Vous êtes sur la page 1sur 13

Gênesis - Bereshit 1:26

E disse D'us: Façamos homem à nossa imagem segundo a nossa semelhança; e


que domine sobre o peixe do mar e sobre a ave dos céus, e sobre o quadrúpede e
em toda a terra, e em todo réptil que se arrasta sobre a terra!(Gênesis 1:26)

Para justificar a teoria "deus pai, deus filho e deus espiríto santo" os
missionários fazem uso corrente deste versículo para justificar Jesus, de Nazaré
para os judeus. Maquiavelicamente dizem que "façamos" se refere a D'us e
Jesus (sentado ao lado) negando a unicidade de D'us.

As dúvidas que geralmente são suscitadas por este versículo são:


a - Com quem D'us estava falando? Com certeza não era com Yeshua! A Torá
quer dizer (D'us não o permita) que há mais de um D'us? Alguns dizem que D'us
estava falando com os anjos - mas quem mencionou os anjos? Outros dizem que
era um exercício de humildade. Mas D'us é humilde? Por que deveria ser? Existe
uma explicação simples e uma interpretação coerente para este versículo?

b - D'us tem uma imagem?

c - O que significa a repetição: "à nossa imagem, nossa semelhança"?

d - D'us criou o homem apenas para que fosse poderoso? - "dominará os


peixes...". Tenho certeza de que D'us poderia pensar em um propósito melhor
para o homem!

Façamos...
D'us estava falando para todas as forças da criação que Ele trouxe a existência
1(Targum Yonatan; Ramban).

Agora que todos os ingredientes da criação tinham sido completados, todos


participariam na criação do homem, a coroação da criação.

Alguns tradutores interpretam "nós" como apenas sendo algo de sentido


majestático, e traduzem o versículo assim, "Eu farei o homem à Minha
imagem"2(Ibn Ezra)

É comum o uso verbal plurálico no hebraico para a pessoa no singular, como


por exemplo quando diz Manoá 3(Juízes 13:15) "...Deixa que te detenhamos...",
ou Daniel 4(2:36) "Este é o sonho; agora diremos ao rei..." referindo-se a si
próprio. Assim em diversos outros casos.

Façamos homem...
5Bereshit Rabá comenta que D'us se "aconselhou" com os anjos sobre a
conveniência ou não de criar o homem.

"Façamos um homem" - traduz 6Rashi; Comenta que aqui D'us já nós dá uma
lição (ensinamento), o da modéstia, quando Ele diz "façamos". Se o homem
fosse criado à semelhança dos anjos, estes poderiam ficar enciumados dele
(homem), por isso, aconselhou-se com eles. E quando julga os Reis, aconselha-
se com Sua corte, conforme vemos no caso de Ahab a quem disse Mihá 7(Reis I
22:19): "Vi o Senhor sentado em Seu Trono, e todo o exército dos céus parado
perto d'Ele, à Sua direita e à Sua esquerda". E por acaso existe "direita" e
"esquerda" diante D"us? Claro que não! Apenas significa que aqueles da direita
são para defender e aqueles da esquerda para acusar. E igualmente em: "Este é o
decreto pronunciado pelos anjos, e esta sentença é a palavra dos santos" (Daniel
- 4:14). Aqui também com Sua corte obteve permissão, dizendo: "Há nos
mundos superiores [seres] conforme a Minha semelhança; se não houvesse
conforme a Minha semelhança nos mundos inferiores, eis que haveria ciúmes
entre os seres da criação" [do homem], Ainda que os [anjos] não tenham
ajudado na sua criação [do homem], e há lugar para os hereges discordarem
pelo uso do plural "nós", a Escritura não se absteve de nos ensinar o respeito e
a virtude da humildade: que o maior deve se aconselhar e pedir permissão ao
pequeno. E se na Torá estivesse assim: "Farei o homem" ou "Fiz o homem", não
aprenderíamos que [D'us] estava falando com Sua corte celestial, mas apenas
consigo mesmo. E a resposta para os hereges está descrita no versículo
seguinte:"criou D'us o homem", e não foi escrito "e eles criaram".

