Vous êtes sur la page 1sur 43

Iluminação

Prof. Dr. Alberto Bianchi Junior


Iluminação
 Fundamentos
 Tipos de Lâmpadas
 Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
Fundamentos
 Radiação
 Fluxo radiante
 Luz
 Espectro visível
 Fluxo luminoso
 Eficácia luminosa
 Intensidade luminosa
 Iluminância
Radiação

 É a emissão ou tranporte de energia sob


a forma de ondas eletromagnéticas (ou
de partículas) que atravessam o vácuo à
velocidade próxima a 300.000 km/s.
 Para cada tipo de onda, a velocidade de
propagação, c, é igual ao produto do
comprimento de onda, λ, pela freqüência,
f:

c=λ.f
Fluxo Radiante

 É a potência emitida, transferida ou


recebida em forma de radiação, sendo
medido em W.
Luz

 A luz (ou “radiação visível”) pode ser


definida como a radiação
eletromagnética capaz de produzir uma
sensação visual.
 É a radiação eletromagnética
compreendida em uma faixa de
comprimento de onda cujos limites, ainda
não perfeitamente definidos, são
geralmente considerados entre 380 e 400
nanômetros, como limite inferior e 760 a
780 nanômetros, como limite superior.
Espectro Visível

 Pode ser dividido em um certo número de


faixas de comprimento de onda, cada
uma causando no olho humano uma
impressão de cor. São elas:
 380 a 436 nm  violeta
 436 a 495 nm  azul
 495 a 566 nm  verde
 566 a 589 nm  amarelo
 589 a 627 nm  laranja
 627 a 780 nm  vermelho
Fluxo Luminoso (φ)
 É a quantidade total de luz emitida por
segundo por uma fonte luminosa, sendo
medida em lúmens (lm).
 1 lm corresponde à quantidade de luz
produzida em 1 segundo por uma
radiação eletromagnética com λ = 555
nm e fluxo de 1/680 W.
Eficácia Luminosa
 É a razão do fluxo luminoso para o fluxo
radiante correspondente.
 O termo “eficácia” foi adotado para
indicar qualidade de uma radiação de
ser eficaz quanto à possibilidade de
produzir sensação luminosa, não
devendo ser confundida com “eficiência”.
 A eficiência para lâmpadas é dada pela
razão do fluxo luminoso produzido em
relação à potência elétrica consumida,
sendo indicada em lm/W.
Intensidade Luminosa (I)

 A intensidade luminosa de uma fonte em uma


direção dada, é o limite da razão do fluxo
luminoso no interior de um ângulo sólido cujo
eixo é a direção considerada para este ângulo
sólido quando tende a zero (ver figura a
seguir).
 É medida em candelas (cd), sendo que 1 cd
corresponde à intensidade luminosa de uma
fonte esférica com emissão uniforme em
todas as direções, que emite um fluxo total de
12,56 lm. Pode-se escrever:
∆φ d φ
I = lim =
∆Ω →0 ∆Ω dΩ
Intensidade Luminosa (I)
Iluminância (E)
 É o limite da razão do fluxo luminoso recebido
por uma superfície, em torno de um ponto
considerado, para a área dessa superfície (ver
figura a seguir).
 É medido em lux (lx), observando-se que 1 lx é
a iluminância de uma superfície de 1m2 sobre a
qual incide um fluxo luminoso de 1 lm. Pode-se
escrever:
∆φ dφ
E = lim =
∆Ω →0 ∆S dS
Iluminância (E)
Iluminância (E)

 A iluminância de ambientes de trabalho é


definida em termo de iluminância média de
plano de trabalho (Em), sendo este um plano
horizontal imaginário acima do piso, com uma
altura variando de 0,75 a 1 m, cobrindo a
área total. Em é calculado por:

φT
E m = ∗η * d
S
Iluminância (E)
 φT = fluxo luminoso total emitido pelas lâmpadas
(lm)
 S = área do plano de trabalho (m2)
 η = fator de utilização
 d = fator de depreciação

 A tabela a seguir apresenta, em função


do tipo de atividade, os valores
recomendados de iluminamento médio,
de acordo com a NBR 5413
Iluminância (E)

Atividades Em (lx)

Mínimo para ambiente de trabalho 150

Tarefas visuais simples e variadas 250 a 500

Observações contínuas de detalhes 500 a 1000


médios e finos (trabalho normal)
Tarefas visuais contínuas e precisas 1000 a 2000
(trabalho fino, por exemplo,
desenho)
Trabalho muito fino (iluminação Acima de
local, por exemplo, conserto de 2000
relógios)
Iluminância (E)
 Uma luminária é um aparelho que distribui,
direciona, filtra ou converte a luz emitida por
uma ou mais lâmpadas, e que contém todos os
dispositivos necessários para proteger essas
lâmpadas e para ligá-las ao circuito de
distribuição.
 Uma parte do fluxo luminoso emitido por uma
lâmpada é absorvida pela luminária e não
contribui para a iluminação do ambiente. O
fluxo restante é irradiado parcialmente para
cima e para baixo, ou seja, por cima e por baixo
do nível de um plano horizontal que passa pelo
centro da luminária, como mostra a figura a
Iluminância (E)
Iluminância (E)
 A parte da luz irradiada diretamente para
o plano de trabalho é que mais contribui
para o iluminamento. Apenas uma parte
da luz irradiada para o teto e paredes
atinge esse plano, muitas vezes após
várias refelxões. O fator de utilização (η) é
a razão do fluxo útil, isto é, aquele que
incide efetivamente sobre o plano de
trabalho, para o fluxo total emitido.
Iluminância (E)
 O fator de utilização depende:
 Da distribuição da luz da luminária
 Do rendimento da luminária (razão do fluxo emitido
para a soma dos fluxos das lâmpadas)
 Da reflexão do teto, paredes e plano de trabalho (ou
piso)
 Da distribuição das luminárias no ambiente
 Do fator local (K), dado por:

l *b
K=
hm * (l + b)
Iluminância (E)
 l = comprimento do local, m
 b = largura do local, m
 hm = altura da montagem da luminária
(distância da fonte de luz ao plano de
trabalho), m
Iluminância (E)
 O fator de depreciação, d, é definido
como a razão do iluminamento médio no
plano de trabalho, após um certo período
de uso de iluminação, para o
iluminamento médio obtido nas
condições, com a instalação nova. Está
diretamente relacionado com os períodos
de manutenção das luminárias.
 A tabela a seguir apresenta valores de d
em relação aos períodos de manutenção
(em horas).
Iluminância (E)
Tipos de Lâmpadas
 Incandescentes
 De descarga
 Fluorescentes tubulares
 PL
 Vapor de mercúrio
 Vapor metálico
 Mista
 Vapor de sódio de alta pressão
Tipos de Lâmpadas
Projeto de Iluminação –
Método dos Lúmens
 Escolha criteriosamente o tipo de lâmpada e
luminária adequada ao local
 Escolha o iluminamento (Em) utilizando a
tabela da transparência 16 ou os valores
recomendados pela NBR 5413
 Calcule o fator do local (K)
 Determine o fator de utilização (η), com
auxílio das tabelas seguintes
 Determine o fator de depreciação (d),
utilizando a tabela da transparência 23
Projeto de Iluminação –
Método dos Lúmens
 Calcule o fluxo total (φT), por:

S *E
φT =
η *d
 Determine o número total de luminárias
através de:
φT
N=
φ
Projeto de Iluminação –
Método dos Lúmens
 Distribua as luminárias: o espaçamento
depende de sua altura ao plano de
trabalho (hm) e da sua distribuição de
luz; esse valor situa-se, geralmente,
entre 1 a 1,5 vezes a altura hm, em
ambas as direções; o espaçamento até
as paredes deve corresponder
aproximadamente à metade desse
valor.
Projeto de Iluminação –
Método dos Lúmens
 Refletâncias (teto-piso-parede):

 Por exemplo, 551 indica teto e piso claros e


paredes médias.
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens (η)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
 EXEMPLO: Efetuar o projeto de
iluminação de um escritório com 18 m de
comprimento, 9 m de largura e 3 m de pé
direito, com luminárias Philips TCS 029,
com duas lâmpadas fluorescentes de 32
W, Branca Comfort (TLDRS 32).
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
 Aparelho de iluminação:
 Luminária TCS 029
 Duas lâmpadas TLDRS 32/64 (tabela da transp. 25)
  2 x 2500 = 5000 lm
 Da tabela da transp. 16, adota-se E = 500 lx
 Tem-se que l = 18 m, b = 9 m e hm = 2,2 m
(luminárias no teto e mesas a 0,80 m), deste
modo:

18 * 9
K= ≅ 2,7
2,2 * (18 + 9)
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
 Entra-se na tabela da transp. 32 (TCS 029 D
– 2 TLD 32W), com K = 2,5 e considera-se
para o local refletâncias 551 (teto e piso
claros e paredes médias), obtendo-se η
=0,54
 Da tabela da transp. 23, considerando
ambiente normal e manutenção a cada
5000 h, obtém-se d = 0,85.
 Assim, φT é dado por:
(18 * 9) * 500
φT = ≅ 176500 lm
0,54 * 0,85
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
I. O número de luminárias é dado por:

176500
N= = 35,3 ≅ 36
5000
Projeto de Iluminação – Método dos
Lúmens
I. A distribuição de luminárias no escritório é
dada pela figura abaixo: