Vous êtes sur la page 1sur 35

FACULDADE DE ARACRUZ (FAACZ)

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

ORLANDO VINICIUS RANGEL NUNES

COBERTURA EM TELHADO
E O CONFORTO AMBIENTAL

ARACRUZ
2008
FACULDADE DE ARACRUZ (FAACZ)
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

ORLANDO VINICIUS RANGEL NUNES

COBERTURA EM TELHADO
E O CONFORTO AMBIENTAL

Pesquisa apresentada ao Departamento de


Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de
Aracruz, como requisito parcial para obtenção de
nota na disciplina de CONFORTO AMBIENTAL.

Professor: ROMERO SANTANA

ARACRUZ

2008

2
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO .................................................................................4

2. OS TIPOS DE COBERTURA ..........................................................6

3. AS PARTES DO TELHADO ............................................................8

5. TIPOS DE TELHAS .........................................................................9

6. MATERIAIS DE TELHADOS .........................................................10


6.1. Cobertura tipo telhado com telhas cerâmicas .....................................10

6.2. Cobertura tipo telhado com telha de cimento .....................................12

6.3. Cobertura tipo telhado com telha termoacústica (metal


+revestimento) ...............................................................................................13

6.4. Cobertura tipo telhado com telha de vidro ..........................................15

6.5. Cobertura tipo telhado com telha de plástico ......................................15

7. ECOTELHADOS OU TELHADOS VERDES .................................16

8. Elementos arquitetônicos para a melhoria do conforto ...........18

9. CONCLUSÃO ................................................................................20

3
1. INTRODUÇÃO

É prudente iniciar o assunto cobertura associado a conforto ambiental com


um breve esboço do que é cobertura, seus tipos e funções básicas, numa
segunda etapa iniciar-se-a o assunto proposto ao estudo, do qual
discorre-se neste trabalho.

A primeira pergunta a ser feita para normalização deste trabalho é o


conceito de cobertura. Dar-se-a o nome de cobertura vulgarmente de
telhado, contudo um telhado é muito menos que uma cobertura, visto
que, um telhado é apenas uma classe das coberturas. Esta pode ser,
portanto: telhado, laje, cúpulas, entre outros. A cobertura é, então, um
elemento arquitetônico que assume a função de proteção superior.

Sua necessidade se faz presente em qualquer edificação, haja vista que


serve para proteger seu espaço interno de qualquer elemento externo,
desde que o suporte. Estes elementos podem ser: a chuva, vento, sol,
furacão, tornado, maremoto, meteoritos ou qualquer outro nocivo ao
habitante.

Historicamente os telhados sempre existiram, vide a cabana primitiva


(Anexo 1) entendida como um telhado com funções de revestimentos
circundante. Em todos os casos a cobertura assume funções de extrema
importância para a vida humana e de vários outros animais.

Na sociedade clássica a cobertura (dando ênfase ao telhado) ganhou uma


série de elementos estruturais utilizados até hoje, como a cumeeira, a
terça, entre outros. As telhas como conhecemos hoje foram idealizadas
algum tempo depois.

Já no período medieval nasce outros tipos de cobertura como as cúpulas,

4
por exemplo. O conhecimento estrutural arquitetônico da época permitiu
este avanço.

Hoje vivi-se uma ecleticidade de escolha de cobertura, novas técnicas de


proteção floresceram, novos materiais tornaram-se modos vivência, ou
seja, dita-se um estilo de vida pela cobertura do qual o indivíduo se vale,
favelas são associadas a um tipo de telhado, enquanto casas nobres a
outro tipo.

Como dito anteriormente, há diversos tipos de coberturas: os telhados,


lajes, cobertura verde, entre outros. Tentar-se-a especificar e
correlacionar estes diversos tipos de cobertura com o estudo proposto. O
estudo vai destacar a classe de cobertura chamada telhado, pois foi essa a
proposta inicial de pesquisa.

5
2. OS TIPOS DE COBERTURA

Há-se-a dito que a cobertura possui diversas classes. Disse-se também


que há muita confusão quando o assunto é telhado e cobertura (usados
como sinônimos multou). Mas é de se entender, dado ao fato de o telhado
possui inúmeras vantagens sobre as demais coberturas e ainda serem a
maioria utilizada. Veja abaixo as vantagens de se usar um telhado em
detrimento das demais coberturas:

- menor peso;
- melhor estanqueidade;
- maior durabilidade;
- menor participação estrutural;
- menos suscetibilidade às movimentações do edifício;
- embora haja necessidade de forro.

6
Veja abaixo um quadro comparativo entre os dois principais tipos de
cobertura utilizados atualmente, a laje e o telhado:

CARACTERÍSTICAS COBERTURA EM TELHADO LAJE DE CONCRETO


FUNDAMENTAIS IMPERMEABILIZADO
Os materiais de revestimento Os vãos são vencidos pelo
utilizados são leves (telhas) e os próprio concreto armado ou
PESO vãos são vencidos geralmente por protendido, resultando
treliças, resultando em estruturas geralmente em coberturas
leves. mais pesadas.

É garantida pelo detalhe de


justaposição das telhas (encaixe, A continuidade é garantida
comprimento de tal sobreposição, pela continuidade da
etc.) e pela inclinação; a inclinação superfície vedante; o
é fundamental, de forma a concreto, pela sua fissuração
garantir uma velocidade de (devido à retração,
ESTANQUEIDADE
escoamento das águas que evite a movimentação térmica e
penetração pelas juntas, através carregamento), não garante
do efeito do vento, ou através das por si só esta continuidade,
próprias peças constituintes, sendo exigidas as
quando o material não é impermeabilizações.
suficientemente impermeável.

As coberturas em telhados apenas


As coberturas de concreto,
se apoiam sobre o suporte, não
integram a estrutura do
tendo participação estrutural
PARTICIPAÇÃO DA edifício. As movimentações
significativa no conjunto da
ESTRUTURA E estruturais (variações
edificação. E, ainda, a
COMPORTAMENTO dimensionais, recalques
movimentação devida a mudanças
FRETE AS diferenciais) introduzem
de temperatura ou a outros
MOVIMENTAÇÕES DO tensões na cobertura, o que
motivos (até um certo limite) não
EDIFÍCIO pode comprometer sua
compromete sua estanqueidade,
estanqueidade devido à
por estarem as telhas soltas e
fissuração ou ao trincamento.
sobrepostas.
Geralmente utiliza-se um forro,
que desempenha dupla função:
uma é de nivelar o teto e fornecer Em geral, dispensam a
suporte às instalações, outra é a utilização de forros. Por
de propiciar correção térmica, uma exemplo, nas coberturas em
NECESSIDADE DO
vez que os telhados têm em geral lajes horizontais, o
FORO
pequena espessura. Pode- se dizer nivelamento do teto e suporte
que o espaço de ar confinado para as instalações já é
entre a cobertura e o forro, e o obtido pela própria laje.
próprio forro, participam da
correção térmica.

Quadro comparativo entre coberturas em telhados e lajes de concreto


impermeabilizadas (PICCHI, 1994).

7
3. AS PARTES DO TELHADO

Água: superfície plana inclinada de um telhado;


Beiral: projeção do telhado para fora do alinhamento da parede;
Cumeeira: aresta horizontal delimitada pelo encontro entre duas águas
que geralmente localizada na parte mais alta do telhado;
Espigão: aresta inclinada delimitada pelo encontro entre duas águas que
formam um ângulo saliente, isto é, o espigão é um divisor de água;
Rincão: aresta inclinada delimitada pelo encontro entre duas águas que
formam um ângulo reentrante, isto é, o rincão é um captador de águas
(também conhecido como água furtada);
Peça complementar: componente cerâmico ou de qualquer outro
material que permite a solução de detalhes do telhado, podendo ser
usado em cumeeiras, rincões, espigões e arremates em geral; pode ser
também uma peça especial destinada a promove a ventilação e/ou
iluminação do ático ou, na inesist6encia de forro, do próprio ambiente da
edificação;
Rufo: peça complementar de arremate entre o telhado e uma parede.
(VIDE ANEXO 2 – COM FOTOS E DETALHES)

4. TIPOS DE TELHADOS

Existem diversos tipos de formas de telhados atualmente. Estas formas se


configuram especialmente em feições conhecidas como águas. Portanto,
um telhado pode ter de uma água (também conhecida com meia-água)
até um numero considerável de águas.