Mas algumas dúvidas continuam, correto? O problema começa logo na


tradução.

Esta tradução não apenas é incorreta, como também presume que o leitor
entende seu contexto. Portanto, eis aqui a tradução correta e o
contexto:

"E D'us disse: 'Modelemos [D'us e as Criações] a humanidade em nossa


essência, então ele será como nós, e [somente então] eles [a raça humana]
dominarão os peixes do mar, as aves do céu e os animais, e toda a terra, e tudo
que se mover sobre a terra.'"

O homem é a única criatura a ser apresentada individualmente na cena, porque


o Homem é o ponto alto da criação. Tudo foi criado para ele e seu uso. Está
subentendido que o Homem é portanto considerado responsável por suas ações,
pois estas afetam não apenas a ele, como também todas as criaturas de D'us. O
Homem não foi feito "segundo sua espécie" como um animal, em grandes
quantidades, mas "... à Nossa imagem" como D'us, como um único
indivíduo. Assim como D'us é Um, assim também o homem foi criado Um.

Com quem D'us estava falando?


A resposta é simples: D'us estava falando com a mesma entidade com quem
falou nos dias precedentes - o universo inteiro! D'us na verdade está dizendo:
"Que o cosmos (e tudo que nele existe) e Eu façamos o homem."

O ser humano é a mais complexa de todas as criaturas. Sua existência é uma


batalha constante de forças opostas puxando-o em direções diferentes. Não
admira que o homem seja a única criatura que busca a terapia! Sua dualidade se
estende até os extremos de todos os espectros: desde a fúria infundada até atos
absurdos de bondade, da inspiração enérgica à depressão patética, da crueldade
ao altruísmo, da consciência à indiferença, da espiritualidade ao materialismo.
É como se todas as forças da natureza estivessem comprimidas em uma
pequena criatura chamada Homem. Mas isso é exatamente o que este versículo
nos diz.

D'us tem uma imagem?


Não: "Pois não viste nenhuma imagem" (Devarim 4:15), e "A quem podes Me
comparar: a quem Eu serei igual?" (Yeshayáhu 40:25). Quando o versículo diz
"imagem," isso significa "essência," querendo dizer que o homem foi criado
da essência do cosmos, e da essência de D'us. O homem tem em si um aspecto
de tudo da criação: todo animal tem sua contraparte no homem, assim como
cada mineral e elemento.

Porém o homem é também da essência de D'us, como está explicado no próximo


versículo: (Bereshit 1:27): "... na essência de Elokim Ele o criou." A
costumeira má tradução erra ao traduzir: "à imagem de D'us Ele o criou" -
mas não foi o que acabamos de ler? O que a Torá está nos dizendo é que o
homem foi feito similar a Elokim, (um dos nomes Divinos, que significa "juiz.")
Em outras palavras: "À imagem do Juízo Ele o criou." Ter a "imagem" de D'us
significa não apenas possuir ânsias espirituais como somente o Homem possui,
como também a habilidade de julgar entre opções moralmente boas ou más.

Qual o significado da repetição: "À nossa imagem, nossa


semelhança"?
A razão pela qual o homem foi feito da essência do cosmos e da essência de D'us
é que ele deveria ser "como" ambos, portanto a repetição. Embora o homem
tenha recebido o potencial para conseguir este equilíbrio em sua vida, isso
permanece exatamente assim: potencial. Cabe ao homem agir sobre isso. D'us
deseja que o homem equilibre o corpo e a alma. Se o homem mergulha apenas
no materialismo, será devorado por aquilo que o cerca: as forças da natureza, os
animais e as outras pessoas. Por outro lado, se afasta completamente suas
necessidades físicas para se concentrar apenas nas espirituais, torna-se inútil ao
Plano de D'us. O homem deve dar tratamento igual aos seus lados terreno e
espiritual. Para ficar acima da Criação, o homem deve ser a "imagem" do
cosmos e a "semelhança" de D'us. Por esta razão lê-se: "pois ele será como
nós..." o que nos leva até o esclarecimento da pergunta seguinte.

D'us criou o homem para que ele pudesse "dominar os peixes..."?


Estou certo de que D'us poderia ter pensado em um propósito melhor para o
homem!
Continuaremos aqui dentro do contexto de "qual o significado da repetição: ""a
nossa imagem, nossa semelhança", "... e [somente então] eles [a raça humana]
dominarão os peixes do mar, e as aves do céu e os animais e tudo sobre a terra,
e tudo que se mover sobre a terra." Quando o homem atinge este já mencionado
equilíbrio entre o material e o espiritual, ele na verdade "domina os peixes do
mar..." e toda a matéria física (exceto outras pessoas!). Ele demonstra que está
um ponto acima deles... e atinge o próprio pináculo da Criação, tornando-
se um parceiro do Próprio D'us na Criação.

Portanto, o que você realizou para o mundo hoje?

Bibliografia:
Livro de Reis I com comentários do Rabino Avraham Blau, Editora Maayanot.
A Torá Viva, anotado por Rabino Aryeh Kaplan, Tradução Adolpho Wasserman, Editora
Maayanot.
Torá, a Lei de Moisés, Tradução Rabino Meir M. Melamed, enriquecida com comentários do
rabino Menahem M. Diesendruck, editada por Jairo Fridlin, Editora Sefer.
Dicionário Português/Hebraico - Hebraico/Português, Editora Prolog.
Dicionário Português/Hebraico - Hebraico/Português, Abraham e Shohana Hatzamri, Editora
Sefer.
Dicionário Aramaico-Hebraico, Esra Tsion Melamed.
O Caminho de D'us, Moshê Chaim Luzzatto, anotado por Aryeh Kaplan, Editora Maayanot.
Or Hachayim, Rabino Israel Lipschitz, tradução e comentários de Aryeh Kaplan, Maznaim
Publishing Corporation.
Mishnaiot Mevoarot Kehati, com os comentário do Bartenura.
Revista Chabad News, Nº 296, 5763.

*Notas
1 - Tradução para o aramaico da Torá, atribuída a Yonatan ben Uziel; Outras fontes referem-se
a essa tradução como Targum Yerushalmi; Hai Gaon escreve que é de origem desconhecida.
2 - Avraham (ben Meir),Nasceu em Toledo, Espanha, e foi um especialista em gramática,
filosofia, astronomia, matemática e poeta, 1080-1164.
3 - O Livro de Juízes com comentários do Rabino Avraham Blau, Editora Maayanot.
4 - Bíblia Hebraica, Baseada no Hebraico e à luz do Talmud e das fontes judaicas, David
Gorodovits e Jairo Fridlin, Editora Sefer.
5 - A mais importante parte da coleção conhecida como Midrash Rabá, que trata do Livro de
Gênesis.
6 - Rabeinu Shlomo (ben Itschak) Yarchi, 1040-1105.

Gênesis - Bereshit 6:2


"E viram os filhos dos senhores que as filhas do homem eram
formosas, e tomaram para si mulheres de todas as que
escolheram."

Missionários utilizam com freqüência este versículo para dar suporte a crença
da trindade para a partir daí ter precedentes para que se possa encaixar uma
segunda crença - totalmente estranha ao Judaísmo - humanos sendo
impregnados por anjos e seres celestiais.

Filhos dos senhores...


Algumas traduções apresentam assim o versículo:
E viram os filhos de D'us que as filhas dos homens eram formosas; e
tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.

filhos de D'us, de acordo com alguns, esses foram anjos caídos (Josefus
1:3:1)1; outros dizem que são os descendentes de Set (Ibn Ezra)2 ;

filhos do senhores, são os "filhos dos governantes" ou "juízes".3

A palavra Elokim é singular quando se refere a D'us e significa "juízes" como em


Êxodo 21:30 ou "anjo" em Tehilim 82:6 etc.
Benê ha-Elohim - significa príncipes ou filhos dos nobres da Terra. Onkelos na
versão em aramaico e Yonatan ben Uziel traduzem como "filhos dos grandes". O
termo 'nefilin' (que aparece logo adiante) refere-se a eles, provindo da raiz
verbal nafal=cair, pois desceram de sua grandeza.

Missionários aplicam o termo 'nefilin' aos filhos do conúbio. Justificam tratar-


se de uma mescla entre anjos com seres humanos e daí o precedente para
justificar a impregnação de um personagem da literatura cristã por um anjo.
Anjos não são seres humanos, não possuem sexo ou desejos carnais. O
argumento também não encontra respaldo nos versos em hebraico que deixam
claro tratar-se de outra coisa.

Notas
1 - Flávio Josefus, também conhecido como Yossef ben Matashyahu, cerca de 38-100;
2 - Avraham ben Meir, 1080-1164;
3 - Rashi, Rabeinu Shlomo ben Itschak Yarchi, 1040-1105;

Gênesis - Bereshit 10:2


Os filhos de Jafet foram: Gomer, Magog, Madai, Iavan, Tuval, Meshech e
Tirás".

Magog...
Magog, povo da antiguidade de difícil identificação.
Missionários ao distorcerem profecia de Ezequiel cap. 38 e 39 insistem ser
Magog os russos.

Provavelmente um povo teutônico, vivendo no norte da Terra Sagrada (Ezequiel


38:2). Algumas fontes identificam Magog com Germânia (Targum em Crônicas
1, 1:5; Pesikta Zutrata), outras os identificam com os goths (Yerushalmi,
Meguilá 1:9). Havia um povo teutônico que migrou para Scitia, no que agora é o
sudoeste da Rússia. Porém, não há contradição quando algumas fontes
identificam Magog com a Scitia (Josefus; Yomá 10a, de acordo com Rabenu
Chananel). Histórias antigas relatam que os scitios vieram da Ásia, arrastados
pelos massagates (Meshech), e assentaram perto dos cimérios (Heródot 4:11).
Lingüisticamente, os scitios estavam relacionados com os persas (iranianos) e
daí, aos medas. É significativo que havia uma tribo persa conhecida como
germanos (Heródoto 1:125). Outras fontes notam que Magog pode denotar os
mongóis, cujo o nome pode ser uma corrupção de Magog. Realmente, escritores
árabes se referem à Grande Muralha da China como a "muralha de al Magog"
(Rabino Aaron Marcus, Kesset HaSofer, p.112a). Outras fontes antigas
concordam que Magog viveu no norte do Mar Negro (Yov'lot 9:8)

Meshech...

Rav. Saadia traduziu como "Khrassan", povo que habitara na antiguidade o


território oriental da Pérsia - atual Irã - na idade média, desde do grande
deserto até os montes fronteiriços com a Índia. "Krassan" em persa antigo
significa: A "Terra Oriental". Missionários encontraram nesse nome a raiz do
nome da capital russa (Moscou), por ser um dos outros nomes lembrados onde
esperavam um ataque russo em massa sobre Israel. (apoiando-se em Ezequiel
38 e 39)

Um reino do nordeste; Ezequiel 38;2, 27:13; Salmos-Tehilin 120:5. A maioria


das fontes talmúdicas identificam Meshech com Misia (Targum Yonatan;
Targum em 1 Crônicas 1:5; Yerushalmi, Meguilá 1:9; Yomá 10a; Buber em
Pesikita Zutrata 26a). Era uma terra a oeste da Bitínia, ao longo do Dardanelos
(Helesponto) e Mar de Mármara (Yov'lot 9:12; Heródoto 7:42, 74). Eles podem
ser associados a Micenas, uma antiga cidade na Grécia. Josefus, no entanto,
associa MEshech com a Capadócia, cuja a capital era Mazaka, no que é agora a
Turquia Central. é muito próximo a Galatia (Gomer). Outra possibilidade é
identificar Meshech com os massagates, um povo antigo que viveu na Rússia ao
leste do Mar Aral (Herodóto 1:201). Foi esse povo que empurrou os scitios para
a Ciméria. É possível identificar Meshech com os moschianos, mencionados em
fontes antigas (Heródoto 7:78). O nome pode ser relacionado ao rio Muskeva, e
daí Moscou. Realmente, há fontes que dizem que Meshach foi o ancestral dos
eslavos (Kesset HaSofer)

