Vous êtes sur la page 1sur 68
CADE RNO TÉCNI CO

CADE RNO TÉCNI CO

CADE RNO TÉCNI CO
CADE RNO TÉCNI CO

APRESENTAÇÃO

APRESENTAÇÃO O Shopping Botucatu tem o prazer de tê-lo participando de seu Tenant-Mix. Para que nossa

O Shopping Botucatu tem o prazer de tê-lo participando de seu Tenant-Mix. Para que nossa integração seja ainda mais perfeita, você está recebendo um conjunto de documentos de sua loja (em mídia digital) assim distribuídos:

MANUAL TÉCNICO (arquivo PDF).

PLANTA ESPECÍFICA DE SUA LOJA (arquivo AUTO-CAD/dwg).

Estes dois documentos são partes integrantes do seu Instrumento de Contrato.

Os dois arquivos deverão ser enviados para seu Arquiteto, Projetistas complementares e para o Profissional Responsável pela Execução da Obra (PREO).

Os projetistas utilizaram estes documentos como premissas básicas de Projeto, sendo os mesmos considerados princípios básicos inalteráveis.

Por norma e para sua segurança, os profissionais por você contratados devem ser obrigatoriamente habilitados no CREA (Conselho Regional de engenharia e Arquitetura) de seu estado (UF).

Orientamos aos Srs. LOCATÁRIOS que solicitem aos Srs. contratados a Carteira Profissional do CREA-UF no ato da assinatura de seu Contrato de Projeto ou Obra.

A sua garantia diante de eventuais problemas de execução de Projetos ou Obra é a existência de uma ART específica para o serviço contratado.

Todo Projeto ou Obra deverá ser cadastrado no CREA-UF, através de uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica).

A sua via da ART deve ser-lhe entregue, no mesmo momento da entrega dos projetos executivos ou o Contrato Assinado de Obra pelo seu profissional contratado.

Cada projeto contratado (Arquitetura, Estrutura Metálica, Instalações Elétricas e Telefonia, Instalações Hidrossanitárias, Instalações de Gás, Combate à Incêndio, Exaustão, Ar Condicionado e todos mais que se fizerem necessários) deve ser entregue ao LOCATÁRIO juntamente com uma via da ART específica deste projeto.

Outra via será encaminhada ao Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL, junto com os Projetos.

A execução da Obra também somente será permitida mediante a apresentação da respectiva ART do responsável.

Torna-se obrigatório, por parte dos Locatários e de seus profissionais contratados, o levantamento das medidas no local, para a completa aferição das medidas da Planta Específica da Loja e localização dos pontos de entrega: energia, telefone, água, caixa de gordura, ar condicionado, etc. e outras interferências que porventura atravessem o espaço aéreo da loja.

Endereço do Shopping Botucatu:

Avenida Marginal 200, 1050 – Botucatu/SP Cep.: 18606-294

APRESENTAÇÃO O Shopping Botucatu tem o prazer de tê-lo participando de seu Tenant-Mix. Para que nossa

ÍNDICE

ÍNDICE 1. MINIGLOSSÁRIO 4 2. CONDIÇÕES BÁSICAS 7 3. CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA

1.

MINIGLOSSÁRIO

4

2.

CONDIÇÕES BÁSICAS

7

3.

CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA LOCADORA

9 ...............................

4.

NORMAS BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DAS

 

LOCATÁRIAS

12

5.

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES

17 ..........

5.1

Arquitetura

17

5.2

Estrutura Metálica

18

5.3

Instalações Elétricas

19

5.4

Luminotécnico

26

5.5

Telefone

27

5.6

Antena de TV/FM e Sonorização

27

5.7

Proteção por sistema de “Sprinklers”

28

5.8

Proteção por Hidrantes

31

5.9

Detecção e Alarme de Incêndio

32

  • 5.10 Instalações Hidrossanitárias

34

  • 5.11 Instalação de Gás (Praça de Alimentação e Restaurantes)

37

  • 5.12 Ar Condicionado

38

  • 5.13 Exaustão Mecânica (Lojas de Alimentação)

40

  • 5.14 Suprimento de ar exterior para ventilação mecânica

43

  • 6. LIBERAÇÃO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES

44 ...................

  • 7. REGULAMENTO DE OBRAS

45

  • 8. CADERNOS DE ENCARGOS DO INSTALADOR

51

  • 9. DISPOSIÇÕES FINAIS

54

10.

ANEXOS

55

ÍNDICE 1. MINIGLOSSÁRIO 4 2. CONDIÇÕES BÁSICAS 7 3. CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA

1.

MINIGLOSSÁRIO

1. MINIGLOSSÁRIO O MINI-GLOSSÁRIO que se poderá ler a seguir tem a proposta de familiarizar você,

O MINI-GLOSSÁRIO que se poderá ler a seguir tem a proposta de familiarizar você, novo LOCATÁRIO, com os termos e conceitos do universo “Shopping Center”.

ABC:

Área Bruta Comercial = somatório da ABL + salões comerciais de terceiros.

ABL:

Área Bruta Locável = somatório da área em m 2 de todos os salões comerciais de propriedade dos empreendedores, incluindo lojas âncoras e Satélites, salas, centro profissional, centro cultural, centro educacional, centro de convenções e depósitos desde que estes estejam definidos na convenção como ABL. Não inclui área de quiosques / stands ou qualquer outro espaço em área

comum (mesmo que tenham contrato comercial).

ADMINISTRAÇÃO – REP:

Administração do Shopping, constituída por profissionais preparados para administrar e gerir o Condomínio, utilizando-se das técnicas mais atuais de gerenciamento.

ADMINISTRADORA – REP:

Empresa responsável pela coordenação macro do Condomínio, orientando a Administração em todos os seus departamentos, dentro de uma visão continuamente atualizada de mercado.

ÁREA ÚTIL:

Área livre da loja para execução da obra.

ATC:

Área Total Construída

CONDOMÍNIO:

Empresa sem fins lucrativos, constituída com o propósito de administrar e gerenciar o Shopping Center.

INSTALADORA:

Subentende-se a empresa instaladora de qualquer sistema contratada pelo LOCATÁRIO para

execução destes serviços.

LAZER:

Engloba todas as atividades voltadas para o lazer e o entretenimento.

LOCADORA:

Conjunto empreendedor societário, proprietário e responsável pelo Shopping Center.

LOCATÁRIA:

Pessoa jurídica que assume determinadas responsabilidades contratuais junto à Locadora.

PREPOSTO:

Empresa e/ou pessoa física credenciada pelo lojista e responsável pela coordenação e aprovação dos projetos no SPM.

1. MINIGLOSSÁRIO O MINI-GLOSSÁRIO que se poderá ler a seguir tem a proposta de familiarizar você,

LOJAS “ÂNCORAS”:

LOJAS “ÂNCORAS”: São operações varejistas que atraem o maior tráfego de consumidores para o Shopping Center.

São operações varejistas que atraem o maior tráfego de consumidores para o Shopping Center. São lojas, basicamente, com área total superior a 1.000m 2 . Grandes anunciantes na mídia eletrônica e impressa possuem políticas promocionais arrojadas e operam fortemente com crediário. As lojas-âncora mais usuais são lojas de departamentos completas, júnior e de descontos, hipermercados e supermercados.

LOJAS “MEGALOJAS”:

Operações que esgotam uma determinada linha de mercadoria, em grande escala, no que diz respeito à variedade de produtos e a especialização, usando grande superfície de loja (em torno de 500 a 2.500m2).

LOJAS “LAZER”:

Lojas que direcionam todas as suas atividades para o lazer e entretenimento.

LOJAS “SATÉLITES”:

Lojas que não se enquadram nas categorias de Âncoras, Megalojas ou Lazer. Geralmente

respondem por 70% da ABL do Shopping.

MALL:

Espaço em Área Comum, passível de locação.

MANUAL TÉCNICO:

Documento base para execução de Projetos e Obras de LOCATÁRIOS. Determina premissas/procedimentos e informa logística de execução de Projetos e Obras. É parte integrante do Contrato.

MERCHANDISING:

Espaço em Área Comum locado para Divulgação de Marca e/ou Produto.

NOME FANTASIA:

Nome comercial usado pelos LOCATÁRIOS, não confundir com razão social da empresa.

PLANTA ESPECÍFICA:

Planta Baixa e Cortes específicos de sua loja, contendo informações relevantes como escala indicada, medidas de largura e profundidade, área de vitrine, área de loja, pé-direito, detalhes de fachada, detalhes de pilares, vigas, localização dos pontos de utilidades, quadro de cargas com as previsões de demanda em cada ponto de utilidade, possíveis interferências, localização da Loja no piso, localização da Loja no shopping, planta de localização do shopping, etc.

PONTOS DE UTILIDADES:

Pontos de entrega de instalações do Shopping ao SUC. Está disponível no limite da loja ou em área técnica, conforme local determinado na Planta Específica, as alimentações de energia elétrica , telefonia, água e esgoto, sprinklers (hidrantes (casos de âncoras, mega lojas e determinadas satélites), água gelada (ar condicionado), ar externo, dreno, supervisão predial, detecção de gás e fumaça etc.

SERVIÇO DE ATENDIMENTO AOS LOCATÁRIOS - SAL:

Equipe técnica formada por arquitetos, engenheiros e técnicos que promove a interface entre o

LOCATÁRIO, sua obra e a Administração de seu Shopping. Orienta, estimula e fiscaliza o LOCATÁRIO e sua equipe, apoiando-os até o momento da inauguração de sua loja.

SHELL:

LOJAS “ÂNCORAS”: São operações varejistas que atraem o maior tráfego de consumidores para o Shopping Center.
Trata-se do espaço comercial individual, delimitado em suas laterais e fundo por elementos divisores construídos em

Trata-se do espaço comercial individual, delimitado em suas laterais e fundo por elementos divisores construídos em alvenaria ou painel “dry-wall” (de acordo com a localização do mesmo); na(s) sua(s) frente(s) por perfis verticais e horizontais, que demarcam limites loja/lojas, lojas/mall etc.; acima pela laje superior de cobertura de sua loja ou cobertura de estrutura metálica; abaixo por sua laje de piso em osso.

SHOPPING CENTER:

Segundo a ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers), é "um centro comercial planejado sob uma administração única, composto de lojas destinadas à exploração comercial e à prestação de serviços, sujeitas a normas contratuais padronizadas, para manter o equilíbrio da oferta e da funcionalidade, assegurando a convivência integrada e pagando um valor de conformidade com o faturamento".

SUC, LUC E EUC:

São os espaços comerciais objetos do contrato entre Locadoras e Locatárias; SUC - Salão de Uso Comercial, LUC - Loja de Uso Comercial e EUC - Espaço de Uso Comercial.

TENANT-MIX:

Plano de distribuição dos tipos de atividades por lojas pelo shopping, de modo a gerar uma

convivência lucrativa para todos.

Trata-se do espaço comercial individual, delimitado em suas laterais e fundo por elementos divisores construídos em
2. CONDIÇÕES BÁSICAS Para dar início à sua Obra, o LOCATÁRIO deve: 1. Possuir Contrato comercial
  • 2. CONDIÇÕES BÁSICAS

Para dar início à sua Obra, o LOCATÁRIO deve:

1.

Possuir Contrato comercial assinado pelas partes;

2.

Ter entregado ao SAL o ANEXO 10 - Carta de Preposto – informando o PREO (Profissional

Responsável pela Execução da Obra), contendo nome, endereços comerciais, endereços eletrônicos e telefones de contatos tanto dos LOCATÁRIOS quanto do PREO, bem como número do CREA do Profissional contratado;

3.

Ter assinado o Termo de Recebimento da Loja - ANEXO 11;

4.

Apresentar os seguintes projetos e suas respectivas ART’s (em meio eletrônico e físico):

Arquitetura;

Estrutura Metálica;

Ar Condicionado;

Elétrico e Telefônico;

Prevenção e Combate à Incêndio;

Hidrossanitário;

Exaustão (lojas Alimentação);

Gás (lojas Alimentação);

CO 2; (lojas Alimentação);

Outros (quando necessário ou solicitado pelo SAL);

5.

Obter a liberação para execução dos projetos entregues ao SAL;

6.

Apresentar a ART do PREO e apólice de seguros contra “Riscos de Engenharia” com cobertura

básica (danos de qualquer origem causados à obra segurada), com cobertura para “Responsabilidade Civil Geral/Cruzada” (danos materiais/físicos, causados a terceiros e empreiteiros em decorrência da obra, incluindo o próprio shopping e outros Locatários e usuários), e com cobertura à “Lucros Cessantes de Terceiros” (perdas emergentes , ou seja, prejuízos financeiros que a obra segurada causar a terceiros, incluindo o próprio shopping e outros Locatários e usuários).

Valores Mínimos:

  • i. R$ 200.000,00 – Responsabilidade Civil Geral / Cruzada .

ii.

R$ 50.000,00 Lucros Cessantes de Terceiros.

2. CONDIÇÕES BÁSICAS Para dar início à sua Obra, o LOCATÁRIO deve: 1. Possuir Contrato comercial
7. Executar seu tapume de obra - ANEXO 13 ; 8. Ter recolhido a Taxa de
  • 7. Executar seu tapume de obra - ANEXO 13;

  • 8. Ter recolhido a Taxa de obra junto à Construtora responsável pelas obras do Shopping;

  • 9. Ter instalado extintores no interior da loja;

10. Ter enviado à Construtora a lista de documentos necessários de todos os funcionários que irão trabalhar na obra. A lista de documentos necessários, procedimentos para confecção de crachás, assim como procedimentos dentro do canteiro de obras serão informados pelo SAL. – ANEXO 9.

7. Executar seu tapume de obra - ANEXO 13 ; 8. Ter recolhido a Taxa de
3. CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA LOCADORA A Locadora encaminhará Pasta Técnica, cuja função
  • 3. CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA LOCADORA

A Locadora encaminhará Pasta Técnica, cuja função é definir as obrigações das LOCADORAS no que se refere às condições de entrega da Loja de Uso Comercial (LUC) às LOCATÁRIAS, bem como definir padrões para as obras e serviços a cargo das LOCATÁRIAS em sua LUC e a Planta Específica, ANEXO 02, contendo o desenho da LUC indicando as dimensões e os pontos de entrega de utilidades para a execução de projeto. Estes documentos são um anexo do contrato.

Todas as modificações que se façam necessárias para o pleno funcionamento da loja, deverão ser solicitadas ao SAL até o dia 01 de março de 2014 através da solicitação de modificações (ANEXO 15) para que seja feita a análise de necessidade, viabilidade e custos.

O espaço aéreo de algumas lojas poderá, eventualmente, ser tomado pela passagem de dutos ou tubulações, bem como por descidas de prumadas junto a pilares e/ou alvenarias ou divisórias. A LOCADORA não poderá atender a qualquer pedido de desvio ou remoção dos mesmos, uma vez que são indispensáveis ao funcionamento do Shopping Center. Ficará ao encargo dos Locatários eventuais fechamentos para proteção da tubulação.

Segue abaixo os principais itens:

  • 3.1 OBRAS CIVÍS

Pisos

Laje de concreto armado, rebaixada em relação ao nível acabado do pavimento, sem contra piso ou piso.

Paredes

Executadas em divisórias em gesso acartonado perfil/placa/perfil (ver ANEXO 03).

Executadas em alvenaria de blocos de concreto entregues em osso, para lojas âncora, praça de alimentação e nas paredes limítrofes com as áreas externas.

Tetos

Laje de concreto armado entregue sem revestimento ou pintura; e/ou cobertura metálica com proteção termo acústica, conforme corte indicativo da planta específica da loja.

Limite da Loja / Fachada

O limite da loja em relação ao mall recebe arremates metálicos para o piso (rodapiso), nas laterais dividindo as lojas (divisores de lojas) e teto (rodateto), definindo o pano vertical de fachada. Estes limites nunca deverão ser ultrapassados.

O fechamento vertical, acima do rodateto, é em placa de gesso acartonado executado pelo Shopping.

A execução do fechamento frontal das lojas, delimitado pelos perfis metálicos, será de inteira responsabilidade dos Locatários.

  • 3.2 INSTALAÇÕES

3. CONDIÇÕES GERAIS PARA ENTREGA DA LUC PELA LOCADORA A Locadora encaminhará Pasta Técnica, cuja função
Instalações elétricas, telefônicas, hidráulicas, etc., no interior das lojas serão executadas pelas LOCATÁRIAS e não poderão

Instalações elétricas, telefônicas, hidráulicas, etc., no interior das lojas serão executadas pelas LOCATÁRIAS e não poderão ser embutidas nas alvenarias do Shopping Center.

