiste
ainda que a coisa pereça em poder do
alienatario, desde que o perecimento se
dê por vicio oculto ja existente ao tempo
da tradição.
38
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
O prazo de decadência do direito de
obter a redibição ou abatimento no preço
e de trinta dias para móveis, contados da
entrega efetiva, e de um ano para imóveis.
Na impossibilidade de ser o defeito oculto
conhecido no prazo legal, a decadência
correra a partir do momento em que dele tiver
ciência ate o maximo de cento e oitenta dias
se móveis, e um ano se imóveis. Os prazos não
correm na constância de clausula de garantia,
mas o adquirente deve denunciar o defeito
ao alienante nos trinta dias seguintes ao seu
descobrimento, sob pena de decadência.
4.5.5 DA EVICÇÃO
Conce|to
Evicção e o ato de destituir, de
desapossar judicialmente alguem de
uma propriedade. É a perda de um bem
pelo adquirente, em consequência de
reivindicação feita pelo verdadeiro dono.
Exemplo: A e flho único e com a morte
de seu pai herda todos os bens, inclusive
uma casa na praia; A então vende esta
casa a B; eis que aparece um testamento
do falecido pai determinando que aquela
casa pertenceria a C; verifcada pelo Juiz
a veracidade do testamento, desfaz-se
então a venda, entrega-se a casa a C e A
devolve o dinheiro a B. (MENEZESj.
Assim, a evicção e fato que causa ao adquirente
a perda total ou parcial da coisa adquirida,
por decisão judicial em favor de terceiro, este
reconhecido como verdadeiro dono.
Nos contratos onerosos, o alienante responde
pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a
aquisição se tenha realizado em hasta pública.
Contrato oneroso e aquele em que ambas
as partes têm obrigações patrimoniais, com
vantagens reciprocas. As partes podem,
por clausula expressa, reforçar, diminuir
ou excluir a responsabilidade pela evicção.
Todavia, não obstante a clausula que exclui a
garantia contra a evicção, se esta se der, tem
direito o evicto a receber o preço que pagou
pela coisa evicta, se não soube do risco da
evicção, ou, dele informado, não o assumiu.
O evicto, salvo estipulação em contrario,
tem direito à restituição integral do preço ou
das quantias que pagou, à indenização dos
frutos que tiver sido obrigado a restituir; à
indenização pelas despesas dos contratos e
pelos prejuizos que diretamente resultarem
da evicção, e às custas judiciais e aos
honorarios do advogado por ele constituido.
Se parcial mas consideravel for a evicção,
podera o evicto optar entre a rescisão do
contrato e a restituição da parte do preço
correspondente ao desfalque sofrido. Se
não for consideravel, cabera somente direito
à indenização. Não pode o adquirente
demandar pela evicção, se sabia que a coisa
era alheia ou litigiosa.
4.5.6 DOS CONTRATOS ALEATORIOS
Aleatório e o que depende de circunstâncias,
de eventos futuros, do acaso, do fortuito; que
depende de ocorrências imprevisiveis.
Conce|to
O contrato aleatório e aquele em que
ha dependência direta a eventos
futuros ou incertos, sendo que as
partes assumem o risco de uma contra
prestação desproporcional ou mesmo
de nada receber.
Quem vendeu coisa pendente de fato futuro,
sem se responsabilizar pelos resultados,
recebe o preço integral, desde que de sua
parte não tenha havido dolo ou culpa.
Quem prometeu a entrega de coisa futura
de quantidade indeterminada, sem se
responsabilizar pelos resultados, recebe
o preço integral ainda que a coisa venha a
existir em quantidade inferior a esperada,
desde que alguma quantidade venha a existir
e que de sua parte não tiver concorrido culpa.
Mas, se da coisa nada vier a existir, alienação
não havera, e o alienante restituira o preço
recebido. O mesmo entendimento e aplicado
às coisas existentes, mas expostas a risco.
39
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4.5.7 DO CONTRATO PRELIMINAR
Conce|to
O contrato preliminar e a declaração de
vontade de ambas as partes, ou de uma
delas, no sentido de prometerem frmar
posteriormente um contrato defnitivo.
Esta modalidade de contrato, exceto quanto
à forma, deve conter todos os requisitos
essenciais ao contrato a ser celebrado.
Devera ser levado ao registro competente.
Uma vez concluido o contrato preliminar, e nele
não constando clausula de arrependimento,
qualquer das partes tera o direito de exigir
a celebração do defnitivo, fxando prazo à
outra para que o efetive.
Esgotado o prazo, ao contrato preliminar e
conferido carater defnitivo, salvo se a isto
se opuser a natureza da obrigação. Se o
estipulante não der execução ao contrato
preliminar, podera a outra parte considera-lo
desfeito, e pedir perdas e danos.
Se a promessa de contrato for unilateral,
o credor, sob pena de fcar a mesma sem
efeito, devera manifestar-se no prazo nela
previsto, ou, inexistindo este, no que lhe for
razoavelmente assinado pelo devedor.
4.5.8 DO CONTRATO COM PESSOA A
DECLARAR
Ao concluir um contrato, pode uma das partes
reservar-se a faculdade de indicar a pessoa
que deve adquirir os direitos e assumir as
obrigações dele decorrentes. Por exemplo,
compro um apartamento para pagar em
quinze anos e celebro um contrato preliminar
com a construtora, pois o contrato defnitivo
só vira ao termino do pagamento integral;
então, após os quinze anos, posso pedir à
construtora-vendedora que coloque o imóvel
logo no nome dos meus flhos. (MENEZESj.
Essa indicação deve ser comunicada à outra
parte no prazo de cinco dias da conclusão
do contrato, se outro prazo não tiver sido
estipulado. A pessoa adquire os direitos
e assume as obrigações decorrentes do
contrato, a partir do momento em que este
foi celebrado.
4.5.9 DA EXTINÇÃO DO CONTRATO
São modalidades de extinção do contrato o
seu cumprimento e a rescisão, termo este
entendido em sentido amplo. A rescisão pode
ocorrer pelo distrato, pela denúncia unilateral,
por força de clausula resolutiva expressa ou
tacita, ou pelo inadimplemento.
DO DISTRATO DO DISTRATO
Conce|to
Distrato e o ato ou efeito de desfazer,
de distratar, de anular um acordo.
Juridicamente, trata-se de outro acordo
entre as partes para rescindir, extinguir
o vinculo estabelecido no contrato em
acordo anterior.
O distrato faz-se pela mesma forma exigida para
o contrato. A rescisão (ou em sentido estrito
a resiliçãoj unilateral pode ocorrer mediante
denúncia notifcada à outra parte, desde que a
lei expressa ou implicitamente o permita.
Se, porem, dada a natureza do contrato,
uma das partes houver feito investimentos
consideraveis para a sua execução, a
denúncia unilateral só produzira efeito depois
de transcorrido prazo compativel com a
natureza e o vulto dos investimentos.
DA CLÁUSULA RESOLUTIVA
Conce|to
Clausula resolutiva e a disposição expressa
ou tác|ta que implica a revogação do
negócio juridico pelo inadimplemento da
obrigação por uma das partes. A clausula
e expressa quando esta registrada,
consignada, manifestada de modo a não
admitir objeção. A clausula e tacita quando
não esta formalmente expressa, não esta
traduzida por palavras, mas pode estar
implicita ou subentendida em um acordo.
40
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A clausula resolutiva expressa opera de pleno
direito; a tacita depende de interpelação
judicial. A parte lesada pelo inadimplemento
pode pedir a resolução do contrato, se não
preferir exigir-lhe o cumprimento, cabendo,
em qualquer dos casos, indenização por
perdas e danos.
DA EXCEÇÃO DE CONTRATO NÃO
CUMPRIDO
A exceção de contrato não cumprido, ou
exceot|o non ad|mo|et| cont|act0s, ocorre nos
contratos bilaterais e consiste na proibição
aos contratantes, antes de cumprida a
sua obrigação de exigir o implemento da
obrigação do outro.
Da mesma forma, se sobrevier a uma das
partes contratantes a diminuição em seu
patrimônio, capaz de comprometer ou tornar
duvidosa a prestação pela qual se obrigou,
pode a outra se recusar à prestação que
lhe incumbe, ate que aquela satisfaça a que
lhe compete ou dê garantia bastante de
satisfazê-la.
DA RESOLUÇÃO POR ONEROSIDADE
EXCESSIVA
Se a prestação de uma das partes se
tornar excessivamente onerosa, com
extrema vantagem para a outra, em
virtude de acontecimentos extraordinarios
e imprevisiveis, podera o devedor pedir
a resolução do contrato de execução
continuada ou diferida.
A resolução podera ser evitada, oferecendo-
se o reu a modifcar equitativamente as
condições do contrato. Se no contrato
as obrigações couberem a apenas uma
das partes, podera ela pleitear que a
sua prestação seja reduzida ou alterada
no modo de executa-la, a fm de evitar a
onerosidade excessiva.
4.6 DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO
4.6.1 DA COMPRA E VENDA
Conce|to
É o contrato pelo qual um dos contratantes
se obriga a transferir o dominio de certa
coisa e o outro se obriga a pagar-lhe
certo preço em dinheiro. O contrato de
compra e venda possui três elementos
essenciais: acordo de vontades, a coisa
e o preço (consens0s, |es et o|et|0mj.
A declaração de vontade vem a ser
o consentimento que vem a recair
sobre a coisa e o preço.
A co|sa e o objeto da compra e
venda, podendo ser qualquer coisa
comercializavel.

O preço deve ser em dinheiro ou em
coisas representativas de dinheiro.
A compra e venda pode ter por objeto coisa
atual ou futura. Neste caso, fcara sem efeito
o contrato se esta não vier a existir, salvo
se a intenção das partes era de concluir
contrato aleatório.
Se a venda se realizar à vista de amostras,
protótipos ou modelos, entender-se-a que o
vendedor assegurara ter na coisa as qualidades
que a elas correspondem. Prevalece a
amostra, o protótipo ou o modelo, se houver
contradição ou diferença com a maneira pela
qual se descreveu a coisa no contrato.
O preço pode ser fxado ao arbitrio de terceiro,
à taxa do mercado ou bolsa, em certo e
determinado dia e lugar, ou em função de
indices ou parâmetros, desde que suscetiveis
de objetiva determinação. Convencionada a
venda sem fxação de preço ou de criterios
para a sua determinação, se não houver
tabelamento ofcial, entende-se que as partes
se sujeitaram ao preço corrente nas vendas
habituais do vendedor. Na falta de acordo, por
ter havido diversidade de preço, prevalecera
o termo medio. A fxação do preço não pode
ser deixada ao arbitrio exclusivo de uma das
41
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
partes componentes do contrato de compra e
venda, sob pena de se tornar nulo o contrato.
Se a coisa vendida for imóvel, a propriedade
se adquire pelo registro em Cartório, conforme
art. 1227 do Código Civil. Registro e tradição
são assuntos de Direitos Reais, que você ja
esta familiarizado.
ImportanteI
As despesas de escritura e registro fcam
a cargo do comprador, e as despesas da
tradição a cargo do vendedor, exceto se
as partes estipularem em contrario.
O vendedor não e obrigado a entregar a coisa
antes de receber o preço, exceto no caso de
venda a credito.
Ate o momento da tradição, os riscos da coisa
correm por conta do vendedor, e os do preço
por conta do comprador. A tradição da coisa
vendida, na falta de estipulação expressa,
dar-se-a no lugar onde ela se encontrava, ao
tempo da venda.
Não obstante o prazo ajustado para o
pagamento, se antes da tradição o comprador
cair em insolvência, podera o vendedor sobrestar
na entrega da coisa, ate que o comprador lhe dê
caução de pagar no tempo ajustado.
ImportanteI
É anulavel a venda de ascendente
a descendente, salvo se os outros
descendentes e o cônjuge do alienante
expressamente houverem consentido.
Em ambos os casos, dispensa-se o
consentimento do cônjuge se o regime de
bens for o da separação obrigatória.
Os cônjuges podem contratar a compra
e venda com relação a bens excluidos da
comunhão. A lei veda em alguns casos, sob
pena de nulidade, a realização do contrato de
compra e venda, mesmo que a venda se dê
em hasta pública.
Nesse sentido não podem ser comprados:
Pelos tutores, curadores,
testamenteiros e administradores,
os bens confados à sua guarda ou
administração;
Pelos servidores públicos, em geral, os
bens ou direitos da pessoa juridica a
que servirem, ou que estejam sob sua
administração direta ou indireta;
Pelos juizes e outros serventuarios
ou auxiliares da justiça, os bens ou
direitos em litigância no juizo onde
servirem ou que se estender a sua
autoridade;
Pelos leiloeiros e seus prepostos,
os bens de cuja venda estejam
encarregados.

Se, na venda de um imóvel, se estipular o preço
por medida de extensão, ou se determinar a
respectiva area, ocorrera a venda ad mens0|am.
(Exemplo: fazenda de cem hectares, terreno
com mil metros quadradosj ou o preço de
cada metro ou hectare (Exemplo: mil reais cada
metro quadrado, dez mil reais por hectarej,
(MENEZESj. Se a extensão não corresponder
às dimensões dadas, o comprador tera o direito
de exigir o complemento da area, e, não sendo
isso possivel, o de reclamar a resolução do
contrato ou abatimento proporcional ao preço.
ImportanteI
Decai do direito de propor as ações em
relação a venda ad mens0|am o vendedor
ou o comprador que não o fzer no prazo
de um ano, a contar do registro do titulo.
A venda ad co|o0s e aquela em que o imóvel
e vendido como coisa certa e discriminada,
tendo sido apenas enunciativa, a referência,
às suas dimensões. Nesse caso, não havera
complemento de area, nem devolução de
excesso, ainda que não conste, de modo
expresso, ter sido a venda ad co|o0s. Pois,
adquire-se coisa certa e que se presume
42
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
se pode falar de abatimento do preço. Na
venda ad co|o0s existe uma presunção
imóvel, sua extensão e suas divisas.
O vendedor, salvo convenção em contrario,
responde por todos os debitos que gravem a
coisa ate o momento da tradição.
Nas coisas vendidas conjuntamente, o
defeito oculto de uma não autoriza a rejeição
de todas.
O condômino em coisa indivisivel não
pode vender a sua parte a estranhos, se
outro condômino a quiser. Nesse caso, o
condômino não informado da venda podera
haver para si a parte vendida a estranhos,
desde que deposite o preço pago e requeira
a coisa vendida no prazo maximo de cento e
oitenta dias, sob pena de decadência.
Os Contratos de Compra e venda podem
ser gravados com clausulas especiais,
estabelecendo direitos e deveres especifcos,
tais como clausula de retrovenda, de venda a
contento e da sujeita à prova, da preempção
ou preferência, da venda com reserva de
dominio, e da venda sobre documentos.
DA RETROVENDA
A expressão "|et|o", colocada junto de
outra palavra, como prefxo, signifca o que
retrocede; voltar atras no tempo; não levar
adiante um intento, um acordo.
É clausula rara porque e onerosa para o
vendedor, mas não deixa de ser útil para
quem esta em difculdade transitória. É
tambem conhecida pela doutrina como pacto
de resgate ou de retrato.
Conce|to
Retrovenda e um pacto feito entre as
partes, pelo qual o vendedor se assegura
o direito de resgatar ou recobrar a coisa
vendida, dentro do prazo estipulado,
pagando o que recebeu ou outro que se
tenha acertado.
No caso, o vendedor não precisa levar
adiante o compromisso de venda pela falta de
cumprimento das obrigações do comprador.
Não se aplica a móveis, só a imóveis.
O vendedor de coisa imóvel pode reservar-
se o direito de recobra-la no prazo maximo
de decadência de três anos, restituindo o
preço recebido e reembolsando as despesas
do comprador, inclusive as que, durante o
periodo de resgate, efetuaram-se com a sua
autorização escrita, ou para a realização de
benfeitorias necessarias.
DA VENDA A CONTENTO E DA
SUJEITA A PROVA
A venda a contento e a clausula que determina
que a venda somente se aperfeiçoa após o
adquirente manifestar seu agrado. Assim,
entende-se que a venda e feita sob condição
suspensiva, ainda que a coisa lhe tenha
sido entregue. Da mesma forma, a venda
sujeita à prova presume-se feita sob a
condição suspensiva de que a coisa tenha as
qualidades asseguradas pelo vendedor e seja
idônea para o fm a que se destina.
Em ambos os casos, as obrigações do
comprador, que recebeu sob condição
suspensiva a coisa comprada, são as de mero
comodatario, enquanto não manifeste aceita-la.
Não havendo prazo estipulado para a
declaração do comprador, o vendedor
tera direito de intima-lo, judicial ou
extrajudicialmente, para que o faça em prazo
improrrogavel.
DA PREEMPÇÃO OU PREFERÊNCIA
Conce|to
Preempção signifca precedência
na compra. Juridicamente, signifca
que existe uma clausula contratual
que garante ao primitivo vendedor a
preferência para readquirir o objeto
vendido, caso este seja posto a venda. É
uma preferência de compra garantida ao
antigo proprietario
43
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A Clausula impõe ao comprador a obrigação
de oferecer ao vendedor a coisa que aquele
vai vender, ou dar em pagamento para
que este use de seu direito de prelação
(preferênciaj na compra.
Na preferência não cabe ação real (na
retrocessão simj, então se o comprador vende
a um terceiro sem oferecer ao vendedor, o
vendedor não podera recuperar, por exemplo,
a casa do terceiro, podera apenas exigir uma
indenização do comprador que não respeitou
a clausula da preempção.
O direito de preferência não se pode ceder
nem passa aos herdeiros. O prazo para
exercer o direito de preferência não podera
exceder a cento e oitenta dias, se a coisa for
móvel, ou a dois anos, se imóvel.
Aquele que exerce a preferência esta, sob
pena de a perder, obrigado a pagar, em
condições iguais, o preço encontrado ou o
ajustado. O vendedor pode tambem exercer
o seu direito de prelação (de escolha, de
preferênciaj, intimando o comprador, quando
lhe constar que este vai vender a coisa.
Salvo estipulação das partes fxando prazo
diverso, o direito de preempção caducara em
três dias se não exercida em relação à coisa
móvel, e em sessenta dias subsequentes à
data em que o comprador tiver notifcado o
vendedor, se imóvel.
Se o comprador alienar a coisa sem ter
comunicado previamente ao vendedor
o preço e as vantagens que por ela lhe
oferece respondera por perdas e danos.
O adquirente, se tiver procedido de ma-fe,
respondera solidariamente.
DA VENDA COM RESERVA DE DOMÍNIO
Quando uma pessoa vende uma coisa móvel,
pode reservar para si a propriedade, ate que o
preço esteja integralmente pago. Tal decisão
deve ser uma clausula inserta (introduzidaj no
contrato de compra e venda.
A clausula de reserva de dominio sera estipulada
por escrito e depende de registro no domicilio
do comprador para valer contra terceiros.
Não pode ser objeto de venda com reserva
de dominio a coisa que não pode ser
caracterizada perfeitamente, de modo a
diferencia-la de outras congêneres. Na dúvida,
decide-se a favor do terceiro adquirente de
boa-fe. Segundo o entendimento doutrinario,
e considerada clausula suspensiva à medida
que suspende a transferência da propriedade
da coisa alienada.
A transferência de propriedade ao comprador
da-se no momento em que o preço esteja
integralmente pago.
O vendedor somente podera executar a
clausula de reserva de dominio após constituir
o comprador em mora, mediante protesto do
titulo ou interpelação judicial.
verifcada a mora do comprador, podera o
vendedor mover contra ele a competente
ação de cobrança das prestações vencidas
e vincendas e o mais que lhe for devido; ou
podera recuperar a posse da coisa vendida.
DA VENDA SOBRE DOCUMENTOS
Na venda sobre documentos, a tradição da
coisa e substituida pela entrega do seu titulo
representativo e dos outros documentos exigidos
pelo contrato ou, no silêncio deste, pelos usos.
Estando a documentação em ordem, não
pode o comprador recusar o pagamento, a
pretexto de defeito de qualidade ou do estado
da coisa vendida, salvo se o defeito ja houver
sido comprovado. Salvo estipulação em
contrario, o pagamento deve ser efetuado na
data e no lugar da entrega dos documentos.
4.6.2 DA TROCA OU PERMUTA
Contrato de troca e aquele pelo qual as partes
se obrigam a dar uma coisa por coisa, que
não seja dinheiro.
Aplicam-se à troca as disposições referentes
à compra e venda, com exceção de que cada
um dos contratantes pagara por metade as
despesas com o instrumento da troca, salvo
se estipularem ao contrario.
44
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Da mesma forma, e anulavel a troca de valores
desiguais entre ascendentes e descendentes,
sem consentimento dos outros descendentes
e do cônjuge do alienante.
4.6.3 DO CONTRATO ESTIMATORIO
Conce|to
Contrato Estimatório ou de Consignação
e uma modalidade de acordo em que o
proprietario, denominado consignante,
entrega bens móveis a outrem, denominado
consignatario, que fca autorizado a vendê-
los, pagando àquele o preço ajustado,
salvo se preferir, no prazo estabelecido,
restituir-lhe a coisa consignada.
O consignatario não se exonera se a
restituição da coisa em sua integridade tornar-
se impossivel, ainda que por fato a ele não
imputavel; mesmo assim não se exonera da
obrigação de pagar o preço ao consignante.
A coisa consignada não pode ser objeto
de penhora ou sequestro pelos credores
do consignatario, enquanto não pago
integralmente o preço. O consignante não
pode dispor da coisa antes de lhe ser restituida
ou de lhe ser comunicada a restituição.
4.6.4 DA DOAÇÃO
Conce|to
A doação e uma modalidade de contrato em
que uma pessoa, por liberalidade, transfere
bens ou vantagens do seu patrimônio
para o patrimônio de outra pessoa, que
os ace|ta. Aquele que doa e denominado
doador, e quem aceita donatario.
A manifestação da ace|tação pe|o
donatár|o é cond|ção |nd|spensáve| ao
aperfeiçoamento do negócio.
A doação e pura quando traduz simples
liberalidade, mero beneficio movido pelo
altruismo do doador. Remuneratória,
quando objetiva retribuir serviços ou
favores prestados por qualquer motivo não
cobrados pelo donatario. Com encargo, ou
modal, quando se impõe ao donatario uma
contraprestação que ele deve cumprir e que
resulta em vantagem ao doador ou a outrem.
Condicional, quando sua efcacia depende de
acontecimento futuro e incerto.
A doação de ascendentes a descendentes ou
de um cônjuge a outro importa adiantamento
do que lhes cabe por herança.
O doador pode estipular que os bens doados
voltem ao seu patrimônio, se sobreviver ao
donatario.
Não prevalece clausula de reversão em favor
de terceiro.
São restrições à liberdade de doar à
disposição e a torna nula: a doação de
todos os bens do doador, sem reserva ou
renda sufciente para a sua subsistência; e o
excesso da doação que atingir o quinhão da
legitima dos herdeiros.
A doação do cônjuge adúltero ao seu cúmplice
pode ser anulada pelo outro cônjuge, ou por
seus herdeiros necessarios, ate dois anos
depois de dissolvida a sociedade conjugal.
Salvo declaração em contrario, a doação
em comum a mais de uma pessoa entende-
se distribuida entre elas por igual. Se os
donatarios, em tal caso, forem marido e
mulher, subsistira na totalidade a doação
para o cônjuge sobrevivo.
A doação pode ser revogada por ingratidão
do donatario, ou por inexecução do encargo.
Pode, tambem, a revogação ser automatica
no caso de doação resolúvel. A doação
onerosa pode ser revogada por inexecução
do encargo, se o donatario incorrer em mora.
Não havendo prazo para o cumprimento,
o doador podera notifcar judicialmente o
donatario, assinando-lhe prazo razoavel para
que cumpra a obrigação assumida.
45
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4.6.5 DA LOCAÇÃO DE COISAS
Conce|to
Locação e o ato de locar, de alugar uma
coisa. Juridicamente, e um contrato pelo
qual uma das partes cede à outra o uso
e gozo de bem móvel ou imóvel ou se
compromete a lhe fornecer serviço, por
prazo certo ou indeterminado, mediante
pagamento de certa quantia.
Locador e uma pessoa fisica ou juridica que
cede a outrem (o locatarioj o uso e gozo de bem
móvel ou imóvel, mediante um contrato de
locação. O locador e detentor da legitimidade
para ceder a alguem (ao locatarioj, a titulo
oneroso, um bem de sua propriedade ou sob
sua proteção e/ou administração patrimonial.
Podem, assim, ser locadores:
Proprietario, propriamente dito;
Tutor;
Usufrutuario;
Espólio, etc.

Em todas essas condições, o locador deve,
necessariamente, ter a legitimidade para
fgurar no polo ativo da locação.
O locador e obrigado a entregar ao locatario a
coisa alugada em condições de servir ao uso
a que se destina, e a mantê-la nesse estado,
pelo tempo do contrato, salvo clausula
expressa em contrario. Da mesma forma,
garantir ao locatario, durante o tempo do
contrato, o uso pacifco da coisa.
Locatár|o e a pessoa que recebe do locador
um bem ou um serviço, mediante um contrato
de locação, obrigando-se a pagar por isso
o preço ajustado. O locatario e tambem
chamado de inquilino, de arrendatario. Como
o locador, o locatario deve, igualmente,
ser capaz para assumir compromissos e
responder pelo seu cumprimento ou pelas
consequências pela inadimplência.
O locatario e obrigado a servir-se da coisa
alugada conforme estipulado ou presumido;
dispensar a ela o mesmo cuidado como se
sua fosse; a pagar pontualmente o aluguel
nos prazos ajustados e, em falta de ajuste,
segundo o costume do lugar; e restituir a
coisa, fnda a locação, no estado em que a
recebeu, salvas as deteriorações naturais ao
uso regular.
Se o locatario empregar a coisa em uso diverso
do ajustado, ou do a que se destina, ou se ela
se danifcar por abuso do locatario, podera o
locador, alem de rescindir o contrato, exigir
perdas e danos.
Havendo prazo estipulado à duração do
contrato, antes do vencimento não podera
o locador reaver a coisa alugada, senão
ressarcindo ao locatario as perdas e danos
resultantes, nem o locatario devolvê-la ao
locador, senão pagando, proporcionalmente,
a multa prevista no contrato. O locatario
gozara do direito de retenção, enquanto não
for ressarcido.
4.6.6 DO EMPRÉSTIMO
Conce|to
Juridicamente, emprestimo e o ato de
se colocar, temporariamente, coisas
fungiveis ou não fungiveis à disposição
de alguem, sob determinadas condições.
O emprestimo ocorre em comodato e em
mútuo.
DO COMODATO
Conce|to
O comodato e o emprestimo gratuito
de coisas não fungiveis e que deve ser
restituida no tempo convencionado
pelas partes. Perfaz-se com a tradição
do objeto.
Comodante e a pessoa que da algo em
comodato. Comodatario e a pessoa que
recebe algo em comodato.
Se o comodato não tiver prazo convencional,
presumir-se-lhe-a o necessario para o uso
46
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
concedido; não podendo o comodante,
salvo necessidade imprevista e urgente,
reconhecida pelo juiz, suspender o uso e
gozo da coisa emprestada, antes de fndo o
prazo convencional, ou o que se determine
pelo uso outorgado.
O comodatario e obrigado a conservar, como
se sua própria fora a coisa emprestada,
não podendo usa-la senão de acordo com
o contrato ou a natureza dela, sob pena de
responder por perdas e danos. O comodatario
constituido em mora, alem de por ela
responder, pagara, ate restitui-la, o aluguel
da coisa que for arbitrado pelo comodante. O
comodatario não podera jamais recobrar do
comodante as despesas feitas com o uso e
gozo da coisa emprestada.
DO MÚTUO
Conce|to
O mútuo e um contrato em que uma
das partes empresta coisas fungiveis à
outra parte.
Mutuario e o recebedor do emprestimo no
contrato mútuo. Mutuador ou mutuante e
quem mutua, ou quem empresta algo no
contrato de mútuo.
No emprestimo mútuo ha transferência do
dominio da coisa emprestada ao mutuario, por
cuja conta correm todos os riscos dela, desde
a tradição. O mutuario e obrigado a restituir
ao mutuante o que dele recebeu em coisa do
mesmo gênero, qualidade e quantidade.
Esse tipo de emprestimo pode ser oneroso
ou gratuito. O emprestimo e oneroso quando
envolve ou esta sujeito a ônus, encargos.
Ele produz reciprocidade e vantagens e de
obrigações para as partes envolvidas.
O emprestimo mútuo, usualmente, refere-
se a emprestimo de dinheiro. Destinando-
se o mútuo a fns econômicos, presumem-
se devidos juros, observados que, se eles
não forem convencionados, ou o forem sem
taxa estipulada, ou quando provierem de
determinação da lei, serão fxados segundo
a taxa que estiver em vigor para a mora do
pagamento de impostos devidos à Fazenda
Nacional, permitida a capitalização anual.
4.6.7 DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO
Conce|to
A palavra prestação tem diversos
sentidos. Quase todos utilizados pelo
corretor de imóveis. No presente
trabalho, o|estação signifca o ato de
prestar algo a alguem, de propiciar algo
a quem precisa. É realizar uma ação, um
serviço para alguem.
Existem muitas modalidades de prestação
de serviço, todas elas regulamentadas por
diferentes leis.
Algumas modalidades de prestação de
serviço estão sujeitas às leis trabalhistas
ou à determinada lei especial. Mas existe
uma modalidade de prestação de serviço
que se refere, exclusivamente, às empresas
prestadoras de serviços e aos trabalhadores
autônomos. Nesses casos não existe a
caracterização de relação sujeita às leis
trabalhistas. Da mesma forma, não se
aplica às categorias profssionais com
regulamentação própria, como os corretores
de imóveis, quando autônomos.
Esses casos são regidos pelo Código Civil
Brasileiro, Capitulo vll, de grande importância
aos profssionais da area de transação
imobiliaria. Pelo Código Civil, toda especie de
serviço ou trabalho licito, material ou imaterial,
pode ser contratado mediante retribuição.
O pagamento ocorrera depois de prestado o
serviço, salvo se, por convenção ou costume,
não houver de ser adiantada.
A obrigação de fornecer os materiais na
prestação de serviços não se presume, mas
resulta da lei ou da vontade das partes. Bem
assim, o contrato para elaboração de um
projeto não implica obrigação de executa-lo
ou de fscalizar-lhe a execução.
47
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Nos contratos de empreitada de edificios
ou outras construções consideraveis,
o empreiteiro de materiais e execução
respondera, durante o prazo irredutivel de
cinco anos, pela solidez e segurança do
trabalho, assim em razão dos materiais,
como do solo. Decaira desse direito o dono
da obra que não propuser a ação contra o
empreiteiro nos cento e oitenta dias seguintes
ao aparecimento do vicio ou defeito.
Sem anuência de seu autor, não pode o
proprietario da obra introduzir modifcações
no projeto por ele aprovado, ainda que a
execução seja confada a terceiros, a não ser
que, por motivos supervenientes ou razões
de ordem tecnica, fque comprovada a
inconveniência ou a excessiva onerosidade de
execução do projeto em sua forma originaria.
Essa proibição não abrange alterações de
pouca monta, ressalvada sempre a unidade
estetica da obra projetada.
Não se extingue o contrato de empreitada
pela morte de qualquer das partes, salvo
se ajustado em consideração às qualidades
pessoais do empreiteiro.
4.6.8 DO DEPOSITO
Conce|to
A palavra depósito tem diversos
signifcados - estabelecimento comercial,
local de despejos; conjunto de residuos
material acumulado; o objeto ou a quantia
entregue a um depositante. Signifca,
tambem, o ato ou efeito de depositar.
Esses dois últimos tipos de depósito pode
ser objeto de contrato e, nesse caso, e
previsto no Código Civil que estabelece a
forma como deve ser conduzido.
Denomina-se deoos|tante ou deoos|tado|
aquele que deposita e depositario aquele que
recebe a guarda de um depósito.
O contrato de depósito pode ser voluntario
ou necessario. Qualquer que seja a
modalidade, o depositario que não o restituir
quando exigido sera compelido a fazê-lo
mediante prisão não excedente a um ano, e
ressarcir os prejuizos.
DO DEPOSITO VOLUNTÁRIO
Contrato em que uma parte, o depositario,
recebe um objeto móvel, para guardar ate
que o depositante o reclame. O contrato
de depósito e gratuito, exceto se houver
convenção em contrario, se resultante de
atividade negocial ou se o depositario o
praticar por profssão.
O depósito voluntario provar-se-a por
escrito. O depositario e obrigado a guardar
e conservar a coisa depositada como se sua
fosse, bem como devolvê-la quando o exigir
o depositante.
Se o depósito se entregou fechado, colado,
selado ou lacrado, nesse mesmo estado se
mantera. Salvo disposição em contrario, a
restituição da coisa deve dar-se no lugar em
que tiver de ser guardada. As despesas de
restituição correm por conta do depositante.
O depositario não podera, sem licença
expressa do depositante, servir-se da coisa
depositada, nem a dar em depósito a outrem,
sob pena de responder por perdas e danos.
O depositante e obrigado a reembolsar as
despesas feitas pelo depositario na guarda
da coisa, a indenizar os prejuizos que do
depósito provierem e pagar a gratifcação
eventualmente estipulada no contrato.
DO DEPOSITO NECESSÁRIO
Depósito necessario e aquele que independe
da vontade das partes, mas por obrigação
legal ou por ocasião de alguma calamidade,
como o incêndio, a inundação, o naufragio
ou o saque.
As bagagens dos viajantes ou hóspedes nas
hospedarias onde estiverem são equiparadas
ao depósito necessario. Nesse caso, os
hospedeiros responderão como depositarios,
assim como pelos furtos e roubos que
perpetrarem as pessoas empregadas ou
admitidas nos seus estabelecimentos.
48
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4.6.9 DO MANDATO
Conce|to
Mandato signifca aquilo de que se esta
encarregado de fazer; incumbência
dada por outrem; missão; delegação
de poder conferida a alguem para
representação ofcial, para praticar atos
ou administrar interesses.
Mandatario e aquele que recebe mandato ou
procuração para agir em nome de outro. É
tambem o executor de atos autorizados pelo
mandante.
Mandante e aquele que tem autoridade para
mandar, a pessoa que confere poderes a outrem
para praticar atos em seu nome. O mandatario
e tambem conhecido como outorgado e o
mandante como outorgante ou outorgador.
Em alguns casos o mandato e objeto de
contrato, por meio do qual alguem recebe de
outrem poderes para, em seu nome, praticar
atos ou administrar interesses.
A procuração e o instrumento do mandato.
O mandato pode ser expresso ou tacito, verbal
ou escrito. Todas as pessoas capazes são
aptas a dar procuração mediante instrumento
particular, que valera desde indicado o
lugar onde foi passada, a qualifcação do
outorgante e do outorgado, a data e o
objetivo da outorga com a designação e a
extensão dos poderes conferidos, bem como
a assinatura do outorgante.
O terceiro com quem o mandatario tratar
podera exigir que a procuração traga a
frma reconhecida. Mesmo que o mandato
seja outorgado por meio de mandato por
instrumento público, o substabelecimento
pode ser feito mediante instrumento
particular. Substabelecimento e o ato pelo
qual o mandatario transfere a outrem, o
substabelecido, os poderes que lhe foram
conferidos pelo mandante.
Para os atos que exijam escr|tura púb||ca,
como a compra e venda de |móve|s, o
mandato deve ser outorgado por intermedio
de escritura pública. Portanto, a outorga do
mandato esta sujeita à forma exigida por lei
para o ato a ser praticado. Não se admite
mandato verbal quando o ato deva ser
celebrado por escrito.
A aceitação do mandato pode ser tacita, e
resulta do começo de execução. O mandato
pode ser especial a um ou mais negócios
determinadamente, ou geral a todos os do
mandante.
O mandato pode ser para negócios (ad
negot|aj, ou com fnalidade judicial (ad
|0d|c|aj. via de regra, só confere poderes
de administração. Para alienar, hipotecar,
transigir ou praticar outros quaisquer atos
que exorbitem da administração ordinaria,
depende a procuração de poderes especiais
e expressos. O poder de transigir não importa
o de frmar compromisso. Os atos praticados
por quem não tenha mandato ou o tenha sem
poderes sufcientes são inefcazes em relação
àquele em cujo nome foram praticados, salvo
se este os ratifcar.
DAS OBRIGAÇÕES DO MANDATÁRIO
O mandatario e obrigado a aplicar toda sua
diligência habitual na execução do mandato,
e a indenizar qualquer prejuizo causado por
culpa sua ou daquele a quem substabelecer,
sem autorização, poderes que devia exercer
pessoalmente.
DAS OBRIGAÇÕES DO MANDANTE
O mandante e obrigado a satisfazer todas
as obrigações contraidas pelo mandatario,
na conformidade do mandato conferido,
e adiantar a importância das despesas
necessarias à execução dele, quando o
mandatario lhe pedir. É obrigado o mandante a
pagar ao mandatario a remuneração ajustada
e as despesas da execução do mandato, ainda
que o negócio não surta o esperado sem culpa
do mandatario. Da mesma forma e obrigado o
mandante a ressarcir ao mandatario as perdas
que este sofrer com a execução do mandato,
sempre que não resultem de culpa sua ou de
excesso de poderes.
49
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
DA EXTINÇÃO DO MANDATO
São modalidades de extinção do mandato
a revogação ou a renúncia; a morte ou
interdição de uma das partes; sobrevindo
estado que inabilite o mandante a conferir os
poderes, ou o mandatario para os exercer;
e pelo termino do prazo ou pela conclusão
do negócio. Quando o mandato contiver a
clausula de irrevogabilidade e o mandante
o revogar, pagara perdas e danos. Se a
clausula de irrevogabilidade for condição de
um negócio bilateral, ou tiver sido estipulada
no exclusivo interesse do mandatario, a
revogação do mandato sera inefcaz.
O mandato com a clausula "em causa
própria", não podera ser revogado e nem
se extinguira pela morte de qualquer das
partes, fcando o mandatario dispensado de
prestar contas e podendo transferir para si os
bens móveis ou imóveis objeto do mandato,
obedecidas as formalidades legais.
Para revogar o mandato, deve o mandante
notifcar da revogação o mandatario ou
procurador e ainda comunicar o fato a todos
os eventuais interessados, seja por meio
de notifcações diretas ou publicação em
jornal. Não tomadas essas providências,
continuarão validos os atos ajustados entre
o procurador demitido e terceiros de boa-fe,
que não sabiam da revogação.
É irrevogavel o mandato que contenha
poderes de cumprimento ou confrmação
de negócios encetados, aos quais se ache
vinculado. A nomeação comunicada de um
outro mandatario para o mesmo negócio
revoga o mandato anterior.
A renúncia do mandato sera comunicada ao
mandante que, se for prejudicado pela sua
inoportunidade ou pela falta de tempo a fm
de prover à substituição do procurador, sera
indenizado pelo mandatario, salvo se este
provar que não podia continuar no mandato
sem prejuizo consideravel, e que não lhe era
dado substabelecer.
4.6.10 DA COMISSÃO
Conce|to
A palavra comissão tem diversos
signifcados, popularmente conhecidos.
Comissão pode signifcar:
A gratifcação que se da ao
comissionado por serviço
prestado;
Percentagem ou prêmios que
representantes comerciais,
corretores, vendedores cobram
sobre o valor do negócio realizado
ou serviço prestado;