Pode-se dizer que um telhado de uma água (chamado meia-água) é


metade de um telhado convencional (duas águas), daí surge seu nome.
É o telhado mais simples e barato de construir pois seus apoios são
muitas vezes a própria estrutura (as paredes). (VIDE ANEXO 3)

8
O telhado de duas águas caracteriza-se pela definição de duas superfícies
planas, com declividades iguais ou distintas, unidas por uma linha central
denominada cumeeira ou distanciadas por uma elevação (tipo americano).
O fechamento da frente e fundo é feita com oitões. (VIDE ANEXO 4)

Já o telhado de três águas caracteriza-se como solução de cobertura de


edificações de áreas triangulares, onde se definem três tacaniças unidas
por linhas de espigões. (VIDE ANEXO 5)

O telhado de quatro águas caracteriza-se por coberturas de edificações


quadriláteras, de formas regulares ou irregulares. (VIDE ANEXO 6)

5. TIPOS DE TELHAS

Telhas de Barro Cozido - 1) marselha ou francesa, 2) colonial, 3)


paulista, 4) paulistinha, 5) plan (plana). (VIDE ANEXOS 7, 8, 9, 10 E 11)
Telhas de Fibro-Cimento - 1) placa onduladas, 2) kalheta ou canalete,
3) meia-cana ou meio-cano. (VIDE ANEXO 12 E 13)
Telha Metálica - 1) Alumínio (tipo marselha e tipo ondulada), 2) cobre
(placas lisas), 3) ferro (chapas dobradas), 4) zinco (placas onduladas).
(VIE ANEXO 14 E 15)
Madeira. (VIDE ANEXO 16)
Plástico ou PVC.
Vidro - 1) tipo marselha, 2) tipo paulista. (VIDE ANEXOS 17)
Pedra Natural - ardósia. (VIDE ANEXO 18)

9
6. MATERIAIS DE TELHADOS

É muito importante a escolha adequada de material para a cobertura do


telhado, pois, são vários os fatores que a influência, por exemplo: quanto
a estética temos o emprego de materiais semelhantes aos da vizinhanças,
às vezes impostos pelo regulamento de urbanismo (lugares classificados),
as vezes não; quanto ao clima ou meio ambiente, pode-se escolher a
Ardósia por possibilitar uma boa ventilação e inclinação acentuada, isso
auxilia para locais de inverno rigoroso (com neve); e muitos outros
exemplos.

6.1. Cobertura tipo telhado com telhas cerâmicas

A telha cerâmica, uma das mais antigas e acessíveis opções de telha


disponíveis, ainda é uma opção muito popular, adequando-se muito bem
ao clima tropical e oferecendo uma ótima relação de custo-benefício. É
oferecida em uma variedade de formas, que mudam quanto ao tipo de
encaixe, rendimento por m², inclinação exigida dos panos do telhado,
proporcionando assim uma considerável variedade de alternativas
arquitetônicas possíveis com o uso do material.

Para obter uma boa telha ela deve seguir os seguintes critérios:

- bastante dura;

- sonora aos choques (deve dar um som claro);

- de porosidade inferior a 12%;

- não frágil;

- impermeável;

- resistente a agentes corrosivos.