O Talmud descreve o período imediatamente anterior ao advento de Mashiach


como uma época de grande conflito. Haverá uma recessão mundial e os
governos serão controlados por déspotas. Será nessa situação problemática que
se dará a vinda de Mashiach.

Há uma tradição de que ocorrerá uma grande guerra, chamada a guerra de Gog
e Magog, e há muita especulação sobre a hora exata desta guerra em relação à
chegada de Mashiach. Mas tudo que se fala sobre este evento (a guerra), quando
e com quem é mera especulação. A afirmação missionária de que a guerra
acontecerá contra a Rússia é mera conjectura visto claramente a
impossibilidade de se afirmar e identificar com certeza quem eram os magog's.

O contraditório desta interpretação missionária é que afirmam com toda


certeza que a guerra acontecerá. Mas se a guerra vai preceder Mashiac como
explicar Jesus, de Nazaré?

Há uma tradição de que o Profeta Eliyáhu virá ao mundo anunciar a chegada


iminente do Mashiach. No entanto, segundo outras opiniões, Mashiach pode
chegar sem ser anunciado. Eliyáhu viria então para ajudar no processo de paz.
Alguns sugerem que se Mashiach chegar em seu tempo predestinado, então
Eliyáhu anunciará sua chegada, mas se Mashiach vier de repente, então Eliyáhu
aparecerá depois que Mashiach vier.

Não está claro a natureza destes eventos, tudo que se fala é boa especulação
visto que ninguém realmente sabe como será a Era de Mashiach.

Gênesis - Bereshit 15:2 - 16:12 - 17:19


"E disse Abraão: Eterno D'us! Que darás a mim? Eu ando sem filhos herdeiros e
o encarregado da minha casa é o damasceno Eliezer."(Gênesis 15:2).
Várias traduções da Torá em língua portuguesa inclusive João Ferreira de
Almeida - Edição Revista e Atualizada - traduzem assim este versículo:"Então
disse Abrão: Ó Senhor Deus, que me darás, visto que morro sem filhos, e o
herdeiro de minha casa é o damasceno Eliezer"(Gênesis 15:2)

...e o herdeiro...
A tradução aqui está errada, no original é capataz, gerente ou algo equivalente.
O termo "ben-mêshek" usado aqui é da mesma raiz que o utilizado por Faraó a
Jose (veal pikha...), ver Gênesis 41:40. O termo correto para herdeiro é "ioresh."

...que me darás, visto que morro sem filhos...


Não tem como tentar entender a presença do verbo morrer, somente como um
acréscimo (desnecessário). É bom alertar que da forma que a frase foi traduzida
dá entender falta de fé de nosso patriarca Abrão, fugindo do sentido real do
original hebraico, já que a Torá ilustra de forma veemente a fé de Abraão no
Eterno.

Rashi traduzi assim:

" E disse Abrão: 'Oh, Eterno D'us, o que darás a mim, eu ando sem filhos e o
encarregado de minha casa é Damessec'."(Bereshit 15:2).

Gênesis - Bereshit 18:20

E Malki-Tsédec, rei de Shalém, trouxe pão e vinho; e ele servia ao D'us


Altíssimo. E o abençoou e disse: Bendito seja Abrão do D'us Altíssimo, Criador
dos céus e da terra,(...)

Malki- Tsedec...

Usualmente transliterado como Melkizedek, literalmente, "Rei Justo" ou "Rei


Tsedek". É identificado pelos sábios como Sem, o filho de Noé (Targum
Yonatan;Nedarim 32b Enoch 2 25:36). Tsedek era um nome de Jerusalém, e
Malki-tsedek era o título dado ao seu rei, como Faraó no Egito.