Gratifcação por cargo ou
emprego;
Conjunto de pessoas incumbidas
de realizar uma tarefa;

Ato de cometer, de entregar, de
dar ou delegar algo a alguem, de
incumbir alguem de realizar algo.
Comitente e a pessoa que incumbe alguem
de executar determinado ato, mediante
pagamento. Comissario ou comissionado e a
pessoa que exerce uma comissão, delegado.
Comissão, assim, e modalidade de contrato
em que o comissario passa a comprar ou
vender bens em seu próprio nome, mas por
conta de um comitente, e de acordo com as
instruções deste.
O comissario fca diretamente obrigado para
com as pessoas com quem contratar, sem
que estas tenham ação contra o comitente
nem este contra elas, salvo se o comissario
ceder seus direitos a qualquer das partes. O
leiloeiro e um exemplo tipico de ocorrência de
comissão, desde que ausente o proprietario
da coisa leiloada.
No desempenho das suas incumbências, o
comissario e obrigado a agir com cuidado e
diligência, não só para evitar qualquer prejuizo
ao comitente mas ainda para lhe proporcionar
o lucro que razoavelmente se podia esperar do
50
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
negócio, respondendo por qualquer prejuizo
que, por ação ou omissão ocasionar ao
comitente, salvo motivo de força maior.
O comissario não responde pela insolvência
das pessoas com quem tratar, exceto em caso
de culpa e se ele assumir o ônus atraves da
clausula de| c|ede|e. Nesse caso, respondera
o comissario solidariamente com as pessoas
com que houver tratado em nome do comitente.
Clausula de| c|ede|e e aquela em que "o
comissario assume a responsabilidade pela
solvência daqueles com quem vier a contratar
no interesse e por conta do comitente".(DlNlZj.
4.6.11 DA CORRETAGEM
Conce|to
Corretagem e o ofcio, a função do
Corretor.
Corretor e aquele que age como intermediario
em negócios particulares, que se envolve na
compra e venda de bens ou ações na bolsa
de valores.
O exercicio de corretagem e objeto de
um contrato especifco. Pelo contrato de
corretagem, uma pessoa se obriga a obter
para a segunda um ou mais negócios,
conforme as instruções recebidas. A
atividade do corretor e voltada ao público,
não a pessoas determinadas.
Defne-se o contrato de corretagem pelo
liame obrigacional: não pode haver ligação
decorrente de mandato, de prestação
de serviços ou por qualquer relação de
dependência. O corretor e obrigado a executar
a mediação com a diligência e prudência
que o negócio requer, prestando ao cliente,
espontaneamente, todas as informações
sobre o andamento dos negócios.
Deve, tambem, sob pena de responder por
perdas e danos, prestar ao cliente todos
os esclarecimentos que estiverem ao seu
alcance, acerca da segurança ou risco do
negócio, das alterações de valores e do
mais que possa infuir nos resultados da
incumbência. (ver art. 723 do Código Civilj.
A remuneração do corretor, se não estiver
fxada em lei nem ajustada entre as partes,
sera arbitrada segundo a natureza do negócio
e os usos locais. O contrato de corretagem tem
como objetivo a disponibilização dos meios
necessarios para realização do negócio.
Nesse sentido, a remuneração e devida ao
corretor uma vez que tenha ele conseguido o
resultado previsto no contrato de mediação,
mesmo que este não se efetive em virtude de
arrependimento das partes.
lniciado e concluido o negócio diretamente
entre as partes, nenhuma remuneração sera
devida ao corretor. Todavia, se for ajustada
a corretagem com exclusividade, por meio
de documento escrito, tera o corretor direito
à remuneração integral, ainda que realizado
o negócio sem a sua mediação, salvo se
comprovada sua inercia ou ociosidade.
Se, por não haver prazo determinado, o dono
do negócio dispensar o corretor e o negócio
se realizar posteriormente, como fruto da sua
mediação, a corretagem lhe sera devida. Da
mesma forma se procedera se o negócio se
realizar após a decorrência do prazo contratual,
mas por efeito dos trabalhos do corretor.
Para resguardar seus direitos e recomendavel
ao Corretor notifcar o dono do negócio,
discriminando as pessoas com quem tratou
com vistas à intermediação. Se o negócio se
concluir com a intermediação de mais de um
corretor, a remuneração sera paga a todos
em partes iguais, salvo ajuste em contrario.
4.6.12 DA FIANÇA
Conce|to
A fança e o contrato por meio do qual
uma pessoa garante satisfazer ao
credor uma obrigação assumida pelo
devedor, caso este não a cumpra. A
fança e uma modalidade de contrato
que só tem validade se escrito e não
admite interpretação extensiva (alem do
que foi estipuladoj.
51
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Seu estabelecimento independe da vontade
do devedor e não vale alem da obrigação
afançada. A fança prestada pelo cônjuge
sem o consentimento do outro tornara
anulavel o ato praticado, podendo o outro
cônjuge pleitear-lhe a anulação ate dois anos
depois de terminada a sociedade conjugal.
O credor não pode ser obrigado a aceitar
fador indicado se este não for pessoa
idônea, domiciliada no municipio onde tenha
de prestar a fança, e não possua bens
sufcientes para cumprir a obrigação.
Sobrevindo a insolvência ou incapacidade do
fador, podera o credor exigir que seja substituido.
O fador que pagar integralmente a divida
fca sub-rogado nos direitos do credor, mas
somente podera demandar a cada um dos
fadores pela respectiva quota. Respondera,
no entanto, o devedor por todas as perdas e
danos que o fador pagar, e pelos que sofrer
em razão da fança.
Na fança por tempo indeterminado, pode o
fador exonerar-se da fança que tiver assinado
sempre que lhe convier, fcando obrigado por
todos os efeitos da fança durante sessenta
dias após a notifcação do credor.
4.6.13 DA TRANSAÇÃO
Conce|to
Transação, pelo Código Civil, e uma
modalidade de contrato, e um acordo
em que duas ou mais pessoas ajustam
clausulas e condições mediante
concessões reciprocas para evitar litigio
ou por fm a litigio em curso.
Pode ser usada tambem para solução de
controversias, como ja vimos para extinguir
obrigações. Portanto, transação signifca
um ajuste no qual as pessoas realizam uma
negociação ou contrato; e um acordo, uma
convenção que satisfaz aos envolvidos.
É um negócio ou ato comercial, uma
operação de compra e venda. É licito aos
interessados prevenirem ou terminarem
o litigio mediante concessões mútuas.
Podem ser objeto de transação os direitos
patrimoniais de carater privado.
Quando a lei exigir, ou quando recair sobre
direitos contestados em juizo, a transação
devera ser feita por escritura pública, permitido
o instrumento particular nos demais casos.
A transação deve ser interpretada restritivamente
e por ela não se transmitem, apenas se
declaram ou reconhecem direitos. Sendo nula
qualquer das clausulas da transação, nula sera
esta. Só se anula a transação nos casos de
dolo, coação ou erro essencial quanto à pessoa
ou coisa controversa.
4.6.14 DO COMPROMISSO OU
ARBITRAGEM
Conce|to
A arbitragem e o acordo pelo qual as
partes, por não chegarem à transação,
concordam em ter sua lide submetida
à decisão de um arbitro, de um "juiz
particular", afastando tal lide da Justiça
Estatal.
Pela arbitragem, as partes pedem a um
terceiro que aprecie a lide, e tal decisão
devera ser cumprida pelas partes, como se
fosse uma sentença judicial.
Ressalto que na transação por mediação, as
partes escolhem a solução da lide, enquanto
na arbitragem as partes escolhem o arbitro,
mas não escolhem a decisão.
É admitido compromisso, judicial ou
extrajudicial, para resolver litigios entre
pessoas que podem contratar, exceto
para solução de questões de estado,
de direito pessoal de familia e de outras
que não tenham carater estritamente
patrimonial. Admite-se nos contratos a
clausula compromissória, para resolver
divergências mediante juizo arbitral, na
forma estabelecida na Lei 9.307/1996 9 (Lei
Marco Macielj, que regula a arbitragem.
52
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A Clausula Compromissória expressa o
compromisso assumido.
4.7 DOS ATOS UNILATERAIS
Conce|to
Um ato e unilateral quando só uma das
partes se obriga para com a outra.

4.7.1 DA PROMESSA DE RECOMPENSA
Aquele que, por anúncios públicos, se
comprometer a recompensar ou gratifcar
a quem preencha certa condição, ou
desempenhe certo serviço, contrai obrigação
de cumprir o prometido. E, aquele que fzer o
serviço ou satisfzer a condição estabelecida
podera exigir a recompensa estipulada.
A promessa de recompensa pode ser revogada
utilizando-se da mesma publicidade, desde
que seja feita antes de prestado o serviço ou
preenchida a condição.
4.7.2 DO PAGAMENTO INDEVIDO
O pagamento indevido e aquele efetuado sem
qualquer vinculo obrigacional que o justifque.
Aquele que recebeu o que lhe não era devido
ou recebeu divida condicional antes de
cumprida a condição fca obrigado a restituir.
Quem voluntariamente pagou o indevido
incumbe a prova de tê-lo feito por erro.
4.7.3 DO ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA
O enriquecimento sem causa e o acrescimo
patrimonial de alguem, em prejuizo de
outrem, sem justa razão ou de modo ilicito. É
o locupletamento à custa alheia. Aque l e
que, sem justa causa, enriquecer-se à
custa de outrem, sera obrigado a restituir o
indevidamente auferido, feita a atualização
dos valores monetarios.
53
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
UNIDADE III
In|c|ando
o assunto
5. DIREITO DAS COISAS
Conce|to
Coisa-|es e tudo aquilo que e suscetivel
de apropriação ou alienação, ou seja,
que pode ser adquirido ou vendido em
uma transação comercial. O Código Civil,
no seu Livro lll, trata especifcamente do
Direito das Coisas.
Essa e uma area que sempre oferece
demandas por parte de vendedores e
compradores.
Não se deve confundir direitos das obrigações
com direito das coisas, afnal enquanto no
direito das coisas existe um vinculo direto
entre uma pessoa e uma coisa que deve
ser respeitado por todos, no direito das
obrigações o vinculo e estabelecido entre
pessoas determinadas, excluindo terceiros
estranhos à relação.
Ou seja, o direito das coisas e o complexo
de normas reguladoras das relações juridicas
referentes aos bens corpóreos, e o direito
real, o poder juridico do homem sobre coisa
determinada, aderindo a ela, enquanto
perdura, e prevalecendo contra todos.
ImportanteI
O direito das coisas apresenta-se como
um vinculo entre a pessoa e a coisa.
É um direito absoluto e oponivel e|ga
omnes (contra todosj, ou seja, o titular
do direito real tem o poder de reivindicar
a coisa onde quer que se encontre ou de
quem quer a detenha.
Trata-se da fgura juridica conhecida como
sequela, ou seja, o titular do direito real (objeto
dos direitos reais e a coisa, no sentido de
bem corpóreoj tem a prerrogativa de seguir
a coisa, requerendo de quem a detenha. O
direito adere a coisa.
Na exposição que se segue, examina-se um
instituto que não e um direito, mas um fato - a
posse, um elemento de grande importância
na aquisição dos Direitos Reais.
5.1 DA POSSE
Conce|to
Posse e o ato de se apossar de alguma
coisa. Ter posse e ter dominio de fato
sobre alguma coisa. É o estado de quem
possui alguma coisa. Posse e o exercicio
de fato, pleno ou não, de algum dos
poderes inerentes à propriedade, em
nome próprio e com autonomia.
5.1.1 DA POSSE E SUA CLASSIFICAÇÃO
lnteressa informar a classifcação da posse
quanto à extensão da garantia possessória,
quanto aos vicios objetivos, quanto à
subjetividade, quanto aos efeitos ou quanto
à idade.
Quanto à extensão da garantia possessória,
a posse pode ser direta ou indireta. Direta
quando exercida diretamente pelo possuidor
sobre a coisa; indireta quando o proprietario a
conserva por fcção legal, mas o exercicio da
posse direta e conferido a outrem, em virtude
de contrato ou direito real limitado.
Quanto aos vicios objet|vos, a posse pode
ser justa ou injusta. Justa e a posse que não
for violenta, clandestina ou precaria. Injusta
e a que for violenta, clandestina ou precaria.
Posse v|o|enta e aquela adquirida
com o uso da força fisica ou violência
moral.
Posse c|andest|na e aquela adquirida
às escondidas daquele que tem
interesse em conhecê-la.
54
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Posse precár|a e aquela cedida em
carater provisório e adquirida com
abuso de confança por parte de
quem recebeu a coisa com o dever de
restitui-la.

Quanto à subjet|v|dade, a posse pode ser de
boa-fe ou de ma-fe. De boa-fe e aquela em
que o possuidor ignora o vicio ou o obstaculo
que impede a aquisição da coisa; de ma-fe e
aquela em que o possuidor conhece o vicio ou
o obstaculo que impede a aquisição da coisa.
Conce|to
Objetividade tem relação com o fato -
ja a Subjetividade tem relação com o
sujeito, a pessoa.
Quanto à |dade a posse, pode ser nova ou
ve|ha. Nova e aquela que data de menos de
ano e dia; velha a que data de mais de ano
e dia. A posse nova admite a concessão de
liminar nas ações possessórias, a velha não.
A posse de boa-fe só perde este carater no caso
e desde o momento em que as circunstâncias
façam presumir que o possuidor não ignora
que possui indevidamente. Salvo prova
em contrario, entende-se manter a posse o
mesmo carater com que foi adquirida.
5.1.2 DA AQUISIÇÃO DA POSSE
Adquire-se a posse desde o momento em
que se torna possivel o exercicio, em nome
próprio, de qualquer dos poderes inerentes à
propriedade.
Adquire-se a posse:
Pela apreensão da coisa ou pelo
exercicio do direito.
Pelo fato de se dispor da coisa ou do
direito.
Por qualquer dos modos de aquisição
em geral.
A posse pode ser adquirida pela própria pessoa
que a pretende ou por seu representante, por
terceiro sem mandato, dependendo neste
caso de ratifcação (confrmaçãoj. A posse
do imóvel faz presumir, ate prova contraria, a
das coisas móveis que nele estiverem.
A posse transmite-se aos herdeiros ou
legatarios do possuidor com os mesmos
caracteres. O sucessor universal continua
de direito a posse do seu antecessor; e ao
sucessor singular e facultado unir sua posse
à do antecessor, para os efeitos legais.
São atos que não |nduzem e nem autor|zam
a aqu|s|ção da posse os de mera perm|ssão
ou to|erânc|a, os v|o|entos ou c|andest|nos,
senão depo|s de cessar a v|o|ênc|a ou a
c|andest|n|dade.
5.1.3 DOS EFEITOS DA POSSE
Quanto aos efeitos, a posse pode ser ad
|nte|d|cta ou ad 0socao|onem:
Ad |nte|d|cta e aquela que pode ser
amparada pelos interditos possessória,
nos casos de esbulho, turbação ou
ameaça;
Ad 0socao|onem e aquela capaz de
dar origem à usucapião da coisa.

A posse pode ser perturbada pela turbação,
pelo esbulho ou pela ameaça de agressão
iminente.
O esbu|ho e a perda da posse,
injustamente, por emprego de
violência, clandestinidade ou abuso de
confança.
A turbação e a tentativa de esbulho,
embaraçando o exercicio da posse,
sem, contudo, acarretar sua perda.

O possuidor turbado, ou esbulhado, podera
manter-se ou restituir-se por sua própria
força, contanto que o faça logo; os atos de
defesa não podem ir alem do indispensavel
à manutenção ou restituição da posse. Da
mesma forma, o turbado pode utilizar-se da
ação de manutenção de posse, e o esbulhado
a ação de reintegração de posse.
55
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Quando mais de uma pessoa se disser
possuidora, manter-se-a provisoriamente a que
tiver a coisa, se não estiver manifesto que a
obteve de alguma das outras por modo vicioso.
A Usucapião (cujo signifcado vem do latim
0s0 + caoe|e, isto e, adquirir pelo uso, pela
possej e a aquisição da propriedade em
decorrência do lapso temporal. A partir de 11
de janeiro de 2003, o Código Civil estabeleceu
que, ao inves de esperar vinte anos para dar
a entrada na ação de usucapião, a posse
deve ser exercida por qu|nze anos. Em casos
especiais, como quando a posse e domicilio,
o prazo passa a ser de dez anos. Se o
ocupante não possuir outro imóvel, o prazo
cai ainda mais, desta vez para c|nco anos.
Saber
Ma|s
Sa|ba ma|s
É interessante atentar para os artigos
1.238 e seguintes do Código Civil, que
tratam mais detalhadamente do assunto.
O processo se da da seguinte maneira:
"
"O Estado, reconhecendo essa
posse, concede ao possuidor
a Ação de Usucapião. Nesta
ação, para justifcar a sua posse,
pede que sejam citados os
interessados certos e incertos e
os que se limitam com o imóvel
usucapião, para contestarem
o pedido no prazo de dez dias da citação.
Quanto aos interessados incertos, sua
citação e feita, por meio de edital, com
prazo de trinta dias, publicado o mesmo três
vezes em jornal do local onde foi ajuizada
a ação e uma vez no Órgão Ofcial do
Estado. A intervenção do Ministerio Público
e obrigatória. Se não houver Contestação,
dentro do prazo legal, estando a posse
devidamente justifcada, o Juiz julgara
procedente a ação. Havendo contestação,
ou não fcando provada a posse, o Juiz
profere o Despacho Saneador, marcando
audiência de instrução e julgamento. Segue-
se o curso ordinario".
5.1.4 DA PERDA DA POSSE
Perde-se a posse quando o possuidor deixa,
embora contra a própria vontade, de ter de
fato o exercicio, pleno ou não, de algum dos
poderes inerentes à propriedade.
Perde-se a posse:
Pelo abandono;
Pela tradição;
Pela perda ou destruição delas, ou por
serem postas fora do comercio;
Pela posse de outrem, ainda contra a
vontade do possuidor, se este não foi
manutenido ou reintegrado em tempo
competente;
Pelo constituto possessório.
ImportanteI
Entretanto, a enumeração acima jamais
podera ser completa, cumprindo encara-
la como meramente exemplifcativa.
5.2 DOS DIREITOS REAIS
Conce|to
De acordo com entendimento teórico
doutrinario tradicional, os direitos reais
são aqueles estabelecidos em lei, não se
admitindo interpretação extensiva.
Nesse sentido, são d|re|tos rea|s:
56
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
I| a propriedade;
II| a superficie;
III| as servidões;
IV| o usufruto;
V| o uso;
VI| a habitação;
VII| o direito do promitente comprador
do imóvel;
VIII| o penhor;
IX| a hipoteca;
X| a anticrese;
XI| a concessão de uso especial para
fns de moradia; (Acrescentado pela
L-011.481-2007j;
XII| a concessão de direito real de uso.
(CODIGO CIVIL|
O Direito real pode ser classifcado, quer
tendo em vista o objeto sobre que recai, quer
tendo em vista a sua fnalidade.
Quanto ao objeto:
Direito de Propriedade;
Direito Real sobre Coisa Alheia (|0|a |n |e
a||enaj.
Quanto à ñna||dade:
Direito Real de Gozo: uso, habitação.
Direito Real de Garantia: penhor, hipoteca,
anticrese.
Os direitos reais sobre coisas móveis, quando
constituidos ou transmitidos por atos entre
vivos, só se adquirem com a tradição, ou
seja, conforme o costume.
Os direitos reais sobre imóveis constituidos
ou transmitidos por atos entre vivos, só se
adquirem com o registro no Cartório de
Registro de lmóveis dos referidos titulos.
ImportanteI
Atenção: só e dono quem registra.
5.3 DA PROPRIEDADE
O proprietario tem a faculdade de usar, gozar
e dispor da coisa, e o direito de reavê-la
do poder de quem quer que injustamente a
possua ou detenha. O direito de propriedade
deve ser exercido em consonância com as
suas fnalidades econômicas e sociais e de
modo que sejam preservados a fora, a fauna,
as belezas naturais, o equilibrio ecológico e
o patrimônio histórico e artistico, bem como
evitada a poluição do ar e das aguas.
ImportanteI
São proibidos os atos que não trazem
ao proprietario qualquer comodidade
ou utilidade, e sejam animados pela
intenção de prejudicar outrem.
O proprietario pode ser privado da coisa, nos
casos de desapropriação, por necessidade
ou utilidade pública ou interesse social, bem
como no de requisição, em caso de perigo
público iminente.
A propriedade do solo abrange a do espaço
aereo e subsolo correspondentes, em altura
e profundidade úteis ao seu exercicio, não
podendo o proprietario opor-se a atividades
que sejam realizadas, por terceiros, a uma
altura ou profundidade tais que não tenha ele
interesse legitimo em impedi-las.
57
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
As jazidas, minas e demais recursos minerais,
os potenciais de energia hidraulica, os
monumentos arqueológicos e outros bens
referidos por leis especiais pertencem à União,
constituindo propriedade distinta da do solo.
A propriedade presume-se plena e exclusiva
ate prova em contrario. Plena e a propriedade
em que todos os direitos elementares (usar,
gozar, dispor e reaverj estão reunidos no
proprietario. Limitada quando um desses
elementos e entregue a um outro titular.
Os frutos e mais produtos da coisa pertencem,
ainda quando separados, ao seu proprietario,
salvo se, por preceito juridico especial,
couberem a outrem.
5.3.1 DA AQUISIÇÃO DA PROPRIEDADE
IMOVEL
Adquire-se a propriedade imóvel:
pela usucapião;
pela transcrição do titulo de
transferência no registro de imóvel;
pela acessão;
pelo direito hereditario.

A aquisição pode ser originaria ou derivada.
Originaria quando o individuo faz seu o
bem sem que alguem tenha lhe transmitido;
derivada quando houver transmissão de
dominio, por ato causa mo|t|s ou |nte| v|vos.
DA AQUISIÇÃO PELA USUCAPIÃO
A aquisição da propriedade por Usucapião
e decorrente do exercicio de posse mansa e
pacifca, com ânimo de dono, por determinado
tempo fxado pela lei. A aquisição por
usucapião e declarada por sentença, a qual
servira de titulo para o registro no Cartório de
Registro de lmóveis.
ImportanteI
Não podem ser usucapidos os bens
públicos e as coisas fora do comercio.
São varias as possibilidades de se adquirir
a usucapião conforme as caracteristicas do
imóvel e da posse.
Adqu|re a propr|edade, independentemente
de titulo e boa-fe, aquele que, sem oposição
ou interrupção, possuir como seu um imóvel
por qu|nze anos. Se o morador houver
estabelecido no imóvel sua moradia habitual,
ou nele realizado obras ou serviços de carater
produtivo, o prazo e reduzido a dez anos.
Adqu|re a propr|edade aquele que, não
sendo proprietario de imóvel rural ou
urbano, possuir como sua, por c|nco anos
ininterruptos, sem oposição, area de terra em
zona rural não superior a cinquenta hectares,
tornando-a produtiva por seu trabalho ou de
sua familia e fazendo dela sua moradia.
Adqu|re a propr|edade aquele que, não sendo
proprietario de imóvel rural ou urbano, possuir
como sua, por c|nco anos ininterruptamente
e sem oposição, area urbana de ate duzentos
e cinquenta metros quadrados, utilizando-a
para sua moradia ou de sua familia.
Adqu|re também a propr|edade do |móve|
aque|e que, contínua e sem contestação,
com justo títu|o e boa-fé, o possu|r por dez
anos. Reduz-se o prazo a cinco anos se o
imóvel houver sido adquirido, onerosamente,
com base no registro constante do respectivo
cartório, cancelada posteriormente, desde
que os possuidores nele tiverem estabelecido
a sua moradia ou realizado investimentos de
interesse social e econômico.
58
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Para reñet|rI
Por que nosso direito aceita a usucapião?
1| para prestigiar a pessoa que usa
e se serve da coisa para morar
e trabalhar; a propriedade e um
direito importantissimo e a posse
e um fato muito relevante, como ja
vimos nas primeiras aulas.
2| para punir o proprietario
desidioso/preguiçoso/
irresponsavel, que não cuida dos
seus bens, afnal "do|m|ent|o0s
non s0c0|||t |0s"; alem disso,
quem não defende e cuida dos
seus bens, não e digno de tê-los;
mas lembrem que não se perde
a propriedade pelo simples não-
uso, e preciso que alguem esteja
usando no lugar do proprietario;
3| por uma questão de paz social,
pois a usucapião vai regularizar,
vai sanar os vicios de uma
posse violenta ou clandestina; a
usucapião transforma a posse, um
fato provisório, em propriedade,
um direito permanente; a
usucapião vai dar juridicidade a
uma situação de fato amadurecida
pelo tempo, mesmo que o
possuidor seja um ladrão ou um
invasor. (MENEZESj.
ImportanteI
O possuidor pode, para o fm de contagem
de prazo, acrescentar à sua posse a dos
seus antecessores, desde que todas
sejam continuas, pacifcas. O justo titulo
e a boa-fe são exigidos nos casos de
usucapião após dez anos da posse.
DA AQUISIÇÃO PELO REGISTRO DO
TÍTULO
ImportanteI
Somente se transfere a propriedade por
ato entre vivos mediante o registro do
titulo translativo no Registro de lmóveis;
enquanto não se registrar o titulo
translativo, o alienante continua a ser
havido como dono do imóvel.
Ate a decretação da invalidade do
registro e o respectivo cancelamento, o
adquirente continua a ser havido como
dono do imóvel.
O registro e efcaz desde o momento em
que se apresentar o titulo ao ofcial do
registro e este o prenotar no protocolo.
DA AQUISIÇÃO POR ACESSÃO
A acessão e o acrescimo a um imóvel, seja
decorrente da atividade humana ou por causas
naturais. Ocorre de forma natural por formação
de ilhas, por aluvião, por avulsão (deslocamento
violento de certa porção de terra que se destaca
de uma propriedade para se juntar ou acrescer
a outraj ou por abandono de alveo (leito de
rio cuja corrente foi desviadaj; e por causas
artifciais por plantações ou construções.
DAS ILHAS
As ilhas que se formarem em correntes
comuns ou particulares pertencem aos
proprietarios ribeirinhos fronteiros.
A denom|nação r|os part|cu|ares s|gn|ñca
r|os não navegáve|s. Sendo o rio navegavel,
as ilhas formadas são da pessoa de direito
público em que tais correntes pertencem.
59
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
DA ALUVIÃO
Conce|to
Aluvião e a denominação dos
acrescimos formados, sucessiva e
imperceptivelmente, por depósitos e
aterros naturais ao longo das margens
das correntes, ou pelo desvio das aguas
destas. O acrescimo por aluvião pertence
aos donos dos terrenos marginais, sem
indenização.
DA AVULSÃO
Conce|to
Avulsão e a denominação que se da ao
fato de uma porção de terra se destacar
de um predio e se juntar a outro, por força
natural violenta. Nesse caso, o dono do
imóvel acrescido adquirira a propriedade
do acrescimo, se indenizar o dono do
primeiro ou, sem indenização, se, em um
ano, ninguem houver reclamado.
DO ÁLVEO ABANDONADO
Conce|to
Álveo e o leito do rio. O alveo abandonado
de corrente pertence aos proprietarios
ribeirinhos das duas margens, sem que
tenham indenização os donos dos terrenos
por onde as aguas abrirem novo curso,
entendendo-se que os predios marginais
se estendem ate o meio do alveo.
DAS CONSTRUÇÕES E PLANTAÇÕES
Toda construção ou plantação existente em
um terreno presume-se feita pelo proprietario
e à sua custa, ate que se prove o contrario.
Ocorrendo plantação ou construção em
terreno próprio, mas com sementes, plantas
ou materiais alheios, o dono do terreno adquire
a propriedade destes; mas fca obrigado a
pagar-lhes o valor, alem de responder por
perdas e danos, se agiu de ma-fe.
Ocorrendo plantação ou construção em
terreno alheio, mas com sementes, plantas e
construções próprias, estas são perdidas em
proveito do proprietario do terreo, mas se o
plantador ou construtor agiu de boa-fe tera
direto à indenização.
Se a construção ou a plantação exceder
consideravelmente o valor do terreno, aquele
que, de boa-fe, plantou ou edifcou, adquirira
a propriedade do solo, mediante pagamento
da indenização fxada judicialmente, se não
houver acordo.
5.3.2 DA PERDA DA PROPRIEDADE
Perde-se a propriedade imóvel por
alienação, pela renúncia, por abandono, por
perecimento da coisa e pela desapropriação.
Outras causas tambem consideradas pela lei
causam a perda da propriedade, tais como
usucapião, a acessão etc.
Para reñet|rI
Não se deve confundir posse com
propriedade.
5.3.3 DOS DIREITOS DE VIZINHANÇA
DO USO ANORMAL DA PROPRIEDADE
O proprietario ou o possuidor de um predio
tem o direito de fazer cessar as interferências
prejudiciais à segurança, ao sossego e à
saúde dos que o habitam, provocadas pela
utilização de propriedade vizinha, podendo
exigir do dono do predio vizinho a demolição
ou a reparação deste quando ameace ruina,
bem como que lhe preste caução pelo dano
iminente.
DAS ÁRVORES LIMÍTROFES
A arvore, cujo tronco estiver na linha divisória,
presume-se pertencer em comum aos donos
dos predios confnantes. As raizes e os ramos
de arvore, que ultrapassarem a estrema do
predio, poderão ser cortados, ate a divisa,
pelo proprietario do terreno invadido.
60
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Os frutos caidos de arvore do terreno vizinho
pertencem ao dono do solo onde cairam, se
este for de propriedade particular.
DA PASSAGEM FORÇADA
O dono do predio que não tiver acesso a via
pública, nascente ou porto, pode, mediante
pagamento de indenização cabal, constranger
o vizinho a lhe dar passagem, cujo rumo sera
judicialmente fxado, se necessario.
DA PASSAGEM DE CABOS E
TUBULAÇÕES
O proprietario e obrigado a tolerar a passagem,
atraves de seu imóvel, de cabos, tubulações
e outros condutos subterrâneos de serviços
de utilidade pública, desde que receba
indenização sufciente para atender, tambem,
à desvalorização da area remanescente,
quando de outro modo for impossivel ou
excessivamente onerosa.
DAS ÁGUAS
O dono ou o possuidor do predio inferior e
obrigado a receber as aguas que correm
naturalmente do superior, não podendo
realizar obras que embaracem o seu fuxo,
porem a condição natural e anterior do predio
inferior não pode ser agravada por obras feitas
pelo dono ou possuidor do predio superior.
O proprietario de nascente ou do solo
onde caem aguas pluviais, satisfeitas as
necessidades de seu consumo, não pode
impedir ou desviar o curso natural das aguas
remanescentes pelos predios inferiores.
DOS LIMITES ENTRE PRÉDIOS E DO
DIREITO DE TAPAGEM
O proprietario tem direito a cercar, murar,
valar ou tapar o seu predio, urbano ou rural, e
pode constranger o seu confnante a proceder
com ele à demarcação entre os dois predios,
a aviventar rumos apagados e a renovar
marcos destruidos ou arruinados, repartindo-
se proporcionalmente as despesas.
DO DIREITO DE CONSTRUIR
O proprietario pode levantar em seu terreno
as construções que lhe aprouver, salvo o
direito dos vizinhos e os regulamentos civis e
administrativos.
ImportanteI
O proprietario construira de maneira
que o seu predio não despeje aguas
diretamente sobre o predio vizinho e não
podera abrir janelas ou fazer terraço ou
varanda, a menos de metro e meio do
terreno vizinho.
São proibidas construções capazes de
poluir ou inutilizar a agua do poço ou
nascente alheia.
Não e permitido fazer escavações ou
quaisquer obras que tirem ao poço ou à
nascente de outrem a agua indispensavel
às suas necessidades normais.
5.4 DO CONDOMÍNIO GERAL
Ha condominio quando a mesma coisa
pertence a mais de uma pessoa, cada qual
com sua parte ideal.
5.4.1 DO CONDOMÍNIO VOLUNTÁRIO
Cada condômino pode usar da coisa
conforme sua destinação, sobre ela exercer
todos os direitos compativeis com a
indivisão, reivindica-la de terceiro, defender a
sua posse e alhear a respectiva parte ideal,
ou grava-la, mas nenhum condômino pode
alterar a destinação da coisa comum, nem
dar posse, uso ou gozo dela a estranhos, sem
o consenso dos outros.
O condômino e obrigado, na proporção de
sua parte, a concorrer para as despesas de
conservação ou divisão da coisa, e a suportar
os ônus a que estiver sujeita.
A todo tempo sera licito ao condômino
exigir a divisão da coisa comum. Podem os
condôminos estipular que fque indivisa a
61
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
coisa comum por prazo não maior de cinco
anos, suscetivel de prorrogação ulterior.
5.4.2 DO CONDOMÍNIO NECESSÁRIO
Ocorre essa modalidade de condominio
quando ha meação de paredes, cercas,
muros e valas.
O proprietario que tiver direito a estremar um
imóvel com paredes, cercas, muros, valas ou
valados, tê-lo-a igualmente a adquirir meação
na parede, muro, valado ou cerca do vizinho,
embolsando-lhe metade do que atualmente
valer a obra e o terreno por ela ocupado.
5.5 DO CONDOMÍNIO EDILÍCIO
Conce|to
O Condominio edilicio e instituido em
edifcações e tem como caracteristicas
partes que são propriedade exclusiva, e
partes que são propriedade comum dos
condôminos.
As partes suscetiveis de utilização
independente, tais como apartamentos,
escritórios, salas, lojas, sobrelojas ou abrigos
para veiculos, sujeitam-se à propriedade
exclusiva, podendo ser alienadas e gravadas
livremente por seus proprietarios.
São de utilização em comum pelos
condôminos e não podem ser alienados
separadamente ou divididos, o solo, a
estrutura do predio, o telhado, a rede
geral de distribuição de agua, esgoto, gas
e eletricidade, a calefação e refrigeração
centrais, e as demais partes comuns,
inclusive o acesso ao logradouro público.
Os condôminos têm o d|re|to de usar, fruir e
livremente dispor das suas unidades, usar das
partes comuns conforme a sua destinação,
sem excluir a utilização pelos demais
compossuidores, e votar nas deliberações da
assembleia e delas participar, estando quite.
São deveres do condôm|no contribuir para
as despesas do condominio, na proporção
de suas frações ideais, salvo disposição na
convenção em contrario, abster-se de realizar
obras que comprometam a segurança da
edifcação ou a forma e a cor da fachada, das
partes e esquadrias externas, não utilizar a
sua parte de maneira prejudicial ao sossego,
salubridade e segurança dos possuidores, ou
aos bons costumes, dando as suas partes a
mesma destinação que tem a edifcação.
O condômino que não pagar a sua
contribuição fcara sujeito aos juros moratórios
convencionados ou, não sendo previstos, os
de um por cento ao mês e multa de ate dois
por cento sobre o debito.
O adqu|rente de un|dade responde
pe|os déb|tos do a||enante, em re|ação
ao condomín|o, |nc|us|ve mu|tas e juros
moratór|os.
A administração do condominio cabe ao
sindico, que podera não ser condômino, eleito
em assembleia para mandato não superior a
dois anos, o qual podera renovar-se.
5.6 DA PROPRIEDADE RESOLÚVEL
Conce|to
Propriedade resolúvel e aquela de carater
transitório, não permanente, que pode
ser cancelada sobrevindo determinada
condição legal ou convencional, a
condição resolutiva ou termo fnal.
Ocorrendo a condição ou advindo, o termo
diz que a propriedade foi resolvida. Nesse
caso, são tambem resolvidos os direitos
reais concedidos na sua pendência, e
o proprietario, em cujo favor se opera a
resolução, pode reivindicar a coisa do poder
de quem a possua ou detenha. São exemplos
o pacto de retrovenda, a venda a contento, a
propriedade fduciaria, etc.
5.7 DIREITOS REAIS DE GOZO OU
FRUIÇÃO SOBRE COISAS ALHEIAS
Os direitos reais são previstos e limitados
por lei, e não se admitem a criação de novas
especies por ato de vontade das partes. Essa
modalidade de direito transfere o dominio do
62
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
imóvel ao adquirente, para que este possa
gozar e fruir do bem, conforme o tipo de
direito real pactuado.
Os direitos reais sobre coisas alheias
comentados serão os que tratam da superficie,
das servidões, do usufruto, do uso, da
habitação, do direito do promitente comprador,
do penhor, da hipoteca e da anticrese.
5.7.1 DA SUPERFÍCIE
O proprietario pode conceder a outrem o
direito de construir ou de plantar em seu
terreno, por tempo determinado, mediante
escritura pública devidamente registrada no
Cartório de Registro de lmóveis.
O direito de superficie não autoriza obra
no subsolo, salvo se for inerente ao objeto
da concessão. O direito de superficie pode
transferir-se a terceiros e, por morte do
superfciario, aos seus herdeiros.
Extinta a concessão, o proprietario passara
a ter a propriedade plena sobre o terreno,
construção ou plantação, independentemente
de indenização, se as partes não houverem
estipulado o contrario.
5.7.2 DAS SERVIDÕES
Conce|to
A servidão e o proveito ou facilidade
prestada por um predio - o serviente -
em favor de outro - o dominante.
A servidão proporciona utilidade para o predio
dominante e grava o predio serviente, que
pertence a outro dono. É constituida mediante
declaração expressa dos proprietarios, ou
por testamento, e subsequente registro no
Cartório de Registro de lmóveis.
O exercicio da servidão e restrito às
necessidades do predio dominante, de modo
a evitar agravar o encargo ao predio serviente.
Constituida para certo fm, a servidão não se
pode ampliar a outro.
A servidão uma vez registrada só se extingue
com relação à terceiros quando cancelada,
salvo nas desapropriações.
5.7.3 DO USUFRUTO
Conce|to
O usufruto e um direito conferido a uma
pessoa que o autoriza a usar coisa alheia,
móvel ou imóvel, e auferir para si os frutos
por ela produzidos. Cabe ao usufrutuario
a posse, o uso, a administração e
os frutos da coisa; e ao proprietario
(conhec|do como nu-propr|etár|o| o
direito abstrato à propriedade.
O usufruto pode recair em um ou mais bens,
em um patrimônio inteiro, ou parte deste,
abrangendo-lhe, no todo ou em parte, os
frutos e utilidades.
O usufruto de imóveis sera constituido
mediante registro no Cartório de Registro de
lmóveis, quando não resulte de usucapião.
Não se pode transferir o usufruto por
alienação; mas o seu exercicio pode ceder-
se por titulo gratuito ou oneroso.
O usufrutuario pode usufruir em pessoa, ou
mediante arrendamento, o predio, mas não
lhe mudar a destinação econômica, sem
expressa autorização do proprietario.
O usufrutuario, antes de assumir o usufruto,
inventariara, à sua custa, os bens que receber,
determinando o estado em que se acham, e
dara caução, fdejussória ou real, se lha exigir o
dono, de velar-lhes pela conservação, e entrega-
los fndo o usufruto. Todavia o usufrutuario não
e obrigado a pagar as deteriorações resultantes
do exercicio regular do usufruto.
É atribuição do usufrutuario pagar as
despesas ordinarias de conservação dos
bens no estado em que os recebeu, bem
como as prestações e os tributos devidos
pela posse ou rendimento da coisa usufruida.
63
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Extingue-se o usufruto pela morte do
usufrutuario, pelo termo de sua duração,
pela cessação da causa que o originou,
pela destruição da coisa, pela consolidação
(quando a mesma pessoa passa a ser o
usufrutuario e o proprietarioj, pelo usucapião,
por culpa do usufrutuario, quando aliena,
deteriora, ou deixa arruinar os bens, pela
renúncia, pelo não uso, ou não fruição, da
coisa em que o usufruto recai etc.
Para reñet|rI
O usufruto pode ser hipotecado (dado em
garantia a um credorj? Não, pois quem
não pode alienar não pode hipotecar.
(MENEZESj.
Ha outros casos de extinção do usufruto que
podem ser conhecidos no artigo 1410 do
Código Civil.
5.7.4 DO USO
Conce|to
O uso e uma especie de usufruto restrito,
que atribui ao seu titular apenas o uso de
coisa alheia, sem direito à administração
e aos frutos, salvo daquilo que seja
necessario ao consumo pessoal e da
familia, compreendidas a de seu cônjuge,
dos flhos solteiros e das pessoas de seu
serviço domestico.
São aplicaveis ao uso, no que não for contrario
à sua natureza, as disposições relativas ao
usufruto.
5.7.5 DA HABITAÇÃO
Conce|to
É o direito real temporario de habitar
gratuitamente casa alheia. O titular
deste direito não a pode alugar nem
emprestar, mas simplesmente ocupa-la
com sua familia.
São aplicaveis à habitação, no que não for
contrario à sua natureza, as disposições
relativas ao usufruto.
5.7.6 DO DIREITO DO PROMITENTE
COMPRADOR
Mediante promessa de compra e venda,
em que se não pactuou arrependimento,
celebrada por instrumento público ou
particular e registrada no Cartório de Registro
de lmóveis, adquire, o promitente comprador,
direito real à aquisição do imóvel.
O promitente comprador, titular de direito
real, pode exigir do promitente vendedor ou
de terceiros, a quem os direitos deste forem
cedidos, a outorga da escritura defnitiva de
compra e venda, conforme o disposto no
instrumento preliminar; e, se houver recusa,
requerer a adjudicação do imóvel.
5.8 DIREITOS REAIS DE GARANTIA
SOBRE COISAS ALHEIAS
Conce|to
"Direito real de garantia e aquele que
confere ao seu titular a prerrogativa de
obter o pagamento de uma divida com
o valor ou a renda de um bem aplicado
exclusivamente à sua satisfação" (Silvio
Rodriguesj.
São eles o penhor, a h|poteca e a ant|crese.
D|spos|ções gera|s sobre o penhor,
h|poteca e a ant|crese:
Nas dividas garantidas por penhor,
anticrese ou hipoteca, o bem dado
em garantia fca sujeito, por vinculo
real, ao cumprimento da obrigação.
Só aquele que pode alienar podera
empenhar, hipotecar ou dar em
anticrese.
Só os bens que se podem alienar
serão dados em penhor, anticrese ou
hipoteca.
64
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A coisa comum a dois ou mais
proprietarios não pode ser dada em
garantia real, na sua totalidade, sem
o consentimento de todos; mas cada
um pode individualmente dar em
garantia real a parte que tiver.
O pagamento de uma ou mais
prestações da divida não importa
exoneração correspondente da
garantia, ainda que esta compreenda
varios bens, salvo disposição
expressa no titulo ou na quitação.
O credor hipotecario e o pignoraticio
têm o direito de excutir (executar
judicialmentej a coisa hipotecada
ou empenhada e preferir, no
pagamento, a outros credores,
observada, quanto à hipoteca, a
prioridade no registro.
Excetuam-se dessa regra as dividas
trabalhistas, previdenciarias, fscais,
que têm preferência.
O credor anticretico tem direito a
reter em seu poder o bem, enquanto
a divida não for paga; extingue-se
esse direito decorridos quinze anos
da data de sua constituição.
A divida sera considerada vencida se
o bem dado em garantia se perecer,
deteriorar ou depreciar e o devedor,
intimado, não o reforçar ou substituir,
se o devedor cair em insolvência
ou falir, se as prestações não forem
pontualmente pagas, se desapropriar
o bem dado em garantia.
É nula a clausula que autoriza o
credor pignoraticio, anticretico ou
hipotecario a fcar com o objeto da
garantia, se a divida não for paga no
vencimento, mas vencida a divida,
podera o devedor dar a coisa em
pagamento da divida.
Quando executado o penhor, ou
executada a hipoteca, o produto não
bastar para pagamento da divida
e despesas judiciais, continuara o
devedor obrigado pessoalmente pelo
restante.
5.8.1 DO PENHOR
Conce|to
Penhor signifca a entrega, o empenho
de coisa móvel ou imóvel como garantia
de obrigação assumida.
Constitui-se o penhor pela transferência
efetiva da posse que, em garantia do debito
ao credor ou a quem o represente, faz o
devedor, ou alguem por ele, de uma coisa
móvel, suscetivel de alienação.
O credor pignoraticio tem direito: à posse da
coisa empenhada; à retenção dela em caso
de indenização de despesas justifcadas,
não sendo ocasionada por culpa sua; ao
ressarcimento do prejuizo que houver sofrido
por vicio da coisa empenhada; a promover
a execução judicial, ou a venda amigavel, se
autorizado expressamente pelo contrato ou pelo
devedor, mediante procuração; a apropriar-se
dos frutos da coisa empenhada que se encontra
em seu poder; a promover a venda antecipada
sempre que haja receio fundado de que a coisa
empenhada se perca ou deteriore, mas o dono
da coisa empenhada pode impedir a venda
antecipada, substituindo-a ou oferecendo outra
garantia real idônea.
O credor não pode ser constrangido a
devolver a coisa empenhada ou uma parte
dela, antes de ser integralmente pago.
O credor pignoraticio e obrigado à custódia
da coisa, na qualidade de depositario, a
ressarcir ao dono a perda ou deterioração de
que for culpado, à defesa da posse da coisa
empenhada e a comunicação ao dono dela,
das circunstâncias que tornarem necessario
o exercicio de ação possessória, a restitui-la,
com os respectivos frutos e acessões, uma
vez paga a divida.
Extingue-se o penhor com a extinção da
obrigação; com o perecimento da coisa;
renunciando o credor; confundindo-se na
mesma pessoa as qualidades de credor e de
dono da coisa; dando-se a adjudicação judicial,
a remissão ou a venda da coisa empenhada,
feita pelo credor ou por ele autorizada.
65
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
5.8.2 DA HIPOTECA
Conce|to
Hipoteca e o ato ou efeito de hipotecar,
de oferecer um bem, geralmente um
imóvel, como garantia na tomada de
um emprestimo pecuniario (relativo a
dinheiroj. "Hipoteca e o direto real que
o devedor confere ao credor, sobre um
bem imóvel de sua propriedade ou a
outrem, para que o mesmo responda,
preferentemente ao credor, pelo resgate
da divida" (Silvio Rodriguesj.
Podem ser objeto de hipoteca os imóveis e
os acessórios dos imóveis conjuntamente
com eles, o dominio direto, o dominio útil,
as estradas de ferro, os recursos naturais a
que se refere o art. 1.230 do Código Civil,
independentemente do solo onde se acham
os navios e as aeronaves.
Em nosso caso discorremos somente sobre a
hipoteca que grava bens imóveis.
É nula a clausula que proibe ao proprietario
alienar imóvel hipotecado, mas podera
convencionar-se que vencera o credito
hipotecario se o imóvel for alienado.
O dono do imóvel hipotecado pode constituir
outra hipoteca sobre ele, mediante novo
titulo, em favor do mesmo ou de outro credor.
Salvo o caso de insolvência do devedor,
o credor da segunda hipoteca, embora
vencida, não podera executar o imóvel antes
de vencida a primeira.
As hipotecas serão registradas no cartório do
lugar do imóvel, ou no de cada um deles, se o
titulo se referir a mais de um.
Compete aos interessados, exibido o titulo,
requerer o registro da hipoteca. Os registros
e averbações seguirão a ordem em que forem
requeridas, sendo que o número de ordem
determina a prioridade, e esta a preferência
entre as hipotecas.
Ambas as partes podem prorrogar a hipoteca,
ate perfazer tr|nta anos da data do contrato.
(Redação dado pela lei 10.931/2004j.
A lei confere hipoteca, chamada nesse caso
de hipoteca legal: às pessoas de direito
público interno sobre os imóveis pertencentes
aos encarregados da cobrança, sua guarda
ou administração, dos respectivos fundos e
rendas; aos flhos, sobre os imóveis do pai ou
da mãe que passar a outras núpcias, antes de
fazer o inventario do casal anterior; ao ofendido,
ou aos seus herdeiros, sobre os imóveis do
delinquente, para satisfação do dano causado
pelo delito e pagamento das despesas
judiciais; ao co-herdeiro, para garantia do
seu quinhão ou torna da partilha, sobre o
imóvel adjudicado (submetido a ato judicial
que da a alguem a posse de determinado
bemj ao herdeiro reponente (o que repõej;
ao credor sobre o imóvel arrematado, para
garantia do pagamento do restante do preço
da arrematação. A hipoteca extingue-
se pela extinção da obrigação principal, pelo
perecimento da coisa, pela resolução da
propriedade, pela renúncia do credor, pela
remição e pela arrematação ou adjudicação.
5.8.3 DA ANTICRESE
Na anticrese o devedor entrega ao credor a
posse do imóvel, cedendo-lhe o direito de
auferir os frutos e rendimentos desse imóvel,
ate o montante da divida a ser paga.
O imóvel hipotecado pode ser dado em
anticrese, sendo a reciproca verdadeira.
O credor anticretico pode administrar os
bens dados em anticrese e fruir seus frutos e
utilidades, mas devera apresentar anualmente
balanço, exato e fel, de sua administração.
O adquirente dos bens dados em anticrese
podera remi-los, antes do vencimento da
divida, pagando a sua totalidade à data do
pedido de remição e imitir-se-a, se for o caso,
na sua posse.
67
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
UNIDADE IV
In|c|ando
o assunto
6. LEI Nº 4.591, DE 16 DE DEZEMBRO DE
1964 D|spõe sobre o condomín|o em ed|ñ-
cações e as |ncorporações |mob|||ár|as.
6.1 DO CONDOMÍNIO
A parte referente a condominio edilicio, de
que tratava a lei supra, foi derrogada pelo
Código Civil, isto e, essa parte foi alterada.
Assim, e na Lei nº 10.406, de 10.1.2002, que
estão os parâmetros para os Condominios.
Aqui são destacados apenas os dispositivos
relativos a incorporações imobiliarias, que
permanecem vigentes com base na lei de 1964.
6.2 DAS INCORPORAÇÕES
lncorporação imobiliaria e a atividade
exercida com o intuito de promover e realizar
a construção, para alienação total ou parcial,
de edifcações ou conjunto de edifcações
compostas de unidades autônomas.
lncorporador e a pessoa fisica ou juridica,
que embora não efetuando a construção,
compromete-se ou efetiva a venda de frações
ideais de terreno objetivando a vinculação
de tais frações a unidades autônomas, em
edifcações a serem construidas ou sob
regime condominial ou que meramente aceite
propostas para efetivação de tais transações,
coordenando e levando a termo a incorporação,
e responsabilizando-se, conforme o caso, a
certo prazo, preço e determinadas condições
das obras construidas.
ImportanteI
O incorporador somente podera negociar
sobre unidades autônomas após ter
arquivado, no cartório competente de
Registro de lmóveis:
Os documentos comprovando a
propriedade do terreno;
A inexistência de debitos de
impostos, protesto de titulos;
Ações civeis e criminais e de
ônus reais relativos ao imóvel, aos
alienantes e ao incorporador;
Os projetos de construção
devidamente aprovados pelas
autoridades competentes.
O número do registro da incorporação, bem como
a indicação do cartório competente, constara,
obrigatoriamente, dos anúncios, impressos,
publicações, propostas, contratos, preliminares
ou defnitivos, referentes à incorporação, salvo
dos anúncios "classifcados". O Registro de
incorporação sera valido por 120 dias.
Quando o incorporador contratar a entrega da
unidade a prazo e preços certos, determinados
ou determinaveis, mesmo quando pessoa
fisica, devera informar obrigatoriamente aos
adquirentes, por escrito, no minimo de seis
em seis meses, o estado da obra.
O incorporador responde civilmente pela
execução da incorporação, devendo
indenizar os adquirentes ou compromissarios
dos prejuizos que a estes advierem do fato de
não se concluir a edifcação ou de se retardar
injustifcadamente a conclusão das obras,
cabendo-lhe ação regressiva, quando for o
caso, e se a este couber a culpa.
É vedado ao incorporador alterar o projeto,
especialmente no que se refere à unidade
do adquirente e às partes comuns, modifcar
as especifcações ou desviar-se do plano da
construção, salvo autorização unânime dos
interessados ou exigência legal.
68
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ImportanteI
Após a concessão do "habite-se" pela
autoridade administrativa, o incorporador
devera requerer a averbação da
construção das edifcações, para efeito
de individualização e discriminação
das unidades, respondendo perante os
adquirentes pelas perdas e danos que
resultem da demora no cumprimento
dessa obrigação.
6.2.1 DA CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÃO
EM CONDOMÍNIO
A construção de imóveis, objeto de
incorporação, podera ser contratada sob o
regime de empreitada ou de administração,
e podera estar incluida no contrato com o
incorporador ou ser contratada diretamente
com os adquirentes e o construtor.
Podera ser designada, no contrato de
construção ou eleita em assembleia, uma
Comissão de Representantes composta de
no minimo três membros escolhidos entre
os contratantes, para representa-los junto ao
construtor ou ao incorporador, em tudo que
interessar ao bom andamento da obra.
Cada contratante da construção só sera
imitido na posse de sua unidade se estiver em
dia com as obrigações assumidas, inclusive as
relativas à construção, exercendo o construtor,
o incorporador ou o condominio o direito de
retenção sobre a respectiva unidade.
DA CONSTRUÇÃO POR EMPREITADA
Nas incorporações em que a construção seja
feita pelo regime de empreitada, esta podera
ser a preço fxo, ou a preço reajustavel por
indices previamente determinados.
Na empreitada a preço fxo, o preço
da construção não sera reajustavel
independentemente das variações que sofrer
o custo efetivo das obras e qualquer que
sejam suas causas.
Na empreitada a preço reajustavel, o preço
fxado no contrato sera reajustado na
forma e nas epocas nele expressamente
previstas, em função da variação dos
indices adotados, tambem previstos
obrigatoriamente no contrato.
ImportanteI
Em toda a publicidade ou propaganda
escrita destinada a promover a venda
de incorporação com construção pelo
regime de empreitada reajustavel, em
que conste preço, serão discriminados
explicitamente o preço da fração ideal
do terreno e o preço da construção, com
indicação expressa da reajustabilidade,
dispensada essa exigência nos anúncios
"classifcados" dos jornais.
As mesmas indicações deverão constar em to-
dos os papeis utilizados para a realização da
incorporação, tais como cartas, propostas, es-
crituras, contratos e documentos semelhantes.
DA CONSTRUÇÃO POR ADMINISTRAÇÃO
Nas incorporações em que a construção for
contratada pelo regime de administração,
tambem chamado "a preço de custo", sera
de responsabilidade dos proprietarios ou
adquirentes o pagamento do custo integral
de obra.
No regime de construção por administração,
sera obrigatório constar do respectivo
contrato o montante do orçamento do
custo da obra e a data em que se iniciara
efetivamente a obra.
69
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ImportanteI
Em toda publicidade ou propaganda
escrita destinada a promover a venda
de incorporação com construção
pelo regime de administração em que
conste preço, serão discriminados
explicitamente o preço da fração ideal
de terreno e o montante do orçamento
atualizado do custo da construção, com
a indicação do mês a que se refere o dito
orçamento, dispensada essa exigência
nos anúncios "classifcados" dos jornais.
As mesmas indicações deverão constar
em todos os papeis utilizados para a
realização da incorporação, tais como
cartas, propostas, escrituras, contratos e
documentos semelhantes.
6.2.2 DAS INFRAÇÕES
Pode-se estipular no contrato que a falta
de pagamento, por parte do adquirente ou
contratante, de três prestações do preço
da construção, depois de previa notifcação
com o prazo de dez dias para purgação
da mora, implique rescisão do contrato,
conforme nele se fxar, e que, na falta de
pagamento, pelo debito respondem os
direitos à respectiva fração ideal de terreno
e à parte construida adicionada.
Não purgada a mora o prazo de dez dias
podera ser promovida, em leilão público,
a venda da quota de terreno. O contrato
podera dispor que o valor das prestações
pagas com atraso seja corrigivel em função
da variação do indice geral de preços que
refita as oscilações do poder aquisitivo da
moeda nacional.
ImportanteI
É cr|me contra a econom|a popu|ar
promover incorporação, fazendo, em
proposta, contratos, prospectos ou
comunicação ao público, afrmação
falsa sobre a construção do condominio,
alienação das frações ideais do terreno
ou sobre a construção das edifcações,
punivel com pena de reclusão de um a
quatro anos e multa cinco a cinquenta
vezes o maior salario minimo legal
vigente no pais.
Na mesma pena incorre tambem o corretor
de |móve|s, o incorporador, o construtor,
os diretores ou gerentes de empresa
incorporadora, corretora ou construtora que,
em contrato, publicidade ou comunicação
ao público fzerem afrmação falsa sobre a
constituição do condominio, alienação das
frações ideais ou sobre a construção das
edifcações, ou que usar, ainda que a titulo
de emprestimo, em proveito próprio ou de
terceiros, bens ou haveres destinados a
incorporação contratada por administração,
sem previa autorização dos interessados.
7. LEI Nº 6.766, DE 19 DE DEZEMBRO DE
1979 D|spõe sobre o Parce|amento do So|o
Urbano e dá outras Prov|dênc|as
O parcelamento do solo urbano podera ser feito
mediante loteamento ou desmembramento.
Considera-se loteamento a subdivisão de
gleba em lotes destinados à edifcação,
com abertura de novas vias de circulação,
de logradouros públicos ou prolongamento,
modifcação ou ampliação das vias existentes.
Considera-se desmembramento a subdivisão
de gleba em lotes destinados a edifcação,
com aproveitamento do sistema viario
existente, desde que não implique abertura
de novas vias e logradouros públicos, nem
prolongamento, modifcação ou ampliação
dos ja existentes.
Considera-se lote o terreno servido de
infraestrutura basica cujas dimensões
atendam aos indices urbanisticos defnidos
70
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
pelo plano diretor ou lei municipal para a zona
em que se situe.
Consideram-se infraestrutura basica os
equipamentos urbanos de escoamento
das aguas pluviais, iluminação pública,
redes de esgoto sanitario e abastecimento
de agua potavel, e de energia eletrica
pública e domiciliar e as vias de circulação
pavimentadas ou não.
Nas zonas habitacionais declaradas por
lei como de interesse social (ZHlSj, a
infraestrutura basica dos parcelamentos
situados consistira, no minimo, de vias
de circulação, escoamento das aguas
pluviais, rede para o abastecimento de agua
potavel, e soluções para o esgotamento
sanitario e para a energia eletrica domiciliar.
Somente sera admitido o parcelamento do
solo para fns urbanos em zonas urbanas,
de expansão urbana ou de urbanização
especifca, assim defnidas pelo plano diretor
ou aprovadas por lei municipal.
É proibido o parcelamento do solo urbano
enquanto não solucionados os problemas em
terrenos alagadiços e sujeitos a inundações,
que tenham sido aterrados com material
nocivo à saúde pública, com declividade
igual ou superior a trinta por cento.
Tambem não sera permitido o parcelamento
do solo em terrenos onde as condições
geológicas não aconselham a edifcação
ou em areas de preservação ecológica, ou
naquelas onde a poluição impeça condições
sanitarias suportaveis ate a sua correção.
A lei municipal defnira os prazos para que
um projeto de parcelamento apresentado
seja aprovado ou rejeitado e para que
as obras executadas sejam aceitas ou
recusadas. Transcorridos os prazos sem a
manifestação do Poder Público, o projeto
sera considerado rejeitado ou as obras
recusadas, assegurada a indenização por
eventuais danos derivados da omissão.
Nos Municipios cuja legislação for omissa,
os prazos serão de noventa dias para a
aprovação ou rejeição e de sessenta dias
para a aceitação ou recusa fundamentada
das obras de urbanização.
ImportanteI
Aprovado o projeto de loteamento ou de
desmembramento, o |oteador deverá
submetê-|o ao Reg|stro Imob|||ár|o
dentro de 180 (cento e o|tenta| d|as,
sob pena de caduc|dade da aprovação.
Juntamente com o pedido devera
apresentar os seguintes documentos:
I| titulo de propriedade do imóvel ou
certidão da matricula, ressalvado o
disposto nos §§ 4º e 5º; (NRj (Redação
dada oe|a /e| nº 9.785, 29.1.99j;
II| histórico dos titulos de propriedade do
imóvel, abrangendo os últimos 20
(vintej anos, acompanhado dos
respectivos comprovantes;
III| certidões negativas:
a| de tributos federais, estaduais
e municipais incidentes sobre o
imóvel;
b| de ações reais referentes ao
imóvel, pelo periodo de 10 (dezj
anos;
c| de ações penais com respeito ao
crime contra o patrimônio e contra
a Administração Pública;
IV| certidões:
a| dos Cartórios de Protestos de
Titulos, em nome do loteador, pelo
periodo de 10 (dezj anos;
b| de ações pessoais relativas ao
loteador, pelo periodo de 10 (dezj
anos;
c| de ônus reais relativos ao imóvel;
d| de ações penais contra o loteador,
pelo periodo de 10 (dezj anos;
71
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
V| cópia do ato de aprovação do
loteamento e comprovante do termo
de verifcação pela Prefeitura Municipal
ou pelo Distrito Federal, da execução
das obras exigidas por legislação
municipal, que incluirão, no minimo,
a execução das vias de circulação do
loteamento, demarcação dos lotes,
quadras e logradouros e das obras
de escoamento das aguas pluviais
ou da aprovação de um cronograma,
com a duração maxima de quatro
anos, acompanhado de competente
instrumento de garantia para a
execução das obras; (Redação dada
oe|a /e| nº 9.785, 29.1.99I.
VI| exemplar do contrato-padrão de
promessa de venda ou de cessão ou de
promessa de cessão, do qual constarão
obrigatoriamente as indicações
previstas no art. 26 desta Lei;
VII| declaração do cônjuge do requerente
de que consente no registro do
loteamento.
No Registro de lmóveis far-se-a o registro do
loteamento, com uma indicação para cada
lote, a averbação das alterações, a abertura
de ruas e praças e as areas destinadas a
espaços livres ou a equipamentos urbanos.
O processo de loteamento e os contratos
depositados em cartório poderão ser examinados
por qualquer pessoa, a qualquer tempo,
independentemente do pagamento de custas ou
emolumentos, ainda que a titulo de busca.
São irretrataveis os compromissos de
compra e venda, cessões e promessas de
cessão, os que atribuam direito a adjudicação
compulsória e, estando registrados, confram
direito real oponivel a terceiros.
ImportanteI
Os compromissos de compra e venda,
as cessões e as promessas de cessão
va|erão como títu|o para o reg|stro
da propr|edade do |ote adqu|r|do,
quando acompanhados da respectiva
prova de quitação.
Se aquele que se obrigou a concluir contrato
de promessa de venda ou de cessão não
cumprir a obrigação, o credor podera
notifcar o devedor para outorga do contrato
ou oferecimento de impugnação no prazo
de 15 (quinzej dias, sob pena de proceder-
se ao registro do pre-contrato, passando as
relações entre as partes a serem regidas pelo
contrato-padrão.
Nesse caso, terão o mesmo valor de pre-
contrato a promessa de cessão, a proposta de
compra, a reserva de lote ou qualquer outro
instrumento do qual conste a manifestação
da vontade das partes, a indicação do lote,
o preço e modo de pagamento e a promessa
de contratar.
Aquele que adquirir a propriedade loteada
mediante ato inter vivos, ou por sucessão
ca0sa mo|t|s, sucedera o transmitente em
todos os seus direitos e obrigações, fcando
obrigado a respeitar os compromissos de
compra e venda ou as promessas de cessão,
em todas as suas clausulas, sendo nula
qualquer disposição em contrario, ressalvo o
direito do herdeiro ou legatario de renunciar à
herança ou ao legado.
O contrato particular pode ser transferido
por simples trespasse, lançado no verso
das vias em poder das partes ou por
instrumento em separado, declarando-se o
número do registro do loteamento, o valor
da cessão e a qualifcação do cessionario
para o devido registro.
A cessão independe da anuência do loteador,
mas, em relação a este, seus efeitos só se
produzem depois de cientifcado, por escrito,
pelas partes ou quando registrada a cessão.
vencida e não paga a prestação, o contrato
sera considerado rescindido trinta dias depois
de constituido em mora o devedor. Nesse
caso, a requerimento do credor, o devedor-
adquirente sera intimado pelo ofcial do
registro de imóveis, a satisfazer as prestações
vencidas e as que se vencerem ate a data
do pagamento, os juros convencionados
e as custas de intimação. Purgada a mora,
convalescera o contrato.
72
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Permanecendo a inadimplência, de posse da
certidão de não haver sido feito o pagamento
em cartório, o vendedor requerera ao
ofcial do registro o cancelamento da
averbação. Em qualquer caso de rescisão
por inadimplemento do adquirente, as
benfeitorias necessarias ou úteis por ele
levadas a efeito no imóvel deverão ser
indenizadas, sendo de nenhum efeito
qualquer disposição contratual em contrario.
Não serão indenizadas as benfeitorias feitas
em desconformidade com o contrato ou
com a lei.
Ocorrendo o cancelamento do registro por
inadimplemento do contrato e tendo havido
o pagamento de mais de um terço do preço
ajustado, o ofcial do registro de imóveis
mencionara este fato no ato do cancelamento
e a quantia paga; somente sera efetuado
novo registro relativo ao mesmo lote, se for
comprovada a restituição do valor pago pelo
vendedor ao titular do registro cancelado,
ou mediante depósito em dinheiro à sua
disposição junto ao Registro de lmóveis.
ImportanteI
É proibido vender ou prometer
vender parcela de loteamento ou
desmembramento não registrado.
verifcado que o loteamento ou
desmembramento não esta registrado, devera
o adquirente do lote notifcar o loteador para
suprir a falta, suspendendo o pagamento,
ao loteador, das prestações restantes, mas
efetuando o depósito delas junto ao Registro
de lmóveis competente. Regularizado o
loteamento pelo loteador, este podera levantar
as prestações depositadas em cartório.
Sera nula de pleno direito a clausula de
rescisão de contrato por inadimplemento do
adquirente, quando o loteamento não estiver
regularmente inscrito.
Const|tu| cr|me contra a Administração
Pública dar inicio ou efetuar loteamento
ou desmembramento do solo para fns
urbanos sem autorização do órgão público
competente, em desacordo com as
disposições legais ou sem a observância
das determinações constantes do ato
administrativo de licença.
Const|tu| cr|me fazer ou veicular
em proposta, contrato, prospecto ou
comunicação ao público ou a interessados,
afrmação falsa sobre a legalidade
de loteamento ou desmembramento
do solo para fns urbanos, ou ocultar
fraudulentamente fato a ele relativo.
Em ambos os casos a pena e de reclusão,
de um a quatro anos, e multa, de 5 (cincoj a
50 (cinquentaj vezes o maior salario minimo
vigente no Pais, sem prejuizo das sanções
administrativas cabiveis. A pena sera
aumentada de um a cinco anos, e multa, se o
crime e cometido por meio de venda, promessa
de venda ou reserva de lote não registrado
no Registro de lmóveis competente ou com
inexistência de titulo legitimo de propriedade
do imóvel loteado ou desmembrado.
Quem, de qualquer modo, concorrer para a
pratica das condutas acima citadas incidira nas
penas cominadas, considerados em especial
os atos praticados na qualidade de mandatario
de loteador, diretor ou gerente de sociedade.
Aquele que registrar loteamento ou
desmembramento não aprovado pelos órgãos
competentes, registrar o compromisso de
compra e venda, a cessão ou promessa
de cessão de direitos, ou efetuar registro
de contrato de venda de loteamento ou
desmembramento não registrado sera
apenado com detenção de um dois anos, e
multa de 5 (cincoj a 50 (cinquentaj vezes o
maior salario minimo vigente no Pais, sem
prejuizo das sanções administrativas cabiveis.
73
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
8. LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990
D|spõe sobre a proteção do consum|dor
8.1 DEFINIÇÕES E CONCEITOS
Consumidor e a pessoa que adquire
mercadorias, riquezas e serviços para
uso próprio ou de sua familia. Portanto,
Consumidor e toda pessoa fisica ou juridica
que adquire ou utiliza produto ou serviço
como destinatario fnal. Destinatario fnal e
aquele que adquire um produto ou serviço
para utilizar em uso próprio, que não revende
o produto para outrem, nem o aplica na
produção de outros produtos.
Equipara-se a consumidor a coletividade de
pessoas que haja intervindo nas relações de
consumo, ainda que indeterminaveis.
Esta última defnição e uma exação juridica
denominada consumidor por equiparação.
Fornecedor e toda pessoa fisica ou juridica,
pública ou privada, nacional ou estrangeira,
bem como os entes despersonalizados, que
desenvolvem atividade de produção, mon-
tagem, criação, construção, transformação,
importação, exportação, distribuição ou
comercialização de produtos ou prestação
de serviços.
Conce|to
Produto e qualquer bem, móvel
ou imóvel, material ou imaterial.
Serv|ço e qualquer atividade
fornecida no mercado de
consumo, mediante remuneração,
inclusive as de natureza bancaria,
fnanceira, de credito e securitaria,
salvo as decorrentes das relações
de carater trabalhista.
O Código do Consumidor estabelece normas
visando a proteção e defesa do consumidor,
da ordem pública e do interesse social.
É de vital importância o conhecimento de
alguns conceitos e regras que regem o
direito do consumidor, pois o Corretor de
lmóveis e um fornecedor de serviços com
caracteristicas bem particulares, uma vez
que fornece seus serviços profssionais tanto
ao vendedor quanto ao comprador.
8.2 DA RESPONSABILIDADE PELO FATO
DO PRODUTO E DO SERVIÇO
Não raro ocorre de o produto ou serviço
causar danos às pessoas. Neste caso, o
fabricante, o produtor, o construtor e o
importador respondem de modo objetivo.
A responsabilidade objetiva independe da
averiguação da culpa e só e excluida se
provada a inexistência do defeito, que não foi
colocado o produto no mercado ou que a culpa
e exclusiva do consumidor ou de terceiro.
Considera-se o produto defeituoso
quando não oferece a segurança que dele
legitimamente se espera.
Não e considerado defeituoso pelo fato de
outro de melhor qualidade ter sido colocado
no mercado, com adoção de novas tecnicas.
O fornecedor de serviços responde,
independentemente da existência de culpa,
pela reparação dos danos causados aos
consumidores por defeitos relativos à
prestação dos serviços, bem como por
informações insufcientes ou inadequadas
sobre sua fruição e riscos.
ImportanteI
O fornecedor de serviços só não sera
responsabilizado quando provar:
I| que, tendo prestado o serviço, o defeito
inexiste;
II| a culpa exclusiva do consumidor ou
de terceiro.
Os proñss|ona|s ||bera|s são exceção à
regra da responsab|||dade objet|va, vez
que sua responsab|||dade pessoa| deve ser
apurada med|ante a ver|ñcação de cu|pa.
74
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
8.3 DA RESPONSABILIDADE POR VÍCIO
DO PRODUTO E DO SERVIÇO
Os fornecedores de produtos de consumo
duraveis ou não duraveis respondem
solidariamente pelos vicios de qualidade ou
quantidade que os tornem impróprios ou
inadequados ao consumo a que se destinam
ou lhes diminuam o valor, assim como
por aqueles decorrentes da disparidade
com as indicações constantes da oferta ou
mensagem publicitaria.
Ocorrendo o víc|o e não sendo ele sanado
no prazo maximo de trinta dias, pode o
consumidor exigir, alternativamente e à sua
escolha, a substituição do produto por outro
da mesma especie, em perfeitas condições de
uso; a restituição imediata da quantia paga,
monetariamente atualizada, sem prejuizo de
eventuais perdas e danos; ou o abatimento
proporcional do preço.
O prazo de tr|nta d|as pode ser reduz|do a
sete d|as ou d||atado até 180 d|as, desde
que as partes assim estipulem.
O fornecedor de serviços responde pelos
vicios de qualidade que os tornem impróprios
ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim
como por aqueles decorrentes da disparidade
com as indicações constantes da oferta ou
mensagem publicitaria.
O consumidor, nestes casos pode exigir,
alternativamente e à sua escolha:
a reexecução dos serviços, sem
custo adicional e quando cabivel;
a restituição imediata da quantia
paga, monetariamente atualizada,
sem prejuizo de eventuais perdas e
danos;
o abatimento proporcional do preço.
A reexecução dos serviços podera ser confada
a terceiros devidamente capacitados, por
conta e risco do fornecedor. A ignorância do
fornecedor sobre os vicios de qualidade por
inadequação dos produtos e serviços não o
exime de responsabilidade.
8.4 DA DECADÊNCIA E DA PRESCRIÇÃO
O direito de reclamar pelos vicios aparentes
ou de facil constatação caduca em trinta
dias, tratando-se de fornecimento de serviço
e de produtos não duraveis; noventa dias,
tratando-se de fornecimento de serviço e de
produtos duraveis.
A reclamação comprovadamente formulada
pelo consumidor perante o fornecedor de
produtos e serviços ate a resposta negativa
correspondente, transmitida de forma
inequivoca, obsta a decadência do direito de
reclamar dos vicios aparentes.
No caso de vicio oculto, o prazo decadencial
inicia-se no momento em que fcar
evidenciado o defeito.
ImportanteI
Prescreve em cinco anos a pretensão
à reparação pelos danos causados por
fato do produto ou do serviço, iniciando-
se a contagem do prazo a partir do
conhecimento do dano e de sua autoria.
8.5 DAS PRÁTICAS COMERCIAIS
8.5.1 DA OFERTA
Toda informação ou publicidade oferecendo
ou apresentando produtos ou serviços obriga o
fornecedor que a fzer veicular ou dela se utilizar
e integra o contrato que vier a ser celebrado.
ImportanteI
A oferta e apresentação de produtos ou
serviços devem assegurar informações
corretas, claras, sobre as caracteristicas,
qualidades, quantidade, composição, preço,
garantia, prazos de validade e origem, bem
como sobre os riscos que apresentam à
saúde e segurança dos consumidores.
75
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
8.5.2 DA PUBLICIDADE
A publicidade deve ser veiculada de tal forma
que o consumidor, facil e imediatamente, a
identifque como tal, sendo proibida toda
publicidade enganosa ou abusiva.
É enganosa qualquer modalidade de
informação ou comunicação de carater
publicitario, capaz de induzir em erro
o consumidor a respeito da natureza,
caracteristicas, qualidade, quantidade,
propriedades, origem, preço e quaisquer
outros dados sobre produtos e serviços.
É abusiva a publicidade discriminatória, a
que incite à violência, explore o medo ou
a superstição, aproveite-se da defciência
de julgamento e experiência da criança,
desrespeita valores ambientais, ou que seja
capaz de induzir o consumidor a se comportar
de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde
ou segurança.
A publicidade e enganosa por omissão
quando deixar de informar sobre dado
essencial do produto ou serviço.
O ônus da prova da veracidade e correção da
informação ou comunicação publicitaria cabe
a quem as patrocina.
8.5.3 DAS PRÁTICAS ABUSIVAS
É vedado ao fornecedor de produtos ou
serviços, dentre outras praticas consideradas
abusivas:
Praticar a venda casada, ou seja,
condicionar o fornecimento de produto
ou de serviço ao fornecimento de
outro produto ou serviço;
Limitar quantitativamente sem justa
causa, ou recusar atendimento às
demandas dos consumidores, na
exata medida de suas disponibilidades
de estoque e, ainda, em conformidade
com os usos e costumes;
Enviar ou entregar ao consumidor
qualquer produto ou serviço sem
solicitação previa;
Prevalecer-se da fraqueza ou
ignorância do consumidor,
tendo em vista sua idade, saúde,
conhecimento ou condição social
para impingir-lhe seus produtos ou
serviços; os serviços prestados e os
produtos remetidos ou entregues ao
consumidor sem a sua solicitação,
equiparam-se às amostras gratis,
inexistindo obrigação de pagamento;
Repassar informação depreciativa,
referente a ato praticado pelo
consumidor no exercicio de seus
direitos;
Colocar no mercado de consumo
qualquer produto ou serviço
em desacordo com as normas
expedidas pelos órgãos ofciais
competentes;
Recusar a venda de bens ou a
prestação de serviços diretamente
a quem se disponha a adquiri-
los mediante pronto pagamento,
ressalvados os casos de
intermediação regulados em leis
especiais;
Elevar sem justa causa o preço de
produtos ou serviços;
Deixar de estipular prazo para o
cumprimento de sua obrigação ou
deixar a fxação de seu termo inicial
a seu exclusivo criterio;
Aplicar fórmula ou indice de reajuste
diverso do legal ou contratualmente
estabelecido.
O fornecedor de serviço sera obrigado a
entregar ao consumidor orçamento previo
discriminando o valor da mão-de-obra, dos
materiais e equipamentos a serem empregados,
as condições de pagamento, bem como as
datas de inicio e termino dos serviços.
76
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Salvo estipulação em contrario, o valor orçado
tera validade pelo prazo de dez d|as, contado
de seu recebimento pelo consumidor. Uma
vez aprovado pelo consumidor, o orçamento
obriga os contraentes e somente pode ser
alterado mediante livre negociação das partes.
ImportanteI
O consumidor não responde por quaisquer
ônus ou acrescimos decorrentes da
contratação de serviços de terceiros não
previstos no orçamento previo.
8.5.4 DA COBRANÇA DE DÍVIDAS
Na cobrança de debitos, o consumidor
inadimplente não sera exposto a ridiculo,
nem sera submetido a qualquer tipo de
constrangimento ou ameaça.
O consumidor cobrado em quantia indevida
tem direito à repetição do indebito, por valor
igual ao dobro do que pagou em excesso,
acrescido de correção monetaria e juros
legais, salvo hipótese de engano justifcavel.
8.6 DA PROTEÇÃO CONTRATUAL
O Código de Defesa do Consumidor (CDCj
protege o consumidor antes, quando e após
a elaboração do contrato.
Os contratos não obrigarão o consumidor,
se não lhe foi dada a oportunidade de tomar
conhecimento previo de seu conteúdo, ou
se forem redigidos de modo a difcultar a
compreensão de seu sentido e alcance.
As clausulas contratuais serão interpretadas
de maneira mais favoravel ao consumidor. As
declarações de vontade constantes de escritos
particulares, recibos e pre-contratos relativos
às relações de consumo vinculam o fornecedor.
O consumidor pode desistir do contrato, no
prazo de sete d|as a contar de sua assinatura
ou do ato de recebimento do produto
ou serviço, sempre que a contratação
de fornecimento de produtos e serviços
ocorrer fora do estabelecimento comercial,
especialmente por telefone ou a domicilio.
Se o consumidor exercitar o direito de
arrependimento, os valores eventualmente
pagos, a qualquer titulo, durante o prazo
de refexão serão devolvidos de imediato,
monetariamente atualizados.
A garantia contratual e complementar à legal
e sera conferida mediante termo escrito.
8.6.1 DAS CLÁUSULAS ABUSIVAS
São nulas de pleno direito, entre outras,
as clausulas contratuais relativas ao
fornecimento de produtos e serviços que:
lmpossibilitem, exonerem, atenuem
ou transfram a responsabilidade do
fornecedor por vicios de qualquer
natureza dos produtos e serviços;
Subtraiam ao consumidor a opção
de reembolso da quantia ja paga;
Estabeleçam inversão do ônus da
prova em prejuizo do consumidor;
Determinem a utilização compulsória
de arbitragem;
Deixem ao fornecedor a opção de
concluir ou não o contrato, embora
obrigando o consumidor;
Autorizem o fornecedor a modifcar
unilateralmente o conteúdo ou a
qualidade do contrato, após sua
celebração;
Possibilitem a renúncia do direito
de indenização por benfeitorias
necessarias.
A nulidade de uma clausula contratual
abusiva não invalida o contrato, exceto
quando de sua ausência, apesar dos esforços
de integração, decorrer ônus excessivo a
qualquer das partes.
77
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ImportanteI
As multas de mora decorrentes do
inadimplemento de obrigações no seu
termo não poderão ser superiores a dois
por cento do valor da prestação.
É assegurado ao consumidor a
liquidação antecipada do debito, total
ou parcialmente, mediante redução
proporcional dos juros e demais
acrescimos.
Nos contratos de compra e venda de
móveis ou imóveis mediante pagamento
em prestações, bem como nas alienações
fduciarias em garantia, consideram-se
nulas de pleno direito as clausulas que
estabeleçam a perda total das prestações
pagas em beneficio do credor que, em
razão do inadimplemento, pleitear a
resolução do contrato e a retomada do
produto alienado.
8.6.2 DOS CONTRATOS DE ADESÃO
Contrato de adesão e aquele cujas clausulas
foram unilateralmente colocadas pelo
fornecedor de produtos ou serviços, sem que
o consumidor possa discutir ou modifcar
substancialmente seu conteúdo.
As clausulas que implicarem limitação de
direito do consumidor deverão ser redigidas
com destaque, permitindo sua imediata e
facil compreensão.
9 . LEI Nº 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991
D|spõe sobre as |ocações dos |móve|s urba-
nos e os proced|mentos a e|as pert|nentes

