Vous êtes sur la page 1sur 23

PSICOLOGIA DA SEXUALIDADE

2011

O presente trabalho, tem como objectivo fazer uma breve


exposição sobre a Psicologia da Sexualidade. Desde os seus
primórdios até á actualidade, quais os autores que mais
contribuíram para o seu desenvolvimento, desde Freud até David
Buss. Dentro das várias áreas da ciência e qual a função actual
da Psicologia da Sexualidade. Aborda também o seu lado
pluridimensional e quem poderá usufruir deste ―braço‖ da
Psicologia.
Richard Freiherr Ebing
Krafft-Ebing foi professor de psiquiatria em Estrasburgo, escreveu e
publicou vários artigos sobre a psiquiatria, mas seu livro
Psicopatologia do Sexo, tornou-se seu conhecido e melhor trabalho.

Depois de entrevistar muitos homossexuais, tanto como os seus


pacientes particulares e de um perito forense, e lendo algumas obras
em favor dos direitos dos homossexuais (masculinos
homossexualidade tornou-se um crime na Alemanha e no Império
Austro-Húngaro por esse tempo, ao contrário do lesbianismo, a
discriminação, mas contra lésbicas funcionou igualmente).

Krafft-Ebing chegou à conclusão de que ambos os homossexuais masculinos e


femininos não sofrem de doenças mentais ou perversão (como a crença popular
realizada persistente), e tornou-se interessado no estudo deste assunto.

Krafft-Ebing elaborou uma teoria evolucionista, considerando a homossexualidade


como um processo anómalo desenvolvido durante a gestação do embrião e do feto,
evoluindo para uma inversão sexual do cérebro. Alguns anos depois, em 1901, ele se
corrigiu, em um artigo publicado no (Anuário de intermediários sexual), mudando o
termo anomalia da diferenciação. Assim, ele revelou-se, se não como o primeiro, pelo
menos como um dos primeiros profissionais vendo os homossexuais como pessoas
normais, com uma sexualidade diferente.

Henry Havelock Ellis

Henry Havelock Ellis foi psicólogo, e pioneiro na criação de uma


abordagem moderna e científica para o estudo do sexo. Até 1935 seu
trabalho foi legalmente disponível somente para a profissão médica.
Ellis tornou-se conhecido como um defensor dos direitos da mulher
e da educação sexual, mas sua autobiografia Minha Vida (1939)
revela seus problemas conjugais e infelicidade em sua própria vida
sexual.

A preocupação de Ellis com questões sexuais deixe de Estudos em Psicologia do Sexo.


Um sétimo volume foi publicado em 1928. O trabalho explorou as relações sexuais em
grande parte a partir de uma perspectiva biológica e cultural. Especialmente Ellis estava
interessado no comportamento sexual típico dos humanos, abrindo caminho para as
pesquisas de Alfred Kinsey e outros escritores modernos sobre temas sexuais. Ele
contestou a aplicação de Freud adulto termos sexuais a crianças, e tentou desmistificar a
sexualidade humana - a maioria dos seus leitores Ingleses foram suscitadas no clima
assexuada, ignorante e preconceituosa vitoriana. Na masturbação, ele assegurou aos
seus leitores, que não conduz inevitavelmente a uma doença grave. O próprio Ellis
gostava de ver as mulheres a urinar. Uma vez que ele convenceu sua amante Françoise

2
Cyon a fazê-lo em Oxford Circus. "Eu acho que quase todos os povos civilizados são,
de alguma maneira o que seria considerado anormal", disse Bertrand Russel em sua
Autobiografia, depois de ler o trabalho de Ellis.

Em 1894, Ellis publicou Homem e Mulher: Um Estudo dos Direitos Humanos


caracteres sexuais secundários . Na sua autobiografia, ele escreveu: "era um livro a ser
estudado e lido, a fim de limpar o terreno para o estudo do sexo, no sentido central em
que eu estava preocupado principalmente com ele Ele acrescentou que era
"essencialmente realizado para minha própria edificação. No entanto, como o autor de
Havelock Ellis (1980) assinalou: "Até o seu casamento com Edith, Olive Schreiner
parece ter sido a única mulher com quem ele entregou em intimidades sexuais, porém
insatisfatórios podem ter sido. Em outras palavras o homem que escreveu O homem e a
mulher, foi quase totalmente inexperiente, e quando ele se afasta da descrição
fisiológica ele parece incrivelmente ingénuo‖.

Com a tarefa de Higiene Social (1912) Ellis participaram da discussão sobre a eugenia -
ele apoiou fortemente "a ciência e a arte de produzir bom na raça humana:" Finalmente,
parece evidente, um sistema geral, público ou privado, sendo todos os factos pessoais,
biológicos e mentais, normais e mórbidos, são devidamente registados e
sistematicamente, deve tornar-se inevitável se quisermos ter um verdadeiro guia sobre
as pessoas que estão mais aptas, ou mais apto a realizar a corrida. Salvo eles estão
cheios e tais registos são inúteis. Assim, Ellis não condenou os programas de
esterilização nazista, porque eles tinham instalações científicas e a "necessidade de não
se confundirem nos países nórdicos e os aspectos anti-semita de aspiração nazista." (In
Estudos em Psicologia do Sexo, vol. 6, 1937) Ellis Escreveu também em autores como
Casanova, Nietzsche, Henrik Ibsen, Walt Whitman, e Leon Tolstoy. Seus ensaios sobre
escritores franceses foram reunidos sob o título De Rousseau a Proust (1935). Uma
nova edição de A Alma da Espanha (1908), com um ensaio introdutório sobre a Guerra
Civil Espanhola, apareceu em 1937. Sua peça crítica 1884-1932 sobre a literatura e a
arte foram reimpressos em Opiniões e comentários (1932). Ellis escreveu a milhares de
pessoas pedindo-lhes conselhos sobre assuntos sexuais. Na sua correspondência ele
utilizou em meu Confessional (1934), uma colectânea de ensaios.

Em 1897, Havelock Ellis publicou Inversão Sexual , o primeiro de seus seis volumes
Estudos em Psicologia do Sexo . O livro foi primeiro estudo sério da homossexualidade
publicado na Grã-Bretanha. Foi baseado em parte como resultado de sua consciência da
homossexualidade de sua esposa e amigos, como Edward Carpenter. Ellis admitiu em
sua autobiografia: era um aspecto do sexo, que até poucos anos antes tinha me
interessado menos do que qualquer outro, e eu sabia muito pouco sobre ela. "Mas
durante esses poucos anos que tinha se interessado por ela. Homossexualidade parte I
descobriu que alguns dos meus amigos mais altamente estimado eram mais ou menos
homossexuais (como Edward Carpenter, já para não falar de Edith). " De acordo com
uma carta que ele escreveu para Arthur Symonds, Edith Lees Ellis prometeu "oferta casos
de inversão (homossexualidade) em mulheres entre seus próprios amigos."

3
Phyllis Grosskurth argumentou: Inversão era um livro inédito nunca antes a
homossexualidade foi tratada tão sóbria, tão abrangente, tão simpaticamente sexual.
Para lê-lo hoje é ler a voz do bom senso e compaixão, para lê-lo, em seguida, foi, por a
grande maioria, a ser afrontado por um incitamento deliberado de vice-presidente do
degradantes tipo mais.... Que tal propensão sexual não é determinada pela sugestão,
acidente ou condicionamento histórico é evidente, ele argumenta, a partir do fato de que
é generalizada entre os animais e que não há provas abundantes de sua prevalência em
diversas nações em todos os períodos da história. "

Como disse um biógrafo, Jeffrey Weeks , destacou: "o objectivo Ellis foi demonstrar
que a homossexualidade (ou inversão, o seu termo preferido) não era um produto de
peculiares vícios nacionais, ou períodos de decadência social, mas um e recorrente parte
comum da sexualidade humana, um capricho da natureza, uma anomalia congênita.
"Essa idéia era repugnante para a maioria das pessoas, o livro foi atacado pela maioria
dos comentadores. O controle de natalidade-militante, Marie Stopes , descreveu-o como
leitura ", como a respiração de um saco de fuligem, que me fez sentir sufocada e sujo
por três meses."

