Vous êtes sur la page 1sur 102

— CEAP —

C e n t ro de Es tudos Avançados de
Parapsicologia

Curso de Radiestesia e Radiônica

Primeiro Estágio

Esta apostila é fruto de um trabalho realizado pelo Prof. Hugo H. Antoniazzi e Leyvas Pacheco.
Contem anotações de aulas dos cursos do Dr. Ribaut, observações práticas, bem como pesquisas bibliográficas
de diversos autores como Chaumery, Belizal, John Davidson, David Tansley, Kathe Bachler, Blanche Merz, Roger de
Lafforest, Michel Moine, Jean de La Foye e outros. Ver Nota.

AGRADECIMENTOS: O CEAP agradece a colaboração de Leyvas Pacheco nos trabalhos de pesquisa e redação
desta apostila. Agradece igualmente a dedicação do casal Alcir e Rita de Cássia Beck pela informatização do
texto.

1. NENHUMA PARTE DESTA APOSTILA PODERÁ SER REPRODUZIDA SEJAM QUAIS FOREM OS MEIOS EMPREGADOS (mimeografia, fotocópia, datilografia, gravação,
reprodução em disco, fita etc.) SEM A PERMISSÃO POR ESCRITO DOS AUTORES. AOS INFRATORES SE APLICAR AS SANÇÕES PREVISTAS NOS ARTIGOS 122 e 130 DA
LEI Nº 5.988 DE 11 DE DEZEMBRO DE 1913.
INTRODUÇÃO

Bem-vindo ao curso de Radiestesia e Radiônica!

Este pode ser o início de uma caminhada muito longa e


fascinante. Longa porque terá a vida toda para usufruir destes
conhecimentos. Fascinante porque irá descobrir seus poderes ocultos
que jamais sonhou possuir.

Para a maioria dos alunos trata-se de uma verdadeira


auto-descoberta. É como alguém que aplaude as façanhas de um grande
mágico e, de repente, se vê no palco repetindo os mesmos prodígios.

No final do Curso, a maioria dos alunos confidencia alegremente


uma total mudança de atitudes e uma nova visão da vida.

Tenho certeza que, para você, também, será uma ótima


oportunidade para uma completa renovação interior. Praticando a
Radiestesia e a Radiônica, quase que imperceptivelmente sentirá
profundas modificações em sua vida. Poderá resolver suavemente seus
próprios conflitos, adquirindo mais auto-confiança. Poderá ajudar
mais a si mesmo e aos semelhantes: Poderá ter mais saúde, mais
proteção, mais harmonia, mais prosperidade.

Para tanto, basta dedicar um pouquinho só do seu tempo. A


Radiestesia é uma ciência e uma arte. Mais arte e menos ciência. Como
toda a arte, precisa ser praticada. Pois pratique. Todos os dias. Um
pouquinho só. Mas todos os dias, se possível.

Se assim o fizer, logo estará seguro e confiante. O pêndulo


será seu grande mestre. Terá nas mãos um instrumento mágico e
maravilhoso, capaz de fornecer respostas para todas as suas
perguntas. Mais do que isso, poderá ajudar a si mesmo e aos seus
semelhantes, iluminando os caminhos de cada um para uma vida mais
saudável, mais equilibrada e mais cheia de realizações.

prof. Hugo H. Antoniazzi


A palavra Radiestesia é composta do latim Radius =
Radiação e do grego Aisthesis = Sensibilidade. Radiestesia é,
portanto, a ciência e a arte pela qual uma pessoa treinada se torna
sensível a qualquer tipo de radiação ou freqüência vibratória. Como
tudo o que existe é formado de átomos e como os átomos são compostos
de ondas vibratórias, podemos concluir que o Radiestesista pode
entrar em sintonia com qualquer coisa, através da radiação.

Radiônica já é a ciência e a arte pela qual uma pessoa


treinada consegue modificar qualquer coisa através da emissão de
energia. Para tanto, usam-se simples aparelhos, gráficos ou formas
geométricas.

Há, pois, uma diferença fundamental entre Radiestesia e


Radiônica. A Radiestesia é Captação. A Radiônica é Emissão.
Pela Radiestesia podemos descobrir os Desequilíbrios
Energéticos. Pela Radiônica podemos Equilibrar o que Estava
Desequilibrado.

Considere esta simples apostila como um resumo de todo o


curso. Ela servirá para você tirar suas dúvidas e relembrar alguns
tópicos importantes.
Entretanto, para que você complemente os seus estudos e
aprofunde seus conhecimentos, recomendamos a leitura de dois
livros fundamentais do Dr. JUAN RIBAUT que são:

"O Mistério dos Pêndulos Desvendado"


e
"A Imaginação, Um Mundo Além Da Razão"

No primeiro livro você irá encontrar uma iniciação mais


aprofundada na manipulação do pêndulo. No segundo livro o DR.JUAN
ensina as Bases Mentais Da Radiônica, ou seja, uma preparação do
operador no sentido de uma modificação interior capaz de despertar
sua sensibilidade. É por isso que sempre dizemos que este curso
que você está iniciando irá modificar sua vida para melhor. Não
basta obter conhecimentos. É preciso colocá-los em nossa vida
diária, praticando-os. Se você gostar, irá perceber que este
caminho não tem fim, porque não tem volta. Um mundo fascinante o
espera...
Na prática da Radiestesia e da Radiônica, três elementos
fundamentais entram em jogo:

1) OPERADOR ou aquele que capta e transmite a energia.


2) O APARELHO RADIÔNICO, geralmente um gráfico ou uma forma.
3) A ENERGIA ou a freqüência que é captada ou transmitida.

O mais importante de todos é o OPERADOR_ Ele é o canal por


onde passa a energia. Por isso é muito importante que ele esteja
bem, em harmonia consigo e com o mundo ao seu redor. Antes de
aprender todas as técnicas da Radiestesia e da Radiônica é preciso
fazer um trabalho interior de renovação, limpando os canais do
Subconsciente de todas as impurezas, isto e, do MEDO, COMPLEXOS,
CULPAS, ÓDIOS, etc.
Para começar esta limpeza, veja como você está em relação aos
conceitos sobre os quais iremos agora refletir:

O QUE É O VERDADEIRO AMOR

Muitas vezes eu me tenho perguntado: POR QUE AS PESSOAS


SOFREM? , POR QUE AS PESSOAS BOAS TAMBÉM SOFREM?
Normalmente colocamos a culpa nos outros e não em nós.
Vejamos: Vivemos em um mundo bipolar: DIA e NOITE, POSITIVO e
NEGATIVO, ESQUERDO e DIREITO, HOMEM e MULHER, etc. A eletricidade
por exemplo tem pólos positivo e negativo. Na junção do pólo
positivo e do negativo ocorre um curto-circuito e uma conseqüente
destruição. O pólo positivo, ao se encontrar com o negativo, quer
torná-lo positivo, transformando a sua propriedade e, então, há uma
destruição, e uma explosão. O mesmo acontece se o negativo encontrar
o pólo positivo. Então colocamos entre os dois pólos um elemento
novo, diferente, um terceiro elemento com uma nova personalidade,
diferente dos outros dois, por exemplo, urna lâmpada, uma
resistência elétrica, um motor, etc.
Este terceiro elemento é a CHAVE, é o PRINCÍPIO DA CRIAÇÃO.
O mesmo acontece com o átomo. Tem Prótons (positivos),
Elétrons (negativos) e um terceiro elemento que é o Nêutron. Assim é
criada a matéria.
É no interior do átomo que surge a Radiônica, a
Parapsicologia.
Energeticamente falando, o ser humano também tem polaridade:
Positiva, o HOMEM e Negativa, a MULHER.
O pólo positivo e o negativo juntos entram em choque e se dá a
destruição. Para que isso não ocorra, é preciso haver um terceiro
elemento que é o AMOR.
Todos dizem que SE AMAM, porém, por que HÁ CHOQUES? a razão é
simples:
PARA QUE HAJA O AMOR É PRECISO, TAMBÉM, HAVER; OS TRÊS
ELEMENTOS. Podemos considerar o ato de AMAR como POSITIVO e o de SER
AMADO como NEGATIVO. Quanto mais se amar, mais se pode destruir o
outro, ou seja o ser amado. Estamos, assim, neutralizando a
personalidade do outro. Com a possessividade ocorrerá a DESTRUIÇÃO
DO AMOR. E para não haver destruição é necessário aparecer o
terceiro elemento, isto é, o ATO DE AMAR-SE A SI MESMO.
Temos que nos dedicar aos outros, mas não renunciar totalmente
a nós mesmos. A pessoa que AMA A SI MESMA NÃO É. EGOÍSTA, pois está
bem consigo e respeita aos demais. Pense bem. Se você não se aceita
então não tem amor a si mesmo. Se não tem, precisa que o outro lhe dê
amor. Sempre que uma pessoa, em nome do amor, tenta controlar ou
dominar a outra, é porque realmente não se ama de verdade. E não se
amando, tenta extrair o amor pela dominação, e assim a destrói.
Somente se tivermos amor poderemos irradiá-lo às outras
pessoas. E é por isso que está escrito: "AME AO PRÓXIMO COMO A TI
MESMO"!

AMAR A SI MESMO É FUNDAMENTAL PARA A VIDA

AMAR A SI MESMO TAMBÉM TEM TRÊS ELEMENTOS:

A) SUBCONSCIENTE = INSTINTOS E EMOÇÕES


B) CONSCIENTE = RAZÃO, INTELECTO
C) SUPERCONSCIENTE = INTUIÇÃO, AMOR UNIVERSAL, TRANSCENDÊNCIA

Unidos os três elementos, respeitando-se a personalidade de


cada um deles, teremos finalmente o AMAR-SE A SI MESMO.

Existem pessoas que consideram apenas um desses elementos, por


exemplo, sublimam seus instintos por serem mais espiritualizadas.
Acontece, porém, que, quando bloqueiam suas emoções começam a ter
sérios problemas, como tensões e frustrações. Assim quebram a
harmonia. Não podemos ter medo de nenhum dos nossos instintos ou de
nossas emoções. Fazem parte de nós, de nossa personalidade. Aceitá-
los como uma parte importante nossa, faz sentido como o AMAR-SE A SI
MESMO.

Se amarmos a nós mesmos, começaremos a sentir mais paz


interior, mais segurança e equilíbrio. Eliminaremos os medos e
complexos de culpa e nos sentiremos harmonizados física, psíquica e
energeticamente. Desta forma a Radiônica funcionará melhor, pois,
através de aparelhos simples e gráficos singelos, ela vai buscar
energias do SUPER e do SUBCONSCIENTE.

"COM UM OPERADOR BEM EQUILIBRADO A RADIESTESIA E A RADIÔNICA


FUNCIONAM MARAVILHOSAMENTE".
TEORIA DAS FORMAS

Você já parou para pensar por, que os objetos ou coisas têm


determinadas formas? Por que o diamante tem sempre a forma igual ou
porque uma planta tem sempre aquele tipo de semente ou de folha?
Donde nascem as formas? Sabemos que o PLANEIA TERRA é banhado por
ENERGIA CÓSMICA. Esta tem toda a gama de energias. Quando as
circunstâncias são favoráveis, alguma destas energias tende a se
materializar, e o faz sempre num tipo concreto de FORMA. A FORMA é a
concretização ou a materialização de um tipo especifico de energia
que existia em outra ou outras dimensões. Na 3ª dimensão, onde
atualmente vivemos, as coisas ou objetos materializados estão sempre
captando e irradiando este tipo especifico de energia.

Em Radiônica trabalharemos muito com as FORMAS. As FORMAS


CAPTAM e IRRADIAM ENERGIAS ESPECÍFICAS. Veremos mais adiante como
determinadas FORMAS possuem mais uma função PROTETORA, outras atuam
mais no campo da PURIFICAÇÃO e da LIMPEZA ENERGÉTICA, outras ainda
são mais atuantes como EMISSORAS e PORTADORAS DE ENERGIA.

Por Intermédio da Radiestesia podemos detectar que tipo de


FORMA atrai determinado tipo de ENERGIA.

TODOS OS OBJETOS IRRADIAM TRÊS TIPOS DE ENERGIA:

A) A ENERGIA INTERNA, isto é, A ENERGIA INTRÍNSECA,


CONSTITUTIVA.
B) A ENERGIA EXTERNA, isto é, A ENERGIA DA FORMA COM QUE SE
APRESENTA.
C) A ENERGIA DA COR VISÍVEL

Isso quer dizer que todos os objetos têm uma constituição


interna, uma forma externa e uma cor visível. Muitas vezes a forma
externa pode enganar. A cor visível pode enganar. Como radiestesista
treinado, você poderá saber, por exemplo, se o mel que comprou é
puro ou falsificado. Basta medir a ENERGIA INTRÍNSECA. A forma e a
cor podem enganar mas a ENERGIA INTRÍNSECA não. Só um radiestesista
é capaz disto.
A FORMA EXTERNA expressa uma determinada energia. Dependendo da
angulação da forma sabemos qual energia é gerada ou atraída por esta
forma.
A medida que esta angulação se abre, sintoniza-se com
freqüências menos elevadas. Quando a angulação se fecha, sintoniza-
se do azul para cima. Por este motivo, picos agudos ou abóbadas de
igrejas emanam energia calmante e um campo forte de azul e violeta.
(VER FIGURA 1 - PÁGINA 34)
Quando estudarmos as PIRÂMIDES, veremos porque a PIRÂMIDE DE
QUÉOPS é considerada uma FORMA PERFEITA. É por causa da angulação de
suas formas. Assim veremos que a PIRÂMIDE DE QUÉOPS, quando alinhada
na posição norte-sul permite sintonizar com todas as freqüência
vibratórias. E mudando a posição ou a angulação, apenas uma
freqüência é sintonizada.
Nós, seres humanos, temos também uma forma. A forma humana
atrai e irradia determinado tipo de energia. Assim podemos conhecer
uma pessoa pelo formato de, seu rosto, da sua forma, da sua
expressão. Nossa vitalidade depende, também, da junção da ENERGIA
CÓSMICA com a ENERGIA TELÚRICA. A ENERGIA CÓSMICA penetra em nós
pelo ÁPICE DA NOSSA CABEÇA e se equilibra com a ENERGIA TELÚRICA
captada pelos NOSSOS PÉS. Estamos sempre ligados na energia fonte,
porém, nem sempre irradiamos esta energia. Muitas vezes ela entra em
nós por canais errados. Além do mais, quase sempre estamos
bloqueados pelos nossos complexos, medos, culpas e tensões.

Para o equilíbrio do ser humano, o conhecimento da RADIESTESIA


e da RADIÔNICA é FUNDAMENTAL. Muitas doenças e infelicidades se
instalam no homem e a medicina, a psicologia ou as ciências
ortodoxas nem sempre conseguem atingir as CAUSAS dos PROBLEMAS. Um
radiestesista bem treinado é capaz de atingir as VERDADEIRAS CAUSAS
dos DESEQUILÍBRIOS. Conhecendo as CAUSAS, facilmente eliminamos os
EFEITOS. Em nosso método usamos a Radiestesia sempre para buscar as
VERDADEIRAS CAUSAS dos PROBLEMAS. Muitas vezes as causas das doenças
não estão no corpo físico do homem. No corpo físico geralmente estão
os EFEITOS. É por isso que nosso curso irá incluir noções dos
diversos campos energéticos do homem bem como as inúmeras vibrações
que o cercam, seja na aura, no ambiente onde vive ou local onde
trabalha. Muitas vezes as causas estarão ali.

A COR VISÍVEL é, também, uma freqüência vibratória, uma


energia. Iremos trabalhar muito com cores. Em Radiestesia, porém,
nem sempre trabalhamos com cores visíveis. Costumamos chamar todas
as freqüências de cores e todas as cores de freqüências. São
freqüências radiestésicas, muitas vezes invisíveis, pois fogem ou
estão acima ou abaixo da escala cromática que nossa visão consegue
atingir. Conhecemos doze freqüências cromáticas:
Sete visíveis e cinco invisíveis - que seguem sempre a mesma
seqüência e aconselhamos que você as decore, pois irão aparecer
sempre em nossos estudos. Elas estarão presentes, por exemplo, no
estudo da PIRÂMIDE (VER FIGURA 2 - PÁGINA 34). A seqüência é a
seguinte: VERMELHO, LARANJA, AMARELO, VERDE POSITIVO, AZUL, ÍNDIGO,
VIOLETA, ULTRAVIOLETA, BRANCO, VERDE NEGATIVO, PRETO,
INFRA-VERMELHO. As sete primeiras são cores visíveis do espectro
solar. As demais são cores invisíveis. Entretanto, iremos trabalhar
com inúmeras outras freqüências e como não terão nomes específicos
serão catalogadas com números. Assim, nossa vitalidade será medida
em ANGSTROM, isto é, em determinado número. Por enquanto, basta
saber que as cores radiestésicas nem sempre são as cores que
enxergamos.
RADIESTESIA
COMO FUNCIONA A RADIESTESIA

Como vimos, a Radiestesia é a ciência e a arte que nos põe em


contato com todo e qualquer tipo de realidade através da sintonia com
sua freqüência. A captação da freqüência é feita pela sensibilização
do sistema neuromuscular do operador e amplificada pelos movimentos
de simples instrumentos, por exemplo, um Pêndulo.
Claro que há pessoas que nascem mais sensíveis que outras,
entretanto, com um pouco de sensibilidade e muita exercitação,
qualquer pessoa poderá se sintonizar com as freqüências de qualquer
objeto. E, quanto mais treinada, mais precisão terá no exercício da
Radiestesia.

A Radiestesia, praticada há milênios pelos EGÍPCIOS e CHINESES,


pode ser divida em RADIESTESIA MENTAL e RADIESTESIA FÍSICA.

A) RADIESTESIA MENTAL - Parte do princípio de que a MENTE é


capaz de tudo e para tanto basta concentrar-se e entrar em sintonia
com o que se quer testar. Isso supõe duas coisas:

1 - ORIENTAÇÃO MENTAL = Fazer uma pergunta clara e objetiva,


cuja resposta seja sempre SIM ou NÃO.

2 - CONVENÇÃO MENTAL = É a maneira de interpretar os movimentos


do pêndulo. Assim, giros positivos (sentido horário) querem dizer
SIM, giros do pêndulo negativos (sentido anti-horário) querem dizer
NÃO (VER FIGURA 3 - PÁGINA 34). Quando o pêndulo LIGA dois objetos,
nomes ou fotos, quer dizer SINTONIA. Quando CORTA quer dizer FALTA DE
SINTONIA (VER FIGURA 4 - PÁGINA 34).

B) RADIESTESIA FÍSICA - Dá mais importância às radiações e aos


instrumentos do que à MENTE. A RADIESTESIA FÍSICA trabalha com a
ENERGIA CÓSMICA ou ENERGIA do VERDE POSITIVO (V+).

Parece haver uma contradição entre os Radiestesistas


mentalistas e os Radiestesistas físicos. Na verdade, isso é só na
aparência, pois ambos admitem que a energia vem da MENTE. Nosso
método é a junção dos dois sistemas. Sabemos que a MENTE inconsciente
é responsável por tudo, mas admitiremos, também, que os instrumentos
são importantes, pois nossa MENTE foi acostumada a aprender usando
sempre os cinco sentidos e as coisas sensíveis e palpáveis.
Principalmente no início, os instrumentos sensíveis serão muito
importantes. Futuramente, com o desenvolvimento e a prática,
poderemos ficar menos dependentes deles.
OS INSTRUMENTOS DA RADIESTESIA

O Pêndulo
Nesta primeira etapa, o principal instrumento que iremos
utilizar é o Pêndulo. Qualquer objeto simétrico suspenso por um fio
ou correntinha pode ser um pêndulo. Eles podem ter forma esférica,
cônica, cilíndrica, etc. Os melhores são os PÊNDULOS NEUTROS, isto é,
feitos de MADEIRA, BAQUELITE, VIDRO OU AÇO INOX, pois, possuem
polaridades que se anulam entre si. A cor visível é importante, pois
emite uma vibração.. Escolha um pêndulo de cor neutra que pode ser a
cor verde, a cor preta ou a cor natural da madeira ou do material
utilizado. Há pêndulos especiais que você irá conhecer mais adiante.
São PÊNDULOS DE PESQUISA. Assim aconselho que adquira ou faça seu
primeiro pêndulo seguindo essas orientações.
Há outros instrumentos que você irá conhecendo aos poucos e que
serão muito úteis para os que futuramente se interessarem em
aprofundar os seus conhecimentos em Radiestesia. São eles o DUAL ROD,
o AURÍMETRO, o BASTÃO ATLANTE, os CRISTAIS, as RÉGUAS RADIESTÉSICAS,
o PÊNDULO EGÍPCIO, o PÊNDULO CROMÁTICO, o PÊNDULO ELETROMAGNÉTICO, o
PÊNDULO UNIVERSAL, etc.

COMO SEGURAR O PÊNDULO

Segure suavemente a corrente ou fio entre os dedos polegar e


indicador (VER FIGURA 5 - PÁGINA 35). Segure firme, mas sem apertar
demais. Lembre-se que a energia flui pelos dedos. Se você apertar
demais, bloqueará a energia. Por isso é bom estar com o braço
relaxado, sem tensões nas articulações. Se você estiver nervoso ou
tenso, não pratique a Radiestesia. Faça um relaxamento antes. Um
ótimo exercício preparatório para principiantes é fechar os dedos,
olhar suavemente para a mão fechada, e ir bem devagarzinho abrindo
dedo por dedo. Concentre-se no lento movimento de cada dedo que vai
se abrindo, como se fosse a pétala de uma flor. Não pode haver
pressa. Demore uns cinco minutos para abrir todos os dedos. Você
estará praticando um excelente exercício de concentração e
relaxamento.

COMO REGULAR O PÊNDULO

A altura em que segurarmos o fio ou a corrente do pêndulo é


importante, embora alguns autores não pensem assim. Antes de ensinar
a altura ideal, que chamaremos de PONTO ZERO, faça o seguinte
exercício: Segure o pêndulo a uma altura qualquer sobre uma
fotografia. Vá deslizando bem devagar os dedos até que o pêndulo gire
no sentido horário. Você estará sintonizado com a vibração da foto
(VER FIGURA 6 - PÁGINA 35). Podemos fazer isto com qualquer objeto,
sintonizando-nos com ele. Para trabalhar com o referido objeto, este
ponto é o mais sensível.
COMO ENCONTRAR O PONTO ZERO

Pelo método RIBAUT, o aluno aprende a encontrar uma determina


altura do fio do pêndulo por onde passam todas as energias e, por
isso mesmo, se torna um ponto bem sensível. É o PONTO ZERO, ou o
ponto da ENERGIA CÓSMICA. Quando você encontrar este ponto, estará
automaticamente sintonizado com a energia cósmica ou com a energia
telúrica. É a vantagem da RADIESTESIA FÍSICA. Não precisa mentalizar
nada, nem fazer perguntas. No PONTO ZERO, quando o pêndulo gira
positivo (horário) estará indicando que existe ali ENERGIA CÓSMICA.
Quando gira negativo (anti-horário) indicará que ali há ENERGIA
TELÚRICA.
Você irá aprender mais adiante outras noções a respeito de
energia cósmica e energia telúrica. Por enquanto basta encontrar o
PONTO ZERO. Há alunos que sentem grande dificuldade em achar o PONTO
ZERO. Devo dizer que nem sempre isso se consegue na primeira
tentativa. Depende de cada um. Há alunos que no primeiro dia
conseguem e há os que demoram algumas semanas. Não desanime nunca. A
Radiestesia exige muitas vezes paciência e humildade, treino,
exercitação e persistência. Vale a pena treinar. Os resultados serão
fantásticos futuramente.
Ao longo do fio do pêndulo, mais ou menos a cada centímetro,
nos sintonizamos com as freqüências das cores (VER FIGURA 7 - PÁGINA
35). Isso quer dizer que, conforme você for deslizando o pêndulo
terá a possibilidade de identificar as freqüências cromáticas das
cores visíveis e invisíveis.
Temos duas maneiras fáceis para encontrar o PONTO ZERO. Usando
um gráfico chamado CAMPO DEFORMA ARTIFICIAL ou usando uma PIRÂMIDE
com padrão QUÉOPS. Escolha qualquer maneira e use a outra para tirar
a prova.

CAMPO DE FORMA ARTIFICIAL

Analise a figura 8 (PÁGINA 35). Um círculo grande no centro, uma


bolinha cheia acima e outra vazada em baixo. Todas as vezes que você
encontrar estas duas bolinhas, uma cheia e outra vazia, estará diante
de um CAMPO ARTIFICIAL, isto é, a bolinha cheia representará
artificialmente o NORTE MAGNÉTICO e a bolinha vazia O SUL. Você não
precisará usar a bússola. Com o NORTE ARTIFICIAL poderá trabalhar em
qualquer posição e terá sempre o NORTE à sua frente, bastando
posicionar o gráfico com a bolinha preta para o lado de cima.
Com este CAMPO ARTIFICIAL DEFORMA vamos agora usar o Pêndulo e
encontrar o PONTO ZERO. Coloque o pêndulo no centro do grande círculo
e vá suavemente deslizando o fio ou a correntinha.
O gráfico deve estar sem nada dentro. Somente o pêndulo. Não
segure o pêndulo muito afastado do gráfico. Vá deslizando o fio bem
devagar. Comece próximo ao ponteiro do pêndulo na sintonia do
VERMELHO em direção ao VIOLETA.
Mais ou menos a 11 centímetros, na altura do V+ (VER FIGURA 9 -
PÁGINA 35), o pêndulo começará a se movimentar no sentido Transversal
ou Horizontal, cortando ao meio o círculo maior (VER FIGURA 10 -
PÁGINA 35). Quando ele fizer isso, você terá encontrado o PONTO ZERO.
Repita várias vezes antes de fazer uma marca
neste ponto do pêndulo. Você estará sintonizado com o VERDE POSITIVO,
o local do pêndulo por onde passam TODAS AS FREQÜÊNCIAS.

TESTANDO COM A PIRÂMIDE DE QUÉOPS

(Você poderá fazer uma réplica da PIRÂMIDE DE QUÉOPS. Siga as


instruções da PÁGINA 14 e da FIGURA 25 - PÁGINA 37).
Para confirmar, use agora a segunda maneira: Pegue uma pirâmide
que tenha as proporções da PIRÂMIDE DE QUÉOPS, isto é, os mesmos
ângulos, uma réplica a mais perfeita possível. Pode ser qualquer
pirâmide: DE PAPEL CARTÃO, DE MADEIRA, DE METAL OU DE CRISTAL.
Coloque a pirâmide na posição NORTE-SUL (VER FIGURA 11 - PÁGINA
35). Deslize agora o pêndulo sobre o ápice da pirâmide posicionada.
No PONTO ZERO o pêndulo deverá girar POSITIVAMENTE ou no SENTIDO
HORÁRIO (VER FIGURA 12 - PÁGINA 35). Não confunda: NO CAMPO DE FORMA
ARTIFICIAL,, O Pêndulo CORTA HORIZONTALMENTE NO PONTO ZERO. NA
PIRÂMIDE, PORÉM, ELE DEVERÁ GIRAR NO SENTIDO HORÁRIO.

Quando você tiver encontrado o PONTO ZERO, estará pronto para


praticar nosso método. Isso, porém, não é tão importante e
imprescindível. Há alunos que encontram outros pontos sensíveis e
trabalham bem com eles. Na verdade, devo esclarecer que todos nós
temos, além do PONTO ZERO, um outro ponto mais sensível, que é a
sintonia com NOSSA COR PESSOAL. Você irá estudar isso em outro
estágio mais avançado. Se porventura você não conseguir de maneira
alguma encontrar o PONTO ZERO, não fique desanimado. Seu ponto
sensível sempre será suficiente para nosso trabalho.

O CAMPO DE FORMA ARTIFICIAL não é um gráfico que EMITE ENERGIA,


isto é, não é um GRÁFICO RADIÔNICO. É apenas um GRÁFICO DE
RADIESTESIA, de medição. Mais adiante iremos usá-lo para muitas
outras coisas, principalmente para avaliar nossos trabalhos ou medir
tudo aquilo que precisamos.

TESTE SUA SENSIBILIDADE

Uma vez achado o PONTO ZERO ou o seu PONTO MAIS SENSÍVEL, faça
alguns testes para saber o grau da sua sensibilidade. Sugerimos
alguns testes a seguir, mas você poderá inventar outros:
1- Coloque água num copo e molhe nela a ponta do pêndulo.
Suspenda o pêndulo mais ou menos 5 cm do copo, segurando-o pelo PONTO
ZERO. Ele girará POSITIVO (VER FIGURA 13 PÁGINA 36).
2- Segure o pêndulo, da mesma maneira anterior, acima de uma
lâmpada ou lanterna acesa e ele girará no SENTIDO HORÁRIO. Se apagar
a lâmpada o pêndulo PARARÁ (VER FIGURA 14 - PÁGINA 36).
3- Segure o pêndulo acima de cada um dos desenhos da FIGURA 15
(PÁGINA 36). Não force nem induza nenhum movimento. Tem que ser
espontâneo. O pêndulo deverá seguir os movimentos da respectiva
figura. Viu como é fácil? Tenho certeza de que conseguiu alguma
coisa. Sem dúvida você tem sensibilidade. Basta começar a treinar.
MOVIMENTOS DO PÊNDULO

O PÊNDULO PODE FAZER UM DOS QUATRO MOVIMENTOS:

A) Girar no sentido HORÁRIO : (VER FIGURA 16 - PÁGINA 36). Significa


movimento POSITIVO, SINTONIA. Significa SIM na resposta a uma
pergunta.

B) Girar em sentido ANTI-HORÁRIO : (VER FIGURA 17 - PÁGINA 36).


Significa movimento NEGATIVO, FALTA DE SINTONIA. Significa NÃO na
resposta a uma pergunta.

C) ELIPSES SIGNIFICAM MUDANÇAS DE MOVIMENTO OU PERGUNTAS MAL


FORMULADAS. (VER FIGURA 18 - PÁGINA 36).

D) Movimentos de VAI-E-VEM significam SINTONIA QUANDO LIGAM DOIS


OBJETOS OU DUAS PESSOAS. E significam FALTA DE SINTONIA QUANDO
CORTAM DOIS OBJETOS OU DUAS PESSOAS. Eles podem ser movimentos
VERTICAIS OU HORIZONTAIS DE VAI-E-VEM. A interpretação depende do
local onde colocamos os objetos ou pessoas. (VER FIGURA 19 -
PÁGINA 36).

O pêndulo poderá ainda determinar o grau de FALTA DE SINTONIA


quando o corte for INCLINADO (VER FIGURA 20 - PÁGINA 36). Isso pode
significar que a FALTA DE SINTONIA NÃO É TOTAL, MAS PARCIAL.
Para reforçar a prática da RADIESTESIA MENTAL, principalmente
quando estiver fazendo perguntas e exigindo respostas, faça o
seguinte treino: (VER FIGURA 21 - PÁGINA 37).
Coloque o pêndulo sobre o primeiro círculo e deixe que siga a
direção da seta. Quando estiver girando Á DIREITA, NO SENTIDO
HORÁRIO, repita mentalmente: "SEMPRE QUE A RESPOSTA FOR AFIRMATIVA,
O PÊNDULO IRÁ FAZER ESTE MOVIMENTO NO SENTIDO HORÁRIO".
Em seguida segure o pêndulo acima do segundo círculo (VER
FIGURA 22 - PÁGINA 37) e quando girar Á ESQUERDA, NO SENTIDO ANTI-
HORÁRIO, repita mentalmente: "SEMPRE QUE A RESPOSTA FOR NEGATIVA, O
PÊNDULO IRÁ FAZER ESTE MOVIMENTO EM SENTIDO ANTI-HORÁRIO".

Da mesma forma trabalhe em cima das linhas. Segure o pêndulo


acima da linha da FIGURA 23 (PÁGINA 37) e quando ele estiver fazendo
o MOVIMENTO DE LIGAÇÃO, repita mentalmente: "SEMPRE QUE A RESPOSTA
FOR SINTONIA, O PÊNDULO ESTARÁ FAZENDO ESTE MOVIMENTO DE LIGAÇÃO".
Finalmente coloque o pêndulo acima da linha que corta os objetos
(VER FIGURA 24 - PÁGINA 37) e quando estiver fazendo o MOVIMENTO DE
CORTAR, repita mentalmente: "SEMPRE QUE A RESPOSTA FOR FALTA DE
SINTONIA, O PÊNDULO ESTARÁ SE MOVIMENTANDO ASSIM".
Repita este exercício por uma semana ou até sentir que já está
bem condicionado. Treine sempre. O começo é difícil, mas muito
importante. Todo o seu trabalho futuro estará dependendo da sua
vontade de exercitar agora, no começo. Por isso não desanime nunca.
COMO FAZER UM RÉPLICA DA PIRÂMIDE DE QUÉOPS

Ao desenhar o modelo da FIGURA 25 (PÁGINA 37), aplique sempre a


FORMULA SIMPLIFICADA: ARESTA LATERAL X 1,0537 BASE.

Faça uma circunferência com o compasso. Trace o raio. Meça o


raio e sua medida corresponderá à ARESTA LATERAL (OU A PARTE
INCLINADA DA PIRÂMIDE). Agora, para achar o valor da BASE, use a
fórmula acima, multiplicando o VALOR DA ARESTA POR 1,0537. Você
encontrará a medida da BASE DA PIRÂMIDE. Aproxime os valores
encontrados para valores de meio em meio centímetro. Marque a medida
da base ao redor da circunferência e una os pontos com traços. Deixe
uma aba para colar. Recorte a base. Agora basta vincar, dobrar e
fazer a colagem. Se fizer com papel-cartão, faça o desenho no lado
que não tem cor. Depois de montar e colar a pirâmide, a cor ficará
para o lado de fora. Estará pronta para ser posicionada com uma
bússola, conforme a FIGURA 11 (PÁGINA 35).
Com a pirâmide na posição correta, você poderá fazer a regulagem
do PONTO ZERO, bem como usá-la para futuras experiências.

EXERCÍCIOS PARA DESENVOLVER A SENSIBILIDADE RADIESTÉSICA

ALGUNS EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE RADIESTESIA:

A) PARA DESENVOLVER O TATO

Você irá usar muito os dedos, pois eles é que seguram o pêndulo.
Para desenvolver a sensibilidade do tato, assim como os cegos o fazem
por necessidade, faça treinamento com objetos, moedas, tecidos,
madeira, etc. Recorte todos com o mesmo tamanho para que a forma seja
igual. De olhos fechados, tente reconhecer cada um pela diferença da
cor, da textura, da espessura, de temperatura (frio ou calor), da
porosidade, etc. Com o treino, perceberá que o tato é um sentido que
usamos pouco, mas que, com treino nos fornecem muitas informações.

B) EXERCÍCIOS COM CARTÕES

Com cartolina branca, faça vinte cartões iguais. Separe dez e


escreva neles a palavra SIM. Nos outros dez escreva a palavra NÃO.
Depois coloque-os todos sobre uma mesa com as LETRAS PARA CIMA. Com o
pêndulo no PONTO ZERO passe-o sobre os cartões livremente. Sobre as
palavras SIM o pêndulo GIRARÁ EM SENTIDO HORÁRIO e sobre as palavras
NÃO GIRARA EM SENTIDO ANT. HORÁRIO. Se isso não acontecer, reforce a
convenção mental, até conseguir.
Quando conseguir isso, vire todos os cartões com as letras para
baixo, misturando-os. Passe novamente o pêndulo sobre cada um deles e
tente descobrir os "SIM' e os "NÃO" somente pelo movimento do
pêndulo. Mais de 50% de acertos significará já uma recompensa por sua
sensibilidade. Treine.
Para exercitar movimentos de LIGAÇÃO ou CORTE, coloque um cartão
com a palavra SIM e outro com a palavra NÃO virados para cima. Entre
eles, um pouco abaixo, coloque virados para baixe um a um dos demais
cartões, misturando-os antes, para não saber se indicam SIM ou NÃO
(VER FIGURA 26 - PÁGINA 37). Se o pêndulo ligar o cartão encoberto
com o cartão "SIM' é porque o cartão encoberto tem a palavra SIM. Se
o pêndulo ligar o cartão encoberto com o cartão "NÃO", é sinal que o
encoberto tem a palavra NÃO. Antes de desvirar os cartões, vá
colocando o que seu pêndulo acha que é o "SIM" para um lado e o que
acha que é um "NÃO" para outro. No final, confira os Acertos e os
Erros. Acertar 60% é um resultado satisfatório.

CAMPO DE FORMA ARTIFICIAL COM TESTEMUNHO

O CAMPO DEFORMA ARTIFICIAL é um gráfico de Radiestesia e, com


ele podemos medir muitas coisas. Colocando um testemunho dentro
dele, e perguntando "Como está a energia do testemunho", podemos
obter a porcentagem exata daquilo que queremos saber.
Podemos, assim, verificar o estado de uma pessoa, de um órgão,
a afinidade entre duas pessoas, entre uma pessoa e um remédio, uma
pessoa e um alimento, etc.
Para interpretar o que o pêndulo quer dizer, basta olhar a
FIGURA 27 - PÁGINA 38.
Colocamos o pêndulo sobre o círculo maior e fazemos a pergunta
POR ESCRITO num papelzinho. Colocar o papelzinho sobre o testemunho.
Se o pêndulo se movimentar verticalmente (VER FIGURA 27 A - PÁGINA
38) quer dizer ÓTIMO, SIM, SINTONIA. Se o pêndulo cortar
horizontalmente, (VER FIGURA 27 B - PÁGINA 38) quer dizer PÉSSIMO,
NÃO, SEM SINTONIA. Uma angulação do pêndulo intermediária (VER
FIGURA 27 C - PÁGINA 38) indica uma porcentagem entre o ÓTIMO E O
PÉSSIMO. Pode ser REGULAR mais para BOM ou mais para RUIM.

Quando você quiser saber se um remédio, um alimento ou uma


outra pessoa está em sintonia ou dissintonia com o testemunho, basta
colocar os dois testemunhos um em cima do outro e igual-mente fazer
POR ESCRITO a pergunta, num papelzinho: "Este remédio é indicado
para esta pessoa para o caso presente ?" ou perguntas semelhantes. A
interpretação é a mesma da anterior, Movimento VERTICAL quer dizer
SINTONIA. Movimento HORIZONTAL quer dizer FALTA DE SINTONIA.
Movimento INTERMEDIÁRIO quer dizer REGULAR. Para alguns alunos o
pêndulo poderá girar no SENTIDO HORÁRIO para significar SINTONIA e
no SENTIDO ANTI-HORÁRIO para significar DISSINTONIA. Isso é um
aspecto individual da sensibilidade ou do condicionamento do
subconsciente. Também funciona.

Ao tratar uma pessoa com Radiônica, o CAMPO DE FORMA ARTIFICIAL


pode ser um ótimo instrumento de medição para se acompanhar a
evolução do tratamento. Mesmo à distância, o Radiestesista sabe como
anda o tratamento, se a pessoa está melhorando ou não e em que
porcentagem.
OUTROS INSTRUMENTOS DE READIESTESIA

O Dual Rod

Formado por duas hastes, o DUAL ROD) serve para medir muitas
espécies de energia: ENERGIA CÓSMICA, ENERGIA TELÚRICA, ENERGIAS DOS
CHAKRAS, ENERGIAS INTRUSAS, Etc.
Deve-se segurar as duas varetas paralelamente na horizontal,
sem pressionar muito os dedos. Treinar bastante andando com as duas
varetas equilibradas, sem erguer ou abaixar demasiadamente as mãos.
Somente quando se adquirir a prática desse exercício é que se pode
começar a medir energias. No começo muitos alunos acham que não
conseguem sentir nada. Só com o tempo pessoas menos sensíveis
conseguem captar as vibrações. Mas todos conseguem um dia. Por isso,
não se pode desanimar.
No corpo humano, o único lugar onde o Dual Rod CRUZA as
varetas indicando EQUILÍBRIO é no alto da cabeça, no coronário. Nas
demais medições o ato de CRUZAR indicará sempre desequilíbrio ou
energia negativa. Resumindo então, podemos dizer: Quando o Dual Rod
abre no alto da cabeça indica que por ali não está entrando a
energia cósmica.. Então mediremos ao redor da cabeça. Se cruzar na
testa, indicará que a energia está entrando por ai e isso significa
que a pessoa está "pensando demais", está preocupada. Quando cruzar
na nuca, significará que a pessoa está com tensão emocional. Cruzar
na testa e na nuca ao mesmo tempo indica já uma depressão, insônia.
Cruzando na têmpora ou lateral direita, significa irritabilidade.
Cruzando na têmpora esquerda indica distúrbio de personalidade e
tendência à violência. Quando o Dual Rod cruzar no corpo na direção
dos demais Chakras, indica que o Chakra está desregulado e ali há
problemas energéticos e até físicos.

Usamos ainda o Dual Rod para achar veios de água subterrânea e


abrir poços. Ao medir o local, ele CRUZA as varetas. Do mesmo modo
medimos as energias telúricas debaixo das camas.
A energia telúrica é altamente negativa para o ser humano.
Veremos isso mais adiante.
Interessante observar que nos cantos dos aposentos se acumula
muitas vezes uma energia diferente, possivelmente energia intrusa
vinda do emocional das pessoas que ali vivem ou viveram.
Nesses cantos o Dual Rod CRUZA as varetas. Nos demais cantos
ele ABRE. Dessa mesma maneira devemos medir os objetos antigos, os
quadros, imagens e adornos. Vale, pois, a pena treinar para
trabalhar com esse valioso instrumento. Infelizmente, nem todos se
adaptam com ele.
Aurímetro ou Aurameter
VERNE CAMERON foi considerado um dos maiores Radiestesistas dos
Estados Unidos. Foi ele quem desenvolveu o aurímetro, um dos
instrumentos mais perfeitos e sensíveis que se conhece. Muitas
pessoas não dão importância ao aurímetro porque o manuseio do mesmo
requer paciência, tempo, treino e um desejo honesto para aprender
alguma coisa. Todos os que desejam trabalhar com o aurímetro
deveriam primeiramente desenvolver a sensibilidade com o pêndulo.
Isso tornaria mais fácil o manuseio do aurímetro. Para tanto, não há
necessidade de nenhuma paranormalidade. Todos aprendem. Uns mais
rápido e outros mais lentamente exigindo, portanto, paciência e
perseverança.

O aurímetro é um aparelho de radiestesia que nos proporciona


inúmeras utilidades. Podemos com ele identificar a existência de
vários tipos de energias, suas dimensões quantitativas e
qualitativas, localizar a existência de água no subsolo, energias
cósmicas, energias telúricas, energias dos objetos, energias
mentais, energias das formas geométricas, energias benéficas,
energias nocivas, e principalmente localizar os fluxos das energias
da aura nos seres humanos, medir o tamanho da aura, saber se a aura
está equilibrada ou não, e diagnosticar sintomas doentios dentro da
aura. Estas medições estão sempre dependentes do grau de
desenvolvimento da sensibilidade do Radiestesista.

Praticamente, o aurímetro deverá estar equilibrado entre os


dedos da mão direita, preso levemente pelos dedos médio e indicador
e pelo polegar, da seguinte maneira: Os dedos médio e indicador
ficam na parte inferior do cabo. O polegar fica na parte superior.
O aurímetro deve permanecer nas mãos horizontalmente, sem estar
muito para baixo nem muito para cima, para que o ponteiro que está
fixado na espiral flexível possa se tornar bem sensível.
Não se deve, pois, segurá-lo com muita força e pressão dos
dedos, nem deixar que ele vire para a direita ou para a esquerda,
perdendo o equilíbrio. O ato de manipular o aurímetro, movimentando-
o equilibradamente exige um bom treino e paciência.
O principiante geralmente não consegue bons resultados,
principalmente porque fica preocupado com o ato de segurar
corretamente o aurímetro. Quando a pessoa for capaz de movimentar
com mais segurança, sem se preocupar com o aparelho, estará apta
para fazer as medições com maiores possibilidades de êxito. Isso
exige treino.
Um bom exercício é levar o aparelho horizontalmente em direção
ao corpo de uma pessoa, bem devagar. Quando o aurímetro encontra um
campo bioenergético da pessoa, automaticamente começa a retroceder.
A energia da pessoa repele o aparelho sensivelmente. Assim se mede a
extensão da energia da aura da pessoa.
Para encontrar pontos vulneráveis e fracos na aura, deve-se
fazer um rastreamento, isto é, ir passando lentamente o aurímetro
bem próximo do corpo da pessoa, mais ou menos a uns 3 ou 5 cms. Tem
que ser bem devagar e repetir quando houver dúvidas. Nos pontos do
corpo onde a energia é fraca ou inexistente, o aurímetro toca
fisicamente o corpo. Onde a energia é forte, o aurímetro é
repelido para além dos 5 cms. Nestes pontos fracos, com certeza, a
pessoa deve sentir dor ou problemas físicos.
E, (isso é admirável) se a pessoa ainda não sente nenhum
problema, com certeza futuramente irá sentir!
O aurímetro localiza as polaridades: Sobre polaridades
positivas, o aparelho faz movimentos verticais. Sobre polaridades
negativas, o movimento é horizontal. Para testar, basta colocar o
aurímetro sobre a palma da mão de um homem e depois sobre a palma da
mão de uma mulher.
Com o aurímetro pode-se fazer inúmeras pesquisas de ordem mais
mental. Pode-se usá-lo para encontrar água, minérios e até pessoas
perdidas.
Isso, porém, exige mais treinamento e técnicas de rastreamento
através de mapas.

POR CURIOSIDADE, FAZER O SEGUINTE EXPERIMENTO:

Equilibrar o aurímetro em frente de uma pessoa que tenha algum


negócio ainda indeciso e não sabe qual caminho seguir ou não tenha
uma decisão final. Faça a pessoa segurar levemente o ponteiro do
aurímetro e diga à pessoa para fazer mentalmente a pergunta: "Devo
tomar esta decisão"? Ao soltar o ponteiro este não deverá oscilar.
Neste momento, pergunte em voz alta SIM ou NÃO se a resposta deva ser
SI« o aurímetro se movimentará VERTICALMENTE e se a resposta deva ser
NÃO o AURÍMETRO se movimentará HORIZONTALMENTE.

Toda a vez que se usa o aurímetro com uma pessoa, coisa, animal,
planta, etc, deve-se descarregar sua energia remanescente. O mesmo se
faz com o pêndulo. Para se descarregar, basta tocar o aparelho no
chão ou na parede. Isso é para evitar uma mistura de diversas
energias, o que pode dificultar a experiência.
Pêndulos Especiais
Saiba que todo Radiestesista possui diversos instrumentos de
trabalho, muitas vezes inteiramente pessoais. Apenas para ilustração,
é bom saber que, em outra etapas, você conhecerá outros tipos de
pêndulos específicos que servirão para ajudar nas pesquisas
radiestésicas. Assim:

PÊNDULO CROMÁTICO - COM ELE O OPERADOR PODERÁ FACILMENTE


TRABALHAR COM AS CORES, DESCOBRIR A COR PESSOAL, ETC.

PÊNDULO EGÍPCIO - UM PÊNDULO QUE NUNCA FICA IMPREGNADO E QUE,


DEVIDO AO SEU FORMATO, PODE EMITIR ENERGIAS, POIS FACILMENTE SE
SINTONIZA COM A MENTE DO OPERADOR.

PÊNDULO ELETROMAGNÉTICO - ONDE PODEREMOS DESCOBRIR AS FASES


ELÉTRICAS OU MAGNÉTICAS DE CADA VIBRAÇÃO CROMÁTICA.

BASTÃO ATLANTE - UM INSTRUMENTO QUE TRABALHA COM A ENERGIA DE UM


CRISTAL MAGNETIZADO.
FORQUILHAS OU MOLAS - GERALMENTE USADOS POR RADIESTESISTAS QUE
TRABALHAM NA BUSCA DE VEIOS DE ÁGUA OU DE MINÉRIOS NO SUBSOLO.

PÊNDULO UNIVERSAL - QUE LOCALIZA NUMA ESFERA QUALQUER COR E


CONSEGUE TRABALHAR COMO EMISSOR E RECEPTOR.

PÊNDULOS COM TESTEMUNHO - SÃO PÊNDULOS OCOS ONDE SE COLOCA UM


TESTEMUNHO DO QUE SE QUER EXAMINAR OU ENCONTRAR. PODEMOS DISPENSÁ-LOS
QUANDO USAMOS O PÊNDULO COMUM E O TESTEMUNHO NA MÃO ESQUERDA OU JUNTO
COM O PÊNDULO. HÁ, PORÉM, RADIESTESISTAS QUE PREFEREM OS PÊNDULOS
OCOS. CADA UM ESCOLHE AQUELE COM O QUAL MAIS SE SINTONIZA.

APARELHOS ELETRÔNICOS - EXISTEM MUITAS CAIXAS RADIÔNICAS QUE


SERVEM PARA MÚLTIPLOS FINS. NESSE CURSO NÃO IREMOS TRABALHAR COM ELAS
POR ENQUANTO.

CONSELHOS PARA A PRÁTICA DA RADIESTESIA

1- Treinar todos os dias durante 15 minutos, não mais que isso,


para não se cansar. Use 5 minutos para um relaxamento e 10 para
trabalhar .com o Pêndulo. Após um mês de treinamento, poderá aumentar
o tempo.

2- Se possível, treine no mesmo horário e local. Isso ajuda a


condicionar o SUBCONSCIENTE.

3- Tirar todos os metais do corpo e da mesa onde trabalha.

4- Os pés devem estar apoiados no chão; NÃO CRUZAR OS PÉS E AS


MÃOS.

5- Exercitar sempre SOZINHO até adquirir confiança.

6- Não usar CALMANTES. SE TIVER TENSÃO, FAÇA RELAXAMENTO ANTES.


Faça aquele exercício de ABRIR AS MÃOS DEVAGARZINHO. É ótimo para
concentração.

7- Comece sempre ESFREGANDO AS MÃOS PARA MELHOR POLARIZÁ-LAS.


8- Procure ficar NEUTRO. Sei que isso é difícil no início.
Procure estar atento para não influenciar o Pêndulo. Você conseguirá
com o tempo.

9- Ser PACIENTE e PERSISTENTE. A RADIESTESIA FUNCIONA PARA QUEM


TREINA BASTANTE E NÃO DESANIMA NUNCA.

10- Não começar praticando coisas muito SÉRIAS E


COMPROMETEDORAS. Procure aquilo QUE PODE SER COMPROVADO NA HORA, para
adquirir confiança.

11- NÃO SE TORNAR FANÁTICO; Seja sincero consigo e com os


resultados.
12 - Sempre que possível, posicione-se de frente para o
NORTE. É claro que diante de um gráfico que tenha CAMPO DE FORMA
ARTIFICIAL qualquer posição serve.

13- Não pratique em tempo de Tormenta ou mudança brusca


Atmosférica.

14- Regular bem o Pêndulo no PONTO ZERO ou com aquilo que


queremos saber. Segurar o Pêndulo suavemente, porém com firmeza.

15- Sempre que possível, usar um TESTEMUNHO.

16- Cuidado com a REMANÊNCIA ou a IMPREGNAÇÃO.

17- A mão esquerda aberta ou apontando algo é usada como


ANTENA. Quando não a estiver usando, o melhor é tê-la FECHADA.

18- Às vezes o Pêndulo NÃO SE MOVIMENTA. É sinal de TENSÃO,


CANSAÇO ou MUDANÇA ATMOSFÉRICA. Nestes casos, o melhor é não treinar
no momento.

19- Tenha um MÉTODO e organize seus gráficos, tabelas e


medições. Tenha um fichário para anotações importantes.

20- Seja PRUDENTE. NÃO SUSPENDA TRATAMENTOS MÉDICOS. Use a


Radiestesia e a Radiônica como AUXILIAR DOS TRATAMENTOS.

21- Use a Radiônica em PRIMEIRO LUGAR PARA VOCÊ MESMO, DEPOIS


PARA OS OUTROS.

Observação importante: Às vezes você poderá cometer erros ou


se enganar na maneira de Conduzir seu trabalho radiônico. Para
não ficar com sensação de culpa, repita vinte ou trinta vezes esta
frase:

"DESEJO SOMENTE O BEM. PORTANTO, TODA VEZ QUE, POR QUALQUER


MOTIM EU ME ENGANAR NO TRABALHO RADIÔNICO, O APARELHO NÃO
FUNCIONARÁ."

Assim você trabalhará sempre tranqüilo. Saberá que, ao cometer


erros e equívocos, o máximo que pode acontecer é que a Radiônica
ficará sem efeito. Basta repetir vinte ou trinta vezes a frase acima
e seu computador mental estará programado para sempre.
RADIÔNICA
RADIÔNICA
A Radiônica é o sistema pelo qual modificamos qualquer
realidade, colocando-a de novo em equilíbrio completo. Pela Radiônica
podemos modificar a freqüência dos objetos.
A Radiônica é, pois, a emissão de energia, normalmente à
distância, através da mente e de aparelhos radiônicos geradores de
energia. O aparelho materializará a energia que queremos enviar para
determinada pessoa, energizando seu campo áurico.

Na Radiônica usamos

1) TESTEMUNHO: Foto, fio de cabelo ou nome com data de


nascimento, endereço.
2) INSTRUMENTO ou APARELHO RADIÔNICO: É o que faz a ligação
com o testemunho, emitindo, amplificando ou direcionando a energia.
3) OBJETIVO: Aquilo que realmente queremos alterar ou
energizar.
4) REMÉDIO RADIÔNICO: Em Radiônica entendemos como REMÉDIO
qualquer freqüência vibratória. Assim, tudo pode ser um REMÉDIO
RADIÔNICO, como uma planta, uma cor, um mineral, uma pedra, um som e,
naturalmente os próprios remédios homeopáticos ou alopáticos.

O TESTEMUNHO - A Radiônica é um trabalho fascinante porque pode


ser realizado à distância. Para isso, precisamos de um TESTEMUNHO da
pessoa ou do objeto a ser tratado. Normalmente usamos como testemunho
a foto da pessoa, se possível não muito antiga. Um ótimo testemunho
pode ser ainda um fio de cabelo, pois é uma parte do próprio corpo.
Na falta de ambos, podemos usar o nome escrito da pessoa junto
com a data de nascimento e endereço. Quando não conhecemos a pessoa,
é importante potencializar o nome no decágono. Veremos como fazer
mais adiante.

INSTRUMENTO OU APARELHO RADIÔNICO - Os instrumentos que usamos


em Radiônica são muito simples. Normalmente são gráficos, formas
geométricas ou mesmo aparelhos eletrônicos simples e descomplicados.
Iremos trabalhar com a energia de múltiplas formas: decágono,
hexágono, losango, turbilhão, círculos, triângulos, pirâmides,
semi-esferas, espiral, etc. Cada forma canaliza um tipo de energia.

OBJETIVO - Aquilo que queremos atingir se chama OBJETIVO.


Muitas vezes a Radiônica não funciona direito porque não sabemos
muito bem o que queremos. Sabemos mais ou menos. Acontece que "mais
ou menos" não funciona em Radiônica. Precisamos saber exatamente, com
detalhes, com pormenores, com objetividade. Por isso se chama
OBJETIVO.
Em nosso método, devemos nos acostumar a ESCREVER sempre nossos
objetivos em pequenos pedaços de papel, bem como o TEMPO
em que os gráficos ficarão funcionando. Não basta mentalizar. Neste
primeiro estágio, faz parte da metodologia ESCREVER. Isso tem
sentido. Quando escrevemos, estamos de qualquer forma materializando
nossos pensamentos.

REMÉDIO RADIÔNICO - No início, os alunos estranham muito o


conceito de remédio radiônico. Depois se acostumam. Em radiônica,
remédio não é somente o que compramos em farmácia. Trabalhando com a
energia, é claro que podemos nos aproveitar de tudo o que tem
energia. Acontece que todas as coisas têm energia, pois tudo vibra.
Assim, usaremos de tudo o que for possível para reforçar nossos
objetivos. Os remédios radiônicos podem ser a vibração das cores,
das pedras, das plantas, dos sons, dos perfumes, da argila, da água,
dos minerais, etc.,etc. Sempre usaremos os remédios radiônicos como
reforços. Saiba que, sem eles podemos conseguir resultados também,
pois o equilíbrio vem das formas e da nossa energia mental que tudo
comanda. (VER FIGURA 28 - PÁGINA 38).

MARCAÇÃO DE TEMPO

Pela radiestesia podemos facilmente determinar o tempo exato


em que um gráfico deve ficar funcionando ou emitindo energia.
Devemos sempre marcar o tempo, usando o gráfico próprio para
isso.(VER FIGURA 29 - PÁGINA 39).
Determinado o tempo, escreveremos num pedaço de papel sempre
dessa maneira: "Até hora tal". Por exemplo, se às 10 horas você
perguntar ao Pêndulo quanto tempo deverá deixar o gráfico armado e o
Pêndulo responder que deve ser durante 15 minutos, você escreverá no
papelzinho: "Até 10:15 hs ". Saiba que exatamente às 10:15 o
aparelho automaticamente se desligará e você não precisa se
preocupar mais. Uma vez marcado o tempo, o papelzinho é colocado
fora do gráfico.
Você poderá, ainda, antes de trabalhar com a Radiônica
perguntar ao pêndulo qual o melhor horário. Para isso, use o gráfico
da FIGURA 30 (PÁGINA 39). Em geral, damos a seguinte orientação:
Durante a noite, isto é, desde e hora em que o sol se põe até
o alvorecer, não é preciso marcar tempo. Poderá deixar o gráfico
armado a noite toda. Mas durante o dia é muito importante marcar o
tempo exato de exposição, pois e energia do dia é diferente.
Resumindo, todo o trabalho radiônico geralmente comporta estas
fases:
1- Colocar o gráfico na posição correta, quando for o caso.
2- Escrever o objetivo num papel e colocá-lo dentro do
gráfico.
3- Colocar o testemunho em cima ou embaixo do objetivo.
4- Colocar sobre os dois um remédio radiônico para reforço.
5- Marcar o tempo exato durante o dia. A noite, marcar o tempo
quando achar conveniente.
FERRITE

O ferrite é um material usado em antenas de rádio, cabeçotes de


toca-fitas e memórias de computador. O ferrite tem uma propriedade
muito interessante. Ele parece captar nossas vibrações mentais.
Podemos facilmente nos sintonizar com o ferrite. Ele pode substituir
um remédio radiônico ou até um testemunho. Basta mentalizarmos o que
queremos. Para tanto, colocamos o ferrite no lugar onde ele se torna
um verdadeiro CORINGA e vamos lentamente pivotando ou girando sobre
seu eixo, no sentido horário, mentalizando o que queremos. Quando o
pêndulo girar positivamente, ele já estará sintonizado. Quando você
não tem tempo de pesquisar um remédio radiônico, use o ferrite,
mentalizando qual é o melhor remédio para o presente caso.

MÉTODO DOS SEMI-CÍRCULOS

Há um modo muito prático e simples para você resolver suas


dúvidas quando diversas alternativas se apresentam à sua frente e
você não sabe qual delas seguir.. É o método dos SEMI-CÍRCULOS. Faça
um semi-círculo e coloque nele todas as possíveis alternativas. Tenha
o, cuidado de colocar, como última alternativa, a palavra OUTRO ou
OUTRA. Assim, se o que você pesquisa não se encontra no semi-círculo,
o pêndulo indicará o item OUTRO. Aí você fará um novo semi-círculo e
colocará novas alternativas, até encontrar a alternativa certa.
Na base do semi-círculo você coloca o testemunho e o nome
genérico daquilo que necessita descobrir. Por exemplo, se está
pesquisando uma planta para curar alguém, coloque na base do semi-
círculo a foto da pessoa e a palavra PLANTA. Ao longo da
circunferência você colocará os diversos nomes de plantas. com a
alternativa OUTRO nó final. (VER FIGURAS 28 pág. 38 e 29 pág. 39).
Na primeira etapa sempre é conveniente escrever o que queremos
perguntar. É uma questão de educar o subconsciente. Escreva sempre
seus objetivos para não haver dúvidas. Quando você adquirir certa
prática, isso não será mais necessário. Mas no começo é importante.

MAGNETIZAÇÃO DE APARELHOS RADIÔNICOS

Há um método para você reduzir o tempo em que o aparelho


radiônico permanece "Armado". Chama-se MAGNETIZAÇÃO. Usamos sempre
que desejamos diminuir o tempo, quando temos urgência. É uma espécie
de pronto-socorro radiônico.
Para magnetizar, faça o seguinte: Coloque o pêndulo em cima do
referido gráfico. Imponha propositalmente um movimento giratório no
sentido horário durante aproximadamente um minuto. Você estará
magnetizando e polarizando.
Com esta simples operação o aparelho será magnetizado e
polarizado e o tempo para equilibrar uma disfunção será reduzido
consideravelmente. Após a magnetização, verifique o tempo. Terá
surpresa.
O Decágono
(VER FIGURA 31 - PÁGINA 39).

A primeira forma que vamos conhecer é o Decágono, uma das mais


poderosas formas emissoras de energia. Como diz o nome, o decágono
possui 10 ângulos ou 10 lados e está baseado na forma circular. É bom
saber inicialmente que trabalharemos com formas cujo eixo deverá ser
posicionado na direção norte-sul. Formas circulares, porém, bem como
as extraídas de formas circulares serão colocadas em qualquer posição,
sem ser necessário usar a bússola. Também não necessitamos posicionar
todas as formas que possuem o Campo de Forma Artificial, com as duas
bolinhas (cheia e vazada)
O Radiestesista, entretanto, sempre que não há o campo
artificial, deverá estar voltado para o norte magnético. É melhor.
O Decágono é uma forma maravilhosa e com ele poderemos fazer
múltiplos usos, a saber:

1-LIMPEZA - Usamos o Decágono para purificar e limpar os


testemunhos ou os objetos que possuam energias misturadas, não
próprias. Objetos ficam impregnados de múltiplas energias quando são
manipulados por diversas pessoas. Chamamos a isso de remanência ou
impregnação. Muitas vezes o Radiestesista não consegue se sintonizar
como objeto, com o testemunho, quando a energia dele está impregnada
de outras energias.
Então colocamos o testemunho ou o objeto dentro do Decágono.
Marcamos o tempo de exposição. Geralmente, 5 ou 10 minutos após, o
testemunho já estará limpo e desimpregnado, ficando somente a energia
própria dele. Acostume-se a fazer sempre isso. Use o Decágono para a
primeira Limpeza.

2-POTENCIALIZAÇÃO - Muitas vezes não conseguimos nos sintonizar


com o testemunho porque a energia dele está muito fraca. Um simples
nome da pessoa, que nem conhecemos, escrita num pedaço de papel,
precisa ter sua energia potencializada. Assim também, uma foto muito
antiga. Então colocamos o testemunho dentro do Decágono e, enquanto
ele faz a Limpeza estará ao mesmo tempo aumentando a energia ou
Potencializando a energia daquele testemunho. Acostume-se a colocar,
pois, as fotos ou nomes escritos sempre dentro do Decágono antes de
trabalhar com outros gráficos.

3-FAZER UM REMÉDIO RADIÔNICO - O Decágono tem o poder de


catalizar múltiplas energias a ponto de podermos fazer dentro dele um
verdadeiro remédio radiônico para qualquer coisa. É um processo tão
simples que fica difícil acreditar nos espantosos efeitos e resultados
que temos obtido. Vale a pena experimentar.
Alunos principiantes já conseguem ótimos resultados. Basta
fazer direitinho. Você irá perceber que a Radiônica funciona de fato e
funciona muito rápido.
Antes de mais nada precisa ter um claro objetivo. Você quer
obter exatamente o que? O remédio radiônico é uma energia. Pode servir
para qualquer coisa; Geralmente o fazemos para curas. Mas serve para
outras coisas.
A) Invente o nome do remédio. Todo remédio tem um nome. Invente
um. Pode ser qualquer nome. Pode ser com letras e números, etc.
B) Faça a bula do remédio. Todo o remédio tem uma bula, isto é,
uma maneira de usar, uma posologia. Há necessidade de se prever se é
para tomar e em quantas doses, horário, se é para passar no corpo,
etc, etc.
Você deverá seguir tudo aquilo que colocar na bula. Portanto,
não complique. Faça uma bula inteligente. Lembre-se de que é a sua
mente que está funcionando e a energia curativa vem da sua mente. O
Decágono somente canaliza e amplifica. Há remédios para tomar, há
remédios para pingar, há para massagear, há para aspirar, etc. Analise
qual é o seu caso.
Portanto, no mesmo papelzinho que se escreve o NOME também se
escreve a BULA.
C) Coloque este papelzinho dentro do Decágono para ser
energizado. Pegue o gráfico Marcador de Tempo e marque quanto tempo
deve deixar o papel ai. Uma vez terminado o tempo, o Remédio Radiônico
estará pronto para ser usado.
D) Modo de usar: Se a pessoa está presente, a melhor maneira de
usar é através da água. Então coloque um copo com um pouco de água e
deixe-o em cima do papelzinho energizado dentro do Decágono. Lembre-se
que primeiro deve energizar o papel para transformá-lo em Remédio.
Depois você coloca em cima o copo com água. Marque novamente o tempo
seguindo nosso sistema de marcação. Uma vez terminado o tempo, toda a
energia do papelzinho passou para a água. Você, então, joga o papel
fora e usa somente a água seguindo as instruções da sua bula.
Se a pessoa doente não estiver presente ou, por qualquer outro
motivo, não puder usar o método da água, você poderá transferir a
energia do papelzinho diretamente sobre o testemunho dela. Basta
colocar uma foto ou outro testemunho dela sobre o. papelzinho
energizado, dentro do Decágono e marcar o tempo de exposição. Quando
você prevê o uso somente pelo testemunho, é claro que não será
necessário uma bula. Basta escrever o nome do remédio e acrescentar:
"Remédio perfeito para curar... de ... " indicando a causa do sintoma
e o nome do doente. Exemplo: Se se tratar de uma enxaqueca do Sr.
Renato Silva, escrevo Remédio perfeito para eliminar a causa da
enxaqueca do Sr. Renato Silva."

4-APARELHO EMISSOR RADIÔNICO - (VER FIGURA 31 - PÁGINA 39)


Além dessas propriedades, o Decágono é um ótimo gráfico para
Emitir Energia a fim de ajudar na obtenção de nossos objetivos. Para
tanto, basta fazer a montagem que faremos em todos os demais gráficos
emissores, a saber:

A) Escrevemos num pedaço de papel nosso Objetivo bem claro e


resumido.
B) Colocamos o objetivo dentro do Decágono e, em cima dele, o
Testemunho (foto, nome, cabelo).
C) Colocamos sobre ambos um Remédio Radiônico, conforme
instruções na página 23.
D) Marcamos o tempo num pedaço de papel e o colocamos fora
do Decágono.
__________________________
Observação : Sendo o Decágono um gráfico de limpeza, não podemos colocar dentro dele
mais de um testemunho. É para não misturar energias diferentes, pois assim haveria
impregnações.
CAMPOS SUTIS OU CAMADAS ENERGÉTICAS DO HOMEM

Em Radiônica iremos trabalhar muito com as energias sutis do


homem ou aqueles campos energéticos que estão além do corpo físico.
Sabemos que o homem é uma usina energética e está envolto por várias
freqüências de energia que envolvem, interpenetram e atuam sobre seu
corpo denso.

Estudaremos, pois, algumas noções sobre os Corpos Sutis e, em


seguida, um estudo mais detalhado sobre os Chakras ou Vórtices de
Energia dentro dos Campos Sutis.

O homem possui Sete. Corpos ou Campos de Energia_ Aprender isso


é fundamental para quem trabalha com Radiônica. O homem é um ser
cósmico e não podemos ficar pensando que temos apenas um corpo e uma
alma.. Nosso corpo físico é o mais denso. Embora maravilhoso, é o
mais pobre de todos e o mais passageiro.. É o que recebe, em forma
de doença ou de saúde, o resultado de todos os demais corpos.
Conforme a linha ou escola filosófica, os nomes dos campos mais
refinados ou espiritualizados mudam de nome. Mas todos admitem com
nomes diferentes a mesma conceituação.

Podemos classificar os Sete Corpos da seguinte maneira: (VER


FIGURA 32 - PÁGINA 40).

1 - Corpo Físico

2 - Corpo Etérico ou Duplo Etérico

3 - Corpo Astral ou Emocional

4 - Corpo Mental (Inferior e Superior)

5 - Corpo Causal

6 - Corpo Búdico

7 - Formas Celestiais ou Divinas de Luz.

Em Radiônica iremos trabalhar mais com o Corpo Etérico e seus


Chakras, com o Corpo Astral ou Emocional e o Corpo Mental, além do
Corpo Físico propriamente dito. Os demais corpos fazem parte de um
outro tipo de trabalho de auto-desenvolvimento que cada qual deveria
fazer usando a meditação.
Os Chakras
Os Chakras são verdadeiras usinas transformadoras de energias.
É muito importante que os Chakras estejam bem harmonizados.
Existem muitos Chakras e todos estão no Corpo Etérico embora
existam também nos demais corpos (Astral, Mental) transformadores
energéticos.
Os principais Chakras podem ser assim divididos:
(VER FIGURA 33 - PÁGINA 41).

A) Triângulo Prânico responde pela Vitalidade do organismo:

1-Esplênico localizado nas costas e relacionado ao Baço


2-Sobre-Cardíaco relacionado às glândulas para tireóides
3-Sub-Diafragmático relacionado ao Fígado

B) Triângulo Básico responsável pelo ânimo físico. É ligado à


matéria.

1-Básico relacionado às glândulas Supra Renais


2-Sacro relacionado às glândulas Reprodutoras
3-Plexo Solar relacionado ao Pâncreas e ao Sistema Digestivo.

C) Chakra Cardíaco relacionado à glândula Timo. Controla o


emocional.

D) Triângulo Mental responsável pelos pensamentos e ideais

1-Laríngeo relacionado á Tireóide. Controla a personalidade


2-Frontal relacionado â Hipófise. É o chamado Terceiro Olho
3-Coronário relacionado à Pineal. Faz a integração cósmica

Na verdade, existem muitos outros Chakras ou Pontos Energéticos


no homem. Assim, cada ponto da Acupuntura poderia ser classificado
como um Chakra. Esses acima são os chamados Chakras Maiores ou mais
importantes.
Conhecemos ainda vinte e um Chakras Menores que serão estudados
mais a fundo em cursos avançados. Entretanto, há um ponto
interessante chamado Chakra Umeral, isto é, do ombro. Está localizado
nas costas, próximo ao ombro esquerdo. Se você passar seu braço
direito por baixo do queixo, tente atingir com os dedos um ponto nas
costas onde sua mão direita consegue alcançar. Ai está o Caiar£
Umeral. Muitas vezes esse local é dolorido nas pessoas que acumulam
energias de pequenas e cotidianas mágoas e sacrifícios. É o chakra
que acumula as energias negativas, principalmente daquelas coisas que
precisamos engolir sem reclamar, quase sempre dentro do ambiente
familiar.
Quando o Chakra Umeral está carregado de energia negativa, os
músculos ficam tensos e a pessoa fica encurvada, prejudicando a
coluna.
ENERGIAS BENÉFICAS E ENERGIAS NOCIVAS

Normalmente dizemos que todas as energias são indiferentes, isto


é, nem são benéficas nem maléficas em si mesmas. Assim é a energia do
fogo, por exemplo. Dependendo de como se usa a energia ela se torna
benéfica ou maléfica. Há energias que são maléficas para o homem e
benéficas para certos animais ou plantas.
Para o ser humano, entretanto, sabemos que a Energia Cósmica é
altamente benéfica e certas Energias Telúricas são altamente
maléficas. A Energia Cósmica vem do espaço sideral, do universo, vem
de cima e deveria entrar pelo ápice de nossa cabeça quando estamos
equilibrados. A Energia Telúrica vem do centro da terra, vem dos
lençóis de água subterrâneos ou das cavidades do subsolo ou de
minerais radioativos ou mesmo de matéria orgânica em decomposição no
subsolo. É fundamental para a nossa saúde saber localizar o melhor
lugar para a nossa cama. Se ali existir Energia Telúrica certamente
após alguns meses ficaremos doentes. Nossa energia será
desequilibrada. Teremos problemas sérios. É certo que precisamos da
Energia Telúrica, mas precisamos só uma pequeníssima porcentagem.
Precisamos muito mais de Energia Cósmica. Quando a Telúrica invade a
Cósmica há uma descompensação. Aí o ambiente fica maléfico para o ser
humano.
É uma função muito importante do radiestesista aprender a medir
o local da sua cama e a dos seus familiares e amigos. Muitas pessoas
estão com sérios problemas de saúde, com câncer, com doenças graves,
com desarmonias, simplesmente por estarem expostos a uma Energia
Telúrica.
Para tanto, devemos aconselhar a mudança da posição da cama. Se
não sabemos, porém, medir o local, poderemos mudar a cama para um
lugar pior. Quando não se pode mudar a cama, aconselhamos colocar sob
a cama ou ao lado dela uma pirâmide de cristal na posição norte-sul ou
uma ponta de cristal bruto de pé. Em ambos os casos, porém, o cristal
e a pirâmide deverão ficar expostos à luz solar durante o dia para não
ficarem saturados pela energia telúrica. Há formas que estão sendo
pesquisadas e que condensam muita energia cósmica, como labirintos.
Mas estão ainda sob pesquisa.

OUTRAS ENERGIAS NOCIVAS

Há outras energias que perturbam os ambientes e as pessoas e que


devem merecer nossa atenção quando medimos os aposentos. Normalmente
formas assimétricas condensam energia não muito boa para os seres
humanos. Há energias que se acumulam nos objetos e são projeção de
emoções violentas negativas, como ódio, brigas, violências, dores,
angústias, desesperos, perdas, medos, depressões, etc. Muitos objetos
são adquiridos em leilões e carregam consigo a energia e o apego de
quem os perdeu ou precisou se desfazer deles. Isso pode desequilibrar
os ambientes. Pessoas sensíveis padecem diante da presença dessas
peças, embora muitas sejam obras de arte, imagens, etc.
Há outros objetos que podem ter sido "preparados" para produzir
energia maléfica nos ambientes ou nas pessoas. Existem sentimentos de
inveja, de competição, de vingança, de maldade. Pessoas sensitivas têm
muita força energética tanto para ajudar
quanto para destruir. Precisamos estar atentos. Há, é certo, muita
mistificação e muita enganação. Entretanto, você pode estar certo de
que a feitiçaria existe e funciona.. Ela não deixa de ser um
processo radiônico "às avessas". Enquanto nós empregamos nossa
energia para ajudar, há pessoas que usam da mesma energia para
destruir. É um jogo de força. Vence quem tem mais poder. Não adianta
dizer que acreditamos em Deus, que temos religião e que nada nos
atinge.. Se somos sensitivos e não estamos equilibrados,
harmonizados, nossa aura poderá estar aberta a estas energias.
Estamos a todo o momento em contato com pessoas caridosas, bondosas,
religiosas e que estão completamente fechadas por uma energia que
não é delas e que por isso chamamos de Energia Intrusa Maléfica.
Guarde bem isso. Precisamos, como Radiestesistas e
Radionicistas, estar sempre muito bem protegidos. Você irá aprender
a usar gráficos de proteção. Todavia, aprenda desde já que a melhor
proteção é quando você está Harmonizado Consigo Mesmo e com os
outros, sem ódios, sem mágoas, sem culpas, sem inveja, sem
complexos, sem pensamentos que destroem sua energia e sua fé
interior, no poder maravilhoso que reside dentro de você. No dia em
que nos aceitarmos realmente como pessoas divinas que somos, po-
derosas e perfeitas, quando sentirmos que a vida vale a pena e que
somos felizes por dentro, nesse dia nada poderá nos atingir de mal.
Enquanto isso não acontece, vamos trabalhar com os gráficos de
proteção, pois a Harmonização Completa é uma meta que constantemente
estamos perseguindo. É por esse motivo que, em nosso curso, damos
tanto valor ao trabalho individual de limpeza de pensamentos
negativos destruidores, de auto-conhecimento, de mudança de
filosofia de vida.
Hexágono - Forma Protetora
(VER FIGURA 34 - PÁGINA 41).

Existem desenhos que, pela sua forma, emitem ondas comumente


chamadas de "Ondas de Forma". Algumas são benéficas e outras não.
Este Hexágono conhecido como DESENHO PROTETOR DE "LE BOUCLIER"
surgiu na Bélgica através dos trabalhos dos irmãos SERVRANX. É uma
forma cuja característica principal é a Proteção Contra Influências
Negativas.. Para se proteger, basta colocar o testemunho dentro, no
centro do gráfico, com a cabeça voltada para o norte e o desenho
também direcionado para o norte.
O gráfico poderá servir para várias pessoas ao mesmo tempo,
bastando colocar as fotos, uma sobre a outra, por ordem de idade: Os
mais velhos ficam embaixo.
Seria conveniente escrever num pedacinho de papel o objetivo
assim: "Proteção Contra..." indicando do que se quer proteger. Em
cima do objetivo se colocaria o testemunho.
Normalmente se deve deixar o gráfico ”armado” à noite. Durante
o dia, somente quando o pêndulo marcar o tempo.. Como isso se torna
muitas vezes impraticável devido à correria da vida cotidiana, é
melhor deixar o gráfico sempre montado, com as devidas fotos, e em
um lugar onde o operador possa estar sempre em contato, para enviar,
de vez em quando, sua energia. Lembre-se sempre: Os gráficos ajudam
mas a energia protetora é, na verdade, da nossa mente. Se você armar
este gráfico protetor e se esquecer completamente dele, dificilmente
haverá proteção de fato.
A PIRÂMIDE COMO INSTRUMENTO RADIÔNICO

Tudo o que emite energia é, na verdade, um aparelho radiônico.


Entre eles, a Pirâmide é um aparelho radiônico especial, pois, quando
possui o Padrão Quéops e está alinhada na direção norte-sul, emite
pelo seu ápice um feixe de energia cósmica do verde positivo que se
alinha posteriormente fracionado em doze freqüências cromáticas ao
redor da sua base. A um terço da base, na posição da chamada "Câmara
Do Rei", há a junção de todos os campos de energia. É o local onde
colocamos os objetos de experimentação científica, para pesquisa. O
melhor material para se confeccionar pirâmides é o Cristal de
Quartzo. Mesmo sendo compacta, sem espaço interno, a pirâmide de
cristal irradia uma energia de altíssimo poder de harmonização e
cura.
As pirâmides ocas, principalmente as que possuem somente as
arestas, feitas de latão, cobre, alumínio, madeira, etc., são mais
práticas para a experiência que iremos ensinar agora. Mas, com um
pouco de habilidade, você conseguirá o mesmo efeito nas pirâmides
fechadas e compactas. Você irá aprender agora a extrair da base da
pirâmide a cor que necessitar para seu trabalho radiônico.
Conforme você verá na figura 2, página 34, uma vez posicionada,
a pirâmide de Padrão Quéops apresenta doze freqüências de cores em
sua base, sendo sete cores visíveis e cinco invisíveis, assim
distribuídas:

VERMELHO (Vm) no centro da base oeste


LARANJA (L) ainda na base oeste, próximo ao canto noroeste
AMARELO (Am) na base norte, próximo ao canto noroeste
VERDE POSITIVO (V+) no centro da base norte
AZUL (Az) ainda na base norte, próximo ao canto nordeste
ÍNDIGO (I) na base leste, próximo ao canto nordeste
VIOLETA (Vi) no centro da base leste
ULTRA VIOLETA (U.V.) ainda na base leste, próximo ao canto sudeste
BRANCO (Br) na base sul, próximo ao canto sudeste
VERDE NEGATIVO (V-) no centro da base sul
PRETO (Pr) ainda na base sul, próximo ao canto sudoeste INFRA VERMELHO
(I.V.) na base oeste, próximo ao canto sudoeste.

Você notará que sempre estas cores seguem a mesma ordem. É bom
decorá-las: VERMELHO - LARANJA - AMARELO - VERDE POSITIVO - AZUL -
ÍNDIGO - VIOLETA - ULTRA VIOLETA - BRANCO - VERDE NEGATIVO - PRETO -
INFRA VERMELHO.
Para extrair a cor de uma pirâmide, primeiramente você deverá
perguntar ao pêndulo qual a cor que você necessita para este ou
aquele caso. Para tanto, use o gráfico semicircular das cores (VER
FIGURA 35 - PÁGINA 41). Uma vez achada a cor, você poderá extraí-la
facilmente da pirâmide da seguinte maneira:

A) Coloque uma pirâmide (de preferência vazada) na posição


norte-sul. Esta pirâmide deverá ter um pedacinho de fio fino de cobre
com uma ponta enrolada numa das bases. Sabendo de antemão qual a cor
que deseja, direcione a pirâmide de tal maneira que o fio fique
voltado para a face onde estará a cor.
B) coloque o testemunho preso com um durex na outra ponta do
fio. Se não tiver cobre, pode ser um fio de barbante. Prenda antes
com o durex a própria pirâmide, para Não sair da posição norte-sul.

C) Use o gráfico de sintonia fina para fazer o ajuste perfeito


do exato local onde a freqüência da cor se encontra na pirâmide (VER
FIGURA 36 - PÁGINA 41). Pela sintonia fina você consegue descobrir a
freqüência com exatidão, até mesmo as nuances da cor. Pode ser que o
pêndulo tenha pedido a cor violeta. Na sintonia fina você consegue
descobrir se a cor violeta é mais para o tom de índigo ou mais para
o tom do ultravioleta.
Para usar a sintonia fina, deixe a pirâmide à sua esquerda e o
gráfico de sintonia fina à sua direita. Estenda a mão esquerda como
antena sobre a pirâmide e jogue o pêndulo sobre a sintonia fina. Se
o pêndulo não oscilar sobre a linha central da sintonia fina, vá
fazendo com a mão esquerda os ajustes no fio de cobre, devagar, até
encontrar o local exato da cor. Este local será determinado quando o
pêndulo deslizar em cima da linha vertical da sintonia fina.

D) Uma vez ajustada a cor, marque o tempo num pedaço de papel


conforme nosso método já explicado anteriormente e coloque-o ao lado
da pirâmide.

Ao invés de colocar uma foto na outra ponta do fio, podemos se


for o caso, colocar um copo com água e passar a energia da cor da
Pirâmide Radiônica diretamente para a água. Depois a pessoa toma
aquela água. Pergunte ao pêndulo qual a melhor maneira..
Marque sempre o tempo em que a água deva ficar energizando.

OBSERVAÇÕES

1-A Freqüência chamada VERDE NEGATIVO (V-) na pirâmide é


sempre uma cor benéfica, pois se trata do verde negativo magnético.
Somente o verde negativo elétrico é prejudicial. Você aprenderá isso
com mais detalhes em outros estágios.
2-A Freqüência chamada BRANCO (Br) na pirâmide não é a junção
de todas as cores, mas apenas uma freqüência especifica. Da mesma
forma o PRETO não é a negação das cores, mas uma freqüência que leva
este nome, pois não estamos falando aqui de cores visíveis.
3-Se você deseja fazer uma pirâmide sem precisar fazer cál-
culos matemáticos, basta olhar a pirâmide da página 42. Ela foi
feita por computador e está rigorosamente na escala da pirâmide de
Quéops. Você poderá transferir suas medidas para um papel cartão que
é mais grosso que a cartolina e possui diversos padrões de cores. Em
seguida, basta recortar, dobrar e colar.
Minigerador I

Os Minigeradores são, sem dúvida, os melhores aparelhos


radiônicos com os quais você irá ter contato nesta fase. Eles foram
inventados pelo Dr. Juan Ribaut e estão patenteados. Ninguém poderá
construí-los sem licença expressa. São frutos de 30 anos de pesquisa
do Dr. Juan Ribaut e se constituem numa conjunção de diversas formas,
de tal modo que a energia que eles emitem é sentida por todos os
alunos sem exceção. Mesmo para os alunos menos sensíveis ou não muito
bem treinados, o pêndulo colocado dentro do minigerador funciona
maravilhosamente.
O Minigerador é formado por uma sábia conjunção de diversas
formas e podemos dizer que trabalha em diversos níveis e até mesmo
nos níveis da quinta dimensão. Essencialmente, ele é um equilibrador
de freqüências.
Através da "janelinha branca", podemos usar o minigerador para
qualquer objetivo. Os efeitos são rápidos e altamente benéficos. Vale
a pena treinar bastante com o Minigerador De Energia. Um aparelho
simples na sua forma mas complexo na sua concepção e utilíssimo no
trabalho da Radiônica.
Como o Minigerador I já vem acompanhado de todas as instruções,
em forma de livreto, deixamos de fazê-lo nesta apostila. Apenas
acrescentamos que você poderá usar e abusar do Minigerador I para
todos os seus problemas. Entretanto, nem tudo poderá conseguir, pois
a Radiônica não faz milagres. Há problemas que necessitam de outros
tipos de energias.
Que tal você perguntar ao pêndulo se seu problema poderá ser
solucionado pelo Minigerador I ? Use o método do semi-círculo para
fazer perguntas.
O PÊNDULO E AS CORES

Ao longo do fio do pêndulo, é possível se sintonizar com todas as


freqüências cromáticas, a partir do vermelho, na base do pêndulo, até o
violetas. Quando você segura o fio ou a correntinha mais próximo ao
pêndulo, estará entrando em sintonia com a cor vermelha. Assim, a cada
centímetro, você poderá se sintonizar com as freqüências cromáticas do
espectro solar, sempre seguindo a mesma ordem, conforme a Ilustração
abaixo.
Podemos demonstrar isso da seguinte maneira:
Coloque o pêndulo sobre qualquer objeto colorido (papel, pano,
etc.). Segure o pêndulo no ponto do fio correspondente à cor do objeto. Ao
entrarem sintonia com a cor, o pêndulo fará giros para a direita, no
sentido horário.

Todos nós convivemos com duas grandes energias de polaridades


opostas, a saber:

• A energia cósmica, proveniente do espaço sideral, vindo em


direção à Terra.
• A energia telúrica, proveniente da Terra, indo cm direção ao
espaço sideral.

Para ter uma condição de vida saudável, o ser humano necessita de


98% de energia cósmica e apenas 2% de energia telúrica. Em radiestesia, o
PONTO ZERO sinaliza o ponto de equilíbrio entre estas duas energias. Desta
forma, se você quiser medir uma destas duas energias, segure seu pêndulo
pelo PONTO ZERO. Se seu subconsciente estiver captando a energia cósmica,
fará o pêndulo girar no sentido horário e se ele sintonizar a energia
telúrica, fará o pêndulo girar no sentido anti-horário.
— CEAP —
C e n t ro de Es tudos Avançados de
Parapsicologia

Curso de Radiestesia e Radiônica

Segundo Estágio
Introdução

Este segundo caderno do Curso de Radiestesia e Radiônica supõe


naturalmente os conhecimentos básicos de Radiestesia e os
fundamentos da Radiônica expostos no caderno anterior.
Estas anotações devem ser tomadas como subsídios e como ponto
de apoio e de toda a matéria desenvolvida nas aulas teóricas e
práticas.
Não exaurem, portanto, todo o conteúdo ministrado em classe e
não substituem a necessidade dos apontamentos individuais durante as
aulas. Pelo contrário, cada item poderá posteriormente ser
aprofundado em futuros grupos de pesquisa.
Nem seria preciso dizer que supomos não só os conhecimentos
básicos dos alunos, mas principalmente o mínimo de prática
radiestésica, treinamento e de auto-confiança na manipulação do
pêndulo, sem o que esta etapa dificilmente poderá ser assimilada.
Nesta apostila apresentamos diversos gráficos radiônicos e suas
funções práticas. O uso de cada emissor radiônico dependerá
naturalmente das indicações que o aluno extraíra de sua prática
radiestésica, de sua sensibilidade e principalmente de seu grau de
intuição. Apresentamos alternativas para se chegar a um mesmo lugar.
A escolha é individual.
O CEAP ficará grato aos que gentilmente puderem apresentar por
escrito seus próprios resultados. Estamos coletando relatos para
posterior publicação. Servirão de estímulos para os que estão
iniciando o caminho. Afinal, nesta caminhada somos aprendizes...
A Radiônica está dando seus primeiros passos e poderá ser
futuramente, como certamente o foi num passado remoto, um grande
caminho para a cura, o equilíbrio e o auto-desenvolvimento do ser
humano. A Radiestesia e a Radiônica são uma ciência. mas sobretudo
uma grande arte. Mais do que conhecer, é preciso praticar. Pratique,
pois, todos os dias se puder. E se quiser palmilhar um caminho
gratificante, aqui vai uma recomendação final: faça meditação todos
os dias, mesmo que apenas 2 ou 3 minutos, mas todos os dias"
Prepare-se interiormente com a oração meditativa para que as armas
da Radiestesia e da Radiônica sejam sempre bem utilizadas por você.

PROF. HUGO H. ANTONIAZZI


Silhueta Humana

É um tato bem conhecido que a figura humana sempre foi muito


usada em praticas de magia, rituais Vudu, etc., entretanto, destinada
na maioria das vezes, infelizmente, a práticas visando produzir
malefícios. Por outro lado, a figura humana tem sido bastante
utilizada em diagnósticos na radiestesia medicinal, quando a pessoa a
ser testada não encontra-se presente.
Referindo-se ao esboço do corpo humano para trabalhos
radiestésicos em seu livro "O Poder dos Pêndulos". Grag Nielsen cita:
"o objetivo do emprego desse diagrama é apenas ajudá-lo a concentrar-
se, de modo que o seu pensamento se encontre em estado de forte
ressonância com a pessoa que você vai tostar."
Para utilizar o desenho da figura humana em trabalhos de
diagnóstico radiestésico á distância, pode-se proceder da seguinte
maneira: (Ver fig. 1, pag. 91)

1 - Posicione-o numa superfície horizontal, de modo que a cabeça


tique direcionada para o norte magnético e os pés para o sul ou, se
preferir, oriente-a dentro de um mini-campo de forma de modo ,análogo.

2 - Coloque o testemunho da pessoa a ser analisada (previamente


vitalizado no decágono, se for o caso) ao lado da tolha que contem o
desenho, em lugar onde tique cômodo segurar um pêndulo acima dele.

3 - Adote uma convenção mental que julgue conveniente para


interpretar os movimentos do pêndulo. Por exemplo, um movimento
circular no sentido horário significa órgão são e no anti-horário
significa órgão doente.

4 - Segure o pêndulo com a ponta um pouco acima do testemunho da


pessoa e, com o dedo indicador da mão livre ou com a ponta de um lápis
ou qualquer objeto pontudo seguro por ela, percorra as diversas
regiões do desenho correspondentes aos sistemas orgânicos, na frente e
no dorso. Se, sobre um determinado ponto, corresponder à um movimento
circular do pêndulo no sentido anti-horário (ou de acordo com a
convenção mental adotada), isto significa que há um desequilíbrio
energético nessa área do corpo.
Como o desenho é apenas um esboço do corpo humano e não mostra
detalhes do mesmo, não podemos ter certeza qual o órgão que se
apresenta deficiente, mas apenas a área que tem problemas.
Torna-se, então, necessário recorrer a mapas anatômicos ou e
listas de órgãos correspondentes àquela região do corpo.
Com o auxilio do pêndulo, de modo análogo ao que foi feito com a
figura humana, efetuamos uma investigação, sobre o mapa anatômico, de
todos os órgãos daquela área, perguntando mentalmente: o (a)
...(órgão) está funcionando bem?
As respostas negativas, conforme a convenção mental adotada,
identificarão os órgãos que estão deficientes. Uma vez identificados
todos os órgãos ou estruturas com problemas, está encerrada a etapa de
diagnóstico radiestésico.
A próxima etapa será aquela de escolher, por qualquer método,
seja radiestésico ou não, um elemento corretor (ou corretivo) que será
utilizado no trabalho radiônico para restaurar os desequilíbrios
energéticos identificados.
Para a emissão energética, pode-se usar qualquer grafito emissor
radiônico ou também utilizar a própria silhueta humana. Se decidir
utilizá-la, proceda da seguinte maneira:

1- Coloque o testemunho da pessoa a ser tratada sobre a área que


representa a cabeça da figura humana.

2- Escreva o objetivo pretendido num pedaço de papel branco,


usando lápis ou caneta de cor preta e, em seguida, vitalize-o no
decágono. Exemplo: "Cura de distúrbio no estômago".

3- Coloque o testemunho-objetivo sobre a área da figura humana


onde foi detectada a existência do desequilíbrio energético e, sobre
ele, ponha o elemento corretor (cristal, remédio, cor, número, etc.)
que foi previamente escolhido.

4- Oriente a figura na direção norte-sul conforme descrito


anteriormente.

5- Determine o tempo necessário para a emissão energética, com o


auxilio do pêndulo e de um gráfico especifico, se o trabalho for
realizado no período diurno. A noite isto não é necessário.

Se desejar, poderá energizar o trabalho radiônico fazendo girar


propositalmente o pêndulo no sentido horário sobre o elemento
corretivo, enquanto mentaliza fortemente o objetivo, durante cerca de
um minuto. Com isso, o tempo necessário para a emissão poderá
diminuir.
Se puder dispor de uma fotografia de corpo inteiro da pessoa a
ser testada em tamanho adequado poderá, com ela, substituir a figura
humana para efetuar um trabalho radiestésico ou radiônico semelhante e
mais eficiente. Neste caso, é óbvio que não é necessário usar um
testemunho da pessoa, pois a própria foto já o é.
Quando houver necessidade de se avaliar compatibilidades
afetivas, sexuais e comportamentais de um casal de pessoas e,
posteriormente, se for necessário efetuar um tratamento radiônico
conjunto, para atenuar as possíveis incompatibilidades detectadas, é
mais conveniente usar o desenho que tem as figuras masculina e
feminina juntas.
Losango Solar
Este gráfico foi idealizado pelos radiestesistas e pesquisadores
belgas Herrinckx e Servranx e tem sido utilizado com sucesso há muito
tempo pelos adeptos da radiônica para tratamento à distancia.
É constituído por quatro losangos coaxiais tendo no centro um
círculo e um ponto que constituem a representação simbólica do sol.
(Ver fig. 2, pag. 91)
É usado comumente para tratamento à distância de distúrbios
orgânicos em geral e, para sua utilização, é necessário posicionar
seu eixo maior na direção do norte e sul magnéticos.
Uma vez identificados o distúrbio orgânico e o elemento corretor
(ou corretivo), através de qualquer método, seja radiestésico ou não,
podemos nos valer deste gráfico para efetuar a emissão de energia
adequada com a finalidade de eliminar o desequilíbrio energético
causador da doença.
A utilização do gráfico pode ser feita adotando-se o seguinte
procedimento:

1- Posicione o gráfico com o eixo maior na direção norte-sul


magnética com o auxilio de uma bússola e coloque o testemunho da
pessoa a ser tratada no centro sobre o círculo central. Se o
testemunho for uma fotografia da pessoa, posicione-a de modo que o
topo da cabeça fique direcionado para o norte magnético.
Se o testemunho não for uma amostra da pessoa como por exemplo,
tios de cabelo, pedaços de unha, saliva, etc., é conveniente que o
mesmo seja previamente vitalizado no decágono.

2- Escreva o objetivo pretendido num pedaço de papel branco


usando um lápis ou caneta de cor preta e, em seguida, vitalize-o no
decágono.
Exemplo: "Cura da úlcera no duodeno"
Coloque o testemunho-objetivo vitalizado sobre o testemunho da
pessoa no centro do gráfico.

3- Coloque o elemento corretor previamente escolhido em cima dos


testemunhos no centro do gráfico. Este corretivo pode ser uma amostra
de remédio especifico para o caso, um cristal, um pedaço de papel,
pano ou plástico coloridos, uma amostra de erva curativa, uma amostra
de metal, um remédio homeopático, um número-energia, um remédio
floral de Bach, etc.

4- Efetue uma verificação com o auxilio do pêndulo para saber se


o elemento corretor escolhido é adequado para o tratamento do
distúrbio orgânico em questão.

Isto pode ser feito, por exemplo, posicionando-se o pêndulo com


a ponta um pouco acima dos testemunhos e corretivo no centro do
gráfico e fazendo mentalmente a pergunta: "Este(a) ... (remédio,
cristal, cor, etc.) ... é adequado(a) para o tratamento do(a) ...
(distúrbio orgânico) ... ?"
Se a resposta for sim, de acordo com a convenção mental adotada,
passe para a próxima etapa.
Se a resposta for não é necessário efetuar-se a determinação
de novo elemento corretor que seja mais eficiente para corrigir o
desequilíbrio energético causador do distúrbio orgânico objeto do
trabalho radiônico.
Feito isso, coloque este corretivo no centro do gráfico no
lugar daquele anteriormente escolhido e efetue nova verificação com
o pêndulo de modo análogo ao anterior.
Se a resposta do pêndulo for sim passe para a outra etapa, mas
se for negativa, pode ser que esteja ocorrendo alguma falha na
determinação do elemento corretor, seja ela radiestésica ou não.
Investigue até achar a causa de erro e procure corrigi-la.

5- Uma vez constatado que o elemento corretor Ê adequado, se o


trabalho radiônico for efetuado no período diurno, determine o tempo
necessário para a emissão energética com o auxilio do pêndulo e de
um gráfico especifico. No período noturno a emissão pode ser feita
durante toda a noite.

6- Se achar conveniente, pode acrescentar uma carga adicional


de energia ao sistema, fazendo o Pêndulo girar propositalmente no
sentido horário em cima do centro do gráfico, durante cerca de 1
minuto, enquanto mentaliza fortemente o objetivo pretendido.

Convém observar que nem sempre conseguimos alcançar pleno êxito


no trabalho radiônico em apenas uma sessão.
Neste caso, é necessário repeti-lo várias vezes com paciência e
perseverança até obtermos sucesso em nosso propósito.
Oscilógrafo

Este gráfico foi idealizado tomando-se como referência os


circuitos oscilantes redescobertos e desenvolvidos pelo físico e
biólogo francês Georqes Lakhovsky. Este pesquisador formulou uma
teoria segundo a qual todos os organismos vivos são considerados
como sistemas de circuitos oscilantes de alta freqüência e que, cada
célula pode ser considerada como um circuito oscilante microscópico
dotado de um determinado comprimento de onda muito curto.
Segundo ele, o equilíbrio dinâmico e harmonioso das vibrações
celulares assegura a normalidade das funções vitais e a manutenção
da saúde, enquanto que o desequilíbrio oscilatório das células,
devido a causas internas ou externas, resulta nos mais variados
tipos de enfermidades.
Lakhovsky concebeu um tipo de terapia que consistia em restabelecer
o equilíbrio oscilatório celular afetado pela enfermidade mediante a
aplicação de um campo eletromagnético que podia produzir radiações
no maior número possível de comprimentos de onda a fim de afetar
quase todos os tipos de células.
Seus primeiros trabalhos, entretanto, consistiam em usar
circuitos oscilantes constituídos simplesmente por um fio metálico
em forma de anel aberto que era colocado em volta da pessoa a ser
tratada. Estes circuitos podiam ser feitos de metais diversos como
cobre, ferro, prata, zinco, etc., e eram usados como colares,
pulseiras e cintas. No Brasil, um circuito deste tipo sob a forma de
bracelete de cobre, teve uso bastante difundido até a pouco tempo
atrás.
Até o momento ainda não existe qualquer explicação satisfatória
sobre o funcionamento desses circuitos oscilantes e como agem sobre
o corpo humano. O que se sabe é que todo fio metálico em forma de
anel aberto se constitui num emissor de onda de forma que reage sob
a ação do campo magnético terrestre. Outros pesquisadores
verificaram, posteriormente, que esses circuitos também funcionam
independentemente do material empregado na sua construção Assim, os
circuitos traçados à lápis ou a tinta também vibram e transmitem
suas vibrações.
Alguns radiestesistas, como Jean Pagot, que trabalham com emissões
de forma, afirmam que estes sistemas geram o Preto Magnético que é
uma radiação revitalizante e curativa.
O gráfico denominado "Oscilógrafo" é constituído por nove
circunferências abertas e concêntricas, sendo que a interna tem a
abertura voltada para o Sul e as outras oito para o Norte e é
utilizado como auxiliar no tratamento de distúrbios orgânicos. Para
usá-lo devemos orientá-lo de modo que a reta que passa pelo ponto
central e pelos pontos médios dos espaços entre as extremidades das
circunferências abertas coincida com a direção do Norte e Sul
magnéticos sendo que a maior abertura deve ficar voltada para o
Norte (Ver fig. 3, pag. 91).

Para utilizá-lo proceda da seguinte maneira:

1- Posicione o gráfico de modo a orientá-lo como descrito acima


e coloque, no centro do mesmo, o testemunho da pessoa a ser tratada
previamente vitalizado no Decágono se for o caso.
Se o testemunho for uma foto, posicione-a de modo que a cabeça
da pessoa fique voltada para o Norte.

2- Sobre o testemunho da pessoa, coloque um elemento corretor


(ou corretivo) previamente determinado por qualquer método, seja ele
radiestésico ou não, como por exemplo, um remédio alopático ou
homeopático, um Floral de Bach, uma cor, um cristal, um número, uma
erva curativa, etc.

3- Escreva o objetivo pretendido num pedaço de papel branco


usando um lápis ou caneta de cor preta e, em seguida, vitalize-o no
Decágono. Exemplo: "Cura da enxaqueca".

4- Coloque o testemunho-objetivo defronte a abertura da maior


circunferência próximo do N indicativo do Norte magnético"

5- Faça uma verificação com o auxilio do pêndulo para saber


se o elemento corretor escolhido é adequado para o objetivo
pretendido. Para isto, posicione o pêndulo com a ponta um pouco aci-
ma do testemunho da pessoa e do elemento corretivo no centro do
gráfico e faça mentalmente uma pergunta do tipo " Este(a)...
(remédio, cristal, cor, etc.) ... é adequado para o tratamento
do(a)... (distúrbio orgânico)
Se a pergunta do pêndulo significar "SIM", de acordo com a
convenção mental escolhida, passe para a próxima etapa, mas se for
"NÃO" é necessário escolher outro elemento corretor que seja mais
adequado para o tratamento pretendido para substituir o elemento
anterior. Uma vez escolhido o novo elemento corretivo, repita a
verificação até obter "SIM" como resposta do pêndulo.

6- Determine radiestesicamente o tempo necessário para a


emissão energética com o auxílio do pêndulo e de um gráfico
específico se o trabalho for efetuado no período diurno. No período
noturno a emissão pode ser feita durante toda a noite.

7- Se julgar conveniente, pode acrescentar uma energia


adicional ao sistema fazendo o pêndulo efetuar, propositalmente,
movimentos circulares no sentido horário, durante cerca de um minuto
enquanto mentaliza firmemente o objetivo pretendido. Com este
procedimento é provável que o tempo necessário de emissão seja
reduzido.

Pode-se repetir o trabalho radiônico quantas vezes for


necessário para conseguir o objetivo pretendido e, se não houver
êxito, tenta-se utilizar um outro tipo de emissor radiônico que seja
mais adequado.
Convém sempre lembrar que qualquer trabalho radiônico não
dispensa os necessários cuidados médicos.
Emissor Radiônico Numérico
Este gráfico, de característica eminentemente emissora, é
constituído por 16 círculos divididos cada um em quatro setores e um
círculo central que tem dois setores de cor preta e dois em branco.
(Ver fig. 4, pag. 92)
Para utilizá-lo necessitamos orientá-lo de modo que os centros
dos círculos da fileira central fiquem alinhados com a direção do
Norte e Sul magnéticos ou, se preferir, com a linha que une os
centros de dois círculos, um de cor preta que faz o papel do Norte e
um branco que representa o Sul, de um campo de forma artificial.
O círculo central, com os dois setores em preto, faz o papel de
antena emissora de ondas verticais e nada deve ser colocado sobre
ele.
Sobre o primeiro círculo da fileira central, que se encontra á
esquerda próximo da letra "N" (norte), coloca-se o testemunho da
pessoa objeto do trabalho radiônico e, sobre o quinto e último
círculo da mesma fileira que está à direita, próximo do "S" (sul),
coloca-se o testemunho-objetivo. Sobre os dois círculos vizinhos do
círculo central desta fileira pode-se colocar, se houver necessidade,
elementos energeticamente ativos como Medicamentos, Remédios
Homeopáticos, Florais de Bach, Cristal, Cor, etc., que possam
reforçar a ação desejada"
Nos seis círculos situados acima da fileira central serão
colocados números sintonizados com o testemunho da pessoa e nos
círculos situados abaixo serão colocados números sintonizados com o
objetivo pretendido.

Para utilizar o gráfico, proceda da seguinte maneira:

1- Oriente-o do modo acima descrito e coloque o testemunho da


pessoa objeto do trabalho (previamente vitalizado no decágono se for
o caso) sobre o primeiro círculo da fileira central que está próximo
do "N" (norte).

2- Escreva o objetivo pretendido em um pequeno pedaço de papel


branco com um lápis ou caneta de cor preta e, em seguida, vitalize-o
no decágono. Após isso, coloque-o sobre o círculo da fileira central
que está próximo do "S" (sul).

3- Para cada um dos seis círculos situados acima da fileira


central, começando pelos três de cima e da esquerda para a direita,
determine um algarismo de 1 a 9 que esteja sintonizado com o
testemunho da pessoa. Esses números deverão ser escritos em um
pequeno pedaço de papel branco com lápis ou caneta de cor preta e
colocados sobre os respectivos círculos"

4- De modo análogo, determine um algarismo de 1 a 9,


devidamente sintonizado com o objetivo pretendido, para cada um dos
seis círculos situados abaixo da fileira central, começando pelos
três mais próximos dela e da esquerda para a direita. Escreva-os em
pequenos pedaços de papel branco e coloque-os sobre os respectivos
círculos.
5- Se achar necessário escolha, por qualquer método, um ou
dois elementos auxiliares (iguais ou não) que possam intensificar a
ação desejada, (por exemplo, um remédio, um cristal, uma cor, etc.)
e coloque um em cada círculo vizinho do círculo central. Se usar
apenas um elemento auxiliar, utilize somente um dos círculos.

6- Determine o tempo necessário para a emissão energética com


o auxílio do pêndulo e de um grafito especifico.

Para a determinação dos algarismos referidos nos itens 3 e 4,


poderá, por exemplo, utilizar um gráfico do tipo semi-círculo com
uma escala numérica. (Ver fig. 5, pag. 92).
Para isto, segure o pêndulo acima do centro deste gráfico e,
simultaneamente, utilize como "antena" dois dedos da mão livre (por
exemplo, o polegar e o indicador) apontando um deles para o
testemunho da pessoa e o outro para o correspondente círculo do
emissor radiônico numérico para o qual ira determinar o número.
Faça, mentalmente, uma pergunta do tipo "Qual é o número de 1 a
9. a ser colocado neste círculo, que melhor se sintoniza com este
testemunho?"
O pêndulo deverá oscilar e indicar um número na escala. Repita
este procedimento para os outros cinco círculos sintonizados com o
testemunho da pessoa.
Para determinar os números que serão colocados nos seis
círculos sintonizados com o objetivo, proceda de modo análogo ao
anterior, com a diferença de que agora irá apontar um dos dedos
"antena" para o testemunho-objetivo e o outro para o correspondente
círculo para o qual irá determinar o número. Faça, mentalmente, uma
pergunta do tipo "Qual o número de 1 a 9, a ser colocado neste
círculo, que melhor se sintoniza com este objetivo?" e observe a
indicação do pêndulo na escala numérica do gráfico tipo semi-
círculo.
Se desejar, ao invés de números, poderá colocar doze pequenos
cilindros de ferrite sobre os círculos. sendo seis deles
sintonizados com o testemunho da pessoa e os outros seis com o
objetivo pretendido.
Este gráfico pode, em princípio, ser utilizado para qualquer
tipo de objetivo, embora pareça que é mais comumente usado como
auxiliar no tratamento de distúrbios orgânicos.
Turbilhão

Este gráfico, com características eminentemente de emissão


energética, é constituído por um círculo central e por dez arcos de
circunferência dispostos de modo a imitar um redemoinho
sinistrógiro. (Ver fig. 6, pag. 93).
Tem sido utilizado por praticantes de radiônica com bastante
sucesso na concretização dos mais diversos objetivos, embora pareça
que seu uso mais comum tem se referido a objetivos de ordem
material. Todavia, não existe nenhum impedimento quanto à utilização
deste gráfico como auxiliar no tratamento de distúrbios orgânicos,
sejam eles de pessoas, animais ou plantas.
Para dele fazermos uso, podemos proceder da seguinte maneira:
1- Coloque, no centro do gráfico, o testemunho da pessoa
(animal ou planta) para a(o) qual o trabalho é dirigido" Se julgar
necessário, vitalize este testemunho no decágono.

2- Escreva o objetivo pretendido num pedaço de papel branco,


usando lápis ou caneta de cor preta e, em seguida, vitalize-o no
decágono. Após isso, coloque este testemunho-objetivo sobre o
testemunho da pessoa (animal ou planta) no centro do gráfico.

3- Sobre os dois testemunhos no centro do gráfico, coloque um


elemento auxiliar energeticamente ativo (cristal, número, cor,
ferrite sintonizado, etc.) quando o objetivo for de ordem material
ou um elemento corretor (ou corretivo) (remédio alopático ou
homeopático, floral de Bach, erva curativa, cristal, número, etc.,
também energeticamente ativos, é claro) quando o objetivo se referir
a tratamento de doenças. Estes elementos, num ou noutro caso, devem
ser previamente determinados por qualquer método, seja ele
radiestésico ou não.

4- Faça uma verificação com o auxilio do pêndulo para saber se


o elemento auxiliar ou corretor usado está devidamente sintonizado
com o objetivo pretendido. Para isto, posicione o pêndulo no centro
do gráfico, com a ponta um pouco acima dos testemunhos e elemento
auxiliar ou corretor e faça mentalmente a pergunta: "Este(a)
_________ (número, cor, cristal, etc.) é adequado para
__________(objetivo) _________ ?"
Se a resposta for "sim", de acordo com a convenção mental
adotada, passe para a próxima tapa. Se for "não, "proceda à
determinação de um outro elemento auxiliar ou corretor, até que
encontre um que seja melhor sintonizado com o objetivo pretendido.

5 - Se desejar, pode proporcionar um reforço de energia ao


trabalho radiônico, fazendo girar o pêndulo propositalmente. no
sentido horário acima dos testemunhos e do elemento auxiliar ou
corretor, no centro do gráfico, durante cerca de um minuto, enquanto
mentaliza fortemente o objetivo pretendido.

6- Determine o tempo necessário de duração da emissão ener-


gética com o auxilio de um pêndulo e de um gráfico específico.
Durante a noite, isto não é necessário.
Repita o trabalho radiônico quantas vezes julgar necessário
para aumentar a possibilidade de obter êxito no que almeja.
Eliminador de Energias Nocivas
(Intrusas)
Muitas pessoas, às vezes, encontram-se em situações em que tudo
parece que vai mal e nada dá certo. Comumente são vitimas de
distúrbios diversos, sejam orgânicos ou psíquicos, sem que consigam
encontrar motivos concretos que justifiquem esses acontecimentos.
Isto ás vezes ocorre quando essas pessoas estão sendo vitimas de
energias de caráter nocivo, sejam elas de origem telúrica ou
provenientes de "mau olhado", emissões de objetos, desenhos, quadros
ou lugares impregnados maleficamente, pensamentos negativos, magia
negra, etc. Essas ondas nocivas provocam um desequilíbrio energético
nas pessoas que delas se impregnam e podem dar origem aos mais
variados males.
O gráfico eliminador de energias nocivas foi concebidas para
auxiliar o usuário a promover uma "limpeza" dessas energias maléficas
a fim de restabelecer o equilíbrio energético.
Consta de um decágono inscrito em quatro círculos concêntricos, todos
transpassados por quarenta flechas.
(Ver fig. 7, pag. 93).
As propriedades deste gráfico são decorrentes das características de
seus componentes, ou sejam:
− O decágono apresenta propriedades de eliminar impregnações
energéticas:
− O círculo sempre se caracterizou, em magia, por suas
qualidades protetoras.
− A flecha sempre foi muito utilizada como símbolo para
representar o sentido de direção (como por exemplo na representação
vetorial de forças em Física) ou um elemento de defesa e proteção em
magia.

Para trabalhar com o gráfico, proceda da seguinte maneira:

1- Coloque o testemunho da pessoa a ser tratada no centro do


mesmo e posicione um pêndulo em qualquer local próximo das pontas das
flechas fora do gráfico. Se o pêndulo girar no sentido anti-horário
(ou conforme a convenção mental adotada) é sinal indicativo da
presença de energia intrusa. Inversamente a pessoa não está impregnada
de energia nociva, se o pêndulo girar no sentido horário.

2- Uma vez constatada a existência de energia nociva, faça um


testemunho-objetivo escrevendo, num pedaço de papel branco com lápis
ou caneta de cor preta, a frase "Eliminar as energias nocivas (ou
intrusas)" e coloque-a sobre o testemunho da pessoa no centro do
gráfico.

3- Determine o tempo necessário para o trabalho radiônico com o


auxilio do pêndulo e de um gráfico especifico.
Decorrido o tempo estabelecido, efetue nova verificação para saber se
ainda existe energia intrusa remanescente. Em caso positivo, efetue
uma energização do gráfico fazendo girar propositalmente o pêndulo no
sentido horário acima dos testemunhos no centro do mesmo, enquanto
mentaliza fortemente o objetivo.
Essa magnetização também pode ser usada quando se deseja
diminuir o tempo requerido para o trabalho.
Podem ocorrer casos em que a pessoa encontra-se fortemente
impregnada de energias nocivas, o que pode requerer várias sessões
de trabalho radiônico, ate que sejam todas elas eliminadas.
Deve-se tomar precauções, ao utilizar este gráfico, para que
não ocorram impregnações no recinto em que estiver efetuando o
trabalho. Para evitar este problema, pode-se tomar uma das seguintes
medidas:

− Coloque o gráfico com os testemunhos ao ar livre, tomando


todos os devidos cuidados com o vento, chuva, etc.
− Coloque uma ametista sobre os testemunhos e, quando terminar
o trabalho, efetue uma limpeza energética neste cristal,
− Faça um círculo de sal grosso em volta das pontas das
flechas do gráfico e, quando o trabalho estiver concluído, jogue o
sal usado no lixo.

Este gráfico também pode ser usado para eliminar energias


nocivas de animais ou plantas.
Ao utilizá-lo em qualquer caso, faça-o usando apenas um
testemunho por vez, seja ele de pessoa, animal ou planta.
Nove Círculos Concêntricos

O círculo é uma forma equilibrada de uma potência de expressão


superior às demais formas planas.
A esse respeito Geneviève Ruskin, em seu livro "A Ciência Mágica
Das Vibrações" cita: "O círculo é a primeira das figuras ditas
ativas. É o símbolo do todo e do Nada, do Absoluto e do Zero, do
cheio e do vazio; símbolo da perfeição, da proteção; como figura,
fechada, nada pode entrar." (Ver fig. 8, pag. 94).
Este gráfico constituído de nove círculos concêntricos, por esta
característica "protetora" dos círculos, permite sua utilização em
trabalhos radiônicos cujo objetivo seja proteção. Ele tem sido mais
comumente usado para proteção de bens materiais (casa, carro, etc.)
mas nada impede que também o seja para pessoas, animais ou plantas.

Para utilizá-lo podemos proceder da seguinte maneira:

1- Coloque o testemunho do elemento a ser protegido (por exemplo


loto da casa, do carro, etc.) no decágono para vitalizá-lo, se julgar
necessário.
Se tratar-se de uma pessoa, animal ou planta, e o testemunho for
uma parte destes (por exemplo, tio de cabelo, pedaço de unha, pedaço
de folha, etc.") esta operação não e necessária.
Em seguida coloque este testemunho no centro do gráfico.

2- Em um pedaço de papel branco escreva o objetivo pretendido


usando lápis u caneta de cor preta.
Este objetivo pode ser, por exemplo, uma frase do tipo "Quero
que este(a) _________ (elemento a ser protegido) seja protegido(a)
contra _________ (danos, roubos, etc.)". A seguir ponha este
testemunho-objetivo no decágono para vitalizá-lo.

3- Coloque este testemunho-objetivo sobre o testemunho do


elemento a ser protegido no centro do gráfico.

4- Se desejar acrescentar uma carga adicional de energia ao


trabalho radiônicos, posicione o pêndulo um pouco acima dos
testemunhos no centro do gráfico e efetue propositalmente girações no
sentido horário enquanto mentaliza fortemente o objetivo pretendido
durante cerca de um minuto.

5- Determine o tempo necessário de operação com o auxilio do


pêndulo e de um gráfico específico. Durante a noite isto não é
necessário"

Têm sido relatado casos de pessoas que utilizaram este gráfico como
agente emissor em trabalhos radiônicos para objetivos outros além de
proteção" Faça sua experiência e verifique os resultados"
Este gráfico também pode ser usado para a proteção simultânea de
vários elementos colocando juntos os respectivos testemunhos no
centro do mesmo.
Decomposição do Espectro
Eletromagnético na Esfera

Os pesquisadores franceses Leon Chaumery e André de Belizal


realizaram, em 1934, uma pesquisa radiestésica sobre uma esfera de
madeira utilizando pêndulos esféricos coloridos e uma pequena haste
pontuda de cobre para servir de "antena", Eles identificaram, na
superfície da esfera, pontos de emissão de ondas de forma que tinham
ressonância com as cores visíveis e invisíveis do espectro
eletromagnético. Detectaram também a existência de dois pontos
diametralmente opostos na superfície da esfera que tinham
polaridades opostas, pois, a um deles, denominado de pólo positivo
correspondia girações no sentido horário de um pêndulo neutro e ao
outro denominado de pólo negativo, correspondia giros no sentido
anti-horário. Verificaram que, os pontos da superfície da esfera que
tinham ressonância com uma determinada "cor" formavam uma espiral
que ia de um pólo ao outro.
Um estudo posterior revelou a estes pesquisadores a existência,
na superfície da esfera, de três circunferências perpendiculares
entre si que tinham a peculiaridade de ter, em cada uma, pontos com
idêntica ressonância com as cores visíveis e invisíveis do espectro,
mas que possuíam características e localizações diferentes. Duas
destas circunferências se cruzavam perpendicularmente nos pólos
positivo e negativo e foram denominadas "meridianos", enquanto que a
terceira perpendicular a ambas, recebeu a denominação de "equador".
(Ver fig. 9, pag. 94).
As vibrações-cores de um dos meridianos foram denominadas
"Elétricas" (azul elétrico, amarelo elétrico, etc.) em virtude de
atravessarem um anteparo de ferro e de serem detidas por um outro de
material isolante elétrico como o vidro, a borracha, baquelite,
etc.; enquanto que as vibrações-cores do outro meridiano foram
denominadas "Magnéticas" (azul magnético, amarelo magnético, etc.")
porque atravessavam um anteparo de material isolante elétrico e eram
detidas por um outro feito de ferro. (Ver fig. 10, pag. 94).
Assim, na esfera foram identificados um meridiano "Elétrico" um
meridiano "Magnético" e um equador "Eletromagnético" nos quais as
cores fundamentais, visíveis e invisíveis, estão separadas de 30
graus uma da outra.
O pesquisador Jean de La Foye ressalta que essas denominações
"Elétrica" e "Magnética" não tem nenhuma relação com a eletricidade
e o magnetismo conhecidos da Física, mas que foram adotadas
unicamente para diferenciar as duas fases existentes nas ondas de
forma.
É importante observar também que os meridianos tem posições
definidas em relação aos pontos cardeais ou seja, o meridiano
"Magnético" se situa num plano que coincide com a direção Norte-Sul
e o meridiano "Elétrico" situa-se num plano coincidente com a
direção Leste-Oeste.

No meridiano "Elétrico" temos as doze vibrações-cores, sete


visíveis e cinco invisíveis, localizadas da seguinte maneira:
- No ponto correspondente ao pólo positivo está o verde normal
que foi chamado de Verde Positivo;
− Nas intersecções com o equador estão o Vermelho a Oeste e o
Violeta à Leste;
− No ponto correspondente ao pólo negativo tem-se uma
freqüência vibratória que não tem ressonância com nenhuma cor
conhecida e que foi denominada Verde Negativo por estar em posição
oposta ao verde normal ou positivo.
− Entre o Violeta e o Verde Positivo estão o Índigo e o Azul e
entre o Verde Positivo e o Vermelho estão o Amarelo e o Laranja:
− Entre o Violeta e o Verde Negativo estão o Ultravioleta e o
Branco e, entre o Verde Negativo e o Vermelho estão o Preto e o
Infravermelho. (Ver fig. 11, pag. 95).

No meridiano "Magnético" também encontramos doze vibrações-


cores, sete visíveis e cinco invisíveis, porém localizadas de maneira
diferente, ou seja:
− No ponto correspondente ao pólo positivo está o Violeta e no
ponto correspondente ao pólo negativo está o Vermelho;
− Nas intersecções com o equador estão o Verde Positivo ao
Norte e o Verde Negativo ao Sul;
− Entre o Verde Positivo e o Violeta estão o Azul e o Índigo e,
entre o Violeta e o Verde Negativo estão o Ultravioleta e o Branco;
− Entre o Verde Positivo e o Vermelho estão o Amarelo e o
Laranja e, entre o Vermelho e o Verde Negativo estão o Infra-Vermelho
e o Preto. (Ver fig. 12, pag. 95).

No equador encontram-se, igualmente, as doze vibrações-cores


fundamentais visíveis e invisíveis, mas não diferenciadas com relação
às fases "Magnética e Elétrica" e que estão dispostas da seguinte
maneira:
− Como já foi mencionado anteriormente, nas intersecções com o
meridiano "Elétrico" estão o Vermelho e o Violeta e nas intersecções
com o meridiano "Magnético" estão o Verde Positivo e o Verde
Negativo.
− Entre o Vermelho e o Verde Positivo estão o Laranja e o
Amarelo e, entre o Verde Positivo e o Violeta, estão o Azul e o
Índigo;
- Entre o Violeta e o Verde Negativo estão o Ultravioleta e o
Branco e, entre o Verde Negativo e o Vermelho, estão o Preto e o
Infra-Vermelho. (Ver figuras 11, 12 e 13, pag. 95).
Um dos resultados mais importantes deste estudo da decomposição
do espectro na esfera, realizado por Chaumery e Belizal, foi a
descoberta da radiação denominada "Verde Negativo".
Segundo estes pesquisadores, esta freqüência vibratória é a mais
curta (em comprimento de onda) e a mais penetrante existente no
universo e sua potência de irradiação é tal que pode atravessar um
anteparo de chumbo com espessura julgada eficaz para deter os raios
N.
Ela tem propriedades dessecantes e mumificantes sobre a matéria
viva, pois esteriliza e destrói os microrganismos agentes da
putrefação sendo possível usá-la para mumificar pedaços de carne,
peixe, ovos, vegetais, etc.
Outra importante descoberta neste estudo da esfera foi a
identificação das duas fases (ou freqüências) das ondas de forma, a
"Magnética" e a "Elétrica" que, embora pareçam ser da mesma
natureza, tem efeitos diferentes do ponto de vista biológico e
técnico
Alguns autores, como Jean Pagot, chegam a afirmar que a fase
"Elétrica" é muito desfavorável à vida senão completamente
incompatível, enquanto que a fase "Magnética" é favorável aos seres
vivos. Na realidade, o ser humano necessita de todas as vibrações-
cores com as duas fases em equilíbrio com exceção do Verde Negativo
"Elétrico" do qual só precisa de 1 a 1,5%.
Não se pode suprimir totalmente a fase "Elétrica", pois ela
também é necessária a vida em certa proporção;
Com relação ao Verde Negativo, seus descobridores afirmam que
a fase "Magnética" pura é uma vibração benéfica por excelência, que
pode restabelecer a saúde quando rigorosamente dosada. Do ponto de
vista filosófico, é uma vibração do Bem. Na natureza é encontrada
exclusivamente nos organismos de sangue quente.
Afirmam, por outro lado, que a fase "Elétrica" pura é uma
vibração nociva que destrói a saúde e pode conduzir à morte por
desequilíbrio vibratório das células. a vibração do Mal. Na
natureza esta freqüência vibratória é geralmente encontrada, segundo
Jean de La Foye, nos locais onde existem falhas geológicas (na
direção Leste-Oeste) ou correntes de água subterrânea.
O pesquisador Enel e os próprios Chaumery e Belizal obtiveram
resultados satisfatórios no tratamento do câncer submetendo um
testemunho do paciente às vibrações compreendidas entre o Verde
Negativo e o Preto Magnéticos"
No tratamento da tuberculose, submetiam o testemunho do doente
às vibrações compreendidas entre o Verde Negativo e o Branco
magnéticos. Segundo estes pesquisadores, algumas destas freqüências
vibratórias tem a propriedade de dessecar e purificar os pulmões que
recuperam sua vitalidade.
A detecção radiestésica das diversas vibrações-cores nas duas
fases "Magnética" e "Elétrica" requer o uso de pêndulos especiais
como o Pêndulo Universal de Chaumery e Belizal o qual, entretanto, é
difícil de ser encontrado e muito caro e o Pêndulo Equatorial
Unidade (Eletromagnético) de Jean de La Foye que é de construção
mais simples e, portanto mais barato.
Analogamente, a emissão dessas freqüências vibratórias nas
suas duas fases também requer a utilização de aparelhos radiônicos
especiais como, por exemplo, o Disco Equatorial e a "Bomba"
Equatorial de Jean de La Foye descritos no seu livro "Ondas de vida,
ondas de morte".
É conveniente salientar que se deve ter muita prudência na
utilização das freqüências vibratórias compreendidas entre o preto e
o branco, pois correspondem à uma zona "radioativa" intensa em cujo
centro situa-se o verde negativo.
É aconselhável, portanto, ter muito critério na escolha da
freqüência a ser usada e procurar evitar tempos de exposição
prolongados.
Conforme sugere André de Balizai, usa-se invariavelmente o
Verde Positivo como onda vibratória curativa ou antídoto nos casos
de intoxicação pela "radioatividade" das vibrações do feixe do Verde
Negativo e para desimpregnar as radiações nocivas.
Pilha Radiestésica
De modo análogo ao que haviam feito para a esfera, os
pesquisadores franceses Chaumery e de Belizal efetuaram um estudo
para verificar o comportamento da semi-esfera com relação a
decomposição espectral e chegaram a conclusões semelhantes. Assim,
conforme relatam no livro "Ensaio de Radiestesia Vibratória"' ve-
rificaram também na semi-esfera a existência de três planos
radiativos (dois meridianos e um equador) com a diferença que o
plano do equador passa pelo centro de gravidade deste sólido
(situado à distancia da face plana de 3/8 do raio) e não pela base
plana circular. Observaram a existência das sete vibrações-cores do
espectro visível (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e
violeta) em pontos da superfície situados acima do equador e das
cinco vibrações-cores do espectro invisível (infra-vermelho, preto,
verde-negativo, branco e ultravioleta) em pontos situados abaixo
deles mas, neste caso, as radiações branca e preta se encontravam
mais separadas o que permitia obter entre as duas um verde negativo
mais puro no centro do círculo da base plana. (Ver fig. 14, pag.
96).
Este estudo os levou a idealização da pilha radiestésica que
consiste num empilhamento em série de várias semi-esferas. Conforme
eles mesmos tiveram a oportunidade de constatar, os Egípcios já a
utilizavam há mais de quatro mil anos antes da era cristã como, por
exemplo, o empilhamento de cinco grandes pedras em cima da Câmara do
Rei na Pirâmide de Quéops"
Esta associação em série de semi-esferas produz uma
amplificação da radiação verde-negativo, emitida no centro da face
plana circular, o que levou estes pesquisadores franceses a utilizá-
la em alguns de seus aparelhos radiônicos.
Eles afirmam, no livro supra citado, que neste empilhamento
"cada elemento produz sua potência energética que se amplifica em
tensão como na pilha de volta: o raio verde-negativo do primeiro vem
a se juntar ao segundo que o amplifica e assim por diante".
Analogamente ao que acontece com as pilhas elétricas (usadas
em lanternas, rádios portáteis, etc.) a "voltagem" é função do
número de semi-esferas e a "intensidade de corrente" ou "amperagem"
é função do diâmetro das mesmas.
Assim, uma pilha radiestésica será tanto mais potente quanto
mais e maiores semi-esferas estiverem associadas em série.
Citam também que uma pilha de quatro elementos representa a
tensão normal da célula humana ou animal em estado de perfeita
saúde.
Com uma pilha de nove elementos podiam mumificar carne, peixe,
ovos e vegetais em alguns dias, submetendo-os defronte a radiação
verde negativo que é um raio mumificador e que tem a propriedade de
destruir os microrganismos da putrefação.
Uma pilha radiestésica, é denominada "Pilha Cósmica" quando
seu eixo central está em posição vertical e a parte esférica voltada
para cima; a emissão que por ele passa é devida, preferencialmente,
aos raios cósmicos.
A ela é dada a denominação de "Pilha Magnética" quando seu
eixo central encontra-se posicionado horizontalmente na direção do
norte e sul magnéticos e o topo da parte esférica voltado para o
norte; a emissão será preferencialmente devida ao campo magnético
terrestre.
Em ambos os casos, teremos uma emissão de verde positivo no topo
da parte esférica e de verde negativo no centro da face plana.
Uma pilha cósmica, quando colocada dentro de uma pirâmide padrão
Quéops á distância de 1/3 da altura a partir do centro da base,
intensifica as emissões da mesma.
Nos trabalhos radiônicos usa-se preferencialmente uma pilha
magnética com quatro elementos de qualquer diâmetro e confeccionados
comumente de madeira.
Para a realização de um trabalho radiônico com a pilha
radiestésica, podemos proceder da seguinte maneira:

1- Escreva o objetivo (por exemplo, a cura de algum distúrbio


orgânico) num pedaço de papel branco, usando lápis ou caneta de cor
preta e, em seguida, vitalize-o no decágono.

2- Para o objetivo pretendido, escolha por qualquer método,


radiestésico ou não, um elemento corretor (remédio alopático ou
homeopático, floral de Bach, cristal, etc.)

3- Coloque a pilha na posição horizontal com o eixo central na


direção do norte e sul magnéticos e com o topo da parte esférica
voltado para o norte.

4- Coloque o testemunho da pessoa a ser tratada, previamente


vitalizado no decágono se for o caso, num suporte de modo que fique
posicionado verticalmente e defronte o centro da face plana circular
da pilha.

5- Coloque também no suporte o testemunho-objetivo junto ao


testemunho da pessoa e, em seguida, o elemento corretivo, ambos
situados defronte o centro da face plana da pilha.
(Ver fig. 15, pag. 96).

6- Determine, com o auxílio do pêndulo e de um gráfico


específico, o tempo necessário de emissão energética.

Caso não disponha de uma pilha radiestésica constituída de semi-


esferas, poderá se utilizar de uma associação de semi-círculos em
série desenhados em papel ou cartolina para substituí-la. Este desenho
representa a projeção horizontal da pilha em três dimensões e tem
propriedades semelhantes que o torna viável de ser usado em trabalhos
radiônicos como uma pilha magnética.
De modo análogo ao anterior, deverá posicionar o desenho de modo
que o eixo central fique na direção norte-sul com o topo da
circunferência voltado para o norte.
Coloque o testemunho da pessoa a ser tratada numa posição
horizontal defronte o centro do diâmetro da base reta, sobre ele ponha
o testemunho-objetivo e, em seguida, o elemento corretivo.
Determine o tempo necessário de emissão.
Em virtude da emissão da pilha radiestésica ser muito potente, é
conveniente tomar as devidas precauções e não abusar de seu uso.
Um dos cuidados a ser tomado, é o de não ultrapassar o tempo
determinado para a aplicação energética a fim de evitar as
sobrecargas.
Evite, também, usar a pilha radiestésica no início de
tratamento de pessoas muito doentes que estejam acamadas e com baixa
energia, pois, podem não suportar o potencial energético aplicado.
Outra precaução a ser tomada refere-se ao cuidado que se deve
ter ao guardar a pilha radiestésica após a sua utilização.
Deve-se evitar de guardá-la na posição horizontal, mas somente
na vertical e, mesmo assim, cuidar para que a mesma não fique
posicionada em cima de fotografias, objetos de uso pessoal, roupas,
plantas, etc., que correriam o risco de ficarem impregnadas com o
verde negativo emitido pelo centro da face plana.
Forma Pessoal
Sabemos que qualquer forma tem vibração própria; um simples grão
de areia, uma planta, um animal, o homem, etc.
Portanto, tudo está vibrando e a vibração é a expressão da vida
em seus diferentes níveis.
Assim como uma forma emite uma vibração, podemos dizer que uma
vibração também pode gerar uma forma, pois, esta é uma materialização
daquela.
Todo ser humano tem uma freqüência vibratória característica
denominado comumente de vibração-cor intrínseca, raio pessoal ou cor
da personalidade.
Com o auxílio da radiestesia, podemos elaborar uma forma plana
correspondente à esta vibração inerente a cada ser humano.
Podemos determinar uma forma que tenha ressonância com a
freqüência vibratória correspondente ao nosso estado normal (ou
ideal) e também uma forma que corresponda à nossa condição energética
atual, a qual normalmente é diferente da anterior em virtude dos
desequilíbrios energéticos a que estamos sujeitos.
Denominamos forma normal aquela ideal imutável (que representa
nossa perfeição) e forma atual aquela que possuímos na atualidade,
(mutável e imperfeita)"
O processo empregado para isso baseia-se, aproximadamente, no
método idealizado pelo pesquisador britânico Malcom Rae para
determinar um padrão geométrico correspondente a um remédio
homeopático, ao qual denominou "método magnético-geométrico de
preparação de potência homeopáticas",

Para determinar uma forma pessoal, proceda da seguinte maneira:

1- Coloque o testemunho da pessoa, para qual irá fazer a


forma, no decágono para vitalizá-lo, se for o caso.

2- Trace, a lápis preto, um círculo de qualquer diâmetro numa


folha de papel ou cartolina de cor branca e divida-o em setores,
traçando vários diâmetros. Quanto maior for o diâmetro e também o
número de divisões, mais precisa será a forma procurada porém, maior
também será o tempo para fazê-la.
Adotamos dividir o círculo em doze setores de 30 graus, de modo
que cada raio corresponda à uma vibração-cor do meridiano do equador
do Pêndulo Universal de Chaumery e Belizal.
Assim, teremos os raios correspondentes às cores verde positivo
(ao norte), azul, índigo, violeta (à leste), ultravioleta, branco,
verde negativo (ao sul), preto, infra-vermelho, vermelho (a oeste),
laranja e amarelo. (Ver fig. 16, pag. 97).

3- Oriente um dos diâmetros do círculo na direção do norte e


sul magnéticos ou, se preferir, de modo a coincidir com a linha que
une os centros de dois círculos, um preto representando o norte e um
branco representando o sul de um campo de forma artificial.

4- Coloque o testemunho da pessoa ao lado do desenho em local


onde seja cômodo segurar um pêndulo acima dele.
5- Escreva num pedaço de papel branco, usando lápis ou caneta de
cor preta, a frase "Forma Pessoal correspondente ao estado normal (ou
atual)" conforme o tipo de figura que tem por objetivo determinar.
Vitalize este testemunho-objetivo no decágono e depois coloque-o sobre
o testemunho da pessoa.

6- Apóie a ponta de um lápis preto ( ou qualquer outro objeto


com ponta, para servir de "antena") no centro do círculo e vá
deslocando-a sucessivamente milímetro a milímetro ao longo do raio
direcionado para norte, enquanto, simultaneamente, observa o pêndulo
sobre os testemunhos. Quando este girar de modo nítido no sentido
horário (ou conforme a convenção mental adotada para sintonia),
assinale o ponto correspondente sobre este raio.

7- Seguindo no sentido horário, de modo análogo, determine, para


os outros onze raios, os pontos correspondentes à forma que está
elaborando (normal ou atual).

8- Após marcar os pontos em todos os raios, trace segmentos de


reta para uni-los a fim de determinar a forma pessoal procurada.
Depois de terminá-la, acentue o contorno, e apague a circunferência e
os raios traçados à lápis, deixando assinaladas apenas as marcas de
referência que indicam o norte e o sul, para que seja sempre possível
posicioná-la corretamente quando for utilizada. Se desejar, poderá
recortá-la para que seu uso fique mais prático.
Considerando que a elaboração da forma pessoal é uma operação um tanto
trabalhosa, antes de apagar ou recortar, é conveniente fazer várias
cópias da mesma para usá-las quando necessário e guardar a forma
original para futuras reproduções.

9- Para verificar se a figura encontrada está correta, oriente-a


na direção norte-sul e coloque sobre ela o testemunho da pessoa com a
qual está sintonizada. Segure o pêndulo de modo que a ponta fique um
pouco acima de ambos e faça mentalmente a pergunta: "Existe sintonia
entre esta forma e este testemunho?"

Se houver sintonia o pêndulo irá efetuar um movimento circular no


sentido horário (ou conforme a convenção mental adotada para
sintonia).
Quando não houver sintonia, refaça a fôrma pessoal, tentando
corrigir as possíveis falhas que tenham ocorrido na elaboração da
mesma.
Somente a pessoa que fez a forma é que poderá usá-la em trabalhos
radiônicos, pois existe um vínculo energético entre o testemunho, a
forma e quem a elaborou.
A posição do ponto encontrado em cada raio indica a porcentagem
da correspondente vibração-cor que possui a pessoa a que se refere o
testemunho. O ponto central corresponde á zero e o da outra
extremidade do raio equivale à cem por cento.
Assim, por exemplo, se o ponto encontrado estiver na metade do
raio correspondente ao verde positivo (ao norte) significa que, na
"composição energética" da pessoa existe 50% desta cor.
A forma pessoal referente à condição normal pode ser usada:
− Para preparar água energizada no decágono
− Para servir de mandala em práticas de meditação.
− Como elemento auxiliar energeticamente ativo em trabalhos
radiônicos.
− Como um amuleto.
− Em diagnósticos da condição energética da pessoa por
comparação com a forma atual.

A forma pessoal atual pode ser usada como testemunho em


trabalhos radiestésicos e radiônicos.
Comparando-se a forma atual com aquela referente à condição
energética normal, pode-se identificar quais as vibrações-cores que
estão em excesso ou em falta. Assim, é possível restaurar o
equilíbrio energético utilizando qualquer dos métodos já conhecidos
de aplicação de cores (luz colorida, pirâmide, água solarizada,
etc.")
Pêndulo Cromático

Este pêndulo foi idealizado pelos pesquisadores franceses


Chaumery e Balizal, que o denominaram de "Pêndulo de cone fictício"
mas, aqui entre nós, e mais conhecido como "Pêndulo Cromático".
É constituído por uma haste cilíndrica de madeira, terminada em
cada extremidade por um cone, na qual existem marcas que correspondem
a todas as vibrações-cores visíveis e invisíveis do espectro
eletromagnético. Um disco de madeira, denominado plataforma circular,
desliza perpendicularmente sobre a haste cilíndrica através de um
furo central. (Ver fig. 17, pag. 97).
Variando-se a distância da plataforma circular em relação à
extremidade inferior da haste cilíndrica, obtém-se vários cones
fictícios, com diferentes ângulos centrais, os quais são ressonantes
com as várias vibrações-cores visíveis e invisíveis do espectro
eletromagnético. Assim, posicionando-se o disco sobre uma determinada
marca da haste cilíndrica graduada, o pêndulo ficará passível de
entrar em ressonância com a correspondente vibração-cor.
Este fato torna esse pêndulo muito útil em pesquisas
radiestésicas, sobretudo em diagnósticos biométricos sobre pranchas
anatômicas.
Ele pode ser sintonizado com a "vibração-cor intrínseca" ou
"pessoal", ou seja, a impregnação astral que acompanha cada ser
humano desde seu nascimento até sua morte, segundo seus idealiza-
dores.
Fazendo-se detecções radiestésicas com este pêndulo sintonizado
na "cor pessoal" tem-se maiores chances de não se cometer enganos.
Este pêndulo detector possui também propriedade de separador de
ondas através da regulagem do fio de suspensão que tem três nós. O
primeiro nó (o mais próximo do pêndulo) corresponde à regulagem
biométrica que se sintoniza com a "cor" ou "onda pessoal". Esta
regulagem deve ser usada em todas as detecções e medidas de caráter
biométriro.
O segundo nó (acima do anterior) corresponde a uma regulagem
especial mais sensível às ondas de forma.
O terceiro nó (o último e mais afastado do pêndulo) corres-ponde
á regulagem sensível unicamente ás emissões das cores visíveis.
Cada espécie de onda é, assim, bem selecionada e, para cada uma
destas regulagens, o pêndulo não reage a não ser sobre o tipo de onda
para a qual está regulado.
Assim as ondas biométricas, ondas de forma e ondas de cores
visíveis são bem diferenciadas possibilitando ao usuário ampliar o
campo de pesquisas.

Este pêndulo pode ser utilizado:

− Para detectar a vibração-cor intrínseca ou pessoal (cor da


personalidade).
− Para detectar a vibração-cor intrínseca de qualquer elemento,
orgânico ou inorgânico (planta, metal, cristal, etc.).
− Para detectar ondas telúricas nocivas.
− Como precioso auxiliar em trabalhos radiestésicos.
− Para determinar as vibrações-cores que estão em equilíbrio,
em excesso ou em falta numa pessoa.

Para se determinar a "cor da personalidade" de uma pessoa,


quando a mesma estiver presente, é necessário, inicialmente, adotar-
se uma convenção mental para interpretar os movimentos do pêndulo.
Comumente, costuma-se efetuar o teste primeiramente sobre a palma de
qualquer uma das mãos e, depois, sobre o dorso da mesma. Alguns
radiestesistas preferem fazer o teste na mão esquerda para o homem e
na direita para a mulher, devido a polaridade. É uma questão de
escolha pessoal.
Posiciona-se a plataforma circular numa das marcas da haste
cilíndrica que corresponde á uma determinada "cor": segura-se o
pêndulo pelo primeiro nó (o biométrico) mantendo-o acima da palma da
mão e, posteriormente, acima do dorso da mesma. Se esta
determinada "cor" for a da personalidade, o pêndulo efetuará um
movimento circular no sentido horário sobre a palma da mão e no anti-
horário sobre o dorso da mesma (ou conforme a convenção mental
adotada)"
Na ausência da pessoa efetua-se o teste com o pêndulo sobre um
seu testemunho previamente vitalizado no decágono.
Neste caso posiciona-se a plataforma circular sucessivamente em
cada uma das marcas da haste cilíndrica, enquanto que,
simultaneamente, faz-se mentalmente para cada uma a pergunta: "Esta é
a cor pessoal deste testemunho?"
Se o pêndulo fizer um movimento circular no sentido horário (ou
conforme a convenção mental adotada para sim) para uma determinada
"cor", esta sara a da personalidade.

Para detectar ondas telúricas nocivas no solo, deve-se segurar o


pêndulo pelo segundo nó, para efetuar a prospecção.
Posicionando-se a plataforma circular na marca correspondente ao
verde negativo próximo da extremidade inferior da haste cilíndrica, o
pêndulo se sintonizará com as ondas telúricas nocivas provenientes de
correntes de água subterrâneas.
Posicionando-se a plataforma circular na marca correspondente ao
Verde Negativo próximo da extremidade superior (perto do fio de
suspensão), o pêndulo se sintonizará com as ondas telúricas nocivas
provenientes de cavidades ou falhas geológicas subterrâneas.
Se quisermos verificar se uma pessoa (ou seu testemunho) está
impregnada com essas ondas telúricas nocivas, devemos efetuar o teste
segurando o pêndulo pelo primeiro nó (o biométrico).
Quando a pessoa estiver presente, efetua-se o teste com o
pêndulo sobre a palma de qualquer das mãos e, quando estiver ausente,
sobre seu testemunho.
Se o pêndulo fizer um movimento circular no sentido horário (ou
conforme a convenção mental adotada) sobre a palma da mão ou sobre o
testemunho, a pessoa está impregnada pela onda telúrica nociva
correspondente ao verde negativo relativo a marca que a plataforma
circular está posicionada.
O pêndulo cromático é um auxiliar valioso na realização de
trabalhos radiestésicos especialmente em diagnósticos sobre pranchas
anatômicas, uma vez que, sintonizado na "cor intrínseca" da pessoa
objeto do estudo, possibilita a obtenção de resultados mais precisos.
O pêndulo cromático pode também ser usado para determinar quais
as "cores" que estão em equilíbrio, em excesso ou em falta numa
pessoa. O processo de detecção é semelhante àquele usado para achar a
"cor pessoal" desde que, previamente, se adote uma convenção mental
para interpretar os movimentos do pêndulo correspondentes à cada
condição (equilíbrio, excesso ou falta). Como sugestão, temos a tabela
da figura 18 na pag. 97.
Se preferir, pode usar um gráfico do tipo semi-círculo munido de
escalas de porcentagens como mostra a figura 19 na pag. 98. Neste
caso, os resultados obtidos são mais precisos, visto que estão
relativamente quantificados em porcentagens.
Uma vez determinadas as cores que estão em falta, devemos
restaurar o equilíbrio aplicando-as à pessoa ou seu testemunho,
através dos processos já conhecidos (luz colorida, água solarizada,
pirâmide, minigerador, etc.)
Para as cores que estão em excesso, podemos equilibrá-las
aplicando as respectivas cores simétricas ou opostas, através de
qualquer dos processos já conhecidos.
Pêndulo Equatorial "Unidade"

Este pêndulo conhecido entre nós como "Eletromagnético", foi


idealizado pelo pesquisador francês Jean de La Foye com a finalidade
de poder ser utilizado de modo semelhante ao Pêndulo Universal de
Chaumery e Belizal, com a vantagem de ter um custo menor tornando,
portanto, mais acessível o seu uso. Constituído por uma esfera de
madeira com diâmetro aproximado de seis centímetros, na qual estão
escavados três meridianos perpendiculares entre si. As seis
interseções dos meridianos estão ligadas duas a duas através de três
furos diametrais, num dos quais passa o fio de suspensão do pêndulo.
Na ranhura do meridiano do equador, que está num plano perpendicular
ao furo de passagem do fio de suspensão, desliza uma cinta feita de
fio de cobre fechado pela torção de suas extremidades formando um
pequeno ponteiro indicador. Este meridiano do equador é graduado
através de doze marcas, cada uma correspondendo à uma vibração-cor
indiferenciada do equador do Pêndulo Universal de Chaumery e
Belizal. No quarto de círculo de um dos meridianos escavados, que
corresponde ao trecho que vai do equador até um dos furos de
passagem do fio de suspensão, existem dois furos até o centro da
esfera que dividem o respectivo arco de círculo em trechos de 1/13,
8/13 e 4/13 de comprimento de arco, a partir do equador. Esta
divisão tem correspondência numérica com a palavra hebraica HACHD
(Ehad) que significa "um". (Ver fig. 20, pag. 98).
A diferenciação das fases "magnética" e "elétrica" das
vibrações-cores é feita suspendendo-se o pêndulo ora por uma
extremidade do fio, ora por outra. A fase "magnética" é obtida
suspendendo-se o pêndulo pela ponta do fio que corresponde á semi-
esfera onde existem os dois furos radiais num dos meridianos e a
fase "elétrica" é obtida suspendendo-o pela outra ponta do fio.
O posicionamento do ponteiro indicador da cinta que desliza no
meridiano do equador defronte uma das marcas nele existentes,
permite que o pêndulo reaja á vibração-cor correspondente por
ressonância. Assim, para uma determinada "cor" consegue-se, com
certa rapidez, passar de uma fase à outra simplesmente suspendendo-
se o pêndulo por uma ou outra ponta do fio.
Este pêndulo pode ser utilizado:

1- Em pesquisas radiestésicas para determinar as fases de


radiações provenientes de objetos, cristais, formas, etc.

2- Para verificar se um ambiente está impregnado de energias


telúricas nocivas. Para isto, regula-se o pêndulo no verde negativo
"elétrico" e percorre-se o local com o mesmo suspenso por uma das
mãos. Onde o pêndulo reagir com movimentos circulares no sentido
horário ( ou conforme a convenção mental adotada para sintonia)
significa que existe energia telúrica nociva que precisa ser
neutralizada por qualquer dos métodos conhecidos.

3- Para determinar a "cor intrínseca" de uma pessoa, animal,


planta ou qualquer elemento orgânico ou inorgânico" Em se tratando
de pessoas, faz-se o teste primeiramente sobre a palma de qualquer
das mãos e depois sobre o dorso da mesma.
Regula-se o pêndulo numa determinada "cor", sempre na fase
magnética, e suspende-se o mesmo acima da palma da mão da pessoa
testada. Se ele fizer um movimento circular no sentido horário e, em
seguida, quando suspenso acima do dorso da mesma mão, girar no sentido
anti-horário, esta vibração-cor será aquela da personalidade (ou
intrínseca)"

4 - Para verificar se uma pessoa ou qualquer objeto está


impregnada com energia telúrica nociva. Neste caso, regula-se o pêndulo
no verde negativo "elétrico" e faz-se o teste com o mesmo suspenso
sobre a palma de qualquer uma das mãos da pessoa testada.

Esta pessoa está impregnada se o pêndulo efetuar um movimento


circular no sentido horário (ou conforme a convenção mental adotada
pela sintonia). Quando a pessoa não está presente, faz-se o teste sobre
um testemunho da mesma.
Para testar um objeto qualquer, suspende-se o pêndulo sobre o
mesmo, ou aponta-se para ele o dedo indicador da mão livre que fará o
papel de "antena". Observa-se o movimento do pêndulo segundo a
convenção mental adotada, de modo análogo ao anterior.
As Cores na Radiônica

As cores sempre se constituíram numa forma muito eficaz de


tratamento na radiônica, pois de algum modo, elas parecem estar
relacionadas com os corpos sutis.
Segundo David Tansley, a cor está relacionada com o quarto éter
onde se localiza a maior parte dos padrões de enfermidade de
natureza etérica e, talvez por isto, seja tão efetiva nos
tratamentos radiônicos.

A) Conceitos Básicos

A cor não tem existência material; é a sensação provocada pela


ação da luz sobre o órgão da visão. As sensações cromáticas são
provocadas por estímulos que pertencem à dois grupos: o das cores-
luz e os das cores-pigmento.
A cor-luz, ou luz colorida, é a radiação luminosa que tem como
síntese aditiva a luz branca. Seu melhor exemplo é a luz solar que
reúne de forma equilibrada todos os matizes existentes na natureza.
A cor-pigmento é uma substância material que, conforme sua
natureza, absorve, refrata e reflete os raios luminosos que compõem
a luz difundida sobre ela. A este grupo pertencem as substâncias
corantes.
Se vemos um objeto como sendo vermelho é porque ele absorve (ou
"subtrai") quase todos os raios da luz branca incidente refletindo
apenas a totalidade dos vermelhos.
As cores de quase todas as coisas que vemos são produto dós
pigmentos. O físico Isaac Newton foi o primeiro a provar, através da
decomposição de um raio de luz solar incidindo sobre um prisma
triangular transparente, que este compõe-se de uma mistura de
radiações (ou ondas eletromagnéticas) de diferentes comprimentos de
onda. Ele enumera sete cores básicas visíveis: vermelho, laranja,
amarelo, verde, azul, índigo e violeta.

As cores se classificam em:

1 - Cores Primárias: são as três cores indecomponíveis que,


misturadas em proporções variáveis, produzem todas as cores do
espectro. Em cores-luz as primárias são: vermelho, verde e azul-
violetado. A mistura destas três luzes coloridas produz o branco
pelo fenômeno de síntese aditiva. Em se tratando de cores-pigmento
(ou cores-tinta) as primarias são: vermelho, amarelo e azul" A
mistura delas produz o cinza neutro por síntese subtrativa.
Em se tratando de cores-pigmento transparentes como os filtros
coloridos e películas fotográficas, as cores primárias são: magenta,
amarelo e cíano (azul esverdeado). A superposição de três filtros
destas cores produz o cinza neutro também por síntese subtrativa.

2 - Cores Secundárias : são aquelas formadas por duas cores


primárias em equilíbrio ótico.
Em cores-luz, o vermelho e o verde produzem o amarelo; o
vermelho e o azul-violetado produzem o magenta; o verde e o azul-
violetado produzem o cíano (azul esverdeado).
Em cor-pigmento, o vermelho e o amarelo produzem o laranja, o
vermelho e o azul produzem o violeta e o azul e amarelo produzem o
verde.

