Vous êtes sur la page 1sur 3

A História, A Terra, As Gentes

“Em séculos que o tempo devorou, tudo era coutada à sua volta, num mato
arrogante onde os homens mergulhavam e se perdiam.

A caça ali tinha os seus domínios e os escassos humanos que por lá viviam
eram mais caçadores que camponeses.

A reis e príncipes não passou o local para suas excursões cinegéticas.

E de Santarém a Salvaterra, ali vinham com grande tropel de cavalos abater


porcos-monteses…

D. Pedro, apaixonado por aqueles exercícios e encontrado hábeis concorrentes


nos caçadores locais, proibiu-lhes a matança da sua caça predilecta, mas em
troca concedia à Glória uma carta a mercês, fomentado a agricultura e a
pecuária com facilidades de terrenos e pastos…

Então vieram guardas-coiteiros que aumentaram o número de povoadores…

Com a repressão, os glorienses voltavam-se para a charneca, trocando as


armas pelo arado, e revolveram-lhe as entranhas, lançando sementes na
promissão de colheitas compensadoras…

A propriedade era limitada pelo trabalho – quem mais desbravasse, mais


possuía…

A terra era de todos.

E a nova gente chegava atraída pelas facilidades de fixação.

Outra mercê de que ignoro o doador, nem por informações consegui


determinar, isentava da militança os homens da Glória. Fugidos à lei da guerra,
ali se acolhiam para trabalhar…

Contam os velhos, nas suas recordações de mocidade, que na igreja havia


uma pedra onde tal ordem se gravava e que dali levaram não sabem para
onde.

Assim, a Glória, nos seus prováveis sete séculos de existência, teria recebido
primeiro ribatejanos e alentejões, para a vida da caça, e, depois da mercê de
D. Pedro I, gente da Beira arrastada pelas concessões de el-rei para a cultura
da charneca…

A Glória, situada numa região plana, e como tal mais aberta a infiltrações de
povos, não tem um tipo definido de habitantes. Nela predomina, entretanto, o
homem de rosto moreno, cabelo negro e estatura média, semelhantes à raça
líbia-fenícia. O tipo louro é também vulgar..
…essa raça fixou-se principalmente nas costas do nosso país e é nas classes
piscatórias onde se encontram com maior frequência as características que a
distinguem…

Vejamos como podiam ter vindo para a Glória e quais os pontos de


semelhança com essas populações do litoral. Assim, o topo de casaco, a saia
de muita rosa, a cinta, os pés descalços e o uso da saia pela cabeça e costas,
constituem excepções aos hábitos da camponesa do Ribatejo. São antes
cosntumes vulgares nas mulheres da Beira Litoral. O maior número destes
impunha, como é natural, trajes e costumes, mas assimilava, entretanto dos
primeiros povoadores, alguns outros mais fagueiros ao seu espírito. Desta
interdependência saíram as regras e os hábitos a comunidade.

Enquanto o cingeleiro permanece na Glória conduzindo o seu gado e


cultivando a sua terra, fechado a influências estranhas, o trabalhador rural vai
para as lezírias, para as regiões da grande cultura, e ali entra em contacto com
outros trabalhadores de que recebe infiltrações.

Na sua índole o gloriense é reservado e frio ao primeiro contacto, mas franco e


acolhedor, hospitaleiro e bom, se mais na alma lhe penetramos…

São pacíficos, pouco brigões, o que amplamente se exemplifica com a nula


percentagem de criminologia entre eles…

As poucas refregas que se davam, decididas a varapau, em cuja esgrima são


mestres, desapareceram…

Todos se auxiliam, não sendo raras as provas de solidariedade prestadas a


viúvas e órfãos de companheiros de trabalho…

As mulheres, nos campos para onde vão trabalhar, exigem quartéis separados,
escolhem locais de faina também distantes dos outros ranchos e dançam à
parte. Mas a justificação dessa desconfiança encontra-se nos seus costumes.
É que, sendo tabu entre glorienses casar com gente de outras terras – e raras
são excepções – evitam por todos os meios que o fogo se ateie, erguendo
essas barreiras que os isolam…

Uma alta expressão do cuidado das glorianas, assim se apodam, está nas
toucas e vestidos dos seus filhinhos. Qualquer touca vulgar é engrinaldada de
dois e três franzidos, e o restante coberto de bordados vários. Nelas se
esmeram, pondo-lhe na confecção toda a sua arte apurada…

A dança na Glória é muito cultivada. O vira, o fandango, o verde gaio, o


bailarico, a remexida e a valsa serena têm a sua predilecção. Os glorienses
dançam ao som do harmónio, da concertina, da guitarra, da gaita de curra-
beiços ou da flauta…
Preferem as danças de enlaçamento, e de entre elas a remexida vertiginosa e
impulsiva…

Os que ficam sem rapariga estão à volta, e, quando lhes apetece, afastam
outro, tomando-lhe o par…

As cachopas não gostam que os seus pares se apurem na dança com


requebros exagerados e passos que chamen a curiosidade da assistência.

Abandonam-nos no terreiro, fogem-lhe e exclamam:

- Cheta, cão!...

E eles galhofam e tetam arrastá-las para a vertigem das remexidas ou a


suavidade das valsas serenas…

E é assim este povo admirável, que quer ser feliz e o merece.

Os seus pesares e lutas, folguedos e amores, o fazem poeta. Primeiro que


outros o cantassem, ele se cantou…”

Não venho aqui para dar vivas,

Nem mesmo pra dar vitória,

Venho aqui pra agradecer

À Senhora da Glória.

Semeei, não apanhei

Milho miúdo n’areia

Quem semeia não apanha

Que fará quem não semeia.

In Alves Redol, Glória Uma Aldeia do Ribatejo

Centres d'intérêt liés