Vous êtes sur la page 1sur 7

Colégio Estadual Política Educacional e Organização Profª Jacqueline Campos

Baldomero Barbará do Ensino Fundamental 4º ano do Curso Normal

SISTEMA E SISTEMA ESCOLAR


Sistema significa reunião, grupo, conjunto de elementos inter-
relacionados.
Para Dermeval Saviani, sistema é a unidade de vários elementos
intencionalmente reunidos de modo a formar um conjunto coerente e
operante.
SISTEMA DE EDUCAÇÃO:
É o mais amplo de todos os sistemas existentes no tocante à educação,
pois abarca processos de ensinar e de aprender que têm raízes na família, na
escola, nos partidos políticos, na mídia, nas relações interpessoais, nas
associações dos mais diferentes matizes, etc. Sua abrangência confunde-se
com a própria sociedade, pois engloba todas as agências sociais que educam.
O sistema educacional, portanto vincula-se à educação formal, não formal
e informal.
• Educação formal: É aquela edificada dentro da instituição socialmente
reconhecida como escola. O processo ensino-aprendizagem traduzido por
esse sistema é obrigatoriamente sistematizado, ou seja, vem organizado
dentro de parâmetros específicos encontrados no mundo da escola: currículo,
disciplinas, metodologias, objetivos, avaliação e planejamento; tudo isso
apropriado num corpo de recursos humanos tecnicamente preparados para
alcançar um grau de ensino e de aprendizagem desejável ao sujeito máximo
do processo – o aluno. O corpo normativo de sustentação deste sistema é a
LDBEN.
• Educação não formal: Está vinculado às demais instituições socialmente
reconhecidas como: família, igreja, mídia, partidos políticos e associações dos
mais diferentes matizes. O processo ensino-aprendizagem que se estrutura
nesse modelo sistêmico dispensa o rigor da sistematização das ações
presentes no sistema educacional formal, porém o processo de aprendizagem
se estrutura efetivamente a partir das especificidades de cada uma dessas
instituições.
• Educação informal: O processo de ensinar e aprender neste sistema
dispensa a representação institucional, ela se estrutura basicamente nas
relações interpessoais travadas no cotidiano de cada individuo e se pauta no
senso comum, no conhecimento ou cultura popular, nas interpretações, nas
deduções que o homem faz das coisas e sobre as coisas, dos acontecimentos
do seu mundo diário.
SISTEMA DE ENSINO:
É a expressão de abrangência intermediária. Abrange, além da escola,
outras instituições e pessoas que se dedicam à educação sistemática:
catequistas, professores particulares, instrutores de auto-escola, palestrantes
e conferencistas etc.
SISTEMA ESCOLAR:
É a expressão de abrangência mais limitada, pois compreende uma rede
de escolas e sua estrutura de sustentação.
As escolas e sua estrutura podem ser consideradas um sistema na medida
em que formam um conjunto de elementos interdependentes, como um todo
organizado. “O sistema escolar é um sistema aberto que tem como objetivo
proporcionar educação” (José Augusto Dias).
 Sistema ABERTO: Existe um movimento de entrada e saída de
elementos através das fronteiras.
Na verdade, a educação que o sistema escolar oferece caracteriza-se por
ser intencional e sistemática, diferentemente daquela que o indivíduo
geralmente obtém fora da escola, que quase sempre é informal e
assistemática.
O sistema escolar é um subsistema do sistema social. Geralmente, o
sistema escolar produz dentro de si as condições da sociedade. Portanto, se
no sistema social predominar desigualdade, individualismo, exploração de
uns sobre outros, preconceito, etc. essas condições tendem a se reproduzir
na escola.
Ao professor cabe um papel importante na luta contra essa reprodução e
contra condições sociais injustas.
MODELO DE SISTEMA ESCOLAR:
Em relação ao sistema escolar, a sociedade é um supersistema.
O sistema escolar recebe da sociedade uma multiplicidade de elementos
(inputs) e devolve a ela os produtos de sua atuação (outputs).

SOCIEDADE
SISTEMA ESCOLAR OUTPUT
INPUT (do sistema escolar para a
Elementos não-materiais
(da sociedade para o sociedade)
(objetivos, normas e
sistema escolar) 1. Melhoria do nível
conteúdo)
1. Objetivos Entidades mantenedoras cultural da população
2. Conteúdo cultural Administração do sistema 2. Aperfeiçoamento dos
3. Professores e outros indivíduos
recursos humanos Rede de Escolas 3. Formação de recursos
4. Recursos financeiros Dimensão vertical humanos
5. Recursos materiais (graus de ensino)
4. Resultados de
6. Alunos Dimensão horizontal
(modalidades de ensino) pesquisas

Supersistema e Subsistema:
Em geral, o sistema está contido dentro de um sistema mais amplo, que
é o seu supersistema : a escola está contida no sistema escolar e o sistema
escolar, na sociedade.
Por outro lado, o sistema é constituído de partes que também são
sistemas de menor magnitude: os subsistemas . Em uma escola, a sala de
aula é um subsistema de produção, porque nela é que se realizam as
atividades técnicas de ensino/aprendizagem.
CONTRIBUIÇÕES DA SOCIEDADE PARA O SISTEMA ESCOLAR:
1. Objetivos: Todo sistema escolar é montado para cumprir uma função
social. Portanto, cabe à sociedade estabelecer os objetivos a serem
buscados, que são as expressões dos anseios, aspirações, valores e tradições
da própria sociedade. E como a sociedade estabelece objetivos do sistema
escolar? Através das leis de ensino.
2. Conteúdo cultural: A sociedade possui um cabedal de conhecimentos,
adquiridos no transcorrer de sua história, incluindo descobertas científicas e
conquistas tecnológicas que transformam continuamente o mundo. Por um
lado, é dessa massa de conhecimentos que a escola retira o conteúdo de
seus currículos e programas. Por outro, pesquisas feitas no interior do
sistema escolar contribuem para desenvolver esses conhecimentos.
3. Recursos humanos: O funcionamento do sistema escolar depende de
pessoas com diferentes graus e tipos de qualificação: administradores
escolares, técnicos, professores, pessoal auxiliar, etc.). É da sociedade que o
sistema escolar retira estes recursos humanos, que devem atender às
exigências estabelecidas pelo subsistema (seleção de pessoal).
4. Recursos financeiros: Sem recursos financeiros suficientes e sem o uso
adequado desses recursos, o sistema escolar não pode funcionar. Para que
esse sistema tenha condições de atender sempre mais e de maneira melhor a
uma parcela sempre maior da população, é necessário que sejam destinados
à educação recursos compatíveis com a sua importância fundamental para o
desenvolvimento social. Enquanto a educação brasileira não for considerada
realmente prioritária para a aplicação dos recursos públicos, seus problemas
não serão resolvidos.
5. Recursos materiais: A indústria produz uma multiplicidade de artigos que
são necessários ao sistema escolar – material didático, mobiliário, artigos de
escritório, artigos para manutenção e limpeza, etc. Nos últimos anos vimos
assistindo a um extraordinário avanço da tecnologia do ensino,
especialmente com a utilização dos recursos da informática. A nova Lei de
Diretrizes e Bases da Educação admite o ensino a distância. Esta abertura da
lei, combinada com os novos recursos da informática (inclusive internet)
provocam notáveis transformações nos sistemas escolares.
6. Alunos: Os sistemas escolares existem porque existem alunos. O ingresso
de alunos nos sistemas escolares vem-se dando em proporções cada vez
maiores . Quanto mais numerosa a população em idade escolar, maior
pressão da sociedade para que se ampliem as oportunidades educacionais,
pois a educação é um direito de todos garantido por lei.
CONTRIBUIÇÕES DO SISTEMA ESCOLAR:
1. Melhoria do nível cultural da população: Na medida em que aumenta o número de
egressos das escolas, cresce a média de escolaridade da população, bem
como se modifica seu estilo de vida, com o aparecimento de novos
interesses, valores e novas aspirações. Disso resulta uma potencialidade
mais alta da população em todos os aspectos da vida social.
2. Aperfeiçoamento individual: O sistema escolar deve contribuir para a
realização pessoal. Na escola, o indivíduo pode encontrar condições de
desenvolver-se de forma global, nos aspectos físico (educação física),
emocional (sentimentos e expressões interindividuais), intelectual
(conhecimento vindo das matérias escolares), social (convivência dos
outros), etc. O indivíduo de maior escolaridade adquire a capacidade para
uma vida mais significativa e dinâmica, com uma visão mais ampla do
mundo. Portanto, também do ponto de vista de cada indivíduo, o sistema
escolar tem uma contribuição decisiva, como fonte de capacitação para
uma vida mais plena, para maior realização pessoal.
3. Formação de recursos humanos: No mundo atual, assume caráter de grande
significação a contribuição do sistema escolar para o mercado de trabalho,
através da qualificação de trabalhadores para os vários setores da
economia. O crescimento econômico exige sempre maiores proporções de
pessoas com variados níveis de qualificação. A educação pode ser
considerada como um investimento de alta rentabilidade, individual e
social, justamente porque o crescimento econômico depende da existência
de recursos humanos apropriados e, por outro lado, quanto melhor a
preparação das pessoas, melhores são suas oportunidades de trabalho.
4. Resultado de pesquisas: Uma considerável proporção das atividades de
pesquisas é realizada dentro das universidades, onde professores e alunos
se empenham em investigações nos mais variados campos do
conhecimento. No ensino superior, a pesquisa é considerada como
atividade inerente ao exercício do magistério. Muitas das contribuições
importantes para a sociedade no campo do conhecimento científico
provêm da atuação de professores universitários.
ESTRUTURA DO SISTEMA ESCOLAR:
O sistema escolar compreende uma rede de escolas e uma estrutura de
sustentação.
REDE DE ESCOLAS : É um subsistema que compreende o conjunto de
escolas de um sistema escolar. A rede escolar constitui a estrutura didática
do sistema escolar e apresenta duas dimensões:
a) Dimensão vertical: Compreende os diversos níveis de ensino (infantil,
fundamental, médio e superior). Ao longo desta dimensão, as escolas vão-se
diversificando para acompanhar o crescimento biológico e psicológico dos
alunos. Observe: Quando criança, o aluno freqüenta a educação infantil. Aos
6 anos, tem direito ao ingresso no Ensino Fundamental e inicia sua
escolaridade obrigatória e, conforme for crescendo, vai garantindo acesso a
níveis de maior complexidade quanto ao conteúdo da aprendizagem.
b) Dimensão horizontal: Abrange as várias modalidades de ensino , como, as
diversas habilitações profissionais. Ao longo desta dimensão, as escolas
assumem diferentes modalidades para atender a aspectos psicológicos dos
alunos (interesse, vocação, habilidade) e as necessidades sociais (formação
de técnicos e profissionais para os diferentes setores da economia).
ESTRUTURA DE SUSTENTAÇÃO:
É a estrutura administrativa do sistema escolar. Nela podemos distinguir três
elementos:
a) Elementos não-materiais:
• Normas: disposições legais (Constituição, leis, decretos),
disposições regulamentares (regimentos, portarias,
instruções),
disposições consuetudinárias (ética, costumes, coerção
social).
• Metodologia do ensino
• Conteúdo do ensino: currículos e programas.
b) Entidades mantenedoras: As escolas encontradas no sistema escolar podem
ser mantidas pelas seguintes entidades: Poder Público: federal,
estadual e municipal.
Entidades particulares; leigas,
confessionais.
Entidades mistas: autarquias, etc.
c) Administração: abrange os organismos que dirigem o sistema escolar em seus
diversos níveis.
SISTEMA ESCOLAR BRASILEIRO:
Atualmente o sistema escolar brasileiro é regido pela Lei nº 9.394, de
20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional.
Esta lei, aprovada após oito anos de discussão comandada pelo
Congresso Nacional, revogou as leis nº 4.024, de 20/12/1961 (que foi nossa
primeira lei de diretrizes e bases da educação, nos dispositivos que ainda
vigoravam); nº 5.692, de 11/8/1971 (que estabelecia as diretrizes e bases
para o ensino de 1º e 2º grau); e nº 7.044, de 18/10/1982 (que tornou
opcional a profissionalização no 2º grau, obrigatória pela lei de 1971).
Em seu artigo 1º, após declarar que a educação abrange “os processos
formativos” que se desenvolvem em todas as instâncias da vida social, a lei
afirma destinar-se a disciplinar “a educação escolar, que se desenvolve,
predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias” (§ 1º) que
“a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática
social” (§ 2º).
Uma série de dificuldades debilita a noção de sistema como “conjunto
de elementos que formam um todo organizado”: os defeitos de articulação
entre os vários níveis de ensino, a multiplicidade de entidades mantenedoras
de escolas e, consequentemente, a diversidade de orientação.
Contudo, existem alguns fatores que contribuem para a unificação do
sistema escolar brasileiro a saber:
 O fato óbvio de estarem as escolas localizadas dentro dos limites do
território nacional.
 O fato de o sistema escolar estar a serviço da cultura brasileira, de tal
maneira que escola e cultura se influenciam mutuamente.
 O fato de o ensino ser ministrado na língua nacional.
 O fato de que todas as escolas estão sujeitas a uma legislação comum.
 O fato de existirem disposições legais que determinam, ao menos
formalmente, a articulação entre os níveis e a equivalência entre as
modalidades de ensino.
Passemos a estudar quatro pontos importantes sobre o sistema escolar
brasileiro: níveis de ensino, modalidade de ensino, funcionamento do
sistema e direitos e deveres.
NÍVEIS DE ENSINO:

De acordo com a lei (art. 21) a educação escolar compõe-se da educação


básica (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio) e da educação
superior:
Educação infantil. Primeira etapa da Educação Básica, tem como finalidade o
desenvolvimento integral da criança em seus aspectos físicos, psicológico e
social, complementando a ação da família e da comunidade. Para crianças
até cinco anos de idade. Será oferecida em creches, ou entidades
equivalentes (até três anos de idade), e em pré-escolas (de quatro a cinco
anos), conforme o art. 30.
 Competência para legislar: Quando a instituição de Ensino pertencer à
rede particular e oferecer somente a Educação Infantil, deverá seguir as
determinações do Conselho Municipal de Educação. Quando oferecer a
Educação Infantil e outra etapa da Educação Básica, poderá seguir
determinações de um ou mais órgãos.
 Obrigatoriedade de cumprimento de 200 dias e 800 horas letivas: Não há
esta exigência e nem controle de freqüência. Os critérios deverão ser
estabelecidos pela Instituição de Ensino em seu Regimento Escolar e na
sua Proposta Pedagógica, em conformidade com a sua filosofia.
 Base legal: Lei nº 9.394 – arts. 29 a 31, Parecer CNE/CEB nº 4/2000
(institui as diretrizes operacionais para a Educação Infantil), Parecer
CNE/CEB nº 22/1998 (diretrizes curriculares nacionais da Educação
Infantil), Resolução CNE/CEB nº 05, de 17/12/2009 (fixa as Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação Infantil) etc...
Ensino fundamental. Tem a duração de nove anos letivos e é obrigatório e
gratuito na escola pública (art.32). Deve ter um mínimo de 800 horas anuais
em 200 dias de efetivo trabalho escolar (art. 24 e 32).
 Objetivo maior: a formação básica do cidadão.
 Competência para autorizar e supervisionar: Sistema Estadual de Ensino.
 Base legal: Lei nº 9.394 – arts. 32 a 34, Lei nº 5.488, de 22/06/09 (dispõe
que terá direito à matrícula no 1º ano do Ensino Fundamental de nove
anos, a criança que completar 6 anos até o dia 31 de dezembro do ano em
curso), Parecer CNE/CEB nº 04/1998 (fixa as Diretrizes Curriculares
Nacionais para o Ensino Fundamental), Parecer CNE/CEB nº 18/1998
(Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN’s), Resolução CNE/CEB nº
03/2005 (define normas nacionais para a ampliação do ensino fundamental
para nove anos), etc...
Ensino Médio. Etapa final da educação básica, deve ter a duração mínima de
três anos (art. 35), em no mínimo 800 horas e 200 dias anuais de efetivo
trabalho escolar (art. 24).
 Objetivo maior: a consolidação e aprofundamento dos objetivos adquiridos
no ensino fundamental.
 Competência para autorizar e supervisionar: Sistema Estadual de Ensino.
 Embora atualmente a matrícula neste nível de ensino não seja obrigatória,
a Constituição Federal de 1988 determina a progressiva extensão da
obrigatoriedade e gratuidade da sua oferta.
 Base legal: Lei nº 9.394 – arts. 35 e 36, Resolução CNE/CEB nº 03/1998
(institui as Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio), Deliberação CEE/RJ
nº 312/2008 (inclusão de Filosofia e Sociologia nas matrizes curriculares,
em todas as séries do Ensino Médio), etc...
Educação Superior. A educação superior tem como algumas de suas
finalidades: o estímulo à criação cultural e o desenvolvimento do espírito
científico e do pensamento reflexivo; incentivar o trabalho de pesquisa e
investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia
e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o
entendimento do homem e do meio em que vive.
O acesso à educação superior ocorre a partir dos 18 anos, e o número de
anos de estudo varia de acordo com os cursos e sua complexidade.
Conforme o artigo 44, abrangerá os seguintes cursos e programas:
I – cursos seqüenciais por campo de saber, de diferentes níveis de
abrangência, a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos pelas
instituições de ensino;
II – de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio
ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo;
III – de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado,
cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos
diplomados em cursos de graduação e que atendam às exigências das
instituições de ensino;
IV – de extensão, abertos a candidatos que atendam aos requisitos
estabelecidos em cada caso pelas instituições de ensino.
 Base legal: Lei nº 9.394 – arts. 43 e 57, Lei n.º 62/2007 (Aprova o Regime
Jurídico das Instituições de Ensino Superior), Lei n.º 38/2007 (Avaliação do
Ensino Superior), etc...
MODALIDADES DE ENSINO:
No que se refere às modalidades de ensino que permeiam os níveis
anteriormente citados, tem-se:
• Educação especial : oferecida, preferencialmente, na rede regular de ensino,
para educandos portadores de necessidades especiais.
• Educação de jovens e adultos : destinada àqueles que não tiveram acesso
ou continuidade de estudos no ensino fundamental e médio na idade
própria.
• Educação profissional : que, integrada às diferentes formas de educação, ao
trabalho, à ciência e à tecnologia, conduz ao permanente desenvolvimento
de aptidões para a vida produtiva. É destinada ao aluno matriculado ou
egresso do ensino fundamental, médio e superior, bem como ao
trabalhador em geral, jovem ou adulto (art. 39).
• Educação à Distância : Processo ensino-aprendizagem onde professores e
alunos não estão normalmente juntos, fisicamente, mas podem estar
conectados, interligados por tecnologias, principalmente as telemáticas,
como a internet. Mas também podem ser utilizados o correio, o rádio, a
televisão, o vídeo, o CD-ROM, o telefone, o fax, etc.

Portanto, a EDUCAÇÂO SISTEMÁTICA pode ser ministrada por:


 EDUCAÇÃO PRESENCIAL = é comum nos cursos regulares, em qualquer
nível, onde professores e alunos se encontram sempre num local físico, a
sala de aula. É o ensino convencional.
 EDUCAÇÃO SEMI-PRESENCIAL = parte presencial, parte virtual ou à
distância. Comum nos cursos que trabalham por módulos.
 EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA = explicado acima.

Atenção à diversidade étnica e lingüística


A Secretaria de Educação Fundamental do Ministério da Educação
possui uma Coordenação Geral de Apoio às Escolas Indígenas (CGAEI) cujo
objetivo é de reforçar e valorizar a construção de uma política pública
educacional para as escolas indígenas, de acordo com as reivindicações dos
diversos povos indígenas e dos princípios estabelecidos pela Constituição de
1988.
Essa Coordenação desenvolve programas e ações de apoio a projetos
que contemplem a educação intercultural, tais como a formação inicial e
continuada dos professores indígenas, a produção de material didático e a
divulgação da temática indígena para as escolas.

“Além dos níveis e modalidades de ensino apresentados, no Brasil,


devido à existência de comunidades indígenas em algumas regiões, há a
oferta de educação escolar bilíngüe e intercultural aos povos indígenas. Esta
tem por objetivos:
«i – proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a recuperação de
suas memórias históricas; a reafirmação de suas identidades étnicas; a
valorização de suas línguas e ciências;
ii – garantir aos índios, suas comunidades e povos, o acesso às informações,
conhecimentos técnicos e científicos da sociedade nacional e demais
sociedades indígenas e não-índias» (art. 78)”.

TAREFA : Adquirir o Lei nº 9.394/96


http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm