Vous êtes sur la page 1sur 6

Thomas Hobbes

Tomas Hobbes foi um filósofo inglês que viveu nos séculos XVI e XVII, tendo
vivenciado uma guerra civil em seu país. Foi estudioso da política, destacando-se por
seu livro publicado em 1651, Leviatã, no qual propôs teorias sobre o Estado de
natureza, a sociedade e o governo.
O homem antes do estado e da sociedade: o Estado de Natureza
Hobbes compreende o homem como uma máquina natural, tendo como
propriedades desejar e agir, em função do desejo, sendo os homens, no estado de
natureza, potencias movidas pelo desejo. Contudo ele ao não vê o homem natural como
um selvagem, pois para Hobbes, a natureza humana não muda conforme o tempo, a
história ou a vida social.
Na visão hobbista, todo homem é opaco aos olhos de seu semelhante - eu não sei
o que o outro deseja, e por isso tenho que supor qual será sua atitude mais razoável.
Como o outro também não sabe o que quero, também é ele forçado a supor o que farei.
Dessas suposições decorre que cada um pensará ser mais razoável atacar o outro, para
vencê-lo ou prevenir algum ataque: assim a guerra se generaliza entre os homens.
Hobbes entende que a igualdade é geradora de conflitos entre os homens. Para
ele a igualdade quanto à esperança de atingirmos nossos fins, provoca os conflitos, visto
que se dois homens desejam a mesma coisa, ao mesmo tempo, sendo impossível
compartilhá-la, eles se tornam inimigos e, no intento de atingir seu fim, tentam subjugar
um ao outro.
Na natureza do homem, encontramos três causas geradoras de conflito e
discórdia: a competição, a desconfiança e a glória. A primeira leva os homens a atacar
os outros, visando lucros; a segunda visa à segurança; e a terceira visa à reputação.
Hobbes deduz que no Estado de Natureza o homem tem direito a tudo,
paradoxalmente, no Estado de natureza, ocorre à ausência de fruição da liberdade, pois
onde todos têm liberdade, acaba que essa liberdade não é gozada.

A resolução dos conflitos: o Contrato Social e o surgimento da Sociedade e do


Estado
Hobbes diz que enquanto perdurar esse direito de cada homem sob todas as
coisas não poderá haver a segurança de viver todo o tempo que a natureza geralmente
permite.
Hobbes cria o conceito de Lei de Natureza: é um preceito ou regra geral
estabelecido pela razão, mediante o qual se proíbe a um homem fazer tudo o que possa
destruir sua vida, ou privá-lo dos meios necessários para preservá-la, ou omitir aquilo
que pense poder contribuir para melhor preservá-la. O homem, em condição de guerra
constante contra os outros homens, não está preservando,pois,sua vida.
A partir daí, como conseqüência da lei fundamental de natureza, mediante a qual
se ordena a todos os homens que procurem a paz, preservando assim suas vidas, Hobbes
enuncia uma segunda lei:
“Que um homem concorde, quando outros também
o façam,e na medida em que tal considere
necessário para a paz e para si mesmo, em
renuncia a seu direito a todas as coisas,
contentando-se, em relação aos outros homens,
com a mesma liberdade que aos outros homens
permite em ralação a si mesmo” HOBBES
Contudo, segundo Hobbes, não basta um fundamento jurídico é preciso um
estado forte, dotado de espada para forçar os homens ao respeito, pois se não for
instituído um poder suficientemente grande para a segurança de todos, cada um confiará
apenas na própria força para se defender dos demais.
Para Hobbes, a sociedade nasce com o Estado, visto que os homens cedem a um
homem ou assembléia o direito de governá-los, autorizando de maneira semelhante
todas as suas ações. A essência do Estado é assim definida por Hobbes:
“Uma pessoa cujos atos uma grande multidão,
mediante pactos recíprocos uns com os outros, foi
instituída por cada um como autora, de modo a ela
poder usar a força e recursos de todos da maneira
que achar conveniente, para assegurar a paz e a
defesa comum.” HOBBES
Na tradição contratualista, às vezes se distingue o contrato de associação- pelo
qual se forma a sociedade – do contrato de submissão- pelo qual se forma um poder
político. A novidade de Hobbes foi fundir esses dois contratos em um só,pois,se há
governo é ,justamente,para que se viva em paz.Daí a importância de um estado
ilimitado,para poder de todas as formas manter a paz e a segurança.
Para Hobbes, é do Estado que derivam todos os direitos e faculdades daquele ou
daqueles que a quem o poder soberano é conferido mediante o consentimento do povo
reunido.
A questão da igualdade e da liberdade em Hobbes
Hobbes desmonta o valor retórico da liberdade e da igualdade. Inicialmente, para
ele a igualdade leva à guerra de todos contra todos, ele afirma que dois ou mais homens
podem desejar a mesma coisa e, por isso, a vida em tenda competição.
Quanto à liberdade, para Hobbes:
“Um homem livre é aquele que, naquelas coisas
que graças a sua força e engenho é capaz de fazer,
não é impedido de fazer o que tem vontade.”
HOBBES
Contudo, no Estado de Natureza, a liberdade de todos conflitaria,gerando a
guerra. Para Hobbes, o indivíduo quando firmou o contrato social, renunciou ao seu
direito de natureza, dando poderes ao soberano, coma finalidade de instaurar a paz e
preservar sua vida. Se essa finalidade não é cumprida, o súdito não lhe deve mais
obediência, pois desapareceu a razão que leva o súdito a obedecer. Está é a verdadeira
liberdade. A liberdade consistiria em poder recusar fazer tudo aquilo que prejudique a
preservação da vida, as demais liberdades dependem do silêncio da lei.

