Vous êtes sur la page 1sur 43

Cidades em Rede,

Cidades sem Redes


(Tema: Território)

Fernando Nunes da Silva


(Prof. Catedrático do IST)

IST - 14.10.2004
Aumento da população europeia
1650 a 1800 = 0,4 %

População nas cidades europeias


com mais de 100 mil habitantes

1600 = 1,6 %

1700 = 1,9 %

1800 = 2,2 %
Equilíbrio da população urbana
das várias regiões europeias

Fonte: “La urbanización de Europa 1500-1800”, Jan de Vries, Editorial Crítica, Barcelona, 1987.
Consequências demográficas
da industrialização

1801 — 10% da população de


Inglaterra e do País de
Gales vivia em cidades
com mais de 100 mil
habitantes.

1840 — 20%

1900 — 40%

1926 — 79%
Evolução da população urbana

100%
Inglaterra
89% 89% e País
90%
(1) (1)
de Gales

80% 78%
75% Europa (UE15)
(1)
(1)
70%
68% Portugal
(2)
População urbana (%)

60%
54%
(4)
50%
50%
(5) 47% Mundo
(1)
40% 38%

(1)

30%

20% 17% (4)

10% 9%
10%
(3)
(3)

0%
1800 1900 1975 2000

Fontes:

(1) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, « Relatório do Desenvolvimento


Humano 2000 », pág.223, 2000, Trinova Editora, Lisboa

(2) DGOTDU, « Indicadores urbanos do Continente 1999 », 1999, Lisboa

(3) Flanagan, W., « Urban Sociology. Images and structure », pág. 25, 1995, Allyn and Bacon

(4) Vries, J., « La urbanización de Europa 1500-1800 », pág. 262-274,1987, Editorial Crítica,
Barcelona

(5) MPAT, « Relatório do estado do ambiente e ordenamento do território », 1987, Lisboa


FONTE: “Cities transformed”, Edited by Mark R. Montgomery, Richard Stren
et al, Earthscan, 2004, London, p. 12-13.
Economia e rede urbana
mundial até 1800

— Economia mundial assente no


comércio.

— Os “nós” da rede eram os portos,


as plantações, as fábricas e as
minas.

— As principais cidades
desenvolveram-se ao longo de
estuários e enseadas.

— A produção da riqueza não estava


centrada nas cidades.
Revolução Industrial:

— economia mundial assente na


exploração de matérias-
primas e produção em
massa;

— as cidades passam a
constituir os pontos centrais
da produção de riqueza e do
comércio.
Após 1980:

— os meios financeiros e os
serviços especializados
emergem como os principais
componentes das
transacções internacionais;

— os locais cruciais para estas


transacções são os principais
mercados financeiros, os
serviços avançados das
grandes corporações
empresariais, bancos e as
sedes das multinacionais

CIDADES GLOBAIS
“Cidades Globais” são:

• Centros de comando e controlo


da economia global.

• Localizações-chave e áreas de
mercado para as actuais
indústrias de ponta.

• Principais sítios de produção


para essas indústrias, incluindo
a inovação e investigação
aplicadas.

Fonte: “Cities in a world economy”, Saskia Sassen, Pine Forge Press, USA, 2000.
Fonte: “Cities in a world economy”, Saskia Sassen, Pine Forge Press, USA, 2000.11
Evolução da distribuição das
20 maiores cidades por
continente e dimensão
populacional (1996-2015)

P≤5M 5M < P ≤ 10 M 10M < P ≤ 20 M P > 20 M

1996 2015 1996 2015 1996 2015 2015

Europa — — 2 1 1 2 —

América do Norte — — 1 — 1 2 —

Ásia 1 — 6 — 2 8 1

Médio Oriente 1 — 1 — — 2 —

América do Sul — — 4 — — 2 2
Os maiores acréscimos de
população urbana
verificar-se-ão nos países
mais pobres

FONTE: “Cities transformed”, Edited by Mark R. Montgomery, Richard Stren


et al, Earthscan, 2004, London, p. 13.
Os maiores acréscimos
demográficos em grandes
cidades serão também nos
países mais pobres

FONTE: “Cities transformed”, Edited by Mark R. Montgomery, Richard Stren


et al, Earthscan, 2004, London, p. 84.
Fonte: “Urban networks in Europe”, Ed. D. Pumain e T. Saint-Julien, Éditions John Libbey Eurotext,
Paris, 1996.
City Lights of Europe

FONTE: http://visibleearth.nasa.gov/cgi-bin/viewrecord?6529
As disparidades na urbanização

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
A acessibilidade às cidades

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
Especialização da actividade económica

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
Fonte: “Urban networks in Europe”, Ed. D. Pumain e T. Saint-Julien, Éditions John Libbey Eurotext,
Paris, 1996.
FONTE: “The Geography of Europe’s Futures”, Ian Masser, Over Svidén,
Michael Wegener, Belhaven Press, 1992, London, p. 98.
Modelo da estrutura urbana

A evolução dos sistemas urbanos (i): rede christalleriana


Num sistema urbano tipo christalleriano, as cidades distribuem-se segundo
uma hierarquia na qual a influência e as relações se processam em função
da dimensão.