Nos casos de lojas executadas com divisórias em painel-wall, será permitida somente a passagem de eletrodutos entre o painel da loja e o painel do shopping. Os pontos de entrega serão deixados no limite da Loja Comercial conforme descrito abaixo:

Elétrica

Será fornecido um ponto de energia elétrica junto ao limite interno da loja, onde será instalada uma caixa de passagem com 5 cabos, alimentados em 380/220V, divididos em 3F + N + T. A potência elétrica será informada no quadro de cargas da Planta Específica.

As lojas âncoras receberão o ponto de energia em Média Tensão junto à área técnica ou conforme descrito em seu Instrumento Particular de Contrato.

Telefone

Será instalada uma caixa de passagem com cabo, Específica.

com número de pares definido na Planta

O sistema será de linhas individualizadas para cada loja. Estas linhas deverão ser adquiridas pelos Locatários, através da Operadora local ou qualquer operadora credenciada pela Anatel. O SAL informará a disponibilidade das Operadoras, em momento oportuno.

Antena TV/FM

No Mall ou galeria técnica disponibilizaremos um anel de distribuição que permitirá fornecer ao Locatário um ponto de entrada no limite da loja.

Combate a Incêndio

Fornecimento de um ponto de ligação de "sprinklers" no limite da Loja. Caso necessário, será fornecido um ponto de hidrante.

Será previsto 01 ponto de entrega no limite da loja para Detecção de Fumaça. A distribuição interna dos acionadores manuais (obrigatório ao lado de hidrantes) e detectores é de responsabilidade dos Locatários;

As lojas de alimentação, independente da Legislação, receberão 01 ponto de detecção de gás ligado a Central de Alarme e Incêndio do Shopping. A distribuição interna dos detectores é de responsabilidade dos Locatários.

Hidráulica (Praça de Alimentação, Restaurantes, Cinemas e Serviços)

Fornecimento de um ponto de água no limite da Loja para lojas âncoras, lojas de alimentação e lojas com disponibilidade em contrato. O hidrômetro será instalado na central de medição pelo Shopping e este custo será repassado aos Locatários.

Esgoto (Praça de Alimentação, Restaurantes, Cinemas e Serviços)

Fornecimento de um ponto de esgoto primário para lojas âncoras e lojas com disponibilidade em contrato, em função de suas atividades, bem como um ponto de esgoto de gordura para as lojas de alimentação, sempre nos limites da Loja.

Instalações elétricas, telefônicas, hidráulicas, etc., no interior das lojas serão executadas pelas LOCATÁRIAS e não poderão
Fornecimento de um ponto plugado para ligação de ventilação sanitária para as lojas que receberem pontos

Fornecimento de um ponto plugado para ligação de ventilação sanitária para as lojas que receberem pontos de esgoto primário e esgoto de gordura.

Gás (Praça de Alimentação e Restaurantes)

Fornecimento de um ponto de gás GLP nas lojas de alimentação, entregue no limite da mesma, conforme indicação na planta específica, plugado na extremidade. A válvula geral e a válvula solenóide (operada pelo detector de gás) serão obrigatórias e instaladas pelos Locatário. O detalhamento desta execução será fornecido posteriormente pelo SAL.

O medidor de gás será fornecido e instalado pela Concessionária local (Ultragaz) em uma central de medição, onde a medição será feita pela concessionária e o custo de consumo individual de responsabilidade total dos Locatários

Ar Condicionado

Fornecimento de um ponto de alimentação e um de retorno de água gelada, ponto de tomada de ar exterior no limite da Loja Comercial e ponto de dreno para ligação exclusiva dos "fancoils", sendo que a instalação dos registros de bloqueio e medidores de vazão será executada pela LOCADORA.

O condicionamento de ar das lojas (exceto âncoras) será realizado através de unidades condicionadoras tipo “Fancoil”, a serem adquiridas e instaladas pela LOCATÁRIA.

Para as âncoras serão previstas áreas técnicas destinadas à instalação do sistema independente.

Os equipamentos de ar condicionado das lojas deverão ser necessariamente apoiados no piso (térreo ou mezanino), não sendo permitido que os mesmos sejam presos ao teto, seja ele de laje alveolar ou estrutura metálica.

Exaustão

Será previsto furo na laje

de

teto ou na alvenaria

divisória da loja que permita a passagem e

encaminhamento do duto de exaustão pela LOCATÁRIA, até local indicado pelo Shopping, além de um ponto de tomada de ar exterior no limite da Loja Comercial às lojas que tiverem, contratualmente, operações com utilização de forno, fogões, chapas ou similares em suas cozinhas.

Fornecimento de um ponto plugado para ligação de ventilação sanitária para as lojas que receberem pontos
4. NORMAS BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DAS LOCATÁRIAS • Limites da LUC As

4. NORMAS BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DAS LOCATÁRIAS

Limites da LUC

As instalações devem ser projetadas dentro dos limites fixados pelas alvenarias ou divisórias e planos de fachada definidos pela face dos perfis metálicos que separam as Lojas Comerciais das outras, do Mall ou de Áreas Comuns do Shopping.

É proibido alterar as divisórias limítrofes da loja, as quais podem apenas receber revestimentos. Nenhuma instalação poderá ser chumbada e nenhuma estrutura poderá ser apoiada nas divisórias paredes. Em hipótese alguma será permitido o rasgo das alvenarias para embutir quaisquer instalações.

As paredes executadas em divisórias poderão somente instalar os eletrodutos de suas lojas pelo interior das mesmas.

Os dispositivos para inspeção e desobstrução de canalização das instalações comuns, se existentes na Loja Comercial, devem permanecer com acesso garantido.

Não poderão ser efetuadas, Comercial.

pelas LOCATÁRIAS,

aberturas nas lajes

de piso e teto da Loja

Os dispositivos de fixação em lajes deverão ser adequados à finalidade e carga a ser suportada.

Deverá ser obrigatoriamente respeitada as furações com até no máximo 5 cm de profundidade nas lajes do shopping.

O sistema de fixação dos pendurais deve ser detalhado em projeto com indicação do peso por metro linear (respeitando a premissa de até 25 kg/m²), o mapeamento dos pontos (respeitando até quatro pontos de fixação por metro quadrado) e o procedimento de fixação.

No caso da existência de junta de dilatação no interior da loja, no piso e/ou alvenaria, as LOCATÁRIAS deverão tratá-la de acordo com orientação do Shopping Center, mantendo a junta no revestimento de pisos, paredes, mezaninos e forro de gesso e integrando-a adequadamente à decoração.

As portas de ferro instaladas pelos empreendedores, nas lojas com acesso a áreas comuns de serviço, não poderão ser removidas ou relocadas.

Divisórias, Pisos, Enchimentos e Impermeabilizações

Toda divisória a ser construída deverá ser em bloco sical, gesso acartonado ou similar;

No caso da utilização do slat wall, este deverá ter estrutura independente das alvenarias ou divisórias, fixado por meio de estruturas auxiliares. Ex. barrotes de madeira.

Não poderá haver diferença de nível entre o piso da loja e o do mall. Quaisquer desníveis constituem sérios obstáculos, inibidores do acesso do Locatário, além de ser elemento causador de acidentes. É proibido o uso de capachos, ainda que embutido no piso.

4. NORMAS BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DAS LOCATÁRIAS • Limites da LUC As
Não será permitida a utilização de Paviflex na área de atendimento da loja. Há restrições quanto

Não será permitida a utilização de Paviflex na área de atendimento da loja. Há restrições quanto ao uso de revestimentos vinílicos e melamínicos, todavia deverá ser apresentado catálogo técnico para que haja liberação do SAL.

Não será permitida a utilização de carpetes na área de atendimento.

Deverão ser especificados pisos de alta resistência para área de atendimento.

Todas as lojas da área de alimentação, fast-food, restaurantes e aquelas que tiverem atividades “molhadas”, terão obrigatoriamente manta de impermeabilização (butílica ou asfáltica, tipo Torodin ou similar) aplicada nas áreas molhadas. A bacia formada pela manta de proteção das áreas molhadas devera ser ligada ao ponto de esgoto através de tubos de 40mm.

Todo e qualquer dano causado por infiltrações ou vazamentos nas dependências de uso comum do Shopping ou dos demais Locatários, será de exclusiva responsabilidade dos Locatários que deverá promover a imediata recuperação. Deverão ser realizados testes de estanqueidade na impermeabilização com o acompanhamento e liberação do SAL, que deverá ser acionado para acompanhar teste de estanqueidade da área impermeabilizada (24h).

Os rebaixos de piso para passagem de instalações (lojas de alimentação) e enchimentos para elevação de piso, vitrines, etc., para atender imposições do projeto, não poderão ser preenchidos com entulho ou equivalente. Não utilizar Sinasita em áreas molhadas/impermeabilizadas. Poderá ser utilizado para preenchimento blocos de concreto celular, isopor ou similar.

Mezaninos, Plataformas Técnicas e Escadas de acesso

A área do mezanino não poderá ser superior a 50% da área total da loja.

A execução do mezanino implica obrigatoriamente na execução de rede de sprinklers e outras instalações.

O piso do mezanino deverá ser do tipo painéis Wall, chapas metálicas ou bandejas metálicas. Não serão admitidos materiais combustíveis, lajes pré-moldadas de qualquer tipo ou laje maciça.

Caso uma das faces do mezanino fique aberta é obrigatório a instalação de guarda-corpo em estrutura incombustível com 1.10m de altura.

Escadas de acesso ao mezanino, deverão possuir vão livre mínimo de 80cm.

O corrimão deve ser executado nos dois lados com altura mínima de 90 cm e especificado um piso antiderrapante. As alturas dos espelhos e largura dos pisos dos degraus deverão atender as proporções técnicas de conforto. Não serão admitidas escadas tipo “marinheiro”.

Nas lojas em que por definição de projeto arquitetônico não houver mezanino, será obrigatória a instalação de uma plataforma metálica assistida por uma escada fixa, para acesso e manutenção dos equipamentos de ar condicionado. No caso desta plataforma ficar sobre o forro de gesso, prever alçapão com abertura de no mínimo 0,80 x 0,80 m. Deverá ser prevista uma circulação de 0,80 cm ao redor do equipamento de ar condicionado para garantir o acesso e manutenção do equipamento.

É obrigatória a previsão e execução de um compartimento exclusivo e estanque para o equipamento de ar condicionado (Fan-Coil).

Não será permitida a utilização de Paviflex na área de atendimento da loja. Há restrições quanto

Forros

• Forros Para os forros atirantados à laje de cobertura deverá ser respeitado o limite total

Para os forros atirantados à laje de cobertura deverá ser respeitado o limite total de 50 kgf/m², seguindo os procedimentos descritos em projetos. Deverão ser utilizados grampos “C” para fixação dos pendurais, não sendo permitida a furação das terças da cobertura. Deverá ser previsto elemento de sustentação do forro (perfil “L”) separando-o das paredes da loja de forma a evitar que movimentos estruturais acabem por provocar rachaduras no mesmo.

As cargas pontuais em terças não deverão ultrapassar 20,00 kgf, com espaçamento mínimo de 1,00 m.

O pé direito mínimo da loja, quando não houver mezanino, deverá ser de 4,00m. O pé direito sob o mezanino nunca deverá ser inferior a 2,50m, contados a partir do piso acabado até o forro acabado e 2,30m nas áreas de mezanino utilizadas como depósito e áreas técnicas.

Deverão ser executados painéis (alçapão) de acesso para consertos e/ou manutenção dos equipamentos e instalações existentes acima do forro.

Deverão ser respeitadas as condições impostas pelas posturas municipais e pelas normas de segurança estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros.

O rebaixo de forro no interior da loja, acima ou igual a 80 cm da laje ao forro, implica na extensão da rede de sprinklers sob os mesmos.

Fachadas e Letreiros

As fachadas das Lojas deverão respeitar os limites, detalhes e arremates apresentados na Planta Específica da Loja, e deverão ajustar-se harmoniosamente aos demais elementos de acabamento do shopping, devendo ter no mínimo 75% de área de transparência voltada para o mall.

Portas de enrolar deverão ser perfuradas ou vazadas, tipo Meia Cana Transvision, com visibilidade para o interior por meio de micro perfurações de 2mm de diâmetro e 3mm de distância entre furos.

Não será permitido o uso de lona para fechamento da loja.

Lojas que possuam balcões para atendimento ao público como parte integrante da fachada, deverão respeitar o afastamento mínimo de 1 metro em relação ao limite da loja com o mall.

O rodapé da fachada deverá ter altura mínima de 15cm para proteção do vidro.

O rodateto é constituído por um perfil metálico e é projetado para destacar a vitrine da loja do forro do shopping. Não será permitido sobrepor, soldar ou pendurar qualquer elemento de fachada no rodateto que deverá permanecer livre e desimpedido.

Para o caso de fixação de vitrines, letreiros, luminosos e portas de enrolar (lojas de alimentação), deverá ser criada uma estrutura independente, descarregando o peso na laje, através de estrutura metálica devidamente dimensionada.

Os vidros das fachadas das lojas deverão ser obrigatoriamente de segurança com espessura mínima de 10 mm e incolores, obedecendo às normas técnicas para o calculo dos panos de vidro. Não será permitida a aplicação de vidros comuns ou fantasia.

• Forros Para os forros atirantados à laje de cobertura deverá ser respeitado o limite total
Os letreiros poderão ser iluminados ou não, devendo conter apenas o nome fantasia da loja. Deverá

Os letreiros poderão ser iluminados ou não, devendo conter apenas o nome fantasia da loja. Deverá ser apresentado o projeto junto com o projeto de arquitetura para liberação do mesmo. Qualquer denominação diferente daquela que consta no contrato deverá ter prévio consentimento dos EMPREENDEDORES.

Independentemente de marcas registradas, o texto do letreiro deverá ser limitado ao nome e/ou logotipo. Não será permitida a inclusão de “slogans”.

A projeção permitida além do limite da loja será de no máximo 15cm, sendo que a base deste deverá estar no mínimo a 2,40 m do piso. Quando o letreiro for composto por elementos que não avancem no limite da loja, a base do mesmo poderá estar no mínimo a 2,40m do piso.

Não é permitido letreiro com movimentos, utilização de iluminação intermitente, colocação de logotipos ou marcas de qualquer produto de terceiros na fachada, bem como a instalação de spots e luminárias tipo front-light.

Não serão permitidos letreiros do tipo bandeira, luminosos com filetes de néon expostos, devendo tais filetes estarem protegidos com chapa acrílica ou outro material.

Não serão permitidos letreiros com lona.

Em hipótese alguma será permitido aplicar, fixar, ou pendurar o letreiro ou luminoso no elemento metálico denominado rodateto.

Vitrines, letreiros e outros arranjos no interior das lojas deverão permanecer iluminados durante os períodos determinados pela administração do shopping.

A aprovação dos letreiros junto aos Órgãos Públicos, quando necessária, é de responsabilidade do LOCATÁRIO.

Proteção Acústica

As lojas que possuírem atividade que produzam ruídos ou vibração, em função dos equipamentos e/ou tipos de atividades, superiores ao desejável, com incômodo para o público, outros Locatários ou vizinhança, deverão possuir um projeto específico de isolamento acústico e/ou vibratório.

A execução do projeto e das obras de isolamento acústico é de responsabilidade dos Locatários, porém deverão ser submetidos à aprovação do SAL.

Outras Considerações

O quadro de energia deverá ser instalado no pavimento térreo e em local de fácil acesso com devida identificação.

Deverá ser prevista a instalação de luminárias de emergência indicando a saída, sobre o balcão de atendimento e quadro de energia e no mezanino de forma a iluminar a escada de acesso.

Os materiais utilizados não deverão ser aqueles considerados como agravantes do risco de incêndio pelo Instituto de Resseguros do Brasil.

Todos os materiais decorativos combustíveis deverão sofrer processo de ignifugação.

Em

hipótese alguma

será

permitido

o

uso

de carvão,

lenha ou similar para churrascarias,

restaurantes e lanchonetes. O sistema de aquecimento só poderá ser feito através

de

gás

Os letreiros poderão ser iluminados ou não, devendo conter apenas o nome fantasia da loja. Deverá
canalizado ou energia elétrica, não sendo permitido o uso de botijões de gás no interior do

canalizado ou energia elétrica, não sendo permitido o uso de botijões de gás no interior do Salão Comercial.

Todos os materiais deverão ser novos, de primeira linha e satisfazer a todas as exigências contidas nas Normas Técnicas específicas e compatíveis com o grau de segurança e durabilidade ao qual serão submetidos.

Os materiais e texturas a serem escolhidos bem como a teoria das cores a serem aplicados nos acabamentos das lojas deverão estar em sintonia com o alto padrão de acabamento do shopping, cabendo ao SAL a não aceitação de quaisquer especificações que porventura venham a denegrir ou depreciar sua imagem.