Havelock Ellis continuou a trabalhar em Estudos em Psicologia do Sexo. Este foi


seguido por amor e dor, o impulso sexual nas mulheres (1903), Seleção Sexual no
Homem (1905), Simbolismo Erótico, o mecanismo de Detumescence (1906) e sexo em
relação à sociedade (1910).

No simbolismo erótico, o Mecanismo de Detumescence Havelock Ellis discutiu seu


"próprio germe da perversão" urológica: "Há ampla evidência para mostrar que, seja
como residência habitual ou, mais habitualmente, um acto ocasional, o impulso de doar
um valor simbólico sobre o ato de urinar em uma pessoa amada, não é extremamente
incomum, constatou-se dos homens de distinção intelectual elevado, que ocorre em
mulheres como os homens, quando existente em apenas um grau leve, deve ser
considerado dentro dos limites normais de variação da emoção sexual. "

Freud
Nasceu a 06 de Maio de 1856 na Checoslováquia, de origem
judaica.

Escreveu "Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, "Os


Chistes e sua relação com o Inconsciente, " "Fragmento da
análise de um caso de Histeria"; (neurose). Teve alguns
seguidores como Alfred Adler, Carl Jung, que depois
separaram-se de Freud e criaram suas próprias escolas,
discordando da ênfase que Freud dava à origem sexual da neurose (nervosismo,
irritabilidade, excitação). Durante a Segunda Guerra Mundial Freud foi para a
Inglaterra, mas suas irmãs foram assassinadas em campos de concentração.

4
Freud ainda escreveu "Conferências Introdutórias sobre Psicanálise e há vários volumes
da "Coletânea das Obras de Sigmund Freud, que entre outros temas, abrangia a teoria do
trauma do nascimento.

Freud é considerado o PAI DA PSICANÁLISE, onde o paciente, vai com ou sem


hipnose, lembrando-se de seus traumas, durante a vida e libertando-se de seus
sofrimentos e atitudes de irritabilidade, histeria etc....

Freud preocupa-se em construir uma compreensão - sempre através de uma ética clínica
-sobre a condição humana. Para ele, a humanidade a cultura são patologias, e o homem
se move na busca incessante de realizar seus desejos. Freud constrói uma ponte teórica
entre o homem e a civilização, identificando uma relação casual de sofrimento neurótico
do ser humano e o próprio processo civilizatório. Freud também define a fonte de
religiosidade como sendo um sentimento de eternidade, um sentimento de algo
ilimitado e em fronteiras, e através da psicanálise busca as causas e origens desse
sentimento. Segundo ele, existe uma ilusão sobre aquilo que o se humano tinha durante
durante os séculos de civilização imaginado como de inquestionável certeza, o seu
próprio eu. sentimento religioso liga o homem misticamente ao universo, tal sentimento
é apenas uma reprodução, em menor escala, daquilo que o ser humano foi na sua
origem, um ser ilimitado em suas relações com o mundo, uma vez que quem estabelece
este limite, ou a falta dele, é o Eu.

Feud dá o nome de ―A Fonte Social do Sofrimento‖ para os estudos das relações


sociais, afirma que a civilização só é viável quando uma força com poderes maiores que
o poder individual se faz presente. A realização do princípio do prazer rege a vida dos
homem, mas então a civilização se impõe, e projecta o ser do estado de natureza para o
estado de sociedade, restringindo o propósito da vida (a felicidade). Tais restrições
viabilizam a vida em sociedade, mas trazem sérias implicações à organização psíquica
do ser humano. A civilização está fundada na capacidade de restrição da liberdade,
enquanto no estado de natureza se tinha uma liberdade ilimitada, a qual, porem, tinha
pouco valor, uma vez que o ser humano estava a mercê de encontrar um mais forte à sua
frente. Porém, por conta dessa liberdade perdida, o ser humano estará em permanente
conflito com a civilização.

Com o Totem e o Tabu, surge o mito da família primitiva, definindo como a causa da
formação social primitiva, a ultrapassagem do poder do pai tirano e possuidor de todas
as mulheres, pelos filhos. Após sobrepujar o pai, os filhos descobrem que uma
combinação de forças pode ser mais forte que o individuo isolado. Em um segundo
momento, os filhos percebem que cada um deles queria se tornar o pai, e então
estabelecem as primeiras regras que fundam a civilização primitiva, tornando o tabu do
incesto como a primeira lei estabelecida entre os homens, demarcando a passagem para
a vida em civilização.

A uma relação entre a tendência que a civilização tem em restringir a


sexualidade humana com a tendência de construir, cada vez mais,

5
uma ampla unidade cultural. Freud também considera a agressividade parte fundamental
e inalienável da natureza humana, a religião e a ética são resultados de esforços de
coação sobre a agressividade. E uma vez que o mundo externo reprime a possibilidade
de descarregar a agressividade esta volta-se para dentro do indivíduo na forma de auto-
destruição. Surge também o sentimento de culpa como uma necessidade de punição,
quando por alguma adversidade externa o homem passa a sofrer, este imediatamente
busca em seu interior causas na sua pecaminosidade para explicar o sofrimento que vem
de fora, elevando exigências da consciência e promovendo sua auto-punição.

Para abordar o enigma do sexual, assim como a questão do preconceito, um pequeno


desvio pela história da cultura ocidental – que não se pretende exaustivo – poderá
ajudar a elucidar alguns fatos. Não se trata de refazer uma história sobre a sexualidade,
mas apenas verificar alguns aspectos de como a sexualidade tem sido tratada ao longo
da história, e as mudanças introduzidas pela ruptura psicanalítica.

O discurso psiquiátrico contemporâneo só aparece na segunda metade do século XIX.


Esse discurso, marcado por uma visão moralista, dá continuidade às posições teológicas
e jurídicas, trazendo para a ordem médica o que, até então, era do jurídico.

Os chamados ―efeitos nocivos da sexualidade‖ – práticas contra a natureza, uma vida


conjugal insuficiente, os perigos da masturbação, da contingência sexual, do coito
interrompido... – eram discutidos em uma perspectiva higienista e repressiva.

Os grandes psicopatólogos da época, dentre eles Havellock-Ellis e Krafft-Ebing, cujo


valor é amplamente reconhecido por Freud, ocuparam-se em classificar e etiquetar as
práticas sexuais que escapavam ao ditames morais. Talvez na tentativa – sempre
frustrada e que tanto incomodava os psicopatólogos de então – de encontrar as
―alterações‖ orgânicas responsáveis pelas ―alterações‖ da pulsão sexual, traçou-se um
minucioso inventário das perversões sexuais. Novas formas de perversões, em que o
outro é usado para obtenção de prazer e a finalidade natural da sexualidade –a
procriação – é subvertida aparecem: voyeurismo, exibicionismo, sadismo, masoquismo
vêm juntar-se à infindável nosografia psiquiátrica da época.

Ao criar a situação psicanalítica ―... a alienação torna-se desalienante porque, no


médico, ela se torna sujeito‖, Freud rompe com a psiquiatria de sua época. Entretanto,
ele vai ainda mais longe ao provocar uma viragem profundamente inovadora. A
publicação, em 1905, dos ―Três ensaios sobre a teoria da sexualidade‖, que na época
constitui apenas mais uma publicação dentre muitas outras, faz de Freud, nos conta
Ernest Jones, uma figura ―quase universalmente impopular‖. Ele recebe insultos e
injúrias; não é mais cumprimentado na rua, sendo taxado de imoral, obsceno.

