Vous êtes sur la page 1sur 10

ARTIGOS

Traços fundamentais de uma teoria da experiência hermenêutica

Alfredo Emanuel Farias de Oliveira 1

“A dignidade do homem reside no fato de ser ele indefinível. O homem é como é, porque reconhece essa dignidade em si mesmo e nos outros homens”.

�arl Jaspers

1. Introdução

O racionalismo cartesiano inaugura a tradição pensante, segundo a qual o método é tomado como meio eficaz e adequado para se chegar à verdade: “veritas et adaequatio in- tellectus ad rem” elementos extrínsecos ao objeto seriam excluídos por meio de processos metódicos, objetivos e controlados por um sujeito aparentemente autônomo. No campo da interpretação, alternativa ao racionalismo extremado, esse racionalismo manifestou-se por meio da superação da metafísica dogmática, segundo a qual o método passa a representar uma forma secundária de se atingir a totalidade das coisas. Com isso, principia-se a noção de que a interpretação não segue um metódico ra- ciocínio envolvido por um processo triplo entre autor e sujeito, mediados por formas significativas. A teorização de uma experiência hermenêutica proclama a junção da inter- pretação com a compreensão e a esse binômio junta-se a aplicação. Interpretar e explicar fundem-se em um mesmo horizonte, o da compreensão. E a aplicação, como articulação entre passado e presente, surge como um terceiro momento da unidade: compreensão e interpretação. Tal perspectiva remonta à oposição aristotélica entre phronesis e de outro lado episteme e techne. Phronesis (prudência), conhecimento prático, é o conhecimento interiorizado e que não pode ser esquecido, nem aceito sem passar pelo crivo dos precon- ceitos; conhecimento voltado para a ação, não se dirigindo a objetivos específicos e que precisa ser aplicado à realidade prática. A contribuição aristotélica pode ser concebida como substrato a posteriores teorias hermenêuticas e de modo especial à teoria ontológico-existencial da compreensão que recebera também interessante contribuição de Hans Georg Gadamer.

1 Professor do Curso de Direito da FEAD. mestre em Filosofia do Direito (UFmG). Defensor Público do Estado de minas Gerais.

O contributo de Gadamer, em primeiro momento, foi o de determinar a historicida- de da compreensão, ao formular as noções fundamentais de uma teoria da experiência hermenêutica. Em tal perspectiva, Gadamer concebe a compreensão sempre como um fenômeno histórico, dialético e lingüístico, pertinente às ciências humanas e também às ciências da natureza. Nas palavras de Palmer, (1969, p. 216): “A hermenêutica é a on- tologia e fenomenologia da compreensão”. Ou seja, elemento abrangente que finaliza a própria compreensão da obra humana em sua totalidade. Destarte, o elemento principal para a ocorrência da compreensão não está na formu-

lação de aparato metodológico, mas sim no encontro dialético entre o ser que busca com- preender e o objeto a ser compreendido. Para Gadamer, toda compreensão é preconceituosa, na medida em que realiza a reto- mada de uma noção e o faz em perspectiva histórica; nem mesmo a razão pode se afirmar de maneira independente de um contexto histórico. Esclarece Gadamer que a autoridade

e a tradição não devem ser tomadas em oposição à razão, mas sim por meio de um meca-

nismo de inserção em uma tradição, na qual passado e presente se fundem. O intérprete integra-se, sempre, em um contexto de tradição que pode ser considerado uma plataforma comum de preconceitos básicos e secundários. Ao descrever o processo de compreensão, Gadamer utiliza como ponto de partida a fórmula Hegeliana da “unidade da identidade e da diferença” para descrever o processo da compreensão. Há, assim, relação dialógica entre o intérprete e o texto no qual se formam perguntas e respostas que se completam em meio à influência da tradição. Outro elemento integrante do fenômeno da compreensão é a história efectual que nada mais é do que a representação da possibilidade positiva e produtiva da compreensão. Afirma Bleicher (1980, p. 158): “Neste contexto, o intérprete encontra-se na sua pró-

pria situação, a partir da qual tem de compreender a tradição, através dos preconceitos que dela faz prover”. Existe, assim, a força da história efectual, que de antemão determina o que é considerado importante conhecer. Qualquer situação histórica contém o seu próprio horizonte, e o intér- prete, como parte de uma tradição, também o possui. Daí a possibilidade da ocorrência do fenômeno designado de “fusão de horizontes”, verificado no ato da compreensão, que permite

o alargamento do horizonte do intérprete de maneira a integrá-lo com o outro horizonte. Em

meio a esse fenômeno ocorre a experiência dialética que faz surgir “forma mais avançada de conhecimento”(BLEICHER, 1980, p. 160), representativa tanto do novo conhecimento como também de uma conscientização daquele (conhecimento) inicialmente considerado. Percebe-se, assim, que a experiência hermenêutica não é monológica nem dialética, mas sim, dialógica, pois impõe a necessidade de que o intérprete descubra a pergunta a que o texto vem dar a resposta; forma-se, assim, a lógica da pergunta-resposta, e o texto acaba por ser um acontecimento atualizado na compreensão.

Nas palavras de Bleicher (1980, p. 160):

Nesta concepção dialógica, os conceitos usados pelo Outro, seja um texto, seja um tu, ganham nova força, por se inserirem na compreensão do intérprete. Ao entendermos a pergunta colocada pelo texto, fizemos já perguntas a nós próprios e, por conseguinte, abrimo-nos novas possibilidades de sentido.

28 PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

O problema da lingüisticidade da compreensão também foi tema de grande destaque na teoria de Gadamer, no rumo da qual a compreensão da existência se perfaz na compre- ensão da própria linguagem. Afirma Bleicher que, para Gadamer, o cerne da hermenêutica filosófica é a linguagem, que vem revelar um mundo histórico e cultural de um ser dotado de essência e experiência histórica. A linguagem nada mais faz do que refletir a experiên- cia humana do mundo. Tal concepção alarga o campo da atuação hermenêutica, pois o que passa a ser compreendido como linguagem não é só uma experiência particular, mas sim uma universalidade que compreende outras tradições, lugares e experiências culturais. Depois desse pequeno intróito do conteúdo da hermenêutica fenomenológica preco- nizada por Hans Georg Gadamar, iniciar-se-á pequeno apanhado dos traços fundamentais de uma teoria da experiência hermenêutica, finalizando assim satisfatória compreensão das noções que o tema suscita.

2. Desenvolvimento

Ao definir as bases de uma teoria da experiência hermenêutica, Hans Georg Gadamer, em seu livro Verdade e Método, traça suas diretrizes fundamentais ao estabelecer não ape- nas o conceito de experiência e essência da experiência, mas ao determinar a proximidade daquela com a consciência histórica, elemento basilar de toda experiência hermenêutica. Na determinação da experiência hermenêutica, invoca-se o fenômeno da compreensão como elemento essencial e necessário ao estudo da experiência hermenêutica. Entretanto, tal abordagem não tem como ponto central a determinação ou a construção de um pro- cedimento ou método da compreensão, mas sim o esclarecimento das condições sob as quais surge a compreensão, segundo expõe o próprio Gadamer. Contudo, tais condições são dados da própria experiência confrontados negativamen- te através de preconceitos hauridos em uma determinada consciência histórica.

Nas palavras do autor (1970, p. 442):

A partir de então, experimentamos com toda a força uma necessidade de construir em nós uma consciência que dirija e controle as antecipações implícitas em nossos proce- dimentos cognitivos. Com isso nos asseguramos de uma compreensão verdadeiramente valida, já que intimamente ligada ao objeto imediato de nossas intenções [

Tais preconceitos e noções prévias que permeiam a consciência do intérprete, um ser histórico por excelência, não estão situados ou organizados ao dispor do dele, não há, por parte do intérprete, condições prévias para distinguir os preconceitos produtivos (que permitem a compreensão) dos que são denominados negativos porque põem obstáculo à compreensão, pois tal problemática ocorre de maneira súbita no próprio ato de compreen- der, na própria compreensão em si mesma considerada. Contudo, a proposta de Gadamer para a solução dessa problemática vai além do arca- bouço teórico proposto pela hermenêutica romântica, que não concebia a distância tempo- ral como elemento essencial, necessário e dotado de grande significado para o fenômeno da compreensão. Para aquela espécie de hermenêutica, a compreensão nada mais seria que a (re)produção de uma produção originária. Daí, a noção de Schleiermacher da exis- tência de uma “compreensão melhor”, que se impõe através da pertinência da equiparação

PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

2

do intérprete com o autor original. Dessa forma, ocorria a transposição da distância tem- poral, de maneira até mesmo violenta, entre o intérprete e a obra. Tal perspectiva, contudo, é rompida, pois a exata compreensão de um texto não implica o rompimento da distância temporal, mas se faz por meio dela. Ou seja, a temporalidade é elemento essencial ao fenômeno da compreensão. Gadamer afirma que o sentido de um texto supera seu autor não ocasionalmente, mas sempre. Por isso, a compreensão não é nunca um comportamento somente reprodutivo, mas é, por sua vez, sempre produtivo. São palavras do autor (1980, p. 444):

compreender não é compreender melhor, nem saber mais, no sentido objetivo, em

virtude de conceitos mais claros, nem no da superioridade básica que o consciente pos- sui com respeito ao inconsciente da produção. Bastaria dizer que, quando se logra com- preender, compreende-se de modo diferente.

] [

É sob o pálio dessa noção de compreensão que o autor constrói toda uma noção de experiência hermenêutica, que será abordada ao longo deste trabalho. Neste ensaio, adotam-se como pontos a serem explicados a noção dos preconceitos, a implicação deles no fenômeno da compreensão, o significado da distância temporal na com- preensão, o problema hermenêutico da aplicação, o paradigma da hermenêutica jurídica, o conceito e essência da experiência hermenêutica e por fim será apresentada a conclusão.

2.1. A noção dos preconceitos

Diz Gadamer que a grande questão da hermenêutica, atualmente, é a historicidade da compreensão. Já Heidegger impõe como primordial o sentido ontológico da compreen- são, a necessidade de se proteger a interpretação contra a arbitrariedade da ocorrência de “felizes idéias”, a evitação dos limites de hábitos imperceptíveis do pensar que afetam o fenômeno da compreensão, defendendo-se, assim, a necessidade de centrar o momento da compreensão nas coisas dela mesma. (GARDAmER, 1980, p. 405) Ao decifrar o intrincado ato de compreender, Gadamer o identifica como um eterno projetar; a leitura de um texto é permeada de determinadas expectativas e na perspectiva de um certo sentido. Tão logo se identifique um primeiro sentido do texto, o intérprete predetermina um sentido do todo, e esse projetar vai sendo revisado ao longo do texto, concomitantemente ao avanço na penetração do sentido. Acrescenta Gadamer (1980, p. 405) que a “tarefa da hermenêutica se converte por si mesma num questionamento pautado na coisa e já se encontra sempre determinado por esta”; logo, aquele que realiza a compreensão não se pode entregar à força de suas próprias opiniões prévias e ignorar a opinião do texto; mas, pelo contrario, é necessário deixar que o texto diga alguma coisa por si, a alteridade do texto é uma necessidade imediata. Contudo, assevera o autor que essa receptividade não pressupõe neutralidade e nem mesmo auto-anulação. Deve-se, em verdade, verificar a tomada das próprias opiniões, dar-se conta das próprias antecipações, de maneira que o texto apresente sua alteridade, ocasionando, assim, confronto da verdade textual com as opiniões prévias.

30 PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

Somente no Aufklärung é que a noção de preconceito recebe a noção negativa que agora possui. Segundo Gadamer, os preconceitos nada mais significam que um juízo (Ur-

teil) que se forma antes da prova definitiva de todos os momentos determinantes, segundo

a coisa. Nas palavras do autor (1980, p. 407): “[

Preconceito não significa, pois, de modo

algum, falso juízo, pois está em seu conceito que ele possa ser valorizado positivamente ou negativamente”. Percebe-se que a noção de preconceito proposta por Gadamer não alcança apenas um sentido negativo, de prejuízo ou desvantagem, mas também uma validade positiva. Assevera o autor:

Les préjugés ne sont pás nécessairement injustifiés et erronés em sorte qu`ils mas- quent la vérité. Au vrai l`historicité de notre existence implique que les préjugés constituent, au sens étymologique du terme, les lignes d`orientationpréables et provisoires rendant possible toute notre expérience. Ce sont des préventions qui marquent notre ouverture au monde, des condition qui nous permettent d`avoir des experiences et grace auxquelles ce que nous recontrons nous dit quelque chose. (GADAmER, 1970, p. 15)

]

Outra interessante questão que se impõe: De onde viriam os preconceitos? Para Dil-

they, segundo informa Gadamer (1980, p. 415), seu ponto de partida é a interiorização

das “vivências”, “[

realidade histórica de seu ser” (GADAmER, 1980, p. 410). Ao reconhecer a importância dos preconceitos, bem como sua legitimidade, pode-se diferenciá-los em preconceitos de autoridade e por precipitação. De um modo geral, pode- se dizer que a precipitação induz ao erro no uso da própria razão, e a autoridade, pelo contrário, é culpada de não permitir o uso da própria razão.

