Vous êtes sur la page 1sur 8

ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia

Projectos de Instalações Eléctricas 1


2006-2007 – 1.ºS

Dimensionamento dos Condutores e Cabos


Eléctricos

1. Escolha da Tensão

Define a tensão para a qual a camada isolante dos cabos


deve ser dimensionada, em função das características da
instalação considerada.

1.1. Instalações de Baixa Tensão


As tensões nominais dos cabos, mais usadas, são: 250 ou 300V
(valores reservados a certas gamas de cabos flexíveis), 500V,
750V, 1000V.

9 Os condutores e cabos de tensão nominal 1000V podem ser


usados em todas as instalações eléctricas de baixa tensão;
9 Os condutores e cabos de tensão nominal 500 ou 750V só
podem ser utilizados em instalações em que a tensão
nominal é, no máximo, igual a 500 ou 750V,
respectivamente;
9 Os cabos flexíveis de tensão nominal 250 ou 300V só
podem ser utilizados nas partes da instalação cuja tensão
nominal não ultrapassem estes valores, seja ela contínua ou
alternada;
9 Se numa instalação de neutro isolado, ou impedante, os
cabos devem ser isolados para a tensão entre fases.

José António Beleza Carvalho 1


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

1.2. Instalações de Média e Alta Tensão


A tensão estipulada, para a qual o cabo é concebido, exprime-se
por um conjunto de três valores em kilovolt, sob a forma de U0/U
(Um), como:
• U0 é a tensão entre um condutor e um potencial de referência (écran
ou terra);
• U é a tensão entre dois condutores de fase;
• Um é a tensão máxima que pode aparecer entre fases da
rede, em condições normais de exploração.

A escolha da tensão estipulada dos cabos é função das


seguintes considerações:

™ Tipo de Cabo Escolhido


A tensão estipulada difere se o campo é de campo radial ou não.
Num cabo de campo radial, U0 é diferente de U. Pelo contrário,
devido à sua constituição, um cabo de cintura apresenta um nível
de isolamento equivalente entre duas fases e entre uma fase e o
écran, resultando que U0 e U têm valores idênticos.

™ Tensão Nominal da Instalação


A tensão estipulada dos cabos deve ser maior ou igual à tensão
nominal da instalação para a qual o cabo se destina.

José António Beleza Carvalho 2


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

™ Condições de Eliminação dos Defeitos à Terra


A tensão estipulada escolhida, deve satisfazer a distribuição de
tensões na rede em caso de funcionamento anormal. A tensão à
qual o isolante é submetido durante um defeito entre uma fase e
a terra (defeito homopolar), depende do regime de neutro da
instalação.

™ Sobretensões
A escolha da tensão estipulada também deve ter em conta as
sobretensões susceptíveis de afectar a instalação, cuja origem
pode ser devida a fenómenos atmosféricos, defeitos de
isolamento, manobras da aparelhagem, etc. Assim, a tensão
estipulada é determinada em função do valor e forma da sobretensão, da
sua duração, probabilidade de ocorrência, dos dispositivos de protecção e
da segurança desejada, etc.

2. Escolha da Secção da Alma Condutora


O cálculo da secção da alma condutora dos condutores e cabos
isolados, é fundamental no dimensionamento de uma
canalização eléctrica. Trata-se de estabelecer o melhor
compromisso possível das seguintes considerações:

José António Beleza Carvalho 3


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

• De ordem técnica. Imperativos de funcionamento da


canalização, no plano eléctrico, térmico e, por vezes
mecânico;
• De ordem económica. Minimização do custo global da
canalização, tendo em conta o custo da instalação e os
encargos de exploração;
• Condições da instalação. Espaço disponível, ao longo do
percurso e nas extremidades, limitações eventuais devido
ao peso do cabo, comprimentos, etc;
• Tempo de execução da canalização. Disponibilidade do
cabo em stock ou tempo de fabricação do mesmo.

