Vous êtes sur la page 1sur 46

Maquete Ambiental do Vale do Paraíba

1ª Parte

Maquete Ambiental do Vale do Paraíba 1ª Parte Olhar atento sobre o meio natural e seus

Olhar atento sobre o meio natural e seus recursos destacando-se o

cenário físico do Vale do Paraíba, nossa “casa”

Olhar atento sobre o meio natural e seus recursos destacando-se o cenário físico do Vale do
Olhar atento sobre o meio natural e seus recursos destacando-se o cenário físico do Vale do
Conhecendo o Vale do Paraíba, nossa bacia hidrográfica, nossa casa
Conhecendo o Vale do Paraíba, nossa bacia hidrográfica, nossa casa

Conhecendo o Vale do Paraíba, nossa

bacia hidrográfica, nossa casa

Conhecendo o Vale do Paraíba, nossa bacia hidrográfica, nossa casa
Conhecendo o Vale do Paraíba, nossa bacia hidrográfica, nossa casa
Toda história precisa de um AMBIENTE para se desenrolar e são exatamente as suas características
Toda história precisa de um AMBIENTE para se desenrolar e são exatamente as suas características
Toda história precisa de um AMBIENTE para se desenrolar e são exatamente as suas características

Toda história precisa de um AMBIENTE para se

Toda história precisa de um AMBIENTE para se desenrolar e são exatamente as suas características geográficas

desenrolar e são exatamente as suas características geográficas que determinarão os

passos culturais, sociais, econômicos e,

conseqüentemente, de transformação da natureza

que determinarão os passos culturais, sociais, econômicos e, conseqüentemente, de transformação da natureza
que determinarão os passos culturais, sociais, econômicos e, conseqüentemente, de transformação da natureza

Dos 57 mil km² (Fonte Ceivap):

Estado de SP - 13.605 km²

RJ - 22.600 km²

MG - 20.500 km²

O Vale do Paraíba está delimitado ao norte pela Serra da Mantiqueira

Pico dos Marins

E ao sul pela Serra do Mar

E ao sul pela Serra do Mar

Pergunta freqüente: Mas até onde se estende a SERRA DO MAR e a SERRA DA MANTIQUEIRA?

onde se estende a SERRA DO MAR e a SERRA DA MANTIQUEIRA? A Serra da Mantiqueira

A Serra da Mantiqueira se estende pelos estados de SP, RJ e MG. E quanto às proporções:

10% se localiza em terras do RJ;

30% se localiza em SP;

60% em MG.

A Serra do Mar se estende por cerca de 1.500 km ao longo do litoral leste/sul, indo desde o ES até o sul de SC.

em MG. A Serra do Mar se estende por cerca de 1.500 km ao longo do

Formação geológica do Vale do Paraíba

Formação geológica do Vale do Paraíba • Um bloco da crosta afundou devido às fraturas tectônicas

Um bloco da crosta afundou devido às fraturas tectônicas, formando uma depressão no terreno.

No fundo dessa depressão formou-se um lago.

• No fundo do lago se depositaram sedimentos finos (argila verde). A água pluvial precipitada

No fundo do lago se depositaram sedimentos finos (argila verde). A água

pluvial precipitada na região era transportada pelos rios até o lago. No caminho, antes de chegar ao lago, foi depositada areia (na figura: cor alaranjada). Esta areia se depositava nas antigas várzeas da região.

• À medida que o lago aumentava, o pacote de sedimentos aumentava também, fazendo com

À medida que o lago aumentava, o pacote de sedimentos aumentava também, fazendo com que as argilas depositadas nas partes mais fundas se transformassem em folhetos (xistos-verde acinzentados). Com o preenchimento do lago por sedimentos, este secou.

Após isso, os rios da região começaram a correr para fora da Bacia de Taubaté, em direção ao Rio de Janeiro.

fora da Bacia de Taubaté, em direção ao Rio de Janeiro. • O novo rio formado

O novo rio formado Paraíba do Sul escavou um novo vale em meio aos antigos sedimentos (areia e argila verde), formando a atual várzea do rio Paraíba do Sul, com suas areias (na figura: amarelo-claro), que são exploradas pelos mineradores.

várzea do rio Paraíba do Sul , com suas areias (na figura: amarelo-claro), que são exploradas

Ponto culminante do Vale do Paraíba:

Pedra da Mina (2.797m) - na Serra da Mantiqueira Trata-se da 4ª maior altitude do Brasil

da Mantiqueira Trata-se da 4ª maior altitude do Brasil Até então era o Pico das Agulhas
da Mantiqueira Trata-se da 4ª maior altitude do Brasil Até então era o Pico das Agulhas