...ao D'us Altíssimo...

Em diversos casos na antiga Canaã o rei exercia também a função de sacerdote.


Missionários com base em textos não judaicos, criaram, firmando-se no
significado dos termos que compõe o nome (D'us Altíssimo), distorções e
ensinamentos contrários a Torá.

...o Criador dos céus e da terra...

O termo traduzido aqui como "criador" não transmite o sentido do original


hebraico pois "konê" indica domínio, e não criação, como aparece na maioria
das traduções portuguesas.

Assim fez Rashi: "O possuidor dos Céus e da terra".


O mais apropriado seria traduzir como "o Rei dos Céus e da Terra", e assim o fez
o Gaon1 usando o termo "málik", rei em árabe.

Nota

1 - Tradução para o árabe da Torá por Saadia (ben Yossef) Gaon, 882-942. Foi publicado
primeiro em Paris em 1893, e como Keter Torá ou 'Talf', em Jerusalém 1894-1901. O autor foi o
maior sábio do período gaônico, e como chefe da yeshivá de Pumbedita foi líder do mundo
judaico. Seu Emunot VeDeiot é considerado um dos mais importantes trabalhos em filosofia
judaica.

Gênesis - Bereshit - 22:18 - 23:1 - 29:17 - 35:7


" ...E se abençoarão, em tua semente, todas as nações da terra; porque ouviste a
minha voz" (Gênesis - 22:18)

...todas as nações da terra...


Refere-se ao povo de Israel, e especialmente no Reinado Messiânico (mas, não
unicamente), quando todos os gentios chegarão ao conhecimento de D'us e
tornarão à prática dos preceitos dados a Noé depois do dilúvio, abandonando
assim suas práticas idólatras (como adoração de pseudos deuses) em
cumprimento de Zacarias 8:23.

______________________________________________

"Ora, os anos da vida de Sara foram cento e vinte e sete" (Gênesis 23:1)

Em hebraico está escrito: cem anos, e vinte anos, e sete anos. Disse Saadia Gaon
que assim foi colocado para que entendamos que aos cem era forte como se
tivesse vinte anos, e aos vinte era como uma menina de sete anos em santidade,
e aos sete era como uma mulher de vinte anos no que pertine à compreensão e
entendimento, e que aos vinte anos era como uma pessoa de cem anos no que
concerne à busca de fazer boas ações. O escrito nos faz saber desta divisão, para
que sigamos o exemplo.

Gênesis - Bereshit 49:3-4 - 49:6 - 49:18 e 22


Rubem, tu és meu primogênito,minha força, e o princípio de minha virilidade,
proeminente em dignidade e proeminente em poder.(Gênesis 49:3)

O princípio de minha virilidade...

Rashi comenta que se trata da primeira gota de sêmen, visto que ele não teve
impureza em sua vida não jogando sêmen em vão.
...proeminente em poder.

"leter'az" não significa em hebraico o que aqui está traduzido. O termo 'az' é a
qualidade do tigre, indicando intrepidez, audácia. É algo que diferencia o tigre
dos demais animais, mesmo dos demais felinos. A audácia e a intrepidez podem
ser derivados do modo de agir impensado, inconseqüente, é o caso de Rubens.
Porém, todos os seres humanos tem tendências, e o que é importante é saber
usá-las para o bem. Pode ter esta qualidade, por exemplo, e usá-la para cumprir
os preceitos da Torá.
_____________________________________________

Como te apressaste como as águas, não terá estas vantagens; porque subiste à
cama de teu pai e então profanaste seu leito. (Gênesis 49:4)

João Ferreira de Almeida traduziu assim este versículo:

Descomedido como a água, não reterás a preeminência; porquanto subiste ao


leito de teu pai; então o contaminaste. Sim, ele subiu à minha cama.

...não reterás...

