Vous êtes sur la page 1sur 1

CAPTULO 5

Exerccios
1
4. Seja f(x)  x3 
. Temos f( 3)  0 e f(3)  0. Como f contnua, pelo
1 x4
teorema do anulamento, existe c entre 3 e 3 tal que f(c)  0. Logo, a equao dada
admite pelo menos uma raiz real.
x2  x
 1. Como
1  x2
f(x)  0 para 1 x  0 resulta f(x)  1 para 1  x  1. Logo, f(1) o valor mximo
de f.
c) Como f contnua em [1, 1], pelo teorema de Weirstrass f assume valor mnimo em
[1, 1] e este valor mnimo dever ser assumido em [1, 0], pois f(x)  0 em [0, 1] e
f(x)  0 em ]1, 0[. Como f(1)  f(0)  0, segue que o valor mnimo dever ser
assumido em ]1, 0[, ou seja, existe c  ]1, 0[ tal que f(c) o valor mnimo de f em
[1, 1].

6. a) f(1)  1; para 0  x  1, x2  x  x2  1 e, portanto, f(x) 

8. Sendo f contnua em [a, b], pelo teorema de Weirstrass existem x1 e x2 em [a, b] tais que,
para todo x em [a, b], f(x1)  f(x)  f(x2). Como f no-constante em [a, b], f(x1)  f(x2).
Sendo um real tal que f(x1)   f(x2), pelo teorema do valor intermedirio existir
pelo menos um real c em [a, b] tal que f(c)  . Fazendo, ento, m  f(x1) e
M  f(x2), teremos Im f  [m, M].
10. Como f contnua em [0, 1], supondo f no-constante em [0, 1], pelo Exerccio 8
Im f  [m, M], com m  M, o que impossvel, pois neste intervalo existe pelo menos
um nmero irracional e, por hiptese, f(x) racional para todo x em [0, 1]. Ento, f
constante e como f(0)  1, teremos f(x)  1 para todo x em [0, 1].
13. Suponhamos por absurdo que exista s  I, com s  a, tal que f(s)  0. Pela hiptese,
existe x0  I, com x0  a, tal que f(x0)  0. Da continuidade de f em I e, portanto, no
intervalo de extremos x0 e s, pelo teorema do anulamento, existir c entre x0 e s tal que
f(c)  0, o que no poder ocorrer, pois, pela hiptese, f(x)  0 apenas para x  a e c  a.
Logo, f(x)  0 para todo x  a, com x  I.
15. Sugesto. Raciocine como no Exerccio 13.