Vous êtes sur la page 1sur 5

Padrões Cívicos para os Santos Fiéis

atro diretrizes para ajudar os Santos a levarem a cabo suas responsabilidades cívicas

Ezra Ta Benson Do Conselho dos Doze

6 de Abril de 1972

Meus amados irmãos e irmãs, aqui presen-

tes, e que nos ouvem e vêem através do rádio

e

lhos do mesmo Pai em espírito — humilde e

grato estou diante de vocês neste aniversário da organização da Igreja restaurada de Jesus Cristo, 142 anos depois. Eu amo as conferên- cias gerais da Igreja, menos este momento em particular…mais ainda assim, regozijo-me com

a oportunidade de prestar testemunho desta,

que é a maior obra em todo o mundo. No último outono, fui convidado pelo Ba- rão von Blomberg, presidente da Organização das Religiões Unidas para representar a Igreja como convidado do Rei da Pérsia, por época da comemoração dos vinte e cinco séculos de fun- dação do Império Persa, por Ciro, o Grande. Com a recomendação da Primeira Presidên- cia de que aceitasse o convite, parti, imedia- tamente após a conferência de outubro, para me reunir com representantes de vinte e sete religiões do mundo, e outras pessoas notáveis, nesta celebração histórica no Irã.

O Rei Ciro viveu em mais de 500 anos an-

tes de Cristo e é mencionado em profecias do Antigo Testamento, nos livros 2 Crônicas, de

Esdras, e pelos profetas Ezequiel, Isaías e Da- niel. A Bíblia nos declara como “…despertou

o Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia…”¹

da televisão — nós somos todos irmãos, fi-

¹2 Crôn. 36:22

Ciro restaurou certos direitos sociais e políti- cos aos hebreus cativos, dando-lhes permissão para retornarem a Jerusalém, e mandou que o templo de Jeová fosse reconstruído. Parley P. Pra, descrevendo o profeta Joseph Smith, disse que ele tinha “a firmeza, coragem, temperança, perseverança e generosidade de um Ciro”.² O Presidente Wilford Woodruff disse: “Te- nho pensado muitas vezes que alguns daque- les antigos reis que foram levantados, tinham, em alguns aspectos, mais preocupação em le- var avante alguns desses princípios e leis, que alguns dos Santos dos Últimos Dias de agora. Tomarei como exemplo Ciro…Ao traçar a vida de Ciro, desde seu nascimento até sua morte, soubesse ele ou não, parecia como se vivesse pela inspiração em todos os seus movimentos. Começou ele por aquela temperança e virtude que deveriam ser o sustentáculo de qualquer país cristão, ou qualquer rei cristão…Muitos desses princípios o seguiram, e penso que mui- tos deles eram dignos, em vários aspectos, de atenção dos homens que possuem o Evangelho de Jesus Cristo.”³ Deus, o pai de nós todos, utiliza-se dos ho- mens da terra, especialmente os bons homens,

²Autobiografia de Parley Parker Pra, Deseret Book Company, 1938, p. 46. ³Journal of Discourses, vol. 22, p. 207.

1

Ezra Ta Benson

Padrões Cívicos para os Santos Fiéis

2

para realizar seus propósitos. Isso foi verdade no passado, é verdade hoje, e será verdade no futuro. “Talvez o Senhor precise de tais homens do lado de fora de Sua Igreja para auxiliá-la.”, disse o falecido élder Orson F. Whitney, do quorum dos doze. “Eles estão entre suas au- xiliares, e podem fazer maior bem pela causa onde o Senhor os colocou, que em qualquer outro lugar… E ainda, alguns são trazidos para dentro do rebanho, e recebem um testemunho da ver- dade; enquanto outros permanecem sem se converterem…sendo-hes veladas temporaria- mente aos olhos as belezas e glórias do Evan- gelho, por um sábio propósito. O Senhor abrirá seus olhos no devido tempo. Deus utiliza-se de mais de um povo para o cum- primento de sua grande e maravilhosa obra. Os Santos dos Últimos Dias não podem fazê- la sozinhos. É grande demais, árdua demais para qualquer povo…Não temos disputas com os gentios. Eles são nossos colaboradores de certa forma.”⁴ Esta afirmativa foi particularmente verda- deira no caso do Coronel omas L. Kane, um verdadeiro amigo dos Santos em suas terrí- veis necessidades. Foi também verdadeira no caso do General Alexander W. Doniphan, o qual, após receber a ordem de seu superior para atirar em Joseph Smith, disse: “É assas- sinato a sangue frio. Não obedecerei às suas ordens…e se você executar esses homens, eu o farei responsável perante um tribunal terreno, que Deus assim me ajude.”⁵ Nós reverenciamos esses colaboradores, porque sua devoção aos princípios corretos está acima de sua devoção à popularidade, par- tidos ou personalidades. Honramos nossos fundadores, os patriar- cas desta república, pela mesma razão. Deus levantou esses colaboradores patriotas, para