A evolução dos sistemas urbanos (ii): rede em hubs e spokes


Num sistema urbano metropolitano, apenas as cidades maiores (hubs)
mantêm relações directas com várias outras, enquanto as menores estão
apenas ligadas directamente a uma cidade principal.

FONTE: “Metapolis – acerca do futuro da cidade”, François Ascher, Celta, 1998, Oeiras.
Tráfego anual total das cidades

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
O sistema das cidades europeias

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
Localização das 300 maiores
empresas europeias

Fonte: “Le système des villes européennes”, Cattan, Pumain, Rozenblat, Saint-Julien, Anthropos,
Paris, 1994.
Factores que crescem de importância:
- Acesso aos mercados.
- Custo e disponibilidade de pessoal qualificado.

Factores que decrescem de importância:


- Infra-estruturas de transporte.
- Qualidade das telecomunicações.
- Disponibilidade de espaços de escritórios.
- Qualidade de vida para os empregados.

Fonte: “Urban networks in Europe”, Ed. D. Pumain e T. Saint-Julien, Éditions John Libbey Eurotext,
Paris, 1996.
FONTE: “The Geography of Europe’s Futures”, Ian Masser, Over Svidén,
Michael Wegener, Belhaven Press, 1992, London, p. 93.
FONTE: http://www.census.gov/hhes/www/saipe/nontechdoc/fluct.html.
Acesso às infra-estruturas
urbanas nos países em
desenvolvimento

FONTE: “Cities transformed”, Edited by Mark R. Montgomery, Richard Stren


et al, Earthscan, 2004, London, p. 369
A evolução dos espaços urbanos

à aglomeração
da cidade
urbano-metropolitana

compacta mosaico
Forma
e contínua em descontinuidade

monocêntrica policêntrica
Polarização
concentrada linear e nodal

suburbano extensivo
Crescimento
contíguo disperso

regular labiríntica
Estrutura
radio-concêntrica reticular

definidos adaptativos /
Limites
zonados variáveis difusos

“arquipélago”
Metáfora “ilha”
“nebulosa”

Fonte: Nuno Portas, Congresso Ibero-Americano de Urbanismo, Recife, Brasil, 2000


Relação entre densidade urbana e
consumo energético
80000

Sacramento

USA AUSTRALIA +

Houston
CANADA
Portland
70000
Denver
San Diego
Sacramento San Francisco
Phoenix
USA Average
Houston
Detroit
Los Angeles
San Diego
60000 Washington
Phoenix EUROPE
Boston San Francisco
Portland
Denver Chicago
Energy consumption in transport (MJ/person/year)

USA Av. Los Angeles


Detroit

New York Energy consumption in transport


Boston
50000 Washington Fuel/gasoline consumption
Calgary
Chicago New York
Canberra
Edmonton

Perth
Canberra AUS Average
ASIA
40000 Winnipeg
Brisbane CDN Average
Melbourne Frankfurt
Adelaide Vancouver
Hamburg
Sydney Calgary
Perth
Melbourne Ottawa
AUS Av. Toronto
Adelaide W'peg Edmonton
Brisbane CDN Average
Vancouver Toronto
30000
Sydney Brussels
Montreal
Stockholm
Ottawa
Zurich EURO Average
Frankfurt
Paris
London ur
mp
Lu
ala
Copenhagen Hamburg Ku Brussels
Zurich Vienna
20000 A'dam Tokyo
Stockholm Singapore Bangkok
Munich
EURO Average
Copenhagen
Paris
Amsterdam
Munich
Vienna
R2 = 0,8226
London ASIA Average
Kuala Lumpur Singapore
10000 Seoul Hong Kong
Jakarta
Tokyo Bangkok
R2 = 0,8619 ASIA Average
Manila

Surabaya Seoul
Jakarta

Surabaya Manila
Hong Kong

0
0 50 100 150 200 250 300
Average metropolitan density (inhabitants/ha)
Conceito de desenvolvimento
sustentável e sua articulação
com os outros processos de
desenvolvimento
Imperativos:
• sustentar o crescimento
económico
• maximizar o lucro
privado
Desenvolvimento Económico • expandir mercados
• externalizar custos

Desenvolvimento
Económico Conservacionismo
Comunitário

Desenvolvimento
Sustentável

Desenvolvimento Comunitário Desenvolvimento Ecológico

Imperativos: Imperativos:
• aumentar a auto-confiança ao • respeitar a
nível local capacidade de carga
• satisfazer as necessidades • conservar e reciclar
humanas básicas recursos
• aumentar a equidade • reduzir resíduos
• garantir a participação e o Ecologia dura (“deep ecology”)
controlo democrático ou Utopismo
• usar tecnologias apropriadas

Fonte: International Council on Local Environmental Initiatives (1996)


Economia Sociedade

Ambiente Território

FONTE: “Leonardo”, Frank Zöllner, Taschen, 2004, Lisboa, p. 36.


Proposta de rede urbana
europeia mais equilibrada

Fonte: “Urban networks in Europe”, Ed. D. Pumain e T. Saint-Julien, Éditions John Libbey Eurotext,
Paris, 1996.
Alternativas de estruturação
da rede urbana no Randstad

FONTE: “The Geography of Europe’s Futures”, Ian Masser, Over Svidén,


Michael Wegener, Belhaven Press, 1992, London, p. 123.
A cidade é (agora) concebida como
um dinâmico e complexo
ecossistema. Tal não é metáfora,
mas um conceito de uma cidade
real. Os sistemas social,
económico e cultural não podem
escapar às regras de natureza
abiótica e biótica. As directivas
para a acção terão de se orientar
por estas regras.”

FONTE: “The Responsible City”, S. P. Tjallingii, IFHP - International Conference,


Berlin, 1993, p. 7.
Modelo do metabolismo dos
assentamentos humanos

Recursos
(inputs)
Solo; Água; Alimentos; Energia; Materiais de construção; Outros.

Dinâmica dos aglomerados


Prioridades: Transporte; Económicas; Culturais.

Habitabilidade Resíduos
(liviability) (outputs)
Saúde; Emprego; Resíduos sólidos;
Rendimento; Águas residuais;
Educação; Habitação; Produtos tóxicos;
Lazer; Acessibilidade; Poluentes
Desenho urbano; atmosféricos; GEE;
Comunidade. Ruído; Perdas de
calor.

FONTE: “Sustainability and cities”, P. Newman and J. Kenwortly, p. 8.


Domínios prioritários do 5º Programa
Comunitário do Ambiente

⁄ Gestão sustentável dos recursos naturais.

⁄ Controlo integrado da poluição e


prevenção da produção de resíduos.

⁄ Redução do consumo de energia não


renovável.

⁄ Gestão mais eficiente da mobilidade


(modos de transporte menos nocivos para
o ambiente e uma mais racional
localização das actividades urbanas).

⁄ Qualificação ambiental das áreas urbanas.

⁄ Melhoria da saúde e segurança das


populações.
Dimensões da cidade sustentável

⁄ Economia

⁄ Sociologia

⁄ Habitação

⁄ Ambiente

⁄ Acessibilidade

⁄ Vida urbana

⁄ Democracia urbana ou cidadania


Áreas temáticas de interesse

Ambiente: Ambiente natural, resíduos


sólidos urbanos, poluição,
sensibilização ambiental.

Ambiente

Urbanismo Comunidade

Urbanismo: Edificado, espaço Comunidade: População,


urbano público, rede viária e equipamentos e serviços,
transportes, saneamento emprego e actividades
básico, riscos urbanos. económicas, educação,
segurança e criminalidade.
Domínios de intervenção

⁄ Espaço público
⁄ Estrutura verde
⁄ Elementos e percursos da paisagem urbana
⁄ Bairros residenciais
⁄ Reabilitação de edifícios e malhas urbanas
⁄ Tecido urbano a renovar
⁄ Tecido urbano a estabilizar
⁄ Estética urbana
⁄ Áreas e situações críticas a resolver
⁄ Ar, água, ruído, limpeza urbana
⁄ Gestão da via pública
O espaço e as cidades têm de ser
entendidos e geridos nas suas
várias dimensões

Vista Panorâmica de uma Paisagem, 1502


(Pena, tinta e aguarela, 338 x 488 mm Windsor, Windsor Castle)

É provável que Leonardo tenha feito desenhos de paisagens deste tipo para as campanhas
militares de César Bórgia.

FONTE: “Leonardo”, Frank Zöllner, Taschen, 2004, Lisboa, p. 67.


Retrato de Lisa del Giocondo (Mona Lisa), 1503-1506
(Óleo sobre madeira, 77 x 53 cm Paris. Musée du Louvre)

O quadro mais famoso do mundo foi pintado para o comerciante de seda florentino
Francesco del Giocondo que o encomendou para assinalar a mudança para uma casa
nova e o nascimento do seu filho, Andrea.

FONTE: “Leonardo”, Frank Zöllner, Taschen, 2004, Lisboa, p. 73.