Curso de Psicologia do Trabalho

MÓDULO I

1. História da Psicologia do Trabalho

Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para o curso de Psicologia do Trabalho. É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada no final do último módulo.

ou da clínica da atividade. e ela não se inicia especificamente com esse nome. de um lado. uma delas seria “Clinica do Trabalho”. e o trabalho e o meio. em síntese. teórica e metodológica. É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. ou mesmo um programa teórico. que o colóquio organizado em Paris em 2008 pela Cadeira de Psicologia do Trabalho do CNAM representou um momento importante.3) Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para o curso de Psicologia do Trabalho. Apresentando uma diversidade epistemológica. ou academia. Como definição para psicologia do trabalho. ou ainda da psicopatologia do trabalho ou da ergonomia são determinantes para a psicologia do trabalho. (CLOT. compreende a relação entre o sujeito. Temos na literatura diversas expressões referindo-se ao tema da psicologia do trabalho.3) um conjunto de tórias que tem como foco de estudo a relação entre trabalho e subjetividade. É na França que conseguimos visualizar as principais contribuições para psicologia do trabalho. o objeto comum dessas teorias é a situação do trabalho.História da Psicologia do Trabalho A história da psicologia do trabalho vem de longe. buscaremos em Clot e Leplat (2005) uma rápida definição citado por Bensassolli (2010 p. de outro. . tratase de uma história a traçar. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada no final do último módulo. as contribuições da psicologia dinâmica do trabalho. LEPLAT apud BENSASSOLLI 2010 P. e que justamente põe as teorias à prova. e segundo Yves Clot (2010) a clinica do trabalho não pode ser considerada uma escola. que. Segundo o mesmo autor. Devemos ressaltar que a psicologia do trabalho tem como opção o real e questiona as verdades do momento e os discursos de conveniência de forma critica. Na França. o que se denomina a “Clinica do Trabalho” é uma construção institucional.

É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. motivação. é fundamental lembrarmos que a psicologia do trabalho é diferente do que chamamos no Brasil de Psicologia Organizacional. há importantes diferenças entre elas. principalmente relacionados ao tema de recrutamento. como se referencia. entendido como uma atividade material e simbólica constitutiva do laço social e da vida subjetiva. Silvadon (1957) abordou os problemas de adaptação individual no trabalho centrando sua análise nas fragilidades do trabalhador nas mais variadas formas de trabalho e Veil amplia a análise de Silvadon. A psicologia do trabalho opõe ao modelo da psicologia organizacional de ênfase cognitivo comportamental. Veil (1964) e Le Guillant (1984) são os principais precursores. liderança. no qual o objetivo final está voltado para produtividade e desempenho dentro das empresas. as questões relacionadas ao trabalho teve seu marco inicial no campo dos estudos sobre saúde mental. avaliação de desempenho. tendo em vista que apresentam finalidades diferenciadas em relação aos objetivos organizacionais e aos objetivos dos trabalhadores. Embora a psicologia organizacional e psicologia do trabalho sejam articuladas dentro de um único campo denominado Psicologia Organizacional e do Trabalho. (BENDASSOLLI 2010). provocadas por situações de insegurança e de conflitos. treinamento. Na França. gestão de carreiras. ou clinica do trabalho. seleção. conforme relata Bendassolli (2010) Considerava que as “neuroses de Trabalho”. por exemplo. Silvadon (1957). . inicialmente denominada como Psicologia Industrial. principalmente na França. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada no final do último módulo. e entre outros. desencadeavam desequilíbrios nos Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para o curso de Psicologia do Trabalho. Já a psicologia do trabalho defende a centralidade psíquica e social do trabalho.Antes. estuda os fenômenos psicológicos presentes nas organizações. Atua sobre os problemas organizacionais ligados à gestão de recursos humanos (ou gestão de pessoas). de passarmos para a construção da história da psicologia do trabalho. Continuando com as origens da psicologia do trabalho. A Psicologia Organizacional.

É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. considerando que a subjetividade não pode ser compreendida sem sua articulação com as relações sociais. Assim.processos adaptativos. O próximo item desse módulo visualizaremos uma abordagem rápida dos principais teóricos e estudiosos do campo da psicologia do trabalho. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada no final do último módulo. Lucien Bonnafé e Claude Veil. ao abordar não somente os aspectos singulares e psicológicos do sujeito. Ocupa-se da análise situacional das experiências do sujeito no trabalho e das diversas formas de desadaptação provocadas pela saturação dos mecanismos de defesa. incluindo o Brasil. Veil (1964) propõe uma ampliação da perspectiva de análise de Silvadon (1957). mas também a organização do trabalho. Le Guillant através de seus estudos e pesquisa. Alban com pacientes psiquiátricos. . que proliferam na França do pós guerra” (LIMA 2006 p. Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para o curso de Psicologia do Trabalho. Sven Follin. destaca a dupla polaridade do trabalho: se por um lado o trabalho é fonte de desgaste e sofrimento. “tenta compreender os impactos nefastos dos processos de trabalho. porém. (BENDASSOLLI 2010 p. temos pesquisadores na área do trabalho que segundo Bendassolli (2010) tem influencias especialmente da tradição francesa. Tosquelles seus representantes. ele é também atividade criativa e meio de sublimação. contribuindo significativamente para o desenvolvimento das “terapêuticas pelo trabalho” e. sendo Le Guillant e F. Tosquelles atuou em St.7) Após a Segunda Guerra Mundial o movimento da Psiquiatria Social que teve sua origem nos acontecimentos dramáticos da guerra permitiu um avanço considerável das reflexões em torno da psicologia do trabalho (clínicas do trabalho). a atividade subjetiva reage ao social de acordo com suas possibilidades (CLOT apud LIMA 2010).07). No Brasil. para o campo da Saúde Mental no trabalho . François Tosquelles. que emergiu na França a partir de 1945 com Sivaldon.SM&T (LIMA 2010). abrangendo as quatro clinicas do trabalho. Le Guillant foi um dos fundadores do movimento denominado Psiquiatria Social.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful