Vous êtes sur la page 1sur 1
5 de fevereiro de 2001 Segunda-feira GERAIS /POLÍCIA E S T A D O D

5 de fevereiro de 2001 Segunda-feira

GERAIS/POLÍCIA

ESTADO DE MINAS Página 23

Tensão entre taxistas da Grande BH

Dois motoristas são mortos em Betim e categoria exige segurança

FRANCIS ROSE

D ois taxistas foram as- sassinados apenas nos últimos quatro dias na Região Me- tropolitana de Belo

Horizonte (RMBH), evidencian-

do a insegurança que cerca a ca-

tegoria. Ontem, em clima de grande tensão e revolta, diver- sos motoristas se uniram aos fa- miliares e amigos que acompa- nhavam o sepultamento de Lin- domar Dias Moreira, 27 anos, desaparecido na última quinta- feira e encontrado morto no sá- bado. Após uma denúncia anô- nima, a Polícia Militar chegou ao bairro Independência, também em Betim, onde encontraram fe- rido outro taxista, Edvaldo Fa- leiro de Aguiar, 35 anos, que morreu no Hospital Regional da cidade. Este ano, três taxistas já mor-

reram após assaltos. “Tudo indi- ca que 2001 será mais violento. Apenas neste início, já temos três mortes. No ano passado, fo- ram oito e em 1999, seis”, la- mentou Marco Antônio Sam- paio, presidente do Sindicato dos Taxistas da RMBH (Sintáxi). Sampaio explicou que, atual- mente, os ladrões agem de for- mas variadas e não têm prefe- rência apenas por motoristas que trabalham à noite. Lindomar era motorista de um táxi especial. Segundo infor- mações do Sintáxi, depois de atender à um chamado, feito por um telefone interno da Prefeitu-

ra de Betim, por volta das 18h30, ele desapareceu. O carro do motorista foi encontrado ain- da na madrugada de sexta-feira, no pátio do Hospital Regional de Betim, com 100 quilômetros percorridos. O corpo foi encon- trado por volta das 20h de sába- do, na MG 50, km 54, no bairro Vianópolis, em Betim, com he- matomas no olho, na face, no tó- rax e no braço, além de perfura- ções na testa, cabeça e nuca.

Justiça

“Queremos justiça e mobiliza- ção das autoridades para encon- trar os responsáveis. Lindomar era taxista há cinco anos”, con- tou seu cunhado, o policial mili- tar Eliseu Júnior. Lindomar era casado há cinco anos e não ti- nha filhos. O irmão do taxista, Sebastião Dias Moreira, 34 anos, explicou que Lindomar re- clamava de segurança, apesar de nunca ter sido assaltado an- teriormente. “A mulher dele es- tá em estado de choque. Minha mãe é hipertensa e está muito nervosa”, disse. Em adiantado estado de de- composição, o corpo precisou ser sepultado ontem, pouco de- pois de ser liberado do Instituto Médico Legal (IML). O enterro no Cemitério do Flamengo, em Contagem, foi acompanhado por centenas de pessoas, entre motoristas de táxi, familiares e amigos. Muitos parentes fica- ram desesperados e precisaram ser amparados.

CENTENAS DE pessoas compareceram ao enterro de Lindomar Dias Moreira e seus familiares, em desespero,
CENTENAS
DE pessoas
compareceram
ao enterro de
Lindomar Dias
Moreira e seus
familiares,
em desespero,
tiveram que ser
amparados
JORGE GONTIJO

Tragédia atinge uma família de motoristas

O outro taxista assassinado

foi Edvaldo Faleiro de Aguiar, 35 anos, que pegou dois passagei- ros no ponto onde costumava trabalhar, na avenida Amazo- nas, em Betim, na noite de sába- do. Após uma denúncia anôni- ma, a Polícia Militar encontrou Edvaldo ferido por arma de fo- go, com um sangramento no ou- vido, no bairro Independência, em Betim. O taxista foi levado para o Hospital Regional de Be- tim, onde morreu no bloco cirúr- gico. Os assaltantes fugiram, le- vando o carro Versailles GTP 7588, e pertences do motorista. Patrícia Maria Silva de Aguiar, familiar de Edvaldo, contou que o taxista trabalhava

