Vous êtes sur la page 1sur 3

COLETA DE SANGUE

MATERIAIS

• Luvas;
• Garrote;
• Algodão;
• Álcool 70%;
• Agulha 27x5;
• Seringa;
• Tubos;
• Bandagem;
• Descarpack (para descartes de perfuro-cortantes);
• Caneta para identificação do paciente no tubo.

PROCEDIMENTOS

• Preparar os materiais para a coleta;


• Conectar a seringa na agulha e testar o embolo;
• Posicionar o paciente o mais confortável possível;
• Proceder ao garroteamento do membro escolhido, para facilitar a
localização das veias com maior calibre;
• Palpar a veia escolhida;
• Efetuar assepsia com algodão embebido em álcool 70 %;
• Realizar a punção (com o bisel para cima);
• Pressionar o local da punção com algodão limpo e colocar o
curativo;
• Após a coleta, transferir o sangue no frasco e descartar a agulha no
descarpack;
• Colocado o material coletado no tubo com anticoagulante específico
para sua rotina, o mesmo deve ser homogeneizado por inversão, no
mínimo 5 vezes, para impedir a coagulação.

OBS: Os anticoagulantes utilizados para a Hematologia são:


EDTA, tampa roxa, é o melhor para conservar a morfologia das células.
CITRATO, tampa azul, é utilizado para coagulograma ( TAP e TTPA).
ESFREGAÇO DE SANGUE

O bom preparo do esfregaço de sangue é essencial para a avaliação precisa


da morfologia celular.

PREPARO DO ESFREGAÇO

• O esfregaço por deslizamento de uma lâmina sobre a outra é a


técnica mais conveniente e mais usada para realizar esfregaço de
sangue;
• Essa técnica requer pelo menos duas lâminas transparentes
• Uma lâmina é do esfregaço de sangue e a outra serve como espátula ;
• Coloca-se uma gota de sangue com anticoagulante EDTA na
extremidade de uma lâmina;
• O tamanho da gota de sangue é importante: as gotas muito grandes
criam esfregaços muito compridos ou espessos e as pequenas, em
geral produzem esfregaços curtos ou muito finos;
• A lâmina-espátula é firmemente segurada na frente da gota de
sangue, em ângulo de 30 a 45 graus com a lâmina do esfregaço;
• A lâmina-espátula é puxada para trás na direção da gota de sangue e
mantida na posição até que o sangue se espalhe em toda a largura da
lâmina;
• A seguir, é rápido e suavemente empurrada para a frente, até o fim
da lâmina do esfregaço;
• È importante que toda a gota de sangue seja utilizada e espalhada.

Um esfregaço de sangue periférico bem feito tem as seguintes


características:

• Cerca de dois a três quartos de comprimento da lâmina é revertido


pelo esfregaço;
• É ligeiramente arredondado no final do esfregaço, não tendo borda
de ponta;
• As bordas laterais do esfregaço devem ser visíveis;
• É liso e sem irregularidades, falhas ou estrias;
• Toda a gota é apanhada pela lâmina-espátula e espalhada;

COLORAÇÃO DO ESFREGAÇO DE SANGUE


A finalidade da coloração dos esfregaços de sangue é identificar células e
reconhecer a morfologia facilmente ao microscópio.
È utilizado um conjunto de corantes de coloração rápida para
diferenciar os elementos figurados do sangue.
As células sanguíneas apresentam estruturas, tanto nucleares como
citoplasmática com afinidades por corantes ácidos e básico. Está variação
de afinidades pelos corantes é que permite a classificação morfológica
dos diferentes tipos de células sanguíneas.
Os núcleos das células tomam as cores básicas enquanto os corantes
ácidos agem sobre elementos citoplasmáticos.
Uma lâmina bem corada é necessário para interpretação precisa da
morfologia celular. Os melhores resultados da coloração são obtidos em
lâminas recentes que foram preparadas dentro de 2 a 3 horas da coleta
de sangue.
Deve-se deixar que as lâminas sequem completamente antes de serem
coradas.

TÉCNICA

• Feito o esfregaço deixar a lâmina secar;


• Mergulhar a lâmina no primeiro corante por 5 segundos e tirar o
excesso;
• Mergulhar a lâmina no segundo corante por 5 segundos e tirar o
excesso;
• Mergulhar a lâmina no terceiro corante por 5 segundos e tirar o
excesso;
• Lavar a lâmina em água corrente;
• Deixar secar e levar ao microscópio com uma gota de óleo de
imersão.