Vous êtes sur la page 1sur 72

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FACISA

CURSO DE JORNALISMO

A interação enquanto característica comum entre Blogs e


Twitter

Raquel Graciele Camargo

BELO HORIZONTE

DEZEMBRO DE 2008
1

Raquel Graciele Camargo

A interação enquanto característica comum entre Blogs e


Twitter

Monografia apresentada ao Curso de Jornalismo na Área


de Comunicação Social, da Faculdade de Ciências
Sociais Aplicadas, do Centro Universitário Newton Paiva,
como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel
em Jornalismo, sob a orientação do professor Leonardo
Magno.

Belo Horizonte

Dezembro de 2008
2

Agradecimentos

Diante de tantas pessoas especiais que tiveram participação fundamental para


a conclusão desse trabalho, nem me atrevo a citar nomes.

É impossível deixar de agradecer fortemente cada um dos meus familiares,


desde aqueles que vivem comigo diariamente, até aqueles que vemos
eventualmente.

Os amigos que descobri no período da faculdade também têm todo o meu


respeito e agradecimento, já que me ajudaram a amadurecer. Os queridos
“amigos de internet”, aqueles blogueiros e usuários do Twitter, que foram as
principais fontes de inspiração desse estudo, e também aqueles que deixaram
de ser apenas relações virtuais e se tornaram mais que presentes em minha
vida.

Professores e amigos pesquisadores da comunicação também foram


norteadores para mim nesse trabalho, e a eles sempre serei grata.

Por fim, agradeço à todos que colaboraram para a conclusão desse trabalho e
a concretização desse desejo.
3

Raquel Graciele Camargo

A interação enquanto característica comum entre Blogs e


Twitter

Monografia apresentada junto ao


Curso de Jornalismo do Centro
Universitário Newton Paiva, como
requisito parcial à obtenção de
Título de Bacharel.

Orientador: Prof. Leonardo Magno

__________________________________________________________

Leonardo Magno (Orientador) - Centro Universitário Newton Paiva

_________________________________________________________

_________________________________________________________

_________________________________________________________

Belo Horizonte, 02 de Dezembro de 2008


4

Resumo

Esta monografia apresenta um estudo sobre a presença da interação nos blogs


e no microblog Twitter, a tendo como característica comum entre ambos.

O objetivo que guiou o estudo era verificar como é a interação em cada um dos
meios, além de mostrar também sua importância e como colabora para a
constante evolução da comunicação.

Para o estudo, foram observados conceitos relacionados à internet, aos meios


de publicação, e para aplicar as análises à prática foram escolhidos dois blogs
e dois microblogs.

Palavras-chave: microblogs, blog, redes sociais, Twitter, interação


5

Lista de Ilustrações

FIGURA 1 – Idade média e gênero de blogueiros no mundo ........................... 15

FIGURA 2 - Categoria de blogs........................................................................ 16

FIGURA 3 - Estimativa de alcance dos sites Twitter.com, Jaiku.com, Plurk.com


e Pownce.com no mundo, segundo o site Alexa. Escala de aproximadamente 1
milhão de visualizações. .................................................................................. 19

FIGURA 4 – Distribuição de usuários do Twitter pelo mundo .......................... 19

FIGURA 5 - tela inicial do Twitter. Usada conta de uso pessoal da autora para
exemplificar as páginas internas do microblog ................................................. 22

FIGURA 6 - Imagem do aplicativo Twittervision ............................................... 26

FIGURA 7 - tela do mashup feito para a Super Terça-Feira . ....................... 27

FIGURA 8: Imagem da mensagem enviada pelo estudante ............................ 28

FIGURA 9 - Imagem da notícia sobre o terremoto publicada pela Folha On Line


às 21:27 ........................................................................................................... 29

FIGURA 10 - Imagem da mensagem enviada por usuário comentando


terremoto às 21:04 ........................................................................................... 30

FIGURA 11 - Imagem de mensagem em resposta ao comentário anterior, às


21:04 ................................................................................................................ 30

FIGURA 12 - Imagem do blog Dia de Folga ..................................................... 36

FIGURA 13 - Imagem do blog Dia de Folga ..................................................... 37

FIGURA 14 - Imagem do blog Dia de Folga ..................................................... 40


6

FIGURA 15 - Imagem de comentários do post “Revista Feed-se Especial –


Democracia”, do blog Dia de Folga .................................................................. 42

FIGURA 16 – Imagem de comentários do post “O Escafandro e a Borboleta”,


do blog Dia de Folga ........................................................................................ 44

FIGURA 17 - Imagem de comentários do post “Parece Pouco?”, do blog Dia de


Folga ................................................................................................................ 45

FIGURA 18 - Imagem do campo de comentários que aparece no fim de todos


os posts do blog Dia de Folga. ......................................................................... 46

FIGURA 19 - Imagem da página inicial do blog Querido Leitor ........................ 47

FIGURA 20 - Imagem da página inicial do blog Querido Leitor mapeada..... 48

FIGURA 21 - Imagem do post “Dia Nacional do Livro”, do blog Querido Leitor 52

FIGURA 22 - Imagem da janela pop-up de “envie este post” do blog Querido


Leitor ................................................................................................................ 53

FIGURA 23 - Imagem do email enviado pelo sistema de envio de post do blog


Querido Leitor................................................................................................... 54

Figura 24: Imagem de trecho comentários do post “32 de milhões de dólares é


pouco”, do blog Querido Leitor ......................................................................... 55

FIGURA 25 - Caixa da sala de bate papo inserida dentro do blog Querido Leitor
......................................................................................................................... 56

FIGURA 26 - Tela do Twitter quando incluído o caractere “@”. O título da caixa


é automaticamente mudado para a ação (reply) .............................................. 57

FIGURA 27 - Imagem de mensagens encontradas que citaram em algum


momento @lumonte ......................................................................................... 58
7

FIGURA 28 - Conversação feita através do Twitter, organizada visualmente


através do aplicativo Twader. ........................................................................... 59

FIGURA 29 - Conversação feita através do Twitter, organizada visualmente


através do aplicativo Twader ............................................................................ 60

FIGURA 30 - Reprodução da página inicial onde se insere os nomes dos


usuários do Twitter e da resposta dada pelo sistema (nope, que é uma gíria
usada na Internet como a palavra “não”) ......................................................... 61

FIGURA 31 - Mensagem de @lumonte postada através do Twitter................. 62

FIGURA 32 - Mensagem publicada por Lu Monte onde aparece o uso de um


emoticon :)........................................................................................................ 62

FIGURA 33 - Mensagem enviada por Rosana, onde ela reporta o link de uma
notícia acompanhado de um comentário ......................................................... 63

FIGURA 34 - Tela do Twitter quando incluído o caractere “d”. O título da caixa é


automaticamente mudado para a ação (direct message) ................................ 64
8

Sumário

1 DO INÍCIO DA INTERNET ATÉ A ASCENSÃO DO TWITTER ..................... 9


1.1 Internet ....................................................................................................... 9
1.2 Blogs ........................................................................................................ 12
1.3 Microblogs ............................................................................................... 17
1.3.1 Twitter. ....................................................................................................20
1.3.2 Aplicativos .............................................................................................. 24
1.3.3 Instantaneidade ...................................................................................... 27
2 METODOLOGIA .......................................................................................... 32
3 ANÁLISE DA INTERAÇÃO ......................................................................... 36
3.1 Interação em blogs .................................................................................. 36
3.1.1 Dia de Folga ........................................................................................... 36
3.1.2 Querido Leitor.......................................................................................... 46
3.2 Interações no Twitter .............................................................................. 57
4 CONCLUSÃO .............................................................................................. 65
5 REFERÊNCIAS ............................................................................................ 67
Anexo A - transcrição do email enviado no dia 30 de outubro de 2008 à
blogueira Rosana Hermann, criadora do blog Querido Leitor. .................. 71
9

1 Do início da Internet até a ascensão do Twitter

1.1 Internet

No auge da Guerra Fria, em 1969, pesquisadores do setor público e privado foram


contratados nos Estados Unidos para desenvolver uma rede para a ARPA
(Advanced Research Projects Agency)1. A demanda era elaborar um sistema que
fosse capaz de interconectar computadores de qualquer tipo, possibilitando também
a operação de armazenamento de dados e de processamento de todos.

