Vous êtes sur la page 1sur 8

FLUXOGRAMA DE FABRICAÇÃO DE CELULOSE E PAPEL

Tambor descascador

Lavagem
Lavagem

Depósito de madeiras

Picadores

Silo de cavacos

Digestor

Licor branco (NaOH/Na 2 CO 3 )

de cavacos Digestor Licor branco (NaOH/Na 2 CO 3 ) Licor negro Tanque de descarga Peneira
de cavacos Digestor Licor branco (NaOH/Na 2 CO 3 ) Licor negro Tanque de descarga Peneira

Licor negro

Tanque de descarga

Peneira de nós

Filtro à vácuo

Alvejamento
Alvejamento

Alvejamento

Alvejamento
de descarga Peneira de nós Filtro à vácuo Alvejamento Máquina de celulose Celulose enfardado Máquina de

Máquina de

celulose

Celulose

enfardado

Máquina de

papel

Papel

Bobinado

ENSAIO EM PAPEL

Normas :

ABNT - MB-103R 1945 (métodos) ABCP - P-1/69 e P-4/70 (amostragem)

Ensaios Mecânicos

Ensaios Químicos

Ensaios sobre o Aspecto

Normas Técnicas :

ABCP e ABNT - BRASIL APPITA - AUSTRÁLIA CPPA - CANADÁ CPBMA - INGLATERRA AFNOR - FRANÇA

1. Gramatura

2. Resistência à tração e alongamento

3. Resistência ao rasgo

4. Resistência ao estouro

5. Porosidade

6. Absorção de água

7. Espessura

8. Rigidez

9. Duplas pregas

1. Umidade

2. Cinza

3. Acidez

4. Exame microscópico

5. Identificação das fibras

1. Opacidade

2. Alvura

3. Teor de sujeira

4. Maciez

HCNN - HOLANDA DIN - ALEMANHA SSR - RÚSSIA TAPPI - USA ASTM - USA

ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS :

ABCP P-4/77

Objetivo : determinar as condições de temperatura e umidade

relativa

do

ar,

assim

como

a

forma

de

condicionamento do papel antes ensaios.

e

durante os

Amostra condicionadas : quando alcançam o equilíbrio em ambiente de temperatura e umidade

T = 20 o C + 2 o C

U - 65 + 2%

relativa

(psicômetro).

determinadas

Ambiente de trabalho ( 4 horas)

Equilíbrio : pesar as amostras de 1 em 1 hora até que duas pesagens sucessivas não difiram de mais de 0,25% do peso total.

PROPRIEDADES SUPERFICIAIS

1

- Identificação do lado da tela :

ABCP P-13/68

- lado da tela : é o lado do papel que ficou em contato com a tela da máquina de papel.

- lado do feltro : é o lado oposto da tela

O

lado da tela é mais regular que o do feltro.

2

- Identificação do sentido de fabricação:

ABCP P-12/72

- direção longitudinal : é a direção paralela ao sentido do movimento da tela na máquina formadora de papel.

- direção transversal

:

é

a

direção

do

papel

perpendicular ao sentido do movimento da tela.

Ex : flutuar um corpo de prova quadrado, com 50 mm de lado. O papel curvará : o eixo de encurvamento é paralelo à direção de fabricação do papel.

RELATÓRIO

a) tipo e demais características do papel; b) quantidade (peso ou área), forma (dimensões) e condições do lote;

c)

data e local de onde foi retirada a amostra;

d) número de unidades que constituem o lote;

e) número de amostras;

f) método empregado para a amostragem;

g) nome e endereço do cliente e fornecedor;

h) nome da pessoa responsável pela amostragem;

i) normas empregadas;

j) conclusões do relatório;

k) local e data dos ensaios realizados.

AMOSTRAGEM :

Definições :

ABCP P-1/69 e 1/77

LOTE :

compreende unidades de um mesmo papel, no mesmo formato : bobinas, resmas, etc.

UNIDADE :

é cada uma das bobinas, estrados, fardos, pacotes, caixas ou resmas que formam o lote.

AMOSTRAS :

conjunto de folhas representativas que se tomam de um lote.

CORPO DE PROVA :

pedaço de papel de dimensões padronizadas para o ensaio a que se destina.

AMOSTRAGEM AO ACASO : é o sistema de amostragem pelo qual, cada unidade que integra um conjunto, tem igual probabilidade de ser extraída (até a metade da largura do papel, ora de um lado, ora do outro).

n o de amostras Todas

5

N/20

20

n o de lotes

1

-

5

6 - 99 100 - 399 400 ou mais

Modo de tomar - Ao acaso Ao acaso Ao acaso

N - é o maior múltiplo de 20 contido no número de unidades que formam o lote.

LOTE

N - é o maior múltiplo de 20 contido no número de unidades que formam o
N - é o maior múltiplo de 20 contido no número de unidades que formam o

UNIDADES

AMOSTRASAo acaso N - é o maior múltiplo de 20 contido no número de unidades que

CORPOS DE PROVAAo acaso Ao acaso N - é o maior múltiplo de 20 contido no número de

ENSAIOS MECÂNICOS

1. GRAMATURA : g/m 2

ABCP P-6/70

2. RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E ALONGAMENTO :

Dinamômetro (Kgf) Comprimento de auto ruptura = CR = R x 1.000.000

ABCP P-7/70

G x L

Onde : R = carga de ruptura (Kgf)

G

= gramatura (g/m 2 )

L

= largura da tira (mm)

1.000.000 = distância entre as garras em mm(d) e o peso da parte da tira compreendida entre as garras em gramas.