Em hebraico "não retenhas". É forma imperativa, não futura. Ou seja: admoesta


para o bom uso da preeminência. Daqui entendem os sábios que o que fez foi
retirar a cama de casal, por zelo por sua mãe, posto que queria seu pai vir à
escrava de Raquel em lugar de entrar Léa, sua mãe, e foi tido como se houvesse
feito o que diz aqui, devido à audácia desrespeitosa. Duas provas podem ser
dadas a respeito: primeiro, o escrito aqui, pelo modo como aparece no original
hebraico, no qual nota-se também elogio pelo que fez, pois aparece no
imperativo que continue sendo assim. Segundo: se houvesse ocorrido o que diz
realmente, recairia sobre Jacob a obrigação de julgá-lo e condená-lo segundo as
leis noachidas.

...então o contaminaste...

Tradução errônea visto que o correto é: "então profanaste"

...não terá estas vantagens...

Por causa de sua impetuosidade, a primogenitura foi passada a José, o reinado


para Judá e o sacerdócio para Levi.

_____________________________________________

No seu concílio não entres, ó minha alma! com a sua assembléia não te ajuntes,
ó minha glória! porque no seu furor mataram homens, e na sua teima
jarretaram bois. (Gênesis 49:6)
...jarretaram bois...

Em hebraico, "um touro", e refere-se a José, que adiante é comparado a um


touro em sua benção tribal. Quase deram fim as tribos de Efraim e Menachê
com o assassinato premeditado, ou com a venda de José ao Egito.
_____________________________________________

A tua salvação tenho esperado, ó Senhor! (Gênesis 49:18)

...tua salvação...

A palavra "iechu'a" não tem a mesma conotação a ela aplicada por missionários.
Significa socorro, ou ainda, ajuda. Aqui disseram os sábios que pedia clemência
para o que dissera no princípio do capítulo, que desejava revelar o futuro de
Israel a seus filhos, para que D'us o permitisse. Por isto, vem intercalado entre
as benção.
_____________________________________________

José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto a uma fonte; seus raminhos se
estendem sobre o muro. (Gênesis 49:22)
Aqui não é tão fácil e simples a tradução. Existe pelo menos três possibilidades
de tradução nesta frase, e incrivelmente todas diferentes uma da outra, e esta é
uma delas. Isto no que concerne à segunda parte. Na primeira parte é ainda
mais complexo pois, a primeira parte do verso é menos clara ainda.
Êxodo - Shemot - 36:6

E ordenou Moisés, e fizeram passar uma voz pelo acampamento, dizendo:


Nenhum homem e nenhuma mulher faça mais obra alguma para a oferta
separada à santidade. E cessou o povo de trazer. (Êxodo 36:6)

Nenhum homem e nenhuma mulher faça mais obra alguma..

Isto ensina que carregar é considerado um trabalho. (Yerushalmi, Shabat 1:1;


Chizkuni)

...E cessou o povo de trazer...

Rashi explica que em hebraico é uma expressão de retenção.

A tradução de Almeida dá a seguinte redação:

Pelo que Moisés deu ordem, a qual fizeram proclamar por todo o arraial,
dizendo: Nenhum homem, nem mulher, faça mais obra alguma para a oferta
alçada do santuário. Assim o povo foi proibido de trazer mais (Êxodo
36:6)

Assim o povo foi proibido de trazer mais...


Em hebraico: o povo cessou de trazer. Isto foi dito na véspera de sábado, pelo
que sabemos ser proibido portar objetos no Shabat. A tradução de Almeida
dificulta muito a compreensão do assunto pois sempre houve dádivas, também
após esta ordem de Moisés, e mesmo após a construção do primeiro e segundo
Templo. Os judeus tem muitas leis acerca de tais ofertas para todas as gerações.
O trabalho (melachá) interrompido aqui foi o de portar, não o de encerrar os
sacrifícios, como ensinado pelos missionários para justificar o sacrifício humano
de Jesus, de Nazaré - proibido pela Torá. Como todas as leis de Shabat são
aprendidas do levantamento (construção) do Tabernáculo, esta também se
tornou uma das ações proibidas em Shabat.