os preconceitos de um individuo são, muito mais que seus juízos, a

]

Segundo Gadamer (1980, p. 419):

] [

pessoas não tem seu fundamento ultimo num ato de reconhecimento ou de conhe- cimento: reconhece-se que o outro está acima de nós em juízo e perspectiva e que, por conseqüência, seu juízo precede, ou seja, tem primazia em relação ao nosso próprio [

autoridade é, em primeiro lugar, um atributo de pessoas. mas a autoridade das

Ocorre ainda que não se outorga autoridade, adquire-se, e tem de ser adquirida se a ela se quer apelar. Ela repousa sobre o reconhecimento e, portanto, sobre uma ação da própria razão, que, tornando-se consciente de seus próprios limites, atribui a outro uma perspectiva mais acertada. Outrossim, a validade dos preconceitos de autoridade requer predisposição para com

a pessoa que os representa. Uma forma de preconceito de autoridade é a tradição, uma espécie de herança histórica que possui uma autoridade que se tornou anônima e pela qual todos são influenciados. Comenta Gadamer que a tradição conserva algum direito e determina amplamente as nossas instituições e comportamentos. Com isso, percebe-se a existência de uma participação do presente no passado. Daí Gadamer dizer da existência de pluralidade de vozes ressoantes do passado.

PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

31

Ao tratar da mobilidade histórica do objeto das ciências do espírito, Gadamer exem- plifica-a através da observação da antiguidade clássica cujo produto maior é a manuten- ção de sua totalidade em face da crítica histórica; seria uma realidade histórica, à qual a própria consciência histórica continua a pertencer e a estar submetida. Há, assim, noção de “intemporalidade”, de superação da distância histórica, uma constante mediação entre passado e presente. Nesse rumo, conclui-se, “o compreender” deve ser pensado menos como uma ação da subjetividade do que como um retroceder que penetra e investiga um acontecimento histórico em um fato da tradição.

2.2. O significado hermenêutico da distância temporal

Um dos grandes problemas suscitados pela compreensão foi exatamente a distância temporal. Heidegger descreve o círculo da compreensão determinado, continuamente, pelo movimento da concepção prévia, de “pré-compreensão”. Nesse sentido, o circulo

do todo e das partes não se anularia no momento compreensivo total, mas sim, atin- giria sua mais autentica realização. Tal círculo, informa Gadamer, não é objetivo nem subjetivo, mas realiza verdadeiro cotejamento interpretativo do momento da tradição

e do momento do interprete. A “pré-compreensão” representa antecipação de sentido

que guia a nossa compreensão de um texto, não podendo ser um ato de subjetividade ou de pressuposição de sentido, mas sim e em verdade, um momento ontológico da compreensão.

Resume Gadamer (1980, p. 440):

] [

cundariamente destacar e compreender a opinião do outro como tal. Assim, a primeira de todas as condições hermenêuticas é a pré-compreensão que surge do ter de se haver com a coisa em questão.

compreender significa, primariamente, sentir-se entendido na coisa, e somente se-

Conforme já foi antecipado, o papel da hermenêutica não é a criação ou o desenvolvi- mento de um procedimento da compreensão ou de um método, mas sim, a indagação da ocorrência da própria compreensão; fenômeno ao qual se impõe a questão da temporali- dade. O tempo não é mais considerado um abismo a ser transposto, mas sim, uma possi-

bilidade positiva e produtiva do compreender, ou seja, uma hermenêutica que se propõe

a compreensão a partir dos próprios preconceitos, que ganham um sentido especial, um

significado na medida em que pertencem a um ser histórico. Nessa direção, existem dois horizontes: o que se quer compreender e o que quer compreender. É da fusão desses hori- zontes que ocorre o fenômeno hermenêutico.

Nas palavras do autor (1980, p. 445):

] [

rodeia a profundidade histórica de nossa autoconsciência para além das fronteiras do presente. Na realidade, trata-se de um único horizonte que rodeia tudo quanto contém

todos eles juntos formam esse grande horizonte que se move a partir de dentro e que

em si mesma a consciência histórica. Formar um horizonte implica aprender a ver mais além do próximo e do muito próximo.

