Vous êtes sur la page 1sur 7

Cronograma 2009 CEUA

3ª parte de “O Livro dos Espíritos”

1º Encontro – Quebrando o gelo. (___/___)


1. Objetivo: Proporcionar uma integração entre as crianças através de trabalho manual.
2. Atividade: Confecção das pastas em que serão guardadas todas as suas atividades durante
o semestre. As pastas serão feitas com material reutilizável.

2º Encontro – Relembrando conceitos. (___/___)


1. Objetivo: Por meio de uma atividade bem dinâmica, fazer um apanhado geral dos principais
conceitos estudados com as crianças no ano passado.
2. Bate-papo e dinâmica:
a. Relembrar sobre:
i. Deus e seus atributos.
ii. Diferença entre matéria e espírito.
iii. Inteligência e instinto.
iv. Fluido universal.
v. Evolução.
vi. Perispírito.
vii. Reencarnação e desencarnação.
b. Batata-quente diferente: Em um caixa, colocar em pedaços de papel dobrados cada
um dos enunciados acima. Esta passará de criança a criança até que eu dê um sinal
para que pare. A criança que estiver com a caixa retirará um desses conceitos de
dentro dela, e, então, procurará em outra caixa um figura que possa representá-lo e
explicará o porquê. Então, todos nós discutiremos sobre o tema. E assim será
sucessivamente até se esgotarem os conceitos e as figuras (salvo pc).

3ºEncontro – Lei Divina ou Natural. (___/___)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender o que faz das leis divinas leis naturais.
2. Bate-papo:
a. Contar a estória “Da lei divina ou natural” do livro “As Leis morais para os
pequeninos”.
b. Discutir com as crianças os seguintes tópicos:
i. O que é Lei? (Lei é uma regra, algo que se deve fazer, seguir. Quando se
viola uma lei, há punição. Por exemplo, se na casa de vocês a mamãe diz que
vocês têm que dormir às oito da noite e vocês vão dormir às nove, ela
brigará com vocês, não?)
ii. O que são leis divinas? (São as leis que Deus fez. Todas essas leis levam ao
amor.)
iii. Cite alguma lei divina. (Ajudar a mamãe a lavar a louça – leva ao amor porque
demonstra que você se preocupa em ajudar a sua mamãe; escovar os dentes –
leva ao amor porque demonstra que você se preocupa com o seu corpo;
desculpar o amiguinho que encheu o seu saco na escola – leva ao amor porque
demonstra que você não fica com raiva das pessoas; o cair de uma folha de
árvore – demonstra o amor porque quando uma folha velha de uma árvore cai,
ela dá oportunidade para uma nova folha nascer naquela árvore, além disso,
essa folha velha serve como um nutriente para a terra; o cair da chuva –

1
demonstra o amor porque a chuva rega as plantas, limpa o ar, enche os rios,
etc; não demorar muito tempo para tomar banho – demonstra o amor que
você tem com a natureza, pois, quando você toma banho rápido, você gasta
menos energia, e, portanto, destrói menos a natureza; etc.)
c. Por que nós podemos dizer que as leis divinas são naturais? (As leis divinas são
naturais porque elas são verdadeiras; elas nunca mudam. Por exemplo, por que se
diz que um suco é natural? Porque ele é feito da fruta verdadeira, ele não é feito
de pozinho.)
3. Atividade: Pedir para as crianças recortarem de revistas acontecimentos que retratem as
leis divinas, explicarem o porquê eles retratam as leis divinas e montarem um mural. Estes
acontecimentos podem ser fenômenos naturais, uma pessoa abraçando a outra, baleias num
oceano, etc. Esta atividade vai demonstrar se as crianças conseguiram internalizar
plenamente o que é uma lei natural.

4º Encontro – 1ª Lei Divina – Lei de Adoração. (__/__)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender que:
a. Adorar a Deus não é ajoelhar no milho, não é andar quilômetros a pé, não é ficar
com fome. Adorar a Deus é cuidar bem da natureza, ajudar as pessoas, etc.
b. Adorar a Deus é uma lei natural porque todo mundo sabe que existe algo supremo e
mais perfeito do que nós.
c. A prece é um importante instrumento que demonstra nosso amor a Deus.
2. Bate-papo: Contar a estória “Da Lei de Adoração” do livro “As leis Morais para os
Pequeninos”.
3. Dinâmica: Colorir desenhos do livro. Um que retrate os patinhos rezando (pg. 9) e outro,
um altar bem grande e bonito (pg. 11). Perguntar qual ação devemos fazer para adorar a
Deus.