José António Beleza Carvalho 4


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

Coeficientes de Correcção para o Cálculo da Secção


Aquecimento em Regime Permanente

A intensidade máxima admissível, em regime permanente, de


uma canalização, é o valor da intensidade que provoca, no
estado de equilíbrio térmico, o aquecimento dos condutores até
ao valor máximo permitido.
Condições tomadas como referência pelos fabricantes:
• canalização única, sem aquecimento mútuo com outras
canalizações colocadas nas proximidades;
• canalização alimentada em permanência;
• canalização colocada no solo a uma profundidade de 0,80m,
a temperatura e resistividade térmica consideradas para o
solo, ou seja, 20ºC e 1 K.m/W, respectivamente;
• canalização colocada em tabuleiros ao ar livre, ao abrigo de
radiações solares, com temperatura ambiente de 30ºC.

1. Cabos colocados no Solo


Os coeficientes de correcção traduzem uma temperatura ou uma
resistividade térmica do solo diferentes das de referência, assim
como a proximidade térmica com outras canalizações

A. Temperatura do Solo
Desde que a temperatura do solo tenha um valor diferente de
20ºC deve-se efectuar a seguinte correcção:

θ P − θ0
k=
θ P − 20
José António Beleza Carvalho 5
ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

B. Profundidade de Colocação
É desprezável para valores compreendidos entre 70 a 120cm.
Para cabos enterrados mais perto da superfície, deve-se
considerar uma temperatura superior a 20ºC, e como tal deve-se
fazer uma correcção da intensidade a transmitir pela expressão
anterior.

C. Resistividade Térmica do Solo


Depende do tipo de solo (terreno húmido, areia, calcário, terreno
muito seco, cinzas ou escória, etç), e das dimensões do cabo. O
factor de correcção deve ser obtido por tabela se diferente do
valor de referência, ou seja, 1 K.m/W ou 100ºC.cm/W.

D. Proximidade Térmica com outras Canalizações


Depende:
o do número de cabos colocados em paralelo, tipos, secções,
dimensões e intensidades transmitidas;
o da disposição relativa das canalizações nos locais em que
mais se aproximam;
o das características térmicas do solo;
o intervalo das canalizações entre si.
O factor de correcção deve ser obtido em tabelas apropriadas.

José António Beleza Carvalho 6


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

2. Cabos colocados ao Ar Livre


Os coeficientes de correcção traduzem uma temperatura
ambiente diferente de 30ºC, exposição à radiação solar,
proximidade térmica entre canalizações, ou o confinamento do ar
na vizinhança dos cabos.

A. Temperatura do Ar Ambiente

θ P − θ0
k=
θ P − 30
B. Exposição à Radiação Solar
Depende da intensidade de radiação solar, da carga do cabo, da
sua superfície de exposição, eventual reflexão, etc. Normalmente
k=0,85.

C. Proximidade Térmica com outras Canalizações


Considera-se o aquecimento mútuo desprezável, se o intervalo
entre canalizações adjacentes for superior a duas vezes o
diâmetro exterior do cabo. Depende do modo de colocação:
o Canalizações colocadas à superfície do solo ou em
tabuleiros (juntivas ou não);
o Tabuleiros sobrepostos;

José António Beleza Carvalho 7


ISEP - Licenciatura em Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia
Projectos de Instalações Eléctricas 1
2006-2007 – 1.ºS

o Canalizações fixas nas paredes (juntivas ou não).

D. Confinamento do Ar na Vizinhança do Cabo


Caso das canalizações colocadas em galerias técnicas de
pequenas dimensões, não ventiladas, ou em caleiras de betão à
superfície do solo e munidas de uma cobertura.
Depende do coeficiente de ocupação do canal, que é igual ao
perímetro do canal pela soma dos diâmetros das canalizações
que estão dentro do canal.

José António Beleza Carvalho 8