à noite, como condutor auxiliar

do pai. “O pai e o irmão dele têm

a mesma profissão e já foram

assaltados diversas vezes. Ed-

valdo reclamava de segurança”, contou Patrícia. Segundo ela, al- guns taxistas do ponto, descon- fiados, recusaram uma corrida. Edvaldo teria dito que conhecia os passageiros e aceitou. Por volta da meia-noite, a fa- mília foi informada que Edvaldo estava em estado grave no hos- pital, com aparelhagem para respiração e sendo submetido a uma cirurgia. “Ele teve morte cerebral às 12h30. O pai dele está internado há 60 dias e nem sabe o que ocorreu”, disse. Ed- valdo era casado e tinha duas fi- lhas, com 6 e 7 anos. O corpo está sendo velado na casa da mãe do taxista, no bairro Ca- choeira, em Betim, e será sepul-

tado hoje no Cemitério Parque das Cachoeiras. O veículo foi en-

contrado na Via Expressa, em Betim. (FR)

RENATO WEIL

Sindicalista critica trabalho da polícia

Marco Antônio Sampaio, presi- dente do Sintáxi, diz que a segu- rança só aumenta quando há mortes. “Sabemos que a profissão sempre vai ter risco. A Operação Pára-Pedro tem cerca de 20 pon- tos em Belo Horizonte, mas o tra- balho precisa ser mais intenso”, critica. Na operação, a PM realiza blitze em diversos locais, específi- cas para taxistas. Ele acredita que falta estrutura da polícia para combater a violência contra a ca- tegoria. “Temos uma bina para rastrear as ligações, mas pode- mos burocratizar o serviço para aumentar a segurança. Uma op- ção é que o táxi especial atenda apenas clientes cadastrados, recu- sando outras corridas”, avisou. Dados do Sintáxi indicam que dois homens sem camisa foram vistos dentro do carro de Lindo- mar, que chegou a pedir ajuda. “A

polícia encontrou restos de cocaí- na no carro. Ao que parece, os la- drões estavam interessados no veículo, porque não é comum que motorista de táxi especial tenha dinheiro em mãos, já que o servi- ço é diferenciado”, explicou. O Sindicato elogia o trabalho dos po- liciais civis de Betim e afirma que uma das linhas de investigação vai partir do telefonema feito da prefeitura. “A polícia também in- vestiga se há ligação entre as mor- tes dos dois taxistas”, diz. O dele- gado responsável pelos dois casos não foi encontrado para falar so- bre o assunto. Na madrugada de sábado, a PM prendeu Lucimar Fernando Carneiro, 23 anos, e outro homem identificado como Lobinho, que assaltavam um taxista em Conta- gem. Os dois homens estavam ar- mados com uma faca. (FR)

Militar assassina mulher

UBERABA RUTE ROCHA SUCURSAL TRIÂNGULO
UBERABA
RUTE ROCHA
SUCURSAL TRIÂNGULO

Está preso no quartel da Polí- cia Militar de Uberaba o cabo- PM Nivaldo Neves, 45 anos de

idade e 25 de polícia, que matou

a própria mulher, Hedilamar

Aparecida Neves, 42, na noite de sábado, com nove tiros à

queima-roupa. O crime ocorreu

às 19h30, em uma casa da pra-

ça Princesa Isabel, bairro São Benedito, para onde Hedilamar correu ao perceber que ele po- deria matá-la. Ela estava na ca- sa de uma das filhas do casal,

onde foi abordada pelo marido, mas se recusou a conversar por- que ele estava armado com uma pistola 9mm. Diante da insistên- cia dele, Hedilamar saiu corren- do, atravessou a praça e entrou na casa de número 102. O cabo conseguiu alcançá-la na garagem. Em depoimento à polícia, Nivaldo Neves disse que ela concordou em conversar desde que ele tirasse a arma, e

que, ao fazê-lo, resolveu tirar também a camiseta para enro- lá-la. Nesse momento, a mulher teria tentado tomá-la, provocan- do os disparos. A polícia vai in- vestigar essa versão, já que He- dilamar foi baleada em várias partes do corpo e teve, inclusi- ve, fratura exposta em um dos braços.