3- Cores Complementares: duas cores são denominadas


complementares quando misturadas produzem a cor branca ( ou cinza
neutro para as cores-pigmento). Em cor-luz as complementares são;
vermelho e cíano, amarelo e azul-violetado, verde e magenta.
Em cor-pigmento as complementares são: azul e laranja, violeta e
amarelo, vermelho e verde.

4- Cores "Quentes": são assim denominadas as cores que causam a


sensação de calor e são estimulantes como o infra-vermelho, o
vermelho, o laranja e amarelo.

5- Cores "Frias": são assim chamadas as cores que causam a


sensação de frio e são calmantes como o azul, o índigo, violeta e
ultravioleta. A cor verde ocupa a posição mediana do espectro
considerada neutra, mas pode ser "quente" se comparada com o violeta
ou "fria" se comparada com o vermelho.

Quando misturadas com a cor branca, as cores adquirem


tonalidades como, por exemplo, a cor rosa que é a mistura do vermelho
com o branco.
As cores visíveis correspondem a faixa de energia radiante do
espectro eletromagnético, cujo comprimento de onda vai de 4000 Å
(violeta) à 7000 Å (vermelho).
(Å = Angstrom = 1/10.000.000 mm)
As vibrações com comprimentos de onda menores que o espectro
visível são, em ordem decrescente, o ultravioleta, raios x, raios
gama e raios cósmicos.
As vibrações com comprimento de onda maiores que o espectro
visível são, em ordem crescente, o infra-vermelho, ondas curtas e
ondas de rádio. (Ver fig. 21, pag. 99).
As vibrações-cores com maior poder de penetração são aquelas com
menor comprimento de onda como o violeta, ultravioleta, raios x, etc.
Os seres humanos selecionam e absorvem da luz solar todas as
vibrações-cores que são necessárias para seu equilíbrio, sendo que
cada indivíduo tem necessidades específicas de cores especificas, de
acordo com o seu biotipo e personalidade. Toda célula vegetal ou
animal necessita de vibrações-cores de determinados comprimentos de
onda para a manutenção da vida. As cores exercem sobre o nosso ser
uma influência física, emocional e psíquica.

B) Indicações de uso Terapêutico das Cores

As indicações, dadas a seguir, sobre o efeito curativo das


cores, são sugeridas por autores especialistas no assunto como René
Nunes, Reuben Amber, Dinsha Ghadiali, Roland Hunt, e outros, servindo
apenas como orientação preliminar. Para um aprofundamento sobre o
tema, sugerimos a leitura dos livros de cromoterapia desses autores.
- VERMELHO

é a cor que energiza e revitaliza o corpo físico, e comumente


associada ao chakra básico ou coccígeo e age sobre as glândulas
suprarenais.

Indicações terapêuticas: Anemia, debilidade física, resfriados,


paralisia, problemas circulatórios, dores reumáticas agravadas pelo
frio, tremores de frio (quando não houver febre), prisão de ventre
por atonia intestinal, tuberculose, frigidez, impotência, estimula a
produção de hemoglobina, energiza o fígado, ativa a liberação da
adrenalina.
Efeitos psicológicos: Estimula a força de vontade, a fé e a
coragem, dando maior confiança e espírito de iniciativa, fazendo
superar a depressão e inércia.
Contra indicações: estados inflamatórios ou febris,
hipertensão, perturbações mentais em pessoas com temperamentos
histéricos ou coléricos. Por ser uma cor muito estimulante, deve ser
usada com cautela. É aconselhado nunca usá-la de forma exclusiva,
mas complementá-la com a cor verde ou azul para neutralizar qualquer
efeito indesejável.

- LARANJA

Por ser uma cor resultante da combinação do vermelho e amarelo,


estimula a atividade física e a intelectual. Fortalece o corpo
etérico, vivifica as emoções criando uma sensação geral de
disposição, satisfação e bem estar. É comumente associada ao chakra
sacral e atua sobre as gônadas.
Indicações terapêuticas: Estados de fadiga, câimbras, asma,
bronquite, doenças pulmonares em geral, estimulante respiratório,
tônico sexual, hipotireoidismo, epilepsia, gota, reumatismo,
antiespasmódica, doenças renais, suspensão da menstruação, fissuras,
fraturas e fraquezas ósseas, carminativa, inibe a ação das
paratireóides, auxilia o metabolismo do cálcio, ativa o baço e o
pâncreas, prevenção de tumores malignos e benignos, prolapso anal,
debilidade mental, traumatismos musculares.
Efeitos psicológicos: Aumenta o otimismo, remove as repressões
e inibições, amplia a mente tornando-a receptiva a novas idéias,
aumenta a compreensão e tolerância, promove uma sensação geral de
bem estar.
Contra indicações: Nenhuma digna de registro.

- AMARELO

É a cor do intelecto e da razão; estimula as faculdades


mentais, proporciona uma atitude harmoniosa em relação à vida e
favorece o equilíbrio, o otimismo e a alegria. É comumente associada
ao chakra do plexo solar e atua sobre o pâncreas.
Indicações terapêuticas: Diabete, dispepsia, flatulência,
azia e má digestão, prisão de ventre, hemorróidas, paralisia,
eczemas e doenças da pele, males do fígado, colagogo, estimulante
do sistema nervoso, ativa o sistema linfático, cansaço mental,
enxaqueca, parasitas intestinais, auxilia o tratamento de problemas
ósseos.
Efeitos psicológicos: Elimina ou reduz a depressão e a
melancolia, estimula o raciocínio lógico, melhora o autocontrole ao
inspirar as faculdades mais elevadas.
Contra indicações: Excitação mental, histeria, cólera,
inflamação aguda, diarréia, palpitações cardíacas, alcoolismo.

- VERDE
É a vibração-cor da paz, harmonia e do equilíbrio e que pre-
domina na natureza. É a cor média do espectro visível. Regenera o
corpo etérico, segundo o Dr. Hac Naughton.
É comumente associada ao chakra cardíaco e age sobre o timo.
Indicações terapêuticas: Antisséptica, desinfetante, germicida e
bactericida, antiinflamatória, dilata os vasos sangüíneos, anti-
infecciosa, insônia, hipertensão, irritabilidade, dores de cabeça,
doenças cardíacas, ulceras, sífilis, nevralgia, erisipela, calmante
dos nervos, estimula a pituitária.
Efeitos psicológicos: Acalma a tensão nervosa e promove um
sentimento de renovação, esperança, vida nova e frescor. Regenera o
corpo astral (emocional) que tenha sido afetado por choques, fadiga e
emoções negativas. Restaura a harmonia do sistema nervoso.
Contra indicações: Embora não haja nenhuma séria objeção quanto
à sua utilização, é conveniente não usá-la durante muito tempo.
- AZUL

O azul é a cor da intuição, da verdade, da devoção e da


sinceridade; estimula as faculdades mentais superiores.
Produz uma vibração calma e pacifica e, por sua acentuada ação
terapêutica equilibradora, é uma das mais importantes cores usadas em
cromoterapia. É comumente associada ao chakra laríngeo E atua sobre a
tireóide e, secundariamente, sobre as paratireóides.
Indicações terapêuticas: Aftas, doenças da garganta (rouquidão,
laringite, faringite), gastrite, queda dos cabelos, cólicas,
diarréia, estados febris, inflamação intestinal, cólera, insônia,
úlceras estomacais e duodenais, sedativo e analgésico, lubrificante
das articulações e do tubo digestivo e intestinos, gases intestinais,
caxumba, icterícia, biliosidade, histeria, epilepsia, picadas e
queimaduras, menstruação dolorosa, catarata, glaucoma, inflamação dos
olhos, tifo.
Efeitos psicológicos: Induz a um estado de quietude, paz
mental e tranqüilidade, favorece a meditação e expansão espiritual,
atenua o egoísmo, faz o introvertido sair da "concha"' é benéfico nos
casos de excitação excessiva e nas psicoses maníacas.
Contra indicações: Resfriados, hipertensão, gota, paralisia,
taquicardia, quando usado em excesso pode induzir à depressão.
− ÍNDIGO

É a cor resultante da mistura do azul com o violeta; eleva o


nível de consciência, purifica a mente e controla as correntes
psíquicas dos corpos sutis. É considerada como eficaz anestésico e
grande purificadora da corrente sanguínea. É comumente associada ao
chakra frontal e age sobre a pituitária.
Indicações terapêuticas: Doenças dos olhos, ouvidos, nariz e
garganta, catarata, estimula as paratireóides mas deprime a
tireóide, hemostática (estanca hemorragias), ativa a produção de
fagócitos no baço, anestésica, coagulante, doenças pulmonares
(pneumonia, bronquite, asma, tosse comprida, tísica, crupe
bronquial), doenças nervosas, convulsões, doenças mentais (delirium
tremens, obsessões, psicoses), sangramento nasal, ciática,
nevralgias faciais.
Efeitos psicológicos: Acalma a excitação mental, estimula a
intuição, permite o acesso a certos níveis mais sutis de
consciência, expande a mente e a libera de repressões, medos e
inibições, "limpa" as correntes psíquicas do corpo.
Contra indicações: Nenhuma digna de nota.

− VIOLETA

A cor violeta tem a mais alta freqüência vibratória do espectro


das cores visíveis; estimula a espiritualidade, a natureza intuitiva
e os mais altos ideais humanos: expande o horizonte de nosso
entendimento divino. O Conde Saint Germain usava o raio violeta para
curar doentes. É comumente associada ao chakra coronário e exerce
influência sobre a glândula pineal,
Indicações terapêuticas: Distúrbios mentais e nervosos, doenças
do couro cabeludo, nevralgias, neuroses, insônia, ciática,
bactericida, anti-infecciosa, estimula a produção de leucócitos,
afecções dos rins e bexiga, regula o equilíbrio sódio-potássio no
corpo, reumatismo, meningite cérebro-espinhal, estimula o baço,
elimina toxinas.
Efeitos psicológicos: Exerce efeito curativo sobre todas as
formas de neuroses e manifestações neuróticas, estimula a
criatividade e os trabalhos artísticos, purifica os ideais e
favorece a meditação"
Contra indicações: Não se deve usá-lo em casos de depressões e
em pessoas de mente retardada.

C) Uso das Cores na Radiônica

No campo da cromoterapia, encontramos várias maneiras de usar


as cores diretamente nas pessoas para corrigir seus desequilíbrios
energéticos, como, por exemplo:
− luz colorida,
− água solarizada colorida,
− respiração da cor,
− mentalização - visualização da cor,
− helioterapia,
- ingestão de alimentos cuias radiações tem correspondência com as
cores.
- água energizada com cores no decágono. No centro do decágono,
coloca-se um copo d'água sobre um pedaço colorido de pano, papel,
cartolina, etc., ou sobre um pedaço de papel branco com o nome da cor
escrito. Ao invés de um decágono comum pode-se, também, usar um decágono
colorido e, neste caso, coloca-se somente o copo de água no seu centro.
Determine, com o pêndulo, o tempo necessário de energização
Para melhor conhecer esses métodos (com exceção do último) de
aplicação direta das cores, sugerimos a leitura de livros especializados
em cromoterapia.
Na radiônica, onde normalmente os tratamentos são feitos à
distância através de um testemunho da pessoa doente, as cores são usadas
nos diversos gráficos e aparelhos emissores ou como agentes corretivos
com o intuito de restabelecer o equilíbrio energético através da ação
oposta ou como elementos auxiliares energeticamente ativos para reforçar
alguma ação desejada. Tendo-se previamente detectado, por qualquer
método radiestésico, qual é a vibração correspondente a doença ou a
causa do desequilíbrio, pode-se restabelecer a condição normal através
dos seguintes métodos:

C.1 - Aplicar a cor simétrica


Conforme define Jean de La Foye em seu livro "Ondas de vida, ondas
de morte". denominam-se simétricas as cores que estão em .posição
simétrica em relação ao eixo verde positivo-verde negativo do meridiano
do equador do Pêndulo Universal de Chaumery e Belizal (Ver fig. 13, pag.
95) ou sejam:

amarelo e azul
laranja e índigo
vermelho e violeta
infra-vermelho e ultravioleta
preto e branco

C.2 - Aplicar a cor oposta

Segundo o mesmo autor, denominam-se opostas as cores situadas em


posição diametralmente oposta em relação ao centro do referido meridiano
do equador (Ver fig. 13, pag. 95) ou sejam:

verde positivo e verde negativo


azul e preto
índigo e infra-vermelho
vermelho e violeta
laranja e ultravioleta
amarelo e branco

C.3 - Aplicar a cor complementar


Conforme mencionado anteriormente, duas cores são denominadas
complementares quando misturadas produzem a cor branca (ou cinza para as
cores-pigmento). São elas:
- Em cores-luz: vermelho e cíano, amarelo e azul-violetado,
verde e magenta.
- Em cores-pigmento: vermelho e verde, amarelo e violeta,
azul e laranja.

C.4 - Aplicar a mesma cor mas de "fase" oposta


O objetivo deste método é o de equilibrar as vibrações-cores nas
suas duas fases denominadas "Elétrica" e "Magnética" (com exceção do
verde negativo elétrico)" Segundo o pesquisador francês Jean Pagot,
as cores em fase "Magnética" são favoráveis à vida e as em fase
"Elétrica" são desfavoráveis e, todo o ser humano deve apresentar um
equilíbrio entre ambas as fases para a manutenção da boa saúde.
O verde negativo "Magnético" é benéfico à vitalidade humana e o
verde negativo "Elétrico" é bastante nocivo mas, ele não deve ser
nulo e sim variar numa porcentagem entre 1 a 1,5%.
O verde negativo "magnético" é uma exclusividade da vida dos
organismos de sangue quente.
Se for detectado que uma determinada cor tem a fase "Elétrica"
em excesso em relação à "Magnética", aplica-se esta última até
atingir o equilíbrio entre ambas.
Por exemplo, se houver um excesso de azul "Elétrico" em relação
ao azul "'Magnético" aplica-se este último até se igualarem
percentualmente.
Para a determinação e a aplicação das fases de uma vibração-cor são
necessários, respectivamente, pêndulos especiais como o Pêndulo
Universal e o Pêndulo Equatorial Unidade (Eletromagnético) de Jean de
La Foye e aparelhos emissores radiônicos especiais como o Disco
Equatorial de Jean de La Foye.
Com relação a este tema, Jean Pagot estabelece que o equilíbrio
da vida é caracterizado pelas seguintes condições:
- o azul, índigo e violeta devem ter percentual de 100% nas
fases "Magnética e Elétrica",
- o verde negativo 'Magnético", que representa nosso potencial vital,
deve corresponder à um percentual de 100%, enquanto que o verde
negativo "Elétrico" deve estar entre 1 e 1,5%"
- o preto "Magnético" assim como o "Elétrico" normalmente
corresponde á um percentual nulo,
- as demais cores (infra-vermelho, vermelho, laranja, amarelo, verde
positivo, ultravioleta e branco) devem estar em equilíbrio nas suas
duas fases.

D) Aplicação Prática

A aplicação prática das cores em trabalhos radiônicos, através


de qualquer dos três primeiros métodos, pode ser feita das seguintes
maneiras:

D.1 - Através de lâmpadas coloridas focalizadas sobre os


testemunhos da pessoa e objetivo nos gráficos e aparelhos emissores
radiônicos.
D.2- Através de um testemunho da cor desejada constituído por um
pedaço colorido de pano, plástico, papel ou cartolina, o qual é
colocado sobre os testemunhos nos gráficos ou aparelhos emissores"

D.3- Através de um testemunho artificial da cor desejada ou


seja, um pequeno pedaço de papel branco no qual é escrito o nome da
cor e que, posteriormente, é vitalizado no decágono. Este testemunho
artificial é, como no caso anterior, colocado sobre os outros
testemunhos nos gráficos ou aparelhos emissores.

D.4- Através das vibrações-cores emitidas pelas arestas da base


de uma pirâmide padrão Quéops posicionada na direção Norte-Sul (Ver
fig. 22, pag. 99).
Enrola-se uma das extremidades de um pedaço de fio de cobre
flexível (ou barbante, fio de algodão ou seda, etc.) na posição da
aresta da base que corresponde à cor desejada e a outra é colocada
sobre os testemunhos nos gráficos ou aparelhos emissores ou, se
estes não estiverem sendo usados, somente sobre o testemunho da
pessoa a ser tratada.

D.5- Através do Minigerador (de J. Ribaut) colocando-se, no


espaço em branco do círculo periférico, um pequeno pedaço de papel
branco com o nome dá cor nele escrito e posicionando-o defronte o
ponteiro de cobre. A espiral branca móvel é posicionada em
alinhamento com a espiral preta fixa e com a ponta defronte o
ponteiro de cobre. O testemunho da pessoa a ser tratada é colocado
no local a ele reservado. Determine radiestesicamente o tempo
necessário de emissão.

E) Considerações Finais

Julgamos conveniente ressaltar que o praticante de radiônica não


deve se limitar apenas ao tratamento de sintomas, pois, com esta
atitude que seria análoga àquela de "varrer a sujeira para debaixo
do tapete", ele deixa de atuar sobre as verdadeiras raízes dos
problemas.
O praticante deve procurar sempre dar um enfoque holístico ao
trabalho radiônico, ou seja, deve considerar a pessoa a ser tratada
no seu todo, constituída de um corpo físico e energético.
É nos corpos sutis que se encontram os verdadeiros focos das
doenças e, sobre este assunto, David Tansley afirma, no seu livro
"Dimensões da Radiônica", que cerca de 90% das doenças são
originadas nos corpos etérico e astral (emocional).
Na busca da cura, a pesquisa radiestésica deve abranger, além do
corpo físico, as glândulas endócrinas, os chakras e os corpos sutis
(as vezes até nadis e meridianos chineses) para que aumentem as
possibilidades de detectar os pontos focais dos desequilíbrios
energéticos, aos quais serão dirigidos os trabalhos radiônicos.
Energias Nocivas

Vamos aprofundar um pouco mais o necessário conhecimento das


energias que possam afetar os locais onde colocamos nossas camas.
Inúmeras pesquisas realizadas no passado, denotam que a humanidade
ainda não se deu conta da importância destes estudos e suas
conseqüências para nossa saúde. Como as vibrações dessas energias
telúricas infelizmente só podem ser detectadas pela radiestesia,
através da sensibilidade, a ciência acadêmica acabou por ignorá-las,
já que não consegue medi-las" Os radiestesistas conscientes estão
observando, a todo momento, milhões de pessoas que morrem ou que
adoecem ignorando completamente que uma simples mudança de local de
suas camas poderia prolongar suas vidas, diminuir seus sofrimentos, e
economizar tantas fortunas dependidas com cirurgias, remédios e
tratamentos. Vale a pena, pois, conhecer mais profundamente quais as
energias que podem existir nos ambientes onde passamos um terço de
nossas vidas, tentando dormir, descansar e repousar.

Numa habitação, no local de trabalho e especialmente nos quartos


de dormir podem existir energias capazes de desequilibrar o ser
humano, causando doenças, perturbações emocionais, desarmonias
conjugais e tantos outros efeitos destruidores. Já vimos
anteriormente que todos os seres vivos precisam das duas grandes
energias que se completam: energia cósmica e energia telúrica
Vimos como precisamos mais de energia cósmica e somente uma
pequena porcentagem de energia telúrica. Aprendemos, ainda, que as
energias são em si indiferentes e que plantas e animais necessitam
destas energias em escalas diferentes da nossa. Em geral, todos os
animais se afastam dos lugares onde há fortes energias telúricas.
Entretanto há os que precisam delas e as procuram, como o gato, a
formiga, as abelhas, e outros. Portanto, quando falarmos em energias
nocivas, entendamos sempre que se trata de uma energia descompensada,
desequilibrante.

A) Principais Causas das Energias Nocivas:


1- Correntes de água subterrânea, atravessando terras ou
jazidas de polaridades diferentes.
2- Esgotos ou corpos em decomposição.
3- Condutos de água contaminada.
4- Fendas e aterros geológicos,
5- Cavernas e estratificações.
6- Jazidas de certos minerais nocivos.
7- Casas morbosas, cujos muros estão impregnados de micróbios de
pessoas mortas (Este conceito foi defendido pelo Frei Albino Aresi,
já falecido).
8- Quadros, estatuas, flores, perfumes ou objetos "preparados"
em rituais mágicos, com finalidades destrutivas.
9- Ossadas, túmulos ou objetos nocivos sobre os quais se
construiu a casa.
10- Redes globais em grade, principalmente as conhecidas REDE
HARTMANN e REDE CURRY.
11- Televisores, fornos de microondas, etc.
Todo terapeuta que se diz radiestesista deveria conhecer
profundamente a geobiologia ou a ciência que estuda as relações
entre a terra e a vida.
Deveria saber localizar a existência de zonas geopatogênicas
nas casas, zonas em que a acumulação de certas energias se torna
perigosa para os seres vivos. O lugar em que vivemos afeta
frequentemente nosso estado geral físico e psíquico e pode ser a
causa de inúmeras enfermidades, entre as quais os vários tipos de
câncer e doenças cardiovasculares.

B) Redes globais em Grade - A Rede Hartmann

Sabemos que a Terra, como uma grande esfera, está envolta por
um campo magnético necessário à vida. É interessante observar que a
Terra é um corpo vivo.
Podemos, assim fazer analogias entre topografia da Terra e o
corpo humano.
No corpo humano conhecemos os meridianos da acupuntura, com
seus pontos, sua simetria e sua bipolaridade. Pesquisadores
descobriram que também a Terra é coberta por malhas de energia que,
como verdadeira rede de meridianos, seguem as mesmas leis da
bipolaridade deixando fluir a energia telúrica de baixo para cima.
Igualmente possui nódulos formados pelos cruzamentos positivos e
negativos, iguais e simétricos em ambos os hemisférios.
Foi o Dr. Ernest HARTMANN que, após a segunda guerra mundial,
descobriu uma rede energética que envolve toda a Terra na direção
NORTE-SUL e LESTE-OESTE. A Rede Hartmann ou Rede H seria uma
estrutura de irradiações que se eleva verticalmente do solo, como
muros radioativos invisíveis, com largura de 21 centímetros. Na
direção norte-sul se eleva a cada 2 metros e na direção leste-oeste
a cada 2,5 metros. (Ver fig. 23, pag. 100). Estas medidas são as
comumente encontradas, entretanto podem apresentar alguma variação,
dependendo do lugar, de diversos fatores como composição do solo,
etc.
As linhas ou muros da Rede Hartmann, tanto na direção norte-sul
como no sentido leste-oeste, alternam sucessivamente as polaridades
Yang ou positivas com as polaridades Yin ou negativas. Na antiga
China a polaridade Yin era interpretada como inverno, energia fria e
lenta. Já a polaridade Yang significava uma energia quente, seca, de
ação rápida.
Desta maneira, podemos observar que os cruzamentos de duas
linhas semelhantes da Rede H se constituem exatamente os locais
perigosos para a saúde. Interessante observar que os cruzamentos de
duas linhas Yang produzem inflamações, tumores. Já os cruzamentos de
duas linhas Yin produzem câimbras, reumatismo e paralisias.
A irradiação cosmo-telúrica, cuja absorção oscila de acordo com
as fases lunares, com o transcorrer dos dias e dos anos termina por
provocar o desequilíbrio molecular. Segundo alguns autores, na fase
da lua cheia, os "muros" da rede Hartmann se alargam, trazendo maior
perigo para os que estão expostos a esta influência telúrica.
Concluímos, pois, que as zonas neutras. saudáveis, são as que estão
localizadas dentro dos retângulos da
rede H. Os pontos mais perigosos são os cruzamentos da rede. E os
pontos considerados "fatais" são os duplos cruzamentos, isto é, na
rede H junto com as correntes de água subterrâneas.
As pesquisas comprovam: quem estiver há mais de 1 ano sobre um
cruzamento da rede H coincidente com um cruzamento de água
subterrânea, com toda certeza terá sérios problemas de saúde,
principalmente câncer.
A descompensação destas energias poderá afetar o campo etérico
e o emocional. Seria uma boa pesquisa observar se também distúrbios
psíquicos, depressões, fobias, etc., não estariam acontecendo com os
que dormem sob esses perigosos cruzamentos.

C) Redes globais em grade - A rede Curry ou linhas Curry

Sobre a superfície do globo terrestre há uma outra malha


energética que corre nas diagonais dos pontos cardeais, isto é,
linhas correndo de nordeste para sudoeste e linhas correndo de
sudeste para noroeste, formando uma rede quadriculada um pouco
diferente da rede H, com espaço entre elas de 3,5 a 4 metros,
variando conforme a latitude do local" Também a largura da própria
linha varia entre 30 a 80 centímetros. Devido às pesquisas do dr.
Manfred Curry, esta rede ficou conhecida como "Rede Curry ou Linhas
Curry". (Ver fig. 23, pag. 100).
Em seu livro "A chave da Vida", o dr. Curry distingue dois
tipos humanos:

a) o tipo W - sensível ao calor


b) o tipo K - sensível ao frio.