ImportanteI
Atenção: Esta lei sofreu alterações
por meio da Lei nº 12.1112 de 09 de
dezembro de 2009.
Basicamente, a nova Lei alterou os
seguintes dispositivos:
1| Multa pela rescisão antecipada da
locação por parte do locatario (art. 4ºj.
Defniu melhor a proporcionalidade
da multa, a qual ja era assim no texto
antigo, mas cuja redação poderia dar
margem a dúvidas;
2| Separação do casal. Quem permanecer
no imóvel devera comunicar o locador
e o fador e este podera exonerar-se
(art. 12j;
3| O fador responde ate a devolução do
imóvel, salvo disposição contratual
em contrario (art. 39j;
4| Substituição do fador ou da
garantia, no caso de contrato a prazo
indeterminado em que o fador se
exonera (art. 40, X e § 1ºj;
5| Despejo liminar em 15 dias, nos casos
seguintes, alem dos casos ja previstos
anteriormente (art. 59, § 1º, vl a lXj:
a| necessidade de reparações
urgentes no imóvel;
b| não substituição do fador
exonerado, no prazo de 30 dias;
c| na retomada do imóvel não
residencial;
d| falta de pagamento de aluguel,
quando não ha fador nem outra
garantia;
6| Ações de despejo. Alterados varios
procedimentos com diversas medidas
de agilização (arts. 62 a 64j, entre as
quais a possibilidade de purgação da
mora, que antes podia ser feita 2 vezes
no prazo de um ano e agora, somente
uma vez a cada dois anos;
7| Ação revisional. Alteração e simplifca-
ção de alguns procedimentos judiciais
(art. 68j;
8| Ação renovatória. lndicação do fador
(art. 71j;
A nova lei entrara em vigor 45 dias
após a sua publicação, que ocorreu em
10.12.2009.
9.1 DA LOCAÇÃO EM GERAL
A locação de imóvel urbano regula-se pelo
disposto nesta lei.
78
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
A locação pode ser residencial e não
residencial.
São reguladas pelo Código Civil ou leis
especiais os imóveis públicos, as garagens
autônomas, os espaços destinados à
publicidade, os "aoa|t-hoteis", hoteis e os
arrendamentos mercantis em qualquer de
suas modalidades.
As partes podem ajustar um contrato de
locação por qualquer prazo, dependendo
de autorização conjugal, se igual ou superior
a dez anos. Ausente a vênia conjugal, o
cônjuge não estara obrigado a observar o
prazo excedente.
Para reñet|rI
Art. 4º. Durante o prazo estipulado para a
duração do contrato, não podera o locador
reaver o imóvel alugado. O locatario,
todavia, podera devolvê-lo, pagando a
multa pactuada, proporcionalmente ao
periodo de cumprimento do contrato,
ou, na sua falta, a que for judicialmente
estipulada. (Modifcado pela Lei 12.112
de dezembro 2009j.
Art. 12. Em casos de separação de fato,
separação judicial, divórcio ou dissolução
da união estavel, a locação residencial
prosseguira automaticamente com o cônjuge
ou companheiro que permanecer no imóvel.
§ 1º. Nas hipóteses previstas neste
artigo e no art. 11, a sub-rogação sera
comunicada por escrito ao locador e ao fador,
se esta for a modalidade de garantia locaticia.
§ 2º. O fador podera exonerar-se
das suas responsabilidades no prazo de
30 (trintaj dias contado do recebimento da
comunicação oferecida pelo rogado, fcando
responsavel pelos efeitos da fança durante
120 (cento e vintej dias após a notifcação ao
locador." (NRj. (Modifcado pela Lei 12.112
de dezembro 2009j.
A ação do locador para reaver o imóvel e a de
despejo, que podera ser manejada tambem
por falta de pagamento de:
Aluguel provisório;
Diferenças de alugueis;
Acessórios da locação apenas.
O locatario podera denunciar a locação
por prazo indeterminado mediante aviso
por escrito ao locador, com antecedênc|a
mín|ma de tr|nta d|as.
Se o imóvel for alienado durante a locação, o
adquirente podera denunciar o contrato, com
o prazo de noventa d|as para a desocupação,
salvo se a locação for por tempo determinado
e o contrato contiver clausula de vigência em
caso de alienação e estiver averbado junto
à matricula do imóvel. ldêntico direito tera
o promissario comprador e o promissario
cessionario, em carater irrevogavel, com
imissão na posse do imóvel e titulo registrado
junto à matricula do mesmo.
A denúncia devera ser exercitada no prazo de
noventa d|as contados do registro da venda
ou do compromisso, presumindo-se, após
esse prazo, a concordância na manutenção
da locação.
A locação tambem podera ser desfeita por
mútuo acordo; em decorrência da pratica de
infração legal ou contratual; em decorrência
da falta de pagamento do aluguel e demais
encargos; ou para a realização de reparações
urgentes determinadas pelo Poder Público,
que não possam ser normalmente executadas
com a permanência do locatario no imóvel
ou, podendo, ele se recuse a consenti-las.
É livre a convenção do aluguel, mas não
pode ser estipulado em moeda estrangeira,
nem vinculado à variação cambial ou ao
salario minimo.
Só pode ser cobrado adiantadamente em
caso de locação por temporada, ou se não
foi dada garantia.
O aluguel esta sujeito aos reajustes por
vontade das partes, mas não havendo acordo
pode ocorrer reajuste judicial a cada três anos.
79
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
O |ocador é obr|gado:
A entregar ao locatario o imóvel
alugado em estado de servir ao uso a
que se destina; a garantir, durante o
tempo da locação, o uso pacifco do
imóvel locado;
Responder pelos vicios ou defeitos
anteriores à locação;

Manter, durante a locação, a forma e o
destino do imóvel;
Fornecer ao locatario descrição
minuciosa do estado do imóvel quando
de sua entrega; fornecer ao locatario
recibo discriminado dos pagamentos;
Pagar as taxas de administração
imobiliaria e de intermediações,
inclusiva as despesas necessarias à
aferição da idoneidade do pretendente
ou de seu fador;
Pagar os impostos, taxas e o prêmio
de seguro complementar contra fogo,
que incidam ou venham a incidir sobre
o imóvel, salvo disposição expressa
em contrario no contrato;
Exibir ao locatario, quando solicitado,
os comprovantes relativos às parcelas
que estejam sendo exigidas;
Pagar as despesas extraordinarias de
condominio, sendo estas as despesas
que não se refram aos gastos
rotineiros de manutenção do edificio.

O |ocatár|o é obr|gado a:
Pagar pontualmente o aluguel e
os encargos da locação, legal ou
contratualmente exigiveis, no prazo
estipulado ou, em sua falta, ate o sexto
dia útil do mês seguinte ao vencido, no
imóvel locado, quando outro local não
tiver sido indicado no contrato;
Servir-se do imóvel para o uso
convencionado ou presumido e trata-
lo com o mesmo cuidado como se
fosse seu;
Restituir o imóvel no estado em que
o recebeu, salvo as deteriorações
decorrentes do seu uso normal;
Não modifcar a forma interna ou
externa do imóvel sem o consentimento
previo e por escrito do locador;
Pagar as despesas de telefone e de
consumo de força, luz e gas, agua e
esgoto;
Permitir a vistoria do imóvel pelo
locador, por seu mandatario, mediante
combinação previa de dia e hora,
bem como admitir que seja o mesmo
visitado e examinado por terceiros, na
hipótese prevista no art. 27 (vendaj;
Cumprir integralmente a convenção
de condominio e os regulamentos
internos;
Pagar o prêmio do seguro de fança;
Pagar as despesas ordinarias de
condominio, sendo estas as despesas
necessarias à sua administração.
Convencionado que cabe ao locatario a
responsabilidade pelo pagamento dos
tributos, encargos e despesas ordinarias de
condominio, o locador podera cobrar tais
verbas juntamente com o aluguel do mês a
que se refram.
No caso de venda, promessa de venda,
cessão ou promessa de cessão de direitos
ou dação em pagamento, o locatario tem
preferência para adquirir o imóvel locado, em
igualdade de condições com terceiros. Nesse
caso deve o locador cientifcar o locatario por
meio de notifcação judicial, extrajudicial ou
outro meio de ciência inequivoca.
O direito de preferência do locatario devera
ser exercido de maneira inequivoca no
prazo de trinta dias. Não se aplica o direito
80
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
de preferência nos casos de perda da
propriedade ou venda por decisão judicial,
permuta, doação, integralização de capital,
cisão, fusão e incorporação.
O locatario preterido no seu direito de
preferência podera reclamar do alienante
as perdas e danos ou, depositando o preço
e demais despesas do ato de transferência,
haver para si o imóvel locado.
O prazo para tal e de seis meses a contar do
registro do ato no cartório de imóveis, desde
que o contrato de locação esteja averbado
pelo menos trinta dias antes da alienação
do imóvel. Havendo condominio no imóvel,
a preferência do condômino tera prioridade
sobre a do locatario.
DAS GARANTIAS LOCATÍCIAS
O locador pode exigir do locatario, como
garantia, a prestação de caução, fança, ou
seguro de fança locaticia e cessão fduciaria
de quotas de fundo de investimento. (lncluido
pela Lei nº 11.196, de 2005j.
É vedada mais de uma modalidade de
garantia num mesmo contrato de locação.
Salvo disposição contratual em contrario,
qualquer das garantias da locação se estende
ate a efetiva devolução do imóvel.
Art. 38. A caução podera ser em bens móveis
ou imóveis.
§ 1º A caução em bens móveis
devera ser registrada em cartório de titulos e
documentos; a em bens imóveis devera ser
averbada à margem da respectiva matricula.
§ 2º A caução em dinheiro, que não
podera exceder o equivalente a três meses
de aluguel, sera depositada em caderneta de
poupança, autorizada, pelo Poder Público
e por ele regulamentada, revertendo em
beneficio do locatario todas as vantagens dela
decorrentes por ocasião do levantamento da
soma respectiva.
§ 3º A caução em titulos e ações
devera ser substituida, no prazo de trinta
dias, em caso de concordata, falência ou
liquidação das sociedades emissoras.
Art. 39. Salvo disposição contratual em
contrario, qualquer das garantias da locação
se estende ate a efetiva devolução do imóvel,
ainda que prorrogada a locação por prazo
indeterminado, por força desta Lei." (NRj.
(Modifcado pela Lei nº 12.112, de 2009j.
Art. 40. O locador podera exigir novo fador
ou a substituição da modalidade de garantia,
nos seguintes casos:
I| morte do fador;
II| ausência, interdição, recuperação
judicial, falência ou insolvência do
fador, declaradas judicialmente; (NRj.
(Modifcado pela Lei nº 12.112, de
2009j;
III| alienação ou gravação de todos
os bens imóveis do fador ou
sua mudança de residência sem
comunicação ao locador;
IV| exoneração do fador;
V| prorrogação da locação por prazo
indeterminado, sendo a fança
ajustada por prazo certo;
VI| desaparecimento dos bens móveis;
VII| desapropriação ou alienação do
imóvel;
VIII| exoneração de garantia
constituida por quotas de fundo de
investimento; (lncluido pela Lei nº
11.196, de 2005j;
IX| liquidação ou encerramento do fundo
de investimento de que trata o inciso
lv do art. 37 desta Lei; (lncluido pela
Lei nº 11.196, de 2005j;
X| prorrogação da locação por prazo
indeterminado uma vez notifcado o
locador pelo fador de sua intenção
81
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
de desoneração, fcando obrigado por
todos os efeitos da fança, durante
120 (cento e vintej dias após a
notifcação ao locador;
Paragrafo único. O locador podera notifcar
o locatario para apresentar nova garantia
locaticia no prazo de 30 (trintaj dias, sob pena
de desfazimento da locação. (NRj. (lncluido
pela Lei nº 12.112, de 2009j.
Para reñet|rI
O inciso v do art. 40 da lei 8245/1991
contempla a hipótese em que locação
e prorrogada por prazo indeterminado,
e a fança fora pactuada por prazo
certo. O inciso lv, por seu turno, alude
genericamente à exoneração do fador.
Ja o inciso X, acrescentado pela |e|
12.112/2009, regulamenta a situação
da exoneração da fança por tempo
indeterminado em decorrência da
prorrogação do contrato ate então em
tese disciplinada pelo art. 835 do CC/02.
Art. 41. O seguro de fança locaticia abrangera
a totalidade das obrigações do locatario.
Não estando a locação garantida por qualquer
das modalidades, o locador podera exigir do
locatario o pagamento do aluguel e encargos
ate o sexto dia útil do mês vincendo.
Constitui contravenção penal exigir o
pagamento de quantia ou valor alem do aluguel
e encargos permitidos, exigir mais de uma
modalidade de garantia num mesmo contrato
de locação, e cobrar antecipadamente o
aluguel, salvo os casos de locação para
temporada ou locação sem garantia.
9.2 DA LOCAÇÃO RESIDENCIAL
Nas locações ajustadas por escrito e por
prazo igual ou superior a trinta meses, a
resolução do contrato ocorrera fndo o
prazo estipulado, independentemente de
notifcação ou aviso. Findo o prazo ajustado,
se o locatario continuar na posse do imóvel
alugado por mais de trinta dias sem oposição
do locador, presumir-se-a prorrogada a
locação por prazo indeterminado, mantidas
as demais clausulas e condições do contrato.
Ocorrendo a prorrogação, o locador podera
denunciar o contrato a qualquer tempo,
concedido o prazo de trinta dias para
desocupação. Quando ajustada verbalmente
ou por escrito e como prazo inferior a trinta
meses, fndo o prazo estabelecido, a locação
prorroga-se automaticamente, por prazo
indeterminado.
Nesse caso, somente pode ser retomado o
imóvel:
ImportanteI
Nos casos de mútuo acordo das
partes;
Decorrentes da pratica de infração
legal ou contratual;
Decorrentes da falta de
pagamento do aluguel e demais
encargos;
Para a realização de reparações
urgentes determinadas pelo Poder
Público;
Decorrentes de extinção do
contrato de trabalho, se a
ocupação do imóvel pelo locatario
estiver relacionada com o seu
emprego;
Se a ocupação do imóvel pelo
locatario estiver relacionada com
o seu emprego;
Se for pedido para uso próprio,
de seu cônjuge ou companheiro,
ou para uso residencial de
ascendente ou descendente que
não disponha, assim como seu
cônjuge ou companheiro, de
imóvel residencial próprio;
82
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Se for pedido para demolição e
edifcação licenciada ou para a
realização de obras aprovadas
pelo Poder Público, que
aumentem a area construida,
em, no minimo, vinte por cento
ou, se o imóvel for destinado a
exploração de hotel ou pensão,
em cinquenta por cento;
Se a vigência ininterrupta da
locação ultrapassar cinco anos.
9.3 DA LOCAÇÃO PARA TEMPORADA
Locação para temporada e aquela contratada
por prazo não superior a noventa dias
destinada à residência temporaria do
locatario, para pratica de lazer, realização de
cursos, tratamento de saúde, etc.
O locador podera receber de uma só vez e
antecipadamente os alugueis e encargos, bem
como exigir do locatario, como garantia, a
prestação de caução, fança ou seguro de fança
locaticia, sendo vedada mais de uma modalidade
de garantia num mesmo contrato de locação.
Findo o prazo ajustado, se o locatario
permanecer no imóvel sem oposição do
locador por mais de trinta dias, presumir-se-a
prorrogada a locação por tempo indeterminado,
não mais sendo exigivel o pagamento
antecipado do aluguel e dos encargos.
9.4 DA LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL
Na locação comercial, o locatario tera
direito à renovação do contrato, caso tenha
sido ele celebrado por escrito e com prazo
determinado. Nesse caso, o prazo minimo
do contrato a renovar ou a soma dos prazos
ininterruptos dos contratos escritos deve ser
de cinco anos, e esteja o locatario explorando
seu comercio, no mesmo ramo, pelo prazo
minimo e ininterrupto de três anos.
Ação renovatória e a modalidade da ação
destinada a fazer valer o direto de renovação
do contrato locaticio, e deve ser proposta
no interregno de um ano, no maximo, ate
seis meses, no minimo, anteriores à data da
fnalização do prazo do contrato em vigor.
O locador não estara obrigado a renovar o
contrato se:
ImportanteI
Por determinação do Poder
Público, tiver que realizar no
imóvel obras que importarem na
sua radical transformação;
Ou para fazer modifcações de tal
natureza que aumente o valor do
negócio ou da propriedade;
O imóvel vier a ser utilizado por
ele próprio ou para transferência
de fundo de comercio existente ha
mais de um ano, sendo detentor
da maioria do capital o locador,
seu cônjuge, ascendente ou
descendente.
Nesse caso, o imóvel não podera ser destinado
ao uso do mesmo ramo do locatario, salvo
se a locação tambem envolvia o fundo de
comercio com as instalações e pertences.
Nas locações de imóveis utilizados por
hospitais, unidades sanitarias ofciais, asilos
bem como de estabelecimento de saúde e de
ensino autorizados e fscalizados pelo Poder
Público, bem como por entidades religiosas
devidamente registradas, o contrato somente
podera ser rescindido nos casos de mútuo
acordo; em decorrência da pratica de
infração legal ou contratual; em decorrência
da falta de pagamento do aluguel e demais
encargos; para a realização de reparações
urgentes determinadas pelo Poder Público;
o proprietario pedir o imóvel para demolição,
edifcação, licenciada ou reforma que venha
a resultar em aumento minimo de cinquenta
por cento da area útil.
Quando o locatario for pessoa juridica e o
imóvel se destinar ao uso de seus titulares,
diretores, sócios, gerentes, executivos ou
empregados, considerar-se-a a locação
como sendo não residencial, de forma que
as disposições que serão aplicadas são da
locação comercial.
83
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Nos demais casos de locação não residencial,
o contrato por prazo determinado cessa,
de pleno direito, fndo o prazo estipulado,
independentemente de notifcação ou aviso.
Findo o prazo estipulado, se o locatario
permanecer no imóvel por mais de trinta
dias sem oposição do locador, presumir-
se-a prorrogada a locação nas condições
ajustadas, mas sem prazo determinado.
O contrato de locação por prazo indeterminado
pode ser denunciado por escrito, pelo
locador, concedidos ao locatario trinta dias à
desocupação.
9.5 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
9.5.1 DAS AÇÕES DE DESPEJO
Art. 59 - (...j
§ 1º Conceder-se-a liminar
para desocupação em quinze dias,
independentemente da audiência da parte
contraria e desde que prestada a caução no
valor equivalente a três meses de aluguel, nas
ações que tiverem por fundamento exclusivo:
I| o descumprimento do mútuo acordo
(art. 9º, inciso lj, celebrado por
escrito e assinado pelas partes e por
duas testemunhas, no qual tenha
sido ajustado o prazo minimo de seis
meses para desocupação, contado
da assinatura do instrumento;
II| o disposto no inciso ll do art. 47,
havendo prova escrita da rescisão do contrato
de trabalho ou sendo ela demonstrada em
audiência previa;
III| o termino do prazo da locação para
temporada, tendo sido proposta a
ação de despejo em ate trinta dias
após o vencimento do contrato;
IV| a morte do locatario sem deixar
sucessor legitimo na locação, de
acordo com o referido no inciso
l do art. 11, permanecendo no
imóvel pessoas não autorizadas
por lei;
V| a permanência do sublocatario no
imóvel, extinta a locação, celebrada
com o locatario;
VI| o disposto no inciso lv do art. 9º,
havendo a necessidade de se produzir
reparações urgentes no imóvel,
determinadas pelo poder público,
que não possam ser normalmente
executadas com a permanência do
locatario, ou, podendo, ele se recuse
a consenti-las;
VII| o termino do prazo notifcatório
previsto no paragrafo único do
art. 40, sem apresentação de
nova garantia apta a manter a
segurança inaugural do contrato;
VIII| o termino do prazo da locação
não residencial, tendo sido
proposta a ação em ate 30 (trintaj
dias do termo ou do cumprimento
de notifcação comunicando o
intento de retomada;
IX| a falta de pagamento de aluguel
e acessórios da locação no
vencimento, estando o contrato
desprovido de qualquer das
garantias previstas no art. 37,
por não ter sido contratada
ou em caso de extinção ou
pedido de exoneração dela,
independentemente de motivo.
(lncisos de v a lX incluidos pela Lei
12.112 de 2009j.
§ 2º Qualquer que seja o fundamento
da ação dar-se-a ciência do pedido aos
sublocatarios, que poderão intervir no
processo como assistentes.
84
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Para reñet|rI
§ 3º No caso do inciso lX do § 1º deste
artigo, podera o locatario evitar a
rescisão da locação e elidir a liminar de
desocupação se, dentro dos 15 (quinzej
dias concedidos para a desocupação do
imóvel e independentemente de calculo,
efetuar depósito judicial que contemple
a totalidade dos valores devidos, na
forma prevista no inciso ll do art. 62. (NRj
(Redação dada pela Lei 12.112 de 2009j.
Art. 62. Nas ações de despejo
fundadas na falta de pagamento de aluguel e
acessórios da locação, de aluguel provisório,
de diferenças de alugueis, ou somente
de quaisquer dos acessórios da locação,
observar-se-a o seguinte:
I| o pedido de rescisão da locação
podera ser cumulado com o pedido de
cobrança dos alugueis e acessórios da
locação; nesta hipótese, citar-se-a o locatario
para responder ao pedido de rescisão e o
locatario e os fadores para responderem
ao pedido de cobrança, devendo ser
apresentado, com a inicial, calculo
discriminado do valor do debito;
Para reñet|rI
Preva|ec|a, sob a egide da lei 8.245/1991,
o entendimento de que ação de cobrança
poderia ser dirigida apenas contra o
locatario, sendo facultado ao senhorio,
posteriormente, propor nova demanda
perante o fador (contra o qual não haveria
titulo executivo judicialj, hipótese em que
este não responderia apenas pelas custas
e honorarios da lide cujo polo passivo
fora ocupado pelo inquilino. Cuidava-
se, assim, de litisconsórcio passivo
facultativo. A redação dada ao inciso l, ao
determinar a citação dos fadores, abre
margem a que se sustente, a part|r da
entrada em v|gor da |e| 12112/2009, a
ex|stênc|a de ||t|sconsórc|o necessár|o
entre ambos.
II| o locatario e o fador poderão evitar
a rescisão da locação efetuando, no
prazo de 15 (quinzej dias, contado
da citação, o pagamento do debito
atualizado, independentemente de
calculo e mediante depósito judicial,
incluidos:
a| os alugueis e acessórios da locação
que vencerem ate a sua efetivação;
b| as multas ou penalidades contratuais,
quando exigiveis;
c| os juros de mora;
d| as custas e os honorarios do advogado
do locador, fxados em dez por cento
sobre o montante devido, se do
contrato não constar disposição diversa.
Para reñet|rI
A |e| ant|ga o reu pleiteava ao juizo, no
prazo da contestação, autor|zação para
a purga da mora. Doravante, efetuara o
depósito em 15 dias contados de sua
citação. E, pelo inciso ll tambem o fador e
legitimado a promover a emenda da mora.
III| efetuada a purga da mora, se o
locador alegar que a oferta não e
integral, justifcando a diferença,
o locatario podera complementar
o depósito no prazo de 10 (dezj
dias, contado da intimação, que
podera ser dirigida ao locatario
ou diretamente ao patrono deste,
por carta ou publicação no órgão
ofcial, a requerimento do locador;
O dispositivo mantem o prazo de 10 dias
para a complementação do depósito, e
autoriza que a intimação para fazê-lo se dê
na pessoa do procurador do devedor.
IV| não sendo integralmente
complementado o depósito, o
pedido de rescisão prosseguira
85
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
pela diferença, podendo o locador
levantar a quantia depositada;
V| os alugueis que forem vencendo
ate a sentença deverão ser
depositados à disposição do juizo,
nos respectivos vencimentos,
podendo o locador levanta-los
desde que incontroversos.
Paragrafo único. Não se admitira a emenda
da mora se o locatario ja houver utilizado
essa faculdade nos 24 (vinte e quatroj meses
imediatamente anteriores à propositura da ação.
(NRj (Modifcado pela Lei 12.112 de 2009j.
Para reñet|rI
A |e| do |nqu|||nato possibilitava que
a mora fosse emendada duas vezes
a cada 12 meses. Ja a redação da |e|
12112/09 restr|nge o uso da faculdade
a uma oportunidade a cada 24 meses
(anteriores à propositura da açãoj.
Art. 63. Julgada procedente a ação
de despejo, o juiz determinara a expedição de
mandado de despejo, que contera o prazo de
30 (trintaj dias para a desocupação voluntaria,
ressalvado o disposto nos paragrafos seguintes.
O ofcial de justiça se dirige ao imóvel
despejando e notifca o locatario para que
desocupe voluntariamente o imóvel no
prazo sentencial, conservando uma das
vias do mandado para proceder ao despejo
caso o locatario não o faça no lapso
determinado.
§1º. (...j.
a| o despejo houver sido decretado com
fundamento no art. 9º ou no § 2º do
Art. 46.
A lei 8245/1991 estabelecia o prazo de 15
(quinzej dias para desocupação voluntaria
do imóvel apenas em se tratando de
locação desfeita:
Em decorrência da pratica de infração
legal ou contratual (art. 9º, llj;
Em decorrência da falta de
pagamento de aluguel e demais
encargos (art. 9º, lllj; 'denúncia vazia'
em contrato de locação residencial
prorrogado por tempo indeterminado
(art. 46,§2ºj;

