Vous êtes sur la page 1sur 3
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS SOLOS

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO

CAIXA 4 TURMA 340

Este trabalho é apresentado como elemento parcial de G1 da disciplina de Laboratório de Mecânica dos Solos, Prof. Flávio Nestor Ferreira Dau.

PORTO ALEGRE, ABRIL DE 2011

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS SOLOS

1. OBJETIVO

Este ensaio tem o objetivo de determinar a Curva de Compactação deste solo e definir o teor de Umidade Ótima e a Densidade Seca Máxima.

2. METODOLOGIA DO ENSAIO

Os ensaios de compactação são classificados de acordo com a energia de compactação, que é definida pelo número de golpes a que o solo é submetido durante o ensaio, em cada camada. Neste ensaio foi utilizada a ‘energia normal’ de compactação ou ‘Proctor Normal’, que é uma atribuição ao engenheiro americano Ralph Proctor, que definiu os princípios básicos da compactação.

A compactação é um processo artificial que visa aumentar a capacidade de suporte do solo, por meio do aumento da densidade seca e do controle da umidade. O ensaio de Proctor Normal, no Brasil, é normatizado pela NBR

7182/86.

2.1. MATERIAL UTILIZADO

Amostra de solo passante na peneira nº 3/4;

Água;

Proveta;

Cilindro metálico de 1000 cm³;

Soquete de 2,5Kg;

Régua;

Balança digital;

Cápsulas metálicas.

2.2. PROCEDIMENTOS REALIZADOS

Primeiramente, foram separadas 3.000g de material passante na peneira nº 3/4. O material foi levado a uma bandeja onde foram acrescentados 200ml de água e misturado.

Após, a amostra foi colocada no cilindro e compactada com 25 golpes, em três camadas. Logo após a compactação o material foi removido do cilindro e pesado. Do centro da amostra compactada úmida retirou-se uma porção, que foi levada a uma cápsula metálica para a determinação do teor de umidade.

O material foi novamente misturado com uma nova quantidade de água (200ml) e os procedimentos repetidos de modo a obter cinco pares de pontos com suas densidades e seus respectivos teores de umidades (γ , ω).

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS SOLOS

Tabela 1- Densidade Seca X Teor de Umidade

(γ d ) Densidade Seca (g/cm³)

1,89

 

1,96

1,96

1,90

1,83

(ω) Teor de Umidade (%)

7,47

9,49

11,42

13,43

14,86

O

gráfico

abaixo

representa

os

pares

de

pontos

obtidos

e

a

curva

representativa destes valores. O ponto máximo da curva define o valor da

Umidade Ótima e a Densidade Seca Máxima.

Figura 1 Curva de Compactação

2,00 1,97 1,95 1,90 1,85 1,80 1,75 1,70 1,65 1,60 10,6 5 6 7 8
2,00
1,97
1,95
1,90
1,85
1,80
1,75
1,70
1,65
1,60
10,6
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
DENSIDADE SECA (g/cm³)

TEOR DE UMIDADE (%)

A folha em anexo apresenta os dados obtidos em laboratório

3. CONCLUSÃO

Para que este solo, durante a compactação com energia normal, atinja a sua densidade máxima (1,97 g/cm³), a umidade do solo deve ser de 10,6%.