Para realizar o primeiro experimento, após muitas pesquisas, quatro locais foram
escolhidos para serem os “nós” iniciais da rede: Network Measurements Center da
Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), Instituto de Matemática
Interativa Culler-Fried da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (UCSB),
Universidade de Utah e o Instituto de Pesquisas de Stanford (SRI). Obtendo sucesso
logo no início, mais estudos foram feitos sobre o assunto e em 1972 uma mostra
pública da rede foi feita, apresentando já recursos que indicavam o início da Internet
que conhecemos hoje, como o correio eletrônico. A partir daí, cada ano era um
passo dado para a consolidação da mesma no mundo.

Considera-se que “até o fim dos anos 80, a Internet era um obscuro brinquedo
tecnológico usado basicamente por pequenos grupos de fanáticos por
computadores” (Dizard, 2000, p.24). O projeto iniciado na Guerra Fria, transformado
na rede mundial de computadores, ganhou proporções maiores rapidamente mesmo
não sendo algo popular. Segundo Dizard Jr. (2000), a rede se expandiu em 50% a
cada ano durante a década de 90, sendo impulsionada principalmente pelo interesse
dos usuários comuns de computadores na World Wide Web e nas outras
ferramentas disponíveis na Internet.

Qual era o objetivo desses cientistas é de fato pouco claro, afora a meta
geral de desenvolver a interconexão de computadores. A intenção explícita

1
ARPA (Advanced Research Projects Agency): Agência de Projetos de Pesquisa Avançada do
Departamento de Defesa dos Estados Unidos
10

era otimizar o uso de recursos computacionais caros mediante


compartilhamento de tempo on-line entre centros de computação. No
entanto, o custo da computação baixou rapidamente e o compartilhamento
de tempo deixou de ser uma necessidade fundamental (Castells, 2003,
p.20)

O potencial da Internet está sustentado na habilidade de superar barreiras que


impediam o acesso a uma massa de informação para consumidores comuns. “O que
fica claro é que a Web dispõe de mais informação do que todos os meios de
comunicação de massa americanos oferecem combinados” (Dirzard, 2000, p.25).

A Internet é um ambiente capaz de esparzir informações, tendo como difusores os


usuários, que são tratados como “pontos da rede” segundo Castells (2003). Além
disso, ela é também (e principalmente) um ambiente de “intercâmbio informativo”,
onde “os processos de representação da realidade tornam-se mais complexos que
nos meios tradicionais de comunicação de massa, uma vez que a realidade na rede
se refaz a cada nova interferência de um internauta”, de acordo com Alzamora
(2004, p.102).

Na concepção de Ortiz, o espaço é composto por uma base social, e pode ser
tratado como um “circuito locomotivo” que gera a necessidade de sinalização de
área para orientar os sujeitos inseridos no sistema. Sempre complementado pelos
signos mundializados, que permitem fácil entendimento, o espaço está vulnerável à
desterritorialização e flexibilidades geográficas, devido à globalização. “A velocidade
das técnicas leva a uma unificação do espaço, fazendo com que os lugares se
globalizem. Cada local, não importa onde se encontre, revela o mundo, já que os
pontos dessa malha abrangente são susceptíveis de intercomunicação” (ORTIZ,
1994, p.106).

Quando a web começou a se tornar popular, o que mais se falava dela era
uma tal de “interatividade” que, sob o ponto de vista atual, era limitada e
simplória, pois significava apenas a capacidade de exercer o livre-arbítrio,
escolhendo uma opção entre um conjunto de ofertas. Hoje é diferente. À
medida que o indivíduo pode INTERFERIR no conteúdo e REDISTRIBUÍ-
11

LO, a informação muda de papel, se torna matéria-prima e demanda


2
manipulação (RADFAHRER, 2007 – grifos do autor).

Embora a Teoria da Informação afirme que a comunicação é seguida através da


fórmula emissor->mensagem->meio->receptor, na Internet diferente, por causa da
interação existente nela (Primo, 2007).”O novo modelo, então, seria: webdesigner ->
site -> Internet <- usuário. Essa seria a fórmula da chamada ‘interatividade’” (Primo,
2007, p 11). Para o autor, essa modernização vem a tratar a palavra “usuário” como
substituta de “receptor”.

“A multidão, de repente, tornou-se visível, e instalou-se nos lugares


preferentes da sociedade. Antes, se existia, passava inadvertida, ocupava o
fundo do cenário social; agora adiantou-se até às gambiarras, ela é o
personagem principal. Já não há protagonistas: só há côro” (Ortega y
Gasset, 1962, p. 62)

Quando analisada na Internet, as relações que envolvem interação costumam ter


novas feições se comparadas com as que acontecem fora do meio virtual.

Em outras mídias já era possível estabelecer contatos de interação. Por exemplo,


com o rádio a interação se faz presente, uma vez que a participação de ouvintes ao
vivo por telefone pode ser feita, conforme lembra Gillmor (2004, p. 10 e 11), além de
ter outras mídias com possibilidades parecidas.

Interatividade é um termo que ganhou expressão na atualidade com a


disseminação das novas tecnologias de comunicação. Pensar a questão da
interatividade relacionada à mídia é uma tarefa complexa não só pela
natureza do assunto em si, mas pelo contexto de velozes transformações
no qual ele está inserido (MIELNICZUK, 1998, pág. 12).

O que muda quando se trata da Internet é a velocidade intensificada desse processo


e a simultaneidade nas conversações.

Entendemos que a diferença entre interação e interatividade diz respeito à


presença ou não de artefatos tecnológicos nas ações conjuntas entre
agentes humanos. A interatividade é tão somente a interação intermediada
por ferramentas tecnológicas. Assim, não seria possível encontrar uma
única definição para o que é interatividade. O conceito, e sobretudo suas
aplicações, vêm sendo alterados com o passar do tempo. Acreditamos ser
mais produtivo, portanto, analisar as diversas formas de manifestação da

2
Texto publicado no site <www.luli.com.br/2007/12/13/a-web-20-e-so-a-crista-da-tsunami-parte-i/>.
Acesso em 27/09/2008
12

interatividade, uma vez que esta assume nova roupagem nas diferentes
mídias (Escobar, 2007, p. 3).

Todas as ações colaborativas e o ativismo projetados usando a Internet como


ferramenta têm detalhes que devem ser observados e diferenciados do que costuma
acontecer na sociedade fora da web, uma vez que a interação dentro dela tem
novos caminhos.