Até então era o Pico das Agulhas Negras, em Itatiaia, com 2.787m, a maior altitude do Vale

Serra da Bocaina:

uma das serras que integra a Serra do Mar

Serra da Bocaina: uma das serras que integra a Serra do Mar

Pela Serra da Bocaina, visualização da Serra da Mantiqueira (ao fundo)

Pela Serra da Bocaina, visualização da Serra da Mantiqueira (ao fundo)
E assim entre as Serras da Mantiqueira E do Mar Passa o Rio Paraíba do

E assim entre as Serras da Mantiqueira

E assim entre as Serras da Mantiqueira E do Mar Passa o Rio Paraíba do Sul

E do Mar

E assim entre as Serras da Mantiqueira E do Mar Passa o Rio Paraíba do Sul

Passa o Rio Paraíba do Sul que nomeia o nosso VALE

Rio Paraíba do Sul

Formadores: rios Paraitinga e Paraibuna - paralelamente, tais rios vêm percorrendo o “mar de morros” da Serra do Mar

Confluência dos rios se dá no município de Paraibuna, onde se situa a represa de mesmo nome

morros” da Serra do Mar Confluência dos rios se dá no município de Paraibuna, onde se

Curiosidade: Por que o Rio Paraíba se chama PARAÍBA DO SUL?

Por que o Rio Paraíba se chama PARAÍBA DO SUL ? No Estado da Paraíba, há

No Estado da Paraíba, há também um RIO PARAÍBA - Com 380 km, ele é o mais importante do estado.

Barra, RJ) o rio PARAÍBA DO SUL percorre 1.150 km
Barra, RJ) o rio PARAÍBA DO SUL percorre 1.150 km

Da nascente (entre Areias e Silveiras) à foz (Praia de Atafona, São João da

A nascente se situa a cerca de 1.800 m de altitude

Divisão do Rio Paraíba do Sul:

Alto Paraíba da nascente até o cotovelo de Guararema

(desnível de 1.400 m ao longo de 280 km): é “encachoeirado”

Médio Paraíba Superior do cotovelo de Guararema a Cachoeira Paulista (desnível de 50m/trecho de 300 km):

segue mais lento descrevendo grandes curvas

de Guararema a Cachoeira Paulista (desnível de 50m/trecho de 300 km): segue mais lento descrevendo grandes
de Guararema a Cachoeira Paulista (desnível de 50m/trecho de 300 km): segue mais lento descrevendo grandes

Médio Paraíba Inferior de Cachoeira Paulista até o município fluminense de São Fidélis (mais 430 km): volta a

apresentar cachoeiras já que ganha mais velocidade novamente

Baixo Paraíba de São Fidélis até a foz, em São João da Barra (últimos 90 km em área totalmente plana)

• Baixo Paraíba – de São Fidélis até a foz, em São João da Barra (últimos
• Baixo Paraíba – de São Fidélis até a foz, em São João da Barra (últimos

Conceitos de MONTANTE e JUSANTE e margens ESQUERDA e DIREITA

de MONTANTE e JUSANTE e margens ESQUERDA e DIREITA  Montante: curso da água em direção

Montante: curso da água em direção à nascente;

Jusante: curso da água em direção à foz;

Margem direita: posicionando-se de costas para a nascente é o que está à sua direita;

Margem esquerda: posicionando-se de costas para a nascente é o que está à sua esquerda.

Destaque aos MEANDROS ao longo da planície aluvial que margeia o Paraíba do

Sul

As enchentes ocupavam

toda a várzea de

inundação. Assim, com a seca na estiagem e as cheias nos tempos

chuvosos,

o regime do rio seguia um

curso errático

inundação. Assim, com a seca na estiagem e as cheias nos tempos chuvosos , o regime

Para refletir apoiando-se na idéia de que a formação geológica tudo explica:

Por que será que a EXTRAÇÃO DE AREIA concentra-se fortemente bem no início da Calha do Vale?

tudo explica: Por que será que a EXTRAÇÃO DE AREIA concentra-se fortemente bem no início da
tudo explica: Por que será que a EXTRAÇÃO DE AREIA concentra-se fortemente bem no início da
tudo explica: Por que será que a EXTRAÇÃO DE AREIA concentra-se fortemente bem no início da

Um detalhe muito curioso do Rio Paraíba do Sul é o COTOVELO DE GUARAREMA

É neste ponto que o rio faz uma acentuada curva invertendo totalmente sua direção de NE-SO para SO-NE.

Tudo indica que, há milhões de anos, o rio Paraíba do Sul escoava no mesmo sentido do rio Tietê, que nasce na

Serra do Mar, em Salesópolis. Portanto, se diz que o rio

Paraíba é um “rio de captura”, pois era contribuinte do Tietê, mas com a movimentação das placas tectônicas foi desviado, formando outra bacia.

