Vous êtes sur la page 1sur 2

(OBF) Atrito

Um bloco de massa m é liberado do repouso sobre um plano inclinado


de uma altura H. O bloco desliza sobre o plano, com atrito
desprezível, até sua base quando então desliza sobre uma superfície
rugosa com coeficiente de atrito cinético μ, chocando-se com uma
mola de constante elástica k, comprimindo-a de x e parando
momentaneamente; a mola em seguida se distende, arremessando o
corpo de volta ao plano inclinado e esse sobe uma altura h. A
distância percorrida pelo corpo sobre a superfície rugosa até o
momento do repouso momentâneo é igual a d. Qual a expressão que
determina a altura h que o corpo sobe?

Figura dividida por evento energético

Analisando a figura acima vamos avaliar conceitualmente o que


ocorre

1- na descida

1.1- de A até B o corpo converte energia potencial de altura em


energia cinética, ganhando velocidade vB.

1.2- de A até B o trabalho do atrito reduz a energia cinética


diminuindo a velocidade até o valor vC.

1.3- entre C e D o corpo transfere sua energia cinética para a mola


que a armazena como energia potencial elástica.

2- na subida (retorno)

2.1- entre D e C a mola restitui a energia potencial para o corpo que


novamente ganha velocidade no sentido oposto e com mesmo
módulo vC.

2.2- entre C e B, novamente o atrito reduz a velocidade para vB’ pela


redução da energia cinética.
2.3- entre B e A, agora sem atrito, o corpo converte a energia
cinética que lhe restou em energia potencial de altura reduzindo sua
velocidade até zero.

Vamos agora calcular esses valores:

1.1- a energia potencial inicial é EP1=mgH

2
mv B
1.2- a energia cinética em B é  mgH
2

1.3- o trabalho do atrito entre B e C é BC  mgd e energia cinética


restante será EC  mgH  mgd  EC  mg(H  d)

entre C e D ocorrem juntas as resistências do atrito e da mola. A


energia transferida para a mola será

ED  mg(H  d)  mgx  ED  mg(H  d  x)

2.1 Essa energia é devolvida ao corpo ainda com perdas de atrito:

EC2  mg(H  d  x)  mgx  EC2  mg(H  d  2x)

2.2 o corpo agora inicia a trajetória de retorno no trecho CB,


novamente perdendo energia

EB'  mg(H  d  2x)  mgd  EB'  mg(H  2d  2x)

2.3- essa energia restante será novamente convertida em potencial


de altura na rampa sem atrito.

mg(H  2d  2x)  mgh  h  H  2(d  x)