A grande genialidade de Freud não vem do tipo de material clínico observado que, fora
exaustivamente classificados por seus predecentes, mas da afirmação escandalosa de
que as tendências perversas catalogadas pelos seus colegas como aberrações humanas
assombram o espírito de todos os homens inclusive daqueles que as catalogaram –
estando também presentes nas crianças: ―a criança é um perverso polimorfo‖.

6
Ao introduzir a dimensão do desejo, que submetido às leis da linguagem escapa a
qualquer apreensão directa de sua finalidade, Freud afirma que os desejos que os
perversos põem em cena animam o inconsciente dos homens. Enquanto na neurose as
pulsões agem na clandestinidade, disfarçadas de várias maneiras por meio dos sintomas,
na perversão as pulsões inconscientes aparecem ―a céu aberto‖: ―a neurose é o negativo
da perversão‖. O que vai diferenciar a sexualidade infantil da sexualidade perversa é
que enquanto à primeira falta a centralização das pulsões parciais, esta centralização
está, via de regra, presente na segunda. A tudo isto acrescenta-se um outro escândalo
que mostra à biologia, à moral, à religião e à opinião popular o quanto elas se enganam
no que diz respeito à natureza da sexualidade humana: a
sexualidade humana é, sem si, perversa. (Perversa aqui entendida
não no sentido psicanalítico, mas em seu sentido primeiro: desvio,
depravação. O que caracteriza a perversão para Freud é a presença
de uma organização psíquica baseada na recusa – Verleugnung.)
Ao buscar o prazer, a sexualidade escapa à ordem da natureza e
age a serviço próprio, ―pervertendo‖, assim, seu suposto objectivo
natural: a procriação. Entretanto, subordinar a sexualidade à
função reprodutora é, segundo Freud, um critério demasiadamente limitado. Nesta
perspectiva, a sexualidade é contra a natureza; ou seja, em se tratando de sexualidade,
não existe uma ―natureza humana‖.

Freud estende assim a noção de sexualidade para além da fronteira da genitalidade, e


abre a possibilidade de outras apresentações do sexual que têm um lugar considerável
no psiquismo humano – o sexual dos ideais – tal como o amor pelos ideais, pelos
líderes, pelos mestres.

É esta forma de sexualidade que permite a compreensão dos fenómenos colectivos em


que existe uma verdadeira ligação libidinal entre as massas e o líder; independentemente
da diferença dos sexos e o seu objecto é fictício, irreal, imaginário. O maior exemplo é
fornecido pela situação amorosa, na qual ―... o objecto serve de sucedâneo para algum
inatingível ideal do ego em nós mesmos‖. O vínculo entre os homens é também criado
por esta forma de sexualidade; dela Lacan forja seu conceito de gozo, em que o ideal
responde ao gozo do outro que, inicialmente, inscreve-se no sujeito quando ele reflecte
a imagem que corresponde ao desejo dos pais ou da família. Por ter como objecto algo
inacessível, o sexual dos ideais pode ser alienante ao criar situações – por vezes
perversas – nas quais o sujeito é apreendido numa malha imaginária anulando-se como
sujeito. Temos aqui, por exemplo, a situação hipnótica que pode produzir-se entre uma
teoria e um sujeito em busca da Verdade que aplacaria suas angústias; entre o Estado e
seus membros; entre valores que são apresentados como referências identificatórias, tais
como aqueles apresentados pela televisão, e a ilusão de que, possuindo estes valores,
comprando determinados produtos, torna-se parte de um grupo: obtém-se desta forma
reconhecimento narcísico mantendo-se, ao mesmo tempo, a ilusão identitária. E a assim
por diante. Na clínica, o sexual dos ideais pode produzir efeitos perversos. Os
complexos inconscientes infantis, que a transferência reactualiza, correm sempre o risco

7
de provocar, entre analista e analisando, a instalação desta forma de sexual. Enquanto a
sexualidade pré-genital, genital, ou ainda perversa, é facilmente detectável, o sexual
sem nome que os ideais evocam pode fazer com que o sujeito, num narcisismo
mortífero, entregue-se de corpo e alma ao gozo suposto do outro, que o analista encarna,
levando-o a renunciar as modificações que conseguiu, graças à análise, para manter este
lugar imaginário. Quanto ao analista, cuja escuta não é imune a seus próprios
complexos inconscientes e à sua própria organização, ele não está ao abrigo desta forma
do sexual. Para tentar evitá-la, são necessárias ―incursões repetidas‖ nas suas atitudes
contra-transferênciais para confrontar os elementos neuróticos, perversos, psicóticos e
normapáticos de sua sexualidade infantil.

Após Freud, diversos autores propuseram importantes ideias para se compreender a


constituição do sujeito e sua sexualidade. De modo geral, os psicanalistas pós-
freudianos seguem a perspectiva freudiana tanto em relação à perversão quanto à
norma.

Assim, Freud atribui grande importância aos ideais. A questão dos ideais na obra
freudiana é tratada em diversos textos. Em ―Psicologia de
grupo e análise do ego‖, os ideais são apresentados como
formados por identificações segundo os modelos mais
diversos. Fazem parte destes modelos as prescrições
educativas da civilização que representam um
―desenvolvimento‖ subjectivo necessário para o recalque
do gozo.

É assim, por exemplo, que no estádio anal a criança


tentaria manter o próprio corpo como objecto de gozo
(brincar com os excrementos), o que traduziria sua
tentativa de retorno ao narcisismo. Entretanto, diante da demanda da civilização (que
aqui se confunde com o Outro), a criança deverá perder uma parte do seu corpo (neste
caso seus excrementos), como foi o caso do seio no estádio oral. É por meio desta perda
que a criança, segundo uma série de regras e ritos, terá acesso à lei de troca. Ocorre
então, via recalcamento, a renúncia ao gozo narcísico de seu(s) odor(es) em detrimento
dos odores culturalizados (pelo Outro): perfume, sabão, tabaco e outros tantos. Porém, e
à despeito das satisfações substitutivas que a civilização oferece, a renúncia deste gozo
será sempre incompleta, deixando na alma humana um sofrimento difícil de acalmar:
este é o ponto de origem do ―mal-estar‖ do qual sofre o homem. Ao mesmo tempo,
Freud já havia observado nos ―Três ensaios...‖ que as crianças parecem não incomodar-
se com determinadas atitudes como, por exemplo, exibir seus corpos em público.
Sentimentos tais como vergonha, repugnância, moralidade, só são apreendidos como
valores culturais num segundo momento. Isto significa que, desde o início, as pulsões
estão presentes de forma perversa-polimorfa e é apenas mais tarde que a criança
aprenderá a controlá-las.

8
Todavia, tal empreitada é, em sua essência, impossível, pois o sexual infantil está
sempre pronto a fazer retorno nas situações mais inusitadas e nos momentos mais
inesperados: os sonhos, os actos falhos, os sintomas, as fantasias mais secretas e os
desejos mais inconfessáveis, as frustrações e as insatisfações que trazem as pessoas a
nossos consultórios, tudo isto testemunha o fracasso tanto do recalcamento quanto da
tentativa de criar-se uma sexualidade ―ideal‖ que corresponderia a uma ―natureza
humana‖ que se pretende universal; onde este recurso falha, quando determinada
expressão da sexualidade escapa ao recalque, ou não corresponde ao ideal, temos o
preconceito.

O desprazer em virtude da ameaça de retorno das excitações recalcadas pode ser


experienciado pelo sujeito como um objecto estrangeiro a si mesmo, gerador de ódio.
Este ―estrangeiro-interno‖ pode ser reactivado a partir de excitações do mundo externo e
ser vivenciado pelo sujeito como uma ameaça. A fantasia subjacente seria a de que sem
a norma, sem a regra que viesse fazer barreira ao pulsional, correr-se-ia o risco de
perdermos o controlo, de sermos invadidos pelo retorno do recalcado.

