Vous êtes sur la page 1sur 17

A EVOLUÇÃO DOS COMPUTADORES

Os Primórdios da Computação

Apesar dos computadores eletrônicos terem efetivamente aparecido somente na década de 40, os fundamentos em que se baseiam remontam a centenas ou até mesmo milhares de anos.

Se levarmos em conta que o termo COMPUTAR significa fazer cálculos, contar, efetuar operações aritméticas, COMPUTADOR seria então o mecanismo ou máquina que auxilia essa tarefa, com vantagens no tempo gasto e na precisão. Inicialmente o homem utilizou seus próprios dedos para essa tarefa, dando origem ao sistema DECIMAL e aos termos DIGITAL e DIGITO. Para auxílio deste método, eram usados gravetos, contas ou marcas na parede.

A partir do momento que o homem pré-histórico trocou seus hábitos nômades por aldeias e tribos fixas, desenvolvendo a lavoura, tornou-se necessário um método para a contagem do tempo, delimitando as épocas de plantio e colheita.

Tábuas de argila foram desenterradas por arqueólogos no Oriente Médio, próximo à Babilônia, contendo tabuadas de multiplicação e recíprocos. Acredita-se que tenham sido escritas por volta de 1700 a.C. e usavam o sistema sexagesimal (base 60), dando origem às nossas atuais unidades de tempo.

O Ábaco

Na medida em que os cálculos foram se complicando e aumentando de tamanho, sentiu-se a necessidade de um instrumento que viesse em auxílio, surgindo assim há cerca de 2.500 anos o ÁBACO. Este era formado por fios paralelos e contas ou arruelas deslizantes que, de acordo com a sua posição, representava a quantidade a ser trabalhada.

O ábaco russo era o mais simples: continha 10 contas, bastando contá-las para obtermos suas quantidades numéricas. O ábaco chinês possuía 2 conjuntos por fio, contendo 5 contas no conjunto das unidades e 2 contas que representavam 5 unidades. A variante do ábaco mais conhecida é o SOROBAN, ábaco japonês simplificado (com 5 contas por fio, agrupadas 4x1), ainda hoje utilizado, sendo que em uso por mãos treinadas continuam eficientes e rápidos para trabalhos mais simples.

Esse sistema de contas e fios recebeu o nome de CALCULI pelos romanos, dando origem à palavra cálculo.

A EVOLUÇÃO DOS COMPUTADORES Os Primórdios da Computação Apesar dos computadores eletrônicos terem efetivamente aparecido somente

Ábaco Chinês - aproximadamente Soroban - Ábaco Japonês

O Logaritmo e a Régua de Cálculos

Os Bastões de Napier foram criados como auxílio à multiplicação, pelo nobre escocês de Edimburgo, o matemático John Napier (1550-1617), inventor dos logaritmos. Dispositivos semelhantes já vinham sendo usados desde o século XVI mas somente em 1614 foram documentados. Os bastões de Napier eram um conjunto de 9 bastões, um para cada dígito, que transformavam a multiplicação de dois números numa soma das tabuadas de cada dígito.

O Logaritmo e a Régua de Cálculos Os Bastões de Napier foram criados como auxílio à

Bastões de Napier mostrando a multiplicação de 6 por 384

Em 1633, um sacerdote inglês chamado William Oughtred, teve a idéia de representar esses logaritmos de Napier em escalas de madeira, marfim ou outro material, chamando-o de CÍRCULOS DE PROPORÇÃO. Este dispositivo originou a conhecida RÉGUA DE CÁLCULOS. Como os logaritmos são representados por traços na régua e sua divisão e produto são obtidos pela adição e subtração de comprimentos, considera-se como o primeiro computador analógico da história.

Régua de Cálculos - O primeiro computador analógico

O Logaritmo e a Régua de Cálculos Os Bastões de Napier foram criados como auxílio à

A Programação

A maior evolução seguinte foi o contador mecânico, criado pelo matemático Blaise Pascal, que utilizou engrenagens para somas e multiplicações. Essas máquinas se chamavam Pascalinas. As calculadoras da geração da Pascalina executavam somente operações sequenciais, completamente independentes. A cada cálculo o operador deve intervir, introduzindo novos dados e o comando para determinar qual operação deve ser efetuada. Essas máquinas não tinham capacidade para tomar decisões baseadas nos resultados.

Em 1801, Joseph Marie Jacquard, mecânico francês, sugeriu controlar teares por meio de cartões perfurados. Os cartões forneceriam os comandos necessários para a tecelagem de padrões complicados em tecidos. Os princípios de programação por cartões perfurados foram demonstrados por Bouchon, Falcon e Jaques entre 1725 e 1745.

Em 1786, o engenheiro J. Muller, planejou a construção de uma máquina para calcular e preparar tabelas matemáticas de algumas funções. A máquina Diferencial, como foi chamada, introduzia o conceito de registros somadores.

A Informática O que é Informática?

Ciência que desenvolve e utiliza máquinas para tratamento, transmissão, armazenamento, recuperação e utilização de informações. O computador - capaz de realizar várias operações matemáticas em curto espaço de tempo, de acordo com programas pré-estabelecidos - é a principal máquina utilizada.

O desenvolvimento da informática tem permitido o surgimento de computadores cada vez menores, mais baratos e com maior capacidade. Atualmente, um computador laptop de US$ 2 mil é muito mais potente do que um computador de grande porte da década de 70, que custava US$ 10 milhões. Esse barateamento é um fator decisivo na popularização dos computadores. Se há 25 anos existiam apenas 50 mil computadores no mundo inteiro, hoje há cerca de 140 milhões.

Primeiros computadores

Em 1890, o norte americano Hermann Hollerith (1860-1929) desenvolve o primeiro computador mecânico. A partir de 1930, começam as pesquisas para substituir as partes mecânicas por elétricas. O Mark I, concluído em 1944 por uma equipe liderada por Howard Aiken, é o primeiro computador eletromecânico capaz de efetuar cálculos mais complexos sem a interferência humana. Ele mede 15 m x 2,5 m e demora 11 segundos para executar um cálculo. Em 1946, surge o Eniac (Electronic Numerical Integrator and Computer), primeiro computador eletrônico e digital automático: pesa 30 toneladas, emprega cerca de 18 mil válvulas e realiza 4.500 cálculos por segundo. O Eniac contém a arquitetura básica de um computador, empregada até hoje: memória principal (área de trabalho), memória auxiliar (onde são armazenados os dados), unidade central de processamento (o "cérebro" da máquina, que executa todas as informações) e dispositivos de entrada e saída de dados que atualmente permitem a ligação de periféricos como monitor, teclado, mouse, scanner, tela, impressora, entre outros. A invenção do transistor, em 1947, substitui progressivamente as válvulas, aumentando a velocidade das máquinas.