GIROGERAIS

POLÍCIA

POLÍCIA

POLÍCIA

HOMICÍDIOS

O

Comando de Policiamento da Capital (Copom) registrou nove

homicídios da 1h28 de sábado às 22h de domingo na Região Me- tropolitana, a maioria por acerto de contas entre gangues do trá- fico de drogas, como o morador da favela Santa Maria, no bairro Luxemburgo, Alisson Pereira da Silva, 19 anos, assassinado com nove tiros, às 18h de ontem. No bairro Morro Alto, em Vespasia- no, Gelson Vieira Júnior, 23 anos, atirou e matou Natanael Garcia Florêncio, 23 anos, após discussão em mesa de bar. O soldado Wadson, do 1º Batalhão de PM, que estava no mesmo estabeleci- mento, sacou a arma e efetuou dois disparos contra Gelson, que morreu a caminho do Pronto Socorro de Venda Nova. O soldado

Wadson foi autuado na 2ª Delegacia de Polícia. No bairro Vista Alegre, capital, Waldiney Oliveira do Carmo, 21, morreu numa troca de tiros. Seu irmão Warley, 31, também foi baleado, sendo socorrido com vida.

UBERABA

Os presos de Uberaba utiliza- ram seus próprios familiares como instrumento para garan-

tir negociações com a Justiça.

Eles mantiveram todos os visi- tantes - cerca de 250 pessoas - retidos na cadeia pública a par- tir das 11h de ontem e só os li- beraram às 14h30, quando o

juiz Marcos Flávio Padula pro- meteu empenho para atender suas reivindicações para redu- zir a população carcerária. A cadeia pública de Uberaba tem capacidade para 70 presos e ontem havia 157.

BETIM

Carlos Rodrigues Almeida e a namorada Altnéia Pereira Prates, 26 anos, trafegavam às 23h de sábado na BR 381, perto de Betim, quando a mo- to Honda CG, placa GOQ 8335, de Betim, conduzida por Carlos, tombou na pista. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a moto foi esmagada por uma carreta Scânia, cujo motorista fugiu sem prestar socorro. O casal morreu na hora. Os corpos foram retira- dos ontem do Instituto Médi- co-Legal pelas famílias.

dos ontem do Instituto Médi- co-Legal pelas famílias. Capota o carro, atropela e mata A Nissan

Capota o carro, atropela e mata

A Nissan Pathfinder com placa CLL 5656, de São Paulo, capotou, ontem de manhã, na avenida Carlos Luz, próximo ao Shopping Del Rey. Depois de perder a roda traseira, o veículo ficou descon- trolado, bateu em um poste, ca- potou e atropelou as pessoas que estavam na calçada. Janine Ema- nuele de Souza, 15 anos, foi atin- gida pelo carro e morreu no local. Daiane Pereira de Souza, 13, e Elisângela de Jesus, 10, ficaram feridas e foram atendidas no Hos- pital João XXIII. No momento do acidente, cerca de sete pessoas estavam no ponto. O veículo era conduzido por Célio Laurindo da Silva, 21 anos, que sofreuferimentos leves. Aten- dido no Hospital Municipal Odi- lon Behrens, ele recebeu alta em seguida. Segundo Natividade Fer- reira, que assistiu ao acidente, o motorista estava em alta veloci- dade. “Escutei o barulho e fiquei assustada”, descreveu. Os bom- beiros chamaram a atenção para os pneus do veículo, carecas. Janine estava no ponto de ôni- bus em companhia das irmãs, Eli- sângela de Souza Rosa, 27, Gea-

companhia das irmãs, Eli- sângela de Souza Rosa, 27, Gea- JORGE GONTIJO BOMBEIROS CHAMAM atenção para

JORGE GONTIJO

BOMBEIROS CHAMAM atenção para pneus carecas do veículo

ne, 12, e o filho de Elisângela, Sanderson, 1. Daiane e Elisângela de Jesus caminhavam no passeio e tiveram escoriações e fraturas. “Eu estava no ponto e assisti a tu- do. Minha irmã pediu que a Daia- ne e a Elisângela fossem à pada- ria. Quando vi o carro, saí gritan- do para ver minhas sobrinhas, caídas debaixo do carro. Elas ten- taram correr, mas não consegui- ram”, contou outra testemunha, Selma Francisco Xavier, 20 anos.