Daí as restrições, os princípios éticos-morais, e as punições, que variam, tanto quanto os


ideais, segundo as diferentes culturas. Nesta linha de raciocínio, uma primeira expressão
do preconceito pode ser postulada: ele seria, por assim dizer, o outro lado do recalque,
uma espécie de mecanismo de defesa inerente à construção do psiquismo, portanto
universal. Isto significa que o preconceito funcionaria como um alerta contra moções
pulsionais recalcadas que ameaçam os padrões estéticos. Entretanto, os movimentos
psíquicos, cuja falha gera o preconceito, têm pouca eficácia defensiva pelo paradoxo
que criam: se, por um lado, as perversões sexuais são sentidas não apenas como algo
repulsivo, mas, igualmente, como alguma coisa monstruosa e perigosa, por outro lado,
as pessoas as sentem como sedutoras e, no fundo, têm de ―sufocar uma secreta inveja
daqueles que as experimentam‖. Quanto ao sentimento de culpa, ele aparece quando
existe uma tensão entre o eu e o ideal; quando o sujeito não corresponde àquilo que dele
se espera. Por isto pode ocorrer, às vezes, que o sujeito que é vítima do preconceito,
experimenta este mesmo preconceito e, ao mesmo tempo, tem culpa.

O preconceito gerado pelas diferenças dos ideais pode ser mais claramente apreciado
nas diversidades culturais.

Na nossa cultura ocidental, a tradição judaico-cristã influenciou fortemente a criação


dos ideais e, consequentemente, aquilo que seria ―normal‖ em termos de sexualidade: é
normal a sexualidade, que a referência animal nos mostra, dedicada à preservação da
espécie. Entretanto, estudos sócio-antropológicos são ricos em exemplos de como certas
práticas, em nossa tradição consideradas perversas, (é importante insistir, mais uma vez,
que não se trata de perversão tal como a psicanálise entende este termo; fala-se sim dos
ideais) possuem, nas outras culturas, outras leituras.

Alfred Adler

9
Alfred Adler, era um médico, educador, filósofo prático, e autor de
best-sellers. A sua vida foi repleta de contrastes. Treinou como
médico, tornou-se um psicólogo e educador, e era um orador hábil
feminista e público. Adler era um amigo de Trotsky, mas recebera
apoio de milionários. Adler acreditava na liberdade pessoal,
responsabilidade social, nos direitos das crianças e mulheres. Adler

nasceu no dia 07 de Fevereiro de 1870, em Viena, Áustria.

Ele foi o segundo de seis filhos. O seu pai era um comerciante de


milho. Alfred não era um filho saudável. Ele sofria de doenças e
problemas físicos. Como se isso não fosse suficiente, ele foi
atropelado duas vezes nas ruas de Viena. Ele era um estudante pobre,
e a professora pediu a seu pai para o por como aprendiz de um
sapateiro. Adler tornou-se motivado para compensar sua fraqueza de
aprendizagem, tornando-se assim o melhor aluno da sua turma.

Estas experiências foram catalisadores de Adler que se movia em direcção a uma


decisão de estudar medicina de deste modo pudesse lutar contra o sofrimento da doença.
Adler tornou-se um médico. Adler era realmente mais um humanista do que um
socialista. Ele era mais interessado nas relações de igualdade que seriam criadas numa
comunidade. Ele tinha um interesse apaixonado pelo bem comum da pessoa e foi contra
todas as formas de preconceito. As idéias de Adler são compatíveis com as directrizes
actuais da American Psychological Association e Associação Americana de
Aconselhamento que se relacionam com o tratamento com respeito a diversidade de
raça, género, etnia e orientação sexual. Adler foi casado com Raissa Epstein, que tinha
uma grande influência sobre a sua vida. Ela era um socialista e feminista activa da
Rússia de princípios muito liberais. Entre os seus amigos Leon Trotsky e Nathalia, que
se tornaram amigos íntimos da família. Ele suportou muitas dificuldades pessoais e
profissionais. O movimento social e autocrática para a vida democrática estava a ocorrer
na Europa, e Adler encontrou-se no pelotão da frente com seus próprios pontos de vista
liberais, bem como as ideias revolucionárias da sua esposa e amigos.
Abordagem de Adler para a compreensão do comportamento humano integra o pensar,
o sentimento, o comportamento, e as abordagens sistémicas. É uma abordagem
completa que permite compreender as pessoas da maneira que querem ser
compreendidos. As pessoas não podem ser divididos em partes componentes, mas são
indivisíveis e precisam a ser considerada de forma holística.
Adler deu ao mundo uma clara compreensão de como uma vida socialmente saudável
pode ser estabelecida e mantida. Ele acreditava que o mais saudável e um só objectivo
sensato na vida, e seu estilo de vida que o acompanha. Ressaltou a importância
fundamental de interesse social e seriedade problemas ocorrem quando o interesse
social não se desenvolve. O processo começa com a criação de uma relação positiva
entre o terapeuta e a pessoa que procura ajuda. Adler acreditava que a colaboração entre
o cliente e o terapeuta era necessário para que a mudança ocorra. Para enfatizar a

10
importância da igualdade, Adler, literalmente, saiu de trás do sofá freudiano e tinha o
rosto terapeuta e cliente, um ao outro.

Ellis (1970), fundador da terapia de comportamento racional-emotivo(rational—emotive


behavior therapy) REBT, observou que "Alfred Adler, mais até do que Freud, é
provavelmente o verdadeiro pai da psicoterapia moderna ". A Psicologia Individual de
Alfred Adler enfatizou a importância da compreensão o paciente no âmbito de suas
próprias experiências conscientes. Para Adler, a terapia consistia em tentar desvendar
como o pessoa percebido e vivido pelo mundo. É interessante para apresentar conceitos
Adlerian para estudantes de psicologia ou aos profissionais de saúde mental que foram
treinados num comportamento cognitivo terapia [CBT] modelo. As respostas podem ser
categorizadas em três tipos principais. O primeiro tipo de resposta envolve tomar nota
extensa. Nesse grupo, o material é novo, interessante, útil e relevante. O segundo tipo de
resposta é manifestada por aqueles que se sentam e simplesmente acenam a cabeça.
Afinal, essas idéias fazem sentido e parecem ser coerentes com CBT. Uma terceira
resposta envolve um protesto leve. As semelhanças entre a terapia cognitivo-
comportamental e terapia Adlerian estão "enraizados no compartilhado quadro
conceptual de examinar as regras da vida que cada pessoa adquire "(Freeman &
Urschel). Dadas as suas bases compartilhadas de integração, não é surpreendente as
muitas semelhanças que o esquema terapia e terapia Adlerian compartilham.

Se Adler provavelmente desenvolveu o primeiro


aconselhamento profissional de modelos de casal
familiar e educação familiar, e estes foram utilizados
em centros de orientação infantil na Europa a partir
após a I Guerra Mundial até 1934, quando oficiais
alemães nazistas os forçaram a fechar.
Consequentemente, há uma ampla literatura de
discussão entre a semelhança
ou a compatibilidade da terapia integrativa Adlerian e
sistemas familiares por ambas as abordagens e autores
Adlerian sobre sistemas de família "preocupações de Adler, idéias, e métodos
transversais que hoje são chamados estruturais, estratégicos, de comunicação, psicologia
experimental, comportamental, cognitiva, de várias gerações, e ego abordagens para a
família. Muitos autores da terapia familiar concordam que a terapia Adlerian e várias
terapias familiares têm a mesma base considerável. Por exemplo, Foley (1989) afirmou
que Adler influenciou significativamente a terapia de família e que compartilham
muitas similaridades com a terapia familiar: sobre a constelação familiar é um conceito
importante emprestado por terapeutas de família. A abordagem de Adler foi holística,
como é a terapia familiar. O uso do paradoxo, torna-se uma arma fundamental na terapia
familiar, tem as suas raízes em Alfred Adler. A liberdade de improvisação é uma
característica da terapia familiar e tem raízes na Adler, a capacidade consciente, o
positivo, e de mudar. Isso caracteriza a terapia na família.

