Vous êtes sur la page 1sur 4

Trabalho de proficiência do grau de aprendiz.

Ir∴ Gustavo Jamil B. Rahuan

A∴ R∴ L∴ S∴ Duque de Caxias, n.º 42

Or∴ Iporã - G∴ O∴ P∴

22 de Setembro de 2009, E∴ V∴

O Mestre-de-hamonia
Na busca incessante do aperfeiçoamento individual, cujo fim
maior é o aperfeiçoamento coletivo. Tem, o verdadeiro Maçom, o dever de
estudar os ensinamentos maçônicos, sendo este um dos princípios
fundamentais da Maçonaria, ou seja:

“A Maçonaria tem por fim combater a ignorância em todas as suas


modalidades. É uma escola que impõe este programa: obedecer às leis do
País; viver segundo os ditames da Honra; praticar a Justiça; amar o
Próximo, trabalhar incessantemente pela felicidade do gênero humano e
conseguir sua emancipação progressiva e pacífica.”1

Com esse objetivo, primando a perfeição dos trabalhos em Loja


por mim executados, busquei, nos estudos maçônicos, o que poderia se
tratar o cargo que a mim foi conferido: o de MESTRE-DE-HARMONIA.

Sem dúvida, não há muitos autores que tratam sobre o tema de


forma aprofundada, simplesmente escrevem sobre a função primária do
Irm∴ Mestre de Harmonia, não tecendo maiores comentário.

O autor que melhor tratou sobre o tema foi o Irm∴ Zaly Barros
de Araújo, através de seu livro “Coluna de Harmonia”, entretanto,
infelizmente, por ser esta uma obra considerada de difícil acesso, não
pude me beneficiar de seu conteúdo, muito embora, no Livro “Cargos em
Loja”, de autoria do Irm∴ Francisco de Assis Carvalho, publicado pela
editora maçônica A TROLHA, o Irm∴ Zaly é muito bem citado. Por isso,
fica aqui a sugestão para que a nossa Loja providencie a aquisição dos
referidos livros para nossa biblioteca.

Na obra do Irm∴ Xico Trolha, mencionada acima, o função do


mestre-de-hamonia assim é descrita:

“Cabe ao Irm∴ Mestre-de-hamonia:

1
RITUAL E INSTRUÇÕES DE APRENDIZ-MAÇON DO RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO -
G∴ O∴ P∴ , Impresso em 1977, pág. 11
- A tarefa de embelezar uma Sessão com músicas inerentes ao que se
está realizando em Loja.

- Compete a ele selecionar as músicas adequadas e propiciatórias de


acordo com o trabalho da Loja, ouvindo, antes, o Venerável.

- Manter, em perfeito estado de funcionamento, os aparelhos ou


instrumentos indispensáveis à produção de música e sonoplastias,
exigidas para a execução exata dos Rituais.”2

Como podemos observar, não se trata de um trabalho que


requer grandes habilidade musicais, mas é primordial que o Irm∴ Mestre-
de-harmonia tenho um mínimo de sensibilidade, para que possa dar às
Sessões a adequada seqüência sonora, inspirando os demais irmãos a
empenhar-se nos trabalhos em Loja, não deixando, também, que Rituais
se tornem momentos monótonos e maçantes, assim, com prioridade,
escreveu o Irm∴ Zaly Barros de Araújo, em sua obra “Coluna de
Harmonia”, citada pelo Irm∴ Xico Trolha:

“Se considerarmos os efeitos dos sons musicais durante nossas Sessões,


preparando o ambiente, tornando-o mais harmônico, mais solene,
inspirador e belo, compreenderemos que a execução de uma Cortina
Musical será o complemento indispensável para uma boa Sessão. A função
do Mestre-de-harmonia, convém ressaltar, embora de suma importância,
não requer nenhum doutor música.”

