Vous êtes sur la page 1sur 7

UNIDADES DE FORMAÇÃO

DE
CURTA DURAÇÃO

Formandos: Idalina Pereira STC 5 26/04/2010


Maria Albina Alves
Maria de Fátima Oliveira
Maria Joaquina Jaleca
Sandra Antunes

1- Leia atentamente o texto que se apresenta:

1. O telemóvel

As tecnologias de informação e comunicação entraram definitivamente nas nossas vidas. Estamos cada vez
mais dependentes delas, tanto no contexto privado como no local de trabalho, de tal modo que seria
impossível concebermos um mundo sem elas.
O telemóvel é, sem dúvida, uma das tecnologias de comunicação mais utilizadas. Se há cerca de uma
década este dispositivo era dispensável, actualmente não conseguimos sair à rua sem ele.
Os telemóveis tornaram-se parte integrante do nosso quotidiano e, hoje em dia, é difícil concebermos o
mundo sem eles. Se um indivíduo se perde, telefona a pedir indicações do caminho, em vez de perguntar a
alguém na rua. Manifestações são convocadas através de SMS. O telemóvel é também agenda, lista de
contactos, arquivo de ficheiros, walkman, rádio, despertador, consola de jogos, calculadora e relógio. O
impacto dos telemóveis na sociedade actual é portanto inegável. No entanto, a natureza precisa desse
impacto, assim como as suas implicações em termos de transformação da vida social, permanecem por
identificar e analisar em profundidade.
Antes de 1991, Portugal vivia sem este tipo de dispositivo. Decorridos apenas 16 anos, o uso deste
equipamento tornou-se banal e, nos dias que correm, é difícil encontrar alguém que não possua pelo menos
um telemóvel.
Em consequência desta rápida massificação, o sector das telecomunicações tornou-se um dos que cresceu
a um ritmo mais acelerado no âmbito da História da Tecnologia. Tão rápido, que torna-se por vezes difícil
recordar como era organizado o nosso quotidiano antes dos telemóveis. Mas qual o motor deste
crescimento? O que explica a adesão das massas a este dispositivo? Serão os telemóveis expressões da
identidade, ferramentas, uma moda, ou uma combinação de todos estes elementos?

a) Elabore uma pequena reflexão sobre a importância que o telemóvel assume na sua vida
quotidiana.

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 1/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

R: O telemóvel na nossa vida quotidiana é muito importante facilitando os nossos contactos com
familiares e amigos e também em casos de emergência.
A nível profissional podemos considerar o telemóvel, uma ferramenta essencial de trabalho, porque
podemos resolver vários assuntos dentro ou fora do local de trabalho, sem ter que fazer deslocações
mais ou menos distantes.

2- Leia atentamente o texto que se segue:


Meio milhão de jovens portugueses tem telemóvel
Os dados do Barómetro de Telecomunicações da Marktest indicam que, no segundo trimestre deste ano,
foram contabilizados mais de 7,5 mil utilizadores de telemóvel em Portugal, um valor que corresponde a 81,1
por cento dos residentes no país com 10 e mais anos.
De acordo com os resultados deste estudo realizado pelo Barómetro de Telecomunicações da Marktest, é
entre os mais jovens que se assiste a uma taxa de penetração maior, com 97,2 por cento dos inquiridos com
idades entre os 15 e os 24 anos a possuir telefones móveis, seguindo-se a faixa etária de 25/34, que registou
95,9 por cento de respostas afirmativas.
A popularidade destes aparelhos junto dos jovens com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos é
igualmente elevada, registando-se uma taxa de penetração do produto de 88,3 por cento, o que corresponde
a mais de meio milhão de pessoas.
Embora entre os 45 e os 54 anos a taxa comece a decrescer, é entre os inquiridos com mais de 64 anos que
se regista uma menor utilização de telemóveis (45,5 por cento).
A classe social é um elemento a ter também em conta. Assim, 96, por cento das pessoas que utilizam
telemóvel pertencem à classe média e média alta, e 57,7 por cento fazem parte da classe baixa.
O sexo e a região não são variáveis muito discriminantes, mas regista-se uma percentagem mais elevada
entre os homens (85,8 por cento) e os residentes dos grandes centros urbanos: Lisboa com 87,4 por cento e
Porto com 87 por cento.
Recorde-se que os números apurados pela empresa de estudos de mercado indicam respostas
relativamente à utilização de telemóveis e não aos assinantes das operadoras, um valor apurado
regularmente pela Anacom e que está bastante acima, com 11,7 milhões para uma taxa de penetração que
ultrapassa os 110 por cento, face ao número de residentes em Portugal.
Fonte:
http://www.marktest.pt/produtos_servicos/Barometro/default.asp?c=1024&n=1593

a) De acordo com o texto anteriormente apresentado identifique justificando como por exemplo
o poder económico, a idade, o sexo, entre outros factores levam a distintos usos sociais do
telemóvel.

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 2/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

R: Pela informação dada no texto anterior, verificamos que o maior número de utilizadores de
telemóvel é os jovens e as crianças a partir dos 10 anos, vindo logo a seguir a faixa etária adulta.
Podemos dizer que estes resultados se verificam, porque há uma tendência e preocupação dos pais
em controlarem os filhos a partir dos 10 anos, pois é nessa altura que eles começam uma nova fase
escolar que acontece no 2º ciclo, com horários e hábitos totalmente diferentes da escola primária. A
evolução desta tecnologia permite uma grande variedade de funções que cativa cada vez mais a sua
utilização e dependência, tendo também em conta a sua situação profissional que cada vez mais
exige a utilização dos telemóveis, mais nos meios urbanos.
Em relação aos mais idosos verifica-se um decréscimo uma vez que os idosos têm mais dificuldades
de interpretação do funcionamento e também devido ao menor poder económico, também não existe
uma grande necessidade, uma vez que os idosos têm uma vida menos activa.
Todos, hoje em dia, têm a possibilidade de adquirir um telemóvel independentemente da sua
capacidade financeira, uma vez que existem telemóveis com preços e tarifários mais acessíveis.

b) Actualmente recorre-se à expressão “sociedade do telemóvel”, para caracterizar as relações


sociais existentes.
De acordo com a sua experiência de vida considera exagerada a expressão “sociedade do
telemóvel”?
(Fundamente a sua resposta explorando as consequências positivas e negativas, nas
relações e práticas sociais, do uso do telemóvel)

R: De uma maneira geral poderemos dizer que estamos numa “ sociedade do telemóvel”, porque
actualmente é necessário o uso deste aparelho pela sociedade. A comunicação desenvolveu-se entre
empresas, familiares e amigos levando a um contacto constante e imediato.
Através deste meio verificou-se uma grande facilidade de contactos e progresso a nível geral porque,
além da chamada de voz e SMS, muitos equipamentos têm também Vídeo Chamada, Câmara
Fotográfica e vídeo, Internet, Leitor de MP3 etc.

c) De acordo com a sua opinião, reflicta e justifique se estamos a construir uma sociedade mais
aberta ou mais fechada.

R: Pensamos que por um lado, a comunicação com o telemóvel abriu um leque maior de contactos
entre os indivíduos, tornando a sociedade mais aberta.
No que respeita às relações humanas a sociedade tem tendência a fechar-se, porque ao comunicar
pelo telemóvel vai haver menos contactos pessoais.

3. Já reparou na evolução que os telemóveis têm sofrido ao longo dos tempos?

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 3/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

A Evolução dos telemóveis…

Mais de 1,7 milhões utilizam telemóvel 3G

São 1.745 milhões os portugueses que já utilizam um telemóvel de terceira geração, que permite realizar
video-chamadas, de acordo com os resultados do trimestre móvel de Abril de 2007 do Barómetro de
Telecomunicações.

Este número representa 22.1% do total de residentes em Portugal com 10 e mais anos que possuem
telemóvel e tem revelado uma tendência de crescimento ao longo do último ano. Mais de 2 milhões, 2 368
mil indivíduos, utiliza um aparelho que, não sendo de 3G, permite aceder ao Portal do seu operador (30.0%)
e 44.4% outros tipos de telemóvel.
A penetração de telemóvel 3G é maior junto dos jovens entre os 15 e 24 anos, 38.8% dos que possuem
telemóvel nesta faixa etária utilizam mais o de 3G e entre os jovens dos 25 aos 34 anos, 27.9%. No Litoral
Norte e na Grande Lisboa também se regista penetração do produto acima da média, respectivamente com
23.6% e 23.5%. Por classes sociais, é na média que o telemóvel 3G é mais utilizado, por 28.3% dos
possuidores de telemóvel desta classe social.

3.5G de telemóveis já chegou aos Açores

Depois dos telemóveis de terceira geração, as operadoras de telecomunicações móveis apresentam a rede
3.5G. De entre as principais vantagens deste serviço está o acesso à internet a uma velocidade de
transmissão que varia entre os 1.8Mbps e os 3.6Mbps, cerca de quatro a cinco vezes mais que a velocidade
da 3G. Na Região, a operadora que disponibiliza este serviço é a TMN. A rede 3.5G já pode ser utilizada em
vários locais, nomeadamente nas cidades de Ponta Delgada, Ribeira Grande, Angra do Heroísmo, Praia da
Vitória e Horta. A TMN é líder do mercado açoriano com 60% de quota.

a) Grande parte das vezes adquirimos um determinado equipamento sem pensarmos como é
constituído e como funciona, os telemóveis não são excepção, independentemente da sua
marca, modelo e preço todos eles apresentam componentes comuns.
Identifique os componentes principais de um telemóvel.
R: Os componentes principais de um telemóvel são: visor, teclado, cartão sim, placa de circuitos,
antena, bateria, carregador

b) Como é de conhecimento geral, os telemóveis foram evoluindo ao longo dos tempos não só
em tamanho, design, bem como, em termos de tecnologia associada. Actualmente fala-se
muito sobre a terceira geração dos telemóveis, os denominados 3G. Para além desta
ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 4/7
NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

c) tecnologia existem outras associadas ao funcionamento do telemóvel, tais como GSM (2 G) e


GPRS (2,5 G).
Faça uma pesquisa onde identifique as potencialidades e as limitações das tecnologias
referenciadas.
Para orientar esta pesquisa preencha o quadro que se apresenta:

Evolução tecnológica Potencialidades Limitações


dos telemóveis (vantagens) (desvantagens)
- Digital. - Utilização em roaming só
GSM - Em relação à 1G tem maior é viável se utilizar rede
2G segurança para reduzir fraudes, triband
serviços mais avançados tais como (900MHz/1800MHz/1900MHz.
identificação de chamada (ID), - Tempo de acesso elevado.
mensagens escritas, melhor - Emissão de radiação mais
qualidade de voz e maior elevada.
durabilidade de bateria. - Serviço de dados a baixa
velocidade (14Kbts por s).
- Permite a comutação por pacotes - Emissão de radiação mais
GPRS à taxa da ordem de 144Kbps. elevada o que prejudica o
2,5 G -Transmissão de dados de forma ambiente e a saúde.
optimizada e imediata, permite - Como o sistema ainda
serviços conectados 24h por dia. está em implantação são
Facturação incide na quantidade de poucos os locais com rede
informação transmitida (Enviada e de terceira geração, mas
recebida) ao invés da duração de em muitos há a rede EDGE
tempo de comunicação. (2,5G).
- Baseada no protocolo IP,
possibilitando o acesso à internet.
- Taxa Limite de Transferências de
dados mais elevada que as
anteriormente existentes.
- Tecnologia Bluetooth

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 5/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

- Suporta os serviços das redes - Existe alguma


UMTS GSM e GPRS. instabilidade de rede, gasta
3G - Rede digital com velocidade. mais energia.
máxima de transmissão de dados - A sua disponibilidade não
de 2Mbps. é completa, não existe
- Vídeo chamada. cobertura em todo o
território.
- O valor da vídeo chamada
é mais elevado.

4-Já alguma vez pensou como se estabelecem as ligações entre os telemóveis?

Como funcionam os telemóveis?


Os telemóveis são emissores-receptores de rádio de baixa potência, que funcionam mediante a propagação
de ondas electromagnéticas. Quando o utilizador faz uma chamada, é transmitida informação do telemóvel
para a estação base mais próxima, que reencaminha a chamada pela rede móvel até esta chegar ao seu
destinatário. O processo inverso acontece quando o utilizador recebe uma chamada.
Características da radiação electromagnética:
Fontes naturais e fontes artificiais
A radiação electromagnética ocorre naturalmente no Universo e, como tal, sempre esteve presente na Terra.
O nosso Sol, por exemplo, é a fonte (natural) de radiação electromagnética mais intensa a que estamos
expostos. Por outro lado, o crescimento tecnológico, as mudanças no comportamento social e nos hábitos de
trabalho - próprios de uma sociedade em evolução - criaram um ambiente crescentemente exposto a outras
fontes de radiação electromagnética. Estas fontes foram criadas artificialmente pelo homem e são, por
exemplo, as antenas dos sistemas de telecomunicações, as linhas de alta tensão, os aparelhos eléctricos,
etc.
Assim, a luz visível, os raios X, as vulgarmente chamadas “ondas de rádio” e as microondas são formas
possíveis de radiação electromagnética, correspondendo à propagação de energia pelo espaço a
velocidades da ordem de 300 000 km/s, sem necessidade de suporte físico.
Características das ondas electromagnéticas
Existem características particulares das ondas electromagnéticas que determinam as suas propriedades e
aplicações. As características essenciais são:
Comprimento de onda;
Frequência de onda;
Período de onda;
Velocidade de propagação;

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 6/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira


UNIDADES DE FORMAÇÃO
DE
CURTA DURAÇÃO

a) Tendo em conta os termos físicos anteriormente referenciados, complete o seguinte quadro


definindo-os e caracterizando-os:

Características das Definição / Caracterização


ondas electromagnéticas
Comprimento da onda A onda electromagnética apresenta um padrão que se repete
enquanto se propaga. O comprimento desse padrão de
repetição no espaço designa-se por comprimento de onda,
medindo-se em metros.

Frequência da onda Representa o número de ciclo da onda num ponto do espaço


em cada segundo, medindo-se em hertz (HZ)

Período da onda O período de uma onda é o tempo que se demora para que
uma onda seja criada, ou seja, para que um comprimento de
onda, ou um l, seja criado. O período é representado pela
letra T.

Velocidade de Em espaço aberto, as ondas electromagnéticas propagam-se


propagação em linha recta, com velocidade próxima de 300.000Km/s.
Na vizinhança de obstáculos, como o relevo do terreno.
Espelhos de água construções, etc.…
A direcção de propagação pode ser alterada por reflexão, ou
por difracção.
A reflexão ou a difracção sofridas por uma onda
electromagnética, em geral modificam também a sua
amplitude, mas não alteram a frequência.

BOM TRABALHO

ÁREA: Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) 7/7


NÚCLEO GERADOR: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

Competências: Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais (DR1)

FORMADOR(A): António José da Conceição Mexia Ferreira