Vous êtes sur la page 1sur 12

Escola E.B.

2/3 de Sande

Relatório de
Direcção de
Turma
Turma 5º2
A Directora de Turma: Laura Maria Soares
Ferreira

2007/20
08
ÍNDICE

Pág.
Identificação da Directora de Turma............................................................................3

Caracterização da Turma............................................................................................4

Relação Directora de Turma / Alunos.........................................................................6

Relação Directora de Turma / Encarregados de Educação........................................8

Relação Directora de Turma / Docentes.....................................................................9

Questões Organizativas/ Administrativas..................................................................10

Actividades desenvolvidas………………………………………………………………..11

Conclusão………………………………………………………………………………….12

1
IDENTIFICAÇÃO DA DIRECTORA DE TURMA

Laura Maria Soares Ferreira, licenciada no curso de Professores do Ensino Básico,

2.º Ciclo, variante de Matemática e Ciências da Natureza, pelo Instituto Superior de

Ciências Educativas de Felgueiras, colocada por concurso de professores no dia 1

de Setembro de 2007 na Escola E.B 2/3 de Sande, onde exerci serviço docente

durante o ano lectivo de 2007/2008, tendo-me sido atribuída a turma 2 do 5º ano de

escolaridade, como Direcção de Turma.

1
CARACTERIZAÇÃO DA TURMA

A turma do 5º 2 é constituída por 24 alunos, 8 do sexo feminino e 16 do sexo


masculino. Estes alunos têm idades compreendidas entre os 9 e os 12 anos, havendo
5 alunos com 9 anos, 15 alunos com 10 anos, 2 alunos com 11 anos e 2 alunos com
12 anos. A média das idades é de 10 anos.

Relativamente à localização da residência dos alunos, vinte são Penha-longa,


três são de Passinhos - Paredes de Viadores, um é de São Lourenço do Douro e um é
de Rio de Galinhas. Como consequência, a deslocação para a escola é feita de
autocarro vindo apenas um aluno de automóvel.

Dois destes alunos têm retenções no 1º ciclo e dois apresentam também duas
retenções no 5º ano.

Dos 24 alunos, 11 beneficiam da acção social escolar com o escalão A e 4 com


o escalão B.

Vinte alunos vêm da escola E.B.1. de Penha-longa, três vêm da E.B.1. de


Passinhos e dois já frequentavam a E.B 2.3. de Sande.

No que respeita às habilitações escolares dos progenitores, a maioria tem o 1º


e 2ºciclos do ensino básico, com a excepção da mãe do aluno nº 12, João Pedro, que
possui uma licenciatura. Face a isto as suas profissões são na maioria de baixo nível
de qualificação.

O local de estudo da maioria é no quarto, e sempre que necessitam têm


ajuda de familiares nas tarefas escolares.

Ao nível da saúde há a registar o caso do aluno nº 3, Daniel Ribeiro que tem


debilidade mental ligeira, sendo portanto um aluno com Necessidades Educativas
Especiais e o aluno nº 16, Leandro Pereira que no passado sofreu queimaduras
graves, estando internado um mês na unidade de queimados, e que lhe afectou os
órgãos genitais. Este aluno também, como consequência das mesmas lesões, tem
problemas renais o que necessita de ir à casa de banho com frequência.

Dos 24 alunos que constituem a turma dois do quinto ano, dez alunos
beneficiaram de Apoio Pedagógico Acrescido a Matemática e a Língua Portuguesa.

No primeiro período apenas o Leandro Pereira, número dezasseis,


beneficiou de um Plano de Recuperação, já no segundo período foi necessário
elaborar mais quatro Planos de Recuperação para os seguintes alunos: Jacinta
Daniela, número oito; Joel Almeida, número treze; Letícia Correia, número dezassete e
Marco Silva, número dezoito de modo a colmatar as dificuldades diagnosticadas pelos
alunos a algumas disciplinas.

O comportamento da turma foi considerado satisfatório, enquanto o


aproveitamento foi bastante satisfatório, visto nenhum aluno ter ficado retido e sete
alunos terem sido seleccionados para o quadro de honra, sendo estes os seguintes:
Fábio Correia, número cinco; Flávia Pinto, número sete; João Couto, número doze;

1
Jorge Pereira, número catorze; José Carneiro, número quinze; Rui Leitão, número
vinte e três e Sara Costa, número vinte e quatro.

