Vous êtes sur la page 1sur 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CINCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CINCIAS SOCIAIS CURSO DE CINCIAS SOCIAIS Resumo

do captulo dois, A emergncia da psicologia como cincia natural e social na Alemanha do livro As razes da Psicologia Social Moderna de Robert M. Farr Eduardo Langer IPG 111 - Psicologia I Professor Ricardo Cabral De acordo com Robert M. Farr, o aspecto social da psicologia foi, de certo modo, rfo desde seu incio, no tendo a psicologia instrumental como disciplina-me. Farr v os dez volumes do Vlkerpsychologie, que Wundt produziu entre 1900 e 1920 sobre temas como religio, costumes, mitos e magia, como a primeira tentativa significativa de produzir uma interao orientada para a comunidade de psicologia social. Ao rejeitar o foco da conscincia individual, que foi a marca registrada da psicologia experimental a qual tambm foi pioneiro, Wundt argumenta que fenmenos como a lngua e a cultura pode ser entendida apenas quando abordados ao nvel do coletivo, ao invs do que a do individual. Entretanto, esta mudana de abordagem para grupos como unidade de anlise, tambm exigiu que as tcnicas experimentais em laboratrio, dominantemente investigativos dentro da psicologia instrumental, fossem abandonadas, em favor de mtodos comparativos e histricos. Enquanto a psicologia experimental pode ser considerada uma cincia natural (Naturwissenschaft), Wundt sustentou que a psicologia social deve permanecer resolutamente uma cincia humana (Geisteswissenschaft). Esta a diviso, Farr segue o discurso de Kurt Danziger, que ajudou a produzir a marginalizao da psicologia social na Alemanha. Para as geraes seguintes Wundt, tcnicas experimentais e laboratoriais com base em investigaes e a cincia positivista, tornaram-se as caractersticas da investigao cientfica adequada, levando-os em grande parte a ignorar o Vlkerpsychologie de Wundt em favor da pesquisa individual orientada da psicologia fisiolgicas.