(Pt) = d = 1.000.000

Pt Amostras : 10 cp ; e = 15mm + 0,1 mm; L = 250 mm

2.1. ALONGAMENTO À TRAÇÃO :

(% do comprimento inicial)

% alongamento = L - 18

18

x 100

L

18 = distância entre as garras (cm)

= comprimento do cp na ruptura

3. RESISTÊNCIA AO RASGO :

ABCP P-37/77

ABCP P-9/69

ELMENDORF Amostras : 10 cp; 76 + 2 mm e 63 + 0,15 mm

E =

16 X L

FR = E

X 100

N

G

Onde :

n = número de folhas ensaiadas de cada vez;

L = média das leituras

E = resistência ao rasgo (gf) FR = fator de rasgo

G = gramatura

4. RESISTÊNCIA AO ESTOURO :

ABCP P-8/71

MULLER TEST (Kgf/cm 2 ) Amostras : 10 cp; 65 x 65 mm

onde :

M = L

; ER = M x 100

G M = resistência ao estouro (Kgf/cm 2 )

n

n

= número de provas

L

= soma das leituras

ER = estouro relativo

G = gramatura (g/m 2 )

5.

POROSIDADE :

ABCP P-8/71

GURLEY ( segundos) - 100 ml de ar Amostras : 10 cp ; 7 x 7 cm (6,54 cm 2 )

Porosidade (s) Reprodutibilidade (s)

40

5

100

6

200

8

300

10

6. ABSORÇÃO DE ÁGUA :

ABCP P-14/71

COBB (g/m 2 ) - teste em 120 segundos Amostras : 10 cp ; 125 x 125 mm

Onde :

A = (P 1 - P) x 100 P = peso inicial da amostra P 1 = peso final da amostra A = absorção de água ( g/m 2 )

7. ESPESSURA :

ABCP P-5/77

MICRÔMETRO (mm) : dois discos planos e paralelos entre os quais se colocam os cp - o disco inferior é fixo e sua área cobre totalmente a face do disco superior, o qual é móvel na direção perpendicular ao outro.

Amostras :

Papel - 10 cp 20 x 25 cm

Papelão - 10 cp 20 x 25 cm ( 2 folhas)

( 5 folhas)

PESO ESPECÍFICO :

Pe (g/cm 3 ) = G

1000xE

;

ABCP P-5/77 Da (g/cm 3 ) = G x 10 -4 ; Ve = 1

E

Pe

8. RIGIDEZ :

ABCP P-33/75

CLARK SOFTNESS TEST (flexão do papel) Amostras : 5 cp ; 38,1 + 0,3 mm ; 70 + 1 mm

9. RESISTÊNCIA AO PREGUEADO :

ABCP P-40/79

Amostras : 10 cp;

SCHOPPER ( n o de duplas pregas) 15 + 0,1 mm ; 100 mm

1. UMIDADE:

ENSAIOS QUÍMICOS

estufa – 105 o C + 3 o C

U

=

P - Pas

P

(%)

x

100

Onde:

U

= umidade (% peso original)

P =

Pas

=

peso inicial (g) peso absolutamente seca (g)

Amostras :

umidade de refletância - 2g Umidade média de um lote

- bobinas (10 e 50g das folhas)

folhas

(4 ao acaso)

ABCP P-3/70

2. CINZAS:

mufla

- 550 + 25 o C a 925 o C

C

=

Pc

P

x 100

(%)

Onde :

C = cinzas (% peso original)

Pc

=

peso das cinzas

P

= peso absolutamente seco (g)

Amostras: 2 c.p.

+

10 mg de cinzas

Teor de cinzas (%)

Diferença máxima permissível (%)

5

0,10

5 - 10

0,20

+ 10

0,30

3. ACIDEZ :

a) extração a quente:

ABCP P-23/70

- c.p. 0,5 x 1,0cm de lado e pesar 1,00 + 0,01g

- aquecer a 98 a 100 o C por 1 h

- lê o pH

b) solução indicadora:

ABCP P-28/72

- c.p. 20 x 20cm

- adicionar 1 gota de solução indicadora universal(pH4-

10);

- comparar a coloração com escala de cor e lê o pH

ENSAIO SOBRE O ASPECTO EM PAPEL

1. OPACIDADE :

Opacímetro (mede a refletância do c.p.)

ABCP P-18/73

- transparência

- Co 89

Rb Onde: Co 89 = relação de contraste Rp = leitura da refletância com fundo preto Rb = leitura da refletância com fundo branco

=

100

x

Rp

2.

ALVURA :

ABCP P-16/73

Refletômetro (substância padrão de MgO)

- % até a 1 a casa decimal, da alvura do MgO considerada igual a 100.

3. TEOR DE SUJEIRA:

- tabela padrão de sujeira

- arranjo de luz

4. MACIEZ:

ABCP P-26/72

ABCP P-29/72

- aparelho de GURLEY

- tempo médio (s) para passar 50 mL de ar