Em verdade, o Mestre-de-harmonia não tem que ser escolado nas


artes musicais, no entanto, deve ter pleno conhecimento dos Rituais
Maçônicos e ter o coração sintonizado com a simbologia da Maçonaria,
pois uma escolha errada pode transformar algo sublime, como deve ser
uma Sessão Maçônica, em algo comum e sem profundidade.

No já citado livro do Irm∴ Xico Trolha, dá-se exemplos de quais


musicas devem ser reproduzidas nos trabalhos maçônicos, seja em
Sessões econômicas ou magnas, salientando que sempre prefiramos as
músicas de autores Maçons, porém, não aborda nenhum detalhe do
porque dessa preferência.

Mas, não foi o tipo de música a ser tocada nas Sessões ou a


preferência pelas obras dos autores maçônicos que motivou a realização
deste trabalho, mas sim a razão de se ter música nos trabalhos. Foi então
que descobri que tal característica não é exclusiva da Maçonaria, mas
também da maior parcela dos cultos religiosos, os quais têm canções de
adoração e de louvor.

Ou seja, sempre que se busca o religamento com o G∴ A∴ D∴ U∴


canções são entoadas ou melodias tocadas, exemplos são as músicas
evangélicas ou as músicas de adoração da Renovação Carismática que
2
CARVALHO, Francisco de Assis – Cargos em Loja – 8ª Ed. – Londrina: Editora Maçonica
“ATROLHA”, 2005 – p. 173.
são tocadas durante seus cultos, mas isso não é por acaso! A razão disso é
a influência que a música exerce sobre os seres.

Segundo alguns pesquisadores no assunto, a música afeta o caráter


e a sociedade, pois cada pessoa é capaz de trazer para dentro de si a
música que acaba influenciando nos pensamentos, nas emoções, na
saúde, nos movimentos do corpo, etc. Portanto, diziam eles, cabe aos
compositores serem morais e construtivos e não imorais e destrutivos em
suas músicas.

A influência da música é tão grande, que ela atua constantemente


sobre nós - acelerando ou retardando, regulando ou desregulando as
batidas do coração, relaxando ou irritando os nervos, influindo na pressão
sangüínea e no ritmo da respiração. É comprovado o seu efeito sobre as
emoções e desejos do homem.

Enfim, a música exerce um poder muito grande sobre nós, podendo


ser positiva ou negativa.3

Daí se conclui o porque que nas Sessões maçônicas é preferível a


execução de musicas de autores Maçônicos, pois estas são elaboradas
com o alto nível de moral e retidão, o que faz com que cada um dos IIrm∴
se sintam da mesma forma.

Nos textos Bíblicos alguns exemplos nos mostram o poder de influência


da música ou do som, cuja a inspiração está em Deus. Vejamos estes que se
seguem:

1. Samuel 16: 15-23. - Davi expulsando um espírito mau, que fora


enviado para atormentar Saul, apenas pelo toque ungido do seu
instrumento.
“15 Então os criados de Saul lhe disseram: Eis que agora um espírito maligno da parte de
Deus te atormenta; 16 dize, pois, Senhor nosso, a teus servos que estão na tua presença,
que busquem um homem que saiba tocar harpa; e quando o espírito maligno da parte do
Senhor vier sobre ti, ele tocara com a sua mão, e te sentirás melhor. 17 Então disse Saul
aos seus servos: Buscai-me, pois, um homem que toque bem, e trazei-mo. 18 Respondeu
um dos mancebos: Eis que tenho visto um filho de Jessé, o belemita, que sabe tocar bem, e
é forte e destemido, homem de guerra, sisudo em palavras, e de gentil aspecto; e o Senhor
é com ele. 19 Pelo que Saul enviou mensageiros a Jessé, dizendo: Envia-me Davi, teu filho,
o que está com as ovelhas. 20 Jessé, pois, tomou um jumento carregado de pão, e um odre
de vinho, e um cabrito, e os enviou a Saul pela mão de Davi, seu filho. 21 Assim Davi veio e
se apresentou a Saul, que se agradou muito dele e o fez seu escudeiro. 22 Então Saul
mandou dizer a Jessé: Deixa ficar Davi ao meu serviço, pois achou graça aos meus olhos.
23 E quando o espírito maligno da parte de Deus vinha sobre Saul, Davi tomava a harpa, e
a tocava com a sua mão; então Saul sentia alívio, e se achava melhor, e o espírito maligno
se retirava dele.”