Havendo coluna da super estrutura do Shopping

dentro dos

limites da fachada das lojas,

é

facultado ao lojista inserir os acabamentos das mesmas no seu desenho de fachada ou ambientação.

Todos os projetos deverão atender às normas das Concessionárias locais e ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e deverão ser executados por profissionais habilitados junto aos órgãos representativos de classe.

É obrigatório que os Locatários faça a conferência de medidas, pontos de entrega de instalações e ar condicionado, bem como conferência de interferências de instalações do Shopping dentro da loja, no ato do recebimento do shell de sua loja ..

Todos os dutos e tubulações que sirvam às partes comuns do SHOPPING serão instalados preferencialmente nas áreas comuns podendo, a critério do EMPREENDEDOR, ser instalados pelo interior das lojas, preferencialmente junto aos tetos, pilares ou sob o piso.

canalizado ou energia elétrica, não sendo permitido o uso de botijões de gás no interior do

5.

APRESENTAÇÃO

COMPLEMENTARES

5. APRESENTAÇÃO COMPLEMENTARES DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E Condições para apresentação: Deverá ser entregue em arquivo

DOS

PROJETOS

DE

ARQUITETURA

E

Condições para apresentação:

Deverá ser entregue em arquivo eletrônico formato Auto-CAD (.dwg) e em 2 (duas) vias de arquivo físico.

As pranchas dobradas, formato ABNT com carimbo padrão do Shopping, ANEXO 04. Todas

as pranchas deverão a ter indicação clara do nível da loja e o número da loja.

Escala a ser utilizadas nos projetos: 1:25. As lojas que possuírem mais de 100m2 poderão apresentar seus projetos na escala 1:50.

Todos os desenhos deverão ser apresentados com o máximo de clareza, com o maior número de informações possíveis para ilustrar e elucidar a obra como um todo.

Não serão aceitos desenhos incompletos ou sem as cotas indispensáveis à sua leitura.

Todas as pranchas modificadas terão obrigatoriamente a indicação da respectiva revisão, datada. Qualquer modificação que venha a ser introduzida implicará, obrigatoriamente, na reapresentação dos projetos de arquitetura e nos projetos técnicos.

Os Projetos em arquivos físicos deverão estar assinados pelo Proprietário da loja e pelo Profissional Responsável Pela Execução da Obra (PREO) juntamente com as respectivas ART’s.

A aprovação das autoridades municipais deverá ser obtida pelas LOCATÁRIAS.

No caso de não cumprimento das Normas Municipais e Normas técnicas da ABNT, os custos para a regularização dos itens notificados serão de responsabilidade do LOCATÁRIO.

Somente após a liberação do projeto, a instalação referente terá autorização das LOCADORAS para sua execução.

5.1

Arquitetura

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa da loja, mezanino e patamar técnico quando houver;

Planta baixa do teto refletido;

Plantas com paginação de piso e marcação do mobiliário;

Corte longitudinal e transversal e nos locais de maior interesse (escadas, corrimãos, rebaixos,

etc.),

Elevações das paredes internas com indicação de todos os acabamentos;

Fachadas, quando existir mais de uma voltada para o mall, com indicação das vitrines, acessos, letreiros, iluminação prevista, materiais e cores a serem utilizadas e cotas.

5. APRESENTAÇÃO COMPLEMENTARES DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E Condições para apresentação: Deverá ser entregue em arquivo
• Detalhe e corte do letreiro ou luminoso, mostrando, caso exista, seu avanço em relação ao

Detalhe e corte do letreiro ou luminoso, mostrando, caso exista, seu avanço em relação ao

mall.

Perspectiva interna e de fachada;

Caderno de especificação dos materiais de acabamento;

Detalhes construtivos de tetos e forros, soleiras e vitrines, fixação de esquadrias e vitrines, escada, corrimão, guarda-corpo, impermeabilização, etc.

Indicação nos desenhos, das especificações dos materiais de acabamento e suas cores definitivas.

ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) do responsável técnico pela elaboração do projeto.

Observações:

Deverão ser observadas todas as considerações constantes no item referente às NORMAS BÁSICAS PARA ELABORAÇAO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS DAS LOCATÁRIAS. A não observância, por parte do lojista, das normas aqui fixadas implicará na sua total

responsabilidade pelas sanções previstas no Regimento interno do Shopping Botucatu.

  • 5.2 Estrutura Metálica

(verificar complemento pág. 13 - Mezaninos, Plataformas Técnicas e Escadas de Acesso)

Documentos a serem apresentados:

Planta Baixa dos pavimentos com marcação de pilares e locação dos pilares do mezanino em relação aos eixos dos pilares da estrutura do shopping;

Cortes com indicação de todos os elementos da estrutura;

Detalhe das chapas base de apoios dos pilares (deverão ter no mínimo 300 mm x 300 mm x

3/8);

Memória de cálculo com indicação das cargas adotadas para peso próprio da estrutura, revestimentos, divisórias e sobrecarga.

Especificação dos materiais incluindo o tipo de aço a ser utilizado, detalhes dos perfis, das chapas dobradas, das soldas, assim como seu eletrodo.

ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) do responsável técnico pela elaboração do projeto.

Observações

Para a laje de piso será admissível um carregamento total de 750kgf/m², resultante da soma das seguintes cargas parciais:

• Detalhe e corte do letreiro ou luminoso, mostrando, caso exista, seu avanço em relação ao
1. Loja em geral incluindo a carga de revestimento do piso da loja, cargas acidentais (divisórias,

1. Loja em geral incluindo a carga de revestimento do piso da loja, cargas acidentais (divisórias, revestimentos, mobiliário, equipamentos, depósito de mercadorias, etc.) - 500kgf/m²

2. Peso próprio do mezanino (50kg/m2) e carga acidental (200kg/m2-sobrecarga mínima para cálculo) no piso do jirau - 250 kgf/m²

Sabendo-se que a área de mezanino não deve ultrapassar 50% da área da loja, a estrutura que lhes projetamos pode aceitar basicamente as seguintes cargas:

  • 1. É aceitável um pilar com carga máxima de 1,5ton/f em apoios com até 1,5m de

distância da alvenaria.

  • 2. É aceitável um pilar com carga máxima de 3ton/f em apoios com distância superior

a 1,5m da alvenaria.

O ideal é que as estruturas de mezaninos sejam apoiadas sobre pilares metálicos, que faceiem as colunas de concreto da estrutura.

Não serão aprovados mezaninos que apresentarem tirantes presos a laje de teto ou apoiados nas alvenarias ou divisórias do Shopping. Todos os elementos estruturais deverão ser apoiados através dos pilares metálicos criados para a sustentação destes e, consequentemente, os pilares deverão distribuir a sobrecarga através das chapas metálicas (dimensões mínimas 300 mm x 300 mm x 1/2” para cargas menores de 1tf) ou dimensionadas de acordo.

A estrutura do mezanino não poderá ser apoiada nas paredes divisórias e lajes no acesso ao corredor de serviços, só serão permitidas na laje de piso da loja.

Os componentes da estrutura deverão ser incombustíveis. Os materiais utilizados no piso do mezanino deverão suportar 3 horas de fogo sem perder suas características físicas. Não serão aceitos revestimentos (parede e piso) do mezanino com materiais contendo asbestos (amianto).

Todos os projetos serão analisados pelo Shopping devendo atender as exigências acima, antes da liberação para execução do mezanino.

  • 5.3 Instalações Elétricas

As lojas serão alimentadas eletricamente por um sistema de 5 cabos: 3 FASES + NEUTRO + TERRA, tensão secundária de 380 V (entre fases) e 220 V (entre fase e neutro).

Será instalada nas lojas uma caixa de passagem em chapa de aço, pintada e com tampa de aparafusar, para terminação de eletrodutos e abrigo dos conduítes (responsabilidade do Shopping) onde será entregue o ponto de energia. A potência disponível para cada loja, bem como a secção dos conduítes está indicada no desenho da Planta Específica (ANEXO 02).

Todas as instalações deverão ser executadas de acordo com a norma NBR-5410/2004 da ABNT, atendendo às normas de segurança para proteção dos usuários e segurança contra incêndios, como extensão das medidas de segurança adotadas pela instalação geral do shopping, para o benefício do próprios Locatários e não agravamento do prêmio de seguro de incêndio.

Deverão ser previstos eletrodutos específicos para os sistemas de telefonia, sonorização e computador.

1. Loja em geral incluindo a carga de revestimento do piso da loja, cargas acidentais (divisórias,
Todas as instalações serão vistoriadas periodicamente no decurso das obras pelo SAL, bem como durante a

Todas as instalações serão vistoriadas periodicamente no decurso das obras pelo SAL, bem como durante a vistoria final, para verificação da correta execução do projeto e liberação da loja junto à Administração para funcionamento.

Documentos a serem apresentados:

Planta Baixa com a distribuição de pontos, conduítes, circuitos, fiação, etc.;

Relação de cargas detalhadas por circuito e cálculo de demanda geral;

Diagramas trifilares do quadro elétrico com indicação da capacidade dos disjuntores, equilíbrio de fases e seção dos barramentos (ver modelo sugestivo nos ANEXOS 05 e 06);

Convenções adotadas, notas e observações relevantes;

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração;

Memórias de cálculo e especificação de materiais;

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração do projeto.

Especificações Básicas:

Circuitos - os circuitos de iluminação deverão ser independentes dos circuitos de tomadas. Adotar conduítes de seções mínimas de: # 1.5 mm² para circuitos de iluminação e # 2.5 mm² para circuitos de tomadas.

Eletrodutos - Os eletrodutos de seção circular para instalação aparente deverão ser de aço galvanizado, atendendo a norma NBR-13.057/1993 da ABNT, de diâmetro mínimo de 20 mm (3/4”). Os de seção circular para instalação embutida no contra piso ou em alvenaria poderão ser de PVC rígido, classe B, atendendo a norma NBR-15.465/2007 da ABNT, de diâmetro mínimo de 25 mm

(3/4”).

o Não serão aceitos eletrodutos flexíveis ou mangueiras, exceto para interligação de caixa de ligação a aparelho de iluminação. Em caso de uso de eletrodutos flexíveis, estes deverão ser metálicos sem capa de PVC.

o Os eletrodutos de seção quadrada (perfilado), caso utilizados, deverão ser de chapa # 18, galvanização eletrolítica, lisos com dimensões 38 x 38 mm, com tampa de pressão.

As instalações (eletrodutos, caixas metálicas de passagem, tomadas, interruptores, quadros e luminárias) deverão ser conectadas ao conduítes de proteção (TERRA).

o

Nas deflexões e terminações dos eletrodutos de secção circular, deverão ser utilizadas caixas de ligação em alumínio fundido tipo condulete.

o

o Nas extremidades dos eletrodutos, no interior de quadros e caixas terminais, deverão ser aplicadas buchas e arruelas de metal galvanizado.

o

A ligação dos aparelhos de iluminação às caixas de ligação e/ou eletrocalhas, com distância

máxima de 1,50 m, deverá se efetuar por meio de cabos tripolares 1x3C#1,5 mm² do tipo AFUMEX

(conduítes com características de não propagação e auto extinção de fogo, e com propriedades de

Todas as instalações serão vistoriadas periodicamente no decurso das obras pelo SAL, bem como durante a
baixa emissão de fumaça e de gases tóxicos corrosivos – isolamento 600/1000V, 90º.C), sempre acoplados com

baixa emissão de fumaça e de gases tóxicos corrosivos – isolamento 600/1000V, 90º.C), sempre acoplados com prensa cabos nas duas extremidades.

o Fica como alternativa para substituição dos cabos tripolares tipo AFUMEX, a utilização de eletroduto flexível metálico, para proteção mecânica dos conduítes de ligação (3x#1,5 mm², com isolamento para 750 V, 75ºC) sempre acoplados com box nas extremidades.

o

Os eletrodutos aparentes deverão ser fixados no máximo a cada 2,0 m.

o

Todos os eletrodutos aparentes deverão ser pintados na cor cinza médio.

o

Devem-se tomar os seguintes cuidados com os eletrodutos:

Eletrodutos de secção circular deverão possuir luvas próprias para suas junções;

Os eletrodutos poderão ser cortados a serra, sendo escariados com lima;

Todos os eletrodutos secos (sem conduítes) deverão ser soldados por meio de guia de arame galvanizado diâmetro 1,65 mm.

Fiação e Soquetes - Na utilização de lâmpadas de neon, envolvida por duto de PVC rígido ou tubo de vidro.

a fiação de ligação deverá ser

o Soquetes para lâmpadas fluorescentes ou incandescentes, tomadas e interruptores aparentes, nunca deverão ser fixados diretamente em peças de madeira ou material combustível.

o Nos casos em que isto se tornar necessário, deverá ser instalado chapa metálica sobre a peça de madeira ou material combustível e sobre ela instalado o equipamento elétrico.

o A chapa metálica deverá ser aterrada.

Reatores Fluorescentes - Reatores simples ou duplos para lâmpadas fluorescentes tubulares poderão ser eletromagnéticos, de alto fator de potência, partida rápida, com espaços internos preenchidos com composto a base de poliéster, baixo nível de ruído, para tensão de 220V, 60Hz; ou reatores com circuitos eletrônicos, de alto fator de potência, taxa de distorção harmônica menor que 10%, com supressão de rádio interferência, tensão de alimentação de 198V a 264V, 60Hz.

o Os reatores simples deverão ter o fator de potência corrigido individualmente.

Conduítes - Todos os conduítes de baixa tensão, quando instalados em conduítes fechados (eletrodutos circulares, perfilados e eletrocalhas lisas e com tampas) deverão ser de cobre eletrolítico, isolado para tensão de 750V, 70° C, devendo atender às especificações da NBR NM 247-3, da ABNT.

o Quando lançados em perfilados e eletrocalhas perfuradas e/ou sem tampa, os conduítes deverão ser obrigatoriamente, de cobre eletrolítico, isolado para tensão de 750V ou 600/1000V, 90° C, tipo AFUMEX (baixa emissão de gases e de fumaça tóxicas) devendo atender às especificações da NBR-13.248 da ABNT

o A identificação dos conduítes deverá obedecer às seguintes convenções:

A - CIRCUITOS TRIFÁSICOS

Fase A – Preto

baixa emissão de fumaça e de gases tóxicos corrosivos – isolamento 600/1000V, 90º.C), sempre acoplados com
• Fase B – Branco • Fase C – Vermelho • Neutro - Azul claro •

Fase B – Branco

Fase C – Vermelho

Neutro - Azul claro

Terra (PE Proteção) – Verde ou Verde Amarelo

B - CIRCUITOS MONOFÁSICOS

Fase – Preto

Retorno – Cinza

Neutro - Azul claro

Terra (PE Proteção) – Verde ou Verde Amarelo

o As emendas entre conduítes serão feitas por meio de conectores rápidos do tipo CRI, opcionalmente as emendas poderão ser executadas com solda a estanho 50/50, com a utilização de fita isolante de auto fusão 3M para isolamento das conexões, e com cobertura final com fita isolante plástica.

o Emendas para conduítes que forem maiores que # 16mm² (exclusivamente) deverão ser executadas por meio de conectores de pressão, comprimidas por meio de ferramenta apropriada.

o As caixas para abrigar interruptores e tomadas serão de:

Chapa estampada esmaltada # 18, quando embutidas em alvenaria.

Alumínio fundido, tipo condulete, quando aparentes.

o Todas as estruturas metálicas, dutos de ar condicionado, caixas de passagem / ligação de interruptores / tomadas, quadros e aparelhos de iluminação deverão ser conectados ao conduítes de proteção (TERRA).

Quadro Elétrico Geral (medição e de circuitos internos) - Deverá estar no pavimento térreo e em local de fácil acesso com devida identificação.

o Estrutura dos quadros de terminais de luz deverá ser adequada para fixação em parede por suporte metálico (de sobrepor).

o Os quadros deverão ser construídos em chapa de aço, seção mínima # 16MSG (1,519 mm), com tratamento por processo de fosfatização ou equivalente. Grau de Proteção: IP 34.

o Deverão ser previstas chapas removíveis, aparafusadas na parte inferior e superior dos quadros para fixação dos eletrodutos na mesma.

o As partes vivas (barramentos) deverão ser confinadas no interior de invólucros e atrás de barreiras que garantam grau de proteção no mínimo IPXXB ou IPX2, devendo atender as recomendações da norma NBR IEC 60.439-3/2004, da ABNT (Conjuntos de manobra e controle de baixa tensão- Parte 3 : Requisitos particulares para montagem de acessórios de baixa tensão destinados a instalação em locais acessíveis a pessoas não qualificadas durante sua utilização - Quadros de Distribuição).