5º Encontro – 2ª Lei Divina – Lei do Trabalho. (__/__)


1. Objetivos: Levar as crianças a entender que a lei do trabalho é uma lei divina porque leva
ao progresso moral, à felicidade.
2. Bate-papo: Contar a estória “Da Lei do Trabalho” do livro “As leis morais para os
pequeninos”.
3. Dinâmica:
a. Fazer dobradura de patinho.
b. Fazer craft de pato e, então, colori-lo. (salvo nos favoritos e já impresso).

6º Encontro – 3ª Lei Divina – Lei de Reprodução. (__/__)

1. Objetivos: Levar as crianças a entender que:


a. Sem a reprodução a vida na Terra pereceria.
b. A Lei de reprodução demonstra o amor de Deus porque demonstra que Ele quer o
adiantamento de todos os seres vivos na Terra.
2. Bate-papo:
a. Contar o conto: “A margarida e seu girassol”
b. Comentar que:

2
i. Como a margarida, todos os outros seres vivos na Terra precisam morrer
para que outros possam nascer. Isso não é maldade de Deus, já que todos
terão uma nova oportunidade de vir à Terra novamente.
ii. Os seres vivos morrem porque seus sistemas vão envelhecendo. Então, é
muito bom que eles morram, porque eles têm a oportunidade de nascer em
corpos novos em outras reencarnações.
iii. Os seres humanos reencarnam para evoluírem moralmente, ou seja, para se
tornarem pessoas melhores.
iv. Os animais e as plantas nascem para evoluírem fisicamente, ou seja,
melhorarem as suas espécies.
v. Se os seres não se reproduzissem, ou seja, tivessem filhos, a vida na Terra
acabaria, pois os seres envelheceriam e morreriam sem haver outros que
nascessem de novo.
3. Atividade: Mostrar desenhos para as crianças que retratem alguns estágios de
desenvolvimento de alguns seres vivos (seres humanos, borboletas, cães e sapos) e
comentar sobre algumas características desses seres. Então, dar-lhes os desenhos para
colorirem.

7º Encontro – 4ª Lei Divina – Lei de Conservação. (___/___)


1. Objetivos: Levar as crianças a entender que a lei de conservação ser refere ao cuidado
que devemos ter com o nosso corpo e com o meio que nos cerca.
2. Bate-papo:
a. Dramatizar a estória “O ataque do furadentes” com fantoches.
b. Discutir:
i. Quando escovamos os dentes, estamos seguindo a lei da conservação? Por
quê?
ii. Quais outras medidas devemos tomar para cuidarmos do nosso corpo?
iii. Será que quando cuidamos da natureza estamos também seguindo a lei da
conservação?
3. Atividade: Entregar massinhas de cores variadas para as crianças. Apresentar-lhes
situações em que elas terão que retratar como os dentes ficam nestas situações. Por
exemplo, depois de comer um cachorro (o dente fica sujo, com vermelho por causa do
catchup, etc), depois de comer alface, depois de escovar os dentes, etc...

8º Encontro – 5ª Lei Divina – Lei de Destruição. (___/___)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender que a destruição é necessária, mas ela não pode ser
abusiva.
2. Bate-papo: Comentar os seguintes tópicos com as crianças:
a. A gente precisa pescar peixe para comer. Mas, é necessário pescar todos os
peixes?
b. Nós precisamos de árvores para fazer papel. Mas, é necessário derrubar todas as
árvores? A gente não pode muito bem reciclar papel velho, ou, replantar as árvores
que nós derrubamos?
c. Nós precisamos do esgoto para jogar o nosso lixo. Mas, será que não podemos
reciclar a maior parte do lixo inorgânico e fazer adubo do lixo orgânico, jogando
fora apenas aquilo que não é possível reciclar ou reaproveitar?

