Vous êtes sur la page 1sur 2

A casa da Poesia translcida.

Est margem da vista


De tudo e de todos.
Uma casa construda em areia movedia;
Terra estrangeira em si mesma.
O habitante o sempre estar fora,
Mesmo estando dentro.

Vem, ento, a imagem trazer-nos o objeto;


O real que cria seu prprio desconhecimento,
Portando em si
Todo seu sonho.

A Poesia a cura
Da e na sua Loucura.
Suas imagens funcionam como um curativo:
Tanto esconde como trata sua doena.
Doena? Sim.
A fome insacivel pela realidade.
E por esse mal necessrio,
Que a poesia o mximo que se pode chegar do real.

O resto? Iluso;
Pura convico
Daqueles que ainda insistem
Em viver na caverna de Plato,
Acreditando ser este o mundo real,
Pelo simples ver e sentir.
Nunca pensaram em haver o desconhecido.

A Certeza volta a si e se desconhece.


Percebe que era personagem de um sonho.
No sei quem me sonho.
Pensa e some-se...
No sonho - sonhado pela Dvida.