Vous êtes sur la page 1sur 27

Sistemas de Freios

Sistemas de Freios
Fernando S. Araújo 20611546
Zoroastro T. Vilar 20711275
Tópicos Abordados
• Introdução
– Definição;
– Finalidade;
Sistemas de Freios

• Objetivos
• Conclusões
• Bibliografia

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 2/13


Introdução
• Histórico
Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 3/13


Introdução
• Finalidade
Força

Kg
00
Sistemas de Freios

10

Força
Kg
00
10

Menor Força → Menos Energia


25/05/2010 Elementos de Máquinas II 4/13
Introdução
Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 5/13


Introdução
• Definição
– São mecanismos de atrito usados para regular o
movimento dos corpos;
Sistemas de Freios

– É um caso específico de acoplamentos por atrito.


– São mecanismos que para interromper um
movimento transforma energia cinética em calor.
• Finalidade
– Os freios surgiram a partir da necessidade de
parar ou impedir algo que se desloque;
– Têm como função absorver a energia cinética.
25/05/2010 Elementos de Máquinas II 6/13
Introdução
• Os primeiros freios eram do tipo cunha e serviam
apenas para impedir que um movimento se
iniciasse.
Sistemas de Freios

• Os freios com alavanca vieram


como uma evolução
surpreendente, pois permitiam
ao condutor realizar um esforço
de frenagem grande quando
comparado com a pequena
força que empregava para
acionar os freios.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 7/13


Objetivos
Sistemas de Freios

• Mostrar em linhas gerais os principais tipos de


sistemas de freios, principio de funcionamento e
suas aplicações.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 8/13


Tipos de freios
• Freios de Duas Sapatas;
• Freio a Disco;
• Freio de Sapata e Tambor;
Sistemas de Freios

• Freio de Sapatas Internas ou Freio a Tambor;


• Freio Multidisco;
• Freio Centrifugo;
• Freios de Cinta ;
• Freio ABS.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 9/13


Freios de Duas Sapatas;
• Duas sapatas são mantidas em contato com o
tambor através da ação de uma mola que o impede
de rodar. Para liberar o tambor, aciona-se a alavanca de
Sistemas de Freios

comando, que pode ser operada manualmente,


por um solenóide ou por um cilindro
pneumático. Esse tipo de freio é utilizado em
elevadores.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 10/13


Freio a Disco
• É um freio em que um ou dois blocos segmentares, de
material de fricção, são forçados contra a superfície de
um disco giratório.
Sistemas de Freios

•Em automóveis, os blocos


segmentares (ou pastilhas) são
operados por pistões hidráulicos.
•Os freios a disco são menos
propensos à fadiga (queda de
eficiência operacional em função do
tempo de utilização) que os freios a
tambor.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 11/13


Freio a Disco
• No Sistema de Freios a Disco, os fatores que influem
na perda de eficiência são bem menores comparados
ao sistema de Freio a Tambor, razão pela qual a ação
Sistemas de Freios

dos Freios a Disco difere um pouco de uma para outra


roda. Essa é a garantia de uma maior estabilidade na
frenagem, evitando assim o comportamento do veículo
"puxar" para um dos lados, mudando sua trajetória.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 12/13


Freio a Disco
• Principio de funcionamento
– O disco gira tendo em ambos os lados o conjunto de
pastilhas.
Sistemas de Freios

– O pedal do freio é acionado e as pastilhas entram em


contato com o disco, comprimindo-o pela força de atrito,
causando a diminuição de rotação da roda.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 13/13


Freio a Disco
Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 14/13


Freio a Disco

O fluido de freio sob pressão vai


preenchendo a câmara,
Sistemas de Freios

empurrando o êmbolo para fora


e pressiona a pastilha de sua
extremidade contra o disco.
Ao mesmo tempo, do outro lado
do disco, o caliper desloca-se
ao encontro dele para
comprimir, nesta face, a pastilha
instalada em sua extremidade.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 15/13


Freio de sapata e tambor
• O detalhe característicos deste freio é uma sapata (ou
parte de uma alavanca), revestida com material de alto
coeficiente de atrito, comprimida contra uma roda
Sistemas de Freios

giratória (ou tambor) ligada ao órgão a freiar.

•Pode ser de:


•Sapatas Externas e
•Sapatas Internas

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 16/13


Freios a Tambor com Sapatas Externa
• Normalmente é composto de duas sapatas
simetricamente dispostas em torno de um tambor,
que é ligado a carga a ser freiada.
Sistemas de Freios

• O acionamento é eletromagnético,
mas também pode ser pneumático e,
mais raramente, hidráulico ou
manual.

•É utilizado em maquinas de elevação, tais como pontes rolantes,


elevadores, gruas, etc.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 17/13


Freio de sapatas internas
• É um freio em que duas sapatas curvas são forçadas
para fora, contra o interior da borda de um tambor
giratório.
Sistemas de Freios

As sapatas são revestidas com material de atrito, conhecido como


lona de freio, rebitado ou colado em sua superfície externa.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 18/13


Freio a Tambor
Princípio de Funcionamento
Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 19/13


Freio Multidisco
• Compõe-se de vários discos de atrito intercalados com
disco de aço.
Sistemas de Freios

Os discos de aço giram em um eixo


entalhado e os discos de atrito são
fixados por pinos. O freio atua por
compressão axial dos discos.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 20/13


Freio Centrífugo
• É um freio onde as sapatas atuam, na parte interna de
um tambor, pela ação da força centrífuga contra a ação
de mola lamelares.
Sistemas de Freios

A tensão da mola determina o instante de ação do freio.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 21/13


Freios de Cinta
• Consiste basicamente em uma correia plana
enrolada em torno de um tambor, e que impede o
movimento desse quando acionada.
Sistemas de Freios

Torque

T = (P1 – P2).(D/2)
Aplicações: Pressão máxima
Escavadoras,
guindastes, etc. Pa = 2P1/(bD)

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 22/13


Freios ABS
• (Antiblockier-Bremssystem, embora mais
frequentemente traduzido para a inglesa Anti-lock
Braking System)
• É um sistema de frenagem que evita que a roda
Sistemas de Freios

bloqueie e entre em derrapagem, deixando o


automóvel sem aderência à pista.

• Sistema eletrônico que, utilizando sensores,


monitora a rotação de cada roda e a compara com
a velocidade do carro. Quando a velocidade da
roda cai muito em relação à do carro, o sistema
envia sinais para válvulas e bombas no sistema
de óleo do freio, aliviando a pressão.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 23/13


Aplicações
Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 24/13


Conclusão
Com este trabalho procurou apresentar
sucintamente os conceitos básicos para o projeto
de dispositivos para acoplamentos de atrito, ou
seja, os freios. Percebe-se a grande importância
Sistemas de Freios

dos sistemas de freios, devido a suas diversas


aplicações em diversos tipos de máquinas e
equipamentos.
Bibliografia
• FREIOS E EMBRAGENS POR ATRITO. Notas de
Aula. Autor: Prof.Dr. Auteliano Antunes dos Santos
Junior. Universidade Estadual de Campinas.
Sistemas de Freios

Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento


de Projeto Mecânico.

• Freio ABS. Disponível em:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Freio_ABS. Acessado
em: 20 de maio de 2010.

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 26/13


Sistemas de Freios

25/05/2010 Elementos de Máquinas II 27/13