Na sociedade potencialmente hiperconectada, a cultura vive as


possibilidades da colaboração, do ativismo em torno do compartilhamento
do conhecimento e, simultaneamente, os conflitos nascidos das tentativas
de controle e manutenção da velha indústria cultural. A necessária
expansão das redes coloca em xeque os instituídos modelos de reprodução
dos saberes e a própria educação. O aprendizado exige a exploração das
redes de saberes e das malhas de produção de conhecimento (Pretto e
Silveira, 2008, p.10).

Se baseando na informação de que na Internet a liberação do pólo emissor é uma


das características mais marcantes (Lemos, 2005), inúmeras manifestações
socioculturais contemporâneas apresentam que a circulação de informação em alta
velocidade prova a necessidade e emergência das vozes e dos discursos que eram
reprimidos e ocultados pelas mídias anteriores ao seu advento. “Aqui a máxima é
‘tem de tudo na Internet’, ‘pode tudo na Internet’” (Lemos, 2005, p.2).

1.2 Blogs

Concebido por Jorn Barger, em dezembro de1997, o termo weblog3 se refere à uma
poderosa ferramenta de comunicação pela Internet e surgiu com base na derivação
“web log”4. Barger criou tal neologismo para fazer referência ao site que havia criado
para publicar textos pessoais, permitindo comentários e links para outras páginas da
internet. A partir do termo weblog vários outros neologismos foram criados, dentre

3
Weblog: O próprio Jon Barger falou o termo na página
<http://www.robotwisdom.com/weblogs/index.html>.
4
- Web log: o termo “Web” vem de World Wide Web (rede de alcance mundial). A expressão “Log”
começou a ser usada na internet fazendo referência à informações de processamento de dados.
13

eles “blog”5, um dos mais usados atualmente, que foi citado pela primeira vez em
maio de 1999 por Peter Merholz.

Levando em questão os formatos das páginas, para classificar alguma como blog,
basicamente são observadas as seguintes características:

a) Postagens (ou posts6, como também é chamado) freqüentes feita em ordem


cronológica inversa (o documento mais recente em cima e o mais antigo no
fim);
b) Espaço para comentários de leitores a cada postagem, oferecendo a
possibilidade de interação. (Primo, 2008)

Por causa de sua gênese, os blogs costumam receber o estereótipo que dão conta
de que são sempre páginas dedicadas a escritos particulares e conteúdo
classificado como diário pessoal. Os autores Nardi, Schiano e Gumbrecht (2004)
abordam o tema, contudo apresentam um texto discrepante ao falar da comparação
entre blogs e páginas íntimas.

O blog não é um mundo fechado, mas parte de um espaço comunicacional


maior no qual vários meios, e comunicação face a face também podem ser
usados. Blogs, portanto, se diferem de diários privados, sendo de natureza
totalmente social (Nardi, Schiano e Gumbrecht, 2004, p 225).

Já Schittine (2004) prefere encarar o termo como vítima de uma armadilha da


linguagem. “A palavra é uma contradição em si mesma, uma contração entre web
(página na internet) e log (diário de bordo). Por isso o uso da expressão 'diário
íntimo na Internet' para substituir o termo blog” (Schittine,2004 p 12).

Tal função para blogs continua a ser praticada, entretanto é possível perceber a
existência de inúmeras páginas com as mesmas características técnicas que contém
textos não-pessoais, muitas vezes informativos, publicitários e jornalísticos. O termo
‘blog’ não faz referência apenas a um texto, mas também a um programa e um

5
Blog: o termo foi usado pela primeira vez em maio de 1999 por Peter Barger. Publicação onde o
termo apareceu em < http://web.archive.org/web/19991013021124/http://peterme.com/index.html>
6
Posts: publicação feita no blog
14

espaço, sendo assim “blog indica um espaço onde blogueiros e


leitores/comentaristas se encontram”. (Primo e Smaniotto, 2006b, p. 1).

Essa ferramenta, no ciberespaço, possibilita a pluralização de vozes e o


contato social se desassociando das mídias de controle, as mass media, e
reeditando práticas antigas como os diários pessoais (Lemos, 2002, p.02).

Os blogs ganharam popularidade entre os internautas em 1999, quando softwares7


de edição de sites foram criados. Os programas que ofereciam tal serviço sem que a
pessoa precisasse dominar linguagens de programação se difundiram rapidamente
e, conseqüentemente as páginas com características de blogs rapidamente se
tornaram populares, conforme afirma Blood.

A criação de um software que permitiu aos usuários postar rapidamente


entradas em templates predefinidos levou a uma explosão de diários curtos,
mas o formato cronológico inverso permaneceu como uma constante. É
esse formato que determina se uma página da web é um Weblog (Blood,
2003, p.61).

Tendo consciência das condições da materialidade do meio, é fato que para definir o
objeto como blog/texto não é necessário ter como critério o blog/programa que se
usa para fazer o mesmo.

As ferramentas de blog normalmente não determinam um limite máximo de


caracteres por post. Como o blog/programa não pode compreender o que é
publicado (se trata-se de uma poesia, uma foto, ou um conjunto aleatório de
caracteres), já que a semântica lhe é estranha, não pode impor que os
posts sejam necessariamente curtos nem que sigam um certo gênero
discursivo. Logo, as definições de blogs como publicação de microconteúdo
ou como diário íntimo na Internet revelam suas limitações, pois relacionam
um tipo específico de blog/texto ao uso do blog/programa. (Primo e
Smaniotto, 2006b, p. 2).

A presença e atividade dos blogs na Internet é capaz de modificar toda a rotina e


situação do ciberespaço.

É importante perceber os blogs como modificadores da topologia do


ciberespaço. A cada novo post, a cada novo comentário, e a cada novo link,
os blogs atuam de modo a reconfigurar a Internet, alterando as redes,

7
- Softwares: são programas que auxiliam a elaboração e publicação de sites. No caso de blogs,
existem programas que facilitam a escrita e exibição do material nas páginas, não exigindo trabalho
de programação para a organização visual do mesmo. Existem serviços de blogagem que são
gratuitos e online, como Blogger (gratuito), Wordpress (gratuito ou pago) e Typepad (pago).
15

criando novos nós e fluxos convergentes, divergentes e complexos.


(Recuero, 2004, p. 7).

Uma década após a criação do termo blog, existem cerca de 133 milhões de blogs
no mundo segundo o site de indexação Technorati8. Na pesquisa divulgada no ano
passado, quando eram 112 milhões de blogs, verificou-se que cerca de 175 mil
novos blogs surgem a cada dia e mais de 1,6 milhões de posts são feitos
diariamente, tendo uma média de 18 atualizações por segundo. Segundo a
pesquisa divulgada em setembro de 2008 pelo próprio Technorati, a maioria das
pessoas usa o blog como forma de auto-expressão, quantidade de pessoas
correspondente a 79%; para compartilhar pensamentos e experiências, sendo essas
73%; e para conectar-se com outras pessoas que tenham afinidades de
pensamento, compondo 62% dos blogueiros.

Ainda de acordo com dados da pesquisa, 70% da blogosfera9 mundial têm


graduação concluída, 4 em cada 10 blogueiros têm renda familiar média de
U$75,00, 44% dos donos de blogs já têm filhos. No gráfico (FIGURA 1) a seguir
(divulgado pelo próprio Technoratti), mais informações demográficas sobre autores
de blogs.