A Programação A maior evolução seguinte foi o contador mecânico, criado pelo matemático Blaise Pascal, que

MARK I

O ENIAC

O ENIAC Os Computadores Pessoais O tamanho e o preço dos computadores começam a diminuir a
O ENIAC Os Computadores Pessoais O tamanho e o preço dos computadores começam a diminuir a

Os Computadores Pessoais

O tamanho e o preço dos computadores começam a diminuir a partir da década de 50. Neste período, inicia-se a pesquisa dos circuitos integrados, os chips , responsáveis pela crescente miniaturização dos equipamentos eletrônicos. Em 1974, a Intel projeta o microprocessador - dispositivo que reúne num mesmo chip, todas as funções do processador central - tecnologia que permite a criação do computador pessoal, ou microcomputador. O primeiro computador pessoal é o Apple I, inventado em 1976 pelos americanos Steve Jobs (1955-) e Stephan Wozniak.

Em 1981, a IBM lança o seu PC (Personal Computer), que se torna um sucesso comercial. O sistema operacional usado é o MS-DOS, desenvolvido pela empresa de softwares Microsoft. Na época, Bill Gates , o dono da Microsoft,

convence a IBM e as demais companhias a adotarem o sistema operacional de sua empresa. Isso permite que um mesmo programa funcione em micros de diversos fabricantes. Posteriormente, os PCs passam a usar microprocessadores cada vez mais potentes: 286, 386SX, 386DX, 486SX, 486DX. O Pentium, que surge nos anos 90, é atualmente o processador mais avançado usado em PCs.

O único micro a fazer frente aos PCs é o Macintosh, lançado em 1984, que revoluciona o mercado ao promover o uso de ícones e do mouse. No ano seguinte, a Microsoft lança a interface gráfica Windows, adaptando para os PCs o uso de ícones e do mouse. O Windows só alcança sucesso a partir de 90, com a versão 3.0. A nova versão, lançada em 1995, totaliza 45,8 milhões de usuários registrados pela Microsoft em dezembro de 1996.

Na década de 90 surgem os computadores que, além do processamento de dados, reúnem fax, modem, secretária eletrônica, scanner, acesso à Internet e drive para CD-ROM. Os CDs-ROM, sigla de compact disc read-only memory, criados no início da década, são discos a laser que armazenam até 650 megabytes, 451 vezes mais do que um disquete (1,44 megabytes). Além de armazenar grande quantidade de texto, o CD-ROM tem capacidade de arquivar fotos, vídeos e animações. Em 1996 é anunciado o lançamento do DVD (digital vídeo disc), que nos próximos anos deve substituir o CD-ROM e as fitas de videocassete. O DVD é um compact-disc com capacidade de 4,7 gigabytes (cerca de 7 CDs-ROM). Segundo os fabricantes, terá a capacidade de vídeo de um filme de 135 minutos em padrão de compressão MPEG (tela cheia) e alta qualidade de áudio. Terá o mesmo diâmetro e espessura dos CDs atuais, mas será reproduzido em um driver específico, que também poderá ser ligado à televisão. Alguns CDs-ROM são interativos, ou seja, permitem que o usuário controle, à vontade, a navegação pelo seu conteúdo. Os computadores portáteis (laptops e palmtops), marcas da miniaturização da tecnologia, também se popularizam nos anos 90.

Inteligência Artificial

Nesse final de século surge um novo ramo na informática, a inteligência artificial, que estuda métodos de simular o pensamento humano nos computadores com o objetivo de substituir o homem pela máquina em atividades mecanizadas. Alguns computadores já funcionam com modelos de raciocínio e comportamento humanos, auxiliando médicos em diagnósticos, praticando diversos jogos e compondo músicas. Entre eles está o Deep Blue, computador ultra veloz, com 256 unidades de processamento de dados (o normal é uma), fabricado pela IBM após cinco anos de pesquisas. Em 1996, o Deep Blue - capaz de analisar 200 milhões de lances por segundo em um jogo de xadrez - vence uma disputa com o campeão mundial de xadrez, o russo Garry Kasparov. Há também o COG, protótipo de robô que está sendo projetado e construído pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Sua forma é semelhante à do homem: tem cabeça, olhos e braços. O robô, cujo sistema nervoso artificial é 64 vezes mais potente do que um Macintosh, irá simular as fases de crescimento do homem, seus pensamentos e sentimentos.

Impactos na Sociedade

O desenvolvimento da informática exerce um grande impacto no modo de produção da sociedade. O computador torna-se uma importante ferramenta de trabalho, contribuindo para o aumento da produtividade, redução de custos e melhoria da qualidade dos produtos. Vários setores da economia já estão informatizados, entre os quais a indústria, a pesquisa científica, a educação, o sistema financeiro, as comunicações e a astronáutica. Nas fábricas, os robôs substituem gradativamente a mão de obra humana em trabalhos que envolvem risco e em atividades mecânicas, como as linhas de produção e montagem. Essa automação progressiva é a causa da eliminação de vários postos de trabalho como caixas de banco, telefonistas e datilógrafos, tendência que é conhecida por desemprego estrutural. Por outro lado, a informática também cria novas categorias de profissionais, cuja principal característica é o domínio das tecnologias da atualidade.

Na pesquisa científica, o computador tem possibilitado a simulação de experiências inviáveis na realidade, devido ao alto custo ou periculosidade, como situações de temperatura excessiva ou de explosões. Na educação há uma grande variedade de softwares que ensinam Desenho, Música ou Gramática. Os bancos oferecem um número cada vez maior de serviços informatizados, como os caixas eletrônicos e as consultas on-line a partir de um computador pessoal ligado à agência. Na área das comunicações, a grande inovação é a interligação dos computadores de todo o mundo numa grande rede, a Internet. Na astronáutica, os satélites artificiais informatizados fazem, entre outras aplicações, o mapeamento da atmosfera terrestre e de outros planetas.