Segundo discorre Kathe Bachler em seu livro "Radiestesia e


Saúde", "o dr. Curry constatou que toda pessoa emite energia própria
sob a forma de ondas, e que esta difere de pessoa para pessoa. Ao
comprimento dessa onda ele denominou "REAÇÃO DE RECUO". Este estudo
foi feito observando-se a relação do clima com a saúde. Os de tipo W
possuem "reação de recuo" mais curta, mais ou menos até 40
centímetros. Os de tipo K possuem "reação de recuo" entre 60 e 100
centímetros" Estas reações podem variar quando mudam as condições
climáticas. Dr. Curry concluiu que "um adoecimento por câncer
acontece, com grande probabilidade, quando a reação de recuo se
torna um pouco maior que 100 centímetros" Em seguida, o dr. Curry
definiu os cruzamentos desta rede como CARREGADOS ou positivos (+)
aqueles que proporcionam reação de recuo maior e cruzamentos
DESCARREGADOS ou negativos (-) aqueles com reação de recuo mais
curta. Os cruzamentos CARREGADOS (+) provocam câncer e os
DESCARREGADOS(-) provocam câimbras, reumatismo, dores musculares.
Praticamente devemos observar, pois, estes 3 fatores que podem
estar ligados aos problemas de saúde quando se mede um quarto de
dormir:

a) correntes de água subterrânea, cruzamentos de correntes de


água, fendas, etc.
b) cruzamentos da rede Hartmann (sentido norte-sul)
c) cruzamentos das linhas Curry (sentido diagonal)

D) Como detectar as redes globais Hartmann e Curry

Primeiramente devemos repetir que todo radiestesista deve ter


pré-estabelecido um determinado movimento do pêndulo, do dual rod, do
aurímetro ou da forquilha, a fim de poder interpretar quando a
resposta deva ser SIM ou NÃO. Uma vez suposto o
"O condicionamento, basta por em prática, fazendo as perguntas
mentais com simplicidade e segurança. Vale a pena dar a palavra outra
vez à famosa radiestesista Kathe Bachler que diz: O radiestesista
talentoso e o manipulador do pêndulo, no qual o espírito, alma e
corpo trabalham harmoniosamente em conjunto com seu cérebro que tanto
pode ser receptor como emissor pode sintonizar aquilo que deseja. Ele
dirá: Quero tornar-me sensível à água corrente subterrânea,
desligando-me de qualquer outra radiação". Ou dirá: Quero ligar-me à
rede Curry ..." etc.
"Esse desejo, formulado com atenção, sem esforço mental, é a
condição para se chegar ao objetivo". (Conforme "Radiestesia e Saúde"
- pag. 39).
No início o radiestesista poderá encontrar certa dificuldade em
determinar bem de que energia se trata. Deverá persistir com
humildade e determinação. Achar correntes de água poderá ser mais
fácil" As redes globais oferecem maior dificuldade. Sobre um mapa ou
uma planta, quando se está mais acostumado a este tipo de
radiestesia, basta encontrar as primeiras linhas e, em seguida,
colocar sobre a planta ou mapa um gabarito das respectivas redes,
observando-se que poderá haver modificações devido ao clima e outros
fatores. Isso é tarefa de radiestesistas mais experientes.
Aos radiestesistas principiantes aconselhamos que treinem
inicialmente na prospecção de correntes subterrâneas de água ou
falhas geológicas e somente quando se sentirem seguros e confiantes,
passem a treinar com as redes Hartmann e Curry.

Apesar de cada qual poder fazer sua convenção mental, em nosso


curso adotarmos as seguintes convenções:

a) Dual Rod - Deverá cruzar as varetas onde existir os correntes


de água"
b) Pêndulo - Regulado no PONTO ZERO, o pêndulo deverá indicar as
correntes de água fazendo movimentos ANTI-HORÁRIOS. Quando, porém,
não se usa o PONTO ZERO e se faz uma pergunta do tipo "Aqui existe
corrente de água subterrânea ?" cada qual deverá usar a sua própria
convenção para SIM ou NÃO.
c) Forquilha - Para quem usa a forquilha, o movimento de
inclinação para cima ou para baixo indicará a existência de água.
d) Aurímetro - Quando usamos o aurímetro, o movimento de
oscilação VERTICAL indicará a existência de corrente de água.

Observação: Antes de medir o local, não se esqueça de mandar


tirar todo material isolante ou de interferência que esteja sob a cama
ou próximo dela, tais como cristais, pirâmides, formas radiônicas
neutralizadoras e outros aparelhos semelhantes.

E) Energias Intrusas

Numa habitação podemos ainda encontrar outro tipo de energia


nociva que denominamos energia intrusa. É uma energia que não pertence
ao local ou ao objeto, mas foi colocado ai por diversos processos.
Devemos distinguir a energia intrusa ocasionada por uma descarga
emocional inconsciente, da energia intrusa colocada intencionalmente
por qualquer processo de magia negra.
Normalmente encontramos energias desequilibrantes ocasionadas
pelas emoções fortes das pessoas que ali vivem ou viveram. Mais
raramente encontramos objetos preparados em rituais mágicos.
Quando formos detectar energias numa casa, devemos prestar
atenção nos seguintes objetos: quadros, imagens, estatuetas, plumas e
flores secas, móveis antigos, objetos de arte e decoração, bonecas,
bichinhos de pelúcia, travesseiros, almofadas, etc.
Para trabalhar com instrumentos radiestésicos, use sua convenção
mental. Em nossa metodologia, usamos geralmente o dual rod. Nossa
convenção é a seguinte: Onde o dual rod cruzar as varetas, ai estará
indicando uma energia intrusa nociva.
Quanto aos objetos frutos de magia negra, observemos o que possa
estar ligado a isso, indagando sua origem. Assim devemos analisar os
santinhos, as imagens, os patuás, os objetos ligados ã sorte, as
pedras, etc.
Para distinguir se a energia intrusa é realmente fruto de magia
negra, perguntamos ao pêndulo ou testamos o objeto no gráfico
denominado "eliminador das energias nocivas"
Para desimpregnar as energias nocivas intrusas, podemos nos valer
do decágono ou do gráfico supra citado. Quanto aos objetos preparados
em magia negra, seria mais prudente procurar uma pessoa especializada
no assunto para fazer a purificação do local ou do objeto, caso você
não tenha a suficiente segurança ou conhecimento para fazê-lo.
F) Como detectar energias nocivas numa casa

Praticamente podemos adotar a seguinte metodologia ao efetuarmos


detecções numa casa ou num quarto de dormir,

a) Localizar detalhadamente as energias telúricas e interpretá-


las.
b) Localizar possíveis cruzamentos de correntes de água
subterrânea sob os leitos.
c) Localizar os cruzamentos da REDE HARTMANN
d) Localizar os cruzamentos da REDE CURRY
e) Localizar possíveis energias nocivas nos objetos da casa.

Prestar atenção em certos móveis antigos, objetos de arte,


estátuas, quadros, travesseiros, bonecas, bichinhos de pelúcia,
amuletos, etc. É muito comum encontrar brinquedos de criança
carregados de energia desequilibrante. Muitas vezes a criança
transfere para seus brinquedos de estimação seus medos, suas angústias
e tristezas, seus complexos, sua dor.
A identificação de energias nocivas nos objetos exige
sensibilidade, intuição e muita observação. A prática irá mostrar
quais os objetos mais sujeitos a captar essas energias.
Antes de entrar numa casa, uma boa atitude seria observar as
arvores da rua. as paredes externas, as trincas no asfalto, as plantas
do jardim. Arvores tortas, paredes com bolor, plantas anêmicas indicam
possíveis correntes telúricas fortes. Há lugares onde o asfalto esta
sempre esburacado, por mais que se tente consertar. São indícios de
correntes de água subterrânea.
Para detectar as energias telúricas provenientes de águas
subterrâneas, falhas geológicas, etc., usamos o Dual Rod ou o pêndulo.
Onde o dual rod cruzar suas varetas ou onde o pêndulo regulado no
ponto zero girar no sentido anti-horário, ali certamente o
radiestesista estará localizado um ponto perigoso. O dual rod também
cruzará onde houver energias intrusas nocivas nos objetos bem como
onde passar uma linha da rede Hartmann ou Curry.
Estamos dando nosso método de usar o dual rod ou o pêndulo. Você
poderá adotar outra convenção. Cada radiestesista faz sua convenção e
interpreta os movimentos dos instrumentos conforme sua convenção.
Claro?
Há os que conseguem fazer isso sem ir às casas, usando somente
uma planta ou esboço das mesmas. Isso exige exercitação e muita
prática, mas pode funcionar.
Uma vez localizado sob a cama um ponto ou uma zona perigosa,
devemos verificar se é um cruzamento de duas correntes telúricas. Para
isto, basta localizarmos a direção das correntes. Quando detectarmos
energias de água subterrânea devemos sempre ter atenção voltada para
isso, fazendo a pergunta mental: "Estou apenas concentrado em
localizar energias telúricas. Existe, neste local, alguma energia
telúrica desequilibrante?" Isso é importante ao
radiestesista, pois como existem outros tipos de vibrações no am-
biente, e bom que ele determine bem o que está detectando no momento.
G) Como equilibrar os ambientes carregados de energia telúrica

Inicialmente convém observarmos que sempre pensamos em analisar


o local onde colocamos a cama, entretanto, devemos nos preocupar
igualmente com qualquer outro local onde a pessoa permanece
diariamente algumas horas, como os sofás e os locais de trabalho
sedentário.
Uma vez feito o diagnostico do local e constatado a existência
de zonas perigosas de energias telúricas, devemos convencer as
pessoas do perigo a que estão expostas.
O ideal seria a MUDANÇA DA CAMA, SOFÁ, etc., para um outro
local saudável, principalmente porque tudo o que se fizer fora disso
se constitui em alternativa ainda sob pesquisa com resultados
DISCUTÍVEIS a longo prazo.
Há autores que afirmam ser a mudança do local da cama a única
maneira de se livrar desse perigo. São intransigentes.
No mundo inteiro se faz pesquisa com os mais diversos
materiais. Já se usou de tudo: óleo, sal, enxofre, carvão, chumbo,
borracha, cobre, etc.
O problema de se fazer um isolamento da energia telúrica é o
fato, já constatado, de que ela mais cedo ou mais tarde acaba por
saturar o "isolante" tornando-o sem efeito.
Em nossas pesquisas atuais estamos não mais "isolando" a
energia telúrica, mas tentando colocar nos locais um elemento que
consiga "captar" mais energia cósmica. Nosso propósito é aumentar a
energia cósmica do ambiente para "compensar" a energia telúrica
invasora.
Descobrimos, assim, que uma PONTA DE CRISTAL BRUTO colocada EM
PÉ debaixo da cama, conseguia restabelecer o equilíbrio perdido. O
mesmo efeito conseguimos ao colocar sob a cama uma PIRÂMIDE DE
CRISTAL. Tanto a pirâmide como a ponta de cristal devem estar com os
ápices voltados para cima, sendo que a pirâmide deverá ser colocada
na posição norte-sul conforme se costuma fazer.
Como o cristal é um material que capta qualquer tipo de
energia, deve-se tomar duas precauções:

1 - Antes de usá-lo pela primeira vez, colocá-lo numa imersão


de salmoura usando sal grosso numa vasilha de vidro, louça ou barro
por aproximadamente 24 horas. Como cada cristal teria seu tempo
próprio, o radiestesista deveria determinar exatamente o tempo de
imersão.

2- Uma vez purificado o cristal, lava-se em água corrente e


deixa-se exposto ao sol. Determinar o tempo necessário.
Finalmente coloca-se a ponta de cristal ou a pirâmide sob a
cama ou ao lado da mesma, porém sempre no chão. É preciso observar o
melhor local, pois há pessoas que não dormem bem quando estão
exatamente em cima do cristal. Como o cristal possui uma energia
forte, capaz de irradiar por todo o quarto, não é necessário colocá-
lo exatamente debaixo da cama.
OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: As experiências comprovam que também o
cristal devera de vez em quando ficar exposto durante o dia ao sol
ou à claridade, pois do contrário poderá também se saturar.
quando a energia telúrica for muito intensa.
Está em fase de pesquisa o uso de formas radiônicas para
equilibrar os locais afetados por energias telúricas. Assim estamos
testando a forma do anel atlante, o labirinto, etc., sem conclusões
definitivas por enquanto.

H) Influências das radiações eletromagnéticas

O homem moderno sofre o bombardeio das radiações


eletromagnéticas criadas por ele mesmo. Diversos pesquisadores
afirmam que qualquer tipo de energia eletromagnética, mesmo a
luminosa, é capaz de agir sobre as polaridades do nosso corpo sutil,
modificando nosso estado de saúde. Na opinião de John Davidson,
"nosso organismo só se sintoniza bem com as longitudes de onda do
espectro solar. Quando recebemos outras longitudes de onda, começamos
a ter problemas". (Más Allá de Las Pirâmides, pag. 104)
Em nossas casa cada vez mais nos cercamos de aparelhos: são os
televisores, computadores, forno de microondas, aparelhagem de som,
eletrodomésticos, etc. Nossas próprias paredes estão repletas de
ferragens e fiações elétricas. Os prédios de concreto se
transformaram em verdadeiras "gaiolas de Faraday". Fugindo da vida
tranqüila e saudável do campo e refugiando-se nas grandes cidades, o
homem troca o natural pelo artificial. E o tributo do conforto é a
perda da saúde.
A indústria eletrônica diz que garante a proteção do corpo
físico contra possíveis radiações. Mas nós estamos falando dos corpos
sutis que a própria ciência desconhece.
Precisamos estar atentos para isso, tomando algumas precauções.
Se é inevitável morar em prédios e conviver com o conforto que a
tecnologia nos oferece, ao menos estejamos preparados para defender
nossa saúde com o auxilio da radiestesia e da radiônica.
Aqui vão algumas recomendações:

a) evite o quanto possível colocar televisores nos dormitórios.


b) ao desligar os aparelhos, desconecte-os das tomadas.
c) preocupe-se em ter sempre os chakras bem equilibrados,
usando dos recursos da radiônica, já que a radiação eletromagnética
atua principalmente na inversão das polaridades dos nossos campos
sutis.
d) interesse-se por adquirir alguma forma radiônica
compensadora para ser colocada próxima à televisão. Hoje existem
alguns aparelhos radiônicos simples que ajudam a amenizar o problema.
Há, por exemplo, ionizadores que produzem íons negativos e são ótimos
para ambientes"
e) quando for construir sua nova casa, aconselhe-se com um bom
radiestesista para planejar uma construção que evite, o quanto
possível, as interferências, tanto das energias telúricas quanto das
radiações eletromagnéticas. é melhor prevenir que remediar. Lembre-se
de que construções muito próximas às redes de alta tensão ou às
subestações elétricas não são aconselháveis.
f) procure viver uma vida mais próxima da natureza, andar
descalço, sempre que possível, ir a praia, praticar esporte saudável,
alimentar-se melhor, reabastecer-se de íons negativos junto às
cascatas, à mata virgem, às fontes, ao mar, etc.

I) A Energia telúrica é sempre maléfica?

Para entender o que acontece com as energias telúricas, vamos


fazer algumas considerações, seguindo uma linha de raciocínio lógico,
mas nem por isso admitido por todos os pesquisadores.

Partimos das seguintes observações;

1- Por que certos animais gostam e precisam dessa energia


telúrica forte? Sabemos que as abelhas e as formigas tão misteriosas e
laboriosas procuram se instalar justamente nos cruzamentos telúricos.
Assim são certas árvores e plantas que vicejam mais em lugares tidos
como descompensados.

2- Por que nossos antepassados, tão sábios e zelosos e tão


conhecedores dessas forças da natureza, construíram suas famosas
catedrais, seus templos sagrados e seus santuários milagrosos bem em
cima de energias telúricas fortíssimas? Por que colocaram seus altares
em cima de cruzamentos de correntes subterrâneas de água natural e
acrescentaram ainda 14 rios artificiais subterrâneos, todos eles se
encontrando sob o altar, como foi feito na Catedral de Chartres? Por
que fizeram o mesmo no Santuário de S. Tiago de Compostela? Será que
não sabiam que essa energia poderia causar males?

Uma resposta fascinante para essas indagações seria a seguinte:


As energias. da natureza são em si indiferentes .Uma dose mais
alta de energia poderia ser perniciosa, indiferente ou altamente
BENÉFICA, dependendo da mente da pessoa, do seu preparo, de sua
intenção, de seu modo de usufruir dessa energia. Assim acontece com
todas as formas de energia. Acontece com o fogo, a água, a energia
elétrica, a energia atômica, a energia da kundalini. preciso saber usá-
la. Nós, pobres mortais, perdemos a sensibilidade, perdemos o
conhecimento das leis da natureza, perdemos o contato com o nosso Eu
Superior, perdemos as fórmulas que antes estavam impressas em nossas
próprias células e que se desvaneceram quando nos afastamos
conscientemente das leis. Perdemos nossa pureza original, nossa
simplicidade, nossa humildade e nossos poderes. Perdemos das abelhas e
das formigas, dos animais silvestres e domésticos que ainda sabem se
orientar pelos instintos de conservação"

Assim sendo, segundo diversos pesquisadores, essa energia telúrica


somente faria mal para as pessoas que não soubessem como canalizá-la.
Numa pessoa sem conhecimento algum, essa energia seria acumulada nas
células sem possibilidade de ser colocada para
fora, sem proveito, sem expressão, sem ser traduzida em formas, em
outras energias transmutadas" Ainda mais. As pessoas "frias", do tipo
"K", com tendência á inatividade, sem ideal, sem perspectiva de vida,
estariam acumulando dentro de si uma carga muito grande dessa
energia. Sem dar vazão a ela, sem escape, a tendência fatal seria a
descompensação das células, a formação dos nódulos, o câncer.
Não é verdade que pessoas depressivas, inativas, desanimadas,
aposentadas, sem ideal, sem futuro, totalmente negativas e apáticas,
logo se tornam vitimas reais do câncer" do reumatismo e outros males
físicos? E que dizer dos distúrbios psíquicos? Ao contrário, pessoas
que soltam a energia, que apesar da idade estão sempre construindo um
futuro cheio de ideais, em eterna atividade como abelhas e formigas,
pessoas dinâmicas, com mente altamente positiva, parecem mais imunes
às doenças degenerativas e aos distúrbios psíquicos? Nossos
antepassados sabiam usar dessa poderosa energia. Canalizavam-na em
pontos onde somente pessoas iniciadas nos poderes da mente eram
capazes de transmutá-la em vida, força e energia vital. E nos?
Enquanto não reaprendermos as lições que ficaram esquecidas nos
tempos, tomemos nossos cuidados.

Para concluir, podemos afirmar que o ser humano, embora tenha


perdido a sensibilidade do animal e da planta, não perdeu o direito
de escolher.
Escolha, pois, uma vida saudável. Não mude só o local. Mude a
mente" Seja esperançoso, otimista, confiante e cheio de ideais.
Triângulo Compensador

Em suas pesquisas, o radiestesista francês André Philippe


descobriu uma verdadeira "lei de compensação de forças" a partir da
qual pode neutralizar energias nocivas de qualquer natureza.
Este símbolo por ele idealizado, é um poderoso neutralizador de
ondas nocivas telúricas. Seu uso não exige qualquer orientação especial
e suas emissões ocorrem simultaneamente nos níveis físico, vital e
espiritual. Automaticamente, ele regula a quantidade de ondas
(magnéticas ou elétricas) necessárias ao perfeito equilíbrio, seja de
ambiente, aparelho, alimento, bebida, planta, animal ou pessoa, não
sendo necessário desimpregná-lo após seu uso. (Ver fig. 24, pag. 100).
Alguns exemplos de utilização deste símbolo:

1- Quando colocado sobre o ponto geopatogênico, cruzamento de


águas subterrâneas ou qualquer outro foco de energia nociva telúrica,
ele atenua sua nocividade.

2- Quando colocado sob um televisor, ele atenua sensivelmente a


ação dos raios X, alta, beta e gama, do verde negativo elétrico e do
vermelho elétrico normalmente emitidos por este tipo de aparelho.

3- Os alimentos sólidos ou líquidos, quando colocados sobre seu


centro, tornam-se mais saudáveis devido ao equilíbrio perfeito de todo
seu espectro. Tal prática é recomendável principalmente para os
alimentos que sofrem refrigeração cuja vitalidade é reduzida em cerca
de 50% pela ação do verde negativo elétrico existente dentro do
refrigerador.

4.- Quando colocado sob a cama ou travesseiro, este símbolo


compensador geralmente induz a um sono tranqüilo e reparador.

5- Ele pode também ser usado para atenuar qualquer radiação física
ou sutil emitida por aparelhos elétricos, eletrônicos ou radiônicos"
Estas são apenas algumas utilidades que o símbolo compensa-dor
concebido por André de Philippe nos oferece, podendo existir inúmeras
outras possibilidades num vasto e proveitoso campo de uso e aplicação.

------------------------------------------------

Leituras Complementares

- ONDAS DE VIDA, ONDAS DE MORTE - Jean de la Foye - Siciliano


- MÃE TERRA Mellie Uyldert - Pensamento
- RADIESTESIA E SAÚDE - Kathe Bachler - Cultrix
- A MAGIA DAS ENERGIAS - Roger de Lafforest - Siciliano
- CASAS QUE MATAM - Roger de Lafforest - Global
- MAS ALLÁ DE LAS PIRÂMIDES - John Davidson - Ed. Martinez Roca
- PIRÂMIDES, CATEDRALES Y MONASTERIOS - Blanche Merz - Ed. Martinez Roca
- DIMENSÕES DA RADIÔNICA - David Tansley - Pensamento
- RADIESTESIA HIDROMINERAL E MEDICINAL - Albino Aresi - Ed. Mens Sana
- PHYSIQUE MICRO-VIBRATOIRE - Chaumery et Belizal - Ed. Desforges
- ESSAI DE RADIESTHÉSIE VIBRATOIRE - Chaumery e Belizal - Ed. Desforges
ÍNDICE - Primeiro Estágio 1
• Introdução..................................................... 2
• O que é o verdadeiro amor...................................... 4

RADIESTESIA .............................................. 8
COMO FUNCIONA A RADIESTESIA.......................................... 9
OS INSTRUMENTOS EM RADIESTESIA...................................... 10
O pêndulo........................................................... 10
• Como segurar o pêndulo.......................................... 10
• Como regular o pêndulo.......................................... 10
• Como encontrar o ponto zero..................................... 11
• Campo de forma artificial....................................... 11
• Testando com a pirâmide de Quéops............................... 12
• Teste sua sensibilidade......................................... 12
• Movimentos do pêndulo........................................... 13
• Como fazer uma réplica da Pirâmide de Quéops.................... 14
• Exercícios para desenvolver a sensibilidade radiestésica........ 14
• Campo de forma artificial com testemunho........................ 15
OUTROS INSTRUMENTOS DE RADIESTESIA.................................. 16
O dual rod.......................................................... 16
Aurímetro ou aurameter.............................................. 17
Pêndulos especiais: ................................................ 18
• Pêndulo cromático, ........................................ 18
• Pêndulo egípcio, .......................................... 18
• Pêndulo eletromagnético, .................................. 18
• Bastão atlante, ........................................... 18
• Forquilhas ou molas, ...................................... 18
• Pêndulo universal, ........................................ 19
• Pêndulos com testemunho, .................................. 19
• Aparelhos eletrônicos ...................................... 19
Conselhos para a prática da radiestesia............................. 19

RADIÔNICA ............................................... 21

• Remédio radiônico............................................. 22
• Marcação de tempo............................................. 23
• Ferrite....................................................... 24
• Método dos semi-círculos...................................... 24
• Magnetização de aparelhos radiônicos.......................... 24
O decágono: limpeza, potencialização, fazer um remédio radiônico.... 25
Aparelho emissor radiônico ......................................... 26
Campos sutis ou camadas energéticas do homem........................ 27
Os chakras.......................................................... 28
• Energias benéficas e energias nocivas......................... 29
• Outras energias nocivas....................................... 29
Hexágono: forma protetora........................................... 30
A pirâmide como instrumento radiônico............................... 31
Minigerador I....................................................... 33
O pêndulo e as cores................................................ 43
ÍNDICE - Segundo Estágio..................... 44
Introdução.......................................................... 45

Silhueta Humana..................................................... 46
Losango Solar....................................................... 48
Oscilógrafo......................................................... 50
Emissor radiônico Numérico.......................................... 52
Turbilhão........................................................... 54
Eliminador de Energias Nocivas (Intrusas)........................... 55
Nove Círculos Concêntricos.......................................... 57
Decomposição do Espectro Eletromagnético na Esfera.................. 58
Pilha Radiestésica.................................................. 61
Forma Pessoal....................................................... 64
Pêndulo Cromático................................................... 67
Pêndulo Equatorial “Unidade”........................................ 70

As Cores na Radiônica .................................... 72


A) Conceitos Básicos............................................ 72
1 – Cores Primárias........................................ 72
2 – Cores Secundárias...................................... 72
3 – Cores Complementares................................... 73
4 – Cores “Quentes”........................................ 73
5 – Cores “Frias”.......................................... 73
B) Indicações de Uso Terapêutico das Cores...................... 73
• Vermelho................................................ 74
• Laranja................................................. 74
• Amarelo................................................. 74
• Verde................................................... 75
• Azul.................................................... 75
• Índigo.................................................. 76
• Violeta................................................. 76
C) Uso das Cores na Radiônica................................... 76
C.1 - Aplicar a cor simétrica.............................. 77
C.2 - Aplicar a cor oposta................................. 77
C.3 - Aplicar a cor complementar........................... 77
C.4 - Aplicar a mesma cor, mas de fase oposta.............. 78
D) Aplicação Prática............................................ 78
E) Considerações Finais......................................... 79

Energias Nocivas ......................................... 80


A) Principais Causas das Energias Nocivas ........................... 80
B) Redes globais em Grade – A Rede Hartmann ......................... 81
C) Redes globais em grade – A Rede Curry ou Linhas de Curry ......... 82
D) Como detectar as redes globais Hartmann e Curry .................. 83
E) Energias Intrusas ................................................ 84
F) Como detectar energias nocivas numa casa ......................... 85
G) Como equilibrar os ambientes carregados de Energia Telúrica ...... 86
H) Influência das radiações eletromagnéticas ........................ 87
I) A energia Telúrica é sempre maléfica? ............................ 88

Triângulo Compensador............................................... 90
Leituras Complementares............................................. 90

Centres d'intérêt liés