• Fase B – Branco • Fase C – Vermelho • Neutro - Azul claro •
o Os quadros deverão ser equipados com disjuntor geral, barramentos de cobre eletrolítico para as três

o Os quadros deverão ser equipados com disjuntor geral, barramentos de cobre eletrolítico para as três fases, neutro e terra, de seção compatível com a carga instalada. O barramento neutro deverá ter a mesma seção da das fases. O barramento terra deverá ter, no mínimo, a metade da seção da das fases.

Os barramentos de fases e neutro deverão ser isolados da carcaça e o de terra, conectado à mesma.

o

o Os barramentos dos quadros deverão ser identificados (pintados) com as seguintes cores:

Fase A - Azul escuro

Fase B – Branco

Fase C – Vermelho, Violeta ou marrom

Neutro - Azul claro

Terra (PE Proteção) - Verde

o

As conexões internas deverão ser

equilibrada de cargas nas três fases.

arranjadas de modo a atender a uma distribuição

o Os quadros deverão ser identificados externamente, com seu número, por meio de plaquetas em policarbonato preto com espessura mínima de 3 mm, dimensões compatíveis com o quadro, gravação em branco, fixadas às portas por parafusos de cabeça redonda, no mínimo com os seguintes dados: nome do fabricante, tipo e número de identificação do quadro, tensão nominal do circuito principal, corrente nominal do circuito principal, capacidade de corrente de curto circuito (em kA), frequência, grau de proteção.

o Todos os circuitos deverão ser identificados por meio de plaquetas em policarbonato preto com espessura mínima de 3 mm, dimensões compatíveis com o local, gravação em branco, fixadas aos espelhos por parafusos de cabeça redonda. Deverá ter afixado à sua porta, pelo lado interno, relação de circuitos datilografada e plastificada, contendo o número do circuito e sua área de atuação.

Todo quadro deverá ter afixado à sua porta, pelo lado interno, bolsa plástica, contendo no seu interior o diagrama trifilar e funcional do mesmo.

o

Disjuntor modular, tensão máxima de operação 600V, 60 Hz, corrente nominal definida em projeto, sem compensação térmica de carcaça, com mecanismo de operação manual com abertura mecanicamente livre, para operações de abertura e fechamento, com possibilidade de utilização de dispositivo de travamento por cadeado e disparo, eletromecânico, de ação direta por curto circuito elementos instantâneos e elemento térmico para proteção contra sobrecargas.

o Nota: os disjuntores especificados acima deverão ser de curva “C” (circuitos de cargas mistas) e de curva “D” ou curva “K” (circuitos de motores) e atender as normas ABNT NBR IEC 60.947-2 e NBR NM-60.898.

Interruptor de Fuga (Dispositivo Diferencial Residual – DR) – O QTL deverá obrigatoriamente ter instalado o DR apropriado para circuitos trifásicos + neutro, para tensão nominal de 380V/220V, corrente nominal conforme projeto, corrente nominal residual de 30 mA, modelo adequado ao quadro elétrico.

o Os quadros deverão ser equipados com disjuntor geral, barramentos de cobre eletrolítico para as três
• Contator para comando da iluminação de vitrine e letreiro, uni ou tripolar, 600V, corrente nominal,

Contator para comando da iluminação de vitrine e letreiro, uni ou tripolar, 600V, corrente nominal, conforme projeto, bobina de abertura 220V, com 2 contatos NA e 2 NF., para operação conjunta com Timer.

Deverá ser prevista tubulação seca de Ø = ¾” (c/ guia) do quadro elétrico da loja até o ponto de entrega de automação no limite da loja, para futura interligação ao sistema de automação.

Iluminação de emergência - deverão ser instalados no mínimo três (3) pontos de iluminação de emergência autônoma. Sendo em circuito individual, de acordo com a NBR 10898, (preferencialmente um ponto próximo a caixa e outro próximo à escada de acesso ao mezanino, se esta existir). Acionamento automático, alimentação de 220 V, 60 Hz, com carregador automático e bateria. O sistema de iluminação de emergência deverá ter autonomia de duas (2) horas de funcionamento ininterrupto;

Observações:

Os valores adotados para o cálculo de demanda máxima provável de energia para cada loja tiveram por base a demanda constatada em estabelecimentos similares, localizados em outros Shoppings Center.

A carga total instalada não poderá ultrapassar o limite estabelecido na Planta Específica.

Caso haja necessidade de acréscimo de carga elétrica, além do previamente estabelecido pelo contrato de locação, o mesmo somente será liberado, desde que exista disponibilidade de carga nos alimentadores principais e na subestação elétrica do shopping.

Todas as despesas decorrentes do acréscimo solicitado serão de responsabilidade dos Locatários interessado.

O consumo de energia elétrica será registrado em medidor individual (1 por loja) instalado em um centro de medição, para posterior rateio da fatura emitida pela concessionária.

O circuito de iluminação de vitrine/ letreiro será exclusivo, originado do quadro elétrico da loja, e comandado por TIMER.

A ligação de energia definitiva da loja somente será disponibilizada através de solicitação ao SAL que fará a vistoria técnica das instalações e testes no quadro.

NOTAS:

1- O condicionador de ar da loja (Fan-Coil) será alimentado por circuito trifásico exclusivo (de responsabilidade dos Locatários), a partir do Quadro Elétrico interno à loja.

2- Os aparelhos de iluminação de emergência serão alimentados por circuito monofásico independente e exclusivo a partir do Quadro Elétrico interno à loja.

LOJAS ÂNCORAS:

1- Além das recomendações anteriores, as lojas âncoras deverão apresentar o projeto elétrico da subestação, constituído no mínimo de:

Diagrama unifilar de média tensão e do QGBT, com especificações de equipamentos e cabos. Planta baixa e cortes da subestação.

• Contator para comando da iluminação de vitrine e letreiro, uni ou tripolar, 600V, corrente nominal,

• Trajetos dos cabos de baixa tensão entre transformador, QGBT e loja. • Aterramento de todos

Trajetos dos cabos de baixa tensão entre transformador, QGBT e loja.

Aterramento de todos os equipamentos de média tensão, quadros elétricos e partes metálicas (suportes, esquadrias, leitos e eletrocalhas), interligando à barra de terra secundária (BES) e esta conectada aos cabos TERRA oriundos da cabine de medição do Shopping.

Detalhes de montagem e das placas de identificação e de advertência.

Planta baixa com iluminação, extintor de incêndio.

Resumo geral de cargas e cálculo de demandas.

Grupo gerador, com indicação em planta baixa, interligação com QGBT e chave de transferência automática (caso exista)

2- O projeto de subestação elétrica, juntamente com a documentação jurídica do Locatário deverá ser encaminhado à concessionária de energia elétrica, para análise/ aprovação, bem como para inicio dos trâmites relacionados com a elaboração do contrato de fornecimento de energia (contrato de demanda).

3- As estruturas metálicas e as partes metálicas da cobertura em áreas técnicas (grades, suportes, antenas, equipamentos de ar condicionado, geradores, etc.), deverão ser conectadas ao sistema de captores lineares (SPDA) das áreas comuns, sob responsabilidade dos Locatários.

5.4

Luminotécnico

Documentos a serem apresentados:

Deverá ser apresentada para aprovação do SAL, planta do teto refletido (loja e vitrines), indicando a posição e a especificação de todas as luminárias.

Deverá ser executado projeto luminotécnico detalhado informando a quantidade de intensidade luminosa (lux), especificações das luminárias da área de venda e da vitrine, para aprovação junto ao consultor de luminotécnica.

Observações:

Se a entrada da loja for recuada em relação ao alinhamento frontal, esta área deverá ser iluminada pelos Locatários.

Poderão ser usadas nas áreas de venda, tanto luminárias em trilhos eletrificados quanto luminárias embutidas, e deverão ser do tipo baixa claridade. As luminárias poderão ser direcionáveis e deverão possuir superfície de reflexão espelhada ou semiespelhada.

O uso na área de vendas de luminárias tipo teto iluminado, candelabros, luminárias pendentes, arandelas ou faixas refletivas, poderão ser permitidos após aprovação específica de local, pelo SAL. Ficam proibidos, no entanto, o uso de luminárias estroboscópicas, giratórias ou canhões de luz direcionáveis.

Nenhuma luminária poderá ser instalada fora dos limites da loja.

A iluminação geral deverá ser feita usando luminárias não ofuscantes.

Se luminárias fluorescentes forem utilizadas, estas deverão ser do tipo embutida e com as lâmpadas protegidas por aletas metálicas, difusores parabólicos ou grades plásticas. Não deverá ser utilizada lente acrílica.

• Trajetos dos cabos de baixa tensão entre transformador, QGBT e loja. • Aterramento de todos
Luminárias com lâmpadas HID não deverão ser utilizadas sem a aprovação do SAL sempre deverão prever

Luminárias com lâmpadas HID não deverão ser utilizadas sem a aprovação do SAL sempre deverão prever lentes de proteção contra radiações UV.

Luminárias incandescentes pendentes poderão ser utilizadas para iluminação geral, somente se os Locatários haja estabelecido uma identidade baseada neste tema ou conceito.

Nos casos onde for utilizado gás neon, todo o sistema deverá ser aterrado e o transformador deverá ficar em local de acesso restrito ao pessoal especializado.

A intensidade de iluminação para a vitrine e atendimento de loja deverá seguir a NBR 5413/1992.

  • 5.5 Telefone

Cada loja receberá uma caixa de passagem indicada em planta específica (ANEXO 02), com disponibilidade de pares previstos

Os pontos de entrega de lojas satélites serão em chapa de aço, pintadas e porta com dobradiças e abertura para ventilação, para instalação de sobrepor, dimensões 20x20x12 cm (responsabilidade do Shopping).

O sistema será de linhas individualizadas para cada loja. Estas linhas deverão ser adquiridas pelos Locatários, através da operadora local ou qualquer operadora credenciada pela ANATEL.

Deverá o Locatário a partir do ponto de entrega de telefonia executar os seus conduítes e fiações, obedecendo ao seu layout da loja.

Quaisquer despesas em acréscimo de linha, tronco e fiação, correrão por conta dos Locatários.

Os projetos de telefonia deverão respeitar às normas da operadora local.

O projeto e a execução da instalação telefônica deverão atender às recomendações da operadora local no tocante à quantidade mínima e localização de caixas de saída (ponto de telefone).

Documentos a serem apresentados:

O projeto de telefone poderá ser desenhado junto ao projeto elétrico, desde que não haja recomendação contrária da concessionária, e que não dificulte o entendimento do conteúdo dos projetos.

Especificações Básicas:

Os cabos

serão

do tipo pares

trançados compostos de conduíte sólidos de cobre nu #

24AWG, isolados em composto especial, capa externa em PVC não propagante à chama.

Todos os eletrodutos aparentes deverão ser pintados à tinta a base de esmalte sintético na cor cinza escuro.

Os eletrodutos aparentes deverão ser fixados no máximo a cada 2,0 m.

  • 5.6 Antena de TV/FM e Sonorização

As lojas com atividades afins deverão solicitar ao SAL ponto de entrega de antena de TV/FM, para posterior extensão de conduítes, a partir de infraestrutura em áreas comuns para os pontos internos

Luminárias com lâmpadas HID não deverão ser utilizadas sem a aprovação do SAL sempre deverão prever
à loja, mediante instalação de conectores, divisores e amplificadores, dentro das necessidades de cada um, às

à loja, mediante instalação de conectores, divisores e amplificadores, dentro das necessidades de cada um, às expensas do Locatário.

As tubulações, fiação e equipamentos para antena de TV/FM no interior das lojas, a partir do ponto de entrega, serão executados sob a responsabilidade dos Locatários.

Sonorização ambiental no interior da loja, caso exista, deverá ser alimentada por fonte própria e específica da loja.

Documentos a serem apresentados:

Os projetos de antena TV/FM e sonorização poderão ser desenhados junto ao projeto elétrico, desde que não dificulte o entendimento do conteúdo dos projetos.

Especificações Básicas:

Todos os eletrodutos aparentes deverão ser pintados à tinta a base de esmalte sintético nas cores Sonorização - Preto e Antena TV/FM - Laranja.

  • 5.7 Proteção por sistema de “Sprinklers”

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa com a distribuição de pontos, tubulações, etc.;

Cortes;

Detalhes ampliados das instalações com elevações ou isométricas em escala 1:20;

Diagramas verticais;

Convenções adotadas, notas e observações relevantes;

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração;

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração dos projetos.

As instalações de chuveiro contra incêndio obedecerão às Normas - NBR-10.897/2007 da ABNT, Proteção contra incêndio por chuveiro automático, Normas do “National Fire Protection Association” - Cap. 13 - Sprinklers Systems - edição de 2002 e as exigências da Corporação local do Corpo de Bombeiros.

Especificações Básicas:

Tubulações - deverá ser em aço carbono, tipo DIN 2440, com costura conforme norma NBR 5580 (classe L), como segue:

o

diâmetro de 25mm a 50mm (inclusive) : rosqueados (galvanizado ou preto).

diâmetro acima de 50mm (exclusive) : rosqueados (galvanizado ou preto) ou com pontas bisotadas para solda de topo (preto).

o

o Diâmetro mínimo para rede de sprinklers será de 25mm (1”).

à loja, mediante instalação de conectores, divisores e amplificadores, dentro das necessidades de cada um, às
As deflexões e as derivações na rede de sprinklers deverão ser efetuadas por conexões adequadas. o

As deflexões e as derivações na rede de sprinklers deverão ser efetuadas por conexões adequadas.

o

meio de

o As conexões para tubulações com diâmetros de 25mm a 50mm (inclusive) serão em aço maleável galvanizado ou preto com rosca BSP (25 kg/cm²).

o As conexões para tubulações com diâmetros maiores do que 50mm poderão ser em aço maleável ou aço carbono preto para solda de topo classe 150 Lbs.

Somente serão aceitas conexões tipo "boca de lobo" nos tubos com diâmetro mínimo de 4"

(100 mm), e a derivação para solda na "boca de lobo" em diâmetro mínimo de 2" (50 mm).

Dimensionamento mínimo do ramal alimentador:

25 mm - até 2 bicos

32 mm - 3 bicos

40 mm – 4 e 5 bicos

50 mm – 6 a 10 bicos

65 mm – 11 a 15 bicos

80 mm – 16 a 30 bicos

100 mm – 31 a 100 bicos

Acima de 100 bicos, deverá ser dimensionado de acordo com o cálculo hidráulico, conforme recomendado pela norma NBR 10897/2007.

Bico de Sprinkler – Tipo ampola, fabricado em liga especial de bronze, fator K = 80, rosca BSP 1/2" e temperatura de 68°C. Deverá ser apresentado o atestado de conformidade do INMETRO. No caso de proximidade de coifas e interior de cozinhas, os bicos deverão atuar na temperatura de 79° C.

Válvulas - Todas as tubulações deverão possuir dreno no interior da loja com válvula tipo Esfera.

Observações:

O espaçamento máximo permitido para risco ordinário é de 4 x 3m entre bicos e de 2 X 1,5m entre o bico e a parede, desde que não ultrapasse a área de atuação do bico.

A área máxima de cobertura por bico é de 12m².

Qualquer compartimento fechado tais como depósito e vitrine, deve ser protegido com um ou mais bicos de sprinkler, conforme a área.

Quando a distância do Fan-Coil ultrapassar 0,80m do piso do mezanino deverá ser previsto bico sob o equipamento.

Estão dispensados de instalação de bicos de sprinklers:

As deflexões e as derivações na rede de sprinklers deverão ser efetuadas por conexões adequadas. o

objetos móveis.

Instalações sanitárias.

• objetos móveis. • Instalações sanitárias. • Recintos de equipamentos elétricos. Quando a altura do forro

Recintos de equipamentos elétricos.

Quando a altura do forro falso for superior a 1,0 metro deverá ser executada rede com bicos de sprinklers no entreforro.

A distância máxima do bico ao anteparo superior (laje, forro, duto de ar condicionado) não deve ser superior a 30 cm.

Todas as tubulações aparentes deverão ser rigidamente fixadas à estrutura, por meio de suportes, braçadeiras, espaçadas de no máximo 2,0 metros.

As tubulações aparentes deverão ser pintadas com esmalte sintético na cor vermelha.

Todas as tubulações deverão ser testadas antes de serem ligadas à rede do Shopping a uma pressão duas vezes maior que a pressão de trabalho (aproximadamente 200 psi) durante, no mínimo, 48 horas.

O projeto de prevenção e combate a incêndio por sprinklers deverá vir acompanhado da ART do responsável técnico e se exigido pela legislação locar, ser aprovado por conta dos Locatários, no Corpo de Bombeiro. Após aprovação do projeto e baixa da vistoria final pelo CB uma via com carimbo deverá ser entregue ao Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL.

Extintores:

Os sistemas de proteção por extintores de incêndio, a serem instalados no interior da loja, em locais visíveis e de fácil acesso, especificados e dimensionados segundo a Norma Técnica do Corpo de Bombeiros e recomendação da Equipe Técnica da Seguradora e terão as características abaixo definidas, em função da atividade da loja e/ou do risco de incêndio.

Observações:

A quantidade de unidades extintoras será em função da área e do risco de incêndio conforme as normas. Prever no mínimo: 01 extintor no térreo mais 01 no mezanino.

Os extintores deverão ser dispostos de tal maneira, que possam ser alcançados de qualquer ponto da área protegida, sem que haja necessidade do operador percorrer distância superior a 15 metros. Deverão possuir sinalização e estarem identificados.

Para cada fração de 250 m² deverá ser acrescido, no mínimo, mais um extintor.

Os extintores deverão estar localizados em área de fácil visualização e acesso, e instalados a uma altura máxima do piso de 1,70 m.

É obrigatória a instalação do sistema automático de proteção contra incêndios, à base de gás carbônico (CO2), ou através de gás R102, nas cozinhas das lojas de “fast-food” e restaurantes, obedecendo às normas internacionais.

  • 5.8 Proteção por Hidrantes

• objetos móveis. • Instalações sanitárias. • Recintos de equipamentos elétricos. Quando a altura do forro
Em função da área de determinadas lojas e como consequência do layout interno, inclusive a eventual

Em função da área de determinadas lojas e como consequência do layout interno, inclusive a eventual criação de mezaninos, poderá ser necessária a instalação de hidrantes complementares no interior das lojas para atender aos requisitos já mencionados. Esta instalação ocorrerá a partir do ponto de tomada da loja e sob responsabilidade dos Locatários.

Para as Âncoras e Megalojas foram previstas tomadas de hidrantes, para posterior distribuição dos mesmos no interior das lojas em função dos respectivos layouts internos, sob responsabilidade dos

Locatários. Também devem prever proteção por hidrantes as lojas satélites e de alimentação que tenham indicação de ponto de entrega de hidrantes na planta específica da loja.

Devem ser locados em áreas de fácil acesso e de acordo com as exigências do Corpo de Bombeiros, respeitando as distâncias a serem percorridas pelo operador, dispositivos de manobra e registros, afastamentos das portas, escadas ou antecâmaras.

Todos os hidrantes em áreas internas às lojas deverão ser munidos de saídas duplas e equipados com mangueiras de 65 mm.

Ao lado de todos os hidrantes será instalado acionador manual tipo QUEBRA VIDRO, conectado a central de Detecção e Alarme de Incêndio do Shopping.

As instalações de detecção internas às lojas (a partir dos pontos de entrega) serão executadas sob responsabilidade dos Locatários, porém obedecendo aos requerimentos e informativos do SAL, de forma a possibilitar a interface das suas instalações internas com as instalações das áreas comuns do Shopping.

Especificações Básicas:

Tubos - Deverão ser de aço carbono com costura DIN 2440 (classe M), conforme norma NBR-5580/2002 da ABNT, com pontas bisotadas para solda de topo.

Abrigo - em chapa de aço #18 MSG, decapada, fosfatizada, pintada em primeira demão com fundo antiferruginoso e na segunda demão com tinta a base de esmalte sintético na cor vermelha, com cestas basculantes para mangueiras.

Mangueiras - em 4 lances de 15m, com comprimento total de 30,0m, de fibra sintética e com revestimento interno de borracha, incorporadas em suas extremidades engates rápidos do tipo STORTZ padrão Corpo de Bombeiros de diâmetro 65mm.

Esguicho - do tipo agulheta com engate STORTZ CB, diâmetro nominal de 65mm e requinte de diâmetro de 25mm, 1 jato sólido e 1 jato regulável.

Observações:

As tubulações aparentes deverão ser pintadas com esmalte sintético, na cor vermelha.

A fixação à estrutura deverá ser rígida e por meio de suportes, braçadeiras, mãos francesas, etc., espaçadas de no máximo 2,00m.

  • 5.9 Detecção e Alarme de Incêndio

Será previsto 01 ponto de entrega (módulo endereçável)

no limite da loja para Detecção de

Fumaça. A distribuição interna dos detectores é de responsabilidade dos Locatários, os detectores

de fumaça das lojas deverão ser do mesmo fornecedor dos detectores do shopping como um

Em função da área de determinadas lojas e como consequência do layout interno, inclusive a eventual
todo, a fim de se garantir a integração.do sistema da loja com o sistema do Shopping.

todo, a fim de se garantir a integração.do sistema da loja com o sistema do Shopping. O SAL fornecerá detalhamento de interligação do sistema da loja com o Shopping, posteriormente.

Observações:

Serão atendidos pelo sistema de detecção todos os recintos internos às lojas.

O sistema se constitui basicamente por central de Detecção e Alarme de Incêndio instalada em sala de segurança do Shopping (Administração), dedicada de forma compartilhada às áreas comuns e lojas, e por circuitos para detectores de fumaça, acionadores manuais e avisadores visuais (lâmpada estrobo) junto aos hidrantes, todos do tipo endereçável, setorizados por circuitos (laços), em classe “A” (4 fios).

Para as áreas de lojas satélites foram destinados circuitos independentes dos circuitos de áreas comuns. A quantidade estimada de detectores é em função da área de cada loja, considerando 1 detector de fumaça para cada 81m² de área (no máximo). Na elaboração do projeto, adotar as recomendações da norma NBR- 9441/1998 da ABNT.

No interior de lojas de alimentação e/ou com consumo de gás, deverão ser previstos detectores de gás junto aos equipamentos que consomem gás. As válvulas solenóides nos pontos de entrega de gás das lojas que recebem suprimento de gás, deverão ser acionadas pela central de detecção do Shopping, em caso de eventual vazamento detectado pelos detectores instalados no interior das mesmas.

As instalações internas às lojas (a partir dos pontos de entrega) serão executadas sob responsabilidade dos Locatários, porém obedecendo aos requerimentos do Shopping, de forma a possibilitar a interface das instalações internas com as instalações das áreas comuns.

Equipamentos:

Todos deverão ser do tipo analógico endereçável, e ainda com as características abaixo:

Os detectores de fumaça do tipo ótico, indicador LED, serão ajustáveis e equipados com base para montagem superficial e características mínimas abaixo:

Os detectores de gás serão equipados com sensor resistente aplicados em conjunto módulo endereçável, com base para montagem superficial.

Alarme visual para montagem em parede, constituído de lâmpada estrobo, em policarbonato, grau de proteção IP-65,potencia visual 2,0J, tensão de alimentação 24VCC.

Acionadores Manuais:

Os acionadores manuais deverão ser abrigados em caixa de alumínio ou de bronze fundido com roscas laterais em sua parte superior e inferior, com botão de acionamento protegido por tampo de vidro, do tipo endereçável, com LED indicativo de estado de funcionamento.

Nota: as especificações e modelos dos equipamentos (detectores, acionadores, alarmes) deverão estar em conformidade com as especificações dos equipamentos das áreas comuns, de forma a criar interface entre as instalações internas das lojas e a central do Shopping. Confirmar especificações com Serviço de Atendimento aos Locatários. - SAL.

Conduítes:

todo, a fim de se garantir a integração.do sistema da loja com o sistema do Shopping.
Os conduítes para circuitos do sistema de detecção aplicados em eletrodutos, deverão ser constituídos de conduítes

Os conduítes para circuitos do sistema de detecção aplicados em eletrodutos, deverão ser constituídos de conduítes propriamente dito, em cobre eletrolítico de alta pureza e que deverão atender as

especificações NBR 6880 e NBR 7288 da ABNT, para tensão efetiva de 750 V, 70 º C, par trançado a 2 cores, com seção mínima de # 1,5 mm².

Eletrodutos:

Os eletrodutos de seção circular para instalação aparente deverão ser de aço galvanizado, atendendo a norma NBR-13.057/1993 da ABNT, de diâmetro mínimo de 20 mm (3/4”).

As caixas para a instalação de detectores deverão ser em alumínio fundido, do tipo circular.

Para fixação de eletrodutos às paredes, lajes e vigas, dever-se-á usar vergalhões e braçadeiras circulares, todos galvanizados.

As buchas e arruelas a serem aplicadas deverão ser de metal galvanizado.

Todos os métodos executivos para a instalação dos eletrodutos, caixas e fiação para o sistema de detectores deverá obedecer ás recomendações contidas nas especificações para projeto elétrico da Pasta Técnica de Locatários.

Recomendações Gerais:

Todos os eletrodutos aparentes deverão ser pintados a tinta a base de esmalte sintético na cor Vermelha, MUNSELL NOTATION 5 R-4/14 (cor 350 - vermelho - CORAL).

O fabricante/fornecedor do sistema deverá efetuar testes para verificação das condições de funcionamento de todos os equipamentos, conforme as exigências da Norma NBR 9441 da ABNT, bem como da de normas internacionais vigentes, para efeito de entrega e aceitação do mesmo.

O fabricante/fornecedor dos equipamentos deverá fornecer laudo de aceitação pela ABNT e INMETRO.

  • 5.10 Instalações Hidrossanitárias

Todas as instalações deverão ser executadas de acordo com as normas municipais vigentes e NBR-5626/1998 e NBR-8160/1999 da ABNT, atendendo às normas de segurança para proteção dos usuários, como extensão das medidas de segurança adotadas pela instalação geral do shopping, para o benefício do próprios Locatários.

As lojas âncoras, lojas com área superior a 200m², lojas “fast-food” e lojas com exigência contratual terão pontos de água potável e ligação de esgoto secundário. Em quaisquer outros casos, lojas que solicitarem instalação de pontos de água e esgoto serão submetidas à análise técnica e, em caso de possibilidade de atendimento, estas deverão, antes da liberação de execução dos serviços, aceitar o referido orçamento de execução dos serviços.

O consumo de água potável de cada loja será medido através de leitura em medidor individual (hidrômetro), para posterior rateio da fatura emitida pela Concessionária. Este medidor será instalado pela Locadora em área técnica comum, sendo seu custo de instalação e aquisição repassado ao locatário. Em casos especiais, e a critério do SAL, este medidor poderá ser instalado dentro da Loja.

Os conduítes para circuitos do sistema de detecção aplicados em eletrodutos, deverão ser constituídos de conduítes
Nas lojas que possuem tomadas de esgoto, os drenos de ar condicionado deverão ser encaminhados para

Nas lojas que possuem tomadas de esgoto, os drenos de ar condicionado deverão ser encaminhados para a rede de esgoto interna às mesmas, mediante utilização de ralos sifonados ou sifão. Tal ligação não poderá ser direta.

No ponto de conexão do esgoto da loja com a rede do shopping deverá ser executada no lado interno da loja, pelos Locatários, uma caixa de gordura geral, e em todas as pias internas às lojas deverão ser instaladas caixa de gordura individual, de responsabilidade dos Locatários.

Os pontos de tomada de esgoto nas lojas serão no piso e os pontos de tomada de ventilação no teto das lojas, conforme indicados no ANEXO 02 (Planta Específica da Loja).

No interior das lojas, os tubos de queda de esgoto (tomada) deverão ser prolongados até o teto e interligados à tomada de ventilação (responsabilidade dos Locatários). O tubo de ventilação deve ser executado acima do eixo da tubulação horizontal de esgoto (NBR 8160/99).

No ponto de entrada d’água potável na loja é OBRIGATÓRIO a instalação de registro geral pelos Locatários.

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa com a distribuição de pontos, tubulações, etc.;

Detalhes ampliados das instalações sanitárias em escala 1:20;

Detalhes ampliados das instalações hidráulicas (elevações ou isométricas na escala 1:20);

Convenções adotadas, notas e observações relevantes;

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração;

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração dos projetos.

Nota: Todas as lojas com atividades afins (“molhadas”) deverão obrigatoriamente aplicar nos pisos das áreas molhadas, manta de impermeabilização apropriada e dentro dos padrões adotados no Shopping. A estanqueidade desta manta será posta em teste, com acompanhamento do SAL.

Especificações Básicas:

Tubos

Água fria será de PVC rígido, classe 15, soldáveis, conforme norma NBR-5648/1999 da ABNT.

o

o

Água quente poderá ser utilizado PVC específico. As tubulações deverão receber isolamento

térmico à base de argamassa de vermiculita, calha de poliuretano ou isolamento tipo ELUMAFLEX.

o Esgoto primário, de esgoto de gordura e de ventilação sanitária, de diâmetro igual ou maior que 50 mm serão de PVC, série R, tipo ponta e bolsa, conforme norma NBR-5688/1999 da ABNT.

Esgoto secundário (diâmetro de 40 mm) será de PVC, tipo esgoto predial (branco), tipo ponta e bolsa.

o

Nas lojas que possuem tomadas de esgoto, os drenos de ar condicionado deverão ser encaminhados para
o Drenos de equipamentos de ar condicionado (Fan-Coil) serão de PVC soldável, classe 15, para água

o Drenos de equipamentos de ar condicionado (Fan-Coil) serão de PVC soldável, classe 15, para água (marrom) inclusive as conexões.

Conexões

o Para tubos de água e esgoto deverão ser de material idêntico ao da tubulação utilizada, apropriadas para o tipo de tubo.

o

Não será permitida “bolsa a quente" fabricada no local

o

Os Caixilhos e grelhas para ralos e caixas deverão ser metálicos e cromados

Declividades

o

Tubos de esgoto: diâmetros iguais ou menores que 75mm

..............

2,0%

o

diâmetros iguais a 100mm

1,0%

o

Tubos de ar condicionado - declividade mínima de 1,0%, independente do diâmetro.

Observações:

As instalações hidráulicas deverão ser testadas antes de ligadas à rede geral, a uma pressão de 4kgf/ cm² durante, no mínimo, 24 horas e acompanhadas pelo SAL.

As tubulações de esgotos e de ventilação deverão ser submetidas a pressão de teste hidrostático conforme descrito no anexo “G” da NBR-8160/1999

Todas as instalações serão vistoriadas periodicamente no decurso das obras pelo SAL que também efetuará uma vistoria final para verificação da correta execução do projeto.

Todas as tubulações aparentes deverão ser fixadas por suportes metálicos com espaçamentos tais que permitam boa rigidez das mesmas. Recomendam-se suportes de fixação a cada 1 metro, para tubos de PVC.

Caso seja necessária a instalação de caixa de inspeção, esta deverá ser impermeabilizada.

Lojas com atividade de salão de beleza e pet shop deverão ser dotadas de filtro de cabelo no sistema de esgoto.

As tubulações hidráulicas e sanitárias, quando aparentes, deverão ser pintadas com esmalte sintético nas cores verde claro e marrom, respectivamente.

Toda a instalação deverá ser ventilada com distanciamento dos desconectores conforme NBR

8160/1999.

Toda loja com esgoto terá seu ponto de entrega de ventilação sanitária para conexões das ventilações da rede. (Indicada na planta específica).

As ventilações da rede deverão ser interligadas no nível do teto conforme NBR 8160/1999.

Todas as lojas que executarem banheiros no seu interior deverão instalar vasos sanitários com caixa de descarga acoplada. Não é permitido o uso de vasos com válvula de descarga.

o Drenos de equipamentos de ar condicionado (Fan-Coil) serão de PVC soldável, classe 15, para água
5.11 Instalação de Gás (Praça de Alimentação e Restaurantes) Todas as lojas indicadas no Quadro de

5.11 Instalação de Gás (Praça de Alimentação e Restaurantes)

Todas as lojas indicadas no Quadro de Facilidades que disporão de gás (vide anexos), terão seu fornecimento em baixa pressão oriundo da Central de GLP, situada na sua área externa, sendo disponibilidade sua vazão conforme projeto efetuado pela Ultragaz. Caso o lojista deseje ampliar sua vazão, deverá solicitar esse pleito ao SAL para avaliar sua viabilidade, assumindo o lojista o ônus que essa mudança por ventura irá acarretar.

Deverá

ser

obedecida

rigorosamente

as

normas

técnicas

para

instalação

de

gás

NBR

13.103/2007 e NBR 13.523/2008 da ABNT concessionárias.

e especificações técnicas complementares das

O consumo de gás de cada loja será medido através de leitura em medidor individual de gás (particular), instalado, com faturamento emitido pela companhia distribuidora de gás. Este medidor será instalado pela Concessionária.