O veículo foi apreendido e o con- dutor encaminhado ao Detran. Célio, morador do bairro Bandei- rantes, não foi encontrado para falar sobre o caso. No bairro Floramar, o Monza com placa GMW 5659 capotou na madrugada de ontem. O motoris- ta Demétrios Ferreira de Almei- da, 22 anos, morreu no local. O passageiro Leonel Sandro dos Santos, 20 anos, ficou ferido e foi atendido no HPS. (FR)

Briga e põe fogo em ônibus

SANDRA KIEFER

Uma briga entre marido e mulher, ontem, no bairro Gor- duras, acabou servindo para mostrar a amplitude do esque- ma dos perueiros na capital. Após um desentendimento com Suely, o perueiro José Alves Tei- xeira ateou fogo no ônibus de cor amarela, placa QOE 1103, que estava registrado em nome dela. O veículo teve perda total. Há alguns meses, Teixeira perdeu o emprego como moto- rista de ônibus e decidiu ofere- cer o transporte de passageiros por conta própria, na região do Gorduras. Suely ajudava o mari- do, na função de “trocadora”. Além de kombis e Vans, a “pe- ruagem” já está se utilizando de ônibus para fazer o transporte clandestino. De acordo com as entidades de representação dos perueiros, cerca de 3 mil peruas circulam em BH.

Ontem, pela manhã, o casal iniciou uma briga e Teixeira perdeu a cabeça, provocando um incêndio no ônibus, esta- cionado a alguns quarteirões de sua residência. Os bombei- ros foram acionados, mas não conseguiram controlar o fogo. Ninguém saiu ferido, pois o

veículo estava vazio. O casal foi preso e levado pa- ra a Seccional Centro, sendo li- berado horas depois, já que Suely retirou a queixa contra o marido. Segundo a irmã dela, Irani de Oliveira, os dois vivem brigando, por motivo de ciúmes de Teixeira em relação à mulher.

por motivo de ciúmes de Teixeira em relação à mulher. JORGE GONTIJO ÔNIBUS DO perueiro teve

JORGE GONTIJO

ÔNIBUS DO perueiro teve perda total com o incêndio

Revolta por morte de menina

MONTES CLAROS LUIZ RIBEIRO
MONTES
CLAROS
LUIZ RIBEIRO

SUCURSAL NORTE

A polícia encontrou, às 20h de ontem, o corpo da menina Talita Greice Oliveira Braga, sete anos, desaparecida de sua casa, no Conjunto Habitacional Joaquim Costa, em Montes Claros, na ma- drugada de sábado. Talita estava num quarto de uma casa, perto de sua residência, com marcas de que também foi estuprada antes de ser estrangulada. Talita foi encontrada na casa do ex-presidiário José Welton Cardoso Santos, 35 anos, conde- nado por homicídio e furtos e que estava em liberdade condi- cional. Ele foi preso sábado, e conforme a ocorrência policial, disse que um menor, que ele co- nhece, avisou que pegaria Talita para vendê-la e que, caso não conseguisse, a mataria e jogaria

o

corpo dentro de uma cisterna.

O

menor foi apreendido e negou

envolvimento na história. Na delegacia, José Welton dis- se que inventou a história por- que havia sido pressionado pe- los militares, negando desconhe- cer o paradeiro de Talita. Mas, à noite, a polícia localizou a casa onde José Welton mora, encon- trando a menina morta lá den- tro. ‘‘Não temos dúvida de que foi José Welton o autor do crime’’, afirmou o delegado Wili- lam César Rocha, ontem à noite. Na mesma casa, a polícia en- controu cerca de 500 gramas de maconha e um caderninho, com uma lista de nomes, que seriam possíveis fregueses de José Wel- ton. O corpo da menina foi en- contrado nu, estirado no chão. Enquanto os policiais vistoria- vam os cômodos do imóvel, do lado de fora, concentravam-se centenas de pessoas. Eles entoa- vam o coro: “Queremos o bandi- do, queremos o bandido”. O de- legado Willian César Rocha pe- diu reforço, temendo uma tenta- tiva de linchamento do suspeito.