1
RELAÇÃO DIRECTORA DE TURMA / ALUNOS

Enquanto Docente e Directora de Turma procurei desenvolver várias aptidões,


comportamentos, atitudes e valores através de uma relação pedagógica onde os
alunos não fossem meros agentes passivos no processo de ensino/aprendizagem,
mas agentes activos.

Privilegiei um clima de exigência, mas ao mesmo tempo, de amizade, de


diálogo, de abertura a críticas e sugestões, de confiança e responsabilidade. Dei
sempre aos alunos a oportunidade de formularem as suas opiniões sobre os mais
diversos assuntos.

Através do diálogo consegui gerir dificuldades e conflitos que fazem parte da


nossa função de professores/educadores, reforçando comportamentos desejáveis e
eliminando os indesejáveis, primando sempre pela igualdade de tratamentos e
oportunidades.

Como Directora de Turma procedi à organização do dossier de turma e recolhi


informações de modo a conhecer melhor o passado escolar e familiar, através da
análise das fichas biográficas. Procurei detectar eventuais dificuldades ou problemas,
de forma a desencadear formas de acompanhamento especial e a delinear, em
conjunto com o Conselho de Turma, estratégias de actuação. Mostrei-me sempre
disponível para ouvir os alunos e para ajudar a resolver dificuldades, de modo a
responder às necessidades que estes sentiam de serem conhecidos e apoiados.
Sendo assim, valorizei o saber e a experiência que os alunos traziam para a escola e
os quais desenvolviam, através do incentivo à sua participação activa na vida da
turma e da escola. Este facto foi muito importante, uma vez que o desenvolvimento e
a aprendizagem pressupõem, antes de mais, o aluno.

Organizei actividades de aprendizagem no contexto colectivo da aula, tendo o


cuidado de adaptar essas condições de aprendizagem às dificuldades próprias de
cada aluno e ao tipo de orientação que cada um deles precisava. Criei, em relação
às dificuldades apresentadas pelos alunos, situações que lhes permitiram
desenvolver a segurança em si próprios e a sua auto-estima. Desta forma, dediquei
uma atenção especial aos alunos com dificuldades, procurando incentivá-los a
alcançar o sucesso, verificando, por vezes a eficácia, e por outras a ineficácia, das
estratégias de recuperação implementadas pelo Conselho de Turma e procurando
manter um contacto permanente com os Encarregados de Educação.

1
Esforcei-me por desenvolver, em todos os alunos, o gosto pela escola e

apelei para o espírito do conhecimento e da valorização do saber na integração do

ser humano na sociedade.

1
RELAÇÃO DIRECTORA DE TURMA / ENCARREGADOS DE

EDUCAÇÃO

No início do ano lectivo reuni com todos os encarregados de educação, com o


objectivo de informá-los acerca das Regras de Funcionamento da Escola, do
Regulamento Interno e da demais legislação, comunicando-lhes os dias e os horários
de atendimento e a minha inteira disponibilidade para recebê-los na Escola e se
necessário num horário pós-laboral. Para além desta reunião realizaram-se as
relativas aos momentos de avaliação. Os Encarregados de Educação da turma dois do
quinto ano revelaram-se interessados e comprometeram-se a fazer um controlo dos
seus educandos a nível de trabalhos de casa, estudo diário e de os incentivar para o
estudo.
No seguimento das reuniões intercalares, forneci, com regularidade, aos
Encarregados de Educação, informações acerca do aproveitamento, comportamento e
assiduidade dos seus educandos, às diferentes disciplinas, alertando-os para a
importância e pertinência do acompanhamento do percurso escolar dos mesmos.

Procurei sempre manter um contacto estreito com os Encarregados de


Educação dos alunos cuja retenção se encontrava eminente, de modo a que estes
tivessem um papel mais activo na implementação das estratégias de recuperação
definidas para os seus educandos.

A relação com os Encarregados de Educação foi sempre estabelecida com


amizade, seriedade e algum rigor. Informei-os sempre acerca do rendimento escolar
do aluno, da assiduidade e do comportamento, procurando o estabelecimento de um
espaço aberto ao diálogo, onde predominasse um clima positivo e de interacção.

1
RELAÇÃO DIRECTORA DE TURMA / DOCENTES DA TURMA

A minha relação com todos os docentes da turma foi boa, pois procurei sempre
garantir a existência de meios, documentos de trabalho e a orientação necessária ao
desempenho das actividades referentes à acção educativa.
Procurei garantir um intercâmbio de informações relativas a todo o processo de
ensino/aprendizagem nas diferentes disciplinas, comportamento e assiduidade. Este
intercâmbio de informações era conseguido em reuniões de Conselho de Turma às
quais presidia e eram fundamentais para o melhoramento de todo o ensino e
aprendizagem da turma. Sendo também nos Conselhos de turma que se analisaram
as situações dos alunos com mais dificuldades de aprendizagem de modo a delinear
estratégias de como a colmatar as dificuldades dos mesmos.

Como Directora de Turma incentivei a participação de todos os docentes,


visando o funcionamento dos Conselhos de Turma como um todo; uma concertação
de critérios, atitudes e estratégias e a estruturação de acções interdisciplinares a nível
de turma, nomeadamente no âmbito do Projecto Curricular de Turma.

Todo o trabalho foi desenvolvido com muito empenho, mantendo uma boa
relação de compreensão entre todos os docentes da turma.

1
QUESTÕES ORGANIZATIVAS / ADMINISTRATIVAS

Em Setembro de 2007 assumi o cargo de Directora de Turma do 5º2.

Para o desempenho do cargo foram-me atribuídos dois blocos, um destinado


ao atendimento dos Encarregados de Educação, às quartas-feiras, das 8.30h às 9.15h
e outro, também às quartas-feiras, das 9.15h às 10.00h, reservado às restantes
tarefas administrativas.

A nível administrativo organizei/actualizei o dossier com vista à sua utilização


activa junto dos intervenientes no processo educativo; preparei, organizei e coordenei
as reuniões com docentes, com alunos e com encarregados de educação; procedi ao
registo das faltas dos alunos, envio de correspondência e contacto telefónico com os
encarregados de educação. Também estabeleci contacto, por meio de carta, com os
pedopsiquiatras que acompanhavam os alunos nº3, Daniel Ribeiro e nº13, Joel
Almeida.

Durante o ano lectivo de 2007/2008 tentei promover um acompanhamento


individualizado dos alunos, divulgando junto dos professores da turma a informação
necessária adequada à orientação educativa dos alunos.

1
Actividades desenvolvidas

Para garantir a concretização das minhas funções como Directora de Turma, participei
nas seguintes actividades que envolveram os meus alunos, nomeadamente:

 Elaboração da tenda de S.Martinho;

 Festa de Natal;

 Desfile de Carnaval;

 Visita de Estudo à Expo de Matosinhos para assistir ao espectáculo/musical “1,2,3 uma


colher de cada vez”;

 Feira dos Animais e Plantas;

 Visita de estudo a Conímbriga;

 Caminhada a Montedeiras;

 Semana cultural;

Finalmente, participei na entrega dos diplomas para o Quadro de Honra, juntamente


com os encarregados de educação.

1
Conclusão

Fazendo um balanço final do meu trabalho, enquanto Directora de Turma,


posso considerável bastante positivo.
Consciente da responsabilidade do cargo, mantive-me sempre preocupada em
conhecer a turma e os seus problemas, em contactar os encarregados de educação e
em apoiar os alunos com mais carências, sendo elas educacionais, familiares ou de
integração.
A turma que me foi atribuída não era unida, o que dificultou bastante o trabalho
a desenvolver, mas, durante o decorrer do ano lectivo e com muito esforço e empenho
a turma foi-se tornando mais unida, deixando de existir os chamados “pequenos
grupos”. As aulas de Formação Cívica serviram de grande ajuda pois eram espaço de
diálogo e de debate para vários temas.
Fui sempre assídua e pontual no exercício deste cargo e realizei sempre as
tarefas que me foram confinadas. Participei quando solicitada na reflexão e resolução
de problemas de carácter pedagógico.

Escola E.B. 2,3 de Sande 07 de Julho de 2008

A Directora de Turma

________________________________