Vous êtes sur la page 1sur 2

Plataforma Ambiental de oposição à Fusão Valorsul – Resioeste

MINISTÉRIO DO AMBIENTE COMPROMETE (HIPOTECA)


POLÍTICA NACIONAL DE RECICLAGEM

O Ministério do Ambiente está a promover a criação de um mega sistema de


gestão de resíduos urbanos nas regiões de Lisboa e Oeste que irá enviar para
aterro e incineração cerca de 80% dos resíduos, situação que vai comprometer o
cumprimento das metas de reciclagem a nível nacional.

O novo sistema resultará da fusão entre os sistemas da Valorsul e da Resioeste e


será o maior do país, correspondendo a cerca de 20% da produção de resíduos a
nível nacional.

Na proposta de fusão está previsto que em 2018 sejam enviados para aterro e
incineração cerca de 80% dos resíduos, o que irá impedir que este mega sistema
cumpra as metas comunitárias previstas nas seguintes Directivas Comunitárias:
- Directiva Embalagens (Directiva 2004/12/CE)
Metas directiva
Ano 2018 embalagens para 2011 Previsto no plano para Percentagem
(Directiva: 2018 de
2004/12/CE) cumprimento
mil toneladas (%)
Embalagens 115 80,8 70,4
- Plástico 18 7,6 41,7
- 39 26,9 68,7
Papel/Cartão

- Directiva-Quadro de Resíduos (Directiva 2008/98/CE): em 2020, a reutilização


e a reciclagem deve ser 50% (papel, metal, plástico e vidro)

As Associações da Plataforma (Quercus, MPI e ADAL) consideram que a atitude


do Ministério do Ambiente é condenável, correspondendo a um forte retrocesso
nas políticas de promoção da reciclagem.

Para justificar esta atitude, o Ministério do Ambiente tem argumentado que a ideia
é aproveitar a capacidade excedentária da incineradora da Valorsul e também a
existência de vantagens económicas.

No entanto, questionado formalmente pela Quercus, o Ministério do Ambiente não


soube apresentar quaisquer números que justifiquem a sua posição, o que é
natural, uma vez que a Valorsul continua a enviar grandes quantidades de
resíduos para aterro e o estudo económico que sustenta a proposta de fusão está
muito mal justificado.

A Plataforma defende que os resíduos da região da Resioeste antes de serem


enviados para aterro ou incineração deveriam passar por um sistema de
Tratamento Mecânico e Biológico, processo que permite reciclar entre 60% a 80%
dos resíduos indiferenciados.

A Plataforma vê-se assim obrigada a apresentar este caso à Comissão Europeia


como prova de que o Governo Português não tenciona cumprir as metas de
reciclagem previstas a nível europeu.

Lisboa, 31 de Julho de 2009

Contactos: Pedro Carteiro (Quercus); 934285343; Rui Berkemeier (Quercus)


934256581; Alexandra Azevedo (MPI): 936 464 658; António Almeida (ADAL): 918
835 005