Vous êtes sur la page 1sur 2

1

CLÁSSICOS DA LITERATURA – 12º ANO 2010-2011

PORQUÊ LER OS CLÁSSICOS?

Os clássicos são os livros acerca dos quais, em geral, se ouve dizer:


"Estou a reler" e nunca: "Estou a ler".
O prefixo antes do verbo ler pode ser uma pequena hipocrisia por parte
dos que se envergonham de admitir não ter lido um livro famoso. Mas quem
leu tudo de Heródoto e de Tucídides? E de Saint-Simon? E do cardeal de Retz?
A juventude comunica ao acto de ler, como a qualquer outra experiência,
um sabor e uma importância particulares; ao passo que na maturidade se
apreciam muitos detalhes, níveis e significados. De facto, as leituras da
juventude podem ser pouco profícuas pela impaciência, pela distracção e
inexperiência da vida. Podem ser, ao mesmo tempo, formativas, no sentido em
que dão uma forma às experiências futuras, fornecendo modelos, termos de
comparação, esquemas de classificação, escalas de valores, paradigmas de
beleza: tudo coisas que continuam a ser válidas, mesmo que pouco ou nada nos
recordemos do livro lido na juventude:
Os clássicos são livros que exercem uma influência particular quando
se impõem como inesquecíveis e também quando se ocultam nas dobras da
memória, mimetizando-se como inconsciente colectivo ou individual.
Por isso, deveria existir um tempo na vida adulta dedicado a revisitar as
leituras mais importantes da juventude. Se os livros permanecerem os mesmos
(mas também eles mudam, à luz de uma perspectiva histórica diferente), nós
com certeza mudamos, e o encontro é um acontecimento totalmente novo.
Portanto, usar o verbo ler ou o verbo reler não tem muita importância.
De facto, poderíamos dizer:

• Toda a releitura de um clássico é uma leitura de descoberta, como a


primeira.
• Toda a primeira leitura de um clássico é na realidade uma releitura.
• Um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha
para dizer.
• Os clássicos são os livros que chegam até nós trazendo consigo as
marcas das leituras que precederam a nossa, e atrás de si os traços que
deixaram na cultura ou nas culturas que atravessaram (ou mais
simplesmente na linguagem ou nos costumes).

Isto vale tanto para os clássicos antigos como para os modernos. Se leio a
Odisseia, leio o texto de Homero, mas não posso esquecer tudo aquilo que as
aventuras de Ulisses passaram a significar durante séculos, e não posso deixar
de me perguntar se tais significados estavam implícitos no texto ou se são
incrustações, deformações, dilatações.
O clássico nem sempre nos ensina algo que não sabíamos; às vezes,
descobrimos nele algo que sempre soubéramos, mas desconhecíamos que ele o
dissera primeiro. E mesmo esta é uma surpresa que dá muita satisfação, como
sempre dá a descoberta de uma origem, de uma relação, de uma pertinência:
Os clássicos são livros que pensamos conhecer por ouvir dizer, mas
quando são lidos revelam-se novos, inesperados, inéditos.
2
CLÁSSICOS DA LITERATURA – 12º ANO 2010-2011

Naturalmente isto ocorre quando um clássico "funciona" como tal, isto é,


estabelece uma relação pessoal com quem o lê. Se a centelha não se dá, nada
feito: os clássicos não são lidos por dever ou por respeito, mas por amor.
Excepto na escola: a escola deve fazer com que conheçamos, bem ou mal, um
certo número de clássicos, entre os quais (ou em relação aos quais) poderemos
depois reconhecer os "nossos" clássicos. A escola deve dar-nos instrumentos
para efectuar uma opção.
Mas um clássico pode estabelecer uma relação igualmente forte de
oposição, de antítese. Tudo aquilo que Jean-Jacques Rousseau pensa e faz me
agrada, mas tudo me inspira irresistível desejo de o contradizer, de o criticar, de
brigar com ele. Contudo, não posso deixar de o incluir entre os meus autores.
Direi portanto:
O "meu" clássico é aquele que não pode ser-me indiferente e que serve
para me definir a mim próprio em relação e talvez em contraste com ele.
Neste ponto, não posso mais adiar o problema de como relacionar a
leitura dos clássicos com todas as outras leituras que não sejam clássicas.
Problema que se articula com perguntas como: "Para quê ler os clássicos em vez
de nos concentrarmos em leituras que nos façam entender mais a fundo o nosso
tempo?"; e "Onde encontrar tempo para ler clássicos, esmagados que somos
pela avalanche de papel impresso da actualidade?".
É claro que se pode formular a hipótese de uma pessoa feliz que dedique
o "tempo-leitura" dos seus dias exclusivamente a ler Lucrécio, Luciano,
Montaigne, Erasmo, Quevedo, Marlowe, O Discours de la méthode, Wilhelm
Meister, Coleridge, Ruskin, Proust e Valéry, com algumas divagações para
Murasaki ou para as sagas islandesas. Essa pessoa, para manter a sua dieta sem
nenhuma contaminação, deveria abster-se de ler os jornais, não se deixar tentar
nunca pelo último romance nem pela última pesquisa sociológica. Contudo, o
dia de hoje pode ser banal, mas é sempre o ponto em que nos situamos para
olhar para a frente ou para trás. Para poder ler os clássicos, temos de definir "a
partir de onde" estamos a lê-los, caso contrário, tanto o livro como o leitor
perdem-se numa nuvem atemporal. Acrescentemos então:
É clássico aquilo que tende a relegar as actualidades para a posição de
barulho de fundo, mas que ao mesmo tempo não pode prescindir desse
barulho de fundo.
Agora deveria reescrever todo este artigo, deixando bem claro que os
clássicos servem para entender quem somos e aonde chegamos e por isso os
clássicos nacionais são indispensáveis para serem confrontados com os
estrangeiros, e os estrangeiros são indispensáveis para serem confrontados com
os nossos.
Depois deveria reescrever de novo o artigo para que não se pense que os
clássicos devem ser lidos porque "servem" para qualquer coisa. A única razão
que se pode apresentar é que ler os clássicos é melhor do que não ler os
clássicos.

Italo Calvino (Itália, 1923-1985), texto adaptado e com supressões

Centres d'intérêt liés