FIGURA 1 – Idade média e gênero de blogueiros no mundo


Fonte: <http://www.technorati.com/blogging/state-of-the-blogosphere/>. Acesso em: 20/09/2008

8
Dados divulgados em < http://www.technorati.com/blogging/state-of-the-blogosphere/>. Acesso em
25/09/2008
9
Blogosfera: termo que faz referência ao mundo dos blogueiros
16

A mesma pesquisa em questão toca no ponto do uso de blogs como diário pessoal,
definição defendida e quebrada por estudiosos da área como abordado no início
dessa pesquisa.

FIGURA 2 - Categoria de blogs

Tradução da autora: Blogs pessoais, blogs corporativos e blogs profissionais

Fonte: <http://www.technorati.com/blogging/state-of-the-blogosphere/>. Acesso em: 20/09/2008

Através do gráfico acima, percebe-se que a maior parte dos blogueiros admite ter
blogs pessoais, com posts cotidianos e íntimos. Os blogueiros profissionais,
conhecidos também como pro-bloggers, são aqueles que fazem blogs também com
objetivo de ganhar dinheiro através de anúncios e/ou posts pagos, e totalizam 46%
da blogosfera. Já a categoria de blogs corporativos se refere à páginas usadas por
instituições. Tal gráfico permite pensarmos que, com o considerável número das
categorias “profissional” e “colaborativo”, podemos ter em breve a segura
caracterização e uso de blogs como atividade econômica.

Já no Brasil, de acordo com pesquisa do Ibope/NetRatings, o número de usuários


brasileiros que lêem blogs chegou a 10 milhões em fevereiro de 2008,
representando assim 45,5% dos internautas ativos.
17

Um estudo10 realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil constatou que 13%
dos 40 milhões de usuários de Internet no Brasil são blogueiros.

Uma pesquisa divulgada em março de 2008 pelo Ibope/NetRatings afirma que as


plataformas de postagens mais usadas entre os blogueiros brasileiros é o Blogger e
Wordpress. Juntas, elas têm 7, 7 milhões de usuários únicos mensais, sendo que
um ano antes eram 3 milhões. Ainda segundo o relatório, 65% dos leitores de blogs
chegam até as páginas fazendo buscas e que a faixa etária destes é de 12 a 24
anos11.

1.3 Microblogs

Desde 2004, o termo blog tem ganhado novas derivações, como audioblog12,
fotolog13 e videologs14.

Essa tendência a simplificar e segmentar os tipos de blogagens gerou inúmeras


mudanças, até alcançar o formato conhecido como “microblog”.

Definindo de forma concisa, microblogs mesclam características de blogs, redes


sociais e mensageiros instantâneos (conhecidos também como IM, de instant
messengers) (Orihuela, 2007).

Eles suportam a caracterização de blogs pelo fato de serem apresentados com as


mensagens organizadas em ordem cronologicamente inversa, conforme já citado
neste trabalho.

10
Dados divulgados em
<http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T
&db=caldb&comp=Noticias&docid=A1EFF79C192CB49B8325743600496271>. Acesso em
25/08/2008
11
Dados divulgados no site IDG Now
<http://idgnow.uol.com.br/internet/blog_dos_blogs/archive/2008/03/26/blogs-tm-10-milhes-de-leitores-
no-brasil//>. Acesso em 24 /09/2008
12
Audioblog: Blogs que têm áudios como conteúdo predominante
13
Fotolog: Também conhecido como flog. São blogs composto por fotos e imagens e com menos
texto
14
Videolog: Também conhecido como vlog. São blogs composto por vídeos e com pouco texto
18

Segundo (Castells, 2003, p 110) “cada vez mais, as pessoas estão organizadas não
simplesmente em redes sociais, mas em redes sociais mediadas por computador”.
Tais redes sociais são caracterizadas, principalmente, pela presença de interação
em suas relações (Recuero, 2004), assim como pode ser encontrado também nos
microblogs. Já os IM possuem a conversação entre usuários da ferramenta, assim
como é feito em comunicadores como MSN, Gtalk e ICQ.

A gênese dos microblogs aconteceu no mesmo ritmo que a dos blogs. Após terem
uma prática pré-estabelecida, o próximo passo foi criar ferramentas para automatizar
e facilitar a atualização dos mesmos. A idéia inicial era uma página com um formato
para mensagens rápidas e pequenas, que poderiam ser emitidas através de
dispositivos diferentes além de um computador (como telefones celulares). Os
microblogs também são compostos por outras características adotadas em blogs
com o passar do tempo, como trackbacks15, RSS16, blogroll17, inclusão de avatar18 e
a customização do layout19 da página), e se destacam pelo fato de ser específico
para postagens curtas.

Por sua vez, o termo “microblogging” seria referido ao ato de fazer micropostagens
(McFedries, 2007). As ferramentas criadas exclusivamente para microblogging
começaram a surgir em 2006. Com objetivo de oferecer espaço para postagens com
conteúdo mais superficiais e agilidade, nasceram o Jaiku e o Twitter, em fevereiro e
março de 2006. A partir do surgimento destas, inúmeras plataformas que oferecem
serviço semelhante foram criadas. Abaixo um gráfico (FIGURA 3) apresentando a
estimativa e a projeção de acessos de outubro de 2007 a setembro de 2008 de

15
Trackback: notificação automática que um blog/programa envia para outro, geralmente através dos
comentários, avisando sobre a realização de uma postagem em um blog que cita um post de outro
blog. Também conhecido por linkblog, linkback e pingback.
16
RSS: Sigla em inglês para Really Simple Syndication. Trata-se de um sistema para agregamento de
conteúdo que permite a indexação das alterações que ocorram em um determinado site. Várias
páginas diferentes que disponibilizem seus conteúdos em RSS podem ser reunidas em um único
local através do uso de um programa agregador.
17
Blogroll: Lista de blogs recomendados pelo autor de um determinado blog, geralmente disposta na
barra lateral de um blog, a qual representa os blogs que o blogueiro daquele espaço costuma ler.
18
Avatar: Imagem ou foto que representa a identidade do autor da página
19
Layout: esboço que apresenta o visual da página e a distribuição de conteúdo.
19

algumas das plataformas de microblogs mais usadas atualmente, Twitter, Jaiku,


Pownce e Plurk.

FIGURA 3 - Estimativa de alcance dos sites Twitter.com, Jaiku.com, Plurk.com e Pownce.com no


mundo, segundo o site Alexa. Escala de aproximadamente 1 milhão de visualizações.
Fonte: <http://www.alexa.com>. Acesso em 27/09/2008

A seguir, um mapa (Figura 4) que aponta as partes do mundo onde o Twitter vem
sendo utilizado.

FIGURA 4 – Distribuição de usuários do Twitter pelo mundo

Fonte: <http://ebiquity.umbc.edu/paper/html/id/367/Why-We-Twitter-Understanding>. Acesso em:


29/11/2008
20

Através do gráfico percebe-se que o Twitter tem o número de acessos


significativamente maior que o de seus concorrentes Jaiku, Plurk e Pownce.
Também é possível verificar as temporadas de pico de acesso, como aconteceu em
meados de junho de 2008, e as quedas de acesso, como em agosto de 2008.

1.3.1 Twitter

O Twitter foi um dos serviços de microblogging pioneiros, e é atualmente o mais


popular20, como visto no gráfico acima.