32 PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

É preciso remarcar que, em verdade, tem-se no horizonte do presente um processo de constante formação, na medida em que estamos, a todo momento, colocando à prova sua formação, todos os preconceitos. Destarte, há entre o horizonte do presente e o do passado um encontro: “compreender é sempre o processo de fusão desses horizontes presumivel- mente dados por si mesmos.” (GADAmER, 1980, p. 445) Percebe-se que toda a contingência temporal histórica não pode ser alijada do pro- cesso de compreensão, conforme propusera a fazer a hermenêutica romântica, através de processos de reconstrução de sentido. De fato, o que se preconiza com a hermenêutica fenomenológica é a afirmação da intertemporalidade; seu âmbito de significação é fator de formação de uma consciência histórica, elemento de grande significação no fenômeno da compreensão.

2.3. O problema hermenêutico da aplicação

Ao dissertar acerca da interpretação, Gadamer (1980, p. 459) identifica que o compre- ender é sempre interpretar, sendo uma forma explicita de compreensão. Há, assim, fusão interna da compreensão e da interpretação, ocasionando como conseqüência desconexão em relação ao terceiro elemento da aplicação. Tal perspectiva era observada na herme- nêutica romântica; no contexto atual, tal processo é considerado como uno e compreende três perspectivas: a interpretação, a aplicação e a compreensão. Da mesma forma, ensina Gadamer (1980, p. 460) que existiria uma hermenêutica jurídica, uma teológica e uma filológica, e apenas as três juntas comportariam o conceito pleno de hermenêutica.

Acrescenta Gadamer (1980, p. 461):

Tanto para a hermenêutica jurídica como para a teológica é constitutiva da tensão que

existe entre o texto proposto - da lei ou da revelação – por outro lado, é o sentido que al-

uma lei não quer ser en-

tendida historicamente. A interpretação deve concretizá-la em sua validez jurídica [ ], o texto de uma mensagem religiosa não deseja ser compreendido como mero documento histórico, mas ele deve ser entendido de forma a poder exercer seu efeito redentor.

cança sua explicação no instante concreto da interpretação. [

]

Fala-se, então, em um processo unitário, o qual perpassa o conhecimento de um sen- tido e sua posterior aplicação. No mesmo rumo apresentado, a hermenêutica histórica opera o resgate de um sentido e o aplica, superando de forma completa a intertemporalidade do intérprete e do texto. Por isso, todas as três espécies de hermenêutica - jurídica, filológica e histórica - operam de um mesmo modo, realizam o fenômeno da compreensão que interliga dois momentos: o da aplicação e o da interpretação de textos; ocasionando, assim, a criação de uma hermenêutica única.

2.4. O significado paradigmático da hermenêutica jurídica

Em um primeiro momento, pensou-se que a hermenêutica jurídica não teria relação com o nexo existente entre compreensão e interpretação, pois, de acordo com o arca- bouço existente, constituiria apenas disciplina auxiliar da dogmática jurídica. Criou-se a

PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

33

concepção de que a hermenêutica jurídica tinha se separado do conjunto de uma teoria da compreensão em razão de objetivo dogmático. Perfazia a noção de que o significado paradigmático da hermenêutica jurídica, que em um primeiro momento não se vinculava à

necessidade da compreensão da tradição, estava voltada a sanar certas deficiências e casos excepcionais da ciência dogmática jurídica. Diz Gadamer (1980, p. 483): “A hermenêutica jurídica tinha se separado do conjunto de uma teoria da compreensão porque tinha um objeto dogmático”. Entretanto, em momento posterior, percebeu-se que havia semelhanças nessas parti- cularidades. Observa-se que a hermenêutica jurídica busca o sentido da lei a partir e em virtude de um determinado caso dado. Nessa perspectiva, impõe-se a necessidade de que

o conteúdo normativo da lei seja determinado em respeito ao caso dado. É na aferição

daquele que surge a necessidade do conhecimento histórico como parâmetro auxiliar da aplicação da lei.

Informa Gadamer (1980, p. 485):

E para determinar com exatidão esse conteúdo não se pode prescindir de um conheci-

mento histórico do sentido originário, e só por isso o intérprete jurídico tem que vincular

o valor posicional histórico que convém a uma lei, em virtude do ato do legislador. Não

obstante, não pode sujeitar-se a que, por exemplo, os protocolos parlamentares lhe ensi- nariam com respeito à intenção dos que elaboraram a lei. Pelo contrario, está obrigado

a admitir que as circunstâncias foram sendo mudadas e que, por conseguinte, tem que determinar de novo a função normativa da lei.

