Vous êtes sur la page 1sur 7

Definição: Tratamento que visa intervir na programação sensório-

motora pela estimulação tegumentar, utilizando uma bandagem elástica


adesiva não limitante.

O método foi desenvolvido pelo Dr. Kenzo Kase e pelo Dr. Murai, há
aproximadamente 30 anos, com o objetivo de criar um método que pudesse
habilitar ou reabilitar o ato motor sem limitar o movimento para que assim
outras técnicas pudessem ser adotadas sem interferência.
A bandagem proporciona a manipulação dos tecidos moles
prolongando os benefícios da terapia manual.

Como funciona (fisiologicamente)

Na dor: Após o estímulo tátil, fibras aferentes ativam os


interneurônios produtores de encefalinas, que inibem as fibras C da dor.

No fortalecimento ou relaxamento da musculatura: as


propriedades elásticas da fita copiam e aumentam a função das fibras
musculares e tendões. Na junção músculo- tendão são encontrados
receptores mecânicos especializados chamados Órgãos do tendão de
Goldi(OTG), esses são estimulados através da pressão direta , juntamente
com sua função de controlar o fuso muscular durante o movimento, faz com
que este músculo seja ativado,inibido ou estabilizado através da bandagem.

No movimento: Após a informação tátil do corpo (bandagem) ser


enviada para o Cótex Somatosensorial e enviada ao Córtex Pré-frontal onde
ocorre todo o planejamento, este é transmitido para os Gânglios da base que
junto com o sistema motor Córtico-espinhal, ajudam no planejamento motor;
repassam a informação para o Córtex, porém para as Áreas de Associação
Motora onde se dá o movimento complexo; em conjunto, o Cerebelo
organiza e atualiza o movimento com o planejamento em curto prazo, até
que o mesmo torne-se pré-programado, por fim núcleos motores serão
ativados para o gesto adaptado.

Indicações:

 Quadros álgico;
 Lesões musculares;
 Alterações posturais;
 Edemas locais;
 Falhas posicionais articulares.

Contra-indicações:

 Feridas abertas;
 Edemas generalizados;
 Carcinomas;
 Alterações cutâneas;
 Tromboses.

Material utilizado:

 Fita adesiva não limitante;


 Composta por um polímero elástico 100% algodão;
 Hipoalérgica;
 Sensível ao calor;
 Livre de látex;
 É resistente a água de rápida evaporação e secagem;
 Possui estiramento prévio de 10% a 15%.

Cores e tamanhos: Atualmente já existem disponíveis quase todas as


cores, porém as comercializadas são: preta, rosa, azul e bege (cor da pele).
Os tamanhos variam: 2,5 cm x 5 m / 5 cm x 5m / 7,5 cm x 5m / 5 cm x 31,5
m.
A fita pode permanecer aplicada de 3 – 5 dias, dependendo da região e
do estado de conservação.

Para técnicas de longa duração recomenda-se trocá-la de 3 em 3 dias.

Após a aplicação permanecer com a região em repouso de 20 a 30


minutos, para que a bandagem possa aderir totalmente.

Resumo Prático

 Após realizar a limpeza da área;


 Faça a escolha correta:

A ordem de colocação deverá ser feita de acordo com o objetivo do


tratamento, sempre colocando a 1ª camada com o maior objetivo;

APLICAÇÃO
Nomenclatura:

 Base (a)

- Sem tensão (tensão = 0) (a)


- Sobre O (origem) e I (inserção) cerca
de 2 cm.
- Posição fisiológica (b)
 Cauda (b)

- Sem tensão (tensão = 0)


- Sobre O (origem) e I (inserção) cerca
de 2 cm.
- Posição do máximo do curso articular
(dissipar tensão)
Tratamentos e Técnicas

1) Técnica Muscular

INIBIÇÃO: Utilizada quando o objetivo for inibir (relaxar) uma


musculatura.
Técnica aplicada: I ou Y
Posição da região a ser tratada: neutra
Sentido da fita: inserção/origem
Tensão aplicada: 15% a 25%

ATIVAÇÃO: Utilizada quando o objetivo for ativar (fortalecer ou facilitar


função) uma musculatura.
Técnica aplicada: I ou Y
Posição da região a ser tratada: neutra
Sentido da fita: origem/inserção
Tensão aplicada: 50% a 75%

2) Técnica de correção de Espaço

Técnica utilizada para liberar um ponto/região de dor;


Técnicas aplicadas: Estrela, Donut ou I;

ESTRELA: Posição de estiramento máximo e Tensão mínima de 15%.

DONUT: Posição de estiramento máximo e Tensão de leve a moderada


(25% à 50%). A colocação deverá ser feita da seguinte forma: Retirar o papel
do centro, colar a fita em estiramento máximo, retornar a posição neutra e
colar as bases sem tensão.
I : Posição de estiramento máximo e Tensão de leve à moderada(25%
à 50%). A colocação deverá ser da mesma forma da Donut.

3) Técnica de Correção Mecânica

Técnica utilizada para corrigir/estabilizar sem limitar o movimento.


Técnicas aplicadas: I ou Y.
Aplicação:
Técnica I: Tensão no centro da fita (75% a 100%) e bases sem tensão.
Técnica Y: Colar a base em posição neutra e sem tensão, reposicionar
a região, colar a fita com tensão de 50% a 75%, retornar o movimento e colar
as âncoras.
4) Drenagem

Técnica aplicada: Fan


Posição da região a ser tratada: neutra
Tensão da fita: sem tensão.
Aplicação: base sem tensão, e caudas e âncoras com ondulações e sem
tensão.

5) Ligamento ou Tendão

Técnica aplicada: I
Posição da região a ser tratada: neutra
Tensão da fita: Ligamento (50% a 100%) e Tendão (50% a 75%)
Aplicação: Colar a cauda com a tensão estabelecida, base e âncora sem
tensão.

(técnica em Y) (técnica em I)
(técnica estrela) (técnica DONUT)

(técnica FAN)
DIFERENÇAS ENTRE BANDAGEM ELÁSTICA TERPÊUTICA E
BANDAGEM FUNCIONAL

BANDAGEM FUNCIONAL B.E.T

• Esparadrapo rígido • Não só protege. Além disso,


• Necessita fitas pré- facilita a recuperação
colocadas • Não limita à biomecânica
• Irritação da pele • Conforto pela baixa irritação
• Látex • Livre de Látex
• Compressão da pele, • 3-4 dias
músculos e tendões • À prova de água
• Curta aplicação • Permite a transpiração
• Bandagem para proteção • Melhora a circulação
e/ou prevenção e não para sanguínea e linfática
reabilitação

Centres d'intérêt liés