Seu projeto nasceu a partir da idéia de criar uma ferramenta de comunicação interna
da empresa norte-americana Obvious Corp, de Jack Dorsey, tendo como base a
pergunta “O que você está fazendo?” e limitando o número de caracteres postados
em 140. Em julho de 2006, quatro meses após a criação do Twitter, o site foi
disponibilizado ao público, permitindo a criação de perfis e, a princípio, atualizações
através da própria página, de celulares (através de conexão com a internet ou
SMS21) e por IM’s, no entanto, a popularização da mesma só veio acontecer em
março de 2007 (Spyer, 2007; Mischaud, 2007).

A criação de um perfil no Twitter é gratuita e simples, sendo que o site exige o


preenchimento dos campos apelido (que será incluído no endereço da página do
usuário), senha, email e alerta que o serviço é feito para pessoas acima de 13 anos
de idade. A customização da página onde ficam armazenadas as atualizações pode
ser feita a qualquer momento, assim como a alteração do avatar.

O usuário do Twitter é quem comanda as mensagens que são enviadas de seu perfil
e é também capaz de escolher de quais pessoas ele receberá mensagens. A rede
que receberá o conteúdo emitido por ele, no entanto, é formada alheiamente a sua
vontade, a menos que ele torne sua conta uma página privada, fazendo com que
apenas pessoas autorizadas tenham acesso aos textos. É impossível indicar quem

20
O Twitter não revela o número exato de usuários cadastros (Mischaud, 2007). porém o site TwittDir
apresenta uma estimativa diariamente se baseando na quantidade de perfis que matem atualizações
constantes. Em consulta feita no dia 27 de setembro de 2008, ele localizou 3 115 012 usuários
21
SMS: Short Message Service. Torpedos, mensagens de texto que são enviadas através de aparelhos
celulares
21

será seu follower22. Pode-se apenas impedir que algum usuário o siga, bloqueando o
perfil. Dessa forma, o fluxo de distribuição e de formação de conversas no microblog
é extremamente pulverizado e assimétrico.

A relação entre os usuários do Twitter é como qualquer outra relação social, onde
cada um escolhe com quem quer interagir, conforme seus interesses e objetivos na
rede, e o mesmo pode “cortar a relação” ou remover o usuário da lista quando
quiser, sem ter que explicar o motivo, necessariamente.

Conforme imagem a seguir, ao efetuar login23 no Twitter, o usuário vê inicialmente a


caixa de postagem (acompanhada da contagem de caracteres), as postagens mais
recentes de seus followings em ordem cronologicamente inversa, e uma sidebar24.
Nela, o número de pessoas que o usuário seguem, de pessoas que o seguem e a
quantidade de atualizações já feitas aparecem no alto. Mais abaixo, constam links
para “abas” de replies, para visualizar apenas as mensagens respostas de outros
usuários, mensagens diretas, posts favoritos (que podem ser marcadas com um
clique), e Everyone, que vai exibir a Public Timeline25 do Twitter com as 20
atualizações mais recentes, sem filtragem de idioma. Logo abaixo o sistema
apresenta os avatares das pessoas seguidas pelo usuário dono da página.

22
Follower: seguidor, usuário que assina determinado perfil e passa a acompanhar as mensagens postadas. É
uma espécie de assinatura de conteúdo.
23
Login: digitar usuário e senha para ter acesso à página de postagens.
24
Sidebar: Barra lateral freqüentemente encontrada em blogs com links e informações de contato
25
Public Timeline é uma página do Twitter que exibe as últimas postagens feitas por todos usuários
do mundo, sem restrição geográfica ou de seguidores.
22

FIGURA 5 - Tela inicial do Twitter. Usada conta de uso pessoal da autora para exemplificar as
páginas internas do microblog

Fonte: <http://www.twitter.com>. Acesso em: 27/09/2008

O sistema em questão também permite que, tudo aquilo que seja escrito sobre
determinado de assunto em conversas na plataforma, sejam “seguidos”,
possibilitando assim o monitoramento intenso sobre um determinado tema, termo ou
nome. O ato de seguir algo no microblog é conhecido pelo termo “track”. Além da
função track, também existe o mecanismo de busca26 do Twitter e outros criados por
programadores independentes, que cumpre função parecida quando usados.

O Twitter possibilita interação mútua, caracterizando assim a criação de relações e a


construção cooperada de conteúdos, que gera sempre a constante atualização do

26
Em agosto de 2008 a Obvious Corp comprou o site www.summize.com, que era um buscador do
Twitter criado por desenvolvedores independentes através da API do Twitter (conforme será
comentado adiante). Com isso, o microblog ganhou um buscador oficial. <www.search.twitter.com>
23

sistema, favorecendo a sua conservação, alcançando o que foi citado por Vaz (2004,
p. 225): “eis o sonho: com a internet, enfim, a troca de mensagens assemelha-se a
um diálogo ou ao que ocorre numa praça ou numa festa”. Para responder uma
mensagem ou enviar um texto público nomeado a alguém, o indivíduo precisa usar o
caractere “@” antes do nome de usuário do destinatário antes da mensagem. Feito
esse processo, conhecido como reply27, o receptor poderá ver os textos para ele
enviados em uma parte separada de sua página no microblog.

Conforme Castells (2003, p.108) escreve, “o papel mais importante da internet na


estruturação de relações sociais é sua contribuição para o novo padrão de
sociabilidade baseado no individualismo”. No Twitter isso também pode ocorrer, já
que por ter características de rede social (interligação entre os usuários, que podem
interagir entre si), a estruturação interna do microblog une inúmeros indivíduos,
formando uma comunidade online, com fortes laços (que são criados e
intensificados pela interação, colaboração, instantaneidade e compartilhamento de
informações) entre cada usuário, que é independente e que supera os limites
geográficos de cada um.

O Twitter pode ser considerado também um fenômeno comunicacional por ser um


canal de perguntas e respostas, por ter as informações construídas de forma
colaborativa e ainda por ser um espaço de divulgação, cobertura de eventos e
demais fatos. Segundo Lévy, (1999: 11), “o crescimento do ciberespaço é resultado
de um movimento internacional de jovens áridos para experimentar coletivamente,
formas de comunicação diferentes daquelas que as mídias clássicas nos propõem”,
e o Twitter é propenso a colaborar com isso.

A comunicação no Twitter é pulverizada, assimétrica, ubíqua, instantânea e


assíncrona. Assim como dito anteriormente a respeito de microblogs, que agrega
características de redes sociais, blogs e IM´s, mas traz como diferencial a
assíncronia ao usuário, já que o poder de produzir conteúdo e sentido, e ao mesmo

27
Reply: mensagens-resposta enviada a um usuário do Twitter.
24

tempo receber, diferencia os debates, reforçando a conclusão de Lévy ao falar das


invenções tecnológicas:

Como um dos principais efeitos da transformação em curso, aparece um


novo dispositivo de comunicação no seio de coletividades
desterritorializadas muito vastas que chamaremos de ‘comunicação todos-
todos’(LÉVY, 2003, p.114).

O Twitter oferece ainda a possibilidade de criação de aplicativos, que são como


“programas” que complementam suas funcionalidades.

1.3.2 Aplicativos

Define-se software aplicativo (aplicativo, ou ainda aplicação) como “um programa de


computador que tem por objetivo o desempenho de tarefas de índole prática, em
geral ligadas ao processamento de dados”28.