10
As principais características das telhas cerâmicas são, quanto ao conforto
ambiental e funcional:
Isolamento Térmico - a argila queimada ou cozida tem bom
comportamento térmico, atuando como isolante tanto para o frio como
para o calor.
Isolamento Acústico - Inibe a propagação externa de sons aéreos.
Difusão do Vapor - Graças à sua porosidade, a argila cozida absorve a
umidade interior das coberturas nos dias úmidos e chuvosos, eliminando-a
em condições mais adequadas sob a ação do calor ou vento.
Variação de Volume - A expansão por umidade e a expansão térmica
são reduzidas ao mínimo quando se usa argilas convenientemente
processadas e submetidas à queima em condições controladas.
Resistência ao Fogo - Produtos concebidos da argila, por sua natureza,
não são inflamáveis.

Há ainda diferenças quanto ao conforto quando correlacionamos às telhas


do tipo francesa e similar com a colonial e similar. Veja o exemplo de
difusão de calor em uma telha do tipo colonial. (VIDE ANEXO 19)

Por que isso acontece? É sabido que o ar quente tem uma densidade
menor que o ar frio, o que gera um deslocamento de ar (inclusive é
responsável pela purificação do ar, principalmente nas cidades). Portanto,
o ar quente, dentro de casa, vai para a cobertura, ao chegar lá ele
fica bloqueado pelas telhas de passas, contudo no caso das telhas
cerâmicas há a possibilidade de o ar passar pela frestas entre o encaixe
das telhas.

Em todo o caso, mesmo a casa sendo de laje ou forrada, quanto este


esquema elucidado anteriormente acontece, a troca de calor por
convecção diminui entre a parte inferior do telhado e o foro, melhorando
ainda mais o clima do ambiente.

11
6.2. Cobertura tipo telhado com telha de cimento

Alem das telhas de cimento puro, não muito utilizadas no Brasil, mas,
largamente utilizada na Inglaterra (em cerca de 80% das casas),
Alemanha e Holanda, existem tambem as telhas de fibro-cimento ou
cimento amianto, esta última largamente utilizada no Brasil.

Elas são feitas da mistura de fibras de amianto e de cimento, cilindrado e


amoldado em usina. Fabricam-se chapas onduladas, quadradas
ou retangular, bem como elementos especiais autoportantes. Elementos
de diferentes perfis podem ser empregados para suporte de telhas.

Suas características são:


- Densidade: 1,2 a 2;
- Conductibilidade trémica: 0,08;
- Resistencia à flexão: 400kg para chapas onduladas de 5 1/2 ondas e
480kg para chapas de 61/2 ondas;
- Porosidade: 25%.

Há uma questão quanto ao conforto ambiental muito importante quanto a


instalação desses telhados. É necessário na instalação da cobertura
fazer a ventilação, pode ser pela empena ou pela entrada de ar na saída
da cumeeira.

Especificamente sobre conforto ambiental em relação ao telhado


fibrocimento, temos algumas referências bibliográficas. Veja o que a
Eternit diz sobre isolamento de calor dos seus produtos:

12
"Nenhum material de cobertura existente no mercado é capaz, por si só,
de propiciar conforto térmico no interior de uma edificação, principalmente
em face da pequena espessura. Somente o uso de forros melhorados com
ventilação e isolação pode contribuir para amenizar o desconforto. Neste
sentido, a Eternit oferece uma ampla gama de peças complementares e
recomendações de soluções para os mais variados projetos."

(Site Eternit. Em: <http://www.eternit.com.br/corporativo/corp_historia.php?


acao3_cod0=a03ebd8c1dfe0ab3eecc8c1fb7d3afc0> )

Neste trecho é possivel entender que os produtos constituídos por


fibrocimento não exercem muito bem seu papel de conforto térmico. Eles
podem atender as necessidades financeiras, mais não é recomendável
para a implantação em ambientes residenciais e afins.

6.3. Cobertura tipo telhado com telha termoacústica (metal


+revestimento)

A Telha Termoacústica é a solução ideal para coberturas onde se deseja


conforto térmico e acústico aliado às excepcionais características das
telhas metálicas. Também é uma ótima solução em regiões com elevada
concentração de umidade no ar, para evitar o gotejamento que ocorre com
a condensação da umidade interna quando em contato com as coberturas
aquecidas pela ação do sol. (VIDE ANEXO 20)

Além de solucionar esse tipo de problema, devido o seu isolamento


térmico, as telhas permitem o uso de menores equipamentos de
refrigeração e consumo de energia elétrica.