Clima

O Vale se localiza numa área de transição entre o clima tropical e o temperado - o Trópico de Capricórnio corta o município de Ubatuba, no Litoral Norte de SP

Temperatura média anual: acima de 21graus e média de umidade relativa do ar superior a 70%

no Litoral Norte de SP • Temperatura média anual: acima de 21graus e média de umidade
no Litoral Norte de SP • Temperatura média anual: acima de 21graus e média de umidade
no Litoral Norte de SP • Temperatura média anual: acima de 21graus e média de umidade

Nas regiões abrangidas pelas Serras do Mar e da Mantiqueira, devido às

maiores altitudes: climas mais amenos e maiores índices de chuva

Clima tropical chuvoso nas áreas de topografia mais suave e clima tropical de altitude nas áreas mais elevadas

• Clima tropical chuvoso nas áreas de topografia mais suave e clima tropical de altitude nas
• Clima tropical chuvoso nas áreas de topografia mais suave e clima tropical de altitude nas

Vegetação

A VEGETAÇÃO reflete o mais expressivo elemento de uma paisagem. Ao mesmo tempo em que confere ao espaço uma identificação, é um de seus elementos mais dinâmicos e o mais

suscetível às TRANSFORMAÇÕES DO AMBIENTE.

E a história sobre a TRANSFORMAÇÃO DE UM AMBIENTE parte da análise do como essa PAISAGEM se apresentou, originalmente, e do

como ela foi interpretada pelo homem com a OCUPAÇÃO.

análise do como essa PAISAGEM se apresentou, originalmente, e do como ela foi interpretada pelo homem
análise do como essa PAISAGEM se apresentou, originalmente, e do como ela foi interpretada pelo homem
análise do como essa PAISAGEM se apresentou, originalmente, e do como ela foi interpretada pelo homem

Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem

valeparaibana revela uma preciosa variedade

Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem valeparaibana revela uma preciosa variedade
Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem valeparaibana revela uma preciosa variedade
Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem valeparaibana revela uma preciosa variedade
Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem valeparaibana revela uma preciosa variedade
Da Serra do Mar à Serra da Mantiqueira, a paisagem valeparaibana revela uma preciosa variedade

O Vale do Paraíba, por ser um meio bastante diversificado no que se refere à clima, relevo e solo, a VEGETAÇÃO apresenta-se muito variada revelando uma rica BIODIVERSIDADE

muito variada revelando uma rica BIODIVERSIDADE O Vale do Paraíba está sob o domínio do Bioma

O Vale do Paraíba está sob o domínio do Bioma MATA ATLÂNTICA

Manguezal – “berço” da vida marinha

Manguezal – “berço” da vida marinha

Mata Atlântica Costeira de Terras Baixas (Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas)

Ombrófilo Significa “amigo da chuva”

Costeira de Terras Baixas (Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas) Ombrófilo – Significa “amigo da chuva”
Mata Atlântica Montana (Floresta Ombrófila Densa Montana) Nas faixas que variam entre 800 e 1500

Mata Atlântica Montana

(Floresta Ombrófila Densa Montana) Nas faixas que variam entre 800 e 1500 m

Mata Atlântica Alto-Montana (Floresta Ombrófila Densa Alto-Montana) Ambientes acima de 1500 m (florestas nuvígenas)

Mata Atlântica Alto-Montana (Floresta Ombrófila Densa Alto-Montana)

Ambientes acima de 1500 m (florestas nuvígenas)

Mata Atlântica Interiorana Montana (Floresta Estacional Semidecidual Montana) Áreas colinosas, entre os 500 e 800

Mata Atlântica Interiorana Montana

(Floresta Estacional Semidecidual Montana)

Áreas colinosas, entre os 500 e 800 m Estações seca e chuvosa bem definidas

Semi-decídua que perde as folhas no inverno

Mata Atlântica de Várzea (Floresta Estacional Semidecidual Aluvial) Compreende às planícies aluviais e as colinas

Mata Atlântica de Várzea (Floresta Estacional Semidecidual Aluvial)

Compreende às planícies aluviais e as colinas (até 800 m)

Mata de Araucária (Floresta Ombrófila Mista) Altitude entre 1200 e 1800 m

Mata de Araucária (Floresta Ombrófila Mista)

Mata de Araucária (Floresta Ombrófila Mista) Altitude entre 1200 e 1800 m

Altitude entre 1200 e 1800 m

Campos de Altitude (Refúgio Ecológico Alto-Montano) Áreas com altitudes superiores a 1200 m, em meio

Campos de Altitude (Refúgio Ecológico Alto-Montano)

Campos de Altitude (Refúgio Ecológico Alto-Montano) Áreas com altitudes superiores a 1200 m, em meio à

