Vous êtes sur la page 1sur 1

03/06/2009 – 12:30

Um Airbus da Air France desapareceu na noite do último domingo, dia trinta e um de


maio, próximo da costa brasileira. Cerca de duzentas e vinte e oito pessoas estavam a
bordo, entre elas cinqüenta e oito eram brasileiros. O vôo 447 saiu do Aeroporto
Internacional Tom Jobim, no rio, às dezenove horas, tendo como destino Paris. De
acordo com informações do CINDACTA, Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle
de Tráfego Aéreo, o avião perdeu contato com os radares por volta das vinte e três
horas de domingo. Informações apontam que o sinal foi perdido após a aeronave
atravessar uma área com fortes tempestades entre a costa do Brasil e Senegal, no
Oceano Atlântico.

Durante todos os dias da semana, equipes de resgate da França, Estados Unidos e do


Brasil fizeram tentativas de encontrar destroços e possíveis sobreviventes do vôo.
Além de brasileiros, o avião transportava franceses, alemães, italianos, chineses,
suíços, libaneses, britânicos, húngaros, eslovacos, irlandeses, noruegueses,
poloneses, marroquinos, americanos, espanhóis e argentinos. Um dos passageiros
era o Príncipe do Brasil, Pedro Luis de Orleans e Bragança, de vinte e seis anos.
Descendente direto de Dom Pedro II, ele era o quarto da linha sucessória do trono.
Pedro Luis morava em Luxemburgo e estava no país para visitar os pais.

Ao decorrer da semana o acidente aéreo envolvendo o avião da Air France, foi


destaque na imprensa internacional. Jornais como Corriere Della Serra da Itália e Le
Monde da França, acompanham o caso de perto.

Sensibilizados pelo acidente, os Presidentes Nicolas Sarkozy, da França, juntamente


com Luis Inácio Lula da Silva mobilizaram as autoridades para que seja oferecido todo
o suporte necessário às famílias das vitimas. Psicólogos e médicos ficaram à
disposição dos parentes que aguardavam noticias no Rio e em Paris.

Neste momento uma força tarefa está se mobilizando para investigar a possível causa
do acidente. A Força Aérea Brasileira continua atrás de destroços. De acordo com
especialistas será muito difícil encontrar peças vitais do avião, como a Caixa Preta,
elemento fundamental para as investigações. Nela estão contidas as principais
informações dos últimos momentos em que o Air Bus esteve no ar.

Histórico de acidentes no Brasil

Em menos de quatro anos, este é o terceiro acidente envolvendo avião de grande


porte no Brasil. Em 2006 o Boeing 737 da GOL colidiu com um Legacy, um jatinho
particular, caindo na Amazônia. Menos de um ano depois, um Air Bus da TAM, não
conseguiu pousar e saiu da pista no aeroporto de Congonhas em São Paulo. No total
foram 340 vitimas nos dois acidentes.

Lucas D’Ambrosio