11
Oscar Christensen, um terapeuta familiar Adlerian, diz "Adler iria ver o comportamento
como comunicação, movimento em relação aos outros, e o desejo de pertencer, o desejo
de fazer parte‖.

Nos últimos anos, vários autores têm abordado a ideia de ponte cognitiva e
construtivista teorias construtivistas sociais e psicoterapias sugeriram que esta ponte
integrativa pode ser útil marcado relacional construtivismo. Tem sido sugerido que a
psicologia e psicoterapia Adlerian, entendida como uma abordagem construtivista
relacional, situa-se o espaço dialógico entre construtivismo cognitivo e social
construtivista perspectivas de uma forma flexível e integradora (Watts, Watts &
Shulman).

Ambas as perspectivas podem ser consideradas construtiva ou construtivista, no sentido


de que tanto enfatizam o processo em curso de organização psicológica, desorganizando
e reorganização (Mahoney). De acordo com as perspectivas construtivistas cognitivos, o
foco principal é sobre o papel do indivíduo na aprendizagem e desenvolvimento
psicológico.

Por conseguinte, terapeutas Adlerian colocam uma forte ênfase no desenvolvimento e


manutenção de um terapia incentivo focado aliança terapêutica e adaptação de acordo
para cada cliente de necessidades especiais, circunstâncias e expectativas se encaixa
bem dentro da integradora contemporânea Zeitgeist da psicoterapia. Adlerian terapia
inclusive afirma os aspectos colectivistas e individualistas do ser humano em
funcionamento. A visão Adlerian da humanidade é "um equilíbrio saudável da
individual enraizado nas relações "(Jones & Butman). Em ambos a teoria e prática, a
abordagem Adlerian claramente em consonância com as abordagens cognitiva
construtivista e construtivista social, poderia ser correctamente identificada como uma
abordagem construtivista relacional, que poderia ser uma ponte útil cognitiva
construtivista e do construtivismo social terapêutico perspectivas.

As teorias de Adler, que exibiu enorme criatividade e visão, estavam fora de sintonia
com seus contemporâneos, em especial de Freud, e também fora do passo com as
metáforas dominantes da época. Quando uma teoria é fora da etapa com as metáforas
dominantes do seu tempo, suas construções e métodos podem, inevitavelmente, ser
subestimado, assim como suas características úteis são assimilados emergentes
perspectivas de um dia mais tarde. A forma como a teoria de Adler é usado e seu
tratamento é praticado por contemporânea terapeutas Adlerian tem muito a oferecer
além do que foi emprestado e integrados em outras abordagens contemporâneas.
Através dos processos de articulação e diferenciação, os objectivos se manifestam de
forma diferente por diferentes períodos do desenvolvimento, na maioria das culturas,
começa em crianças pequenas como a dependência. Isto é apropriado. Com o tempo e a
aprendizagem, diferencia dependência e alterações. Ela diminui e torna-se afeição.
Carinho é inicialmente direccionado para os cuidadores e fechar parentes, mas ela se
expande como rede social da criança se amplia.

12
Carinho aos colegas, professores, até mesmo animais de estimação. Carinho desenvolve
e, em muitas culturas, evolui em amizades. Conforme se aproxima da adolescência, as
amizades se transformar em amor e relações. Os relacionamentos amorosos articular e
diferenciar em trajectórias assim, como excitação genital com muitos colegas possível,
para possessivo apego a um único parceiro, para uma relação amor madura, estável,
com uma significativa outras em que a interdependência rótulo adlerianos.

Um fato obscuro na história da psicanálise é que Rogers estudou com Alfred Adler em
1927-1928, quando Adler era um instrutor de visita e Rogers era um estagiário de
doutoramento no Instituto para a agora extinta Orientação da Criança em Nova York.
Pouco antes de sua morte, declarou Rogers, ―Eu tive o privilégio de conhecer, ouvir e
observar o Dr. Alfred Adler ... . Habituado como estava a abordagem bastante rígida
freudiana de Instituto setenta e cinco páginas, histórias de casos, e as materias exaustiva
de testes antes de sequer pensar em "tratar" de uma criança, eu estava chocado com o
Dr.. Forma muito directa e enganosamente simples Adler de imediato relativas para a
criança e os pais. Levei algum tempo para perceber o quão quanto eu tinha aprendido
com ele. No entanto, Rogers, aparentemente, não mencionou Adler em seus escritos, e a
anterior citação parece ser o único reconhecimento que Rogers fez da influência de
Adler.

Ninguém, humano, possui todos os conhecimentos necessários para ser totalmente auto-
suficiente. As pessoas precisam uns dos outros para produzir bens e serviços. Os
médicos não podem fazer suas próprias roupas e, simultaneamente, praticar medicina
muito bem. Os agricultores não podem design e construir o equipamento de que
necessitam e ainda encontrar tempo para trabalhar em suas terras.

Os seres humanos precisam conviver uns com os outros. Civilidade, gentileza e respeito
mútuo fazer funcionar tudo mais fácil e melhor. Esta é a tarefa social. Os seres humanos
não podem se reproduzir por si, o que exige dois sexos. Para conviver com os outros e
para reproduzir requer esforço e trabalho em equipa. Aglutinação em geral, seja ele
heterossexual ou homossexual, com ou sem filhos, requer a cooperação, empatia e
compaixão. De todas as tarefas de vida, que o amor e o sexo é muitas vezes o mais
difícil de cumprir. Nas outras duas tarefas, a alguma distância pode ser mantido como
eles são realizados. Isso não é o caso de amor e sexo. Além disso, embora esta tarefa é
muito mais fácil hoje para cumprir do que era, digamos, em 1920, quando Adler
escreveu pela primeira vez sobre o assunto, amor e sexo ainda são excepcionalmente
desafiador para muitas pessoas e fornecer um dos maiores provas de bom senso e
sentimento de comunidade. Private Logic -Todos os indivíduos têm maneiras de
interpretar o mundo, e o seu lugar nele que são exclusivas a eles (Dreikurs). Nem todos
têm a mesma quantidade de senso comum, principalmente porque cada família não é
perfeita. Nem todas as crianças são igualmente bem preparadas para usar o que
aprenderam em casa e com suas famílias na realidade (isto é, fora) mundo. Alguma
lógica privada, tais como as preferências pessoais ou gostos que não coincidem com
aqueles dos tempos, é única, mas não prejudicial. Os indivíduos são conscientes o
bastante para compreender as suas idiossincrasias e reconhecer quando eles precisam

13
mantê-los para si próprios e não perturbar o grupo ou desviar dinâmica de grupo muito.
Em suma, permitir que outros têm sua própria maneira, também, e eles não se sentirem
muito inferiores por serem diferentes; mesmo se o fizerem, resolver problemas e
compensar de forma cooperativa e útil. Muitos casais parecem saber o que está errado e
o que evitar, mas precisam ser esclarecidos sobre o que funciona e o que cria satisfação.

Os Adlerianos acreditam que as habilidades encontradas em relacionamentos


satisfatórios podem ser apreendidas. Por exemplo, o desenvolvimento e manter um bom
relacionamento do casal exige um compromisso do tempo. E é frequentemente o caso
que os conselheiros têm os seus clientes trazem em seus calendários e mostrar-lhes
como prazo para o relacionamento.