Resumo dos Principais Fatos

XVII - O francês Blaise Pascal projeta uma calculadora que soma e subtrai e o alemão Gottfried Wilhelm Leibniz incorpora operações de multiplicar e dividir à máquina.

XVIII - O francês Joseph Marie Jacquard constrói um tear automatizado: cartões perfurados controlam o movimento da máquina.

  • 1834 - O inglês Charles Babbage projeta a máquina analítica capaz de armazenar informações.

  • 1847 - O inglês George Boole estabelece a lógica binária para armazenar informações.

  • 1890 - O norte-americano Hermann Hollerith constrói o primeiro computador mecânico.

  • 1924 - Nasce a International Business Machines Corporation (IBM), nos Estados Unidos.

  • 1938 - O alemão Konrad Zuse faz o primeiro computador elétrico usando a teoria binária.

  • 1943 - O inglês Alan Turing constrói a primeira geração de computadores modernos, que utilizam válvulas.

  • 1944 - O norte-americano Howard Aiken termina o Mark I, o primeiro computador eletromecânico.

  • 1946 - O Eletronic Numerical Integrator and Computer (Eniac), primeiro computador eletrônico, é criado nos EUA.

  • 1947 - Criação do transistor, substituto da válvula, que permite máquinas mais rápidas.

  • 1955 - O minicomputador pdp-8, considerado o primeiro computador com preço “acessível”. Foi nesse tipo de computador que o sistema

operacional unix começou a ser desenvolvido por ken thompson e dennis ritchie.

  • 1957 - Primeiros modelos de computadores transistorizados chegam ao mercado.

  • 1958 - Criação do chip, circuito integrado que permite a miniaturização dos equipamentos eletrônicos.

  • 1969 - Criação da Arpanet, rede de informações do Departamento de Defesa norte-americano interligando universidades e empresas, que dará

origem à Internet.

  • 1974 - A Intel projeta o microprocessador 8080, que origina os microcomputadores.

  • 1975 - Os norte-americanos Bill Gates e Paul Alen fundam a Microsoft.

  • 1976 - Lançamento do Apple I, primeiro microcomputador comercial, inventado por Steves Jobs e por Steves Woznick.

  • 1981 - A IBM o lança seu microcomputador - o PC - com o sistema operacional MS-DOS, elaborado pela Microsoft.

  • 1983 - A IBM lança o PC-XT, com disco rígido.

  • 1984 - A National Science Foundation, nos Estados Unidos, cria a Internet, rede mundial de computadores que conecta governos, universidades e

companhias.

  • 1984 -- A Apple lança o Macintosh, primeiro computador a utilizar ícones e mouse.

  • 1985 - A Microsoft lança o Windows para o PC, que só obtém sucesso com a versão 3.0 (1990).

  • 1993 - A Intel lança o Pentium.

  • 1998 - A Intel lança o Pentium II.

  • 1999 - A Intel lança o Pentium III.

  • 2000 - O Pentium 4 original, com o nome de código "Willamette", foi introduzido em novembro de 2000 para o Socket423, sendo lançados em

versões 1.3 a 2.0 GHz. Em 2002, a Intel lançou o Pentium 4, processador que podia alcançar clocks muito altos, chegando até a 3,8 GHz em condições especiais. Os últimos modelos dessa linha também incluíam a tecnologia Hyperthreading (HT), funcionalidade que fazia um processador físico trabalhar como se fossem duas CPUs lógicas.

  • 2006 - A Intel inicia a sua linha Core, para consumidores que precisam de mais poder de processamento como os core2duo, core2quad, core2

extreme quadcore, Em 2010 a Intel lança seus modelos mais robustos de multicore os Core i3, i5 e i7.

MINICOMPUTADOR PDP-8

Minicomputador pdp-8, considerado o primeiro computador com preço acessível.

MINICOMPUTADOR PDP-8 Minicomputador pdp-8, considerado o primeiro computador com preço acessível. Em 1975 começaram as vendas

Em 1975 começaram as vendas do “kit” do primeiro microcomputador, chamado de Altair

8800[1], que utilizava o chip 8080 da Intel. O nome Altair é uma homenagem ao planeta

onde se passa o filme “O Planeta ProIbido”, de 1956, onde aparece o robot Robbie.

MINICOMPUTADOR PDP-8 Minicomputador pdp-8, considerado o primeiro computador com preço acessível. Em 1975 começaram as vendas

O Sinclair/TK85 Spectrum

Sinclair

O Sinclair/TK85 Spectrum Sinclair O Sinclair foi um dos primeiros computadores pessoais e foi muito famoso

O Sinclair foi um dos primeiros computadores pessoais e foi muito famoso na sua época.

O Lançamento do Spectrum

Em 1982, segundo se conta, o empresário britânico Sir Clive Sinclair desenvolveu o ZX Spectrum para participar de um concurso promovido pela BBC, que premiaria um computador pessoal de baixo preço com acessão de suas iniciais e apoio no marketing. O vencedor, entretanto, foi outro (o Acorn), e Sinclair decidiu lançar o seu micro por conta própria, como "sucessor" de suas espetaculares criações ZX 80 e ZX 81.

Existiam então duas versões disponíveis: 16k e 48k de memória RAM. Além disso, contava com 16k de ROM, 16

cores (uma revolução (!) numa época em que "cor" era sinônimo de videogame

)

(oito básicas mais um modo

... especial para cada uma delas, "Bright On/Off"), som, gráficos de alta resolução (256x192 pixels) e linguagem BASIC inclusa, fácil de usar. E tudo isso por apenas 180 libras! Por causa disso tudo, jogos e aplicativos eram lançados num ritmo surpreendente.

O Sinclair/TK85 Spectrum Sinclair O Sinclair foi um dos primeiros computadores pessoais e foi muito famoso

Sir Clive Sinclair

A Ascensão do Spectrum

Em 1983, 200 mil computadores já tinham sido vendidos. No Brasil, a Microdigital lança um novo micro, o TK85. Era, em poucas palavras, um ZX 81 com gabinete e teclado exatamente iguais ao ZX Spectrum (isso inclusive gerou um

processo judicial!)

O clone brasileiro do ZX Spectrum demoraria ainda dois anos para ser lançado, acompanhando

... a tradição do nosso mercado reservado, muito atrás do resto do mundo!

Para atender às inúmeras reclamações dos usuários quanto às teclas de borracha, em 1984 foi lançado o Spectrum +, com um novo teclado de plástico (que parece ter gerado uma nova onda de reclamações) e um botão RESET. A Sinclair Research torna-se então campeã de vendas na Grã - Bretanha.

Em 1985, existiam então naquelas praias seis milhões de usuários, acompanhando o lançamento do Spectrum 128. Entretanto, nessa época o mundo toma conhecimento da geração 16 bits, e o declínio parece inevitável.

Em meados de 1985 a Microdigital lança no Brasil o TK 90X. Custando cerca de 250 dólares no lançamento, chegando a US$200 alguns meses depois, torna-se imediatamente um estrondoso sucesso de vendas. Era exatamente igual ao ZX Spectrum, com algumas "melhorias", como uma interface para joysticks inclusa, um comando para edição de UDG (User-Defined Graphics) e ligação direta com uma TV. No ano seguinte o mercado brasileiro vê o TK 95, basicamente a mesma coisa, só que com o teclado e o gabinete mais "robustos", "copiados" do Commodore C64, um dos concorrentes do ZX Spectrum na Grã-Bretanha ...

O Declínio do Spectrum

Em 1986, Alan Sugar, dono da Amstrad, compra a Sinclair Research e lança o Sinclair ZX Spectrum 2+ e em seguida o modelo 3+, em 1987, incluindo disk drive de 3" e muitas mudanças na ROM. Em 1988 as vendas de micros de 16 bits ultrapassam as de 8 bits na Grã-Bretanha. Em 1989 cessa a produção do Spectrum. No Brasil, o declínio também é agudo. O mercado torna-se dividido entre as aplicações sérias com os PCs e os assumidos videogames, os micros MSX. O TK95 perde cada vez mais espaço, até literalmente desaparecer das páginas da mais conceituada publicação da época, a Micro Sistemas.

A Queda do Spectrum

No começo dos anos 90, milhares de usuários continuavam teimosamente editando revistas, programas e acessórios (até um novo Spectrum "revolucionário" é lançado, o Sam Coupé). Entretanto, o inevitável fim da "Era Spectrum" chega, em 1992.

O MSX

O que é o MSX?

O MSX faz parte da família de computadores baseados no velho e eficiente processador de 8 bits da Zilog, o Z-80. Esses computadores começaram a aparecer em 1983 tentando estabelecer um padrão em computadores pessoais, assim como é o sistema VHS é em vídeo. Eles foram muito populares na Asia (Japão, Coreia), Europa (Inglaterra, Holanda, França, Espanha), na América do Sul (Brasil, Chile, Argentina) e na Antiga União Sovietica mas, são praticamente desconhecidos nos EUA. Entretanto em 1988 o MSX-1 começava a lentamente desaparecer, o mundo começava a ver o MSX-2 (uma grande evolução), um ano depois o MSX-2 Plus e em 1990 o MSX Turbo-R (de 16 bits) o primeiro MSX de 16 bits, mas pouco depois começou a finalmente desaparecer sendo substituído pelos PC's que hoje dominam totalmente o mercado. MSX quer dizer MicroSoft e Xtended, foi criado em parceria entre a Microsoft (Bill Gates), e a ASCII japonesa (Kay Nishi). Até final de 87 MSX era marca registrada da Microsoft Corp. Depois, Bill desfez sua sociedade com Nishi e voltou seus esforços totalmente para o padrão PC. O MSX foi sem dúvida o melhor micro de 8 bits da história, sendo melhor que muitos de 16 bits. Ele é um computador muito bom, especialmente para fins educacionais, como foi claramente indicado no caso da antiga URSS. O Ministro Russo da Educação, na época, comprou centenas de MSXs (e posteriormente MSX2s). Eram agrupados em chamados "Sistema computadorizado de salas de aula" de 10 a 16 máquinas interligadas numa pequena rede. Uma grande geração de programadores nasceram usando esses computadores. O MSX, também era bastante eficiente em jogos (principalmente o MSX2) e tem um grande número de jogos escritos ou adaptados para ele. A maioria desses jogos eram bem superiores ao jogos do PC na época.

O MSX no Brasil

Dois assuntos são fundamentais para se entender o MSX no Brasil: a imprensa escrita (principalmente as revistas) e o software. Até o advento do MSX, além de uns poucos abnegados, tudo o que existia eram traduções e cópias, nenhum outro micro tinha produzido tanto software brasileiro genuíno. Tá certo que houve muita pirataria, mas com ele apareceram os primeiros produtores de programas brasileiros. O MSX surgiu no brasil em 1985 e era fabricado por duas empresas: a Sharp e a DYNACOM. A segunda produzia uma máquina extremamente inferior, com apenas 8kb de RAM, componentes de péssima qualidade e, por isso, foi rapidamente retirado do mercado. Já o MSX da Sharp chegou e em pouco tempo fulminou seus concorrente diretos de 8bits (os clones de Apple-II e ZX-SPectrum), sendo, em 1988, era padrão do mercado, se tornando mais popular (pelo menos a nível doméstico) que os PCs.

Pouco depois, surgiu o Expert 1.0 da Gradiente, entretanto, ele trazia vários inconvenientes: a sua tabela de caracteres não seguia o padrão e tinha algumas incompatibilidades a nível de endereços com os outros MSX. Algo semelhante ocorria com o Hotbit branco da sharp, porém sem os problemas de tabela ascii. Em 1987 surge o Hotbit preto e o Expert 1.1, que tinham a mesma tabela de caracteres e resolvidos esses problemas. No mesmo ano surgem os primeiros kits de transformação 2.0 no Brasil, e lá fora, é lançado o MSX 2+. Os kits 2.0 dessa época eram exclusivos para o Expert, tendo o inconveniente de que se perdia o seu slot traseiro, o que não impediu a troca, por muitos, de seus Hotbits por Experts; além do que, o gabinete da SHARP era muito pequeno, não havendo espaço físico para o kit de MSX2. Apesar da primeira empresa a fabricar kits ter sido a MPO, a maior foi a DDX e a melhor foi

a ACVS. O kit (DDX) tinha o problema de, as vezes, a interface de data corder parar de funcionar, mas, ninguém (nem os técnicos) sabia explicar o porque. Nunca foi fabricado um MSX2 no Brasil, o que ocorria era uma "transformação" com a instalação de um Kit chamado Kit MSX-2 e o mais popular era fabricado pela DDX, principal fabricante de acessórios. Apenas o Expert podia ser transformado para MSX2 já que o Hotbit tinha, entre outros, problemas de espaço gabinete. Outra empresa, a ACVS, também fazia kits de MSX2 e 2+, por sinal melhores que os kits da DDX, embora não tão populares. Chegou a lançar um cartucho que transformava o MSX em MSX2/2+ acabando com o problema da transformação do Hot Bit, o que isso não faria diferença, pois a Sharp já tinha parado de fabricar o seu MSX Hot-Bit.

Em 88/89, quando todos esperavam um MSX 2 ou 2+ nacional, a Gradiente lançou o MSX PLUS e MSX DD PLUS. Uma tremenda besteira, primeiro porque o MSX1 já estava super ultrapassado e segundo porque esses novos Experts davam uma série de problemas. Foi a gota d'agua para a existência do MSX no Brasil.

Invenções Nacionais

No Brasil também se inventou algumas coisas para o MSX, a mais popular delas foi a Megaram, que era usada para rodar os jogos copiados de cartuchos (megaroms) originais. A Megaram foi inventada pela ACVS (Ademir Carchano) mas, foi a DDX que a popularizou. Existiam vários tipo de megaram: a megaram de 128 e 256, a Megaram Disk de 256, 512 e 768. A principal diferença entre a Megaram e a Megaram Disk é que a segunda vinha com sistema operacional e podia ser usada como drive virtual. Apenas o jogo Metal Gear 2 fazia uso da Megaram de 512. Outra coisa que inventaram era o Multi Drive, que era um drive de 5 1/4 com um botão que fazia ele formatar discos de 360K em 720Kb. Isso porque tinha muitos jogos de MSX2 em disquetes de 720K e por alguma razão drives de 3 1/2 nunca fizeram sucesso no Brasil. Também existia o expansor de slots, já que os 2 slots do MSX já não eram em número suficiente. O melhor expansor de slot fabricado foi o DDX Expander, que tinha como principal característica o seu chamamento, ou seja não precisa ficar tirando e colocando cartucho, cada slot tinha um botão de liga/desliga para cada cartucho.

a ACVS. O kit (DDX) tinha o problema de, as vezes, a interface de data corder

O DOS

Um MSX

O DOS - Disk Operating System - durante muito tempo foi o sistema operacional padrão em micros de 16 bits ( semelhante ao CP/M que foi padrão para os de 8 bits ) e surgiu em 1981 junto com o primeiro IBM PC. Desenvolvido pela Microsoft, pois a IBM não imaginou que as vendas desse micro pudessem ir muito longe, o DOS possuía dois rótulos: PC-DOS comercializado pela IBM e MS-DOS comercializado pela Microsoft.

Versões do MS-DOS

DOS 1.0 Esta primeira versão do PC-DOS comportava apenas discos flexíveis de face simples e ocupava somente 10 Kb de RAM, pois o PC tinha apenas 64 K de memória RAM. A versão 1.1 atualizou o sistema para trabalhar com discos de densidade dupla. O primeiro MS-DOS surgiu como versão 1.25.

DOS 2.0 Esta versão apareceu junto com o IBM XT em 1983, e permitia o uso de discos rígidos de alta capacidade ( 10 Mb! ). O sistema ocupava 25 Kb de RAM e 40 Kb de espaço em disco. O MS-DOS equivalente tinha como versão 2.11 e trazia o comando COUNTRY a mais.

DOS 3.0 Foi lançado com a chegada do AT em 1984, suportando o então novo drive de 1.2 Mb e o utilitário VDISK ou RAM-DISK, que utilizava a memória que ultrapassava os 640 Kb. Os clusters foram reduzidos de 4 para 2 Kb. A versão 3.1 suportava redes. A versão 3.2 suportava os novos discos de 3 1/2 polegadas e 720 Kb. de capacidade e possuía os comandos XCOPY e APREND. A versão 3.3 suportava drives de 1.44 Mb., partições do disco rígido de

até 32 Mb e introduziu o comando FASTOPEN. O sistema ocupava cerca de 30Kb. de RAM e 59 Kb. de espaço em disco.

DOS 4.0 Lançado em julho de 1988, quebrou a barreira dos 32 Mb. para cada partição e apresentou uma interface gráfica chamada DOS SHELL. Ocupava de 65 a 90 Kb. de RAM e 110 Kb. de espaço em disco.

DOS 5.0 Esta versão possibilitava o uso de mais de dois discos rígidos, partições de 2 Gb. no disco rígido, introduzia os comandos UNFORMAT, UNDELETE e DOSKEY, e possuía um gerenciamento mais eficiente das memórias disponíveis (Upper, High, Extended e Expanded).

DOS 6.0 Com esta versão, foi introduzido os recursos do SCANDISK, DRIVESPACE, MEMMAKER, DEFRAG, ANTI VIRUS, MSD (Microsoft Diagnostics), DELTREE, além de aprimoramentos nos comandos MOVE, COPY, FORMAT e INTERLINK (para transferencia de arquivos entre dois computadores).

Com a chegada do Windows 95, sistema operacional que não necessita da prévia instalação do DOS, apesar de conter incorporado uma versão reduzida, possivelmente chegamos ao fim das constantes evoluções deste sistema operacional que acompanhou o usuário por cerca de 15 anos.

O Os/2 Warp

O OS/2 Warp é um sistema operacional parecido com o Windows, mas só que é da IBM.

OS/2 Versão 1.0 O OS/2 foi um esforço conjunto da IBM e da Microsoft para poder aproveitar o potencial das máquinas processadas por Intel 386 que surgiam em 1985. Seu objetivo era substituir o DOS, explorando a memória acima dos 640Kb e aproveitando a capacidade de multitarefa que o novo processador oferecia.

Para gerenciar a multitarefa, o OS/2 ganhou uma GUI (Graphic User Interface) baseada no Presentation Mananger. Incluída ainda na versão 1.

Porém, a IBM sempre foi uma empresa voltada para o mercado corporativo e seu objetivo sempre foi de oferecer soluções completas para seus clientes. Um sistema operacional forte era necessário para cativar sua clientela e a IBM investiu no OS/2 para chegar nesse sistema. Assim, surgiu a versão Extended Edition.

OS/2 Versão 2.0 Porém, a Microsoft desenvolveu seu próprio "substituto" para o DOS. O Windows, que mesmo tendo uma aparência muito semelhante ao OS/2, era tecnicamente inferior ao sistema que era desenvolvido em conjunto com a IBM. Porém, contrariando tudo o que se poderia prever, as vendas do Windows superavam em larga escala as de OS/2. Assim, a versão 2 demorava a sair. Enquanto isso, o Windows foi crescendo.

Porém, quando o OS/2 2.0 chegou, as diferenças entre ele e o Windows eram impressionantes. A multitarefa do OS/2 era preceptiva (real) e a do Windows não. E como o OS/2 rodava aplicações Win16 através de emulação a IBM adotou o seguinte slogan para seu sistema: "Roda aplicações DOS melhor que o DOS e aplicações Windows melhor que o Windows". Isso porque a Microsoft decidiu abandonar o OS/2 e tocar o Windows sozinho.

Algumas das diferenças entre OS/2 e Windows iam além da arquitetura do sistema. Totalmente orientado a objeto, o OS/2 permitia desde sua versão 2 o arraste de ícones de pasta para pasta e outros objetos, como o triturador e a impressora. E essa orientação é melhor do que a de qualquer outro sistema. Além disso, cada pasta pode ter suas

próprias configurações de cores, papel de parede, etc. Mesmo com vários pontos positivos, o OS/2 não vingou

Em

... 1 mês o Windows vendeu mais do que o OS/2 em 3 anos. E esse foi a gota para que a Microsoft esquecesse de vez

o Operating System/2.

OS/2 Warp Versão 3.0 Com a Microsoft fora do desenvolvimento a IBM sentiu-se mais a vontade para deixar o OS/2 com sua "cara". Porém, sua estratégia de marketing surpreendeu a todos. Usando o argumento de que o mercado doméstico havia rejeitado o OS/2 a Big Blue decidiu orientar totalmente o seu sistema para as empresas. Isso fez com que os boatos de "O OS/2 está morto" crescerem. E os usuários domésticos acabaram por ignorar soluções diferentes do Windows 3.11. No entanto, o sistema continuava a ser vendido para pessoas físicas. O que dava esperanças aos reles mortais de ter um sistema 32 bit realmente poderoso em seus PCs.

Além da real orientação a objetos, uma das melhores ideias aplicadas no OS/2 foi a Barra de Lançamento. Ela surgiu na versão 3. Sua função é conter as operações e programas principais do sistema. Para permitir ao usuário um acesso mais rápido aos seus programas e objetos prediletos. Por ser totalmente customizável ela é adaptada facilmente ao gosto do usuário.

OS/2 Warp Versão 4.0 Lançada no início de 1996, essa versão trouxe munição para combater o Windows 95. Principalmente no tocante é estabilidade e confiabilidade. O OS/2 Warp 4.0 é o sistema operacional ideal para missões críticas graças às suas virtudes técnicas, como o gerenciamento avançado de memória e o Crash Protection. Eles consistem em ferramentas controladas pelo sistema para manter a máquina operando normalmente e executando outras tarefas caso algum aplicativo provoque um erro de proteção de memória. Esse tipo de erro facilmente derrubaria o Windows 95. Mas nos Grupos de Usuários e nas listas de discussão sobre OS/2 vários usuários comentam suas experiências com aplicativos problemáticos que foram retirados de execução sem que o OS/2 tivesse panes ou os outros programas fossem afetados. É verdade, no entanto, que nenhum sistema está 100% imune a erros, portanto, uma vez ou outra, o Netscape consegue travar tudo. E então o reset é necessário. Porém é de se notar que isso ocorre com pouca frequência no OS/2.

A interface do OS/2 mudou na versão 4. Ele manteve a Barra de Ferramentas. Teve suas janelas redesenhadas e herdou o SmartCenter do Lotus SmartSuite. Para quem já conhece o pacote ficou claro. Para quem não conhece, o SmartCenter é uma barra que fica em uma extremidade de sua tela e permite que você chame diversas funções e programas do pacote. No OS/2, essa barrinha milagrosa se tornou o WarpCenter. Nele você pode ter praticamente tudo (ou tudo mesmo). Desde monitoramento de todos os HDs, CPU, passando pelos programas que estão rodando, até ícones para chamar seus programas favoritos e mesmo os Web Sites que você mais gosta, além de poder ver com um simples clique todo o conteúdo de seu ambiente de trabalho.

Várias melhorias deixaram o OS/2 ainda mais sólido. A orientação a objetos é inteligente e rápida. Criar sombras (os equivalentes aos atalhos do Win95) é simples e confiável. Depois dessa criação, se o objeto original for movido, as sombras são atualizadas automaticamente, e o objeto é deletado, o sistema lhe pergunta o que você quer fazer com a sombra. No Windows isso não existe!!! Ele simplesmente deixa o atalho inútil e você teria de criar novos atalhos. Entre as melhorias gráficas, foram mudados ícones da Barra de Ferramentas.

Além do mais, a notabilidade do OS/2 v. 4 sobre o Windows 95 estende-se até sobre uma área (e pode-se dizer a única) onde o sistema da Microsoft pode ser considerado superior: Os Jogos. Para rodar jogos pesados o Windows tem que reiniciar o velho DOS.

Além do Quake, rodam Indycar, Nascar, Doom, e vários outros jogos. Sempre com desempenho igual ou algumas vezes até superior à execução em MS-DOS.

Por falar em execução, é bom lembrar que o OS/2 executa aplicações de windows 3.1 e Win32 s até a versão 1.25 a. Além de aplicações JAVA nativamente. E aplicações PM para OS/2. E com relação aquela história de que existem poucos programas para OS/2. Isso é uma grande besteira, existem e são muito bons. A maioria deles é bem melhor que seus equivalentes para Windows 95.

Observações

A programação do ENIAC fazia-se por meio do estabelecimento de ligações entre cabos elétricos e o acionamento de um grande número de interruptores. A partir da década de 50, o progresso deste tipo de instalações foi cada vez mais acelerado e seguiu uma série de etapas que recebem o nome de gerações e que abarcam períodos determinados.

Em vez das 30 toneladas do ENIAC, o IBM 7094 (versão de maior sucesso dessa segunda geração de computadores) pesava apenas 890 Kg. E por mais que pareça pouco, essa mesma máquina ultrapassou a marca de 10 mil unidades vendidas.

Observações A programação do ENIAC fazia-se por meio do estabelecimento de ligações entre cabos elétricos e

A importância da Apple

Na mesma época, os dois Steves da Apple (Jobs e Wozniac) criaram a empresa da Maçã para se dedicarem a projetos de computação pessoal facilitados para usuários leigos. Assim surgiu o Apple I, projeto que foi primeiramente apresentado para a HP. Ele foi sucedido pelo Apple II, após uma injeção de 250 mil dólares pela Intel.

A importância da Apple Na mesma época, os dois Steves da Apple (Jobs e Wozniac) criaramempresa da Maçã para se dedicarem a projetos de computação pessoal facilitados para usuários leigos. Assim surgiu o Apple I, projeto que foi primeiramente apresentado para a HP. Ele foi sucedido pelo Apple II, após uma injeção de 250 mil dólares pela Intel. Fonte da imagem: Musée Bolo Essa se g unda versão dos computadores possuía uma versão modificada do sistema BASIC, criada também pela Microsoft. O grande avanço apresentado pelo sistema era a utilização de interface gráfica para alguns softwares. Também era possível utilizar processadores de texto, planilhas eletrônicas e bancos de dados.Essa mesma Apple foi responsável pela inauguração dos mouses na computação pessoal, juntamente com os sistemas operacionais gráficos, como o Macintosh. Pouco depois a Microsoft lançou a primeira versão do Windows, bastante parecida com o sistema da rival. AS GERAÇÕES DA EVOLUÇÃO Primeira Geração A primeira geração é constituída pelos computadores construídos entre os anos 1950 e 1960. Trata-se das primeiras máquinas deste tipo fabricadas com fins comerciais, sendo o componente eletrônico básico que tornava possível o seu funcionamento a válvula de vácuo (dispositivo eletrônico formado por dois eletrodos encerrados numa ampola em que se criou um vácuo). Estas máquinas programavam-se diretamente em código máquina e eram capazes de realizar até 1000 instruções por segundo. Segunda Geração A segunda geração é a que compreende os computadores construídos entre 1960 e 1965. Caracteriza-se pelo fato de o componente eletrônico, sobre o qual se baseia, ser o transistor (dispositivo eletrônico que atua como um interruptor, já que determina a passagem ou não da corrente entre dois pontos , em função da tensão aplicada a um terceiro ). Este fato faz com que a referida geração reduza substancialmente o consumo de energia e o volume ocupado pelas máquinas, assim como por um aumento da fiabilidade e da velocidade de cálculo das instalações. Os progressos do sistema lógico dos computadores deram lugar ao aparecimento dos sistemas operativos , do processamento em regime de multi-utilizador das linguagens de alto nível , etc. Terceira Geração A terceira geração , que abarca o período de 1965 a 1975, caracteriza-se fundamentalmente pela redução das dimensões das instalações, já que a sua construção e funcionamento se baseia no emprego de circuitos integrados. Por volta de 1974, logrou-se obter, graças às técnicas VLSI (Very Large Scale Integrator, " id="pdf-obj-13-8" src="pdf-obj-13-8.jpg">

Fonte da imagem: Musée Bolo

Essa segunda versão dos computadores possuía uma versão modificada do sistema BASIC, criada também pela Microsoft. O grande avanço apresentado pelo sistema era a utilização de interface gráfica para alguns softwares. Também era possível utilizar processadores de texto, planilhas eletrônicas e bancos de dados.Essa mesma Apple foi responsável pela inauguração dos mouses na computação pessoal, juntamente com os sistemas operacionais gráficos, como o Macintosh. Pouco depois a Microsoft lançou a primeira versão do Windows, bastante parecida com o sistema da rival.

AS GERAÇÕES DA EVOLUÇÃO

Primeira Geração A primeira geração é constituída pelos computadores construídos entre os anos 1950 e 1960. Trata-se das primeiras máquinas deste tipo fabricadas com fins comerciais, sendo o componente eletrônico básico que tornava possível o seu funcionamento a válvula de vácuo (dispositivo eletrônico formado por dois eletrodos encerrados numa ampola em que se criou um vácuo). Estas máquinas programavam-se diretamente em código máquina e eram capazes de realizar até 1000 instruções por segundo.

Segunda Geração A segunda geração é a que compreende os computadores construídos entre 1960 e 1965. Caracteriza-se pelo fato de o componente eletrônico, sobre o qual se baseia, ser o transistor (dispositivo eletrônico que atua como um interruptor, já que determina a passagem ou não da corrente entre dois pontos , em função da tensão aplicada a um terceiro ). Este fato faz com que a referida geração reduza substancialmente o consumo de energia e o volume ocupado pelas máquinas, assim como por um aumento da fiabilidade e da velocidade de cálculo das instalações. Os progressos do sistema lógico dos computadores deram lugar ao aparecimento dos sistemas operativos, do processamento em regime de multi-utilizador das linguagens de alto nível , etc.

Terceira Geração A terceira geração, que abarca o período de 1965 a 1975, caracteriza-se fundamentalmente pela redução das dimensões das instalações, já que a sua construção e funcionamento se baseia no emprego de circuitos integrados. Por volta de 1974, logrou-se obter, graças às técnicas VLSI (Very Large Scale Integrator,

integração a muito grande escala) um circuito integrado que albergava até 20 000 componentes numa superfície de 25 mm2.

Quarta Geração A quarta geração abarca o período desde 1975 até aos nossos dias e caracteriza-se fundamentalmente pela continuação do processo de integração que culminou, em 1975, com a consecução de uma escala de integração que permitia colocar 60 000 componentes numa superfície de 25 mm2. Neste aspecto, a integração dos circuitos alcança o nível de VLSI, isto é, a de pelo menos 1000000 transistores em 25 mm2. Por esta razão está ligada com o aparecimento do microprocessamento (chip no qual se integram a unidade aritmética e lógica, a unidade de controlo e os registos, isto é, a obtenção mediante circuitos integrados de uma unidade central de processamento). O aparecimento do microcomputador permitiu, para além do mais, que a informática se popularizasse, chegando a todos os cantos do planeta e aplicando-se a grande quantidade de atividades humanas, passando a fazer parte da vida do ser humano. Esta etapa caracteriza-se pela especialização das aplicações da informática, entre as quais se destacam as telecomunicações , o tratamento eletrônico da imagem, as bases de dados (coleções de dados inter-relacionados e estruturados que se armazenam independentemente do programa utilizado e que permitem evitar problemas tais como a duplicação da informação contida nos ficheiros), a inteligência artificial (ramo da informática que, superando o nível do cálculo aritmético, se especializa no tratamento lógico da informação), o desenvolvimento de sistemas específicos, o desenvolvimento de autômatos ou robôs capazes.

Microprocessadores: o início dos computadores pessoais

Enfim chegamos aos computadores que grande parte dos usuários utiliza até hoje. Os computadores da quarta

geração foram os primeiros a serem chamados de “microcomputadores” ou “micros”. Esse nome se deve ao fato de

eles pesarem menos de 20 kg, o que torna o armazenamento deles muito facilitado.

Você consegue imaginar qual o componente que tornou possível essa redução das máquinas? Acertou quem disse que foram os microprocessadores. O surgimento dos pequenos chips de controle e processamento tornou a informática muito mais acessível, além de oferecer uma enorme gama de novas possibilidades para os usuários.

Em 1971, já eram criados processadores com esse novo formato, mas apenas na metade da década começaram a surgir comercialmente os primeiros computadores pessoais. Os Altair 880 podiam ser comprados como um kit de montar, vendidos por revistas especializadas nos Estados Unidos. Foi com base nessa máquina que Bill Gates e

Paul Allen criaram o “Basic” e inauguraram a dinastia Microsoft.

E os ciclos tornam-se clocks

Até a terceira geração dos computadores, o tempo de resposta das máquinas era medido em ciclos. Ou seja, media- se um número de ações em curtos períodos de tempo para que fosse possível saber qual fração de segundo era utilizada para elas. Com os microprocessadores, já não era viável medir as capacidades dessa forma. Por isso surgiram as medidas por clocks. Esta definição calcula o número de ciclos de processamento que podem ser realizados em apenas um segundo. Por exemplo: 1 MHz significa que em apenas um segundo é possível que o chip realize 1 milhão de ciclos.

Grande parte dos computadores pessoais lançados nessa época eram alimentados por processadores da empresa Intel. A mesma Intel que hoje possui alguns dos chips mais potentes, como o Intel Core i7 (sobre o qual falaremos mais, em breve). Como você pode saber, estas máquinas são muito leves e puderam ser levadas a um novo patamar.

Notebooks: a quarta geração portátil Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanhonotebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial. Fonte da imagem:divulgação / Asus Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores. Quinta Geração A quinta geração , posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas , o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos , uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação . Múltiplos núcleos: a quinta geração? Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências. Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova necessidade. " id="pdf-obj-15-2" src="pdf-obj-15-2.jpg">

Notebooks: a quarta geração portátil

Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanho ocupado pelos componentes, não seria estranho que logo os computadores transformassem-se em peças portáteis. Os notebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial.

Fonte da imagem:divulgação/Asus

Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores.

Quinta Geração A quinta geração, posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas, o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos, uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação.

Múltiplos núcleos: a quinta geração?

Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências.

Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova

necessidade.

Notebooks: a quarta geração portátil Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanhonotebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial. Fonte da imagem:divulgação / Asus Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores. Quinta Geração A quinta geração , posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas , o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos , uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação . Múltiplos núcleos: a quinta geração? Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências. Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova necessidade. " id="pdf-obj-15-37" src="pdf-obj-15-37.jpg">
Notebooks: a quarta geração portátil Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanhonotebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial. Fonte da imagem:divulgação / Asus Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores. Quinta Geração A quinta geração , posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas , o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos , uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação . Múltiplos núcleos: a quinta geração? Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências. Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova necessidade. " id="pdf-obj-15-39" src="pdf-obj-15-39.jpg">
Notebooks: a quarta geração portátil Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanhonotebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial. Fonte da imagem:divulgação / Asus Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores. Quinta Geração A quinta geração , posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas , o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos , uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação . Múltiplos núcleos: a quinta geração? Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências. Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova necessidade. " id="pdf-obj-15-41" src="pdf-obj-15-41.jpg">
Notebooks: a quarta geração portátil Considerando o progresso da informática como sendo inversamente proporcional ao tamanhonotebooks surgiram como objetos de luxo (assim como foram os computadores até pouco mais de dez anos), sendo caros e de pouca abrangência comercial. Fonte da imagem:divulgação / Asus Além dos notebooks, temos também os netbooks disponíveis no mercado. Estes funcionam de maneira similar aos outros, mas geralmente possuem dimensões e configurações menos atraentes. Ganham pontos pela extrema portabilidade e duração das baterias utilizadas, sendo certamente um degrau a mais na evolução dos computadores. Quinta Geração A quinta geração , posta em marcha pelas indústrias japonesas de setor e mediante a qual, a partir de 1981, se trabalha no desenvolvimento de computadores inteligentes, do ponto de vista do sistema físico, sem por isso abandonar a idéia de um sistema lógico que trabalhe com base na simulação dos processos que tem lugar no intelecto humano. O conceito das máquinas da quinta geração baseia-se em quatro elementos fundamentais: o módulo de resolução de problemas , o dispositivo de gestão das bases de conhecimentos , uma fase intermédia de linguagem natural e, finalmente, um módulo de programação . Múltiplos núcleos: a quinta geração? Ainda estamos em transição de uma fase em que os processadores tentavam alcançar clocks cada vez mais altos para uma fase em que o que importa mesmo é como podem ser melhor aproveitados esses clocks. Deixou de ser necessário atingir velocidades de processamento superiores aos 2 GHz, mas passou a ser obrigatório que cada chip possua mais de um núcleo com essas frequências. Chegaram ao mercado os processadores que simulavam a existência de dois núcleos de processamento, depois os que realmente apresentavam dois deles. Hoje, há processadores que apresentam quatro núcleos, e outros, utilizados por servidores, que já oferecem oito. Com tanta potência executando tarefas simultâneas, surgiu uma nova necessidade. " id="pdf-obj-15-43" src="pdf-obj-15-43.jpg">
TRABALHO DE MICROPROCESSADORES Aluno: Bruno de Sena Coelho Professor: Jorge Turma: 3331

TRABALHO

DE

MICROPROCESSADORES

Aluno: Bruno de Sena Coelho Professor: Jorge Turma: 3331