As críticas às teorias hobbistas


A primeira crítica feita à teoria do contrato social foi em relação ao momento em
que o contrato é efetivado, não existe na história registros de tal momento, no qual os
homens abdicando de seus direitos a todas as coisas assinaram o contrato instituindo o
poder de um estado.
Hobbes defende em sua teoria a propriedade privada, contudo essa propriedade
seria subordinada aos interesses do soberano instituído de poder absoluto, visto que este
deveria zelar pela paz e, se dispor de uma propriedade favorece esse intento seria válida
essa atitude. Contudo, diante do fortalecimento da classe burguesa no período de
publicação da idéias hobbesianas, a teoria de Hobbes foi deixada de lado.
Hobbes em sua teoria contratualista se mostra autoritário, pois retira dos homens
os seus direitos e a sua liberdade plena ao vestir de força e poder o Estado que deve
através do temor controlar o povo e perpetuar a paz. Contudo,qual seria o sentido de
viver preso a um estado com tamanho poder? Será sobreviver melhor do que viver com
liberdade plena?
Conclusão
Hobbes enuncia que o homem, no Estado de Natureza, tem direito a todas as
coisas, ele vive na liberdade de cumprir seus objetivos e saciar seus desejos. Nesse
estado, não existindo Estado ou Governo, os homens viveriam em constante conflito,
visto que a igualdade quanto à busca de realizar os fins levaria os homens a disputar e
lutar por seus objetos de interesse. Entendendo, ainda, que a liberdade de todos significa
a liberdade de nenhum, pois haveria conflitos entre elas gerando assim a guerra. Para
cumprir a lei de natureza, preservando a vida, os homens se reuniriam e assinariam um
contrato dando a um soberano, na figura do Estado, poderes ilimitados para a
manutenção da segurança e da paz. Esse estado forte iria controlar e forçar os homens a
respeitarem suas leis, permitindo assim que os homens vivam em sociedade. Nesse
contexto as pessoas,abririam mão de sua liberdade em favor de um Estado forte e
protetor,que asseguraria a paz e conseqüentemente suas vidas.A liberdade consistiria
apenas em revoltar-se contra o soberano quando este não cumprisse o fim de
manutenção da paz e proteção da vida(único direito não renunciado no contrato) e no
silêncio da leis.
Bibliografia
Chatelet,François- História da idéias políticas,1985,Jorge Zahar editor,Rio de Janeiro,RJ
Weffort, Francisco Correia-Os Clássicos da Política - Col. Fundamentos - Vol. 1
Universidade Federal do Ceará
Faculdade de direito
Ciência Política e Teoria do Estado

O contratualismo autoritário de Thomas Hobbes

Luis Paulo dos Santos Pontes


Semestre 1- Noturno
Prof. Newton Albuquerque