3
d. Nós precisamos derrubar a floresta para construir nossas casas. Mas, seria
necessário ter derrubado toda a floresta?
e. Nós precisamos de petróleo para fazer gasolina, que serve de combustível para os
carros. Mas, será necessário acabar com todo o petróleo no planeta para fazer a
gasolina? Será que não podemos utilizar outras formas de combustível?
f. Nós precisamos de pilhas para que os brinquedos funcionem. Mas, será necessário,
quando a pilha tiver sua utilidade findada, jogarmo-nas no lixo comum de nossas
casas? As pilhas são muito poluentes. Nem no lixo de nossas casas nós podemos
jogar. Elas devem ser jogadas nas cestas que recolhem pilhas e baterias do centro
da cidade.
3. Atividades: Entregar desenhos em que as crianças vão se deparar com situações-
problemas. Por exemplo: ”num lago há 10 peixes. Quantos peixes você precisaria para fazer
o seu almoço? Seria necessário pescar todos estes peixes?”. Quando conseguirem resolver
(todas as crianças juntas, oralmente), elas os colorirão.

9º Encontro – 6ª Lei Divina – Lei de Sociedade. (___/___)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender que Deus nos deu muitas ferramentas para
vivermos em sociedade. Viver em sociedade é uma lei porque ela reclama progresso moral,
portanto, cooperação.
2. Bate-papo:
a. Contar a estória “A casa da Dita”.
b. Discutir:
i. Para a nossa casa ficar sempre limpinha e arrumadinha como a da Dita, todos
têm que ajudar, não é mesmo? Então, o que vocês fazem em casa para ela
ficar sempre em ordem?
ii. Como chama a cidade em que nós moramos? O que devemos fazer para ela
sempre ficar em ordem?
iii. O que se deve fazer nas seguintes situações?
1. Não haver mais ladrões no mundo.
2. A água do planeta não acabar.
3. Todos os animais não entrarem em extinção.
4. Os rios não ficarem poluídos.
5. As pessoas não brigarem mais.
iv. Se todas as pessoas do planeta cooperassem umas com as outras, o nosso
planeta teria tantos problemas? Pedir para as crianças apontarem mais
problemas e suas possíveis soluções.
3. Atividade: Pedir para as crianças fazerem um desenho com o seguinte tema: “O que eu
faço para o mundo ser melhor?”.

10º Encontro – 7ª Lei Divina – Lei do Progresso. (___/___)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender que o objetivo da reencarnação é o progresso.
2. Bate-papo:
a. Recitar o poema “Justiça” de Olavo Bilac.
b. Comentar:
i. Será que viemos ao planeta para ficarmos cheios de preguiça ou para
estudar?

4
ii. Quem progrediu mais: o Oscar ou os meninos estudiosos de sua escola? Por
quê?
iii. O que mais devemos fazer para progredirmos?
3. Dinâmica:
a. Estória cumulativa: a evangelizadora começa a contar uma história de alguma
criança bem levada. As crianças terão que continuar esta história de forma a fazer
essa criança a ir para o caminho do bem.
b. Pedir para as crianças desenharem um aspecto positivo e outro negativo ou da
estória ou do poema, explicando qual delas leva ao progresso e qual não leva.

11º Encontro – 8ª Lei Divina – Lei de Igualdade. (___/___)


1. Objetivo: Levar as crianças a entender que todos da humanidade são vistos por Deus como
filhos. Mesmo os criminosos, pessoas de outras religiões, pessoas com problemas físicos
são também nossos irmãos. Porém, devemos ter cuidado com os criminosos.
2. Bate-papo:
a. Contar a fábula africana “O sapo e a cobra”
b. Discutir:
i. O que vocês acham do fato de o sapo e cobra brincarem, apesar de
serem animais muito diferentes?
ii. E se eu disser a vocês que cobras são predadores naturais de sapos.
Vocês continuariam achando uma boa idéia a brincadeira deles?
iii. Então, a mamãe sapa estava errada em não deixar o sapo brincar com a
cobra? Porém, isto significa que o sapo e a cobra têm que parar de se
respeitar?
iv. Então, isto é a igualdade. Apesar de nós reconhecermos que todos somos
irmãos, não devemos nos relacionar com algumas pessoas que possam
representar algum perigo para nós. Mas isto não significa que não
devemos as respeitar.
v. Na opinião de vocês, quais pessoas poderiam representar algum perigo
para vocês? (Levar as crianças a entender que não é a cor da pele, a
religião, mas sim as más índoles que fazem uma pessoa ser perigosa ou
não.)
3. Dinâmica: Para cada crianças será entregue um friso com uma certa quantidade de bonecos
de papel. Pedir para caracterizarem as pessoas que gostam ou as pessoas que acham
poderiam ser suas amigas. Colar todos estes bonecos juntos, de mãos dadas, em um mural
mostrando o planeta terra.

