Vous êtes sur la page 1sur 2

As guerras do Rio Grande do Sul

Em uma região disputada por Espanha e Portugal, os conflitos frequentes, a


questão das fronteiras, a geografia local e até mesmo o uso de cavalos nas
batalhas deixaram marcas na identidade e na cultura do povo gaúcho

Por Gunter Axt

Durante o período colonial, Espanha e Portugal bateram-se várias vezes pela fixação dos
limites de suas possessões no Cone Sul. O ir e vir das fronteiras contribuiu para formar uma
sociedade de índole guerreira. Administração, justiça e defesa eram partilhadas entre a
monarquia, as câmaras municipais e os poderosos locais. Foi assim que, no Rio Grande do
Sul, cada estância converteu-se em um posto avançado ou em uma retaguarda para a ação do
Exército.

Os exércitos eram agrupamentos de tropas reunidas por diversos senhores, em geral


proprietários de terras, que se conectavam a redes de compromissos clientelísticos, em que
espaços público e privado se misturavam. Essa fórmula fica muito evidente durante as guerras
civis que sangraram o Rio Grande do Sul, em especial na Revolução Federalista (1893-1895).

A geografia do Estado, combinada a outras particularidades da região, também pode dizer


muito sobre os combates que ali ocorreram: a combinação entre áreas planas, uso de cavalos
nas batalhas, exércitos formados por civis engajados e carência crônica de meios, contribuiu
para dar à guerra gaúcha o caráter de movimento, de guerrilha.

A guerra é mais difícil de ser feita nas regiões montanhosas, pantanosas, de relevo dobrado,
de obstáculos físicos de qualquer natureza (cursos d'água não navegáveis, por exemplo). No
Rio Grande do Sul, a serra começou a ser ocupada por colonos europeus mais
sistematicamente a partir de meados do século XIX. Foi com a Revolução Federalista que a
guerra chegou a essa região.

RELIGIÃO E ECONOMIA

Também foi na região serrana, em locais remotos, que floresceram movimentos messiânicos,
introduzindo o componente religioso nos conflitos do Sul. Em 1874, a tragédia dos Mucker, e,
em 1897, o massacre de Entre Rios, na fronteira entre o Rio Grande do Sul e o Estado de
Santa Catarina. Antes disso, é possível admitir que o conteúdo religioso contribuiu para animar
os índios missioneiros contra os exércitos português e espanhol.

Para entender as guerras do Sul, também é preciso relacionar os conflitos com a economia. A
fundação da Colônia de Sacramento, por exemplo, está ligada ao desejo dos portugueses de
acessar o ciclo virtuoso da prata de
Potosí, por meio do comércio e do
contrabando. O gado que se espalhou
com o tempo pela pampa não apenas
seria o motor da economia da Campanha,
como daria o sustento à movimentação
dos exércitos. A pecuária extensiva
oferecia a disponibilidade para que bois
fossem abatidos, garantindo sustento aos
soldados. A imagem remonta à Guerra dos Farrapos (Revolução
Farroupilha 1835 a 1845), uma das mais importantes do
DO INTERIOR ÀS CIDADES Brasil, que resultou na declaração de independência da
província como estado republicano, dando origem à
A maior parte dos conflitos aconteceu no República Rio-Grandense
interior do Rio Grande do Sul. As cidades foram em geral poupadas. As grandes exceções
talvez tenham sido o cerco de Porto Alegre, durante a Farroupilha (1835-1845), a traição de
Bagé, em 1892, e o cerco de Bagé, em 1893. Passo Fundo também parece ter sofrido bastante
durante a Revolução Federalista. No entanto, os motins do início do século XX, como os
relacionados ao golpe de 1964, concentraram-se em grandes áreas urbanas, alterando o
padrão até então registrado.

Quando o Exército brasileiro foi profissionalizado e o armamento se tornou mais sofisticado,


com a introdução de metralhadoras, canhões de maior alcance, blindados e jatos de guerra, a
partir, sobretudo, da década de 1940, o modelo de guerra praticado no Rio Grande do Sul foi
perdendo eficácia. A partir desse avanço, o armamento pesado e sofisticado substituiu o valor
do guerreiro individual, que antes marcava as guerras do Sul. Além disso, a sociedade também
se modificou. Nas cidades, consolidou-se uma nova burguesia industrial, uma classe
trabalhadora e uma classe média, enquanto a burocracia do Estado ganhou força e os chefes
rurais perderam importância. O antigo sistema de lealdades recíprocas, próprio de uma
sociedade patriarcal e rural, estava em decadência.

O governo que se instalou em 1964 lançou a pá de cal ao investir na desmilitarização das


polícias estaduais, que, na prática, deixaram de funcionar como exércitos regionais e
assumiram as funções de policiamento ostensivo. Além disso, o regime militar estabeleceu um
modelo político centralizado e autoritário, que esvaziou o que restava da soberania dos
Estados. O tempo das guerras e revoluções parece ter acabado. Mas o da violência difusa,
cotidiana, criminal, parece estar apenas começando.

GUNTER AXT é Doutor em História Social pela USP, pesquisador associado ao Laboratório de Estudos da
Intolerância da USP e professor visitante no Institut de la Pensée Contemporaine, Université Paris VII, Denis
Diderot.

Texto extraído: http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/Edicoes/22/artigo150189-1.asp