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa com a distribuição de pontos, tubulações, etc.;

Detalhes ampliados das instalações em escala 1:20;

Diagramas verticais, com consumos (tabela);

Convenções adotadas, notas e observações relevantes;

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração;

Especificações de materiais;

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração dos projetos.

Especificações Básicas:

Tubos - Deverão ser de aço carbono preto, tipo SCHEDULE 40, sem costura, compatíveis com o nível de pressão indicado pela companhia fornecedora, conforme norma NBR-5590/1995 da ABNT.

Válvulas esfera - deverão ser construídos em bronze forjado ou em aço inoxidável, de fabricação NIAGARA, DECA ou equivalente, aprovado pela concessionária local.

As conexões serão em aço maleável preto de alta pressão, classe 300, para tubos de ø < 2” em aço preto com rosca NPT, fabricação TUPY ou equivalente.

A vedação das roscas, deverá ser efetuada preferencialmente com Litárgirio com glicerina ou se expressamente autorizados pela FISCALIZAÇÃO com veda juntas a base de ARALDITE, tipo 1114, semi secativo Locktite ou pasta liquida tipo teflon TapMatic.

Observações:

5.11 Instalação de Gás (Praça de Alimentação e Restaurantes) Todas as lojas indicadas no Quadro de
Os encaminhamentos da tubulação nas instalações no interior da loja devem ser aparentes (responsabilidade dos Locatários).

Os encaminhamentos da tubulação nas instalações no interior da loja devem ser aparentes (responsabilidade dos Locatários). Não deverá haver desvios em espaços confinados (entre forro e ambientes de máquinas de ar condicionado), em alvenaria e em pisos.

Toda tubulação aparente deverá ser fixada a cada 2,00 metros.

Nas instalações no interior das lojas, todo aparelho deverá ser ligado através de válvula bloqueio (fechamento rápido) que permita isolá-lo individualmente.

As tubulações de distribuição deverão ser submetidas a uma pressão de teste hidrostático igual a 60,0 mH 2 O, sem que acusem qualquer vazamento, período mínimo de 1 hora. Seguir orientações da NBR 13.932/97 (ABNT). Este teste obrigatoriamente será acompanhado pela Concessionária ou pelo SAL>

Não será permitida a instalação de recipientes e/ ou equipamentos com gases líquidos inflamáveis no interior das lojas.

As tubulações de gás, deverão ser pintadas com esmalte sintético, na cor amarela.

A manutenção do sistema ficará a cargo do LOCATÁRIO.

No interior de lojas de alimentação e/ou com consumo de gás, deverão ser previstos detectores de gás junto aos equipamentos que consomem gás. As válvulas solenóides nos pontos de entrega de gás destas lojas (instaladas pelos Locatários) deverão ser acionadas pela central de detecção do Shopping, em caso de eventual vazamento detectado pelos detectores instalados no interior das mesmas.

5.12 Ar Condicionado

O condicionamento de ar das lojas (exceto âncoras) será realizado através de unidades condicionadoras tipo “Fan-Coil”, sendo estas fornecidas e instaladas pelos Locatários.

Os Fan-Coils serão alimentados pelo sistema de geração de água gelada do Shopping, que trabalhará com um diferencial de temperatura aproximado de 6,0º C, com água entrando na serpentina do condicionador de ar a 7,0º C e saindo a 13,0 C.

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa com a marcação da rede de dutos, layout dos equipamentos, pontos de força e interligação do dreno;

Cortes;

Detalhes ampliados;

Convenções adotadas, notas e observações relevantes,

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração,

Memória de cálculo e especificações de materiais,

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração dos projetos.

Os encaminhamentos da tubulação nas instalações no interior da loja devem ser aparentes (responsabilidade dos Locatários).

Especificações Básicas:

• Especificações Básicas: • Unidade condicionadora de ar tipo Fan-Coil, com serpentina preferencialmente de 8 filas,

Unidade condicionadora de ar tipo Fan-Coil, com serpentina preferencialmente de 8 filas, caixa de mistura e quadro elétrico de comando.

Válvula de balanceamento de fluxo (água gelada).

Sensor de temperatura proporcional ou On-Off, que comandará a operação de uma válvula de duas vias, localizada no retorno da tubulação de água gelada.

Duto de suprimento de ar exterior para os Fan-Coils, que será conectado ao ponto de entrega localizado no limite da loja.

Bandeja coletora de condensado, em chapa de aço galvanizada # 18, tratada contra corrosão (pintura epóxi) com isolamento térmico, localizada abaixo do condicionador e que deverá ser conectada ao ponto de dreno instalado na loja.

Redes de dutos de distribuição de ar condicionado no interior da loja, dotadas de isolamento térmico, sustentação, difusores, dampers para balanceamento de ar, etc.

Elementos de difusão e retorno de ar.

Rede Hidráulica com tubos em SCH 40 sem costura e conexões (Tupy-CL10) com isolamento térmico em espuma elastomérica e suportação adequada.

Observações específicas:

Toda a rede de dutos que deverá ser fabricada em chapa de aço galvanizado, de acordo com os processos construtivos da NBR-16.401-1 da ABNT, SMACNA e normas afins;

Elementos de difusão (difusores ou grelhas) deverão ser providos de registros para balanceamento, destinados a realizar o insuflamento de ar nos ambientes;

O projeto, bem como a execução das instalações de ar condicionado, obedecerá aos parâmetros de demanda referidos nas normas da NBR-16.401 - 1 a 3 da ABNT e da ASHRAE, ajustados às condições locais.

O projeto deve conter o encaminhamento e dimensionamento da rede de dutos, especificação dos insufladores, dampers para regulagem da vazão de ar, curvas com veios defletores, revestimento do trecho inicial com FLEXLINE, para atenuar ruídos e vibrações, detalhes de isolamentos dos dutos, ANEXO 07, vazão dos difusores e localização do termostato e quadro de comando.

5.13 Exaustão Mecânica (Lojas de Alimentação)

Documentos a serem apresentados:

Planta baixa com a marcação da rede de dutos, layout dos equipamentos, pontos de força e interligação do dreno;

Cortes;

Detalhes ampliados;

• Especificações Básicas: • Unidade condicionadora de ar tipo Fan-Coil, com serpentina preferencialmente de 8 filas,

• Convenções adotadas, notas e observações relevantes; Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes

Convenções adotadas, notas e observações relevantes;

Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes arquitetônicos e de decoração,

Memória de cálculo e especificações de materiais;

Guia de ART do responsável técnico pela elaboração dos projetos;

Além dos documentos padrões listados acima, deverão se consideradas nos desenhos e na memória de cálculo do sistema instalado as informações abaixo:

Previsão da vazão de ar nunca inferior a 60 renovações horárias do volume da cozinha;

Dimensão dos dutos para condução dos vapores;

Energia elétrica necessária ao acionamento dos equipamentos eletro-eletrônicos;

A velocidade mínima do ar deverá ser de 10 m/s, de modo a permitir o arraste de gordura no fluxo do ar;

As velocidades máximas deverão ser compatíveis com o nível de ruído e perda de pressão razoáveis. Recomenda-se a velocidade máxima de 14 m/s;

Ponto de drenagem na parte inferior dos dutos verticais;

Especificações Básicas:

Ventiladores centrífugos - de pás planas ou curvadas para trás (air-foil), com portas de inspeção na voluta e drenos;

Lavador de ar silencioso – deverá estar localizado entre as coifas e o ventilador de exaustão. Os lavadores de ar deverão ter eficiência mínima de 90% ou coifa do tipo lavadora;

Coifas - fabricadas em chapa de aço inoxidável, AISI 304, soldadas, devendo empregar bitolas #20 (espessura igual a 0,94 mm) no mínimo, com iluminação e dreno;

Filtros - metálicos inerciais tipo “Fleming Gard”;

Dutos de exaustão e descarga de ar deverão ser executados em chapa de aço preto, bitola #16, sendo sua execução totalmente soldada com material apropriado a altas temperaturas, devem possuir portas de inspeção estanques para limpeza e dreno a cada 3,00m nos trechos horizontais;

Isolamento dos dutos com manta de fibra cerâmica de 2” no mínimo (ANEXO 08).

Sistema de extinção de incêndio – deverão ser instalados dampers corta fogo no duto de saída de cada coifa e na saída de cada loja, devendo estes dampers serem de acionamento automático (elétrico) e manual. Os dampers deverão ser instalados com mola, acionada por solenóide elétrica, não devendo ser empregado plug-fusível. Estes dampers deverão ser fechados ao ser acionado o sistema de extinção de incêndio.

Sensor de fogo - tipo “Fire-stat” para ativar automaticamente o sistema de extinção de

incêndio. Este elemento deverá ser instalado no duto de exaustão, entre a coifa e o lavador de ar.

• Convenções adotadas, notas e observações relevantes; Detalhes executivos de instalação em consonância com os detalhes
• Sistema de injeção de ar exterior, com vazão de ar definida, de modo a não

Sistema de injeção de ar exterior, com vazão de ar definida, de modo a não permitir a contaminação de áreas condicionadas;

Intertravamento elétrico com os sistemas de injeção de ar exterior e exaustão mecânica correspondentes, de forma a evitar-se a extração e injeção de ar no local.

Motores do suprimento de ar exterior, exaustor e filtro lavador intertravados eletricamente e com um único botão de comando para acionamento.

Observações específicas:

A finalidade do sistema é proteger o meio ambiente contra descarga de poluentes, mantendo o nível de segurança e proteção contra incêndios, contribuir para a higiene do local de preparo de alimentos, retirar o ar quente proveniente de equipamentos como motores elétricos, fornos, condensadores, equipamentos de cocção e remoção dos vapores e gases decorrentes do processo de preparação de alimentos, retendo a gordura antes da descarga do fluxo de ar no exterior.

Cada uma das lojas da área de alimentação, restaurantes, fast-food e pet shop terão sistema de ventilação com a combinação de insuflamento de ar novo filtrado e exaustão mecânica do ar com poluentes.

O Shopping indicará o encaminhamento e o local para descarga de cada uma das lojas onde será passado, a cargo dos Locatários, o dimensionamento do duto de exaustão de ar quente desde a loja até o ponto de descarga do ar exaurido para o exterior.

Será indicado o local (lojas junto às fachadas) ou duto de insuflamento de ar novo desde o exterior até a parede limítrofe da loja. Não deverá ser feita a tomada de ar para os sistemas de exaustão de coifas, cozinhas, depósitos, etc., utilizando-se o ar do MALL, ou o ar condicionado da própria loja.

Os demais componentes dos sistemas de ventilação mecânica, compreendendo os dutos de exaustão/insuflamento no interior das lojas, bem como o exaustor, coifas, protetores de coifa e dispositivos de retenção de gordura (que deverá ser composto de filtro lavador instalado na coifa em conjunto com filtro eletrostático na linha de exaustão), ficarão a cargo de cada um dos Locatários.

O dimensionamento, seleção de tipo, fornecimento e montagem dos lavadores de ar, caixas de ventiladores, conjuntos moto-propulsores e os dutos complementares de ar serão de exclusiva responsabilidade dos Locatários.

Os sistemas de exaustão deverão ser dotados de todos os equipamentos necessários à sua operação eficiente, como também de proteção contra incêndio (no caso de exaustão de coifas), de forma a permitir total segurança durante a operação.

Todos os sistemas de exaustão deverão ser providos de injeção de ar exterior, para a reposição do ar exaurido, através da instalação do ventilador de insuflamento com a devida filtragem do ar.

Os sistemas de exaustão para as coifas de cozinha deverão ser totalmente independentes para cada loja, observando as recomendações mínimas indicadas a seguir:

Os cálculos de vazão para coifa deverão estar de acordo com as prescrições do “INDUSTRIAL VENTILATION”, seção 5, p. 107 a 109. (A vazão exaurida deverá ser, no mínimo, igual à prescrita pelas referidas normas) e NBR-14.518 – Sistemas de ventilação para cozinhas profissionais.

• Sistema de injeção de ar exterior, com vazão de ar definida, de modo a não
Os dutos de exaustão deverão ser calculados para uma velocidade interna mínima do ar igual a

Os dutos de exaustão deverão ser calculados para uma velocidade interna mínima do ar igual a 10 m/s, (em toda a sua extensão, ou seja, desde a coifa até o ponto de descarga) de modo a reduzir o acúmulo de gordura nas paredes internas do mesmo e possuir espaço adequado para a manutenção do sistema.

Somente no caso de sistema de exaustão que atendam equipamentos sem geração de gordura ou fuligem, como por exemplo, fornos elétricos e banho-maria, serão dispensados a instalação de filtros de gordura e do sistema de extinção de incêndio permanecendo a exigência do sistema de extração de calor.

Os demais equipamentos, materiais, intertravamentos elétricos e detalhes construtivos indicados neste item, deverão ser observados para a montagem dos sistemas.

Os equipamentos de cocção deverão ser elétricos ou a gás, não sendo permitido o uso de carvão ou lenha, de modo a diminuir-se o risco de incêndio nos sistemas de exaustão (impregnação dos dutos e equipamentos dos sistemas com partículas de carvão).

  • 5.14 Suprimento de ar exterior para ventilação mecânica

O sistema de distribuição interna do ar exterior (de responsabilidade dos Locatários) deverá ser composto de:

Filtros de ar – no mínimo classe G4;

Ventilador centrífugo para captação de ar;

Dutos em chapa de aço galvanizado, isolados termicamente, quando transitarem em áreas climatizadas;

Elementos de distribuição de ar, providos de registros, para balanceamento;

Intertravamento elétrico com o sistema de exaustão correspondente, de forma a evitar-se a injeção de ar sem a devida extração do mesmo.

Os dutos de exaustão deverão ser calculados para uma velocidade interna mínima do ar igual a

6.

LIBERAÇÃO

DOS

COMPLEMENTARES

6. LIBERAÇÃO DOS COMPLEMENTARES PROJETOS DE ARQUITETURA E Todos os projetos deverão ser analisados pelo SAL

PROJETOS

DE

ARQUITETURA

E

Todos os projetos deverão ser analisados pelo SAL antes de iniciada a execução dos mesmos.

Cada disciplina terá um profissional qualificado para avaliação de normas, recomendações

constantes neste caderno técnico e para compatibilidade dos projetos com Shopping.

os

padrões do

LIBERADO PARA EXECUÇÃO - Pode ser executado sem nenhuma restrição. Deverão permanecer na obra durante a execução dos serviços;

LIBERADO COM RESSALVAS – Pode ser executado desde que cumpridas às ressalvas citadas (apresentação de informações e detalhes complementares). É necessária a reapresentação dos projetos;

ATENDER AS RESSALVAS – Os projetos que receberem este carimbo não poderão ser executados, sendo necessário a revisão e reapresentação dos mesmos.

A análise dos projetos pelo SAL não substitui a aprovação em Órgãos Públicos quando estas se fazem necessárias. As mesmas são de responsabilidade dos Locatários.

Todas as alterações de projetos deverão ser informadas, os projetos revisados e apresentados para nova análise.

A compatibilização dos projetos é de responsabilidade do profissional contratado pelos Locatários.

6. LIBERAÇÃO DOS COMPLEMENTARES PROJETOS DE ARQUITETURA E Todos os projetos deverão ser analisados pelo SAL
7. REGULAMENTO DE OBRAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES As instruções contidas neste Regulamento têm o propósito de padronizar
  • 7. REGULAMENTO DE OBRAS

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

As instruções contidas neste Regulamento têm o propósito de padronizar o relacionamento entre os LOCATÁRIOS, seus Prepostos e Empregados e a LOCADORA.

A não observância das regras estabelecidas nestas instruções, pelo LOCATÁRIO ou Preposto, implica na sua total responsabilidade e poderá acarretar no embargo das obras da loja, ou o impedimento do início das mesmas, até que cesse a irregularidade observada.

As instruções aqui contidas poderão, a qualquer tempo, vir a ser aditadas, complementadas ou modificadas pela LOCADORA, em benefício do melhor andamento das obras.

CONDIÇÕES PARA INÍCIO DAS OBRAS

Para que o LOCATÁRIO possa iniciar as obras de decoração e instalação em sua loja, deverá atender ao item CONDIÇÕES INICIAIS BÁSICAS PARA INÍCIO DE OBRAS DE LOJAS, Item 2.

RESPONSABILIDADE

Incumbe ao LOCATÁRIO cumprir e impor a seu(s) prepostos(s) ou empregados a observância das seguintes obrigações:

CANTEIRO E OBRAS

O canteiro de obra de cada loja será seu próprio espaço físico.

Todas as obras devem ser executadas dentro da loja, sendo terminantemente proibido o uso das áreas comuns (galerias, "mall” e áreas internas) para esse fim.

Em cada caso quando for julgado indispensável, as LOCADORAS designarão local e horário para manipulação de material destinado à obra do LOCATÁRIO e que não possa ser executado dentro da loja.