O que percebemos é que o versículo no seu contexto, não tem a interpretação


dada por missionários para justificar algo que não entra no ambiente do texto.

Deuteronômio - Devarim 18:15


Missionários ensinam que o texto Devarim - Deuteronômio 18:15 é uma
referência a Jesus, de Nazaré, no entanto trata-se do uso distorcido das
Escrituras Hebraicas.

O problema começa na tradução missionária:

Deuteronômio 18:15:
Javé seu Deus fará surgir, dentre seus irmãos, um profeta como eu em seu meio,
e vocês o ouvirão.
Velho Testamento - Versão on-line Adventistas do Sétimo Dia

Deuteronômio 18:15
O Senhor, teu Deus, te suscitará dentre os teus irmãos um profeta como eu: é a
ele que devereis ouvir.
Velho Testamento da Bíblia Católica Ave Maria Nova

Deuteronômio 18:15
Do meio de vocês Deus escolherá para vocês um profeta que será parecido
comigo, e vocês vão lhe obedecer.
Velho Testamento de João Ferreira de Almeida.
Versão Nova Tradução na Linguagem de Hoje

Deuteronômio 18:15
O Senhor, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos,
semelhante a mim; a ele ouvirás,
Velho Testamento João Ferreira de Almeida.
Versão Revista e Atualizada

Deuteronômio 18:15
O Senhor, teu Deus, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos,
como eu; a ele ouvireis;
Velho Testamento João Ferreira de Almeida
Versão Revista e Corrigida
Acima, várias traduções não judaicas da Torá. Insistem que este versículo é uma
profecia sobre a vinda de Jesus. Imaginemos hipoteticamente só por um
instante que o texto estivesse fazendo alusão a um único profeta, surgiria três
inconvenientes:

1º - Jesus não foi profeta;


A profecia apenas pode existir em Israel quando a terra for habitada por uma
maioridade de judeus. Durante o tempo de Ezra (cerca de 300 AEC), a maioria
dos judeus recusou-se a mudar da Babilônia para Israel, e assim a profecia
terminou com a morte dos três últimos profetas - Ageu, Zacarias e Malaquias.

2º - Israel teve vários homens sábios;


Qual deles a profecia na Torá estaria se referindo? Poderíamos encaixar neste
versículo qualquer pessoa.

3º - O texto não judaico só fala de um profeta ;


Então devemos concluir que todos os outros profetas do Tanach não foram de
fato profetas, pois pela alegação missionária o texto é uma referência a Jesus.

No entanto o problema não é este, o versículo está adulterado e incompleto

A Torá, em traduções portuguesas, baseadas no hebraico, apresenta o mesmo


versículo desta forma:

Devarim 18:15 (Deuteronômio)


Profeta do meio de ti, dentre teus irmãos, como sou eu, te fará surgir o Eterno
em todas as gerações; a ele ouvireis.
Tora - A Lei de Moisés – Rabino Meir Matzliah Melamed.

Devarim 18:15 (Deuteronômio)


Profeta do meio de ti, dentre os teus irmãos, como sou eu, o Eterno te fará surgir
em todas as gerações; a ele ouvireis.
Torá Sefer - Rabino Marcelo Borer

Devarim 18:15 (Deuteronômio)


Profeta do meio [de] ti, entre [seus] irmãos, [da mesma forma] como eu sou, O
Eterno fará [surgir] em todas as gerações; e [a] ele ouvirás.
Chumash - Rabino Motel Zajac - 1ª edição.

Em todas as traduções missionárias, foi omitido o "em todas as gerações".

Perguntas que inevitavelmente o judeu deve fazer: por que e para que ?

Quando diz em todas as gerações, a profecia se cumpriu, pois Israel teve 48


profetas, incluindo muitas mulheres como Sara, Miriam, Dvora, Hana, Abigail,
Hulda e Esther.

A profecia não é, sobre nenhum aspecto, referência a Jesus, principalmente por


que se verifica que uma parte muito importante do texto foi omitida.