Para reñet|rI
A |e| 12112/2009 estende ta| prazo aos
contratos fndos:
Por mútuo acordo (art. 9º, lj;
Para a realização de reparações
urgentes determinadas pelo Poder
Público, que não possam ser
normalmente executadas com
a permanência do locatario no
imóvel ou, podendo, ele se recuse
a consenti-las (art. 9º, lvj.
Art. 64. Salvo nas hipóteses das ações
fundadas no art. 9º a execução provisória do
despejo dependera de caução não inferior a 6
(seisj meses nem superior a 12 (dozej meses
do aluguel, atualizado ate a data da prestação
da caução. (NRj (Modifcado pela Lei 12.112
de 2009j.
Para reñet|rI
A redução do piso, antes equivalente a
12, agora correspondente a 6 meses; e
do teto limitado, originariamente, a 18, e
de hoje a 12 meses;
Art. 68. Na ação revisional de aluguel,
que tera o rito sumario, observar-se-a o
seguinte:
86
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Substituiu-se, no cao0t do art. 68, o
vocabulo "sumarissimo" por "sumario". A
titulo de audiência inicial, passou-se a aludir
à de conciliação, vez que a de "instrução
e julgamento" somente tem lugar, na
disciplina em vigor, em outro momento.
I| (...j
II| ao designar a audiência de
conciliação, o juiz, se houver pedido e com
base nos elementos fornecidos tanto pelo
locador como pelo locatario, ou nos que
indicar, fxara aluguel provisório, que sera
devido desde a citação, nos seguintes moldes:
Para reñet|rI
O juiz, para fxar o valor do aluguel
provisório, basear-se-a nos elementos
fornecidos por ambas as partes.
a| em ação proposta pelo locador, o
aluguel provisório não podera ser
excedente a 80% (oitenta por centoj
do pedido;
b| em ação proposta pelo locatario, o
aluguel provisório não podera ser
inferior a 80% (oitenta por centoj do
aluguel vigente;
A norma revogada omitia-se quanto ao
parâmetro a ser observado na hipótese
revisional proposta pelo locatario. Para
superar a lacuna, desdobrou-se a parte
fnal do inciso ll em duas alineas.
IV| na audiência de conciliação,
apresentada a contestação, que devera
conter contraproposta se houver
discordância quanto ao valor pretendido, o
juiz tentara a conciliação e, não sendo esta
possivel, determinara a realização de pericia,
se necessaria, designando, desde logo,
audiência de instrução e julgamento.
V| o pedido de revisão previsto no
inciso lll deste artigo interrompe o prazo para
interposição de recurso contra a decisão que
fxar o aluguel provisório.
Art. 71. (...j.
V| indicação do fador quando
houver no contrato a renovar e, quando
não for o mesmo, com indicação do nome
ou denominação completa, número de
sua inscrição no Ministerio da Fazenda,
endereço e, tratando-se de pessoa natural,
a nacionalidade, o estado civil, a profssão
e o número da carteira de identidade,
comprovando, desde logo, mesmo que não
haja alteração do fador, a atual idoneidade
fnanceira.
Explicita a necessidade de comprovação
da idoneidade do fador em sede de ação
renovatória mesmo na hipótese de sua
manutenção.
Art. 74. Não sendo renovada a locação, o
juiz determinara a expedição de mandado de
despejo, que contera o prazo de 30 (trintaj
dias para a desocupação voluntaria, se
houver pedido na contestação.
Para reñet|rI
Permite-se a execução provisória da
retomada do imóvel quando a renovação
for rejeitada em sentença, extirpando-
se a anomalia ate então existente na lei,
que impedia a reprise antes do trânsito
em julgado da decisão que a defere.
Com efeito, o locador, atualmente, tem
de aguardar ate mesmo o julgamento
de recurso no Supremo Tribunal Federal
para recuperar a posse do espaço no
âmbito da ação renovatória, situação
obviamente iniqua e dissonante da
tendência legislativa de busca da
celeridade e da efetividade do provimento
jurisdicional.
87
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
10. LEI Nº 6.015, DE 31 DE DEZEMBRO DE
1973 D|spõe sobre os reg|stros púb||cos, e
dá outras prov|dênc|as
10.1 DAS ATRIBUIÇÕES
Os registros públicos objetivam conferir
autenticidade, segurança, publicidade e
efcacia aos atos juridicos.
São modalidades de registro público:
Registro civil de pessoas naturais;
Registro civil de pessoas juridicas;
Registro de titulos e documentos;
Registro de imóveis.
Com esse intuito existem os cartórios de
registro:
De nascimentos, casamentos e
óbitos, a quem cabe registrar os atos
relacionados às pessoas naturais;
De registro de titulos e documentos,
a quem cabe registrar os atos
relacionados às pessoas juridicas e ao
registro de titulos e documentos;
De registro de imóveis, a quem cabe
registrar os atos relacionados aos
imóveis.
O serviço cartorial começara e terminara
às mesmas horas em todos os dias úteis,
mas o de registro civil de pessoas naturais
funcionara todos os dias, sem exceção.
ImportanteI
É nu|o o registro lavrado fora das horas
regu|amentares ou em dias em que
não houver expediente, sendo civil e
criminalmente responsavel o ofcial que
der causa à nulidade.
Os Ofciais do Registro terão direito, a titulo de
remuneração, aos emolumentos fxados nos
Regimentos de Custas, os quais serão pagos,
pelo interessado que os requerer, no ato de
requerimento ou no da apresentação do titulo.
Os ofciais são civilmente responsaveis
por todos os prejuizos que, pessoalmente,
ou pelos prepostos ou substitutos que
indicarem, causarem, por culpa ou dolo, aos
interessados no registro.
10.2 DA PUBLICIDADE
Os ofciais e os encarregados das repartições
em que se façam os registros são obrigados
a lavrar certidão do que lhes for requerido e a
fornecer às partes as informações solicitadas.
ImportanteI
Qua|quer pessoa pode requerer certidão
do registro sem informar ao ofcial ou ao
funcionario o motivo ou interesse do pedido.
No caso de recusa ou retardamento na
expedição da certidão, o interessado
podera reclamar à autoridade
competente, que aplicara, se for o caso,
a pena disciplinar cabivel.
10.3 DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS
NATURAIS
Serão registrados no registro civil de pessoas
naturais, os nascimentos, os casamentos,
os óbitos, as emancipações, as interdições,
as sentenças declaratórias de ausência, as
opções de nacionalidade e as sentenças que
deferirem a legitimação adotiva.
Serão averbados, à margem do registro,
as sentenças que decidirem a nulidade
ou anulação do casamento, a separação,
divórcio ou o restabelecimento da sociedade
conjugal, as sentenças que julgarem
ilegitimos os flhos concebidos na constância
do casamento e as que declararem a
fliação legitima, os casamentos de que
resultar a legitimação de flhos havidos ou
concebidos anteriormente; os atos judiciais
ou extrajudiciais de reconhecimento de
flhos ilegitimos; as escrituras de adoção e
os atos que a dissolverem e as alterações ou
abreviaturas de nomes.
88
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Não serão cobrados emolumentos pelo
registro civil de nascimento e pelo assento
de óbito, bem como pela primeira certidão
respectiva. Os reconhecidamente pobres
estão isentos de pagamento de emolumentos
pelas demais certidões extraidas pelo cartório
de registro civil.
10.4 DO REGISTRO CIVIL DE PESSOAS
JURÍDICAS
No registro civil de pessoas juridicas serão
inscritos os contratos, os atos constitutivos,
os estatutos ou compromissos das
sociedades civis, religiosas, pias, morais,
cientifcas ou literarias, bem como o das
fundações e das associações de utilidade
pública, as sociedades civis que revestirem
as formas estabelecidas nas leis comerciais,
salvo as anônimas, e os atos constitutivos e
os estatutos dos partidos politicos.
A existência legal das pessoas juridicas
só começa com o registro de seus atos
constitutivos.
10.5 DO REGISTRO DE TÍTULOS E
DOCUMENTOS
No Registro de Titulos e Documentos sera feita
a transcrição dos instrumentos particulares
para a prova das obrigações convencionais
de qualquer valor ou, facultativamente, de
quaisquer documentos para sua conservação.
ImportanteI
Para surtir efeitos em relação a terceiros,
estão sujeitos a registro no Registro
de Titulos e Documentos, entre outros,
os contratos de locação de predios,
os contratos de compra e venda em
prestações, com reserva de dominio ou
não, os de alienação ou de promessas
de venda referentes a bens móveis e os
de alienação fduciaria, as quitações,
recibos e contratos de compra e venda
de automóveis, bem como o penhor
destes, os instrumentos de cessão de
direitos e de creditos, de sub-rogação e
de dação em pagamento.
O registro integral dos documentos consistira
na trasladação dos mesmos, com a mesma
ortografa e pontuação, com referência
às entrelinhas ou quaisquer acrescimos,
alterações, defeitos ou vicios que tiver o
original apresentado, e, bem assim, com
menção precisa aos seus caracteristicos
exteriores e às formalidades legais.
O oñc|a| deverá recusar reg|stro a títu|o
e a documento que não se rev|stam das
forma||dades |ega|s. O ofcial, salvo quando
agir de ma fe, devidamente comprovada, não
sera responsavel pelos danos decorrentes da
anulação do registro, ou da averbação, por
vicio intrinseco ou extrinseco do documento,
titulo ou papel, mas, tão somente pelos erros
ou vicios no processo de registro.
ImportanteI
O ofcial sera obrigado, quando o
representante o requerer, a notifcar
do registro ou da averbação os demais
interessados que fgurarem no titulo,
documento, o papel apresentado, e
a quaisquer terceiros que lhes sejam
indicados, podendo requisitar dos
ofciais de registro em outros Municipios
as notifcações necessarias.
Por esse processo, tambem poderão ser
feitos avisos, denúncias e notifcações,
quando não for exigida a intervenção judicial.
O serviço das notifcações e demais diligências
podera ser realizado por escreventes
designados pelo ofcial e autorizados pelo
Juiz competente.
89
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
10.6 DO REGISTRO DE IMOVEIS
ImportanteI
No Registro de lmóveis serão feitos o
registro e a averbação dos titulos ou atos
constitutivos, declaratórios, translativos
e extintos de direitos reais sobre imóveis
reconhecidos em lei, /nIer v/vos ou causa
morI/s, quer para sua constituição,
transferência e extinção, quer para sua
validade em relação a terceiros, quer
para a sua disponibilidade.
Nesse sentido serão feitos os registros:
Da instituição de bem de familia,
das hipotecas, dos contratos de
locação de predios, das penhoras,
arrestos e sequestros de imóveis,
dos contratos de compromisso
de compra e venda de cessão,
das incorporações, instituições e
convenções de condominio;
Dos contratos de promessa de
venda, cessão ou promessa de
cessão de unidades autônomas
condominiais, dos loteamentos
urbanos e rurais, da compra e
venda pura e da condicional, da
alienação fduciaria em garantia de
coisa imóvel, etc;
Das averbações de extinção
dos ônus e direitos reais, das
clausulas de inalienabilidade,
impenhorabilidade e
incomunicabilidade impostas a
imóveis, do contrato de locação,
para os fns de exercicio de direito
de preferência, da notifcação
para parcelamento, edifcação ou
utilização compulsórios de imóvel
urbano, etc.

via de regra todos os atos de registro ou
averbação previstos no art. 167 da Lei
de Registros Públicos são obrigatórios
e deverão ser efetuados no território da
situação do imóvel.
O registro e a averbação poderão ser
provocados por qualquer pessoa,
incumbindo-lhe as despesas respectivas.
Em todas as escrituras e em todos os
atos relativos a imóveis, bem como nas
cartas de sentença e formais de partilha,
o tabelião ou escrivão deve fazer
referência à matricula ou ao registro
anterior, seu número e cartório.
Devera constar obrigatoriamente nas
escrituras e nos autos judiciais a indicação
com precisão, os caracteristicos, as
confrontações e as localizações dos imóveis,
mencionando os nomes dos confrontantes
e, ainda, quando se tratar só de terreno, se
esse fca do lado par ou do lado impar do
logradouro, em que quadra e a que distância
metrica da edifcação ou da esquina mais
próxima, exigindo dos interessados a certidão
do registro imobiliario.
ImportanteI
Nenhum registro podera ser feito sem
que o imóvel a que se referir esteja
matriculado.
O registro, enquanto não cancelado, produz
todos os efeitos legais ainda que, por outra
maneira, prove-se que o titulo esta desfeito,
anulado, extinto ou rescindido.
A instituição do bem de familia far-se-a por
escritura pública, declarando o instituidor
que determinado predio se destina a
domicilio de sua familia e fcara isento de
execução por divida.
11. LEI Nº 6.530, DE 12 DE MAIO DE 1978 E
seu |nstrumento regu|amentador, o decre-
to nº 81.871, de 29 de junho de 1978.
A Lei n.° 6530/78 e o seu instrumento
regulamentador, o Decreto 81.871/78,
regulamentam a profssão de Corretor de
lmóveis e disciplinam o funcionamento de
seus órgãos de fscalização.
O exercicio da profssão de Corretor de lmóveis
sera permitido ao possuidor de titulo de
Tecnico em Transações lmobiliarias ou àquele
inscrito nos termos da Lei nº 4.116/62, desde
que requeira a revalidação da sua inscrição.
90
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ImportanteI
Ao Corretor de Imóve|s compete
exclusivamente exercer a intermediação
na compra, venda, permuta e locação
de imóveis. Pode, ainda, mas não
de modo exclusivo, opinar quanto à
comercialização imobiliaria.
As pessoas juridicas tambem poderão
exercer o que compete ao Corretor de
lmóveis, mas o atendimento ao público
interessado na compra, venda, permuta
ou locação de imóvel, somente podera
ser feito por Corretor de lmóveis inscrito
no Conselho Regional da jurisdição.
As pessoas juridicas deverão ter como sócio
gerente ou diretor um Corretor de lmóveis,
individualmente inscrito
ImportanteI
O exercíc|o simultâneo, temporario
ou defnitivo da profssão em área
de jurisdição diversa da do Conselho
Regional onde foi efetuada a inscrição
originaria do Corretor de lmóveis ou da
pessoa juridica, ñca cond|c|onado à
|nscr|ção e averbação profssional nos
Conselhos Regionais que jurisdicionam
as areas em que exercerem as atividades.
Ao Corretor de lmóveis inscrito sera fornecida
Carteira de ldentidade Profssional, à pessoa
juridica sera fornecido Certifcado de lnscrição.
O pagamento da anuidade ao Conselho
Regional constitui condição para o exercicio
da profssão de Corretor de lmóveis e da
pessoa juridica. Devera a anuidade ser paga
ate o último dia útil do primeiro trimestre de
cada ano, salvo a primeira, que sera devida
no ato da inscrição do Corretor de lmóveis ou
da pessoa juridica.
ImportanteI
O número da inscrição do Corretor de
lmóveis ou da pessoa juridica constara
obrigatoriamente de toda propaganda,
bem como de qualquer impresso relativo
à atividade profssional.
Somente podera anunciar publicamente
o Corretor de lmóveis, pessoa fisica ou
juridica, que tiver contrato escrito de
mediação ou autorização escrita para
alienação do imóvel anunciado.
O Conselho Federal (COFEClj e os Conselhos
Regionais (CREClj são autarquias, dotadas
de personalidade juridica de direito público,
vinculada ao Ministerio do Trabalho, com
autonomia administrativa, operacional e
fnanceira.
Tem por objetivo a disciplina e a fscalização
do exercicio da profssão de Corretor de
lmóveis, bem como representar, em juizo ou
fora dele, os legitimos interesses da categoria
profssional.
O COFECl tem como sede e foro a Capital
da República e jurisdição em todo o território
nacional, e cada CRECl tem sede e foro
na Capital do Estado da sua jurisdição. O
COFECl e composto por dois representantes,
efetivos e suplentes, de cada Conselho
Regional, eleitos dentre os seus membros.
O CRECl e composto por v|nte e sete
membros efet|vos e |gua| número de
sup|entes. O mandato dos membros do
COFECl e do CRECl e de 3 (trêsj anos,
permitida a recondução. Somente poderão
ser membros do Conselho Regional os
Corretores de lmóveis com inscrição principal
na jurisdição ha mais de dois anos e que
não tenham sido condenados por infração
disciplinar.
Os Conselhos Federal e Regionais serão
administrados por uma diretoria, eleita
dentre os seus membros, composta de um
pres|dente, do|s v|ce-pres|dentes, do|s
secretár|os e do|s tesoure|ros.
91
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Junto aos Conselhos Federal e Regionais
funcionara um Conselho Fiscal, composto de
três membros, efetivos e suplentes, eleitos
dentre os seus membros.
A extinção ou perda de mandato de membro
do COFECl e dos CRECl ocorrera por
renúncia, por superveniência de causa de
que resulte o cancelamento da inscrição, por
condenação a pena superior a dois anos, em
virtude de sentença transitada em julgado,
por destituição de cargo, função ou emprego,
mencionada à pratica de ato de improbidade
na administração pública ou privada, em
virtude de sentença transitada em julgado, e
por ausência, sem motivo justifcado, a três
sessões consecutivas ou seis intercaladas
em cada ano.
Compete ao Conselho Federal eleger sua
diretoria; elaborar e alterar seu regimento;
elaborar o regimento padrão dos Conselhos
Regionais e homologa-lo; aprovar o relatório
anual, o balanço e as contas de sua diretoria,
bem como a previsão orçamentaria para o
exercicio seguinte; criar e extinguir Conselhos
Regionais e Sub-regiões; baixar normas de
etica profssional; elaborar contrato padrão
para os serviços de corretagem de imóveis;
fxar as multas, anuidades e emolumentos
devidos aos Conselhos Regionais; decidir
as dúvidas suscitadas pelos Conselhos
Regionais; julgar os recursos das decisões
dos Conselhos; aprovar o relatório anual,
o balanço e as contas dos Conselhos
Regionais; fscalizar irregularidades e intervir
temporariamente nos Conselhos Regionais;
destituir diretor de Conselho Regional, por
ato de improbidade no exercicio de suas
funções; e baixar resoluções e deliberar sobre
os casos omissos.
Compete aos Conselhos Regionais eleger sua
diretoria; aprovar o relatório anual, o balanço
e as contas de sua diretoria, bem como
a previsão orçamentaria para o exercicio
seguinte; propor a criação de sub-regiões;
homologar tabelas de preços de serviços
de corretagem; decidir sobre os pedidos de
inscrição de Corretor de lmóveis e de pessoas
juridicas; organizar e manter o registro
profssional das pessoas fisicas e juridicas
inscritas; expedir carteiras profssionais e
certifcados de inscrição; impor as sanções
às infrações etico-disciplinares previstas
em lei; baixar resoluções, no âmbito de sua
competência.
São receitas de cada CRECl 80% (oitenta
por centoj das anuidades e emolumentos;
multas; a renda patrimonial, as contribuições
voluntarias, e as subvenções e dotações
orçamentarias.
São receitas do COFECl 25% das anuidades
e emolumentos arrecadados pelos Conselhos
Regionais, alem da renda patrimonial, as
contribuições voluntarias e as subvenções e
dotações orçamentarias.
ImportanteI
Constitui infração disciplinar da parte do
Corretor de lmóveis:
Transgredir normas de etica
profssional fxadas no Código de
Ética;
Prejudicar, por dolo ou culpa,
os interesses que lhe forem
confados;
Exercer a profssão quando
impedido de fazê-lo ou por
qualquer meio auxiliar ou facilitar
o exercicio da profssão aos não
inscritos ou impedidos;

Anunciar publicamente proposta
de transação a que não esteja
autorizado por meio documento
escrito;
Fazer anúncio ou impresso relativo
à atividade de profssional sem
mencionar o número de inscrição;
Anunciar imóvel loteado ou em
condominio sem mencionar o
número de registro do loteamento
ou da incorporação no Registro de
lmóveis;
violar o sigilo profssional;
92
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Negar aos interessados a
prestação de contas ou recibo de
quantias ou documentos;
violar obrigação legal concernente
ao exercicio da profssão;
Praticar, no exercicio da atividade
profssional, ato que a lei defna
como crime ou contravenção;
Deixar de pagar contribuição ao
CRECl;
Promover ou facilitar a terceiros
transações ilicitas ou que por
qualquer forma prejudiquem
interesses de terceiros;
Recusar a apresentação
de Carteira de ldentidade
Profssional, quando couber.
As sanções disciplinares aplicaveis aos
Corretores de lmóveis e pessoas juridicas
são advertência verbal; censura; multa;
suspensão da inscrição, ate noventa dias; e
cancelamento da inscrição, com apreensão
da carteira profssional.
Na determinação da sanção aplicavel,
orientar-se-a o Conselho pelas circunstâncias
de cada caso, de modo a considerar leve ou
grave a falta. A reincidência na mesma falta
determinara a agravação da penalidade.
A multa podera ser acumulada com outra
penalidade e, na hipótese de reincidência,
aplicar-se-a em dobro.
A pena de suspensão sera anotada na
Carteira de ldentidade Profssional do
Corretor de lmóveis ou responsavel pela
pessoa juridica e se este não a apresentar
para que seja consignada a penalidade, o
Conselho Regional podera convertê-la em
cancelamento da inscrição.
As penas de advertência, censura ou multa
serão comunicadas pelo Conselho Regional
em oficio reservado, não se fazendo constar
dos assentamentos do profssional punido,
senão em caso de reincidência.
Da imposição de qualquer penalidade
cabera recurso, com efeito suspensivo,
ao COFECl. O recurso apresentado pelo
apenado e denominado voluntario e devera
ser interposto no prazo de trinta dias a contar
da ciência da decisão. Ex ofhc|o e o recurso
interposto obrigatoriamente pelo Presidente
do CRECl nos casos de penalidade de
suspensão da inscrição, ate 90 (noventaj
dias ou cancelamento da inscrição, com
apreensão da carteira profssional.
As instâncias recorridas poderão reconsiderar
suas próprias decisões, mas sera o COFECl
a última e defnitiva instância nos assuntos
relacionados com a profssão e seu exercicio.
A suspensão por falta de pagamento de
anuidades, emolumentos ou multas só cessara
com a satisfação da divida, podendo ser
cancelada a inscrição, de acordo com criterios
a serem fxado pelo Conselho Federal.
12. RESOLUÇÃO-COFECI Nº 146/82
Aprova o Cód|go de Processo D|sc|p||nar
12.1 DA JURISDIÇÃO
Os Conselhos Regionais de Corretores
de lmóveis (CREClj, nos limites territoriais
da respectiva região, têm jurisdição
administrativa visando a apuração e punição
de infração às leis, regulamentos e normas
disciplinadoras do exercicio da profssão de
Corretores de lmóveis.
Se em primeira instância a jurisdição e
exercida pelo CRECl, em grau de recurso o
e pelo Conselho Federal de Corretores de
lmóveis (COFEClj.
12.2 DO PROCESSO DISCIPLINAR
O processo disciplinar decorrente da pratica
de infração à Lei n° 6.530/78, ao Decreto n°
81.871/78 e às Resoluções baixadas pelo
COFECl pode ser originado pela lavratura
do Auto de lnfração ou pelo recebimento do
Termo de Representação.
Na persecução administrativo disciplinar deve-
se assegurar as garantias constitucionais da
ampla defesa e do contraditório, levando em
93
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
conta os principios da reconsideração de
decisões e da dualidade de instâncias.
A punibilidade decorrente de ilicito apurado
em processo disciplinar prescreve em cinco
anos contados da data de verifcação de sua
ocorrência. A lavratura do auto de infração
ou do termo de representação interrompe o
prazo prescricional.
Sera arquivado, ex ofhc|o ou a requerimento
do autuado ou do representado, todo
processo disciplinar paralisado ha mais
de 03 (trêsj anos, pendente de despacho
ou julgamento, com responsabilização do
membro ou servidor do CRECl que der causa
ao arquivamento.
Os prazos previstos no Código de Processo
Disciplinar serão computados excluindo-
se o dia do começo e incluindo-se o do
vencimento, serão continuos e não se
interromperão em domingos, sabados,
feriados e dias de ponto facultativo, mas não
começarão nem terminarão nesses dias e,
nesta última hipótese, serão prorrogados ate
o primeiro dia útil subseqüente.
ImportanteI
Excetua-se dessa regra o prazo para
apresentação do instrumento de
intermediação imobiliaria, que e imediato.
DO AUTO DE INFRAÇÃO
O auto de infração sera lavrado pelo CRECl
contra pessoas fisicas ou juridicas que
transgridam normas disciplinares.
O agente de fscalização lavrara o auto de
infração contendo a qualifcação completa do
autuado, a data, hora e local da lavratura, o
local da ocorrência da infração, dispositivo legal
infringido e a descrição circunstanciada dos
fatos e elementos caracterizadores da infração.
O Auto de lnfração sera lavrado sempre no
estabelecimento do infrator, ainda que a
infração tenha sido cometida em outro local.
Estabelecimento do infrator e o escritório
do Corretor de lmóveis ou a sede da matriz
ou da flial da pessoa juridica. Excluem-se
do conceito de estabelecimento o stand ou
posto de venda em locais de construção, de
incorporação ou de loteamento.
A apresentação do contrato de intermediação
imobiliaria deve ser imediata à solicitação pelo
agente fscal, mas qualquer outro documento
pode ser apresentado obrigatoriamente no
prazo de cinco dias na sede do CRECl.
ImportanteI
Os instrumentos de contrato de
intermediação imobiliaria deverão ser
arquivados no escritório do Corretor de
lmóveis contratado, durante um ano,
contado do vencimento do prazo de
vigência, à disposição da Fiscalização.
Lavrado o Auto de infração e cientifcado o
infrator, tera este o prazo |mprorrogáve|
de 15 d|as para a apresentação de
defesa escrita, acompanhada ou não de
documentos. Esgotado o prazo de quinze
dias e sendo considerado procedente
o auto de infração, sera o processo
administrativo remetido à Comissão de Ética
e Fiscalização Profssional (CEFISP| que o
instruira e o julgara aplicando, conforme as
circunstâncias particulares do caso, uma
penalidade.
DA REPRESENTAÇÃO
O processo administrativo de representação
iniciar-se-a pelo despacho do Presidente do
CRECl da região, em denúncia, comunicação
de membro ou servidor do COFECl ou do
CRECl, ou oficio de autoridade pública, da
ocorrência de infrações etico-disciplinares
perpetrada por Corretor de lmóveis.
A peça preliminar podera ser apresentada
por qualquer pessoa e devera conter a
qualifcação e assinatura do denunciante,
alem de narrar, fundamentadamente, os fatos
e circunstâncias tidas como caracterizadores
da infração. Nesse caso sera transformada
em representação, a qual se iniciara mediante
a lavratura de termo próprio. Se a peça
94
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
preliminar descrever fato caracterizador de
infração cometida por pessoa não inscrita no
CRECl, não sera instaurada a representação,
mas a referida peça preliminar sera remetida
à autoridade policial.
ImportanteI
Lavrado o termo de representação e
cientifcado o representado, tera este
o prazo |mprorrogáve| de 15 d|as
para a apresentação de defesa escrita,
acompanhada ou não de documentos,
requerimentos de diligência e quaisquer
provas admitidas em direito.
Esgotado o prazo de quinze dias sera o
processo administrativo remetido à Comissão
de Ética e Fiscalização Profssional (CEFlSPj,
que o instruira e o julgara indicando,
conforme as circunstâncias particulares do
caso, uma penalidade.
Após o processo administrativo sera relatado
e proferido voto em Sessão Plenaria. A
sistematica da apuração de infração em caso
de representação difere do auto de infração.
Neste a CEFlSP instrui e julga o processo
administrativo, naquele a Comissão instrui
e indica a penalidade, que pode ser aceita
ou não pelos Conselheiros reunidos em
Sessão Plenaria.
12.3 DOS RECURSOS
lndependente de a penalidade ter sido
decorrente e auto de infração ou de
representação, os recursos disponiveis,
seus prazos e a forma de seu processamento
são idênticos.
O autuado poderá, no prazo de tr|nta d|as
contados da data de cientifcação da decisão
tomada pela CEFlSP ou pela Sessão Plenaria,
|nterpor recurso cujo efeito sera suspensivo.
lnterposto o recurso, podera ser-lhe atribuido
efeito de pedido de reconsideração ou
encaminhado ao COFECl.
No primeiro caso o processo administrativo
sera submetido à revisão da Sessão Plenaria
do CRECl e se julgado improcedente
devera ser encaminhado ao COFECl para
apreciação do recurso.
lnterposto ou não o recurso voluntario, o
Presidente do CRECl recorrera ex ofhc|o
ao COFECl, no caso de imposição das
penalidades de suspensão ou cancelamento
da inscrição.
13. RESOLUÇÃO COFECI nº 326/92 Inst|tu|
o Cód|go de Ét|ca Proñss|ona|
Código e uma compilação, um conjunto de
leis, normas, regulamentos, ideias e de signos,
de simbolos para cifrar ou representar algo.
Ética e o conjunto de regras e preceitos de
ordem valorativa e moral de um individuo, de
um grupo profssional, de uma sociedade.
Muitas profssões possuem a defnição
da etica que deve nortear as pessoas que
atuam na area.
Essa defnição e estabelecida pelo órgão
competente que fscaliza a profssão,
geralmente um Conselho.
A profssão do corretor possui o seu Código
de Ética. Ele contem regras obrigatórias para
todos os Corretores de lmóveis e tem por
objetivo fxar a forma pela qual eles devem
conduzir-se quando no exercicio profssional.
Nesse sentido, o Código anuncia que
os deveres do Corretor de lmóveis
compreendem, alem da defesa do interesse
que lhe e confado, o zelo pelo prestigio de
sua classe e o aperfeiçoamento da tecnica
das transações imobiliarias.
95
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ImportanteI
Quando no exercicio da profssão, em
relação à classe profssional, cabe ao
Corretor de lmóveis:
Não praticar nem permitir a pratica
de atos que comprometam a
dignidade profssional;
Defender os direitos e
prerrogativas profssionais e a
reputação da classe;
Zelar pela existência, fns e
prestigio dos Conselhos Federal
e Regionais, contribuindo sempre
que solicitado;
Auxiliar na fscalização
do exercicio profssional,
comunicando, com discrição e
fundamentadamente aos órgãos
competentes, as infrações de que
tiver ciência;
Relacionar-se com os colegas
dentro dos principios de
consideração, respeito e
solidariedade visando a harmonia
da classe; colocar-se a par da
legislação vigente e procurar
difundi-la.
Em relação aos clientes, cabe ao Corretor de
lmóveis:
ImportanteI
lnteirar-se de todas as
circunstâncias do negócio,
antes de oferecê-lo e ao fazê-lo
apresentar dados rigorosamente
certos, nunca omitindo detalhes
que o depreciem, informando
o cliente dos riscos e demais
circunstâncias que possam
comprometer o negócio;
Recusar transação que saiba
ilegal, injusta ou imoral;
Comunicar imediatamente ao
cliente o recebimento de valores
ou documentos a ele destinado;
Prestar contas pormenorizadas ao
cliente, quando este as solicite ou
logo que concluido o negócio;
Orientar tecnicamente o negócio,
reservando ao cliente a decisão do
que lhe interessar pessoalmente;
Restituir ao cliente os papeis de
que não mais necessite;
Dar recibo das quantias que o
cliente lhe pague ou entregue a
qualquer titulo;
Contratar, por escrito e
previamente, a prestação dos
serviços profssionais;
Receber comissões ou
compensações pelo mesmo
serviço prestado somente de uma
única parte, exceto se houver
consentimento de todos os
interessados, ou for praxe usual
na jurisdição.
96
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Ao Corretor de lmóveis e terminantemente
proibido:
ImportanteI
Aceitar tarefas para as quais não
esteja preparado ou que não se
ajustem às disposições legais;
Manter sociedade profssional
fora das normas e preceitos
estabelecidos em lei;
Promover a intermediação
com cobrança de "over-price"
(sobrepreçoj; e locupletar-se a
custa do cliente;
Receber comissões em desacordo
com a Tabela de honorarios
vigente;
Angariar serviços com prejuizo
moral ou material, ou desprestigio
para outro profssional ou para a
classe;
Desviar cliente de outro Corretor
de lmóveis;
Deixar de atender ou cumprir às
notifcações ou determinações
regulares emanados do Conselho
Profssional;
Acumpliciar-se com os que
exercem ilegalmente atividades de
transações imobiliarias.
Da mesma forma, e defesa (proibidoj:
ImportanteI
A promoção de transações
imobiliarias contra disposição
literal da lei;
O abandono dos negócios
confados a seus cuidados, sem
motivo justo e previa ciência do
cliente, por escrito;
Aceitar incumbência de transação
que esteja entregue a outro
Corretor de lmóveis, sem dar-lhe
previo conhecimento, por escrito
ou, ainda, sem com ele contratar;
Anunciar capciosamente;
Reter negócio quando não tiver
probabilidade de realiza-lo;
Utilizar sua posição para obtenção
de vantagens pessoais quando no
exercicio de cargo ou função em
órgão ou entidades de classes;
Receber sinal nos negócios que
lhe forem confados caso não
esteja expressamente autorizado
para tanto.
O Corretor de lmóveis responde civil e
penalmente por atos profssionais danosos ao
cliente, a que tenha dado causa por impericia,
imprudência, negligência ou infrações eticas.
A apuração das faltas cometidas contra o
Código de Ética, bem como a aplicação da
correspondente penalidade e de competência
do CRECl, em cuja jurisdição se encontrar
inscrito o Corretor de lmóveis.
97
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
14. RESOLUÇÃO - COFECI nº 458/95
D|spõe sobre a obr|gator|edade do desta-
que do reg|stro proñss|ona| em documen-
tos e anúnc|os pub||c|tár|os, e também
sobre o número do reg|stro ou da |ncorpo-
ração |mob|||ár|a

