Vous êtes sur la page 1sur 2

Como evitar o declínio do cérebro

Estímulo e técnica são caminhos para quem quer exercitar o cérebro e melhorar
suas faculdades mentais
Se ter 80 anos e um corpinho de 30 é
impossível, com dedicação, técnica e estímulo
constante é possível ter um cérebro em forma
mesmo com idade avançada.
A estimulação mental melhora as funções
cerebrais e protege contra o declínio cognitivo.
O cérebro, ao contrário do que se pensa, é um
órgão capaz de aprimorar-se ao longo do tempo
por meio da interação com o mundo, da
percepção e da ação.
Para mantê-lo cada vez mais afiado, a primeira
indicação dos especialistas é seguir aprendendo
coisas novas.
“Manter uma atividade intelectual retarda o aparecimento de problemas cognitivos. Não há uma
recomendação específica, mas quanto mais variada a gama de atividades, melhor”, aconselha Sonia
Bricki, membro da Associação Brasileira de Neurologia.
Fazem parte dessa lista de novas aprendizagens, por exemplo, cursar uma nova faculdade, aprender
uma língua diferente ou simplesmente tentar jogar sudoku. O essencial é manter o cérebro ativo.
“Ficar parado assistindo televisão, por exemplo, é ruim, porque a pessoa recebe a informação
passivamente, sem reagir a ela”, afirma a neurologista.
Separar um tempo do dia para “pensar na vida” também pode trazer benefícios. Pesquisas norte-
americanas identificaram que o simples ato de pensar tem resultados físicos sobre o cérebro.
Segundo o estudo, durante o pensamento o número de dendritos (prolongamentos dos neurônios
especializados na recepção de estímulos nervosos) que se interconectam às células cerebrais
aumentam. Ou seja, quanto mais se pensa, melhor o cérebro trabalha – independente da idade.
Neuróbica
Criada pelo professor de neurobiologia norte-americano, Lawrence C. Katz, a “aeróbica para os
neurônios” ou simplesmente "neuróbica" tem o objetivo de exercitar partes ou conexões pouco
utilizadas do cérebro. A ideia é quebrar a rotina, em qualquer lugar, a qualquer hora.
Para isso, o médico propõe atividades simples como ir ao trabalho por um caminho diferente, comer
com a mão oposta à habitual, trocar de roupa com os olhos fechados ou mesmo fazer compras em
um supermercado desconhecido. Quando começar a ficar fácil, ele sugere a combinação de dois ou
mais sentidos na realização de uma tarefa, como ouvir a chuva e reproduzir seu ritmo batendo os
dedos em alguma superfície, ou cheirar um perfume enquanto ouve uma música.
Como cada pessoa utiliza diferentes partes do cérebro por conta de suas profissões ou preferências
pessoais, a indicação é sempre fazer o inverso do que se está acostumado.
“Uma pessoa que lê muito, por exemplo, deve procurar atividades que exercitem outras áreas do
cérebro, como fazer cálculos matemáticos, jogos de raciocínio ou de visão espacial”, diz Carla
Correia, psicóloga especializada em Programação Neurolinguística. Segundo ela, a prática deve ser
realizada no mínimo três vezes ao dia.
Levante do sofá!
As pesquisas já confirmaram aquilo que há muito os médicos notavam nos consultórios: exercício
físico ajuda a melhorar a capacidade neurológica. “As atividades físicas alteram o padrão do
funcionamento das células cerebrais, pois os exercícios melhoram a oxigenação e a comunicação
entre as células nervosas – conhecida como sinapse. E essa comunicação mais rápida entre os
neurônios nos deixa mais ‘espertos’ e com raciocínio mais rápido, explica a neurologista Mirna
Wetters Portuguez, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Melhorando a memória
Todo mundo já esqueceu o nome de uma pessoa, ou um compromisso importante, ou onde colocou
a chave do carro. O mineiro Alberto Dell´Isola Rezende também. Hoje, no entanto, ele sabe de cor o
calendário Gregoriano e Juliano do século 2 ao 23. Em segundos, sem pestanejar, é capaz de dizer
que, em 1980, o dia 3 de dezembro caiu em uma quarta-feira.
O capitão da seleção brasileira de memória conta que, para chegar a esse patamar, precisou
encontrar novas formas de armazenar informações e redescobriu o próprio cérebro. “Comecei a
criar associações.” Para ele, qualquer pessoa pode melhorar o raciocínio lógico e a memória, basta
desenvolver algumas técnicas. “Às vezes, a informação só foi armazenada de maneira errada. Cada
contexto exige uma técnica específica, mas alguns princípios são compartilhados”, explica.
Rezende dá algumas dicas que o levaram a representar o Brasil no Exterior em disputas de
memória. “Pelo menos 60% de toda informação nova é esquecida em 24 horas, por isso, é preciso
fazer uma revisão daquilo que se quer guardar umas duas vezes nesse período”, diz.
Outra técnica é tentar fazer associações: “Para não esquecer nomes, por exemplo, o ideal é associá-
los a alguma coisa que seja um gatilho fácil para recordar. O gatilho é aquilo que vai te dar um
‘estalo’”, ensina. Para lembrar de alguém com o nome Paulo, por exemplo, Alberto imagina um pau
batendo na cabeça da pessoa. Assim reúne imagem e definição em uma mesma memória.
Outra estratégia, mais voltada ao aprendizado, é criar diversos backups diferentes da mesma
informação. “Repetir em voz alta, colorir, fazer resumo, cada um é um backup. Quando não se
armazena tudo junto, fica mais fácil de lembrar”, sugere.