⁴Relatório da Conferência, abril de 1928, p. 59. ⁵Joseph Fielding Smith, Essentials in Church History, p. 241.

que realizassem e cumprissem sua missão, e ele os chamou “…homens sábios”⁶ A Primeira Presidência reconheceu essa sabedoria, ao nos dar, há poucos anos atrás, diretrizes segundo as quais deveríamos apoiar candidatos políti- cos “verdadeiramente dedicados à Constitui- ção, na tradição de nossos patriarcas fundado- res.”⁷

O Senhor disse que “…os filhos deste mundo

são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz.”⁸ Nossos sábios fundadores pare- ciam entender melhor que a maioria de nós, nossa própria escritura, que declarara que “…é da natureza e disposição de quase todos os ho- mens, que tão depressa adquirem um pouco de autoridade…logo começam a exercer injusto domínio”.⁹ Para ajudar a evitar isso, os fundadores sa- biam que nossos líderes eleitos deveriam ser limitados por certos princípios pré-fixados. Disse omas Jefferson: “Em questões de po- der, então, que nada mais se ouça acerca de confiança no homem, mas que se o prenda às cadeias da Constituição, evitando-se que cause algum dano.” Esses sábios fundadores, nossos colabora- dores patrióticos, pareciam apreciar mais que muitos de nós as bênçãos dos limites estabele- cidos pelo Senhor dentro da Constituição, pois que ele disse: “E quanto às leis dos homens, o que for mais ou menos do que isso, provém do mal.”¹⁰

Os fundadores confiaram em Deus, e em sua Constituição — e não no braço da carne. “O Senhor”, disse Néfi, “confiei em ti e em ti con- fiarei sempre. Não porei minha confiança no braço da carne…maldito é aquele que confia no homem ou que faz da carne o seu braço.¹¹

O Presidente J. Reuben Clark Jr. disse isso

muito bem ao afirmar:

⁶D&C 101:80. ⁷Deseret News, 2 de novembro de 1964. ⁸Lucas 16:8. ⁹D&C 121:39. ¹⁰D&C 98:7. ¹¹2 Néfi 4:34.

Ezra Ta Benson

Padrões Cívicos para os Santos Fiéis

3

“Deus providenciou para que nesta terra de liberdade, nossa fidelidade política não fosse quanto a indivíduos, isto é, oficiais governan- tes, não importa quão grandes ou pequenos se- jam eles. Sob seu plano, a única submissão que temos e devemos como cidadãos ou habitantes dos Estados Unidos, volta-se à nossa inspirada Constituição, estabelecida pelo próprio Deus. Assim também é o juramento do ofício daque- les que participam do governo. Uma certa le- aldade devemos todos ao ofício ocupado pelo homem, mas mesmo neste caso, devemo-la apenas em virtude de nossa cidadania, e não à lealdade ao homem em si. Em muitos outros países a submissão é direta ao indivíduo. Este princípio de lealdade da Constituição é básico para nossa liberdade. É um dos grandes prin- cípios que distinguem esta ‘terra de liberdade’ dos outros países”.¹² “O Patriotismo”, disse eodore Roosevelt, “significa ficar ao lado do país. Não significa ficar ao lado Presidente ou de qualquer outro oficial público, exceto até o limite em que essa mesma pessoa estiver ao lado do país… “Todo homem”, disse o presidente Roose- velt, “que alardeia o clamor de que ‘estamos com o presidente’, sem acrescentar a cláusula ‘até o ponto em que ele servir à República’, toma uma atitude essencialmente contrária ao homem, semelhante à dos fanáticos que apoi- avam os Stuarts na Inglaterra, e apregoavam a doutrina de que o Rei não poderia cometer er- ros. Nenhum homem de auto-respeito e livre inteligência pode tomar tal atitude.”¹³ E ainda, como Santos dos Últimos Dias, devemos orar por nossos líderes cívicos e incentivá-los em retidão. “…votar em homens iníquos é um pecado”, disse Hyrum Smith.¹⁴ E o Profeta Joseph Smith disse: “…que o povo de toda União, semelhantemente aos in- flexíveis Romanos, sempre que descobrir uma

¹²Improvement Era, julho de 1940, p. 444. ¹³eodore Roosevelt, Obras, vol. 21, pp. 316, 321. ¹⁴Documentary History of the Church, vol. 6, p. 323.

promessa feita por um candidato que não for cumprida, quando do exercício do cargo, ar- ranque o miserável enganador de sua exalta-

ção…”¹⁵

A confiança de Joseph e Hyrum não havia

sido posta no “braço da carne”¹⁶, mas em Deus

e em princípios corretos e eternos. “Eu sou o

maior defensor que a Constituição dos Estados Unidos possui em toda a terra”, disse o Profeta Joseph Smith.¹⁷

