Vous êtes sur la page 1sur 4

Uma maneira prática e divertida de resolver inequações

Quero ver se você acerta essa: Uma função f é definida por f ( x
Quero ver se você acerta essa:
Uma função f é definida por
f
( x ) 
x  5 x
3
2
 3 x 9 .
Qual é o domínio da função f, ou
seja, para quais valores da
variável x a função é real?

Personagem A

É fácil! Basta determinar para quais valores da variável x temos x 3 5 x
É fácil! Basta determinar para
quais valores da variável x
temos
x 3
5 x 3 x 9  0 .
2
Mas espere um pouco, como
vou fazer isso?
Personagem B

INSERIR O DESENHO DE DOIS ALUNOS, DE PREFERÊNCIA UM MENINO E UMA MENINA, SENDO QUE O PERSONAGEM DO SEGUNDO “BALÃO” TENHA UMA EXPRESSÃO DE DÚVIDA.

Antes de resolvermos o problema dos nossos amigos, vamos estudar um pouco o que ocorre com os sinais de uma função polinomial qualquer. Considere uma função polinomial do terceiro grau cujo gráfico é representado pela figura abaixo.

y x 1 x 2 = x 3 x
y
x 1
x 2 = x 3
x

No gráfico ao lado, x 1 , x 2 e x 3 são chamados zeros da função. Lembre que zero de uma função é um número

para o qual a função se anula. Graficamente, são as intersecções com o eixo x.

Observe que como o gráfico tangencia o eixo das abscissas (eixo x), a função tem um zero duplo (x 2 = x 3 ). Observe também que a função é negativa para x < x 1 , positiva para x entre x 1 e x 2 e positiva para x maior que x 2 . Resumindo os sinais, temos:

- - - - - - + + + + + + + + +
- -
-
- - -
+ + + + + + + + + + +
+ + + + + + + + +
x 1
x 2 = x 3
Mas então como saber se o sinal muda ou não quando “passamos” pelo zero da
Mas então como saber
se o sinal muda ou não
quando “passamos”
pelo zero da função?

Personagem B

Note que x 1 é um zero com multiplicidade 1 (aparece apenas uma vez) e que x 2 é um zero com multiplicidade 2 (aparece duas vezes). Nas vizinhanças de x 1 , os sinais são diferentes, ou seja, ocorre mudança no sinal da função. Já nas vizinhanças de x 2 os sinais são iguais e portanto não há mudança. Podemos

justificar escrevendo a função na forma fatorada, ou seja, como y = a.(x x 1 ).(x x 2 ) 2 . Se escolhermos um x entre x 1 e x 2 ou maior que x 2 , o termo

(x x 2 ) 2 é sempre positivo. Por outro lado, se escolhermos um x menor que x 1 , o

termo (x x 1 ) é negativo e se escolhermos um x maior que x 1 , o termo

(x x 1 ) é positivo.Assim, podemos estabelecer uma regra:

“ Nas vizinhanças de um zero com multiplicidade PAR, o sinal permanece o

mesmo e nas vizinhanças de um ZERO com multiplicidade ímpar o sinal muda”.

Agora podemos resolver a inequação

Inicialmente, determinamos as raízes da equação

Observando que o número 1 é uma das raízes, fica fácil, pelo dispositivo prático de Briot-Ruffini, determinar as outras duas, que são 3 e 3.

x 3

2

5 x 3 x 9 0.

x 3

2

5 x 3 x 9 0 .

–3 1
–3
1

Em seguida, escolhemos um valor de x pertencente a um dos intervalos e

verificamos qual o sinal da função

considerarmos x = 0, temos que y = 9 < 0. Conseqüentemente, como zero está entre 3 e 1, a função é negativa para qualquer valor neste intervalo.

Finalmente, como 3 é um zero com multiplicidade PAR, o sinal permanece o mesmo nas suas vizinhanças e como 1 é um zero com multiplicidade ÍMPAR, o sinal muda nas suas vizinhanças, ou seja:

3 x 9 para ele. Por exemplo, se

y x 5 x

3

2

- - - - - - - - - - - - - - -
- - -
- - -
-
-
- - -
-
-
- - -
- -
- -
+ + + + + + + + +
–3
1

Então, a solução da inequação é S = { x IR/ x = 3 ou x 1}.

Legal! Estou pensando uma coisa. Podemos usar este método bacana para resolver as inequações produto
Legal! Estou pensando uma
coisa. Podemos usar este
método bacana para resolver
as inequações produto ou
quociente?
Com certeza!
Vamos ver dois
exemplos.
( x  2).( x  5 x  6).( x
Personagem B
Personagem A
2
2
 x  2)  0 (inequação produto)

x 2 0 ,

1)

Inicialmente, determinamos as raízes das equações

2

x

5 x 6 0 e

2

x

x 2 0 que são respectivamente 2, 2, 3, 2 e 1. Observe que como o

sinal da inequação é < e não , usamos “bola aberta”.

Representamos as raízes no eixo x:

–3 –2 1
–3
–2
1

Escolhemos um valor de x pertencente a um dos intervalos e determinamos o

sinal da função

x = 0, temos que y = 24 < 0. Como x = 0 está entre 2 e 1, a função é negativa para qualquer valor neste intervalo.

Como 2 é um zero de multiplicidade ÍMPAR (aparece 3 vezes), o sinal muda nas suas vizinhanças. O mesmo ocorre com 3 e 1, que também são zeros de multiplicidade ÍMPAR (aparecem uma vez), ou seja:

y

( x 2).( x 5 x 6).( x

2

2

x 2) para ele. Por exemplo, se

- - - - - - - - - - - - - - -
- - -
- - -
-
- - -
-
-
- - -
+ + +
+ + + + + + + + +
–3
–2
1

Assim, a solução da inequação é S = { xIR/ x < 3 ou 2 < x < 1}.

2)

2

x

2 2 x x

8

 

2

x

0

(inequação quociente)

e

2 x 0 que são respectivamente 4, 2, 0 e 2. Observe que como 0 e 2

anulam o denominador, usamos “bola aberta” mesmo o sinal da inequação sendo

Analogamente, determinamos as raízes das equações

2

x 2 x 8 0

2

x

.

–4 0 2
–4
0
2

Escolhendo, por exemplo, o valor 1 para x, temos que

y

2

x

2 2 x x

8

 

2

x

é igual a

5 < 0 e portanto para qualquer valor entre 0 e 2, y será negativo. Como 4 e 0 têm multiplicidade ÍMPAR, o sinal muda nas suas vizinhanças e como 2 tem multiplicidade PAR, o sinal permanece o mesmo nas suas vizinhanças, ou seja:

- - - - - + + + - - - - - - -
-
-
- - -
+ + +
-
-
- - -
-
- - -
- -
- -
-
- - -
- -
- -
–4
0
2

Assim, a solução da inequação é S = { x IR/ 4x < 0}.

Utilizando este método, podemos resolver uma inequação formada por qualquer quantidade de produtos e quocientes usando apenas uma reta e sem a necessidade de construir os gráficos, o que sem dúvida é prático e divertido. Agora que você já aprendeu, tente resolver a inequação abaixo:

(

2

x

4

x 3 x 4).( 10 x

5)

2

x

0