Assevera Gadamer (1980, p. 486) que, apesar das diferenças, o historiador do Direito

e o jurista realizam atividades similares na medida em que “não há acesso imediato ao

objeto histórico capaz de nos proporcionar objetivamente seu valor posicional”. O histo- riador tem que realizar a mesma reflexão que orienta o jurista. Assim, o conteúdo fático do que compreendem vem a ser o mesmo. Percebe-se que a verdadeira tarefa do juiz é atingir uma espécie de idéia jurídica da lei, mas, ao fazê-lo, não se comporta como historiador, embora tenha como ponto de referência sua própria história. A tarefa do intérprete da lei é a de concretizá-la em cada caso. Existe, assim, uma complementação positiva do direito operante, que se reserva ao juiz, que deve, em primeiro momento, ”aprofundar em toda a concreção da situação” para então realizar ponderação justa, que leva em conta também os comandos normativos presentes na lei. Há uma espécie de pertença do intérprete a seu texto e também a neces- sidade de uma vinculação legal de todos os membros da comunidade jurídica. Daí surge a perfeita noção da existência de segurança jurídica no Estado de Direito, pois a Lei é reco- nhecidamente válida para todos e todos podem ter a exata noção do seu alcance normativo bem como de seus comandos.

3. Conclusão

O cotejamento das perspectivas dantes apresentadas é de grande importância na com- preensão da hermenêutica filosófica de Hans Georg Gadamer.

34 PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

1) A noção de preconceito assume significado de um juízo que se forma antes da prova definitiva dos momentos determinantes segundo a coisa. Dentre as variadas formas de preconceitos, tem-se a autoridade embasada em elementos de tradição, que conferem participação da tradição do passado e no presente.

2)

Um dos grandes problemas suscitados pela compreensão foi exatamente a distan- cia temporal. Em Gadamer, o tempo deixa de ser considerado um abismo e torna- se uma possibilidade positiva e produtiva de compreender. Assim, a hermenêutica propõe-se à compreensão dos preconceitos que ganham especial significado na medida em que pertencem a um ser histórico e que realiza, no momento da com- preensão, a transposição da temporalidade.

3)

O problema hermenêutico da aplicação foi tratado por Hans Georg Gadamer por meio de um processo unitário que envolve interpretar e compreender e que se co- necta imediatamente ao processo da aplicação. Da mesma forma, a hermenêutica seria caracterizada ou composta por tripla perspectiva: a teológica, a jurídica e a

filológica, todas elas realizariam ou partiriam do cotejamento entre a letra do texto

e seu sentido.

4) O significado paradigmático da hermenêutica jurídica – Em primeiro momento pensou-se a hermenêutica apartada do conjunto de uma teoria da compreensão, voltada para sanar deficiências e casos excepcionais da dogmática jurídica. Pos- teriormente, descobriu-se que a hermenêutica busca o sentido da lei a partir e em virtude de um caso dado. Outro ponto de realce identificado é que a verdadeira

tarefa do juiz é atingir uma espécie de idéia jurídica da lei, mas, ao fazê-lo, não se comporta como historiador. Sua tarefa é concretizá-la em cada caso específico. Há ainda uma espécie de pertença do intérprete a seu texto e também a necessidade de uma vinculação legal de todos os membros da comunidade jurídica, surgindo daí

a perfeita noção da existência de segurança jurídica no Estado de Direito.

PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008

3

4. Referências

BLEICHER, Josef. Hermenêutica Contemporânea. Tradução de maria Georgina Segurado. Lisboa:

Edições 70, 1980.

GADAmER, Hans Georg. “Le probléme Hermeneutique”. Archives de Philosophie, nº33, 1970.

GADAmER, Hans Georg. O problema da consciência histórica. Org. PierrePierre Fruchon.Fruchon. TraduçãoTradução dede Paulo Cesar Duque Estrada. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio �argas,1998.

GADAmER, Hans Georg. Verdade e método, traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo meurer. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora �ozes, 1999.

PALmER, Richard E. Hermenêutica. Tradução de maria Luisa Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 1969.

36 PHRONESIS: Revista do Curso de Direito da FEAD n o 4 Janeiro/Dezembro de 2008