Vous êtes sur la page 1sur 4

Cálculo do Volume do Cilindro Deitado1

É tomada uma medida h da altura do líquido contido no reservatório As figuras abaixo


ilustram um corte do reservatório e a equação da circunferência escolhida para o cálculo da
área.

y  r 2  (x  r)2
Fig. 1
Corte do reservatório

h Fig. 2
Raio = R
A equação da
circunferência

A área sombreada é dada por:

h h
xr 2 r2 xr
A   r 2  (x  r)2 dx  r  (x  r)2  arcsen
0 2 2 r

O volume é dado por V = 2Al onde l é o comprimento da geratriz.

A integral2 calculada vale:

hr r2  h  r 3 
A( h)   r 2  ( h  r ) 2   arcsen( ) 
2 2  r 2 
1
Resolvi este problema por volta de 1992, no trabalho, para medir um tanque de óleo diesel e agora o deixo
aqui nas minhas “memórias matemáticas”. No arquivo “Arquivos de Programas/Basic/Qbasic” existe um
programa compilado em basic chamado “Cilindro” que redigi para efetuar os cálculos e cujas linhas de
programação estão apresentadas ao final desta demonstração.
2
Obs.: O cálculo da integral é discutido na página 2, em seguida Logo após está uma bonita solução baseada
na Geometria Euclidiana.
O Cálculo da Integral

Trata-se de uma integral difícil que me deu muito trabalho. Desenvolvi uma solução e
depois acabei encontrando outra, de graça.

Primeira solução

y  r 2  (x  r)2 procuramos uma forma mais fácil como


 a 2  t 2 dt

para isso faremos x – r = t e assim dt/dx = 1 ou dt = dx. Efetuando as substituições


ficamos com:

 r 2  t 2 dt cuja solução é sofisticada mas encontrada nos formulários dos manuais


como:

t 2 2 r2 t
r  t  arcsen  C
2 2 r

Substituindo as expressões e calculando a integral definida de 0 até h encontramos

h h
xr 2 r2 xr
A   r 2  ( x  r ) 2 dx  r  (x  r)2  arcsen
0 2 2 r
e finalmente 0
2
hr r  h  r 3 
A(h)   r 2  (h  r ) 2   arcsen( ) 
2 2  r 2 
cumpre fazer o ângulo representado pelo arcsen sempre >0 , ou seja arcsen (0) = 2Π, além
disso a área deve ser um valor positivo devendo ser considerado o valor encontrado em
módulo (isto se deve ao fato de que podem ocorrer tanto situações em que r>h quanto h>r).

Segunda solução

Desta vez em y  r 2  ( x  r ) 2 fazemos x = r + rsenu e como sen2u + cos2u = 1:

r 2  (x  r)2 e dx = rcosu du. Fazendo as substituições vem,


cos u  2
r

y  r 2  ( r  r sen u  r ) 2  y  r 2  r 2 sen 2 u  y  r 2 (1  sen 2 u )  r 2 cos 2 u


 r cos u du  r  cos u du
assim 2 2 2 2 r2 e substituindo
 (u  sen u cos u )  C
2

r2 xr xr r 2  (x  r)2


temos: I  (arcsen( ) ) que calculado de 0 até h fornece:
2 r r r2

2 hr 2 2 r 2
I  r arcsen( )  (h  r ) r  (h  r ) 
r 2
Abaixo comandos da rotina em basic que efetua os cálculos a partir da integral apresentada
na Primeira Solução.

10 CLS
20 LOCATE 4, 10
30 PRINT "C lculo do volume de um cilindro deitado"
31 COLOR 10, 0
32 LOCATE 8, 10
33 PRINT "Entre com os valores expressos em metros"
40 LOCATE 10, 10
50 INPUT "comprimento l = ", l
60 LOCATE 11, 10
70 INPUT "raio da base r = ", r
80 LOCATE 12, 10
90 INPUT "altura medida h = ", h
100 LET p = 3.14159
110 LET x = (h - r) / r
140 LET a = ABS(((h - r) / 2) * SQR(r ^ 2 - (h - r) ^ 2) + (r ^ 2 / 2) * (ATN(x / SQR(1 - x ^
2)) + 2 * p - (3 * p / 2)))
150 LOCATE 15, 10
160 LET v = 2 * a * l
165 COLOR 0, 7
170 PRINT "o volume ‚ "; v; " metros c£bicos"
175 LOCATE 16, 10
180 PRINT "correspondendo a "; INT(1000 * v * 100) / 100; "litros "
Uma solução com a Estética da Geometria Euclidiana

As soluções anteriores, baseadas na Geometria Analítica e no Cálculo Integral, possuem


uma estética conceitual cuja elegância muito se deve ao Estudo das Funções. Esta terceira
solução possui a rude e poderosa elegância da Geometria Euclidiana. Observemos a figura
abaixo e as deduções que se seguem:

A área procurada, dada em função da medida da


altura h, é a diferença entre as áreas do setor
circular OAMB e a área do triângulo OAB.
Sejam A1 a área do setor circular e A2 a área do
triângulo:

A1    r 2 e A2  x(r  h)

x  r 2  ( r  h) 2 rh
cos  
r

A  A1  A2  A   r 2  x ( r  h)

rh
A  r 2 ar cos( )  ( r  h) r 2  ( r  h) 2
r

ou, em função do arctg,

r 2  ( r  h) 2
A  r 2 arctg ( )  ( r  h) r 2  ( r  h) 2
rh

efetivamente muito mais simples. Bom e velho Euclides...