Os princípios básicos da psicologia adleriana é essencialmente uma teoria de sistemas


que é holística, proposital, cognitiva e social. Centra-se na relação ou os padrões de
interacção entre os parceiros. Adler percebeu que as pessoas são seres sociais e,
portanto, que todos os problemas são baseados num contexto social. Alegou que os
casais em questões de conflitos foram menos propensos a reflectir patologia pessoal e
mais propensos a ter problemas de cooperação entre os parceiros.
A relação conjugal é entendida como um sistema social interpessoal em que a entrada
de cada parceiro pode melhorar o relacionamento ou estimular a dissonância e conflito.
Adlerianos costumam dizer "Confiança -único movimento." A interacção, comunicação,
e circulação entre os parceiros são propositados e objectivos. O movimento revela
intenções, sentimentos e valores que influenciam o sistema. É essencial entender o
movimento psicológico entre o casal que cria a cooperação ou conflito. Os terapeutas
devem-se concentrar em observar e entender o que os parceiros fazem em vez de se
concentrar no que eles dizem. Não tem tido muito interesse sobre a comunicação verbal
entre os parceiros. Reconhecendo movimento que é cooperativa e do movimento que é
resistiva é o que atrai indivíduos uns aos outros. Esta é também a base para o que
provoca relacionamentos de conflito. O que atrai os indivíduos uns aos outros é também
a base para os seus conflitos relacionais. Dreikurs (1946) foi um dos primeiros a
observar que as qualidades que inicialmente atrair as pessoas umas às outras são
basicamente os mesmos factores que criam discórdia e do conflito e levar ao divórcio. A
felicidade do casal é baseada na estima de cada pessoa auto-interesse social (A
capacidade de dar e receber), e um senso de humor. Estes são os ingredientes para a
felicidade em um relacionamento. Auto-estima é a percepção dos indivíduos de valor e
aceitação, interesse social é o desejo de cooperar, e senso de humor é a capacidade de
ver a relação em perspectiva. As relações são também fortemente influenciadas pelos
sistemas de crenças do casal. Algumas das prioridades significativas no relacionamento
do casal incluem o seguinte: o controle, a perfeição, agradar aos outros, auto-estima e
confiança. As prioridades da personalidade são baseadas em percepções e revelam que
as pessoas acreditam que devem fazer para pertencer e ser aceito. Um factor importante
na compreensão das relações é a forma como os estilos de vida de cada parceiro se
encaixam. Nós escolhemos um parceiro "que nos oferece uma oportunidade de realizar
os nossos padrões pessoais, que responde às perspectivas e concepções de vida, que nos

14
permite continuar ou retomar os planos Adlerianos que temos realizado com a gente
desde a infância ". Ver isto como complementaridades em dar e receber de estilos dos
parceiros de vida. O relacionamento do casal "não é apenas um de uma escolha
consciente e lógica das conclusões; baseia-se mais profundamente sobre a integração de
duas personalidades " (Dreikurs). Isso envolve a montagem em conjunto de ambos os
semelhanças e as diferenças de um casal. Pesquisas recentes sugerem que estamos
atraídos por indivíduos que são geneticamente diferentes de nós, para que nossos
descendentes terão maior imunidade à doença (Fisher). Lidando com as diferenças nos
relacionamentos é fundamental. Sobre o desejo sexual ou de estilos parentais, é normal
que duas pessoas têm diferenças e discordam em algumas questões. Alguns
especialistas afirmaram que mesmo as melhores relações têm de 10 a 12 edições que
jamais será resolvido. As diferenças, quando elas são aceitas, mantém o
relacionamentos emocionante.

A Breve Terapia de casais é um ajuste natural com a teoria de Adler. As intervenções


podem ocorrer num breve período de tempo, com resultados duradouros. A abordagem
é activa, directiva e optimista. O terapeuta se concentra nas questões específicas e
atribui tarefas comportamentais. O exemplo de caso de Scott e Leslie demonstra como o
terapeuta integra as estratégias de muitas teorias diferentes para produzir um resultado
positivo.

Adler morreu, em 1937, tendo criado uma teoria da personalidade e abordagem


terapeutica tão à frente do seu tempo, que as teorias contemporâneas de vanguarda e
terapias Adler somente agora estão a ser descobertas e muitas das conclusões
fundamentais, geralmente sem referência ou aviso de Adler. (Watts).

Wilhelm Stekel ( 1868 - 1940)

Foi um médico austríaco e psicólogo , que se tornou um dos


Sigmund Freud 's primeiros seguidores, um auto-intitulado
apóstolo. , E foi uma vez descrita como "aluno mais distinto de
Freud" . Ernest Jones Segundo Ernest Jones, "Stekel pode ser
concedido a honra, juntamente com Freud, de ter fundado o
psicanalítico primeira sociedade", enquanto ele também o
descreveu como "um talentoso psicólogo naturalmente com um
talento incomum para a detecção de material reprimido ' . Mais
tarde, ele teve um desentendimento com Freud. Seus trabalhos
foram traduzidos em muitas línguas.

Ele escreveu um livro chamado "Auto-erotismo: um estudo psiquiátrico do onanismo e


Neuroses, publicado em Inglês em 1950. paraphilia Ele também é creditado com a
cunhagem do termo parafilia, a substituição de "perversão". Otto GrossAS Neill Ele
analisou, entre outros, os psicanalistas Otto Gross e AS Neill , assim como o primeiro

15
biógrafo de Freud, Fritz Wittels. O tributo pago por esta última à "sua estranha
facilidade no entendimento, mas comentou que" O problema com a análise Stekel foi
que quase invariavelmente a um impasse quando a transferência chamado negativo
ficou mais forte ' . Sua autobiografia foi publicada em 1950.

Teoria da neurose

The Interpretation of Dreams Stekel fizeram contribuições significativas para o


simbolismo dos sonhos ", como sucessivas edições de A Interpretação dos Sonhos atestar,
com seu reconhecimento explícito de dívida de Freud a Stekel : «As obras de Wilhelm
Stekel e outros... desde que me ensinou a forma de uma estimativa mais fiel da
dimensão e importância do simbolismo nos sonhos .

Considerando haver algumas duvidas Stekel dizia que, na ansiedade a libido era
transformada em sintomas orgânicos e somáticos e/ou intelectuais. O intelectual é algo
mais, e quanto maior a duvida maior o prazer, a realização intelectual.

Stekel escreveu parte de um conjunto de três início dos estudos psicanalíticos da


impotência psíquica» referido aprovação por Freud:" Freud tinha escrito um prefácio ao
livro de Stekel " . Relacionado a isso pode ser "a elaboração da ideia de que todos, e
nos neuróticos em particular, tem uma forma peculiar de gratificação sexual, que é a
única adequada" Stekel .

Freud Stekel creditado como um precursor potencial ao ponderar sobre a possibilidade


de que (para neuróticos obsessivos) "no fim do ódio de desenvolvimento é o precursor
do amor. Die Sprache des Traumes Este é talvez o sentido de uma afirmação ao Stekel
(1911 [Dei Sprache des Traumes], 536), que na época achavam incompreensível, no
sentido de que ódio e amor não é a emocional relação primária entre homens ' .
rightcorrectleftwrong O mesmo trabalho é creditado por Otto Fetiches em como
estabelecer "o significado simbólico de direita e esquerda ... direita e esquerda
significado correcto significado errado ' . Menos lisonjeiro, Fenichel também
associado com "uma escola relativamente grande de análise pseudo que considerou que
o paciente deve ser" bombardeados "com" interpretações profundas '. , Um tributo
indirecto, na medida da fase inicial de Stekel, na sequência da sua ruptura com Freud.

Stekel contrastou o que ele chamou de "fetiches normal" de interesses de extrema


"Eles se tornam patológicos somente quando têm empurrado o objecto de amor todo em
segundo plano e se necessário, a função de um objecto de amor, por exemplo, quando
um amante se satisfaça com a posse de sapato de uma mulher e considera a própria
mulher como secundário ou mesmo perturbador e/ou supérfluo.

Em O Ego e o Id, Freud escreveu sobre a "soar-frase alta", todo medo é, em última
análise o medo da morte '- associado com Stekel (1908) - que "quase não tem
significado, e de qualquer modo não pode ser justificada " , A prova talvez (como
impotência psíquica e do amor / ódio), do seu engajamento permanente com o
pensamento de seu antigo companheiro.

16
Wilhelm Reich (1897-1957)

Foi um dos pensadores mais importantes e talvez o mais


incompreendido do século XX.