Áreas com altitudes superiores a

1200 m, em meio à Floresta Ombrófila Mista, nas Serras da Mantiqueira e da Bocaina

Cerrado (Savana Arbórea Aberta)

Cerrado (Savana Arbórea Aberta) Embora o Vale do Paraíba seja uma região sob domínio da Mata

Embora o Vale do Paraíba seja uma região sob domínio da Mata Atlântica,

há encraves de Cerrado (bioma que caracteriza o Planalto Central do

Brasil) na área da “calha”

Noção geral sobre os

biomas brasileiros para

se compreender a TAMANHA BIODIVERSIDADE do nosso País

Noção geral sobre os biomas brasileiros para se compreender a TAMANHA BIODIVERSIDADE do nosso País

Vegetação brasileira: diversidade natural do

Oiapoque ao Chuí

brasileira: diversidade natural do Oiapoque ao Chuí Quase 12% de toda a vida natural do Planeta

Quase 12% de toda a vida natural do Planeta está concentrada em nosso

País portanto, se diz que o Brasil possui uma preciosa

BIODIVERSIDADE !!!

MATA ATLÂNTICA: Do RN ao RS alargando-se ainda na porção central do Brasil. Compreendem a

MATA ATLÂNTICA: Do RN ao RS alargando-se ainda na porção central do Brasil. Compreendem a imensa diversidade da MATA, lagunas, dunas, planícies, restingas e estuários, bem como as matas interioranas e as de araucária. Clima tropical com muita chuva e nevoeiros.

de araucária. Clima tropical com muita chuva e nevoeiros. CERRADO: É o segundo maior Bioma do

CERRADO: É o segundo maior Bioma do Brasil e caracteriza a região do Planalto Central. De grande potencial hidrológico e relevo ideal para a agricultura mecanizada, o Bioma vem sofrendo grandes ameaças

devido ao agronegócio, principalmente.

relevo ideal para a agricultura mecanizada, o Bioma vem sofrendo grandes ameaças devido ao agronegócio, principalmente.
CAMPOS SULINOS (PAMPAS): Apresentam, em geral, vegetação de gramíneas e poucas árvores. O solo, mais

CAMPOS SULINOS (PAMPAS): Apresentam,

em geral, vegetação de gramíneas e poucas

árvores. O solo, mais pedregoso e pobre, é muito suscetível à erosão e à arenização. Embora a variedade de vegetação seja pequena, possui grande riqueza em espécies

animais.

AMAZÔNIA: É a maior floresta tropical úmida do planeta. Tem 60% de sua área

no Brasil e abriga a maior bacia

hidrográfica do mundo: por lá circula 20% de toda a água doce do mundo.

de sua área no Brasil e abriga a maior bacia hidrográfica do mundo: por lá circula
CAATINGA: Trata-se de um Bioma exclusivamente brasileiro e está presente em 70% da região nordeste.

CAATINGA: Trata-se de um Bioma exclusivamente brasileiro e está presente em 70% da região nordeste. É o semi-árido mais populoso do mundo. Secas estacionais deixam a vegetação sem folhas e impõem

regimes intermitentes a seus rios, o que confere à

paisagem o aspecto de deserto.

a seus rios, o que confere à paisagem o aspecto de deserto. PANTANAL: Cortado por inúmeros

PANTANAL: Cortado por inúmeros corpos d´água, é a maior planície alagada das américas. O regime anual das cheias é o grande responsável pela alta produtividade biológica e diversidade da fauna pantaneira, uma das mais ricas do mundo.

Além de afetar serviços diretamente essenciais à vida como regulação da água, do ar e
Além de afetar serviços diretamente essenciais à vida como regulação da água, do ar e

Além de afetar serviços diretamente essenciais à vida como

regulação da água, do ar e do clima, a PERDA DE

BIODIVERSIDADE prejudica a qualidade da vida humana!

à vida como regulação da água, do ar e do clima, a PERDA DE BIODIVERSIDADE prejudica
à vida como regulação da água, do ar e do clima, a PERDA DE BIODIVERSIDADE prejudica

ORIGEM DO MATERIAL:

Este material foi criado por Federica Giovanna Fochesato para a realização da FORMAÇÃO “MAQUETE AMBIENTAL DO VALE DO PARAÍBA” para professores da Rede Municipal de Ensino (SJCampos), em agosto de

2010.

Autoria das imagens:

Maior parte Federica G.Fochesato

Arquivos ONG Vale Verde

Luis Felipe Affonso Pini Arquivos de domínio público na internet

PEDE-SE O BOM SENSO DE CITAR A FONTE DE ORIGEM EM CASO DE UTILIZAÇÃO