Não será permitida a utilização do espaço da loja como alojamento ou dormitório.

Qualquer material do LOCATÁRIO encontrado nas partes comuns será considerado abandonado e sujeito à remoção; os custos dessa remoção deverão ser ressarcidos à LOCADORA, que cobrarão através de nota de débito.

O LOCATÁRIO é responsável por quaisquer danos causados por seus contratados ao edifício ou a terceiros, bem como qualquer transgressão a determinações legais, assumindo a responsabilidade por eventuais infrações.

CONDUTA NO CANTEIRO DE OBRAS

Contribuir para que no local de trabalho e em toda a obra seja mantido o máximo de respeito, higiene, ordem e segurança.

Apresentar-se no local do trabalho em trajes adequados e em boas condições de higiene, sendo obrigado o uso de EPI (Equipamentos de Proteção Individual).

Será obrigatório que todas as pessoas que permaneçam na obra estejam utilizando o crachá.

7. REGULAMENTO DE OBRAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES As instruções contidas neste Regulamento têm o propósito de padronizar
Não retirar de seu lugar próprio, sem a competente autorização, qualquer objeto ou material da LOCADORA

Não retirar de seu lugar próprio, sem a competente autorização, qualquer objeto ou material da LOCADORA ou outras firmas da obra.

É de responsabilidade solidária do LOCATÁRIO o pagamento dos encargos referentes a INSS ou quaisquer outros encargos sociais, ISS ou outros que porventura recaiam ou venham a recair sobre suas obras, obrigando-se a apresentar certificados de quitação, ou outros, quando solicitados pela LOCADORA.

É terminantemente proibida a contratação de menores para trabalhar no canteiro de obras.

Não portar ou transportar arma branca ou de fogo, mesmo quando devidamente registrada em repartição policial.

Não entrar nas dependências da obra fora do horário de trabalho, sem autorização escrita da LOCADORA.

O LOCATÁRIO se obriga a afastar, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, qualquer funcionário cuja permanência na obra for julgada inconveniente, a critério exclusivo da LOCADORA.

Todo material, máquinas e ferramentas deverão ser mantidos no interior da loja, sendo sua guarda de exclusiva responsabilidade do LOCATÁRIO e seus Prepostos.

Não permitir o consumo de bebidas alcoólicas no interior do prédio, sendo certo que será sumariamente afastado do canteiro de obras todo aquele que estiver portando ou fazendo uso de bebidas alcoólicas, ou em estado de embriaguez.

Proibir o aliciamento de mão-de-obra que esteja em atividade na obra de empreiteiros de outras lojas.

Não se utilizar de mão-de-obra de qualquer espécie dos funcionários do condomínio.

SEGURANÇA NO TRABALHO

O LOCATÁRIO deverá cumprir, ou fazer cumprir, as leis, normas e portarias que regulam a segurança do trabalho, além das contidas nas presentes instruções.

Caberá ao LOCATÁRIO a responsabilidade pelo fornecimento e imposição de uso aos seus empregados e visitantes, dos equipamentos de proteção individual conforme disposto na CLT.

Será obrigatória a manutenção dos extintores de incêndio em locais visíveis e de fácil acesso.

Deverão ser previstos Extintores de AP (água pressurizada), de Pó Químico e CO2.

Alerta-se a todo LOCATÁRIO e instalador para os riscos de incêndio em geral, e em especial por ocasião da aplicação de colas para fórmica, carpetes e outros, sendo rigorosamente exigida a existência do extintor carregado no ato da aplicação, sob pena de paralisação dos serviços pela LOCADORA.

As recomendações feitas pela equipe técnica do SAL sobre as questões de segurança, arrumação e limpeza, excesso de barulho ou odores que venha a incomodar LOCATÁRIOS vizinhos ou LOCATÁRIOS, deverão ser obrigatoriamente acatadas pelos LOCATÁRIOS.

Não retirar de seu lugar próprio, sem a competente autorização, qualquer objeto ou material da LOCADORA
A LOCADORA poderá suspender, a qualquer tempo, qualquer trabalho no qual se evidencie risco de acidentes,

A LOCADORA poderá suspender, a qualquer tempo, qualquer trabalho no qual se evidencie risco de acidentes, não cumprimento do projeto aprovado, não atendimento às posturas municipais ou à solicitações feitas pela LOCADORA por qualquer motivo que seja.

As suspensões dos trabalhos, referidos no item anterior, não eximem o LOCATÁRIO das obrigações e penalidades das cláusulas do Contrato de Locação referentes a prazos, multas e descontos no aluguel mensal mínimo.

Quando ocorrer acidente com funcionário do LOCATÁRIO, o acidentado deverá ser acompanhado por um representante do LOCATÁRIO, que se incumbirá de tomar as medidas que o caso exigir.

Todos os acidentes deverão ser imediatamente informados à LOCADORA, sem que isto implique em partilhar da responsabilidade, que é única e exclusivamente do LOCATÁRIO.

Fogareiros, espiriteiras e estufas serão terminantemente proibidos dentro do recinto da loja.

É obrigatório o uso de roupas e calçados adequados no interior da obra, não sendo admitidos empregados seminus, sem camisas ou de meia manga descalços, de bermudas ou usando tamancos, chinelos ou sandálias.

Todos os avisos de perigo deverão ser rigorosamente respeitados.

APOIO AOS LOCATÁRIOS

Todas as normas e procedimentos para os funcionários da obra dos Locatários no canteiro serão descritos no ANEXO 09.

FORNECIMENTO DE ÁGUA, ENERGIA ELÉTRICA E RETIRADA DE ENTULHO

Os Locatários ressarcirão a CONSTRUTORA das despesas de consumo de energia, água, retirada de entulho e segurança do canteiro.

Os operários dos LOCATÁRIOS deverão se servir dos sanitários instalados pela construtora.

Deverão ser cumpridas prontamente as ordens de serviço recebidas da LOCADORA , bem como as obrigações decorrentes dos regimentos, instruções, circulares, avisos e demais disposições normativas aplicáveis, no que couber, ao LOCATÁRIO.

HORÁRIO DE TRABALHO

O horário normal de trabalho do LOCATÁRIO será determinado pelas normas do ANEXO 09 e, se houver necessidade, este horário poderá ser modificado pelo Serviço de Atendimento aos Locatários – SAL.

No caso de trabalho em horário extraordinário, o LOCATÁRIO será o único responsável pelo atendimento às posturas municipais, estaduais e do Ministério do Trabalho, no tocante à segurança e horário de trabalho.

Havendo comunicação aos LOCATÁRIOS de possível interrupção no fornecimento de energia elétrica, não será permitida a presença de qualquer pessoa no canteiro de obras, no horário previsto.

Todo aquele que se encontrar trabalhando fora do horário normal e/ou extraordinário sem autorização, será imediatamente retirado da edificação.

A LOCADORA poderá suspender, a qualquer tempo, qualquer trabalho no qual se evidencie risco de acidentes,
As normas contidas no anexo 09 quanto a Responsabilidades, Entrada e Permanência de Pessoal e Entrada

As normas contidas no anexo 09 quanto a Responsabilidades, Entrada e Permanência de Pessoal e Entrada e Trânsito de Materiais deverão ser fielmente cumpridas.

ENTRADA E PERMANÊNCIA DE PESSOAL

O ingresso no canteiro de obras somente será admitido mediante apresentação, na portaria de acesso, de crachá de identificação que deverá permanecer fixado à altura do peito, devendo ainda seu nome constar da relação de autorização enviada pelo LOCATÁRIO.

Para segurança dos próprios LOCATÁRIOS, sempre que algum operário for demitido e/ou substituído, a LOCADORA, através do SAL, deverá ser comunicada e seu crachá devolvido.

A LOCADORA poderá proceder à revista de qualquer pessoa entrando ou saindo do canteiro, podendo, a seu critério, abrir malas, pastas, caixas, embrulhos, etc.

ENTRADA E TRÂNSITO DE MATERIAIS

A entrada de materiais para as lojas será feita pelo pátio de carga e descarga ou em local designado pela construtora, sendo seu recebimento responsabilidade das LOCATÁRIAS. Qualquer material somente será descarregado mediante a presença de um representante da Loja compradora.

As notas fiscais de quaisquer mercadorias destinadas aos LOCATÁRIOS deverão conter, no mínimo, as seguintes informações:

Identificação da firma compradora (razão social);

Endereço da firma compradora;

Endereço do local de entrega da mercadoria;

Número da LUC;

Pavimento e setor, caso haja;

Nome fantasia da LUC.

O LOCATÁRIO será o único responsável por qualquer irregularidade que porventura venha a ocorrer na emissão de notas fiscais, não cabendo à LOCADORA qualquer responsabilidade.

Não será permitida a entrada de qualquer mercadoria enviada para as obras dos LOCATÁRIOS com notas fiscais em nome do shopping.

O LOCATÁRIO será o único responsável pelo recebimento, transporte e guarda dos materiais e/ou mercadorias chegados para sua loja, não sendo permitida a descarga dos mesmos sem a presença do preposto do LOCATÁRIO.

Os funcionários da LOCADORA estão proibidos de receber e transportar qualquer mercadoria destinada às lojas.

Os veículos que estiverem fazendo entregas deverão permanecer no local de descarga durante o período estritamente necessário para as descargas, não se permitindo o estacionamento de qualquer veículo nas docas.

As normas contidas no anexo 09 quanto a Responsabilidades, Entrada e Permanência de Pessoal e Entrada
A carga e descarga de material, máquinas e ferramentas das obras dos LOCATÁRIOS, bem como o

A carga e descarga de material, máquinas e ferramentas das obras dos LOCATÁRIOS, bem como o seu transporte no interior das dependências da obra, deverão ser efetuadas nos horários e percursos que serão estabelecidos pela LOCADORA.

Em nenhuma hipótese será permitido o emprego das escadas rolantes e elevadores para o transporte vertical de qualquer material e/ou mercadoria, bem como para circulação de pessoal.

Os materiais abrasivos para concreto, argamassas, revestimentos, etc. somente serão transportados ensacados, por acessos previamente determinados pela LOCADORA.

Todos os materiais, máquinas e equipamentos que não possam ser conduzidos manualmente, deverão ser transportados em carrinhos adequados, com rodas de borracha, não se admitindo em hipótese alguma, carrinhos com rodas metálicas, nem o arrasto sobre o piso das áreas comuns, devendo seus conduítes ser instruídos quanto aos riscos e danos que porventura possam causar.

Quaisquer danos causados às partes comuns do Shopping, no transporte de materiais e mercadorias, serão corrigidos pela LOCADORA, a expensas do LOCATÁRIO responsável.

O acesso de materiais inflamáveis só se dará com a prévia autorização da LOCADORA, ficando a cargo do LOCATÁRIO os cuidados adicionais de proteção. Não é permitida a entrada de GLP nas dependências do Shopping.

FISCALIZAÇÃO

A LOCADORA, através de seus Prepostos devidamente credenciados, fará o controle geral das obras dos LOCATÁRIOS fiscalizarão a fiel execução dos projetos liberados e a aplicação das normas, com poderes inclusive de alterá-las e de resolver os casos omissos.

A LOCADORA manterá uma equipe de profissionais de engenharia e arquitetura, compondo a fiscalização, cuja composição será comunicada aos LOCATÁRIOS.

Qualquer membro credenciado da fiscalização terá livre acesso ao interior de qualquer loja em obras, a qualquer tempo, para verificar o andamento e a qualidade dos serviços, a qualidade dos materiais empregados, etc., e exigir, quando for o caso, o refazimento de qualquer serviço que se encontre em desacordo com os projetos aprovados e com as presentes instruções.

As exigências da fiscalização e o prazo para o cumprimento das mesmas serão feitos, por escrito, em modelo próprio, e serão fixados no tapume em local visível ou entregues aos responsáveis pela obra (LOCATÁRIO ou preposto).

A loja que não cumprir as exigências da fiscalização no prazo estipulado por esta, terá sua obra embargada.

A suspensão dos trabalhos referidos no item anterior, não exime o LOCATÁRIO das obrigações contratuais referentes a prazos e respectivos descontos.

A falta de objeção, por parte da fiscalização a qualquer alteração, não significa aprovação dessa alteração, e poderá ser exigida sua retificação a qualquer tempo mesmo após a inauguração.

A ação da fiscalização não exime o LOCATÁRIO de sua responsabilidade pela perfeita execução de sua obra de acordo com o projeto aprovado, com as posturas municipais e pelo emprego de materiais e técnicas inadequadas, uma vez que se destina apenas a fiscalizar os trabalhos e fazer cumprir estas normas.

A carga e descarga de material, máquinas e ferramentas das obras dos LOCATÁRIOS, bem como o
É facultado à fiscalização exigir a substituição de preposto, empreiteiras ou subempreiteiras contratadas pelo LOCATÁRIO, bem

É facultado à fiscalização exigir a substituição de preposto, empreiteiras ou subempreiteiras contratadas pelo LOCATÁRIO, bem como de qualquer operário a serviço delas que forem considerados tecnicamente incapazes ou inconvenientes sem que esta substituição implique em qualquer responsabilidade da LOCADORA no que diz respeito a custo e prazo de execução das obras da loja.

A LOCADORA exime-se de toda e qualquer responsabilidade sobre a guarda de materiais e equipamentos existentes no interior das lojas.

LIBERAÇÃO DA LOJA PARA INAUGURAÇÃO

A liberação da loja para inauguração dependerá de vistoria a ser solicitada, por escrito, pelas LOCATÁRIAS e procedida pela LOCADORA, através do Termo de Vistoria Final - ANEXO 14. A solicitação deverá ser encaminhada pelo LOCATÁRIO com cinco dias úteis de antecedência.

O SAL realizará a vistoria da loja e, não encontrando pendências, emitirá por escrito a liberação para abertura da loja.

Os LOCATÁRIOS que tiverem suas obras suspensas e não inaugurarem na data prevista em contrato incorrerão nas penalidades previstas no instrumento por eles firmado com a LOCADORA.

A liberação da loja para inauguração dependerá de vistoria a ser solicitada até 05 (cinco) dias úteis antes da inauguração, por escrito, pelas LOCATÁRIAS e entregue ao Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL. A liberação será feita por escrito em documento do qual constará a listagem de pendências e prazo para correções. Caso existam pendências de prazo imediato estas deverão ser sanadas antes da abertura da loja ao público.

É facultado à fiscalização exigir a substituição de preposto, empreiteiras ou subempreiteiras contratadas pelo LOCATÁRIO, bem
8. CADERNOS DE ENCARGOS DO INSTALADOR OBJETIVO O objetivo desta especificação é definir um sistema completo
  • 8. CADERNOS DE ENCARGOS DO INSTALADOR

OBJETIVO

O objetivo desta especificação é definir um sistema completo compatível com os requerimentos de instalação e segurança do Shopping.

Toda a vez que o termo "Instalador" for empregado subentende-se a empresa instaladora de qualquer sistema contratada pelo LOCATÁRIO para execução destes serviços.

CÓDIGO, REGULAMENTOS, PERMISSÕES E LICENÇAS

O instalador deverá providenciar todas as licenças necessárias, todas as taxas devidas ao governo ou órgãos de fiscalização, taxas de venda sobre materiais e serviços e quaisquer outros custos, incluindo o licenciamento para o seu próprio trabalho e pessoal sob sua supervisão.

Deverá prover, também, todo o seguro dos materiais e equipamentos sob sua responsabilidade, e também seguro de acidente de trabalho para todos os que trabalham sob sua supervisão.

O instalador deverá providenciar, também, a aprovação necessária para o projeto junto aos Órgãos Governamentais que tenham jurisdição sobre este tipo de trabalho; obter todos os certificados de inspeção da obra ou dos serviços prestados, de modo que ao encerramento do trabalho o mesmo esteja em condições de funcionamento, não só do ponto de vista técnico, mas também do ponto de vista legal, incluindo as aprovações de projeto e execuções dos serviços de acordo com as disposições dos órgãos de fiscalização municipal, estadual, federal ou de qualquer outra natureza.

Cópias destes certificados deverão ser fornecidas ao Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL.

O instalador deve incluir no seu trabalho, sem quaisquer custos extras para as LOCADORAS, qualquer mão-de-obra, materiais, serviços, equipamentos, desenhos ou providências necessárias de modo a vir colocar os seus serviços de acordo com as leis aplicáveis ou com os códigos locais e regulamentos de execução de obras, que sejam porventura necessários.

Todos os equipamentos fornecidos e instalados devem estar de acordo com os regulamentos locais de proteção contra incêndio (especialmente isolamentos térmicos, que deverão ser do tipo não combustível ou auto-extinguível), sendo também obtidas todas as licenças nesta área que se fizerem necessárias.