A Telha Termoacústica é, comumente, fabricada no sistema


"sanduíche" (telha + isolante + telha) e utiliza o EPS (poliestireno

13
expandido) como isolante. O produto é cortado no mesmo perfil das
telhas, proporcionando um encaixe e colagem perfeito, além de alta
performance.

O poliuretano, como também é conhecido o poliestireno, possui um baixo


coeficiente de condutividade térmica (k), oferecendo uma resistência nas
trocas constantes de calor externo e interno nas edificações, possibilitando
uma redução na utilização de equipamentos para refrigeração, redução
em problemas de acidentes por fadiga e melhoria no ambiente de
trabalho. (VIDE ANEXO 21)

"O Poliestireno vai proporcionar uma sensível redução dos ruídos externos
com bom isolamento térmico em coberturas e fechamentos, sua placas
possuem densidade de 13Kg/m3 com coeficiente de condutividade térmica
k=0.029Kcal/mhºC ou com densidade de 20 Kg/m3 e coeficiente de
condutividade térmica k=0.026Kcal/mhºC. Caracteriza-se por ser um
produto que tem em sua composição retardante a ação de chamas e não
absorve água;

O Poliuretano possui excelente desempenho Termoacústico, é injetado


com densidade de 35 a 39 Kg/m3 e possui um coeficiente de
condutividade térmica de K=0.016Kcal/mhºC. Tem como característica ser
retardante na ação de chamas e não absorve água. Quando o assunto é
som, a primeira análise a ser feita refere-se a massa de cada produto e,
comparando-se densidade pode-se observar que o poliuretano é muito
superior."

(No Site Met@lica. Em: <http://www.metalica.com.br/pg_dinamica/bin/pg_dinamica.php?


id_pag=1327>)

14
É quase inimaginável a utilização de telhas metálicas sem a manta
térmica, visto que o clima interno da ambiente protegido por esta
cobertura torna-se, durante o dia, muito quente, e durante a noite, muito
frio. Isso se dá pela alta condubilidade térmica dos metais.

6.4. Cobertura tipo telhado com telha de vidro

São utilizados especialmente para dar maior luminosidade aos ambientes.


Contudo, ao mesmo tempo em que deixa passar a luz deixa passar
também a radiação solar o que aumenta a temperatura ambiente.
Não possuem boa resistência e necessitam de manutenção constante de
limpeza das impurezas que se acumulam e obstruem a luminosidade.
Existe toda uma técnica de instalação segundo o modelo da telha, que
foge ao escopo da pesquisa.

6.5. Cobertura tipo telhado com telha de plástico

Quando feita de resina de poliéster armada de fibras de vidro possuem


uma resistência mecânica excepcional; uma boa resistência química aos
vapores industriais, petróleo, detergente, óleo e quase todos os solventes
mecânicos; resistência a temperatura; fraca condutibilidade térmica; e
coeficiente de dilatação negligenciável.

Quanto feitas de plexiglas são leves e muitos resistências aos choques e


vibrações não se alterando às intempéries, o plexiglas transmite muito
bem a luz. Quanto ao conforto tem-se uma boa isolação térmica e
acústica.

15
7. ECOTELHADOS OU TELHADOS VERDES

A ecotelha constitui um sistema de vegetalização de telhados, o


ecotelhado é formado de uma geomembrana impermeabilizante ou telha
flexível colocada sobre ripamento longitudinal. Sobre isto vão as
ecotelhas, que são bandejas de concreto leve, divididas em vasos que
impedem a erosão, onde é colocado substrato e plantas resistente a seca
(de porte baixo e crescimento lento). O ecotelhado não requer regas nem
podas. Proporciona grande conforto térmico e acústico e reduz a água
pluvial. É também muito agradável à vista, libera oxigênio, filtra o ar,
encarcera carbono e cria habitat para aves canoras.
A ecotelha já vem plantada e facilita bastante a execução do telhado. Em
caso de manutenção é só levantar a ecotelha e consertar. Já o método
corrente exige a retirada das plantas e da terra. A ecotelha de concreto
também proporciona suporte ao substrato e resiste pisoteio. Como tem
um furo embaixo, proporciona drenagem.

Realmente os ecotelhados possuem muitas vantagens que os telhados


"comuns" não possuem. Entre suas vantagens, mais importantes, estão:
- Devolve o verde a áreas urbanas, proporcionando continuidade ao
ecossistema;
- Diminui as enchentes urbanas, porque o ecotelhado retém a água da
chuva em seu substrato;
- Impede que os poluentes da chuva se incorporem ao pluvial através da
ação filtrante dos substratos e raízes;
- Habitat para diversas espécies. Embora o custo inicial do ecotelhado seja
maior que o convencional, torna-se mais barato considerando as
vantagens adicionais: Diminui gastos com energia aquecimento e
resfriamento dos ambientes;
- Racionaliza o pluvial, podendo receber incentivos na forma de desconto
de impostos conforme já ocorre em vários países;

16
- Maior durabilidade;
- Dispensa o uso de artifícios arquitetônicos caros e inúteis. Nova opção
de Design para indústrias, residências e fachadas devido à variedade de
plantas e folhagens possíveis;
- Visual paisagístico em um espaço antes inutilizável;
- Fácil de instalar, prático e inteligente;
- Integração com à paisagem.

Quanto ao conforto ambiental temos os seguintes pontos positivos:


- Age como um filtro, retendo as impurezas do ar urbano, tornando-o
mais respirável;
- Diminui o calor urbano, gerado pelo reflexo dos raios infravermelhos
comuns em áreas asfaltadas e grandes massas de concreto;
- Isolamento acústico muito superior que o convencional;

A manutenção do ecotelhado é extremamente simples, pois as plantas são


perenes, não necessitando de rega ou poda. Uma a duas vezes por ano se
for necessário, deve-se retirar alguma erva, trazida pelos pássaros.
O ecotelhado tem sido submetido à pesquisa no sentido de assegurar um
meio de cultura que retenha água e ao mesmo tempo proporcione uma
boa drenagem de forma que as raízes não apodreçam. Uma criteriosa
seleção de plantas permite que o ecotelhado tenha sucesso em condições
adversas. Utilizam-se principalmente plantas do gênero Sedum da família
das Crassulaceas, que sobrevivem em solo raso. VIDE O ANEXO 22, COM
UM EXEMPLO DE TELHADO VERDE.

17
8. ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS PARA A MELHORIA DO
CONFORTO

8.1. VENTILAÇÃO

Estes elementos tem como finalidade dar vazão a fumos e vapores oriundo das
atividades feitas no interior do edifício, exalar o ar aquecido por radiação solar de
dentro do edifício, alem do calor e odores corporais humano.

Os meios utilizados para esta finalidade são, em suma: Lanternim de ventilação por
gravidade, de alta vazão; Lanternim de ventilação simples; Aberturas laterais (se
outras necessidades industriais desaconselhar o uso de lanternins); Ventiladores
rotativos naturais; E insufladores e exaustores mecânicos. (Vide Anexo 23).

A escolha da solução adequada do equipamento é muito importante. Então em


casos em que se gera quantidade razoável de calor e/ou vapor nas suas atividades
utiliza-se o Lanternim de gravidade.

Já em casos em que se gera baixa quantidade de calor, sem vapor, nas


suas atividades, utiliza-se o Lanternim de ventilação.
No caso em que o produto ou processo produtivo é sensível a entrada de
poeira utiliza-se as Aberturas laterais.

Já, se a instalações existentes esta com problemas sérios de calor/ vapor/


fumaça então utiliza-se o Lanternim de gravidade, mas, se este não for
possível por motivos técnicos, então utiliza-se os insufladores/ exaustores
mecânicos, contudo, vale resaltar que esta ultima técnica citada possuem
um custo permanente de energia elétrica e manutenção.

Por fim se a instalações existentes está com problemas leves de calor/


vapor/ fumaça, utiliza-se ventiladores rotativos naturais, eles possuem
certas desvantagens, como por exemplo manutenção permanente e baixa
durabilidade.

18
8.2. ILUMINAÇÃO

Há diversas opções para melhoria da iluminação pela cobertura, como por exemplo,
telhas translúcidas intercaladas, em linhas, em fileiras, podem ser telhas de fibra de
vidro, policarbonato ou PVC.

Essas telhas tipo PVC possuem as seguintes vantagens/desvantagens:


* Iluminação excelente. Térmicamente deficiente.
* Problemas de vazamentos e resistência mecânica se não forem de boa
qualidade e com as espessuras, recobrimentos e fixações adequadas. Com
estas precauções são uma excelente opção.
* Custo de manutenção médio, durabilidade provável para telhas de boa
qualidade, 10 anos, antes do escurecimento e acúmulo de sujeira
recomendar a sua troca.
* Telhas de côr podem alterar a côr real dos objetos.
* Os raios solares em telhas incolores e de côr impedem localizadamente
a visão de objetos.
* Recomenda-se somente uso de telhas de fibra de vidro com véu, na cor
branco leitoso, com espessura mínima de 1,2 mm nas dobras, de
fabricante de qualidade reconhecida.

19
9. CONCLUSÃO

Portanto pode-se concluir que, basicamente, o melhor tipo de telhado não


pode ser definido de forma generalista, ou seja, não podemos criar um
modelo e estender a todas as regiões do globo. Exemplo, em regiões fria e
que nevem com USA e Inglaterra, não podemos colocar telhados
fibrocimento com inclinação de 15%, pois a neve que se acumularia no
telhado faria com que a estrutura comprometer-se-ia.

A melhor forma de indicar o melhor telhado, portanto, seria identificar em


primeiro lugar, o clima da região. É chuvoso, neva ou faz muito sol; é
quente, venta muito ou a grande variação de temperatura.

Ir-se ater ao modelo que, em suma, vive os leitores desta pesquisa. Clima
tropical, com períodos de muita chuva e outros secos. Nestes clima o ideal
é o telhado cerâmico com telhas tipo colonial. Essas telhas deixam a
cobertura ter uma boa ventilação, não absorvem o calor e liberam com
rapidez (como as metálicas), ou seja, elas absorvem o calor durante o dia
e liberam durante a noite. São ótimas para o isolamento acústico.

Embora são vastas as vantagens da telha tipo colonial, no Brasil, é muito


utlizada outros tipos de cobertura. Isso se explica pelo simples fato de as
telhas (metálica, laje, francesa ou outros) serem mais baratas ou de fácil
acesso. Há também o fato de alguns tipos de telhas serem o único tipo de
tecnologia conhecida na região, como as de palha ou de madeira.

Se tiver que indicar um tipo de telhado generalista, indicar-se-a o telhado


verde (ecotelhado), devido seus benefícios e por ser aplicavel a muitos
locais do planeta. Infelizmente ele não atende a tudo, pois a vegetação
não suporta neve ou muito baixas temperatura.

Para elucidar melhor o assunto discorrido no estudo exposto foi elaborado

20
uma tabela com pontos positivos e negativos de cada material da
composição das telhas mais utilizadas no Brasil e no mundo. Veja o
quadro abaixo:

TIPO PONTOS POSITIVOS PONTOS NEGATIVOS


Cerâmica - Custo Moderado. - Nem todos os tipos de telha
- Isolante térmico, queimada ou cerâmica são boas quanto ao
cozida atua como isolante tanto para isolamento térmico, as tipo
frio como para calor. francesas são um exemplo disso.
- Inibe a propagação externa de sons - Se o clima for muito ensolarado
aéreos. este tipo de telha pode aquecer o
- Ótima Difusora de Vapor. ambiente durante a noite.
- Não são inflamáveis.
- Instalação com certa facilidade.
Fibro- - Baixíssimo Custo. Metálica - - Não é boa isolante térmica.
Cimento Possibilita grande variedade de - Necessário ventilação inferior ou
formas. manta térmica.
- Muito resistente à flexão, o que - Isolamento acústico prejudicado.
possibilita grandes folhas, que cobre - Baixa durabilidade.
grandes vãos.
- Não inflamável.
- Fácil instalação.
Metálica - Boa flexibilidade. - Péssimo isolante térmico.
- Durabilidade. - Péssimo isolante acústico.
- Ótima impermeabilização. - Custo Elevado.
- Não inflamável. - Mão-de-obra especializada para a
instalação.
Vidro - Possibilita a passagem da luz. - Péssimo isolante térmico.
- Fácil Instalação. - Custo elevadíssimo.
- Não Inflamável. - Certa Fragilidade.
- Inflexível.
Plástico - Resistência Mecânica Excepcional. - Custo muito elevado.
- Leves. - Não usual em residências.
- Boa resistência química aos vapores
industriais, petróleo, detergente, óleo
e quase todos os solventes
mecânicos.
- Resistência a temperatura.
- Fraca condutibilidade térmica, ou
seja, bom isolante térmico.
- Coeficiente de dilatação baixo.

21
Telhado - Considerável facilidade de - Custo inicial maior.
Verde instalação. - Risco de entupimento da calha,
- Proporciona drenagem. quando não for bem instalada.
- Devolve o verde a áreas urbanas. - Fácil instalação, embora a mão-
- Diminui as enchentes urbanas. de-obra tenha que ser
- Impede que os poluentes da chuva especializada.
se incorporem ao pluvial.
- Habitat para diversas espécies.
- Maior durabilidade.
- Dispensa o uso de artifícios
arquitetônicos caros e inúteis.
- Visual paisagístico em um espaço
antes inutilizável.
- Integração com à paisagem.
- Age como um filtro, retendo as
impurezas do ar urbano, tornando-o
mais respirável.
- Diminui o calor urbano, gerado pelo
reflexo dos raios infravermelhos
comuns em áreas asfaltadas e
grandes massas de concreto.
- Isolamento acústico muito superior
que o convencional.
Madeira - Bom isolamento térmico e acústico. - Não sustentável.
- Fácil instalação. - Inflamável.
- Baixo custo.
Pedra - Fácil instalação. - Massa elevada.
Natural - Não Inflamável. - Custo elevado.
- Isolamento Acústico e térmico
ruim.

22
ANEXOS

23
ANEXO 1

O primeiro edifício, segundo Viollet-le-duc.

24
ANEXO 2

As partes do telhado.
Fonte: Ceramicas CEAR

25
ANEXO 3

Tipos de Trlhados – Telhado meia-água (uma água)

ANEXO 4

Tipos de Telhados – Telhado duas águas

26
ANEXO 5

Fonte: uepg

Tipos de Telhados - Três águas

ANEXO 6

fonte: uepg

Tipos de Telhados – Quatro águas

27
ANEXO 7

Telha Cerâmica - Marselha ou Francesa

ANEXO 8

Telha Cerâmica – Tipo Colonial

28
ANEXO 9

Telha Cerâmica - Paulista

ANEXO 10

Telha Cerâmica - Paulistinha

29
ANEXO 11

Telha Cerâmica - Plan

ANEXO 12

Telha Fibro-Cimento - Placa Ondulada

30
ANEXO 13

Telha Fibro-Cimento - Kalheta ou Canalete

ANEXO 14

Alumínio tipo marselha

31
ANEXO 15

Alumínio - Tipo ondulada

ANEXO 16

Telhas de madeira

ANEXO 17

Telha translúcida - Tipo francesa

32
ANEXO 18

Telha de Ardósia

ANEXO 19

Difusão de Calor em telhas cerâmicas tipo colonial

ANEXO 20

Telhas Termoacústica

33
ANEXOS 21

Esquema da telha termoacústica

ANEXO 22

34
Exemplo de Ecotelhado ou Telhado Verde

ANEXO 22

Ventilação para telhados

35