Vous êtes sur la page 1sur 10

fEste artigo tem como finalidade, ensinar o leitor a fabricar

transformadores para uso diversos.

Às vezes não encontramos no mercado transformadores com


voltagens especiais ou quando encontramos, o custo é muito elevado.

Para fabricarmos um transformador, é preciso primeiro determinar as


características do trafo que precisamos, e ai fazer os cálculos para a
fabricação.

Bem, primeiro vamos saber o que é um campo magnético e como


funciona a indução eletromagnética para que o leitor entenda como
funciona um transformador.

Campo magnético e indução eletromagnética

Um campo magnético possui duas propriedades distintas, a primeira,


de atrair e repelir substâncias magnéticas (ferro,cobalto e níquel) e a
segunda, de indução, sendo que o mesmo pode ser natural ou
artificial.

Natural: Quando gerado por um imã natural (magnetita) ou por


fenômenos elétricos atmosféricos.

Artificial: Gerado pela interferência humana, e conhecido como campo


eletromagnético.

Neste artigo vamos trabalhar com a propriedade de indução de um


campo eletromagnético, pois a finalidade aqui é de ensinar como se
fabrica um transformador.

Toda corrente elétrica gera um campo magnético de igual intensidade


desta, ou vice-versa, portanto podemos com um campo magnético
também gerar uma corrente elétrica e este fenômeno acontece pelo
processo que denominamos de indução eletromagnética.

Um transformador é um equipamento que através da indução


eletromagnética, efetua a transformação da voltagem, tanto para
maior quanto para menor.
O transformador recebe denominações: nuclear ou encouraçado de
acordo com sua estrutura, trifásico, bifásico ou monofásico de acordo
com suas fases, de alta ou baixa tensão de acordo com suas
voltagens. Regulador de tensão, isolador de corrente ou simplesmente
transformador de voltagens de acordo com suas finalidades.

Nas figuras abaixo, temos um transformador tipo nuclear (fig 01) e


tipo encouraçado (fig 02), ambos com duas bobinas, uma calculada
para 220 volts e outra para 12 volts ou seja, se aplicamos 220 volts no
enrolamento primário, teremos 12 volts no secundário.

O inverso também é verdadeiro, se aplicamos 12 volts no


enrolamento secundário, teremos 220 volts no primário, neste caso
estes transformadores tem a finalidade simplesmente de transformar a
voltagem tanto para mais quanto para menos.

Um transformador pode ter varias voltagens tanto no enrolamento


(bobina) primário quanto no enrolamento (bobina) secundário.

A voltagens em uma das bobina é diretamente proporcional ao numero


de espiras em relação a outra bobina ou seja, se no secundário ao
invés de 16 espiras, tivermos 150, teremos 110 volts ao invés de 12.

A diferença entre ambos esta somente na estrutura, um tem uma


janela e duas pernas onde estão as duas bobinas e o outro, duas
janelas e três pernas com as duas bobinas enroladas na perna central.

Para projetarmos um transformador, é necessário primeiro definir o


tipo e a finalidade do mesmo, se para uso como estabilizador, isolador
de corrente ou simplesmente como transformador de voltagem
Definindo o seu uso, vamos definir as voltagens dos enrolamentos, se
os mesmos serão de uso contínuo ou intermitente e qual a potencia
que necessitamos.

Definindo estes dados, vamos fazer nosso projeto calculando a bitola


do fio, numero de espiras de cada bobina, sessão em mm² do ferro
silício etc..

Ver nas figuras 3 e 4, onde são determinadas as medidas


proporcionais do ferro silício, nos dois tipos de transformadores:

No tipo de trafo cfe. fig 03 (atômoco), as quatro pernas do mesmo


devem ter medidas iguais (A), e a medida da base da janela (C), não
deve ultrapassar o dobro da altura (H).

Já o tipo cfe. fig 04 (encouraçado), tanto as pernas laterais quanto as


superiores e inferiores (A) devem ter as mesmas medidas, a perna
central de ter o dobro da medida (2A),

Neste artigo, trabalharemos com o tipo encouraçado, pois o tipo


atômico não é muito usado.

Encontraremos com facilidade no mercado, as chapas de ferros silício


para fabricação do transformador tipo encouraçado conforme figura nº
04

Vamos determinar as características do transformador que queremos


fabricar, e executar os cálculos de acordo com as mesmas.

Voltagens de entrada: ------------


------------------------------- 110 + 110 volts
Voltagens de saída:---------------------------------------------- 12 +
12, 9, 6, 5 volts

Potencias de saída para cada voltagem----------------------- 5A

Freqüência de operação------------------------------------------- 60 hz

Primeiro vamos calcular as potencias dos secundários:

c) - P² = I² x E² = 5 x 12 = 60 W
d) - P² = I² x E² = 5 x 12 = 60 W P² = potencia do
secundário em watts

e) - P² = I² x E² = 5 x 9 = 45 W I² = corrente do
secundário em ampér

f) - P² = I² x E² = 5 x 6 = 30 W E² = tensão do
secundário em volts

g) - P² = I² x E² = 5 x 5 = 25 W

Total das potencias dos secundários: 60 + 60 + 45 + 30 + 25 = 220


W

Como todo o transformador tem perdas através do ferro e do


aquecimento, vamos considerar seu rendimento em 80%., portanto:

U = 80% = 80 / 100 = 0,8

A potencia do primário será de :

P¹ = P² / U = 220 / 0,8 = 275 W

P¹ = potencia do primário em watts

U = fator de rendimento do transformador

Vimos que teremos que fabricar o primário para 275 watts para que
possamos ter no secundário os 220 watts desejados, já considerando
as perdas com o ferro e com o aquecimento do mesmo.

Obs:
Primário denomina-se o enrolamento que vai receber a energia
elétrica.

Secundário denomina-se o enrolamento que vai fornecer a energia


elétrica.

Depois de fabricado este trafo (transformador), se invertermos o


primário pelo secundário ou seja:

Usar como entrada 9 volts no enrolamento apropriado e a saída de


220 volts.

Neste caso o primário será de 9 V e o secundário de 220 V.

P¹ = P² x U = 45 x 0,8 = 36 watts, portanto teremos um secundário


com 36 W no total.

Podemos notar que um transformador transfere a potencia potencia do


primário para o secundário com perda.

Prosseguindo, vamos calcular a corrente dos enrolamentos primários:

a) - I¹ = P¹ / E¹ = 275 / 110 = 2,5 A

b) - I¹ = P¹ / E¹ = 275 / 220 = 1,25 A

Então temos as seguintes correntes para os enrolamentos:

a) = 2,5 A b) = 1,25 A e c,d,e,f,g = 5 A

Vamos calcular a bitola dos fios para todos os enrolamentos:

Para fazermos estes cálculos, precisamos determinar a quantidade de


corrente que poderá passa por mm² da secção do fio, sem que o
mesmo esquente acima do normal.

Para transformadores com trabalho de 24 hs por dia e com pouca


ventilação consideramos 1 A/mm² e para transformadores com
trabalho descontínuo e com boa ventilação consideramos 2 A/mm².

Em nosso caso vamos considerar meio termo ou seja 1,5 A/mm²,


então temos:

a) - S¹ = I¹ / 1,5 = 2,5 / 1,5 = 1,66 mm² = fio esmaltado 15


AWG
b) - S¹ = I² / 1,5 = 1,25 / 1,5 = 0,83 mm² = fio esmaltado 18
AWG

c) - d) - e) - f) - S² = I² / 1,5 = 5 / 1,5 = 3,33 mm² = fio


esmaltado 12 AWG

Portanto o enrolamento primário para 110/220 V será enrolado


metade com fio 15 AWG e metade com fio 18 AWG, isto para
economia no valor do fio, sem alterar a capacidade e

qualidade do trafo.

Ex:

Vamos calcular o numero de espiras de cada enrolamento, mas para


isto precisamos calcular primeiro a secção do núcleo do trafo ou seja:

S = raiz quadrada do total do P¹: S = raiz quadrada de 275 S


= 16,58 cm² aprox.

Portanto precisamos de uma determinada quantidade de chapa de


ferros silício para que possamos ter a secção de 17 cm²(arredondando
o valor achado).
Esta secção refere-se a perna central da ferragem do trafo cfe. figura
nº 4 letra 2ª.

Vamos determinar a quantidade de chapas que precisamos para um


núcleo de 17 cm² em um trafo tipo encouraçado.

Como área é altura (A) x largura(L), vamos considerar uma chapa


padrão com largura de 33 mm, e espessura de 0,3556 mm (chapa nº
29), precisamos determinar a altura para sabermos quantas chapas
precisamos ou seja:

A=S/L A = 17 cm / 3,3 cm (33mm) A = 5,15 cm

A altura do núcleo que precisamos é de 5,15 cm ou 51,5 mm, portanto


dividindo a altura pela espessura teremos a quantidade de chapas de
ferro silício.

51,5mm / 0,3556mm = 144,8 precisaremos de 149 chapas de ferro


silício.

Obs: O ideal é um núcleo quadrado, portanto podemos aumentar um


pouco uma das medidas para ficarmos perto do ideal.

Nosso núcleo ficou com 5,1 x 3,3 cm, podemos escolher uma chapa de
ferro silício um pouco acima de 3,3 cm ou seja com 4,1 cm de largura
para aproximar mais o núcleo de um quadrado.

Ex: 17 cm / 4,1 cm = 4,1 cm, neste caso iremos precisar de 115


chapas cfe, cálculo abaixo:

41mm / 0,3556 = 115,2

Agora só falta o numero de espiras para fabricarmos nosso


transformador, então vamos aos cálculos:

Usando a fórmula mais simples: N = G x (E / S).

N = num. de espiras G = uma constante cfe. tabela a baixo E =


tensão S = área do núcleo

Tabela da constante

f = 25hz-----------G = 77,4
f = 50hz-----------G = 58

f = 55hz-----------G = 52,2

f = 60hz-----------G = 48,4

Vamos calcular o numero de espiras do primário:

N = 48,4 x (220 / 17) N = 48,4 x 12,9 N = 625

Podemos usar também a fórmula do numero de espiras por volt:

J=G/S j = num. de espiras por volt G = constante para 60


hz S = área do núcleo

J = 48,4 / 17 j = 2,84 espiras por volt

2,84 x 220 = 626 espiras

O enrolamento primário do nosso trafo terá duas etapas com 313


espiras cada, sedo uma com fio 15 AWG e outra com fio 18 AWG,
ficando a emenda entre as duas, para entrada de 110 volts e as
pontas para 220 volts.

O demais enrolamento terá:

c e d = 2,84 x 12 = 34 espiras cada Os enrolamentos


secundários terão todos

e = 2,84 x 9 = 26 espiras fio esmaltados 12


AWG

f = 2,84 x 6 = 17 espiras

g = 2,84 x 5 = 14 espiras

Bem, recapitulando a matéria, para um transformador com primário de


110/220 volts e secundários de 12 + 12 volts com 60 W , 9 volts com
45 W , 6 volts com 35 W e 5 volts com 25 W, teremos:
Uma ferragem será com 115 chapas de ferro silício para transformador
tipo encouraçado tendo as medidas da perna central com largura
aproximada de 4,1 cm e espessura de aproximadamente de o,3556
mm, com um núcleo de aproximadamente 17 cm² de secção, tendo os
enrolamentos primários 313 espiras cada , sendo um com fio
esmaltado 15 AWG e o outro com fio esmaltado 18 AWG, tendo na
emenda entre eles uma derivação para 110 volts.

Obs: a voltagem de 110 entrará sempre no enrolamento com fio 15


AWG, e 220 na soma dos dois.

Para melhorar a qualidade deste trafo, daremos uma demão de


esmalte isolante em todas as chapas de ferro silício e isolaremos cada
camada dos enrolamentos com um papel isolante de 0,1mm sendo que
entre o primário e o secundário uma camada isolante de 0,2mm.

No acabamento final de todos os enrolamentos, para proteger as


pontas dos mesmos que ficarão externas, passaremos uma fita auto-
adesiva de papel isolante de 0,4mm.

Podemos dar um banho de esmalte isolante no trafo depois de pronto.

Abaixo esquema demonstrativo dos enrolamentos e trafo finalizado :

Para quaisquer outros valores é só seguir os cálculos e orientações


contidas nesta matéria.