14.1 DO ANÚNCIO
Somente podera anunciar publicamente o
Corretor de lmóveis, pessoa fisica ou juridica,
que tiver, com exclusividade, contrato escrito
de intermediação imobiliaria.
ImportanteI
Dos anúncios e impressos constara
o número da inscrição de que fala o
artigo 4o. da Lei nº. 6.530/78, precedido
da sigla CRECl, acrescido da letra "J"
quando se tratar de pessoa juridica.
Nos anúncios de loteamentos e imóveis
em condominios colocar-se-a em
destaque, tambem, o número do registro
ou da incorporação no respectivo
cartório imobiliario.
Saber
Ma|s
Sa|ba ma|s
É muito importante pra você Corretor de
lmóveis estar sempre atualizado com a
legislação em vigor, para isto acesse:
Site Planalto
http://www.planalto.gov.br
Site Cofeci
http://portal.cofeci.gov.br
99
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
UNIDADE V
15. MODELOS DE CONTRATOS
Agora que você ja estudou todo conteúdo da Disciplina de Direito e Legislação, disponibilizamos
para auxilia-lo no seu dia-a-dia, alguns modelos de contratos.
15.1 COMPRA E vENDA COM RESERvA DE DOMlNlO
15.2 CONTRATO DE CESSÀO DE SERvlDÀO DE PASSAGEM
15.3 CONTRATO DE COMPRA E vENDA DE ESTABELEClMENTO COMERClAL
15.4 CONTRATO DE COMPROMlSSO DE COMPRA E vENDA DE lMÓvEL
15.5
15.6 CONTRATO DE LOCAÇÀO COMERClAL COM FlADOR
15.7 CONTRATO DE LOCAÇÀO RESlDENClAL COM SEGURO FlANÇA
15.8 CONTRATO DE LOCAÇÀO RESlDENClAL PARA TEMPORADA
15.9 CONTRATO DE PEQUENA EMPRElTADA
15.10 CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E vENDA DE FRAÇÀO lDEAL DE lMÓvEL
15.11 CONTRATO PARTlCULAR DE EMPRElTADA PARA EXECUÇÀO DE...
15.12 lNSTRUMENTO PARTlCULAR DE DlSTRATO AMlGÁvEL DE CONTRATO DE
CORRETAGEM lMOBlLlÁRlA
100
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.1 COMPRA E VENDA COM RESERVA DE DOMÍNIO
Por este particular instrumento de contrato de compra e venda com reserva de dominio, frmado,
de um lado, pela .......... (qualifcarj, e de outro lado por .......... (qualifcarj, aqui denominados a
primeira vENDEDORA e o segundo COMPRADOR, e justo e contratado o seguinte:
1ª A vENDEDORA vende e o COMPRADOR se compromete a
pagar as mercadorias (especifcarj constantes na nota fscal
n°........., pelo preço de R$ ........... prestações mensais, iguais e consecutivas, vencendo-se
a primeira no dia ............. .
2ª O COMPRADOR obriga-se a efetuar o pagamento das prestações referidas na clausula
1ª, no vencimento, no estabelecimento da vENDEDORA, independentemente de qualquer
aviso, notifcação ou interpelação, judicial ou extra-judicial.
3ª A falta de pagamento de três prestações, sucessivas ou intercaladas, determinara o
vencimento antecipado das demais prestações, podendo a vENDEDORA cobra-las por via
judicial, em ação de execução, cobrando o saldo devedor, juros de mora, custas e outras
despesas, alem de honorarios advocaticios arbitrados em 20% sobre o valor do debito.
4ª Para o COMPRADOR, servira de prova de pagamento das prestações a quitação lançada
nos recibos, no carnê de pagamento ou na duplicata, por autenticação mecânica da
maquina registradora.
5ª Os juros de mora serão computados à razão de 12% ao ano, a partir da data de vencimento
de cada prestação.
6ª Ocorrendo um atraso superior a 15 dias no pagamento de uma prestação, sera cobrado do
COMPRADOR uma taxa de 2% ao mês sobre o valor da prestação, a titulo de despesas de
cobrança.
7ª Ficar reservado à vENDEDORA o exclusivo dominio das mercadorias objeto do presente
contrato, ate a liquidação da duplicada emitida e aceita da venda, havendo as partes aceito
o pacto de reserva de dominio, fcando a vENDEDORA com a faculdade de optar pela
integração de posse das mercadorias e ou promover a competente ação de execução.
8ª É assegurado à vENDEDORA o direito de ceder ou transferir os direitos e ações que lhe
cabem no presente contrato, dispensado o previo consentimento do COMPRADOR.
9ª Ocorrendo rescisão deste contrato por culpa do COMPRADOR, efetuar-se-a a avaliação
do objeto restituido para verifcar a sua depreciação, sendo descontado o valor restante,
o valor das prestações vendidas e não pagas, acrescido dos encargos de fnanciamento.
10ª As dúvidas que surgirem serão resolvidas na conformidade da legislação vigente.
11ª Como fador e principal pagador, solidario com as obrigações assumidas pelo COMPRADOR,
assina tambem o presente contrato o Sr. .............. .
12ª Para todas as ações decorrentes do presente contrato, e eleito o foro desta cidade.
E, para frmeza do justo e contratado, assinam o presente instrumento em duas vias de igual
teor e forma, com as testemunhas abaixo.
(Data e assinaturasj
101
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.2 CONTRATO DE CESSÃO DE SERVIDÃO DE PASSAGEM
PARTES
(Nome do Servientej, (Nacionalidadej, (Profssãoj, (Estado Civilj, (Documentos de ldentifcação
- Carteira de ldentidade e C.l.Cj, residente e domiciliado na Rua (xxxj, n.º (xxxj, bairro (xxxj,
cidade (xxxj, Cep. (xxxj, no Estado (xxxj, e sua esposa (Nomej, (Nacionalidadej, (Profssãoj,
(Documentos de ldentifcação - Carteira de ldentidade e C.l.Cj, ambos capazes, neste ato
denominado(sj SERvlENTE(Sj.
De outro lado, denominado(sj DOMlNANTE(Sj, (Nome do Dominantej, (Nacionalidadej,
(Profssãoj, (Estado Civilj, (Documentos de ldentifcação - Carteira de ldentidade e C.l.Cj,
residente e domiciliado na Rua (xxxj, n.º (xxxj, bairro (xxxj, cidade (xxxj, Cep. (xxxj, no Estado
(xxxj, e sua esposa (Nomej, (Nacionalidadej, (Profssãoj, (Documentos de ldentifcação -
Carteira de ldentidade e C.l.Cj, ambos capazes.
Têm entre os mesmos, de maneira justa e acordada, o presente CONTRATO PARTlCULAR DE
CESSÀO DE SERvlDÀO DE PASSAGEM, fcando desde ja aceito, pelas clausulas abaixo descritas.
CLÁUSULA 1 - OBJETO DO CONTRATO
O presente tem como OBJETO a cessão de servidão de passagem no imóvel de propriedade
do SERvlENTE, situado na Rua (xxxj, n.º (xxxj , bairro (xxxj, cidade (xxxj, Cep (xxxj, no Estado
(xxxj; sob o Registro n.º (xxxj, do Cartório do (xxxj Oficio de Registro de lmóveis, livre de ônus
ou quaisquer dividas; bem como o imóvel residencial de propriedade do DOMlNANTE, situado
nos fundos do imóvel pertencente ao SERvlENTE, sob o Registro n.º (xxxj, do Cartório do
(xxxj Oficio de Registro de lmóveis, livre de ônus ou quaisquer dividas.
PARÁGRAFO PRlMElRO: DESCRlÇÀO: O imóvel SERvlENTE tem as seguintes descrições:
(xxxj metros de frente para Rua "A", (xxxj metros confrontando pelo lado direito com a casa de
n.º (xxxj, de propriedade de (Nome do Confrontantej, e pelo lado esquerdo com a casa de n.º
(xxxj, de propriedade de (Nome do Confrontantej; e (xxxj metros confrontando pelos fundos
com o imóvel DOMlNANTE.
PARÁGRAFO SEGUNDO: O imóvel DOMlNANTE tem as seguintes descrições: (xxxj metros de
frente para uma viela a qual da acesso à Rua "B", (xxxj metros confrontando pelo lado direito
com a casa de n.º (xxxj, de propriedade de (Nome do Confrontantej, e pelo lado esquerdo
com a casa de n.º (xxxj de propriedade de (Nome do Confrontantej, sendo que faz divisa
nos fundos com o imóvel do DOMlNANTE. Contudo, cabe salientar, que a referida viela se
encontra em precarias condições de uso e de transitabilidade.
CLÁUSULA 2 - SITUAÇÃO DOS IMOVEIS
O imóvel de propriedade do DOMlNANTE confronta-se pela frente com a referida viela, pelos lados
com os confrontantes supra citados, e pelos fundos com imóvel de propriedade do SERvlENTE.
O traslado pela referida viela se faz de forma precaria, causando transtornos materiais e pessoais,
inviabilizando inclusive o uso da garagem construida no imóvel DOMlNANTE.
Cabendo tambem ressaltar que não existe outra forma de acesso à Rua "A", que e de extrema
importância para o uso do DOMlNANTE. Desta feita, com a cessão de passagem neste ato
concretizada, o proprietario do imóvel DOMlNANTE tera acesso facil, rapido, sem transtorno
e principalmente ira possibilitar o uso de sua garagem.
102
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
CLÁUSULA 3 - DA PASSAGEM
A servidão se consubstanciara na passagem a ser feita na nesga de terras de propriedade
do SERvlENTE que correspondera a (xxxj metros de cumprimento, contando-se a partir do
portão a ser colocado de frente para a Rua "A", ate o imóvel pertencente ao DOMlNANTE.
PARÁGRAFO PRlMElRO: A passagem sera feita a partir do muro existente entre o imóvel do
confrontante à direita do SERvlENTE adentrando-se por (xxxj metros no imóvel do mesmo,
contendo assim a largura de (xxxj metros, totalizando (xxxj metros quadrados.
PARÁGRAFO SEGUNDO: Fara parte da cessão de servidão de passagem, os encanamentos
de agua e esgoto, as fações de energia eletrica telefone e congêneres, bem como as que se
fzerem necessarias para a boa utilização do imóvel pertencente ao DOMlNANTE.
CLÁUSULA 4 - DOS IMOVEIS
A passagem tera como confrontantes o SERvlENTE pelo lado esquerdo, pelo lado direito o
confrontante (xxxj, na parte fnal o DOMlNANTE e a Rua "A" na parte inicial.
PARÁGRAFO PRlMElRO: Penhora ou quaisquer gravames reais ocorridos nos imóveis dos
contratantes nunca recairão na servidão de passagem, bem como não eivara de vicio o
presente instrumento.
PARÁGRAO SEGUNDO: O imóvel DOMlNANTE sera utilizado única e exclusivamente para fns
residenciais.
CLÁUSULA 5 - PREÇO
As partes acordam que a presente cessão sera gratuita, salvo as despesas a serem gastas
com a execução das obras e aquelas relacionadas ao uso normal do imóvel que fcarão a
cargo do proprietario do imóvel DOMlNANTE.
PARÁGRAFO ÚNlCO: Fica acordado que as despesas relacionadas à regularização dos
imóveis junto à Prefeitura e aos dos Cartórios serão por conta do DOMlNANTE.
DISPOSIÇÕES FINAIS
O presente contrato passa a vigorar entre as partes a partir da assinatura do mesmo, as quais
elegem o foro da cidade de (xxxj, onde se situa o imóvel, para dirimirem quaisquer dúvidas
provenientes da execução e cumprimento do mesmo.
O presente instrumento e irretratavel e irrevogavel. A cessão não sera cedida, vendida ou
repassada, vinculando as partes, que se comprometem a procederem com a elaboração da
escritura pública em 5 (cincoj dias úteis contados a partir da assinatura deste, bem como a
registra-la após 5 (cincoj dias úteis após a mesma fcar pronta.
103
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
E, por estarem justas e convencionadas as partes e fadores assinam o presente CONTRATO
PARTlCULAR DE CESSÀO DE SERvlDÀO DE PASSAGEM, juntamente com 2 (duasj
testemunhas.
Local, data e ano.
Serviente e sua esposa
Dominante e sua esposa
Testemunha 1
Testemunha 2
Reconhecimento de frma de todos.
104
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.3 CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL
lDENTlFlCAÇÀO DAS PARTES CONTRATANTES
vENDEDOR: (Nome do vendedorj, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (.....................j, C.P.F. nº (.....................j, residente e domiciliado na Rua (.......
.........................j, nº (....j, bairro (..........j, Cep (..............j, Cidade (.................j, no Estado (....j.
COMPRADOR: (Nome do Compradorj, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (........................j, C.P.F. nº (..........................j, residente e domiciliado na Rua (...
...............................j, nº (....j, bairro (..........j, Cep (...............j, Cidade (.............j, no Estado (....j.
As partes acima identifcadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Compra
e venda de Estabelecimento Comercial, que se regera pelas clausulas seguintes e pelas
condições de preço, forma e termo de pagamento descritas no presente.
DO OBJETO DO CONTRATO
Clausula 1ª. O presente contrato tem como OBJETO a venda de estabelecimento comercial
(..................j pelo vENDEDOR ao COMPRADOR, situado na Rua (..................j, nº (....j, bairro
(...........j, Cep (...............j, Cidade (..................j, no Estado (....j, compreendendo as mercadorias,
os móveis e os utensilios, constantes do inventario em anexo, que passa a fazer parte deste
instrumento e estara sujeito à verifcação nos termos da clausula 6ª.
Paragrafo único. A presente transação compreende somente os itens indicados no caput
da presente clausula, não estando incluido o imóvel no qual encontra-se instalado o
estabelecimento.
DAS OBRIGAÇÕES
Clausula 2ª. Obriga-se o vENDEDOR a efetuar a baixa de sua frma nos órgãos competentes,
inclusive respondendo por evicção.
Clausula 3ª. Obriga-se o vENDEDOR a liquidar todas as dividas, sejam estas fscais, trabalhistas,
ou debitos perante terceiros, entregando assim ao COMPRADOR, o estabelecimento objeto
do presente contrato, livre e desembaraçado de quaisquer ônus (1j.
Clausula 4ª. O vENDEDOR respondera pela evicção do estabelecimento, perante o
COMPRADOR e seus herdeiros e sucessores.
Clausula 5ª. O COMPRADOR se responsabilizara pelas despesas com a venda do
estabelecimento comercial (2j.
Clausula 6ª. As chaves do estabelecimento comercial deverão ser entregues pelo vENDEDOR
ao COMPRADOR, no momento do pagamento do valor acertado neste instrumento.
Paragrafo primeiro. Antes de assumir o estabelecimento o COMPRADOR verifcara a veracidade
do inventario.
Paragrafo segundo. Caso seja constatada e comprovada a improcedência do inventario,
podera ocorrer a rescisão do presente instrumento, obrigando-se o vENDEDOR ao pagamento
da multa estipulada na clausula 9ª deste contrato.
105
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 7ª. O imóvel, no qual encontra-se instalado o estabelecimento comercial, e de
propriedade do vENDEDOR, e sera locado ao COMPRADOR por meio de instrumento próprio,
de acordo com a legislação vigente.
DO TÍTULO DO ESTABELECIMENTO
Clausula 8ª. Ficam transferidos ao COMPRADOR os direitos sobre o titulo do Estabelecimento
Comercial (.............j.
Clausula 9ª. Caso alguma das partes não cumpra o disposto nas clausulas estabelecidas neste
instrumento, responsabilizar-se-a pelo pagamento de multa equivalente a (....j% do valor da
venda do estabelecimento comercial.
DO PAGAMENTO
Clausula 10. Por força deste instrumento, o COMPRADOR pagara ao vENDEDOR a quantia de
R$ (.....j (valor expressoj, em parcela única, na seguinte data (....j.
DO FORO
Clausula 11. Para dirimir quaisquer controversias oriundas do CONTRATO, as partes elegem
o foro da comarca de (.............j;
Por estarem assim justos e contratados, frmam o presente instrumento, em duas vias de igual
(Local, data e anoj.
(Nome e assinatura do vendedorj
(Nome e assinatura do Compradorj
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 1j
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 2j
Nota:
1. Art. 502, do Novo Código Civil (Lei nº 10.406/2002j.
2. Art 490, do Novo Código Civil (Lei nº 10.406/2002j.
106
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.4 CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE IMOVEL
Contrato de compromisso de compra e venda do imóvel... (especifcaçõesj...., sendo
compromitente .... (qualifcação com RG e CPF-MFj...., e compromissario.... (qualifcaçãoj....,
pelo preço de (valorj....
Os abaixo assinados ...., doravante denominado compromitente, e...., doravante denominado
compromissario, pelo presente instrumento de compromisso de compra e venda, contratam
a venda e compra de um terreno sito na.... (localizaçãoj.... com a area de.... m
2
, medindo....
metros de frente, por.... metros da frente aos fundos, confnando.... (especifcar os imóveis
dos lados e dos fundosj...., mediante os termos estabelecidos nas clausulas seguintes:
1ª O preço total de venda do imóvel e de (valorj...., dividido em.... parcelas mensais sucessivas
de (valorj.... cada, sendo que o compromissario efetuara, por ocasião da assinatura deste
instrumento, o pagamento de um sinal de (valorj....
2ª O compromissario não podera atrasar o pagamento de mais de duas prestações sucessivas,
caso em que o compromitente podera dar por rescindido este compromisso.
3ª Todo e qualquer recebimento de importâncias pagas com atraso, pelo compromitente, sera
tido como mera liberalidade, não implicando alteração tacita dos termos deste instrumento.
4ª O compromissario, tão logo frmado este instrumento e pago o sinal, entrara na posse do
imóvel, mas sempre em nome do compromitente, ate escritura defnitiva.
5ª O compromissario podera realizar no imóvel as benfeitorias úteis, necessarias e voluptuarias
que entender, fcando, todas, incorporadas àquele, sem direito a indenizações. Em qualquer
caso, tais benfeitorias deverão obedecer às posturas municipais.
6ª O compromitente se obriga a cercar o imóvel no prazo de......., contado da assinatura deste
instrumento.
7ª Pagas as prestações estipuladas na clausula primeira, o compromitente providenciara,
imediatamente, a escritura defnitiva do imóvel em nome do compromissario, assumindo,
alem disso, as despesas respectivas, incluido o registro competente.
8ª O pagamento dos impostos e taxas incidentes sobre o imóvel passam a correr, a partir da
assinatura deste instrumento, por conta do compromissario.
9ª Se o compromitente, após o pagamento das importâncias descritas na clausula primeira,
recusar-se a outorgar a escritura defnitiva em favor do compromissario, este podera exigir
a restituição, em dobro, das importâncias pagas, bem como indenização por benfeitorias e
mais a multa contratual de (valorj....
10ª Se o compromissario deixar de efetuar o pagamento das prestações estabelecidas na
clausula primeira, por mais de dois meses sucessivos, ou infringir qualquer clausula do
presente instrumento, podera o compromitente considerar rescindido este compromisso,
perdendo o compromissario, em seu favor, todas as importâncias ate então pagas.
107
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
11ª Os contratantes elegem, para dirimir qualquer questão pertinente a este instrumento, o foro
da situação do imóvel objeto deste compromisso, renunciando, desde logo, a qualquer outro.
E, por estarem justos e contratados, assinam, compromitente e compromissario, o presente
instrumento em .... vias de igual teor, juntamente com duas testemunhas idôneas abaixo
nomeadas, as quais a tudo assistiram.
Local e data.
Testemunhas:
Compromitente Compromissario
108
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Pelo presente instrumento de opção com exclusividade, autorizo(amosj a frma com escritório
nesta cidade sito... na a prestar seus serviços de corretagem com o objetivo de promover a
venda do imóvel situado na do qual o(a/sj Contratante(sj esta(ãoj na qualidade de; ajustando
as seguintes condições:
PRlMElRA - Fica ajustado que o preço do imóvel acima descrito e de R$ ( j, que devera ser
pago da seguinte forma:
SEGUNDA - Esta opção com exclusividade valera por dias entre a captação e o vencimento.
TERCElRA - Pelos serviços pactuados, o Contratante se obriga a pagar à citada frma a
comissão de % ( j sobre o preço total pelo qual for alienado o imóvel, desde que
seja a venda dirigida e efetuada por esta.
§ PRlMElRO - Considera-se efetivada a transação no momento da lavratura da escritura
pública ou particular, instrumento de sinal e principio de pagamento, de pacto de permuta,
instrumento preliminar ou defnitivo da venda e/ou cessão.
§ SEGUNDO - Sera da mesma forma devida a comissão, se no prazo de validade ou após
o vencimento do presente instrumento for efetivada transação com adquirente apresentado
pela frma, ou por terceiros àquele ligado por relação de parentesco, afnidade ou quaisquer
outros vinculos juridicos.
QUARTA - É igualmente devida a remuneração prevista na clausula anterior, calculada sobre o
valor da clausula primeira, caso ocorram conjunta ou separadamente as seguintes
situações:
§ PRlMElRO - Se, no prazo de validade do presente contrato, o contratante vir a desistir
ou arrepender-se da transação, manifestar recusa arbitraria ou efetiva-la diretamente ou por
intermedio de terceiro.
§ SEGUNDO - Se mesmo após o vencimento do prazo do presente o Contratante efetivar a
transferência à adquirente apresentado pela Contratada em qualquer epoca, ou com quem
esta tenha iniciado as negociações, na vigência desta opção com exclusividade, comprovando
mediante relação escrita dos interessados que a Contratada apresentara ao termino dos
prazos das atividades.
QUlNTA - Pelo presente, o(sj vendedor(esj declara(mj encontrar-se o imóvel acima descrito
em perfeitas condições de uso e habitação, pelo que o faz(emj assumindo as
responsabilidades civis decorrentes da presença de vicios ocultos ou não, de
qualidade, quantidade e conservação ou outros de qualquer natureza existentes
no imóvel que o torne impróprio e inadequado a habitação, ou de alguma forma
diminuam o valor.
§ ÚNlCO - O(a/sj Contratante(sj sob as penas da lei declara(mj encontrar-se o imóvel livre e
desembaraçado de todo e qualquer ônus judicial e extrajudicial, hipoteca legal ou convencional
foro ou pensão, e quite de todos os impostos e taxas inclusive contribuições condominiais ate
a presente data, observando o disposto na clausula acima.
109
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
SEXTA - Fica eleito o foro da cidade de... para dirimir qualquer dúvida referente a esta opção
com exclusividade.
E por estarem de pleno acordo, frmam a presente opção com exclusividade em 03(trêsj vias
de igual teor, na presença de 02(duasj testemunhas.
............., ...........de........................ de............ .
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
ass. lMÓvElS
TESTEMUNHAS:
________________________________________
CPF
________________________________________
CPF
110
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.6 CONTRATO DE LOCAÇÃO COMERCIAL COM FIADOR
Contratos - Locação
Locação de imóvel para fns comerciais prevendo condições de utilização do imóvel,
benfeitorias e construções, vistorias, direito de preferência, seguro contra incêndio e outras.
IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES
LOCADOR: (Nome do Locadorj, (Nacionalidadej, (Profssãoj, (Estado Civilj, Carteira de
ldentidade nº (....................j, e C.P.F. nº (.......................j, residente e domiciliado na Rua (.........
....................j, nº (....j, bairro (.................j, Cidade (.......................j, Cep (..................j, no Estado
(....j, e sua esposa (Nomej, (Nacionalidadej, (Profssãoj, Carteira de ldentidade nº (................j,
C.P.F. nº (..................j, ambos capazes;
LOCATÁRlA: (Nome da Locatariaj, com sede em (........................j, na Rua (............................j,
nº (....j, bairro (..............j, Cep (...................j, no Estado (.....j, inscrita no C.N.P.J. sob o nº
(............j, e no Cadastro Estadual sob o nº (............j, neste ato representada pelo seu
diretor (......................j, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de ldentidade nº
(.....................j, C.P.F. nº (........................j, residente e domiciliado na Rua (.............................j,
nº (....j, bairro (..............j, Cep (.................j, Cidade (....................j, no Estado (.....j.
FlADOR 1: (Nome do Fiador 1j, (Nacionalidadej, (Profssãoj, Carteira de ldentidade nº
(.....................j, C.P.F. nº (....................j; e sua esposa (.....................j, (Nacionalidadej,
(Profssãoj, Carteira de ldentidade nº (.....................j, C.P.F. nº (.....................j, ambos capazes,
residente(sj e domiciliado(sj na Rua (...............................................j, nº (...j, bairro(...................j,
cidade (....................j, Cep. (.................j, no Estado(....j.
FlADOR 2: (Nome do Fiador 2j, (Nacionalidadej, (Profssãoj, Carteira de ldentidade nº
(....................j, C.P.F. nº (.....................j; e sua esposa (...................j, (Nacionalidadej, (Profssãoj,
Carteira de ldentidade nº (....................j, C.P.F. nº (.....................j, ambos capazes, residente(sj
e domiciliado(sj na Rua (.............................................j, nº (.....j, bairro(....................j, cidade
(.......................j, Cep. (.................j, no Estado(....j.
As partes acima identifcadas têm, entre si, justas e acertadas o presente Contrato de Locação
Comercial com Fiador, que se regera pelas clausulas seguintes e pelas condições descritas
no presente.
DO OBJETO DO CONTRATO
Clausula 1ª. O presente tem como OBJETO o imóvel de propriedade do LOCADOR, situado na
Rua (...................................................................j, bairro (......................j, cidade (.......................j,
Cep (....................j, no Estado (....j; sob o Registro nº (............j do Cartório de (.............j Registro
de lmóveis, livre de ônus ou quaisquer dividas.
Clausula 2ª. O imóvel entregue na data da assinatura deste contrato pelo LOCADOR à
LOCATÁRlA possui as caracteristicas contidas no auto de vistoria anexo, o qual as partes
aceitam expressamente, acompanhado de fotografas e seus respectivos negativos,
apresentando-se em boas condições de higiene, limpeza e conservação, como tambem todos
os seus acessórios.
111
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
DA UTILIZAÇÃO DO IMOVEL
Clausula 3ª. A presente Locação destina-se restritivamente ao uso do imóvel para fns
comerciais/industriais (especifcarj, restando proibido à LOCATÁRlA subloca-lo ou usa-lo de
forma diferente do previsto, sob pena de rescisão contratual.
DAS CONDIÇÕES DO IMOVEL
Clausula 4ª. O imóvel objeto deste contrato sera entregue nas condições descritas no auto
de vistoria, ou seja, com instalações eletricas e hidraulicas em perfeito funcionamento, com
todos os cômodos e paredes pintados, sendo que portas, portões e acessórios se encontram
tambem em funcionamento correto, devendo a LOCATÁRlA mantê-lo desta forma.
Clausula 5ª. Fica tambem acordado, que o imóvel sera devolvido nas mesmas condições
previstas no auto de vistoria, alem de, no ato da entrega das chaves, com todos os tributos
e despesas pagas, caso contrario, fcara facultado ao LOCADOR recebê-lo ou não. Caso o
LOCADOR não receba o imóvel, fcara a LOCATÁRlA compelida a pagar os alugueis que forem
vencendo.
BENFEITORIAS E CONSTRUÇÕES
Clausula 6ª. Qualquer benfeitoria ou construção que seja destinada ao imóvel objeto deste,
devera, de imediato, ser submetida à autorização expressa do LOCADOR.
Clausula 7ª. vindo a ser feita benfeitoria, faculta ao LOCADOR aceita-la ou não, restando à
LOCATÁRlA em caso do LOCADOR não aceita-la modifcar o imóvel da maneira que lhe foi
entregue.
Clausula 8ª. As benfeitorias, consertos ou reparos farão parte integrante do imóvel, não
assistindo à LOCATÁRlA o direito de retenção ou indenização sobre a mesma.
DO DIREITO DE PREFERÊNCIA E DAS VISTORIAS ESPORÁDICAS
Clausula 9ª. A LOCATÁRlA permitira ao LOCADOR realizar vistorias no imóvel em dia e hora a
serem combinados, podendo este último averiguar o funcionamento de todas as instalações,
acessórios e equipamentos de segurança.
Se constatando algum vicio que possa afetar a estrutura fisica do imóvel fcara compelido
o LOCATÁRlO a realizar o conserto, no prazo de (.....j dias. Não ocorrendo o conserto, ao
LOCADOR fcara facultado rescindir o contrato, sem prejuizo do recebimento dos numerarios
previstos neste.
Clausula 10ª. O LOCADOR, em qualquer tempo, podera alienar o imóvel, mesmo durante a
vigência do contrato de locação e, por via de conseqüência ceder os direitos contidos no
contrato.
Clausula 11ª. O LOCADOR devera notifcar a LOCATÁRlA para que esta possa exercer seu direito
de preferência na aquisição do imóvel, nas mesmas condições que for oferecido a terceiros.
Para efetivação da preferência devera a LOCATÁRlA responder a notifcação, de maneira
inequivoca, no prazo de 30 dias, sendo que, esta resposta devera ocorrer via Cartório de
Titulos e Documentos.
112
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 12ª. Não havendo interesse na aquisição do imóvel pela LOCATÁRlA, devera permitir
que interessados na compra façam visitas em dias e horarios a serem combinados entre
LOCATÁRlA e LOCADOR.
DOS ATOS DE INFORMAÇÃO ENTRE OS CONTRATANTES
Clausula 13ª. As partes integrantes deste contrato fcam desde ja acordadas a se comunicarem
somente por escrito, atraves de qualquer meio admitido em Direito. Na ausência de qualquer
das partes, as mesmas se comprometem desde ja, a deixarem nomeados procuradores,
responsaveis para tal fm.
DO SEGURO CONTRA INCÊNDIO E OUTRAS PROVIDÊNCIAS
Clausula 14ª. Comprometer-se-a a LOCATÁRlA a contratar empresa seguradora idônea, para
fazer contrato de seguro contra incêndio e outros danos. Tal contrato devera ter a vênia do
LOCADOR, salientando que o mesmo tera como base, o valor venal do imóvel.
Clausula 15ª. O contrato de seguro tera vigência enquanto perdurar a Locação, incluindo-se
a renovação, possuindo como benefciario o LOCADOR, no que concerne ao imóvel e seus
acessórios, e a própria LOCATÁRlA quanto aos bens de sua propriedade.
Clausula 16ª. Restara compelida a contratar a empresa de seguro dentro de 10 (dezj dias a
contar da assinatura do presente contrato. Não o fazendo, restara o presente rescindido de
pleno direito.
Clausula 17ª. Qualquer acidente que porventura venha a ocorrer no imóvel por culpa ou dolo do
LOCATÁRlO, obrigara ao pagamento acrescido de todas as despesas por danos causados ao
imóvel, devendo restitui-lo no estado cujo encontrou, e que, sobretudo, teve conhecimento no
auto de vistoria, bem como multa prevista na Clausula 24ª.
DAS DESPESAS PARA O INÍCIO, EXECUÇÃO E FINALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES
Clausula 18ª. Ficara a cargo da LOCATÁRlA a obtenção de todos os pre-requisitos para
a efetivação da atividade comercial/industrial a ser realizada, tais como alvara, licença
e autorização perante o órgão público competente, bem como o pagamento de todos os
emolumentos e despesas decorrentes da implantação, consecução e paralisação de suas
atividades, enfm, todas as despesas de elaboração e execução deste instrumento.
VALOR DO ALUGUEL, DESPESAS E TRIBUTOS
Clausula 19ª. Como aluguel mensal, a LOCATÁRlA se obrigara a pagar o valor de R$ (.....j (valor
Expressoj, a ser efetuado diretamente ao LOCADOR, e na sua ausência fcara autorizado a
recebê-lo, seu procurador (Nome do Procurador e endereço completoj, devendo fazê-lo ate o
quinto dia útil de cada mês subsequente ao vencido, sob pena de multa, correções e despesas
previstas nas Clausulas 23ª e 24ª.
Clausula 20ª. Fica obrigado o LOCADOR ou seu procurador, a emitir recibo da quantia paga,
relacionando pormenorizadamente todos os valores oriundos de juros, ou outra despesa.
Emitir-se-a tal recibo, desde que haja a apresentação pela LOCATÁRlA dos comprovantes de
todas as despesas do imóvel devidamente quitada.
Caso a LOCATÁRlA venha a efetuar o pagamento do aluguel atraves de cheque, restara facultado
ao LOCADOR emitir os recibos de pagamento somente após compensação do mesmo.
113
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 21ª. O valor do aluguel sera reajustado anualmente, tendo como base, os indices previstos
e acumulados no periodo anual do (lGPM ou lGP ou lPC, etc.j, em caso de falta deste indice, o
reajustamento do aluguel tera por base a media da variação dos indices infacionarios do ano corrente
ao da execução do aluguel, ate o primeiro dia anterior ao pagamento de todos os valores devidos.
Ocorrendo alguma mudança no âmbito governamental, todos os valores agregados ao
aluguel, bem como o próprio aluguel, serão revistos pelas partes. Tal reajuste ocorrera
independentemente de aviso ou interpelação judicial previa, e vigorara entre as partes e
fadores, no primeiro dia útil subsequente a ocorrência do mesmo.
Clausula 22ª. Faculta ao LOCADOR ou seu procurador, cobrar da LOCATÁRlA e/ou dos
FlADORES, o(sj aluguel (eisj, tributo(sj e despesa(sj vencido(sj, oriundo(sj deste contrato,
utilizando-se para isso, de todos os meios legais admitidos. O(sj cheque(sj utilizado(sj em
pagamento, se não compensado(sj ate o quinto dia útil contado a partir do vencimento do
aluguel, ocasionara (ãoj mora da LOCATÁRlA, facultando ao LOCADOR a aplicação do
disposto na Clausula 24ª.
Clausula 23ª. Todas as despesas diretamente ligadas à conservação do imóvel, tais como,
agua, luz, gas, telefone, todas as multas pecuniarias decorrentes do não pagamento ou atraso
das quantias mencionadas neste, bem como os tributos e despesas feitas em órgãos públicos,
fcarão sob a responsabilidade da LOCATÁRlA pelo pagamento de todos, ressalvando-se
quanto à contribuição de melhoria.
Paragrafo único. A inadimplência da LOCATÁRlA gerara a faculdade do LOCADOR em rescindir
de plano o presente instrumento.
Clausula 24ª. A LOCATÁRlA, não vindo a efetuar o pagamento do aluguel ate a data estipulada na
Clausula 19ª, fca obrigada a pagar multa de 10% (dez por centoj sobre o valor do aluguel estipulado
neste contrato, bem como juros de mora de 1%(um por centoj ao mês, mais correção monetaria.
Clausula 25ª. Em caso de atraso no pagamento dos alugueis ou não compensando o cheque
destinado para tal fm, restara em mora a LOCATÁRlA, fcando responsabilizada por todos os
pagamentos previstos neste atraso, sem prejuizo do pagamento da multa, juros de mora e
correção monetaria.
Paragrafo único. Não confgurarão novação ou adição às clausulas contidas no presente
instrumento, os atos de mera tolerância referentes ao atraso no pagamento do aluguel ou
quaisquer outros tributos e despesas.
Clausula 26ª. A LOCATÁRlA tera desconto de R$ (.....j (valor Expressoj caso pague o valor do
aluguel previsto neste contrato ate o 1º dia útil do mês subsequente ao vencido.
Clausula 27ª. A LOCÁTARlA tera um prazo de tolerância para efetuar o pagamento do aluguel
ate o 2º (segundoj dia útil após o vencimento, caso não seja dia útil, fcara obrigada desde
ja a efetuar o pagamento no primeiro dia útil subsequente a esta data, salvo na hipótese de
pagamento com cheque.
DA MULTA POR INFRAÇÃO
Clausula 28ª. As partes estipulam o pagamento da multa no valor de 03 (trêsj alugueis vigentes à
epoca da ocorrência do fato, a ser aplicada àquele que venha a infringir quaisquer das clausulas
contidas neste contrato exceto quando da ocorrência das hipóteses previstas na Clausula 36ª.
114
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 29ª. Caso venha o LOCATÁRlO a devolver o imóvel antes do termino da vigência do
contrato o mesmo pagara a titulo de multa o valor de 03 (trêsj salarios minimos, vigentes a
data da entrega das chaves, sem prejuizo do disposto nas Clausulas 24ª e 23ª.
DA FIANÇA
Clausula 30ª. Concordam com os termos fxados no presente contrato os FlADORES,
ja qualifcados acima, e que confguram-se tambem como principais pagadores,
responsabilizando-se pelo fel cumprimento do presente sem exceção de quaisquer clausulas,
mesmo que o presente contrato passe a vigorar por tempo indeterminado.
Clausula 31ª. Os FlADORES renunciam expressamente os beneficios contidos nos artigos
1.491, 1.498, 1.499, 1.500, 1.502 e 1.503 do Código Civil Brasileiro.
Clausula 32ª. Os FlADORES não se eximirão de responsabilidade solidaria, caso o contrato
venha a ultrapassar seu prazo de vigência, tornando-se desta forma, contrato por prazo
indeterminado.
Clausula 33ª. Casos os FlADORES venham a incorrer em concordata, falência ou em
comprovado estado de insolvência, a LOCATÁRlA devera substitui-lo em (......j dias, sob pena
de rescisão contratual.
DA DEVOLUÇÃO DO IMOVEL FINDO O PRAZO DA LOCAÇÃO
Clausula 34ª. A LOCATÁRlA restituira o imóvel locado nas mesmas condições as quais o
recebeu, quais sejam pintados com tinta latex na cor contida no auto de vistoria, sendo que as
instalações eletricas, hidraulicas e acessórios deverão tambem estar em perfeitas condições
de funcionamento, salvo as deterioração decorrentes do uso normal e habitual do imóvel.
Clausula 35ª. Os autos de vistoria inicial e fnal, que farão parte deste contrato conterão
assinatura de duas testemunhas, dos contratantes, dos fadores, e de um engenheiro civil.
DA RESCISÃO
Clausula 36ª. Ocorrera a rescisão do presente contrato, independente de qualquer comunicação
previa ou indenização por parte do LOCATÁRlO, quando:
a| Ocorrendo qualquer sinistro, incêndio ou algo que venha a impossibilitar a posse do
imóvel, independente dolo ou culpa do LOCATÁRlO;
b| Em hipótese de desapropriação do imóvel alugado;
c| Nas situações elencadas no presente instrumento.
Clausula 37ª. O imóvel sendo utilizado de forma diversa da locação comercial/industrial restara
facultado ao LOCADOR rescindir o presente contrato de plano, sem gerar direito à indenização
ou qualquer ônus por parte deste último, sem prejuizo da obrigação da LOCATÁRlA de efetuar
o pagamento das multas e despesas previstas na Clausula 24ª.
DO PRAZO DE LOCAÇÃO
Clausula 38ª. A presente locação tera o lapso temporal de validade de (.....j anos, a iniciar-se no dia
(....j, do mês (....j no ano de (.......j e fndar-se no dia (....j, do mês (.....j no ano de (........j, data a qual o
imóvel devera ser devolvido nas condições previstas na Clausula 34ª, efetivando-se com a entrega
das chaves, independentemente de aviso ou qualquer outra medida judicial ou extrajudicial.
115
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 39ª. Findo o prazo estipulado neste contrato e não havendo Ação Renovatória, o
mesmo cessara de pleno direito, independente de qualquer notifcação ou interpelação.
DA PRORROGAÇÃO DO CONTRATO
Clausula 40ª. O presente instrumento podera ser renovado quando estiver confgurada
materialmente as determinações contidas nos artigos 51 da Lei Nº 8.245/91 (Lei do lnquilinatoj,
com as exceções contidas no artigo 52 do mesmo diploma legal.
Clausula 41ª. Caso a LOCATÁRlA permaneça no imóvel por mais de trinta dias e não havendo
oposição do LOCADOR, restara presumida a prorrogação deste instrumento, salvo o disposto
na Clausula 4ª.
CONDIÇÕES GERAIS
Clausula 42ª. O presente contrato passa a vigorar entre as partes a partir da assinatura do
mesmo.
Clausula 43ª. Os herdeiros, sucessores ou cessionarios das partes contratantes se obrigam
desde ja ao inteiro teor deste contrato.
DO FORO
Clausula 44ª. Para dirimir quaisquer controversias oriundas do CONTRATO, as partes elegem
o foro da comarca de (..................j;
Por estarem assim justos e contratados, frmam o presente instrumento, em duas vias de igual
teor, juntamente com 2 (duasj testemunhas.
(Local, data e anoj.
(Nome e assinatura do Locadorj
(Nome e assinatura do Representante legal da Locatariaj
(Nome e assinatura do Fiador 1j
(Nome e assinatura do Fiador 2j
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 1j
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 2j
116
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.7 CONTRATO DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA
PARTES
(Nome do Locadorj, (Nacionalidadej, (Profssãoj, (Estado Civilj, (Documentos de ldentifcação
- Carteira de ldentidade e C.l.Cj, residente e domiciliado na Rua (xxxj, n.º (xxxj, bairro (xxxj,
cidade (xxxj, Cep. (xxxj, no Estado (xxxj, e sua esposa (Nomej, (Nacionalidadej, (Profssãoj,
(Documentos de ldentifcação - Carteira de ldentidade e C.l.Cj, ambos capazes, neste ato
denominado(sj LOCADOR(ESj.
De outro lado, denominado(sj LOCATÁRlO(Sj, (Nome do Locatarioj, (Nacionalidadej, (Profssãoj,
(Estado Civilj, (Documentos de ldentifcação - Carteira de ldentidade e C.l.Cj, residente
e domiciliado na Rua (xxxj, n.º (xxxj, bairro (xxxj, cidade (xxxj, Cep. (xxxj, no Estado (xxxj, e
sua esposa (Nomej, (Nacionalidadej, (Profssãoj, (Documentos de ldentifcação - Carteira de
ldentidade e C.l.Cj, ambos capazes.
Têm entre os mesmos, de maneira justa e acordada, o presente lNSTRUMENTO PARTlCULAR
DE LOCAÇÀO RESlDENClAL, fcando desde ja aceito, pelas clausulas abaixo descritas.
CLÁUSULA 1 - OBJETO DO CONTRATO
O presente tem como OBJETO o imóvel de propriedade do LOCADOR, situado na Rua (xxxj,
bairro (xxxj, cidade (xxxj, Cep (xxxj, no Estado (xxxj; sob o Registro n.º (xxxj, do Cartório do
(xxxj Oficio de Registro de lmóveis, livre de ônus ou quaisquer dividas.
PARÁGRAFO ÚNlCO: O imóvel entregue na data da assinatura deste contrato pelo LOCADOR
ao LOCATÁRlO possui as caracteristicas contidas no auto de vistoria anexo, que desde ja
aceitam expressamente.
CLÁUSULA 2 - PRAZO DE LOCAÇÃO
A presente locação tera o lapso temporal de validade de (xxxj meses, a iniciar-se no dia
(xxxj, do mês (xxxj no ano de (xxxj e fndar-se no dia (xxxj, do mês (xxxj no ano de (xxxj,
data a qual o imóvel devera ser devolvido nas condições previstas no PARÁGRAFO QUARTO
da CLÁUSULA 4, efetivando-se com a entrega das chaves, independentemente de aviso ou
qualquer outra medida judicial ou extrajudicial.
CLÁUSULA 3 - VALOR DO ALUGUEL, DESPESAS E TRIBUTOS
Como aluguel mensal, o LOCATÁRlO se obrigara a pagar o valor de R$ (xxxj (valor Expressoj,
a ser efetuado diretamente ao LOCADOR, e na sua ausência fcara autorizado a recebê-lo seu
procurador (Nome do Procurador e endereço completoj. Devendo faze-lo ate o quinto dia útil
de cada mês, subsequente ao vencido, sob pena de multa, correções e despesas previstas
nos PARÁGRAFOS QUARTO e QUlNTO desta CLÁUSULA.
PARÁGRAFO PRlMElRO: REClBO: Fica obrigado o LOCADOR ou seu procurador, a emitir
recibo da quantia paga, relacionando pormenorizadamente todos os valores oriundos de juros,
ou outra despesa. Emitir-se-a tal recibo, desde que haja a apresentação pelo LOCATÁRlO dos
comprovantes de todas as despesas do imóvel devidamente quitadas. Caso o LOCATÁRlO
venha a efetuar o pagamento do aluguel atraves de cheque, restara facultado ao LOCADOR
emitir os recibos de pagamento somente após compensação do mesmo.
117
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
PARÁGRAFO SEGUNDO: REAJUSTE: O valor do aluguel sera reajustado anualmente, tendo
como base, os indices previstos e acumulados no periodo anual do (lGPM ou lGP ou lPC,
etc.j, em caso de falta deste indice, o reajustamento do aluguel tera por base a media da
variação dos indices infacionarios do ano corrente ao da execução do aluguel, ate o primeiro
dia anterior ao pagamento de todos os valores devidos. Ocorrendo alguma mudança no
âmbito governamental, todos os valores agregados ao aluguel, bem como o próprio aluguel,
serão revistos pelas partes.
PARÁGRAFO TERCElRO: COBRANÇA: Faculta ao LOCADOR ou seu procurador cobrar do
LOCATÁRlO o(sj aluguel(eisj, tributo(sj e despesa(sj vencido(sj, oriundo(sj deste contrato,
utilizando-se para isso, de todos os meios legais admitidos. O(sj cheque(sj utilizado(sj em
pagamento, se não compensado(sj ate o quinto dia útil contados a partir do vencimento
do aluguel, ocasionara(ãoj mora do LOCATÁRlO, facultando ao LOCADOR a aplicação do
disposto no PARÁGRAFO QUlNTO desta CLÁUSULA.
PARÁGRAFO QUARTO: DESPESAS E TRlBUTOS: Todas as despesas diretamente ligadas
à conservação do imóvel, tais como, agua, luz, gas, telefone, as condominiais que estejam
relacionadas ao uso do mesmo, bem como os tributos, fcarão sob a responsabilidade do
LOCATÁRlO pelo pagamento de todos, ressalvando-se quanto a contribuição de melhoria.
PARÁGRAFO QUlNTO: MULTA: O LOCATÁRlO, não vindo a efetuar o pagamento do aluguel
ate a data estipulada no caput da CLÁUSULA 3, fca obrigado a pagar multa de 10% (dez por
centoj sobre o valor do aluguel estipulado neste contrato, bem como juros de mora de 1%(um
por centoj ao mês, mais correção monetaria.
PARÁGRAFO SEXTO: DO ATRASO NO PAGAMENTO: Em caso de atraso no pagamento dos
alugueis e não compensando o cheque destinado para tal fm, restara em mora o LOCATÁRlO,
fcando responsabilizado por todos os pagamentos previstos neste atraso, sem prejuizo do
pagamento da multa, juros de mora e correção monetaria. Não confgurarão novação ou
adição às clausulas contidas no presente instrumento, os atos de mera tolerância referentes
ao atraso no pagamento do aluguel ou quaisquer outros tributos.
PARÁGRAFO SÉTlMO: DESCONTO: O LOCATÁRlO tera desconto de R$ (xxxj (valor
Expressoj caso pague o valor do aluguel previsto neste contrato ate o 1º dia útil do mês
subsequente ao vencido.
PARÁGRAFO OlTAvO: TOLERÂNClA: O LOCATÁRlO tera um prazo de tolerância para efetuar
o pagamento do aluguel ate o 2º (segundoj dia útil após o vencimento, caso não seja dia útil,
fcara obrigado desde ja a efetuar o pagamento no primeiro dia útil subsequente a esta data.
CLÁUSULA 4 - UTILIZAÇÃO DO IMOVEL
A presente LOCAÇÀO destina-se restritivamente ao uso do imóvel para fns residenciais,
restando proibido ao LOCATÁRlO subloca-lo ou usa-lo de forma diferente do previsto, salvo
autorização expressa do LOCADOR.
PARÁGRAFO PRlMElRO: DAS CONDlÇÕES DO lMÓvEL: O imóvel objeto deste contrato sera
entregue nas condições descritas no auto de vistoria, ou seja, com instalações eletricas e
hidraulicas em perfeito funcionamento, com todos os cômodos e paredes pintados, sendo
que portas, portões e acessórios se encontram tambem em funcionamento correto, devendo
o LOCATÁRlO mantê-lo desta forma. Fica tambem acordado, que o imóvel sera devolvido nas
mesmas condições previstas no auto de vistoria, alem de, no ato da entrega das chaves, com
todos os tributos e despesas pagas.
118
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
PARÁGRAFO SEGUNDO: RESClSÀO: Caso o imóvel seja utilizado de forma diversa da locação
residencial, restara facultado ao LOCADOR rescindir o presente contrato de plano, sem gerar
direito a indenização ou qualquer ônus por parte deste último. Sem prejuizo da obrigação
do LOCATÁRlO de efetuar o pagamento das multas e despesas previstas no PARÁGRAFO
QUlNTO da CLÁUSULA 3. Salvo autorização expressa do LOCADOR.
PARÁGRAFO TERCElRO: BENFElTORlAS E CONSTRUÇÕES: Qualquer benfeitoria ou
construção que seja destinada ao imóvel objeto deste, devera de imediato, ser submetida a
autorização expressa do LOCADOR. vindo a ser feita benfeitoria, faculta ao LOCADOR aceita-
la ou não, restando ao LOCATÁRlO em caso do LOCADOR não aceita-la, modifcar o imóvel da
maneira que lhe foi entregue. As benfeitorias, consertos ou reparos farão parte integrante do
imóvel, não assistindo ao LOCATÁRlO o direito de retenção ou indenização sobre as mesmas.
PARÁGRAFO QUARTO: DA DEvOLUÇÀO DO lMÓvEL FlNDO PRAZO DA LOCAÇÀO: O
LOCATÁRlO restituira o imóvel locado nas mesmas condições as quais o recebeu, quais sejam,
pintado com tinta latex na cor contida no auto de vistoria, sendo que as instalações eletricas,
hidraulicas e acessórios deverão tambem, estar em perfeitas condições de funcionamento, salvo
as deterioração decorrentes do uso normal e habitual do imóvel.
Os autos de vistoria inicial e fnal, que farão parte deste contrato conterão assinatura de duas
testemunhas, dos contratantes e de um engenheiro civil.
PARÁGRAFO QUlNTO: DO CONDOMlNlO: Fica desde ja ciente o LOCATÁRlO que, em caso
de edificio onde haja condominio, restara o mesmo obrigado por todas as clausulas constantes
na Convenção e no Regulamento lnterno existente.
CLÁUSULA 5 - DA PRORROGAÇÃO DO CONTRATO
Ultrapassando o contrato, a data prevista, ou seja, tornando-se contrato por tempo indeterminado,
podera o LOCADOR rescindi-lo a qualquer tempo, desde que ocorra notifcação por escrito ao
LOCATÁRlO, que fcara compelido a sair do imóvel dentro do prazo de 30 (trintaj dias, a contar
do recebimento da notifcação. Ocorrendo prorrogação, o LOCATÁRlO e o LOCADOR fcarão
obrigados por todo o teor deste contrato.
CLÁUSULA 6 - DIREITO DE PREFERÊNCIA E VISTORIAS ESPORÁDICAS
Caso o LOCADOR manifeste vontade de vender o imóvel objeto do presente, devera propor
por escrito ao LOCATÁRlO que se obrigara a emitir a resposta em 30 (trintaj dias, a partir da
comunicação inicial.
PARÁGRAFO PRlMElRO: vlSTORlAS: O LOCATÁRlO permitira ao LOCADOR realizar vistorias
no imóvel em dia e hora a serem combinados, podendo este último averiguar o funcionamento
de todas as instalações e acessórios. Constatando algum vicio que possa afetar a estrutura
fisica do imóvel fcara compelido, o LOCATÁRlO a realizar o conserto, no prazo de (xxxjdias.
Não ocorrendo o conserto, o LOCADOR fcara facultado a RESClNDlR O CONTRATO, sem
prejuizo dos numerarios previstos neste.
PARÁGRAFO SEGUNDO: O LOCATÁRlO não se manifestando no prazo estipulado, contido
no caput desta clausula, permitira desde logo ao LOCADOR vistoriar o imóvel com possiveis
pretendentes.
119
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
CLÁUSULA 7 - DOS ATOS DE INFORMAÇÃO ENTRE OS CONTRATANTES
As partes integrantes deste contrato fcam desde ja acordadas a se comunicarem somente por
escrito, por meio de qualquer meio admitido em Direito. Na ausência de qualquer das partes,
as mesmas se comprometem desde ja a deixarem nomeados procuradores, responsaveis
para tal fm.
CLÁUSULA 8 - DO SEGURO CONTRA INCÊNDIO E OUTRAS PROVIDÊNCIAS
O LOCATÁRlO fca desde ja obrigado a fazer seguro contra incêndios, do imóvel locado, em
seguradora idônea e que passe por previa autorização do LOCADOR.
PARÁGRAFO ÚNlCO: Qualquer acidente que porventura venha a ocorrer no imóvel por
culpa ou dolo do LOCATÁRlO, o mesmo fcara obrigado a pagar, alem da multa prevista no
PARÁGRAFO QUlNTO da CLÁUSULA 3, todas as despesas por danos causados ao imóvel,
devendo restitui-lo no estado cujo encontrou e que, sobretudo, teve conhecimento no auto de
vistoria.
CLÁUSULA 9 - DA MULTA POR INFRAÇÃO
As partes estipulam o pagamento da multa no valor de 03 (trêsj alugueis vigentes a epoca da
ocorrência do fato, a ser aplicada àquele que venha a infringir quaisquer das clausula contidas
neste contrato exceto quando da ocorrência das hipóteses previstas na CLÁUSULA 10.
PARÁGRAFO ÚNlCO: Caso venha o LOCATÁRlO a devolver o imóvel antes do termino da
vigência do contrato o mesmo pagara a titulo de multa o valor de 03 (trêsj salarios minimos,
vigentes a data da entrega das chaves, sem prejuizo dos dispostos nos PARÁGRAFOS
QUlNTO da CLÁUSULA 3 e PARÁGRAFO QUARTO da CLÁUSULA 4.
CLÁUSULA 10 - DA RESCISÃO CONTRATUAL
Ocorrera a rescisão do presente contrato, independente de qualquer comunicação previa ou
indenização por parte do LOCATÁRlO, quando:
a| Ocorrendo qualquer sinistro, incêndio ou algo que venha a impossibilitar a posse do
imóvel, independente de dolo ou culpa do LOCATÁRlO; bem como quaisquer outras
hipóteses que maculem o imóvel de vicio e impossibilite sua posse;
b| Em hipótese de desapropriação do imóvel alugado.
CLÁUSULA 11 - FIANÇA
O LOCATÁRlO se compromete a contratar no primeiro dia útil após a assinatura do presente
contrato, empresa seguradora competente para elaboração de Seguro Fiança.
PARÁGRAFO ÚNlCO: UTlLlZAÇÀO DO SEGURO: O valor do Seguro Fiança sera estipulado
pelas partes contratantes e pela empresa seguradora, e tera como base o valor de (xxxj
alugueis, fazendo o mesmo, parte integral deste contrato. Nas hipóteses de inadimplemento
das obrigações contratuais do LOCATÁRlO, o LOCADOR podera acionar o Seguro Fiança
para ser ressarcido dos prejuizos oriundos do descumprimento das clausulas do presente. O
prêmio do seguro fcara a cargo do LOCATÁRlO.
120
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
DISPOSIÇÕES FINAIS
O presente contrato passa a vigorar entre as partes a partir da assinatura do mesmo, as
quais elegem o foro da cidade de (xxxj, onde se situa o imóvel, para dirimirem quaisquer
dúvidas provenientes da execução e cumprimento do mesmo, obrigando-se tambem a parte
que obteve êxito em demandas futuras realizar o pagamento dos consectarios processuais,
alem dos honorarios advocaticios a serem estabelecidos na lide.
Os herdeiros, sucessores ou cessionarios de ambas as partes se obrigam desde ja ao inteiro
teor deste contrato.
E, por estarem justas e convencionadas as partes assinam o presente CONTRATO DE
LOCAÇÀO RESlDENClAL, juntamente com 2(duasj testemunhas.
Data, local, ano.
Locatario e sua esposa
Locador e sua esposa
Testemunha 1
Testemunha 2
Reconhecimento de frma de todos.
Efeitos legais do direito de preferência - Registro do presente Contrato no Registro lmobiliario.
121
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.8 CONTRATO DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL PARA TEMPORADA
Contratos - Locação
Tem por objeto imóvel não mobiliado a ser locado por prazo estabelecido, destinando-se
exclusivamente para fns residenciais, podendo ser ocupado apenas pelo locatario e seus familiares.
IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES
LOCADOR: (Nome do Locadorj, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (........................j, C.P.F. nº (.........................j, residente e domiciliado na Rua (.
........................................................j, nº (....j, bairro (................j, Cep (.......................j, Cidade
(.................j, no Estado (....j
LOCATÁRlO: (Nome do Locatarioj, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (.........................j, C.P.F. nº (.......................j, residente e domiciliado na Rua (.
........................................................j, nº (....j, bairro (................j, Cep (....................j, Cidade
(...................j, no Estado (....j.
As partes acima identifcadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Locação
Residencial para Temporada1, que se regera pelas clausulas seguintes e pelas condições de
preço, forma e termo de pagamento descritas no presente.
DO OBJETO DO CONTRATO
Clausula 1ª. O objeto do presente instrumento e o imóvel (................j, não mobiliado, situado
na Rua (......................................................j, nº (....j, bairro (.................j, Cep nº (....................j,
Cidade (.................j, no Estado (....j, de propriedade do LOCADOR, conforme comprova
documento anexo.
DO USO DO IMOVEL
Clausula 2ª. O imóvel deve ser utilizado somente no prazo estabelecido neste contrato,
destinando-se exclusivamente para fns residenciais, podendo ser ocupado apenas pelo
LOCATÁRlO e seus familiares.
DAS OBRIGAÇÕES DO LOCATÁRIO
Clausula 3ª. O LOCATÁRlO esta obrigado a respeitar as normas do condominio, podendo ser
responsabilizado civil e criminalmente por eventuais infrações, na vigência deste contrato.
Clausula 4ª. É obrigação do LOCATÁRlO zelar pela conservação do imóvel, devendo entrega-
lo nas mesmas condições em que o recebeu, ressalvando o desgaste natural.
DO VALOR DO ALUGUEL
Clausula 5ª. O valor do aluguel da presente locação sera de R$ (.....j (valor Expressoj, a ser
pago de uma só vez e antecipadamente.
122
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
DO PRAZO
Clausula 6ª. O prazo estabelecido para a presente locação e de (.....j meses, iniciando-se
no dia (.....j, e terminado no dia (....j, cessando nesta data, independentemente de avisos,
notifcações ou interpelações, conforme estabelecido nos art. 1.194 do Código Civil.
DA MULTA
Clausula 7ª. Não ocorrendo a desocupação no prazo estipulado na clausula 6ª, após notifcação,
o LOCATÁRlO estara obrigado a pagar uma multa diaria de R$ (......j (valor Expressoj, a titulo
de aluguel, enquanto estiver ocupando o imóvel, conforme estabelecido no art. 1.196, do
Código Civil, alem de encargos judiciais, honorarios advocaticios, advindos de ação judicial
proposta pelo LOCADOR.
CONDIÇÕES GERAIS
Clausula 8ª. O presente contrato passa a valer entre as partes a partir da assinatura do mesmo.
DO FORO
Clausula 9ª. Para dirimir quaisquer controversias oriundas do CONTRATO, as partes elegem o
foro da comarca de (...................j;
Por estarem assim justos e contratados, frmam o presente instrumento, em duas vias de igual
teor, juntamente com 2 (duasj testemunhas.
(Local, data e anoj.
(Nome e assinatura do Locadorj
(Nome e assinatura do Locatarioj
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 1j
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 2j
123
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.9 CONTRATO DE PEQUENA EMPREITADA
IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES
EMPRElTANTE: (Nome do Empreitantej, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (.......................j, C.P.F. nº (......................j, residente e domiciliado na Rua (.............
...............j, nº (....j, bairro (.............j, Cep (..................j, Cidade (.................j, no Estado (....j;
EMPRElTElRO: (Nome do Empreiteiroj, (Nacionalidadej, (Estado Civilj, (Profssãoj, Carteira de
ldentidade nº (....................j, C.P.F. nº (....................j, residente e domiciliado na Rua (..................
.........................j, nº (....j, bairro (...............j, Cep (................j, Cidade (.................j, no Estado (.....j.
As partes acima identifcadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Pequena
Empreitada, que se regera pelas clausulas seguintes e pelas condições descritas no presente.
DO OBJETO DO CONTRATO
Clausula 1ª. O presente contrato tem como OBJETO a realização, pelo EMPRElTElRO, da
obra consistente em (..............................j (Descrever a pequena obra a ser realizadaj, no local
indicado pelo EMPRElTANTE.
DA EXECUÇÃO
Clausula 2ª. No serviço estabelecido neste contrato, o EMPRElTElRO somente fornecera as
mãos-de-obra necessarias, responsabilizando-se o EMPRElTANTE pelo fornecimento dos
materiais indispensaveis à obra.
Clausula 3ª. A execução da obra sera feita pessoalmente pelo EMPRElTElRO, facultando-lhe
a contratação de ajudantes, os quais terão vinculos únicos e diretos com o mesmo, que fcara
exclusivamente responsavel pelo pagamento e todos os encargos existentes.
Clausula 4ª. Quaisquer danos causados a terceiros e provenientes da execução do trabalho,
agindo dolosa ou culposamente, serão de inteira responsabilidade do EMPRElTElRO, mesmo
que praticados pelos seus ajudantes.
Clausula 5ª. O EMPRElTElRO tera completa e irrestrita liberdade para executar seu trabalho,
não necessitando de predeterminar horarios ou funções, fcando assim caracterizado que o
mesmo exerce de maneira autônoma seus serviços, não mantendo nenhum vinculo trabalhista
com o EMPRElTANTE.
DO PAGAMENTO
Clausula 6ª. Pelo serviço prestado, o EMPRElTANTE pagara ao EMPRElTElRO, ao termino da
obra, a quantia de R$ (....j (valor Expressoj.
Clausula 7ª. Caso o valor acertado na Clausula anterior não seja pago no periodo previsto, o
EMPRElTANTE pagara a multa de (....j% do valor.
DA RESCISÃO
Clausula 8ª. A rescisão ocorrera de forma plena e por iniciativa do EMPRElTANTE, nos casos
previstos no artigo 1.229 do Código Civil Brasileiro, com as ressalvas expostas no artigo 1.247
do referido diploma legal.
124
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Clausula 9ª. Por iniciativa do EMPRElTElRO, sera rescindido o presente instrumento na
ocorrência dos fatos elencados no artigo 1.226 do Código Civil Brasileiro.
DO PRAZO
Clausula 10ª. O EMPRElTElRO se compromete a executar a obra em (......j meses, a iniciar-se
no primeiro dia útil após a assinatura do presente e terminar no dia (.....j do mês (.....j do ano
(.........j.
Clausula 11ª. Quaisquer interrupções ocorridas na execução das atividades da empreitada,
não serão incluidas no prazo contido na Clausula anterior.
DO FORO
Clausula 12ª. Para dirimir quaisquer controversias oriundas do CONTRATO, as partes elegem
o foro da comarca de (.................j;
Por estarem assim justos e contratados, frmam o presente instrumento, em duas vias de igual
teor, juntamente com 2 (duasj testemunhas.
(Local, data e anoj.
(Nome e assinatura do Empreitantej
(Nome e assinatura do Empreiteiroj
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 1j
(Nome, RG e assinatura da Testemunha 2j
125
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.10 CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE FRAÇÃO IDEAL DE IMOVEL
PROMITENTE VENDEDOR:
...........................................(NOME E DADOS COMPLETOSj portador do CPF (..................j,
residente e domiciliado em............................, com outorga de sua mulher, .......................
(NOME DE SUA ESPOSAj, portadora do CPF (......................j, neste ato denominado apenas
vENDEDOR;
PROMISSÁRIO COMPRADOR:
(......................j, residente e domiciliado nesta Capital, à Rua ................................................,
N°(....j, em .........................
O contratante supra qualifcado por este instrumento resolve pactuar a promessa de compra
e venda de fração ideal de imóvel, nas condições e termos reciprocamente estipuladas e
aceitos, como a seguir articulam:
DO PROMITENTE VENDEDOR
Clausula 1ª. O PROMlTENTE vENDEDOR, qualifcado no preâmbulo deste instrumento, e
cessionario de parte das frações ideais do imóvel constituido pelo lote de terreno sito à Rua.......
DO PROMISSÁRIO COMPRADOR
Clausula 2ª. O PROMlSSÁRlO COMPRADOR, juntamente com o PROMlTENTE vENDEDOR
e outros, e parte interessada em participar de uma construção de predio comercial no imóvel
objeto deste contrato de Promessa de Compra e venda, mediante regras que estabelecerão a
posterior.
DO OBJETO DO CONTRATO
Clausula 3ª. É objeto do presente contrato a Promessa de Compra e venda da fração ideal
equivalente a 0.02745 (Zero, ponto, zero, dois, sete, quatro, cincoj do imóvel constituido pelo
lote de terreno, e predio a ser edifcado, conforme consta da matricula de número (.....j, do
Cartório do 16º Oficio do Registro de lmóveis de Brasilia, destinado à incorporação de um
predio, cuja denominação sera (.............j
Clausula 4ª. A Fração ldeal ora cedida corresponde exclusivamente ao Salão 01 do referido
predio, não gerando direito a vagas de garagem, conforme projeto arquitetônico ja elaborado,
aprovado, e de conhecimento do Promissario Comprador, cuja construção esta prevista para
termino em 36 meses, com inicio em (..................j.
DO PREÇO DA COMPRA E VENDA
Clausula 5ª. O PROMlSSÁRlO COMPRADOR, a titulo de pagamento e quitação da compra
da fração ideal, ora pactuada, pagara ao PROMlTENTE vENDEDOR a importância total de
R$ (.........j, nas seguintes condições:
126
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
R$ (.....j, valendo o presente instrumento como recibo e quitação da importância ora recebida;
R$ (.....j, representados por 02 (duasj notas promissórias, de emissão do PROMlSSÁRlO
COMPRADOR, no valor de R$ (.....j, cada uma, com vencimentos para ..../..../....... e .../..../......,
respectivamente.
DA IRREVOGABILIDADE
Clausula 6ª. A presente promessa de compra e venda e pactuada entre as partes em carater
defnitivo, irrevogavel, irretratavel e com expressa renúncia de arrependimento, obrigando
seus herdeiros e sucessores.
DOS IMPOSTOS
Clausula 7ª. O PROMlTENTE vENDEDOR assume a responsabilidade de entregar ao
PROMlSSÁRlO COMPRADOR a quitação dos impostos, taxas, contas de agua e luz devidos
ate esta data.
DA ESCRITURA
Clausula 8ª. A Fração ldeal respectiva sera outorgada imediatamente após o pagamento da
última parcela.
DO FORO
Clausula 9ª. Para dirimir eventuais dúvidas sobre a interpretação do presente contrato,
nomeiam os contratantes o foro da comarca de..........................
E, sendo as clausulas pactuadas de acordo com a vontade das partes, mandaram lavrar
o presente instrumento, em duas vias de igual teor e forma, assinadas pelo PROMlTENTE
vENDEDOR e PROMlSSÁRlO COMPRADOR, na presença de duas testemunhas, para que
produza seus juridicos e legais efeitos.
..............................., ......./............./.......
_______________________________
___________________________
127
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.11 CONTRATO PARTICULAR DE EMPREITADA PARA EXECUÇÃO DE...
Pelo presente instrumento particular que fazem entre si, de um lado como contratante a frma
n.° .................., com lnscrição Municipal n.°..........................., lNSS n.°...........................,
registrada no CREA sob n.º .........................., estabelecida na ...............................................
........, n.º ........, no bairro.............................., na cidade de ............................., representada
neste ato, por seu representante legal o Sr. ......................................., brasileiro, casado,
engenheiro, CPF. n.° .........................., RG. n.° ................................, doravante denominado
CONTRATANTE, e de outro lado, como contratado, .......................... , inscrita no CNPJ. sob
n.° ........................., com lnscrição Municipal/Estadual n.°.........................., estabelecida na Rua
............................., n.º ..........., no bairro ........................................., nesta cidade, doravante
denominada CONTRATADO, convencionam e contratam, o que se segue:

CLÁUSULA PRIMEIRA:
O CONTRATADO obriga-se a prestar o trabalho necessario para confecção e produção
dos serviços de ........................................, a serem executados no edificio em construção,
empreeendimento imobiliario denominado ........................, situado na Rua ...............................
.........................., n.° ........., no bairro ...................., na cidade de ...........................
CLÁUSULA SEGUNDA:
A empreitada e por medida - ad mensuram - e a fxação do preço atendera ao fracionamento
da obra, considerando-se as partes em que e medida, ou seja, a concretagem contratada sera
executada e concluida por andar e a medição sera efetuada a cada 30 (trintaj dias.
Em remuneração a esses serviços, o contratante pagara ao contratado o valor de R$ (.........j
por metro de serviço/obra executado pelo empreiteiro-contratado e recebido pelo contratante,
e o pagamento sera efetuado da seguinte forma:
l- o pagamento sera de acordo com a medição do serviço/obra efetivamente executado, a
cada (...............j dias, tendo-se em conta a quantidade de metros construidos;
ll- somente após o devido recebimento da obra pelo contratante, mediante entrega do
competente termo de recebimento ao contratado;
lll- o pagamento do preço ajustado na forma retro-estabelecida, sera efetuado pelo contratante,
no escritório deste, mediante recibos fornecidos pelo contratado, e apresentação das notas
fscais e/ou guias de recolhimentos dos encargos sociais e demais contribuições sindicais,
do presente contrato.
CLÁUSULA TERCEIRA:
O prazo para execução da obra contratada sera de acordo com o cronograma pre-estabelecido
entre os contratantes, em anexo, que faz parte integrante do presente Contrato.
128
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
CLÁUSULA QUARTA:
Extingue-se o presente Contrato ao fnal da efetiva execução da obra contratada, ou seja, a
concretagem de um andar/laje no empreendimento imobiliario ............................, devidamente
recebida e paga pelo contratante ou na ocorrência de qualquer das hipóteses previstas na
clausula sexta do presente contrato.
l- Podera o presente Contrato ser prorrogado, mediante simples termo de prorrogação,
assinado pelas partes contratantes.
CLÁUSULA QUINTA:
É de plena e exclusiva responsabilidade do contratado os recolhimentos dos encargos sociais
destinados a atender aos encargos previdenciarios, sindicais e trabalhistas dos operarios
empregados pelo empreiteiro-contratado, bem como as contribuições sindicais, fscais e
tributarias, que lhe são pertinentes.
l- fca acordado que o contratado compromete-se a apresentar ao contratante, notas fscais
e/ou guias dos recolhimentos dos encargos acima indicados, sempre no momento anterior
ao pagamento, pela execução da obra. Ressalte-se que, a condição aqui prevista e s/ne
qua nom, para o pagamento por parte do contratante, sob pena do contratado não receber
o pagamento pela obra executada, ate o efetivo cumprimento das referidas obrigações,
conforme dispõe o item lll da clausula segunda. Caso em que, o pagamento sera efetuado
com isenção da correção monetaria, multa e juros de qualquer natureza;
ll- as obras executadas pelo contratado serão efetuadas observando-se integralmente as
instruções recebidas e os planos dados pelo contratante. E de acordo com as regras
tecnicas em trabalhos de tal natureza, observando-se, ainda, as Normas Tecnicas defnidas
para os materiais e serviços afns pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Tecnicasj.
No caso de inobservância das referidas determinações, o contratante podera enjeitar o
recebimento da obra executada, desobrigando-se de qualquer pagamento, sem prejuizo
de indenização;
lll- o contratado tem ampla e plena responsabilidade pela solidez e segurança do trabalho
empregado na execução da obra, objeto do presente Contrato. Bem como o cumprimento das
normas de segurança do trabalho dos operarios utilizados pelo mesmo. Compromete-se ainda,
a prestar com zelo e probidade a direção e fscalização na execução dos serviços contratados;
lv- o contratado e responsavel pelos fatos, faltas e omissões dos operarios que empregar,
cabendo-lhe ação regressiva contra os mesmos;
v- O contratado obriga-se a pagar integralmente e no prazo de vinte e quatro horas, os materiais
que recebeu, se por omissão culpavel, malversação, impericia, negligência ou imprudência,
os utilizar. Caso não efetue o devido pagamento, no prazo estabelecido, constituir-se-a
imediatamente em mora de pleno direito.
CLÁUSULA SEXTA:
O contratante podera rescindir unilateralmente o presente contrato, na ocorrência isolada de
qualquer uma das seguintes hipóteses:
l - força maior ou caso fortuito que impossibilite de cumprir suas obrigações;
129
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ll - enfermidade ou qualquer outra causa que torne o contratado incapaz de executar os
serviços contratados;
lll - falta do contratado à observância do Contrato;
lv - por impericia, negligência ou imprudência na execução do serviço/obra, pelo contratado
ou por pessoa sob suas ordens e direção;
v - a paralisação na execução do serviço/obra, pelo contratado, por mais de 48 (quarenta e
oitoj horas;
vl - o atraso injustifcado na conclusão dos serviços, na forma do cronograma indicado na
clausula terceira, igual ou superior a 3 (trêsj dias.
CLÁUSULA SÉTIMA:
As partes contratantes elegem o foro da comarca de ...................., para dirimir quaisquer questões
judiciais, oriundas deste Contrato.
E para frmeza e como prova de assim haverem contratado, fzeram este instrumento
particular, em 2 (duasj vias, assinado pelos contratantes e subscrito por 2 (duasj testemunhas.

Local, ........... de ....................... de ..................
CONTRATANTE.............................................
CONTRATADO...............................................
TESTEMUNHAS:............................................
RG.:
2j....................................................................
RG.:
130
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
15.12 INSTRUMENTO PARTICULAR DE DISTRATO AMIGÁVEL DE CONTRATO DE
CORRETAGEM IMOBILIÁRIA
Denominado(a/sj simplesmente de PRlMElRO(A/Sj DlSTRATANTE(Sj, e de outro lado lMÓvElS
LTDA, empresa comercial, com flial nesta cidade situada a(naj..., doravante simplesmente
SEGUNDA DlSTRATANTE, resolvem de comum acordo distratar as estipulações do CONTRATO
DE CORRETAGEM EXCLUSlvlDADE, avençado pelas partes supracitadas, em..., vigente ate
esta data, referente a mediação do imóvel de propriedade da PRlMElRA DlSTRATANTE, sito
nesta cidade a, tudo mediante as seguintes condições:
PRlMElRA: As partes acima qualifcadas dão por distrato o CONTRATO DE CORRETAGEM retro
identifcado, fato este que fora aceito por mera liberalidade da SEGUNDA DlSTRATANTE, pelo
que se dão reciprocamente quitações gerais, não havendo mais motivo para exigirem quaisquer
vantagens com alusão ao prefalado instrumento, o qual fca doravante desfeito em todos os
seus termos, clausulas e condições, salvo, entretanto, o previsto na clausula seguinte.
SEGUNDA: Que, não obstante a rescisão bilateral do contrato em apreço, declara ainda a
PRlMElRA DlSTRATANTE sua plena concordância com os trabalhos de mediação prestados
ate então pela frma lMÓvElS LTDA, flial , pelo que via de consequência fca desde ja notifcado
que qualquer transação imobiliaria feita com o imóvel supra especifcado à qualquer transação
imobiliaria feita com o imóvel supra especifcado a algum cliente comprador que tenha sido
apresentado pela SEGUNDA DlSTRATANTE, caracterizara como prestados serviços feitos
pela mesma, uma vez que consuma-se a mediação com a simples aproximação das partes
envolvidas na transação imobiliaria, devendo com isso, a SEGUNDA DlSTRATANTE ser
remunerada com o percentual de comissão contratada no pacto principal.
TERCElRA: Em consequência, tornam-se igualmente sem efeito juridico e executivo todas
as clausulas e obrigações que de alguma forma foram novadas pelos ora distratantes no
transcurso do prazo do contrato ora rescindendo, fcando-as via de consequências extintas.
QUARTA: Não obstante a boa-fe dos DlSTRATANTES, fca desde ja eleito o foro desta cidade
para dirimir quaisquer dúvidas decorrentes do aqui estabelecido.
E assim por estarem justos e contratados, assinam o presente instrumento em (03j três vias
de igual teor e forma, na presença das testemunhas abaixo assinadas.
........................................................, .......... de ....................................... de ...............
PRlMElRO(Sj DlSTRATANTES:
________________________________________
SEGUNDA DlSTRATANTE:
________________________________________
TESTEMUNHAS:
________________________________________
131
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
Exercíc|os
de ñxação
Exercíc|os
de ñxação
De 1 a 5 marque a alternativa correta:
1| Considere os seguintes enunciados:
l - São absolutamente incapazes para
exercer pessoalmente os atos da sua
vida civil, os menores de 18 anos, os
que, por enfermidade ou defciência
mental, não demonstram o necessario
discernimento para a pratica desses
atos, e os que, mesmo por causa
transitória, não puderem exprimir sua
vontade.
ll - Capacidade civil e a aptidão da
pessoa para ser titular de direito,
ou seja, exercer direitos e assumir
obrigações na ordem civil. Apesar
de toda pessoa ser titular de direitos
e deveres necessariamente, não
signifca que ela possa exercê-los
plenamente.
lll - Uma vez ocorrida a emancipação
ela se torna irrevogavel e defnitiva
assim os negócios feitos são validos.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
2| Considere os seguintes enunciados:
l - Pessoa juridica e a entidade constituida
de individuos ou de bens com vida,
direitos, obrigações e patrimônio
próprios.
ll - A existência legal das pessoas
juridicas de direito privado começa
com a inscrição do ato constitutivo
no respectivo registro. Aplica-
se às pessoas juridicas, no que
couber, a proteção dos direitos da
personalidade.
lll - Domicilio, para o Direito, e a
residência, mesmo provisória; o local
onde se fxa o individuo com ânimo
defnitivo; o local onde a pessoa
trabalha, mesmo que se fxe com
ânimo defnitivo em outro local.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.

3| Considere os seguintes enunciados:
l - É nulo o negócio juridico celebrado
por pessoa absolutamente incapaz.
ll - É nulo o negócio juridico celebrado
por pessoa absolutamente ou
relativamente incapaz.
lll - É nulo o negócio juridico quando não
se revestir da forma prescrita em
lei ou quando a lei taxativamente o
declarar nulo.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
132
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
4| Considere os seguintes enunciados:
l - Arras e o sinal, garantia de cumprimento
contratual.
ll - Em relação ao Corretor de lmóveis,
que compete ao CRECl fscalizar
essa profssão.
lll - Transcrição se da pelo registro da
escritura de um imóvel no Cartório
de Titulos e Documentos.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.

5| Considere os seguintes enunciados:
l - Bens são as coisas de quantidades
limitadas e com utilidade, econômica ou
juridica, para a pessoa e que nela provoca
o desejo de possui-las. Estão, portanto,
fora da categoria de bens: terrenos em
Marte, o ar atmosferico, a agua do mar,
a lnternet, a Lua, entre outros.
ll - Não perdem o carater de imóveis as
edifcações que, separadas do solo
mas conservando a sua unidade,
forem removidas para outro local,
e os materiais provisoriamente
separados de um predio, para nele
se reempregarem.
lll - O domicilio das pessoas juridicas
e o lugar onde funcionarem
as respectivas diretorias e
administrações ou onde elegerem
domicilio especial no seu estatuto
ou atos constitutivos.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
6| Considere os seguintes enunciados:
l - viriato obrigou sua esposa viviane
a dar a outorga uxória (assinarj na
venda de um apartamento e um sitio
do casal. Esse ato juridico contem um
vicio ou defeito, disse-lhe sua prima,
que podera ser considerado nulo, e o
vicio chamado Simulação;
ll - Rubens sabendo que viriato conseguiu
vender os imóveis tambem obrigou
Suzana dar outorga na venda da
casa deles, porem, seu irmão disse-
lhe que isso poderia ser anulado pois,
era ato de Fraude Contra Credores.
lll - João, que e corretor de imóveis,
sabendo dos dois casos informou
numa reunião com amigos que eram
casos de Coação.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente o enunciado lll esta
correto.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
7| Considere os seguintes enunciados:
l - Relativamente a Promessa de Fato de
Terceiro - Aquele que tiver prometido
fato de terceiro respondera por perdas
e danos, quando este o não executar.
ll - Somente se transfere a propriedade
por ato entre vivos mediante o registro
do titulo translativo no Registro de
lmóveis; enquanto não se registrar o
titulo translativo, o alienante continua
a ser havido como dono do imóvel.
lll - A todo tempo sera licito ao condômino
exigir a divisão da coisa comum.
Podem os condôminos estipular
que fque indivisa a coisa comum
por prazo não maior de cinco anos,
suscetivel de prorrogação ulterior.
133
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
8| Considere os seguintes enunciados:
l - Na existência de condominio
voluntario, o condômino e obrigado,
na proporção de sua parte, a concorrer
para as despesas de conservação ou
divisão da coisa, e a suportar os ônus
a que estiver sujeita.
ll - O condominio necessario ocorre
quando ha meação de paredes,
cercas, muros e valas.
lll - Condominio edilicio e instituido
em edifcações e tem como
caracteristicas que todas as partes
são propriedade exclusiva.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
9| Considere os seguintes enunciados:
l - Nas incorporações em que a
construção seja feita pelo regime de
empreitada, esta podera ser a preço
fxo ou a preço reajustavel por indices
previamente determinados.
ll - Purgada a mora no prazo de dez
dias podera ser promovida, em leilão
público, a venda da quota de terreno
referente em contrato;
lll - Não constitui crime fazer ou veicular
em proposta, contrato, prospecto
ou comunicação ao público ou
a interessados, afrmação falsa
sobre a legalidade de loteamento
ou desmembramento do solo para
fns urbanos, pois, ate que estejam
regularizados demora tempo então e
preciso ir anunciando;
a| ( j Somente os enunciado l esta
correto.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
10| Considere os seguintes enunciados:
l - Não e proibido vender ou prometer
vender parcela de loteamento ou
desmembramento não registrado.
ll - verifcado que o loteamento
ou desmembramento não esta
registrado, devera o adquirente do
lote notifcar o loteador para suprir a
falta, suspendendo o pagamento ao
loteador, das prestações restantes,
mas efetuando o depósito delas junto
ao Registro de lmóveis competente.
lll - Sera nula de pleno direito a
clausula de rescisão de contrato
por inadimplemento do adquirente,
quando o loteamento não estiver
regularmente inscrito.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
134
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
11| Considere os seguintes enunciados:
l - São irretrataveis os compromissos de
compra e venda, cessões e promessas
de cessão, os que atribuam direito a
adjudicação compulsória e, estando
registrados, confram direito real
oponivel a terceiros.
ll - Os compromissos de compra e
venda, as cessões e as promessas
de cessão valerão como titulo para
o registro da propriedade do lote
adquirido quando acompanhados da
respectiva prova de quitação.
lll - O adquirente de unidade responde
pelos debitos do alienante em
relação ao condominio, inclusive
multas e juros moratórios.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
12| Considere os seguintes enunciados:
l - O proprietario pode levantar em
seu terreno as construções que lhe
aprouver, independente do direito
dos vizinhos e os regulamentos civis
e administrativos.
ll - O proprietario tem direito a cercar,
murar, valar ou tapar o seu predio,
urbano ou rural, e pode constranger o
seu confnante a proceder com ele à
demarcação entre os dois predios, a
aviventar rumos apagados e a renovar
marcos destruidos ou arruinados,
repartindo-se proporcionalmente as
despesas.
lll - A cessão independe da anuência
do loteador, mas, em relação a
este, seus efeitos só se produzem
depois de cientifcado, por escrito,
pelas partes ou quando registrada a
cessão.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
13| Considere os seguintes enunciados:
l - A responsabilidade objetiva depende
da averiguação da culpa e só e
excluida se provada a existência
do defeito, que não foi colocado o
produto no mercado ou que a culpa
e exclusiva do consumidor ou de
terceiro.
ll - O fornecedor de não serviços
responde pela reparação dos danos
causados aos consumidores por
defeitos relativos à prestação dos
serviços, bem como por informações
insufcientes ou inadequadas sobre
sua fruição e riscos.
lll - A reexecução dos serviços podera
ser confada a terceiros devidamente
capacitados, por conta e risco do
comprador.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
14| Considere os seguintes enunciados:
l - O usufruto pode recair em um ou mais
bens, em um patrimônio inteiro, ou
parte deste, abrangendo-lhe, no todo
ou em parte, os frutos e utilidades.
ll - Pode transferir o usufruto por
alienação; mas o seu exercicio
pode ceder-se por titulo gratuito ou
oneroso.
135
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
lll - O usufrutuario pode usufruir em
pessoa, ou mediante arrendamento,
o predio, mas não lhe mudar
a destinação econômica, sem
expressa autorização do proprietario.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
15| Considere os seguintes enunciados:
l - Ato de destituir, de desapossar,
judicialmente alguem de uma
propriedade, tratando-se, portanto, da
perda de um bem pelo adquirente, em
consequência de reivindicação feita pelo
verdadeiro dono, denomina-se Evicção;
ll - O usucapião trata de circunstâncias,
de eventos futuros, do acaso, do
fortuito; que depende de ocorrências
imprevisiveis.
lll - Nas dividas garantidas por penhor,
anticrese ou hipoteca, o bem dado
em garantia fca sujeito, por vinculo
real, ao cumprimento da obrigação.
a| ( j Somente o enunciado l esta
correto
b| ( j Somente o enunciado lll esta
correto.
c| ( j Os enunciados ll e lll estão
corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
16| Considere os seguintes enunciados:
l - Penhor signifca a entrega, o empenho
de coisa móvel ou imóvel como
garantia de obrigação assumida.
ll - O credor não pode ser constrangido a
devolver a coisa empenhada ou uma
parte dela antes de ser integralmente
pago.
lll - O dono do imóvel hipotecado pode
constituir outra hipoteca sobre ele,
mediante novo titulo, em favor do
mesmo ou de outro credor.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
17| Considere os seguintes enunciados:
l - Toda informação ou publicidade
oferecendo ou apresentando produtos
ou serviços obriga o fornecedor que
a fzer veicular ou dela se utilizar
e integra o contrato que vier a ser
celebrado.
ll - A publicidade deve ser veiculada de
tal forma que o consumidor, facil e
imediatamente, a identifque como
tal, sendo proibida toda publicidade
enganosa ou abusiva.
lll - A publicidade e enganosa por
comissão quando informa sobre
dado essencial do produto ou
serviço.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
18| Considere os seguintes enunciados:
l - Na cobrança de debitos, o consumidor
inadimplente não sera exposto a
ridiculo, nem sera submetido a
qualquer tipo de constrangimento ou
ameaça.
136
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
ll - A garantia contratual e complementar
e ilegal e não podera ser conferida
mediante termo escrito.
lll - Se o consumidor exercitar o direito
de arrependimento, os valores
eventualmente pagos, a qualquer
titulo, durante o prazo de refexão
serão devolvidos de imediato,
monetariamente atualizados.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
19| Considere os seguintes enunciados:
l - O imóvel hipotecado pode ser dado
em anticrese, sendo a reciproca
verdadeira.
ll - As hipotecas serão registradas no
cartório do lugar do imóvel, ou no de
cada um deles, se o titulo se referir a
mais de um.
lll - Salvo o caso de insolvência do
devedor, o credor da segunda
hipoteca, embora vencida, não
podera executar o imóvel antes de
vencida a primeira.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
20| Considere os seguintes enunciados:
l - As clausulas que implicarem limitação
de direito do consumidor deverão ser
redigidas com destaque, permitindo
sua imediata e facil compreensão.
ll - Contrato de adesão e aquele cujas
clausulas foram unilateralmente
colocadas pelo fornecedor de
produtos ou serviços, sem que
o consumidor possa discutir ou
modifcar substancialmente seu
conteúdo.
lll - As multas de mora decorrentes do
inadimplemento de obrigações no
seu termo não poderão ser superiores
a 12% do valor da prestação
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
21| Considere os seguintes enunciados:
l - A hipoteca extingue-se pela
extinção da obrigação principal, pelo
perecimento da coisa, pela resolução
da propriedade, pela renúncia
do credor, pela remição, e pela
arrematação ou adjudicação.
ll - No Brasil, a hipoteca não extingue-
se pela extinção da obrigação
principal, pelo perecimento da coisa,
pela resolução da propriedade, pela
renúncia do credor, pela remição, e
pela arrematação ou adjudicação.
lll - Nosso código civil não abriga a
hipótese de hipoteca.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Os enunciados ll e lll estão
incorretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
137
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
22| Considere os seguintes enunciados:
l - Em caso de ação de despejo por falta
de pagamento, o locatario podera
requerer ao juiz que lhe seja concedido
o direito de quitar a divida, sendo
então a ação suspensa e em 15 dias
o inquilino deve quitar integralmente
a divida.
ll - Caso não cumpra seu pedido de
quitação, o juiz determinara o despejo
imediato do locatario. Essa pratica
possibilita a quitação da divida
locativa após a entrada da ação do
despejo que só podera ser exercida
uma única vez.
lll - Caso seja proposta contra o locatario
nova ação de despejo por falta de
pagamento no prazo de 24 meses,
o locatario não podera pedir a
quitação do debito e sera despejado
sumariamente.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
23| Considere os seguintes enunciados:
l - Aprovado pela autoridade competente
o projeto de desmembramento do solo
urbano, o loteador devera submetê-lo
ao registro imobiliario em 180 dias;
ll - Aprovado pela autoridade competente
o projeto de desmembramento
do solo urbano, o loteador devera
submetê-lo ao registro imobiliario
quando algum adquirente o exigir;
lll - O Corretor de lmóveis, pessoa
fisica ou juridica que tiver, com
exclusividade, contrato escrito de
intermediação imobiliaria, precisa
identifcar seu anúncio.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
24| Considere os seguintes enunciados:
l - A lei do lnquilinato prevê relativamente
a Mora: uma oportunidade a cada 24
meses (anteriores à propositura da
açãoj.
ll - Nos anúncios de loteamentos e
imóveis em condominios, colocar-
se-a em destaque, tambem, o número
do registro ou da incorporação no
respectivo cartório imobiliario.
lll - O registro da incorporação imobiliaria
sera valido tempo indeterminado
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
25| Considere os seguintes enunciados:
l - É livre a convenção do aluguel, que
pode ser estipulado em moeda
estrangeira, quando o aluguel for para
estrangeiro.
ll - O locatario podera denunciar a
locação por prazo indeterminado
mediante aviso por escrito ao
locador, com antecedência minima
de trinta dias.
138
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
lll - São reguladas pelo Código Civil ou
leis especiais os imóveis públicos,
as garagens autônomas, os espaços
destinados à publicidade, os "apart-
hoteis", hoteis, e os arrendamentos
mercantis em qualquer de suas
modalidades.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
26| Considere os seguintes enunciados:
l - O locatario preterido no seu direito
de preferência podera reclamar
do alienante as perdas e danos
ou, depositando o preço e demais
despesas do ato de transferência,
haver para si o imóvel locado.
ll - Salvo disposição contratual em
contrario, qualquer das garantias
da locação se estende ate a efetiva
devolução do imóvel.
lll - Nas locações ajustadas por escrito
e por prazo igual ou superior a trinta
meses, a resolução do contrato
ocorrera fndo o prazo estipulado,
independentemente de notifcação
ou aviso.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
27| Considere os seguintes enunciados:
l - Após a concessão do "habite-se",
a lei incumbe, em primeiro lugar, o
dever de requerer a averbação da
construção ao construtor.
ll - Após a concessão do "habite-se",
a lei incumbe, em primeiro lugar,
o dever de requerer a averbação
da construção ao proprietario do
terreno.
lll - Após a concessão do "habite-se",
a lei incumbe, em primeiro lugar,
o dever de requerer a averbação
da construção ao construtor ou ao
incorporador.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
28| Considere os seguintes enunciados:
l - Relativamente às questões de infração
profssional do corretor, esta em falta
quem fzer anúncio ou impresso
relativo à atividade de profssional
sem mencionar o número de inscrição
ll - Findo o prazo ajustado, se o locatario
permanecer no imóvel sem oposição
do locador por mais de trinta dias,
presumir-se-a prorrogada a locação
por tempo indeterminado, não
mais sendo exigivel o pagamento
antecipado do aluguel e dos
encargos.
lll - Ação renovatória e a modalidade da
ação destinada a fazer valer o direito
de renovação do contrato locaticio,
e deve ser proposta no interregno de
um ano, no maximo, ate seis meses,
no minimo, anteriores à data da
fnalização do prazo do contrato em
vigor.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
139
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
29| Considere os seguintes enunciados:
l - A prestação ou contraprestação
pessoal deve ser possivel, licita,
determinada ou determinavel, e
traduzivel em dinheiro.
ll - As obrigações de dar e de restituir se
resolvem conforme averiguação da
existência de culpa do devedor.
lll - A tradição da coisa e substituida pela
entrega do seu titulo representativo
e dos outros documentos exigidos
pelo contrato ou, no silêncio deste,
pelos usos.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
30| Considere os seguintes enunciados:
l - A doação de ascendentes a
descendentes, ou de um cônjuge a
outro, importa adiantamento do que
lhes cabe por herança.
ll - Turbação e a tentativa de esbulho,
embaraçando a o exercicio da posse,
sem, contudo, acarretar sua perda.
lll - O esbulho e a perda da posse,
injustamente, por emprego de
violência, clandestinidade ou abuso
de confança.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
( j Somente os enunciados ll e lll estão
corretos.
( j Todos enunciados estão incorretos
( j Todos enunciados estão corretos.
31| Considere os seguintes enunciados:
l - Os pródigos são relativamente
incapazes e quando possuidores
turbados, ou esbulhados, poderão
manter-se ou restituir-se por sua
própria força, à manutenção, ou
restituição da posse, mesmo com
violência, pois, por serem pródigos
têm proteção legal.
ll - Quanto à Aquisição da Posse,
podemos afrmar que adquire-se a
posse pelo Mandante ou Outorgado
designado com a pessoa possuidora
na procuração
lll - Posse clandestina e aquela cedida
em carater provisório e adquirida
com abuso de confança por parte
de quem recebeu a coisa com o
dever de restitui-la.
( j Somente os enunciados l e ll estão
corretos.
( j Somente os enunciados l e lll estão
corretos.
( j Somente os enunciados ll e lll estão
corretos.
( j Todos enunciados estão incorretos.
( j Todos enunciados estão corretos.
32| Considere os seguintes enunciados:
l - Posse precaria e aquela cedida em
carater provisório e adquirida com
abuso de confança por parte de
quem recebeu a coisa com o dever
de restitui-la.
ll - Posse violenta e aquela adquirida
com o uso da força fisica ou violência
moral.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
31| Considere os seguintes enunciados:
l - Os pródigos são relativamente
incapazes e quando possuidores
turbados, ou esbulhados, poderão
manter-se ou restituir-se por sua
própria força, à manutenção, ou
restituição da posse, mesmo com
violência, pois, por serem pródigos
têm proteção legal.
ll - Quanto Aquisição da Posse
podemos afrmar que adquiri-se a
posse pelo Mandante ou Outorgado
designado com a pessoa possuidora
na procuração
lll - Posse clandestina e aquela cedida
em carater provisório e adquirida
com abuso de confança por parte
de quem recebeu a coisa com o
dever de restitui-la.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
32| Considere os seguintes enunciados:
l - Posse precaria e aquela cedida em
carater provisório e adquirida com
abuso de confança por parte de
quem recebeu a coisa com o dever
de restitui-la.
ll - Posse violenta e aquela adquirida
com o uso da força fisica ou violência
moral.
lll - Posse injusta e aquela adquirida
às escondidas daquele que tem
interesse em conhecê-la
140
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
33| Considere os seguintes enunciados:
l - Pessoas que podem exercer os
atos da vida civil assistidas pelo seu
representante legal são denominadas
tutoriais.
ll - Ad co|o0s e a denominação dos
acrescimos formados, sucessiva e
imperceptivelmente, por depósitos
e aterros naturais ao longo das
margens das correntes, ou pelo
desvio das aguas destas.
lll - Não e qualquer pessoa que pode
requerer certidão do registro sem
informar ao ofcial ou ao funcionario
o motivo ou interesse do pedido,
somente advogados e corretores
têm esta prerrogativa.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
34| Considere os seguintes enunciados:
l - Coisa e tudo aquilo que pode ser
adquirido - vendido, transacionado.
ll - A aquisição decorrente de contrato
se diz derivada porque a coisa ja
pertenceu a outrem; a aquisição
derivada da ocupação se diz originaria
porque a coisa nunca teve dono.
lll - Ter posse e ter dominio de fato sobre
alguma coisa. É o estado de quem
possui alguma coisa.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
35| Considere os seguintes enunciados:
l - Quanto à idade da posse diz-se velha
se com ano e dia e nova se menos.
ll - A posse e transmitida aos herdeiros
ou legatarios do possuidor com os
mesmos caracteres.
lll - Existindo a posse podem ser
usucapidos os bens públicos e as
coisas fora do comercio.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
141
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
36| Considere os seguintes enunciados:
l - Ato juridico perfeito e o ja consumado
segundo a lei vigente, ao tempo em
que se efetuou.
ll - Direito adquirido e especie do direito
subjetivo incorporado ao patrimônio
juridico do titular, ja consumado ou
não, porem exigivel na via judicial, se
não cumprido voluntariamente pelo
titular, e esta protegido de mudanças
legislativas futuras.
lll - Coisa julgada e a decisão judicial
que não cabe mais recurso. Essas
informações são de ordem geral
para todas as leis brasileiras.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
37| Considere os seguintes enunciados:
l - Apesar de toda pessoa ser titular de
diretos e deveres, necessariamente
não signifca que ela possa exercê-los
plenamente.
ll - Ha casos em que a lei protege
determinados grupos de pessoas,
considerando a idade, estado
de saúde e o desenvolvimento
mental, impedindo-os de exercer
pessoalmente seus direitos.
lll - Para o menor de 14 anos podera haver
emancipação, concedida pelos pais,
pela colação de grau superior, pelo
estabelecimento comercial ou civil,
pelo casamento, pelo vinculo de
emprego que proporcione economia
própria.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
38| Considere os seguintes enunciados:
l - O dono do predio que não tiver acesso
à via pública, nascente ou porto,
não pode nem por meio de ação e,
nem mesmo mediante pagamento
de indenização cabal, exigir tal
passagem.
ll - Nas incorporações em que a
construção for contratada pelo
regime de administração, tambem
chamado "a preço de custo", sera de
responsabilidade dos proprietarios
ou adquirentes o pagamento do
custo integral de obra.
lll - No vicio oculto, o prazo decadencial
inicia-se no momento que fcar
evidenciado o vicio.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
142
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
39| Considere os seguintes enunciados:
l - Condominio Edilicio e instituido em
edifcações e tem como caracteristica
partes que são propriedade exclusiva
e partes que são propriedade comum
dos condôminos.
ll - Propriedade resolúvel e aquela de
carater transitório, não permanente,
que pode ser cancelada sobrevindo
determinada condição legal ou
convencional, a condição resolutiva
ou termo fnal.
lll - O direito de superficie não autoriza
obra no subsolo, salvo se for inerente
ao objeto da concessão.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
40| Considere os seguintes enunciados:
l - A servidão e o proveito ou facilidade
prestada por um predio - o serviente -
em favor de outro - o dominante.
ll - Efetuar-se-a o pagamento no domicilio
do devedor, salvo se as partes
convencionarem diversamente ou se
o contrario resultar da lei, da natureza
da obrigação ou das circunstâncias.
lll - Sendo o contrato omisso, prevalecera
o domicilio do credor como lugar do
pagamento.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
41j Considere os seguintes enunciados:
l - Credor evicto e aquele que evita
receber uma divida em consequência
de reivindicação feita pelo verdadeiro
dono.
ll - Dação em pagamento e o ato de
pagar com algum bem uma divida em
dinheiro. É a entrega pelo mutuario
de imóvel hipotecado ao agente
fnanceiro, ou de devedor a credor,
correspondente ao que deveria ser
pago em moeda.
lll - lmputar o pagamento signifca indicar
o que se esta pagando. Ocorre
quando a pessoa obrigada por dois
ou mais debitos da mesma natureza,
a um só credor, indica a qual deles
oferece pagamento, se todos forem
liquidos e vencidos.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
42j Considere os seguintes enunciados:
l - Novação e a renovação de contrato ou
obrigação judicial. É a substituição de
uma obrigação por outra. É a extinção
de uma divida anterior por uma nova
que e criada.
ll - Compensação e o ato ou negócio
exclusivo das instituições bancarias
signifcando de compensar cheques.
lll - Não podem ser objeto de novação
obrigações nulas ou extintas,
exceto as obrigações simplesmente
anulaveis.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
143
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
43| Considere os seguintes enunciados:
l - lnadimplir signifca descumprir uma
obrigação assumida. Essa inexecução
gera uma serie de consequências
juridicas, conforme a obrigação.
ll - Pelo inadimplemento das obrigações
respondem todos os bens do
devedor.
lll - Somente o adimplemento pode ser
relativo ou absoluto.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
44| Considere os seguintes enunciados:
l - A confusão e o que antecede o
esbulho e a usucapião.
ll - Remissão e o ato de remir, perdoar,
relaxar, pôr a caminho de novo.
lll - Juridicamente, remissão e o
ato pelo qual o credor dispensa
graciosamente o devedor de pagar
a divida.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
45| Considere os seguintes enunciados:
l - Clausula penal e um pacto acessório,
incluido no contrato, por meio do qual
se estipulam penas ou multas contra
a parte que retardou ou deixou de
cumprir com a obrigação a que se
comprometeu
ll - Arras e pacto acessório que depende
da existência de um contrato principal
e tem como função assegurar
a execução da obrigação neste
convencionada.
lll - Contrato e negócio juridico resultante
de um acordo de vontades que
produz efeitos obrigacionais.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
46| Considere os seguintes enunciados:
l - A pessoa que contrata por telefone ou
por meio de comunicação semelhante
e considerada ausente.
ll - A proposta de contrato obriga o
proponente, se o contrario não
resultar dos termos dela, da natureza
do negócio, ou das circunstâncias do
caso.
lll - Deixa de ser obrigatória a proposta
feita para pessoa presente, sem
estabelecimento de prazo, e não
aceita imediatamente.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
144
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
49| Considere os seguintes enunciados:
l - Preempção ou Preferência impõe ao
comprador a obrigação de oferecer
ao primitivo vendedor a coisa que vai
vender, ou dar em pagamento, para
que ele use de seu direito de prelação
(preferênciaj na compra.
ll - Salvo estipulação das partes
fxando prazo diverso, o direito de
preempção caducara em sessenta
dias subsequentes à data em que
o comprador tiver notifcado o
vendedor, se imóvel.
lll - Compra e venda e um contrato solene
pelo qual um dos contratantes se
obriga a transferir o dominio de certa
coisa e o outro se obriga a pagar-lhe
certo preço em dinheiro.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
50| Leia os enunciados a seguir
e identifque com a letra v as
alternativas verdadeiras e F as falsas:
1| ( j O intervalo de tempo
compreendido entre a data da
publicação da lei e sua entrada em
vigor denomina-se vacat|o |eg|s.
2| ( j A personalidade civil do homem,
começa aos 21 anos.
47| Considere os seguintes enunciados:
l - O vendedor não e obrigado a entregar
a coisa antes de receber o preço,
exceto no caso de venda a credito.
ll - As despesas de escritura e registro
fcam a cargo do comprador, e
as despesas da tradição a cargo
do vendedor, exceto se as partes
estipularem em contrario.
lll - A fxação do preço pode ser deixada
ao arbitrio exclusivo de uma das
partes componentes do contrato de
compra e venda, sob pena de tornar-
se nulo o contrato.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
c| ( j Somente os enunciados ll e lll
estão corretos.
d| ( j Todos enunciados estão
incorretos.
e| ( j Todos enunciados estão
corretos.
48| Considere os seguintes enunciados:
l - Retrovenda e um pacto feito entre
as partes, pelo qual o vendedor se
assegura o direito de resgatar ou
recobrar a coisa vendida, dentro
do prazo estipulado, pagando o
que recebeu ou outro que se tenha
acertado.
ll - venda a contento e a clausula que
determina que a venda somente
se aperfeiçoa após o adquirente
manifestar seu agrado. Assim,
entende-se que a venda e feita sob
condição suspensiva, ainda que a
coisa lhe tenha sido entregue.
lll - venda sujeita à prova presume-se
feita sob a condição suspensiva de
que a coisa tenha as qualidades
asseguradas pelo vendedor e seja
idônea para o fm a que se destina.
a| ( j Somente os enunciados l e ll
estão corretos.
b| ( j Somente os enunciados l e lll
estão corretos.
145
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
3| ( j O domicilio da pessoa natural e o
lugar onde ela estabelece a sua
residência com ânimo defnitivo.
4| ( j São considerados absolutamente
incapazes de exercer
pessoalmente atos da vida civil os
menores de 16 anos.
5| ( j Capacidade civil e a aptidão da
pessoa para exercer direitos e
assumir obrigações.
6| ( j Os bens públicos de uso comum
do povo e os de uso especial,
enquanto conservarem sua
qualifcação são alienaveis.
7| ( j São bens móveis tudo o
que o proprietario mantiver
intencionalmente empregado
em sua exploração industrial,
aformoseamento ou comodidade.
8| ( j Fato juridico e o acontecimento
apto a produzir consequências
juridicas.
9| ( j Quando as circunstâncias ou
os usos o autorizarem, e não
for necessaria a declaração de
vontade expressa, o silêncio
importa anuência.
10| ( j Os bens públicos estão sujeitos à
usucapião.
11| ( j É anulavel o negócio juridico por
vicio resultante de erro, dolo,
coação, estado de perigo, lesão
ou fraude contra credores.
12| ( j A prescrição ocorre em dez anos,
quando a lei não lhe haja fxado
prazo menor.
13| ( j Obrigação e o vinculo pessoal de
direito existente entre pessoas,
tendo por objeto uma prestação
ou contraprestação de conteúdo
econômico determinado ou es-
pecifca.
14| ( j Pródigo e aquele que esbanja a
sua fortuna.
15| ( j O devedor não responde perante
o fador por todas as perdas e
danos que este pagar.
16| ( j Quem paga tem direito à quitação
regular. A quitação regular deve
designar o valor e a especie
da divida quitada, o nome do
devedor, ou quem por este pagou,
o tempo e o lugar do pagamento,
com a assinatura do credor, ou do
seu representante.
17| ( j Se duas pessoas forem ao mesmo
tempo credor e devedor uma
da outra, as duas obrigações
extinguem-se, ate onde se
compensarem.
18| ( j São direitos reais a propriedade, a
novação, a superficie, o direito do
promitente comprador do imóvel
e a hipoteca.
19| ( j O Contrato de locação residencial
se desfaz, dentro outro motivos,
por mútuo acordo, por infração
legal ou contratual, por não
pagamento do aluguel.
20| ( j Serão igualmente anulaveis os
contratos onerosos do devedor
insolvente, quando a insolvência
for notória, ou houver motivo
para ser conhecida do outro
contratante.
146
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
29| ( j Evicção e a estipulação em favor
de terceiro no qual se convenciona
certa vantagem patrimonial
a favor de terceiro alheio à
formação do vinculo contratual.
30| ( j O distrato faz-se pela mesma
forma exigida para o contrato.
31| ( j Júlio Cesar frmou contrato se
obrigando a transferir o dominio
de imóvel residencial para Marco
Antônio, e este a lhe pagar R$
100.000,00. Essa modalidade de
contrato denomina-se locação
imobiliaria.

32| ( j O contrato de compra e venda não e
passivel de nulidade mesmo quando
deixa a taxação do preço ao arbitrio
exclusivo de uma das partes.

33| ( j Na compra e venda as despesas
da escritura fcarão a cargo do
comprador, e as da tradição a
cargo do vendedor, salvo clausula
em contrario.

34| ( j Retrovenda e o pacto adjeto
à compra e venda em que o
vendedor de coisa imóvel pode
reservar-se o direito de recobra-la
no prazo maximo de decadência
de dez anos, restituindo o preço
recebido e reembolsado as
despesas do comprador.
35| ( j A clausula inserida no contrato
de venda de coisa móvel que
permite ao vendedor reservar
para si a propriedade, ate que o
preço esteja integralmente pago,
designa-se reserva de dominio.
36| ( j Na permuta, salvo disposição em
contrario, cada um dos contratantes
pagara por metade as despesas
com o instrumento da troca;
21| ( j Considera-se em mora o devedor
que efetua o pagamento, mas o
credor que não recebe no tempo,
lugar ou forma que a lei ou a
convenção estabelecer.
22| ( j Em se tratando de efeitos das
obrigações, não havendo prazo
assinalado, a mora se constitui a
partir da notifcação, interpelação
ou protesto.

23| ( j Aquele que causar prejuizo a
alguem responde por perdas
e danos. A reparação, ou
indenização abrange, alem
do prejuizo imediato, o que o
prejudicado deixou de lucrar.
Sobre a reparação incidem
atualização monetaria, juros
ofciais e honorarios advocaticios.
24| ( j Arras são os recursos pagos por
um dos contratantes para garantir
o cumprimento de um contrato,
comumente, conhecido por sinal.
25| ( j Contrato bilateral e aquele em que
ha constituição de obrigações
reciprocas.
26| ( j Contrato preliminar devidamente
assinado em que as partes não
comparecem na data agendada
para assinatura do contrato
defnitivo resulta em anulação da
relação juridica.
27| ( j A locação pode ter por objeto
apenas coisas imóveis.
28| ( j O defeito oculto da coisa, que a
torne imprópria ao uso a que e
destinada, ou lhe diminua o valor,
e chamado vicio redibitório.
147
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
43| ( j A modalidade de contrato pelo
qual uma pessoa passa a comprar
ou vender bens, em seu próprio
nome, mas por conta de outrem,
e de acordo com as instruções
deste e denominada evicção.
44| ( j Todas as pessoas capazes
são aptas para dar procuração
mediante instrumento particular,
que valera desde que tenha a
assinatura do outorgante.
45| ( j A modalidade de contrato em
que uma pessoa não ligada a
outra em virtude de mandato de
prestação de serviços ou por
qualquer relação de dependência,
obriga-se a obter para a segunda
um ou mais negócios, conforme
as instruções recebidas e
denominada corretagem.
46| ( j A modalidade de contrato no qual
uma pessoa garante satisfazer
ao credor uma obrigação
assumida pelo devedor, caso
este não a cumpra, e denominada
corretagem.
47| ( j O corretor e obrigado a executar
a mediação com a diligência
e prudência que o negócio
requer, prestando ao cliente,
espontaneamente, todas as
informações sobre o andamento
dos negócios.
48| ( j Marco Antônio tem um litigio com
Júlio Cesar acerca de uma divida.
Aquele entende que a divida e de R$
10.000,00, ao passo que o devedor
entende que e só de R$ 5.000,00.
Após discussão entre eles,
frmaram acordo colocando fm à
questão mediante o pagamento
ao credor do valor de R$ 7.500,00.
Esta modalidade de contrato e
conhecida como novação.
37| ( j Considera-se doação o contrato em
que uma pessoa, por liberalidade,
transfere do seu patrimônio bens
ou vantagens para o de outra.
O doador pode fxar prazo ao
donatario, para declarar se aceita
ou não a liberalidade. Desde que
o donatario, ciente do prazo, não
faça, dentro dele, a declaração,
entender-se-a que aceitou, se a
doação não for sujeita a encargo.
A doação far-se-a por escritura
pública ou instrumento particular.

38| ( j A modalidade de contrato em
que uma das partes se obriga
a ceder à outra, por tempo
determinado ou não, o uso e gozo
de coisa não fungivel, mediante
certa retribuição, e denominada
permuta.
39| ( j Se o comodato não tiver prazo
convencional pode o comodante,
quando desejar, suspender o
uso e gozo da coisa emprestada,
porque o comodatario não podera
jamais recobrar do comodante as
despesas feitas com o uso e gozo
da coisa emprestada.
40| ( j O mútuo e uma modalidade de
emprestimo de coisas fungiveis
na qual o mutuario e obrigado a
restituir ao mutuante o que dele
recebeu em coisa do mesmo
gênero, qualidade e quantidade.
41| ( j Toda a especie de serviço
ou trabalho licito, material ou
imaterial, pode ser contratada
mediante retribuição.
42| ( j Na venda ad mens0|am, se o
comprador constatar que o imóvel
não corresponde às dimensões
da escritura pode exigir o
complemento da area.
148
Tecnico em Transações lmobiliarias
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
25| c
26| e
27| d
28| c
29| e
30| e
31| d
32| a
33| d
34| e
35| a
36| e
37| a
38| c
39| e
40| a
41| a
42| b
43| a
44| c
45| e
46| c
47| a
48| e
49| e
50| 1| v
2| F
3| v
4| v
5| v
6| F
7| F
8| v
9| v
10| F
11| v
49| ( j É anulavel a troca de valores
desiguais entre ascendentes e
descendentes, sem consentimento
dos outros descendentes e do
cônjuge do alienante.
50| ( j Usucapião e a forma de aquisição
de propriedade imóvel que
ocorre quando alguem detem
a posse de uma coisa com
ânimo de dono, por determinado
tempo, ininterruptamente, e sem
oposição.
Respostas
Respostas
1| c
2| e
3| b
4| a
5| e
6| c
7| e
8| e
9| a
10| c
11| e
12| c
13| d
14| b
15| b
16| e
17| a
18| b
19| e
20| a
21|
22| e
23| c
24| a
149
Direito e Legislação
D
I
R
E
I
T
O
E

L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
12| v
13| v
14| v
15| F
16| v
17| v
18| F
19| v
20| v
21| F
22| F
23| v
24| v
25| v
26| F
27| F
28| v
29| F
30| v
31| F
32| F
33| v
34| F
35| v
36| v
37| v
38| F
39| F
40| v
41| v
42| v
43| F
44| v
45| v
46| F
47| v
48| F
49| v
50| v
Referênc|as
B|b||ográñcas
GOMES, O. Introdução ao d|re|to c|v||.
18ª ed. Atualizada por Humberto Theodoro
Júnior. Rio de Janeiro: Forense, 2001.
MENEZES http://www.rafaeldemenezes.adv.br/
PERElRA, C. M. S. da. Lesão nos Contratos.
3ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1993.
RODRlGUES, S. D|re|to das co|sas. 24ª ed.
São Paulo: Saraiva, 1997, v. 5.
PERElRA. L. R. D|re|to das co|sas. Editora
Russel, 2003.
TEPEDlNO. G. Mu|t|propr|edade |mob|||ár|a.
São Paulo: Saraiva, 2000.
SERGlO S.; ALvlM, J. E. C.; ALvlM L. G. C.
Cód|go de Processo C|v|| Comentado. v.
1 - Processo de Conhecimento Artigos 1ª a
565ª. 8ª ed. Editora Forense Juridica (Grupo
GENj, 2010.
DlNlZ, M. H. Curso de d|re|to c|v|| bras||e|ro.
25ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
DlNlZ, M. H. Cód|go C|v|| Anotado. 14ª Ed.
São Paulo: Saraiva, 2009.