A advertência do Presidente Joseph Fielding

Smith é bastante atual: “Digo-lhes agora que

é tempo para que o povo dos Estados Unidos

acorde com a compreensão de que se não sal- varem a Constituição dos perigos que a amea- çam, teremos uma mudança de governo.”¹⁸ Outra diretriz emanada da Primeira Presi- dência foi a de que devemos “apoiar bons e conscienciosos candidatos, seja de que partido forem, que estejam alerta quanto aos perigos”, que assolam o mundo livre.¹⁹

Felizmente, temos materiais que nos ajudam

a enfrentar os perigos ameaçadores, nos escri-

tos do Presidente David O. McKay, e de outros líderes da Igreja.

Mas o maior instrutor para a liberdade nesta luta contra o mal é o Livro de Mórmon. Isto me faz pensar em um segundo padrão cívico para os santos. Pois que que além da Constituição inspirada, temos as Escrituras.

Joseph Smith disse que o Livro de Mórmon era a “pedra angular de nossa religião” e o “mais correto” livro sobre a terra.²⁰ Este livro mais correto sobre a terra declara que a queda

e destruição de duas grandes civilizações ame-

ricanas veio como resultado de conspirações secretas, cujo desejo era destruir a liberdade do povo. “E causaram a destruição deste povo sobre o qual estou falando”, diz Morôni, “assim

¹⁵D.H.C., vol. 6, p. 207. ¹⁶D&C 1:19. ¹⁷D.H.C., vol. 6, p. 57. ¹⁸Relatório da Conferência, abril de 1950, p. 159. ¹⁹Deseret News, 2 de novembro de 1964. ²⁰D.H.C., vol. 6, p. 56

Ezra Ta Benson

Padrões Cívicos para os Santos Fiéis

4

como a dos nefitas.”²¹ Sem dúvida, Morôni poderia haver indicado muitos fatores que levaram à destruição do povo, mas observem como ele citou apenas as combinações secretas, assim como a Igreja hoje poderia citar muitas ameças à paz, pros- peridade e a propagação da obra de Deus, mas fixa como a grande ameaça a conspiração dos sem-Deus. Não há nenhuma teoria da conspi- ração no Livro de Mórmon — há uma conspira- ção de fato. [E nessa linha, eu vos recomendo muito um novo livro intitulado Ninguém Ousa Chamar de Conspiração²²] Então Morôni fala a nós, que vivemos hoje, e diz: “Portanto, o Senhor vos ordena que, quando virdes tais coisas surgirem entre vós, estejais conscientes de vossa terrível situação, por causa desta combinação secreta que exis- tirá entre vós…”²³ O Livro de Mórmon ainda adverte que “…toda nação apoiar tais combinações secretas para obter poder e lucro, até que se espalhem pela nação, eis que será destruída…”²⁴ Esta Escritura deve-nos alertar do que jaz à nossa frente, a menos que nos arrependamos, porque não há dúvida de que, como habitan- tes e povo do mundo livre, estamos, cada dia mais, apoiando muitos dos males do adversá- rio. Por mandado judicial, conspiradores sem- deus [comunistas] podem candidatar-se a pos- tos governamentais, ensinar em nossas esco- las, preencher cargos nos sindicatos dos traba- lhadores, trabalhar em nossos projetos de de- fesa, servir em nossa marinha mercante, etc. Como nação, estamos auxiliando a financiar muitos maus revolucionários [comunistas] em nosso país. Estamos certos de que a Igreja permanecerá sobre a terra até que o Senhor retorno — mas, a que preço? Os Santos dos primeiros dias esta-

²¹Éter 8:21. ²²Título original: None Dare Call it Conspiracy, disponí- vel para leitura online em http://www.whale.to/

²³Éter 8:24.

²⁴Éter 8:22.

vam certos de que Sião seria edificada no Con- dado de Jackson, mas vejam o que a sua infide- lidade lhes causou em derramamento de san- gue e demora.

O Presidente Clark nos advertiu que “cor-

remos perigo de perder nossa liberdade, e ela, uma vez perdida, somente sangue a restituirá, e uma vez perdida, nós, membros da Igreja, a fim de mantê-la progredindo, teremos de fa- zer mais sacrifícios e suportar maiores perse- guições, que jamais tivemos…”²⁵ E ele decla- rou que, se a conspiração o comunismo “che- gar aqui, provavelmente virá em plena força, e haverá muitos lugares vagos entre aqueles que guiam e dirigem, não apenas no governo, mas também na Igreja.”²⁶

O terceiro grande padrão cívico para os San-

tos é a palavra inspirada dos profetas — parti- cularmente o presidente vivo, oráculo de Deus na terra, hoje. Mantenham seus olhos no capi- tão e julguem as palavras de todos os oficiais menores pelo seu conteúdo inspirado.

Conta-se que Brigham Young, passando por uma comunidade, viu um homem edificando uma casa, e simplesmente lhe disse que do- brasse a resistência das paredes. Aceitando o Presidente Young como um Profeta, o homem mudou seus planos e duplicou as paredes. Pouco tempo depois, sobreveio uma grande inundação na cidade, resultando em imensa destruição. Todavia, as paredes daquele ho- mem permaneceram em pé. Enquanto colo- cava o telhado em sua casa, ouviam-no cantar:

“Graças damos, Ó Deus, por um profeta…²⁷ Joseph Smith ensinou que “um profeta é apenas profeta quando age como tal”. ²⁸ Imaginem um líder da igreja dizendo-lhes que deveriam apoiar o lado errado de deter- minado assunto. Alguns poderiam imedia- tamente resistir-lhe, não seguindo seu con- selho, ou simplesmente o ignorando. An-

²⁵Relatório da Conferência, abril de 1944, p. 116. ²⁶Relatório da Conferência, abril de 1952. ²⁷Hinos, nº 9. ²⁸D.H.C. vol 5, p.265.

Ezra Ta Benson

Padrões Cívicos para os Santos Fiéis

5

tes de fazerem isso, permita-me sugerir-lhes

o quarto grande padrão cívico para os Santos

fiéis. Deve-se viver por esse padrão, e seguir a inspiração do Espírito Santo. Brigham Young disse: “Estou mais temeroso de que este povo tenha tanta confiança em seus líderes, que eles não perguntarão por is mesmos a Deus se são guiados por ele…e cada homem e mulher saiba, pelo sussurro do Espírito de Deus para si, se seus líderes estão caminhando nas pegadas que o Senhor dita, ou não.”²⁹ Há alguns anos atrás, por causa de uma de- claração que surgiu e que parecia representar norma oficial da igreja, um membro fiel temeu que estivesse apoiando um candidato errado para um cargo público. Humildemente ele le- vou o caso até o Senhor. Através do Espírito do Senhor, ele obteve a convicção do curso que deveria seguir, e deixou de apoiar o candidato em apreço. Este bom irmão, através de oração fervo- rosa, obteve a resposta, que a seu tempo, pro- vou ser a escolha correta. Incentivamos a todos que leiam o Livro de Mórmon, e, então, perguntem a Deus se é ver- dadeiro. E a promessa é certa de que saberão de sua veracidade através do Espírito Santo, “e pelo poder do Espírito Santo podeis saber

a verdade de todas as coisas”.³⁰ Necessitamos de constante orientação desse Espírito. Vivemos numa era de enganos. “Ó povo meu”, são as palavras de Isaías, citadas no Livro de Mórmon, “os que te guiam te en- ganam e destroem o curso de tuas veredas.”³¹ Mesmo dentro da Igreja, temos sido adverti- dos a respeito dos “lobos devoradores que es- tão entre nós, de nossos próprios membros, e eles, mais que os outros, estão vestidos em pele de cordeiro, porque usam e vestem as roupa- gens do Sacerdócio.”³²

²⁹Journal of Discourses, 9:150. ³⁰Morôni, 10:5. ³¹2 Néfi 13:12; Isaias 3:12. ³²J. Reuben Clark, Jr., Relatório da Conferência, abril de

O Senhor exigirá de nós prestação de contas, caso não sejamos sábios, e formos enganados. “Pois aqueles que são sábios”, disse ele, “e ti- verem aceitado a verdade, e tomado o Santo Espírito por seu guia, e não tiverem sido en- ganados — na verdade vos digo que não serão cortados e lançados no fogo, mas suportarão o dia.”³³ Assim sendo, os quatro grandes padrões cí- vicos para os Santos fiéis são: primeiro, a Constituição ordenada por Deus, através de homens sábios; segundo, as Escrituras, par- ticularmente o Livro de Mórmon; terceiro, o conselho inspirado dos profetas, especial- mente o atual; e quarto, a orientação do Es- pírito Santo. e Deus nos abençoe, para que possamos usar esses padrões, e em assim o fazendo, abençoarmos a nós mesmos, nossas famílias, nossa comunidade, nossa nação e o mundo. Oro humildemente, e presto meu testemunho da verdade desta grande obra dos últimos dias, em nome de Jesus Cristo, Amém.

142ª Conferência Anual de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias — Sessão Vespertina de inta-Feira — 6 de abril de

1972.

Discursos da Conferência da A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Abril e Outubro 1970, Abril e Ou- tubro 1971, Abril e Outubro, 1972. p. 244–248. (http://archive.org/details/

Original em inglês: http://www.lds.

1949, p. 163. ³³D&C 45:57.