2. Reis 3: 15-17. - O tangedor, que ao tocar seu instrumento inspirado


por Deus, influenciava o profeta Eliseu para profetizar, e assim,
abençoar todo um povo com a palavra viva vinda dos céus.

3
http://www.musicaeadoracao.com.br/efeitos/influencia_musica.htm - acessado em 18 de
setembro de 2009.
“15 Agora, contudo, trazei-me um harpista. E sucedeu que, enquanto o harpista tocava,
veio a mão do Senhor sobre Eliseu. 16 E ele disse: Assim diz o Senhor: Fazei neste vale
muitos poços. 17 Porque assim diz o Senhor: Não vereis vento, nem vereis chuva; contudo
este vale se encherá de água, e bebereis vós, os vossos servos e os vossos animais.”

3. - Crônicas 20:22. - O livramento de Deus para o povo de Israel nos


dias do rei Josafá, que diante de uma grande multidão de inimigos
puseram-se a cantar e louvar ao Senhor. Resultado disso: destruição
completa dos inimigos.
“22 Ora, quando começaram a cantar e a dar louvores, o Senhor pôs emboscadas contra os
homens de Amom, de Moabe e do monte Seir, que tinham vindo contra Judá; e foram
desbaratados.”

4. Atos 16:25-26. - As cadeias e grilhões que prendiam Paulo e Silas


são desfeitas mediante o cântico inspirado em Deus e em suas
promessas.
“25 Pela meia-noite Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, enquanto os presos os
escutavam. 26 De repente houve um tão grande terremoto que foram abalados os alicerces
do cárcere, e logo se abriram todas as portas e foram soltos os grilhões de todos.”

Na Maçonaria tal influência não é diferente, o estado de espírito de


cada Irm∴ pode ajudar ou atrapalhar ele a elevar seus pensamentos ao
G∴ A∴ D∴ U∴ , impossibilitando-o de encontrar a “pedra oculta” dentro de
si, retardando assim o desbastar da pedra bruta.

A função das melodias é a de animar e inspirar o íntimo do Maçom,


que deve sempre ser moral, ético, reto e, mais importante, de consciência
limpa.

No entanto, a escolha errada de uma música para a Sessão pode


causar o efeito inverso do que é pretendido nos Rituais, por isso a
preferência de músicas de autores Maçons, pois, com certeza, estão
eivadas do espírito Maçônico.

Certo é que este Irm∴ que vos fala está nos primeiros passos do
caminho do aperfeiçoamento Maçônico, portanto, não tem a sensibilidade
exata para a escolha apropriada das músicas a serem tocadas em Loja,
mas, com certeza as melhoras vêm com o tempo e através de estudos e
pesquisas como esta. Desse modo, peço, encarecidamente, aos IIrm∴ do
Quadro que prestem, sempre, atenção nas músicas executadas durantes
as Sessões, e tentem absorver a influência que a mesma exerce, sempre
elevando os pensamentos ao G∴ A∴ D∴ U∴ .

Assim concluo este trabalho de proficiência, afirmando que em Loja


não existe cargo mais ou menos importante, sendo que todos têm sua
razão de ser e que na falta de um dos Cargos a execução dos trabalhos
não atingirá seu objetivo. E a música nos trabalhos Maçônicos tem o fim
de harmonizar as Sessões, contagiando os IIrm∴ com boas vibrações.