12º Encontro – 9ª Lei Divina – Lei de Liberdade. (___/___)


1. Objetivos: Levar as crianças a entender que todos têm liberdade na vida, porém, esta
liberdade deve ser usada com responsabilidade.
2. Bate-papo:
a. Recitar o poema “A borboleta” de Olavo Bilac.
b. Discutir:
i. É certo aprisionar animais? Por quê?
ii. E colocar pessoas na cadeia? (Explicar para as crianças que as pessoas são
colocadas na cadeia porque elas não souberam utilizar corretamente as suas
liberdades. Então, a justiça as tira essa liberdade.)

5
iii. Todos têm liberdade, não é mesmo? Mas será correto roubar? (Pedir para as
crianças citarem outros atos que não condizem com o uso certo da
liberdade...)
3. Atividade: Pedir para as crianças fazerem dois desenhos. Um que retrate atos que
condizem com o bom uso da liberdade e outro que condizem com o mau uso da liberdade.

13º Encontro – 10ª Lei Divina – Lei de Justiça, de Amor e de Caridade. (___/___)
1. Objetivos: Levar as crianças a entender que Deus nos ama, e, por isso, utiliza de toda sua
justiça para promover situações em que tenhamos que agir com caridade com os nossos
irmãos.
2. Bate-papo:
a. Contar a estória “A pequena felicidade”.
b. Discutir:
i. O que a gente tem que fazer para embarcar no trem da felicidade?
3. Dinâmica: Fazer o trem da felicidade com as crianças. Cada criança desenhará um vagão, e,
no final, colocarem todos estes vagões juntos para formar o trem da felicidade.

14º Encontro – Perfeição moral. (___/___)


1. Objetivos: Levar as crianças a entender, de uma forma metafórica, como ocorre a
evolução.
2. Bate-papo:
a. Contar a estória do livro “Aprendendo a voar” de Robson Dias, pelo espírito Vovó
Amália.
b. Discutir as maravilhas que esse livro apresenta à medida que a leitura caminhar,
ressaltando tanto a evolução física como a moral da pequena larvinha.
3. Dinâmica: Fazer dobradura de borboleta (salvo pc). E, então, enfeitar essa borboleta de
modo a que ela fique tão bonita quanto à borboleta da estória.

15º Encontro – Todas as leis divinas. (___/___)


1. Objetivos: Mostrar para as crianças como as leis divinas são simples e claras.
2. Bate-papo:
a. Contar a estória do livro “Docemel – A abelha que não acreditava em Deus” de
Robson Dias, pelo espírito Vovó Amália.
b. Comentar:
i. Deus é realmente natural? (Sim, porque ele sempre se mostra pelas suas
obras; pg. 22).
ii. Depois da tempestade, o que a abelhinha fez para adorar a Deus? (pg.29)
iii. Por que a Formiguinha trabalhava com alegria? (Por que, para ela, isso era
uma graça de Deus, já que isso provia alimento para as suas companheiras;
pg. 9.)
iv. O que a mamãe sabiá estava fazendo com os seus ovos? Que lei é essa?
(pg.17)
v. O que a abelhinha fez para que, na tempestade, ela conseguisse conservar o
seu corpo? (Ela se agarrou a um tronco de árvore; pg.27).
vi. O Castor precisava destruir árvores para construir a represa, não é mesmo?
Mas ele a destruía sem necessidade? (Pg.13.)
vii. Todos os seres da floresta viviam bem em sociedade? (Pg.30.)

6
viii. Antes a abelhinha não acreditava em Deus. Depois da tempestade, ela
começou a acreditar nele. Então, ela progrediu?
ix. Antes de a abelhinha não acreditar em Deus, Este a amava mesmo assim?
Isto é a lei de igualdade, não é mesmo?
x. A abelhinha tinha a liberdade de voar para onde ela quisesse?
xi. Deus agiu com caridade com a abelhinha, por quê?
3. Dinâmica: Jogo “senta, levanta”: A evangelizadora manda que as crianças levantem quando
algo relacionado com as leis divinas seja falado, e que sentem/permaneçam sentadas
quando for algo que não condiz com isso.