Quando um site ou sistema é criado, o desenvolvedor do trabalho pode optar em


deixar sua estrutura técnica e arquitetura disponível para as pessoas criarem
ferramentas que complementem o serviço. Os desenvolvedores do Twitter optaram
por essa opção, deixando assim a base do microblog acessível aos programadores,
dando conta do termo API (Interface de Programação de Aplicativo) aberta. Por
causa dessa autonomia e liberdade dada aos desenvolvedores, centenas de
ferramentas que agregam valor ao Twitter são criadas, facilitando o uso do sistema e
o crescimento do serviço.

A arquitetura aberta de informações decorre do fato de que as


ferramentas de microblogs Pownce, Twitter e Jaiku possuírem a API
liberada. Percebendo o potencial de colaboração da Web 2.0, algumas
empresas abrem seus bancos de dados através de uma Interface de
Aplicativos (API). Essa API permite que os dados produzidos no contexto de
um determinado site possam ser utilizados em outros contextos (Zago,
2008).

28
Definição de aplicativo citada pela Wikipedia < http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_aplicativo>
25

Atualizar o Twitter pelo celular sem dificuldades técnicas, ter acesso à estatísticas de
usuários de followers e followings, descobrir quais são as palavras e sites mais
citados em conversas feitas através do microblog: tudo isso passou a ser possível
através de criações feitas com a API do Twitter.

Com o acesso à API do Twitter, também se torna possível a criação de mashups


relacionados sistema. São chamadas de mashups serviços criados usando mais de
uma base de dados fazendo com que um atenda e complemente o outro. Em suma,
ele é feito quando “um programador mixa pelo menos dois serviços ou aplicativos de
diferentes sites para criar algo novo e que, muitas vezes, é melhor do que a soma
das suas partes” (Tapscott e Williams, 2007, p. 233). Tais ações dão força ao
discurso do colaborativismo na web, já que o conteúdo e as ferramentas
agregadoras são criados pelo próprio público.

O paradigma foi quebrado, e agora o telespectador não é mais um ente


passivo – podemos chamá-los de usuários. O desafio tecnológico está
lançado. Resta agora que os produtores de conteúdo e difusores do mesmo
se adaptem, evoluam e inovem à luz das novas possibilidades,
principalmente no tocante à intensa troca de informações (feedback
imediato) (Pretto e Silveira, 2008, p.178).

Um dos primeiros grandes mashups feitos envolvendo o Twitter foi lançado


exclusivamente para acompanhar o evento-político dos Estados Unidos conhecido
como Super Terça-Feira29, que aconteceu no dia 05 de fevereiro de 2008. Com base
no Google Maps, nas postagens feitas através do Twitter e no aplicativo chamado
Twittervision, o mashup em questão compilava e publicava todos os comentários
envolvendo as eleições norte-americanas em um mapa interativo. Filtrados por
palavras chaves como os nomes dos envolvidos nas eleições, as mensagens
apareciam no mapa dos Estados Unidos exatamente no desenho do Estado de onde
estava o usuário que escrevia o post.

Todos esses esforços só se tornam possíveis porque, além da reunião do


conteúdo (possibilitado pelo uso das APIs dos programas), pode-se contar

29
Nos Estados Unidos a Super Terça-Feira (Super Tuesday) é o dia em que um grande número de
Estados realizam eleições-prévias simultaneamente para decidir quais serão os candidatos à
Presidência dos partidos Democrata e Republicano, sendo assim um dia decisivo para as eleições do
país.
26

com a participação e colaboração de pessoas do mundo inteiro. Se as


pessoas não utilizassem o Twitter para comentar as eleições, o mashup não
faria sentido (Zago, 2008, p.38).

Abaixo a imagem do aplicativo Twittervision (Figura 6), que tem por objetivo mostrar
atualizações do Twitter em um mapa, especificando de onde vem a mensagem e do
mashup da Super Terça-Feira (Figura 7).

FIGURA 6 - Imagem do aplicativo Twittervision

Fonte: <http://www.twittervision.com>. Acesso em: 27/09/2008


27

FIGURA 7 - Tela do mashup feito para a Super Terça-Feira .

Fonte:
<http://maps.google.com/maps/mpl?moduleurl=http://www.google.com/mapfiles/mapplets/elections/20
08/primary/primaries.xml&utm_campaign=en&utm_source=en-ha-na-us-google-
mp&utm_term=decision2008>. Acesso em: 08/02/2008

Tal aplicativo possibilitou a visualização instantânea de mensagens relacionadas às


eleições com identificação geográfica e visual, feita em cima da figura do mapa dos
Estados Unidos.

1.3.3 Instantaneidade

Diversos usuários têm o Twitter como fonte mais instantânea de recepção e emissão
de informações. Com sua língua adaptada (devido à limitação de 140 caracteres),
muitos têm centralizado no microblog os conteúdos que antes seriam publicados em
outros locais, como seus blogs. Devido à prioridade dada, o universo interno do
Twitter é “privilegiado” pela exclusividade.

Isso tem acontecido por causa da velocidade e praticidade oferecida pela


plataforma. O tempo que uma pessoa levaria para publicar devida notícia em seu
28

blog, por exemplo, é bem maior que o tempo necessário para a postagem daquele
texto no Twitter, já que sua pretensão é realmente a instantaneidade.

Como exemplo da influência do Twitter na comunicação pode-se citar o caso que


envolvia ex-primeira ministra do Paquistão, Benazir Bhutto. Blogs30 dão conta de que
as primeiras informações sobre o assassinato de Benazir chegaram através do
Twitter, e pela interação permitida pelo sistema, um grande debate começou entre
os usuários.

Outra situação que apresenta mais uma função da ferramenta foi a divulgada por
blogs e sites de notícias31, ocorrida em abril de 2008, quando um estudante foi preso
pela polícia do Cairo, Egito, ao fotografar uma manifestação. O usuário do Twitter
publicou a mensagem “arrested”32 (Figura 8) através de seu celular antes de ter o
aparelho apreendido. Amigos do estudante tomaram conhecimento da detenção
dessa forma e acionaram um advogado, que conseguiu tirar o estudante da cadeia
no dia seguinte.

FIGURA 8: Imagem da mensagem enviada pelo estudante

Fonte: <http://twitter.com/jamesbuck/statuses/786571964> Acesso em: 12/06/2008

O microblog tem atropelado a mídia tradicional, se adiantando nos fatos mais


importantes, e sendo usado para hospedar relatos e declarações de pessoas. O

30
Apanhado geral sobre o fato e o uso do Twitter < http://blogs.zdnet.com/Howlett/?p=269>
31
A notícia foi publicada em várias páginas, dentre elas o G1 <
http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL404259-6174,00.html>
32
Arrested: Tradução: preso
29

terremoto que assustou a cidade de São Paulo no dia 22 de abril de 2008, pode
ilustrar a afirmativa acima, já que o assunto apareceu primeiro no Twitter antes de ir
para TV ou qualquer outra mídia tradicional. Às 21h já era possível ler relatos de
usuários sobre o ocorrido, como pode ser visto nas Figuras 9, 10 e 11, enquanto as
notícias dos grandes veículos começaram a serem publicadas às 21h30min.

FIGURA 9 - Imagem da notícia sobre o terremoto publicada pela Folha On Line às 21:27

Fonte: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u394686.shtml>. Acesso em: 30/09/2008


30

FIGURA 10 - Imagem da mensagem enviada por usuário comentando terremoto às 21:04

Fonte: <http://twitter.com/danielfilho/statuses/794699434>. Acesso em: 12/06/2008

FIGURA 11 - Imagem de mensagem em resposta ao comentário anterior, às 21:04

Fonte: <http://twitter.com/danielfilho/statuses/794699434>. Acesso em: 12/06/2008

Outro fator que favorece a instantaneidade no Twitter é a mobilidade. Com a


possibilidade de propagação de informações através de SMS, o microblog se
destacou na web, trazendo a possibilidade de acompanhar o Twitter de maneira
móvel, através de celulares.

O telefone mudou dramaticamente o modo como as pessoas vivem suas


vidas e enxergam o mundo. Outra mudança, com talvez a mesma
magnitude, está por vir com a mobilização não somente do discurso mas
também com uma nova tendência de comunicação e interação social
mediada por computadores (Katz, Aakhus, 2002,p.1).
31

Além da simplicidade do envio de mensagens para atualizar o Twitter, hoje temos


aparelhos celulares que oferecem acesso rápido à internet.

Os celulares devem ser compreendidos como instrumentos que podem


aumentar as possibilidades de emissão e de recepção de informações,
ampliando as probabilidades de comunicação mas não garantindo,
necessariamente, um maior enriquecimento do processo comunicativo
(Lemos, 2004, p. 8).

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2007 (PNAD)33, divulgada


pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em setembro de 2008, a
presença de telefones celulares nas residências brasileiras chega a 17,6%. O estudo
afirma também que o número de telefones móveis vem aumentando mais de 15% ao
ano desde 2002,

A comunicação falada é raramente associada ao celular (3% dos casos); a


maioria associa-a ao telefone (11%). Evidentemente, o celular é
considerado um instrumento que não é muito apropriado para a
comunicação, mas é, talvez, mais apropriado para uma troca rápida de
informações. (Fortunati, 2002, p.44).

Considerando que hoje o celular pode ser considerado um “teletudo” (Lemos, 2004)
por agregar no telefone câmera fotográfica, televisão, cinema, difusor de mensagens
eletrônicas, receptor de notícias, atualizador de sites, localizador por GPS, tocador
de música, gerenciador de dados pessoais, a democratização do aparelho propicia
uma mudança na comunicação do ciberespaço.

33
A pesquisa pode ser vista no site <
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2007/sintesepnad2007.p
df>. Acesso em 28/10/2008
32

2 Metodologia
Na Internet, uma das características muito citadas é a capacidade de interação. Com
definição imprecisa, a interação foi definida por Rafaeli (1988,p .110) como “um
termo usado amplamente com um apelo intuitivo”, garantindo ainda a subdefinição
de seu conceito.

Primo (2007) já também fez sua definição, e o conceito definido por ele será usado
como base nessa pesquisa, uma vez que ele trata a interação também no
ciberespaço.

Interação será aqui entendida como a ‘ação entre’ os participantes do


encontro (inter+ação). Sendo assim, é preciso lembrar que interação não é
o mesmo que interação social. Esta última é uma forma interativa, mas não
a própria definição de interação. Em outras palavras, existe interação entre
corpos, genes, ondas, forças, engrenagens, pessoas etc. (Primo, 2007, p13)

Na internet pode-se observar numeras formas de interação, começando pelo


simples clique em um link, e indo até mesmo aos debates elaborados por
mensagens em fóruns e páginas de comentários.

Essa pesquisa pretende relacionar as interações efetivadas através de blogs e do


microblog Twitter, que hoje já é considerado um novo fenômeno da comunicação,
tendo em vista os números de acesso apresentados anteriormente.

A interação é uma característica comum e predominante nos dois meios de


publicação, e são capazes de permitir uma contínua e independente atualização das
páginas. Pelo fato de analisarmos uma realidade social e não uma técnica específica
(Goode e Hatt, 1979, p421), utilizaremos o estudo de caso como recurso
interpretativo. Tal metodologia foi escolhida também por essa ser uma “análise
intensiva, empreendida numa única ou em algumas organizações reais” (Bruyne,
Hermann, Schoutheete, 1991, p. 224).

A proposição deste estudo firma-se nas interações encontradas nos dois objetos
escolhidos. Qualquer interação encontrada em blogs e no Twitter ajudarão a
evidenciar características relevantes. A análise do estudo foi baseada em páginas
escolhidas pela leitora, conforme poderá ser visto a seguir, e através de cópias das
33

páginas serão apresentadas e explicadas as formas de interação presentes.


Eventuamente serão coletadas informações através de entrevistas, apenas quando
a informação buscada não estiver evidente nas páginas estudadas.

Para compreender como acontece a interação em blogs e em microblogs,


especificamente no Twitter, foi escolhida a opção de fazer estudos de casos usando
dois indivíduos que tenham blogs e uma conta no Twitter.

Poderá ajudar na análise o estudo feito que classifica os tipos de postagens mais
feitas no Twitter, Java et al. (2007), assim criaram uma taxonomia do que era
publicado pelos usuários.

1) banalidade cotidianas (“daily chatter”): este se refere ao uso com base na


pergunta feita, cumprindo o papel de “diário” (este é, inclusive, classificado como o
uso mais comum no Twitter);

2) conversações (“conversations”): com uso do símbolo arroba (@) os usuários


podem conversar entre si, interagindo assuntos;

3) compartilhamento de informações e URLs (“sharing information/URLs”): foi


verificado que 13% das postagens do Twitter possuíam algum link.

4) difusão de notícias (“reporting news”) – a publicação de notícias tem sido uma


atividade também comum no Twitter. Tal função não havia sido prevista na criação
da ferramenta, mas com a consolidação do sistema, os usuários vão criando novos
empregos para ele.

Definindo os objetos para a análise do estudo de caso, inicialmente buscou-se


sujeitos que tivessem blog e Twitter ativos, e após uma lista feita e filtrada foi
definido que os objetos de pesquisa serão:

Blog Dia de Folga <http://www.diadefolga.com>, Twitter da blogueira Lu Monte


<http://www.twitter.com/lumonte>, blog Querido Leitor
<http://www.queridoleitor.zip.net> e Twitter da blogueira Rosana Hermann
<http://www.twitter/rosana>.
34

As escolhas foram feitas a partir de análises do conteúdo, freqüência de atividade e


potenciais interações presentes nos blogs.

O Querido Leitor é mantido pela jornalista Rosana Hermann e é considerado um dos


primeiros blogs brasileiros de sucesso, já que existe desde 2000.

O ritmo de atualização dele é intenso, tendo várias postagens pequenas por dia
(algumas pessoais, outras informativas) e comentários de leitores em quase todos
os posts. Dentre os dias 24 e 31 de outubro de 2008 foram contabilizadas 114
atualizações.

No ranking34 dos 10 mil blogs mais citados no mundo, o Querido Leitor aparece
como um dos raros representantes brasileiros, conseguindo a 8.890ª posição.

Já o blog Dia de Folga é mantido pela advogada Luciana Monte, que assina como
Lu Monte.

Desde 2003 no ar, o blog costuma apresentar postagens menos freqüentes se


comparado com o blog citado acima, porém as atualizações costumam ser mais
aprofundadas, textos mais longos e geralmente voltados a dicas culturais e de
entretenimento. Dentre o mesmo período, de 24 a 31 de outubro de 2008 foram
realizadas no Dia de Folga três atualizações

Comentários nas postagens são freqüentes, sendo que a blogueira responsável


responde todas as mensagens na própria página de comentários.