Discípulo de Freud, seus estudos, pesquisas e experimentos sobre


a psique, o corpo humano e uma vasta gama do universo das
ciências o levaram ao desenvolvimento de uma concepção da
psicanálise para além da teoria clássica freudiana.

Para Reich a mente humana não pode ser estudada e entendida


separadamente do corpo, e este conjunto encontra-se vinculado à cultura e à historia de
sua época. A psicanálise reichiana desenvolveu, como ciência, a antiga máxima ‗corpo
são, mente sã‘, acrescentando o meio social ao antigo binómio.

Depois de perseguido por nazistas e estalinistas, expulso da Sociedade Psicanalítica e de


vários países por onde passou em busca de exílio, morreu na prisão, nos EUA, acusado
de actividades antiamericanas.

O conceito reichiano de personalidade pode ser definido como a interacção dialéctica


entre psique, corpo e vivência social: as características de funcionamento do aparelho
psíquico formam-se e evoluem no entrelaçamento dinâmico com a sexualidade e a
cultura de cada época histórica.

Os tipos de comportamento, de sociabilidade, de reacções características de cada


personalidade são formados e desenvolvidos a partir da relação concreta estabelecida
entre o aparelho psíquico, a sexualidade (corpo) e a sociedade historicamente
determinada.

O corpo doente, para Reich, é a fonte das doenças psíquicas. Um corpo saudável é a
base para a saúde mental e para o crescimento do indivíduo. Segundo Reich, aparelho
psíquico, corpo e sociedade compõem uma unidade. As pulsões instintivas do ‗id‘
interagem com o corpo, com o ‗ego‘ e com o ‗superego‘ de forma mediatizada pela
cultura. A repressão sexual exercida pela sociedade (cultura) estabelece sobre o
indivíduo a couraça caracteriológica, impedindo o livre desenvolvimento da
personalidade, só atingido quando o carácter genital é alcançado, situação em que a
potência orgástica permite o livre fluxo das pulsões sexuais e a saúde mental da pessoa.

Freudiano de origem, Reich contestou o princípio da pulsão de morte formulada pelo


mestre, pressupondo que a infelicidade e a dor não constituíam horizonte inapelável da
natureza humana.

Por isso Reich entendia a psicanálise como uma necessidade social, como acção a ser
assumida pela sociedade. Defendeu um conjunto de medidas consideradas avançadas
mesmo hoje: livre distribuição de anticoncepcionais; controle da natalidade; legalização

17
do aborto; abolição da distinção legal entre casados e malcasados; liberdade de divórcio;
eliminação de doenças venéreas e prevenção de problemas sexuais através da educação
sexual; treinamento de médicos, professores etc., sobre higiene sexual; tratamento, ao
invés de punição, para agressões sexuais.

Alfred Kinsey(1947-)

Foi um entomologista e zoólogo norte-americano. Em 1947, na


universidade de Indiana, fundou o instituto de pesquisa sobre sexo,
hoje chamado de instituto Kinsey pesquisa sobre o sexo.

As suas pesquisas sobre a sexualidade humana influenciaram os


valores sociais e culturais dos Estados Unidos, principalmente na
década de 60, com o inicio da chamada revolução sexualKinsey,
abandonou a etimologia e queria que a educação sexual fosse uma
disciplina exclusiva, algo inexistente na época. Ao fazer isto, conseguido criar a
disciplina académica de sexologia, ciência da qual é considerado o criador.

Após muita persistência, conseguiu recursos financeiros junto de uma fundação para
iniciar a sua pesquisa sobre sexualidade humana.

Depois da publicação do famoso relatório sobre sexualidade humana, foi considerado


até hoje uma das personalidades mais polémicas do sec. XX.. Sendo chamado mesmo o
―pai‖ da revolução sexual. Segundo os estudos de Kinsey, 92% dos homens e 62% das
mulheres se masturbava e que 37% dos homens e 13% das mulheres já tinham tido uma
relação homossexual que lhes tinha proporcionado um orgasmo. Para Kinsey, o ser
humano não é classificado sexualmente apenas em duas categorias (heterossexual e
homossexual), mas sim, em diferentes graus de ligação.

Nunca antes houve um estudo sobre a sexualidade humana tão grande que envolve-se
tantas pessoas, é por tal razão que até hoje este estudo é considerado como dos maiores
estudos mundiais sobre o comportamento sexual humano. Tendo em conta o resultado
deste estudo, a Associação Americana de Psiquiatria, retirou a homossexualidade da
lista de desordens mentais, assim como, a Organização Mundial de Saúde, que também
passou a não considerar a homossexualidade como doença.

Kurt Freund (1914-1996)

Médico e sexólogo conhecido por desenvolver a pletismografia


peniana (medida objectiva da excitação sexual nos homens)
pesquisam em pedofilia e a desordem no namoro, como hipótese de

18
taxonomia em certas parafilias (voyeurismo, exibicionismo) ao que ele chamou de
estupro preferencial.

Conhecido por ser o primeiro a aplicar a pletismografia peniana, permitindo assim, o


primeiro objectivo de medição de excitação sexual nos homens. Durante a sua carreira,
ele aprimorou o pletismógrafo peniano como parte de um amplo programa de pesquisa
sobre o interesse sexual masculino.

Apesar de não ser um método infalível, o que foi reconhecido pelo próprio Freund,
(certos delinquentes sexuais podem suprimir a excitação através da concentração), no
entanto, ainda assim o pletismógrafo continua a ser um bom método porque ninguém
consegue fingir continua e indefinidamente.

Inicialmente, a utilização do pletismografia peniana foi encomendada para detectar


recrutas que tentavam escapar ao serviço militar por falsa alegação de serem
homossexuais (os militares Checos homossexuais eram impedidos de servir o seu país).

O seu maior foco de investigação, foi porém na detecção e diagnóstico de infractores do


sexo, principalmente pedófilos com o objectivo de obter orientação e tratamento
adequado.

Freund esteve também envolvido na terapia de conversão, na década de 50, que visava
mudar a orientação sexual dos homossexuais para heterossexuais, através de orientação
do uso de terapia do comportamento. Os seus dados empíricos demonstraram que
alguns destes homossexuais que tinham casamentos com mulheres ainda ficavam
excitados com imagens de pessoas do mesmo género. Freund concluiu que homens
homossexuais simplesmente não tinham interesse erótico no género feminino.Com base
nesses estudos, ele defendeu a descriminalização da homossexualidade na
Checoslováquia e o fim da terapia de conversão, argumentando que os homossexuais
necessitavam mais de compreensão e aceitação do que tratamento.

Masters e Johnson

Equipa de investigação, composta por William H. Masters e


Virgínia E. Johnson, pioneiros nas pesquisa sobre a natureza
humana da resposta sexual humana, diagnóstico e tratamento das
disfunções sexuais.

Na fase inicial dos seus estudos, entre 1957 e 1965, eles


gravaram alguns dos dados sobre o primeiro laboratório de
anatomia e fisiologia da resposta sexual humana, com base na
observação directa de 382 mulheres e 312 homens no que se

19
estima ser ―10 000 ciclos completos de resposta sexual‖.Os resultados em particular
sobre a natureza da excitação sexual do género feminino e do orgasmo, dissipou muitos
equívocos de longa data.

Modelo das quatro fases da resposta sexual

Um dos aspectos mais importantes e duradouros do seu trabalho tem sido o Modelo das
quatro fases da resposta sexual, que eles descreveram como o ciclo de resposta sexual
humana. Eles definiram os quatro estágios do ciclo da seguinte maneira:

-Fase da excitação (excitação inicial).

-Fase do planalto (em plena excitação, mas não ainda no orgasmo).

-Orgasmo.

-Fase da resolução (após o orgasmo).

Masters e Johnson também revelaram que os homens são submetidos a um período


refractário após o orgasmo, durante o qual, não são capazes de ejacular novamente .Nas
mulheres não há período refractário, fazendo com que elas sejam capazes de orgasmos
múltiplos.

Eles também foram os primeiros a descrever o fenómeno das contracções rítmicas do


orgasmo em ambos os géneros, ocorrendo inicialmente em 0,8 segundos de intervalo e
depois, gradualmente, vai diminuindo em velocidade e intensidade.

Resposta sexual nos Idosos

Masters e Johnson, foram os primeiros a realizar pesquisas sobre a resposta sexual dos
adultos mais velhos. Chegaram á conclusão que o estado de saúde razoavelmente bom e
a disponibilidade de um parceiro interessado e interessante, mantinham a capacidade
sexual, independente da idade.

Os homens mais velhos levam mais tempo a ficar excitados e requerem estimulação
genital mais directa e nas mulheres, a velocidade e a quantidade de lubrificação vaginal
tende a diminuir com a idade, no entanto, a capacidade de excitação e o orgasmo foram
confirmados numa pesquisa de base populacional.

Comparação em laboratório de homossexuais do género masculino e do género


feminino

Casais homossexuais do género masculino:

A interacção verbal é quase inexistente, limitando-se a expressões não verbais como o


movimento dos olhos ou o movimento das mãos, sendo isto insuficiente para se
estabelecer um protocolo de interacção entre parceiros.

20
Casais homossexuais do género feminino:

A actividade do estímulo inicial tende a ser numa base de reciprocidade em curto espaço
de tempo e o controle da experiência sexual específica, geralmente, foi assumida por um
dos parceiros. A tomada de controlo foi estabelecida sem comunicação verbal e muitas
vezes sem sentido óbvio, embora na ocasião, uma discussão quanto á estratégia
processual acontecesse e continuasse mesmo depois do casal esta a interagir
fisicamente.

A disfunção sexual

As suas pesquisas sobre a anatomia e a fisiologia da resposta sexual, foram um


trampolim para o desenvolvimento de uma abordagem clínica para o tratamento de
problemas sexuais. Quando descrevi o seu programa de tratamento pela primeira vez,
sobre disfunções sexuais, ejaculação precoce, impotência, vaginismo ou frigidez, que
até aí eram tratados geralmente por psicoterapia ou psicanálise sem muito sucesso e por
longos períodos de tempo.

Masters e Johnson inovaram com a apresentação de uma forma de tratamento rápido(2


semanas), de psicoterapia, envolvendo o casal( em vez do indivíduo), trabalhando com
uma equipa de terapeutas(masculino e feminino), que teve uma taxa de sucesso de mais
de 80%.

Tratamento do comportamento homossexual

De 1968 a 1977, o Instituto Masters e Johnson executou um programa para converter


homossexuais em heterossexuais. Este programa, relata uma taxa de sucesso de 71,6%.
Anteriormente, a homossexualidade, era tida como uma desordem psicológica pela
Associação Americana de Psiquiatria, tendo sido essa classificação revogada em 1973.

Shere Hite (1942-)

È um a americana, nascida na Alemanha. È educadora sexual e feminista. O seu


trabalho foca-se principalmente na sexualidade feminina. Hite, centrou-se na
compreensão dos indivíduos, tendo em conta a experiência sexual e o seu significado
para eles. O trabalho de Hite, mostrou que 70% das mulheres não tem orgasmos através
do coito, mas são capazes de o atingir com facilidade por masturbação ou estimulação
directa do clítoris. Apenas 30% das mulheres, relataram nunca experimentar o orgasmo
durante a relação sexual.

Ela criticou o argumento de Masters e Johnson que para atingir o orgasmo seria apenas
necessário o acto sexual e caso isso não acontecesse a mulher seria catalogada de ter
uma disfunção sexual. Apesar de não negar que tanto Kinsey como Masters e Johnson
foram um passo crucial na investigação do sexo, ela acredita também que é necessário

21
compreender a construção cultural e pessoal para fazer a investigação em matéria de
comportamento sexual fora d e laboratório.

Hite usa um método de pesquisa individualista. Milhares de respostas (sob a forma de


questionário anónimo) foram utilizados como uma estrutura para desenvolver um
discurso sobre a resposta humana ao género e á sexualidade. As suas conclusões foram
confrontadas com críticas metodológicas. O facto dos seus dados não serem amostras
probabilísticas, levanta questões sobre se os dados da amostra podem ser generalizados
às populações. Como é comum, em pesquisas sobre temas sensíveis como o
comportamento sexual, a proporção de não-resposta é normalmente grande. Assim, as
conclusões derivadas dos dados não representam a opinião da população do estudo por
causa do preconceito, devido á ausência de respostas.

David Buss (1953-)

-È um professor de psicologia na Universidade de Texas em Austin, conhecido pela sua


psicologia evolutiva humana de investigação sobre as diferenças sexuais na escolha do
parceiro.

Os temas principais da sua pesquisa incluem estratégias de acasalamento, o conflito


entre os sexos, status, prestígio social, o prestígio, a emoção da inveja, homicídio e
defesas anti.homicídio.Todas estas abordagens são feitas a partir de uma perspectiva
evolutiva. Na ciência, tem-se provado ser muito difícil encontrar definições precisas de
conceitos da psicologia para leigos, por uma indicação de condições que constituem um
certo traço de personalidade ou fazer uma lista exaustiva de todos os actos que
identifiquem o portador do traço. O que é que define exactamente uma pessoa como
―criativo‖, ―engraçado‖ ou ―ambiciosa‖? È igualmente difícil encontrar a medida do
quão fortemente um traço é acentuado no indivíduo. Como solução Buss e Craik,
propôs a introdução da teoria dos protótipos na psicologia da personalidade.

Primeiro, um grupo de pessoas é convidada a fazer uma lista das atitudes de uma
determinada pessoa. Em seguida, outro grupo de pessoas é questionado para nomear a
partir dessa lista, aquelas atitudes que são mais típicas para definir um traço. Depois, a
medição é realizada através da contagem do número de vezes (durante um período de
tempo), em que há a realização de actos atípicos num propósito (proband).

22
O que faz o psicólogo da área da sexologia na actualidade e quais são
as suas áreas de acção?

O psicólogo da área de sexologia tem como objectivo lidar com um amplo leque de
problemas sexuais, assim como também desenvolver e implementar programas de
prevenção das doenças sexualmente transmitidas (e por isso estar tão ligado á área da
saúde) e de participar e intervir em organizações onde se encontram equipas
pluridisciplinares que abordem a sexualidade nos seus múltiplos aspectos psicossociais
e orgânicos.

Identificar, diagnosticar e intervir em situações de problemas sexuais e de violência


sexual.

Os psicólogos desta área, dedicam-se a uma vasta área profissional que vai desde a
prevenção (intervenção escolar, planeamento familiar) até ao tratamento (clínicas,
hospitais, centros de saúde, etc.) passando também pela investigação e promoção da
saúde sexual (em especial nos grupos de risco e Terceira Idade).

Conclusão:

Desde os primórdios e ao longo do séc. xx, o sexo acabou por ser descrito como uma
actividade em si mesma e não como um meio biológico para atingir um fim -
reprodução. Discussões acerca do ―bom sexo‖, dos orgasmos e do prazer sexual
enfatizam o sexo enquanto acção; no entanto, mesmo como actividade, o sexo
permanece predominantemente biológico. Kinsey considerou o sexo como impulso
natural saudável, Masters e Johnson desenvolveram meios para medir e melhorar a
experiência sexual, através da análise das mudanças fisiológicas, e Hite explica o prazer
sexual usando descrições acerca da estimulação física.

Embora a investigação ainda ponha em relevo o sexo como actividade, esta é


considerada cada vez mais uma actividade de risco. Como consequência, o sexo é
analisado em termos de saúde, educação para a saúde e autoprotecção. No entanto, o
estudo do comportamento sexual não é simples, do ponto de vista psicológico.

23