LEVANTAMENTO E MEDIDAS

O instalador deverá basear todo o seu trabalho nas medidas realizadas em campo a partir dos pontos chaves da estrutura, tais como pilares por exemplo. Estas medidas deverão ser conferidas antes da execução da instalação dos equipamentos.

O instalador, antes da execução dos serviços, deverá verificar se há interferência dos sistemas ora descritos com outros existentes na estrutura, tais como projetos de eletricidade, hidráulica, sonorização, incêndio, etc ..

Qualquer interferência detectada deverá ser informada à LOCADORA.

DESENHOS DE INSTALAÇÃO DETALHADOS

8. CADERNOS DE ENCARGOS DO INSTALADOR OBJETIVO O objetivo desta especificação é definir um sistema completo
O instalador deverá submeter à LOCADORA os desenhos da instalação e especificação dos materiais a serem

O instalador deverá submeter à LOCADORA os desenhos da instalação e especificação dos materiais a serem utilizados, e nenhum material ou equipamento deverá ser entregue ao local da obra, ou instalado, até que as LOCADORAS ou o fiscal designado por estas, aprovem os desenhos de execução e os equipamentos e materiais especificados.

Os desenhos de execução deverão ser completos e indicar todos os detalhes, tais como fabricante de equipamento, capacidade e detalhes construtivos.

O instalador deverá fornecer o número de cópias requerido pelas LOCADORAS, de modo a permitir a análise de cada uma das partes envolvidas.

A entrega dos desenhos citados acima deverá ser realizada com antecedência suficiente, de modo a permitir as partes envolvidas, tempo para uma completa conferência dos mesmos.

Os desenhos deverão incluir não somente as plantas, mas também os cortes, mostrando os detalhes construtivos, tamanhos, arranjos, espaço para manutenção, características de "performance" e capacidade.

As aprovações indicados nos desenhos de fabricação, nos catálogos e especificações de equipamentos fornecidas pelo instalador, não devem ser considerados como revisão efetuada pela LOCADORA, ou fiscal da instalação.

Onde desenhos foram liberados, isto não indica que as medidas e dimensões foram checadas em detalhes e esta liberação não exime o instalador de sua responsabilidade com relação a fornecimento de material ou equipamento que venha a operar de maneira requerida por este contrato e estas especificações.

O atraso na apresentação dos desenhos e informações pelo instalador para liberação pela LOCADORA não poderá ser descontado do prazo global para instalação dos serviços e não poderá ser requerida por esta razão, extensão de prazo de execução da obra.

O instalador deverá fornecer à administração, desenhos de instalação de acordo com o projeto efetivamente executado, ao final da obra, contendo todas as modificações que porventura tenham sido necessárias durante a obra (desenhos "As-Built").

COOPERAÇÃO COM OUTRAS PARTES ENVOLVIDAS NA OBRA

O instalador deverá cooperar de maneira ampla com todas as firmas instaladoras ou contratantes dos serviços existentes na estrutura a ser executadas, e deverá fornecer, quando solicitado pela LOCADORA, quaisquer informações necessárias de modo a permitir e auxiliar o trabalho das outras partes, de modo que a instalação de todos os equipamentos venha a ser de maneira Satisfatória, e com o mínimo de interferência ou atraso na execução dos serviços.

Nas áreas onde o trabalho do instalador possa vir a intervir na execução dos serviços de outras firmas instaladoras, ele deverá fornecer toda a cooperação possível de modo a compatibilizar a atividade sem causar problemas a uma das partes.

O instalador deverá fornecer às outras firmas envolvidas no trabalho, se forem requeridos, desenhos, detalhes de instalação, de modo a permitir a coordenação de instalação e evitar interferências.

O instalador deverá submeter à LOCADORA os desenhos da instalação e especificação dos materiais a serem
O instalador será responsável por seu trabalho e pelos equipamentos até a data da inspeção final,

O instalador será responsável por seu trabalho e pelos equipamentos até a data da inspeção final, devendo durante a fase de instalação, proteger o equipamento contra danos causados por terceiros.

TRANSPORTE

O instalador será responsável por todo o transporte dos equipamentos e materiais, tanto até o local da obra como seu transporte horizontal e vertical na mesma, devendo para isso prover todos os equipamentos necessários para alçamento e transporte de quaisquer máquinas ou materiais que venham a ser instalados.

Guindastes ou elementos de alçamento deverão ser removidos tão logo após a sua utilização. Todo o equipamento de maior porte, que caso tenha necessidade de ser utilizado deverá ser previamente autorizado pelo Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL.

MATERIAIS E MÃO-DE-OBRA

Todos os materiais e equipamentos requeridos para esta instalação, exceto nos casos claramente identificados, deverão ser sempre novos, de qualidade superior, e deverão ser fornecidos, entregues e montados de acordo com as melhores técnicas para a execução de cada um destes serviços.

O instalador deverá fornecer os serviços de supervisão através de uma pessoa experimentada para este tipo de atividade, e que estará permanentemente responsável pela instalação, supervisionando o trabalho de operários especializados nas suas funções.

Somente em caso claramente indicado nesta especificação, será permitido que equipamentos e materiais sejam instalados de maneira diferentes daquelas indicadas por seus fabricantes.

VIBRAÇÃO E RUÍDO

Todos os equipamentos para os sistemas descritos deverão ser de operação silenciosa, sem vibração, em quaisquer condições de carga.

Em casos em que equipamentos venham a apresentar ruído ou vibrações perceptíveis fora das áreas nas quais eles estão instalados, ou que venham a perturbar as áreas ocupadas, esta anormalidade será considerada inaceitável e o instalador deverá prover todos os serviços corretivos, de maneira a que esta anormalidade venha a ser sanada, sem que isto venha a onerar a LOCADORA.

O instalador será responsável por seu trabalho e pelos equipamentos até a data da inspeção final,
9. DISPOSIÇÕES FINAIS Toda e qualquer modificação e/ou complementação que venha a ser feita nas presentes
  • 9. DISPOSIÇÕES FINAIS

Toda e qualquer modificação e/ou complementação que venha a ser feita nas presentes instruções, será imediatamente comunicada, por escrito, aos LOCATÁRIOS.

Quaisquer esclarecimentos adicionais que se façam necessários poderão ser obtidos junto ao Serviço de Atendimento aos Locatários - SAL.

Os casos omissos serão resolvidos pela LOCADORA ou seus prepostos.

As LOCATÁRIAS se obrigam a aceitar modificações que porventura sejam introduzidas nos projetos durante a construção, que objetivem uma melhoria efetiva, decorrentes inclusive de novidades que surjam neste período, sempre em prol da melhoria do padrão, modernização do Shopping Center ou em benefício dos usuários e/ou Locatários.

9. DISPOSIÇÕES FINAIS Toda e qualquer modificação e/ou complementação que venha a ser feita nas presentes

10.

ANEXOS

10. ANEXOS ANEXO 01: TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA ANEXO 02: PLANTA ESPECÍFICA ANEXO 03:

ANEXO 01: TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA

ANEXO 02: PLANTA ESPECÍFICA

ANEXO 03: DETALHE DRY WALL

ANEXO 04: CARIMBO PADRÃO

ANEXO 05: MODELO DE DIAGRAMA TRIFILAR QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 06: DETALHE QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 07: DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS

ANEXO 08: DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS

ANEXO 09: NORMAS E PROCEDIMENTOS NO CANTEIRO

ANEXO 10: CARTA DO PREPOSTO

ANEXO 11: TERMO DE RECEBIMENTO DA LOJA

ANEXO 12: AUTORIZAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS

ANEXO 13: TAPUME PADRÃO

ANEXO 14: SOLICITAÇÃO DE VISTORIA FINAL

ANEXO 15: SOLICITAÇÃO PARA MODIFICAÇÕES

10. ANEXOS ANEXO 01: TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA ANEXO 02: PLANTA ESPECÍFICA ANEXO 03:
ANEXO 01 TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA LOJA: _______________________________________________ NÚMERO: _________ Declaramos ter recebido dos

ANEXO 01

TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA

LOJA: _______________________________________________

NÚMERO: _________

Declaramos ter recebido dos EMPREENDEDORES do SHOPPING BOTUCATU a PASTA TÉCNICA para projetistas e instaladores, contendo o Manual Técnico para Elaboração de Projetos e Instruções Gerais para Execução das Instalações Comerciais, bem como a respectiva Planta Específica da loja supracitada.

Declaramos também ter conhecimento das sanções previstas nos instrumentos contratuais compactuados quanto ao não cumprimento dos prazos e solicitações formuladas pelo SAL (SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO LOJISTA), durante o período que antecede a inauguração do Empreendimento.

Recebido em

____

de

________________

de ______

__________________________________

Assinatura

___________________________________

Nome completo do recebedor em letra de forma

ANEXO 01 TERMO DE RECEBIMENTO DA PASTA TÉCNICA LOJA: _______________________________________________ NÚMERO: _________ Declaramos ter recebido dos
ANEXO 03 DETALHE DRYWALL

ANEXO 03

DETALHE DRYWALL

ANEXO 03 DETALHE DRYWALL
ANEXO 03 DETALHE DRYWALL
ANEXO 04 CARIMBO PADRÃO

ANEXO 04

CARIMBO PADRÃO

ANEXO 05 MODELO DE DIAGRAMA TRIFILAR DO QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 05

MODELO DE DIAGRAMA TRIFILAR DO QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 05 MODELO DE DIAGRAMA TRIFILAR DO QUADRO ELÉTRICO
ANEXO 05 MODELO DE DIAGRAMA TRIFILAR DO QUADRO ELÉTRICO
ANEXO 06 DETALHE DO QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 06

DETALHE DO QUADRO ELÉTRICO

ANEXO 06 DETALHE DO QUADRO ELÉTRICO
ANEXO 06 DETALHE DO QUADRO ELÉTRICO
ANEXO 07 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE EXAUSTÃO DE COIFA –

ANEXO 07

DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS

ANEXO 07 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE EXAUSTÃO DE COIFA –

DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE EXAUSTÃO DE COIFA – ISOLADO TERMICAMENTE

ANEXO 07 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE EXAUSTÃO DE COIFA –
ANEXO 08 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE AR CONDICIONADO/ VENTILAÇÃO ISOLADO

ANEXO 08

DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS

ANEXO 08 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE AR CONDICIONADO/ VENTILAÇÃO ISOLADO

DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE AR CONDICIONADO/ VENTILAÇÃO ISOLADO TERMICAMENTE

ANEXO 08 DETALHE DE ISOLAMENTO DE DUTOS DETALHE TÍPICO PARA DUTO DE AR CONDICIONADO/ VENTILAÇÃO ISOLADO
ANEXO 09 NORMAS E PROCEDIMENTOS NO CANTEIRO (ESTE ANEXO SERÁ ENTREGUE POSTERIORMENTE)

ANEXO 09

NORMAS E PROCEDIMENTOS NO CANTEIRO

(ESTE ANEXO SERÁ ENTREGUE POSTERIORMENTE)

ANEXO 09 NORMAS E PROCEDIMENTOS NO CANTEIRO (ESTE ANEXO SERÁ ENTREGUE POSTERIORMENTE)
ANEXO 10 CARTA DO PREPOSTO , pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de

ANEXO 10

CARTA DO PREPOSTO

,

pessoa jurídica de direito privado,

com sede na cidade de

na Rua

__________________________________________________ inscrita no CNPJ sob o nº

__________________________

,

__________________________________

_________________________, Estado do(a)

______________________

, neste ato representada(o) por

___________

, vem, por meio da presente, nomear, na

___________________________________________

qualidade de preposto para representar a empresa acima mencionada nos assuntos referentes à

execução de projetos e obras do Espaço Comercial nº

________

, o(a) Sr(a).

_____________________________________

,

brasileiro(a), (estado civil), (profissão), portador(a)

da cédula de identidade RG nº residente e domiciliado(a) na cidade de , na Rua

______________________

e do CPF nº _____________________

_____________________

____________________

, , Estado do(a) nº ____________.

__________________________________

Botucatu,

______

de

_______________________

de _____

EMPRESA: _____________________________________

(nome da empresa)

Representada por: ______________________________

(assinatura do representante legal da empresa)

Contatos do Preposto:

E-mail: ____________________________

Tel.: _______________________________

ANEXO 10 CARTA DO PREPOSTO , pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de
ANEXO 11 TERMO DE RECEBIMENTO DA LOJA Ref.: Início das obras de instalação comercial Espaço Comercial

ANEXO 11

TERMO DE RECEBIMENTO DA LOJA

Ref.: Início das obras de instalação comercial

Espaço Comercial nº:

Nome Fantasia:

PREO:

Venho por meio desta, declarar a V.Sas. estar ciente e de acordo com as condições de entrega do

ESPAÇO COMERCIAL, N° ____________

,

após

ter

verificado

“in

loco”

as

medidas,

posicionamento dos pontos de instalações prediais da mesma, e obedecer às normas estabelecidas pelo SHOPPING BOTUCATU para a instalação do ESPAÇO COMERCIAL.

Botucatu,

______

de

_______________________

de _____

Atenciosamente,

_________________________________________________________

Locatário e/ou responsável pelo ESPAÇO COMERCIAL

(nome legível e assinatura)

ANEXO 11 TERMO DE RECEBIMENTO DA LOJA Ref.: Início das obras de instalação comercial Espaço Comercial
ANEXO 12 AUTORIZAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Nesta data, o

ANEXO 12

AUTORIZAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS

Espaço Comercial nº:

Nome Fantasia:

PREO:

Nesta data, o EMPREENDEDOR do SHOPPING BOTUCATU autoriza o LOCATÁRIO do espaço comercial supracitado a dar início às obras de instalação de sua loja, independentemente da dispensa de quaisquer penalidades a que esteja sujeito até a presente data.

O LOCATÁRIO declara ter vistoriado o local e considera como aceito de pleno direito o espaço comercial tal qual se encontra.

Botucatu,

______

de

_______________________

de _____

_____________________________________

Assinatura do Locatário

_____________________________________

Nome completo do Locatário

_____________________________________

SAL – Serviço de Atendimento aos Locatários

NOTA: A presente Autorização, quando não expedida automaticamente pelo SAL, deve ser solicitada pelo LOCATÁRIO e permanecer afixada no tapume da loja durante todo o período de obras, em local visível.

ANEXO 12 AUTORIZAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Nesta data, o
ANEXO 13 TAPUME PADRÃO

ANEXO 13

TAPUME PADRÃO

ANEXO 13 TAPUME PADRÃO
ANEXO 13 TAPUME PADRÃO
ANEXO 13 TAPUME PADRÃO
ANEXO 14 SOLICITAÇÃO DE VISTORIA FINAL Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Vimos por meio desta,

ANEXO 14

SOLICITAÇÃO DE VISTORIA FINAL

Espaço Comercial nº:

Nome Fantasia:

PREO:

Vimos por meio desta, solicitar a vistoria final das obras de instalação do Espaço Comercial nº

no SHOPPING BOTUCATU

__________

Declaramos que todos os serviços foram executados em conformidade com os projetos aprovados junto ao SAL e de acordo com as especificações da Pasta Técnica do Shopping Botucatu.

Botucatu,

______

de

_______________________

de _____

Nome: ___________________________________________________

RG nº: ________________________________

ANEXO 14 SOLICITAÇÃO DE VISTORIA FINAL Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Vimos por meio desta,
ANEXO 15 SOLICITAÇÃO PARA MODIFICAÇÕES Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Venho por meio desta solicitar

ANEXO 15

SOLICITAÇÃO PARA MODIFICAÇÕES

Espaço Comercial nº:

Nome Fantasia:

PREO:

Venho por meio desta solicitar o atendimento do pedido de (aumento de carga elétrica, mudança da picagem de sprinkler,etc) para referida loja.

Para tanto necessitamos que seja disponibilizada para a loja, (carga de demanda de x KVA, bitola de sprinkler de 100mm, etc), de forma que havendo custos adicionais para o solicitado, o mesmo deverá ser enviado, negociado e aceito diretamente com os proprietários e/ou responsáveis financeiros da loja.

Sem mais para o momento, colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Contatos:

E-mail: ____________________________

Tel.: _______________________________

___________________________________

Responsável pela solicitação

___________________________________

Proprietário

ANEXO 15 SOLICITAÇÃO PARA MODIFICAÇÕES Espaço Comercial nº: Nome Fantasia: PREO: Venho por meio desta solicitar
Mais informações: Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br

Mais informações:

Mais informações: Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br
Mais informações: Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br

Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br

Mais informações: Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br
Mais informações: Av. Marginal 200, nº 1.050 – Botucatu/SP Email: comercial@rep.com.br www.rep.com.br