Este blog divulga o número de assinantes de RSS que possui, e até o momento
desta consulta (acesso em 08/10/2008) constavam 776 leitores.

Para apresentar as ferramentas de interação usadas em cada blog serão feitas


análises e, ocasionalmente, experimentos como comentários. Para compreender a
cão na prática no Twitter, também será observada constantemente a atividade das

34
A posição do blog no Technoratti fica exposta próxima ao perfil que cada página tem no site.
<http://www.technorati.com/blogs/queridoleitor.zip.net > Acesso em: 09/10/2008
35

blogueiras perante seus perfis, como respostas feitas à outros usuários e uso de
mashups e/ou APIs.

No que se diz a respeito de teorias, para entender a “cultura da interação” serão


usados estudos feitos por Pierre Lévy, André Lemos, Manuel Castells, Raquel
Recuero e Alex Primo, que já desenvolvem pesquisas voltadas à cibercultra.
36

3 Análise da Interação

3.1 Interação em blogs

Conforme explicado na metodologia, será analisado o que há de interação nos blogs


Dia de Folga e Querido Leitor. Os blogs foram analisados entre os dias 10/10/2008 a
10/11/2008.

Analisemos abaixo cada um dos objetos do estudo de caso.

3.1.1 Dia de Folga

O blog Dia de Folga apresenta-se da seguinte maneira (Figura 12).

FIGURA 12 - Imagem do blog Dia de Folga

Fonte: <http://www.diadefolga.com.br>. Acesso em: 25/10/2008


37

A seguir (Figura 13), um mapeamento através de cores a partir da mesma imagem


mostrando do que se trata cada campo apresentado na página inicial e com legenda
a seguir.

FIGURA 13 - Imagem do blog Dia de Folga

Fonte: <http://www.diadefolga.com.br>. Acesso em: 25/10/2008

Área do post

Perfil da blogueira e canal de contato direto com a mesma

Dicas e informações sobre ferramentas e recursos do blog

Anúncios que antecedem as postagens

Marca do blog, está sempre nessa posição

Produtos a venda/Loja Virtual

Recomendação de hospedagem de sites

Link para assinatura de RSS


38

O blog Dia de Folga apresenta-se em três colunas. A esquerda é dedicada ao perfil


da escritora (Lu Monte), um link para contato direto com a mesma, pesquisa de
opinião com os leitores, dicas e informações sobre ferramentas e recursos presentes
no blog, um atalho para uma série de recomendações de blogs e sites e links de
atualizações de blogs escolhidos pela blogueira. Já a coluna central é o espaço dos
novos posts, que também tem uma infinidade de recursos entre eles como anúncios,
comentários, posts relacionados, espaço para comentários, e compartilhadores35.
Por fim, na terceira coluna encontramos uma loja virtual, um link de recomendação
de hospedagem de sites, link para assinatura do RSS do blog, indicação de um
outro blog que conta com a escritora na equipe e o conteúdo do Dia de Folga
dividido por assunto, além de informações de direitos autorais.

Para verificar os recursos de interação padrões do Dia de Folga, ou seja,


características que estão em todas as atualizações, observemos inicialmente a
página do post do dia 27/09/2008, como pode ser visto na Figura 14.

No cabeçalho do post são apresentados anúncios em texto. Logo abaixo consta o


título da postagem, seguida de data, tema, e tags36. O post em si é composto por
vários links que indicam páginas do próprio Dia de Folga e também outros sites. Os
links que são tratados também como nós da estrutura entre redes de computadores
e assim possibilita interação segundo Landow (1992), já que assim o leitor toma
conta do ritmo de sua leitura, podendo a fazer de formas aleatórias conforme a
escolha de clicar ou não em algum link e ordenar a abertura e leitura das páginas.

35
É muito comum entre os blogueiros o uso de sites compartilhadores, conhecidos também como
agregadores. São sites que reúnem inúmeros posts sobre assuntos diversos, concentrando assim o
máximo de informações. Alguns dos agregadores mais usados no Brasil: www.ueba.com.br,
www.blogblogs.com.br, www.rec6.com.br, www.technorati.com, www.dihitt.com, www.linkto.com.br e
www.delicious.com
36
Tags: são palavras chaves, descritoras, que fazem referência a determinado conteúdo. Golder e
Huberman (2006) estudam processo dinâmico da web 2.0 no qual os usuários adicionam
“metadados” para compartilhar conteúdos, conhecido como indexação colaborativa (collaborative
tagging).
39

No fim de cada postagem constam figuras com preços, que se referem a ofertas da
loja virtual da blogueira que monetiza37 a página que mantém. Todos os anúncios da
página têm avisos de que o conteúdo trata-se de informações comerciais.

No rodapé do blog Dia de Folga são apresentadas uma caixa para busca de
conteúdo, e o uso de dois gadgets38 e a “assinatura” constando Política de
Privacidade, tempo ativo do blog e aviso de direitos autorais. Um dos gadgets
usados é o que insere as fotos mais recentes do Flickr, gerenciador de álbuns
virtual, em miniaturas. Com esse elemento, o leitor pode ver um pouco mais sobre a
blogueira, que posta fotos cotidianas, de fatos que muitas vezes não tem nenhuma
relação aos posts. Abaixo desse há o gadget do BlogBlogs, que é um indexador de
blogs brasileiro. Com a configuração e inclusão desse, é possível ver quem foram os
últimos a visitarem o blog. Para ter a foto incluída ali, basta ter cadastro no
Blogblogs e estar conectado. Através desse mesmo gadget, o leitor que tem
cadastro no site pode favoritar o blog que está visitando, visualizar as pessoas que
já o favoritou, ver o perfil da blogueira na mesma página, e ter mais uma opção de
RSS.

37
Monetizar um blog é o ato de tentar obter lucros através da página, geralmente através de anúncios
pagos ou outras possibilidades de publicidade.
38
Segundo a Wikipedia, Gadget é uma gíria tecnológica recente que se refere a, genericamente, um
equipamento que tem um propósito e uma função específica, prática e útil no cotidiano. São
comumente chamados de gadgets dispositivos eletrônicos portáteis como PDAs, celulares,
smartphones, tocadores mp3, entre outros. Em outras palavras, é uma "geringonça" eletrônica. Na
Internet ou mesmo dentro de algum sistema computacional (sistema operacional, navegador web ou
desktop), chama-se também de gadget algum pequeno software, pequeno módulo, ferramenta ou
serviço que pode ser agregado a um ambiente maio
40

FIGURA 14 - Imagem do blog Dia de Folga

Fonte: <http://diadefolga.com/revista-feed-se-especial-democracia/>. Acesso em: 26/10/2008

Abaixo das figuras dos produtos, consta o recurso “Leia Também”, que apresenta
posts anteriores que têm como assunto central algo relacionado ao que está sendo
41

lido. Essa escolha de indicações é feita automaticamente, com base nas tags
escolhidas pela blogueira.

Por fim, uma faixa rosa apresenta atalhos para compartilhadores de postagens,
número de comentários feitos naquele post, atalho para impressão da página e link
para trackback39.

Como padrão de blogs, todos os posts apresentam espaço para comentários de


leitores. Quando existentes, os comentários são publicados no fim da postagem em
questão. Nesse mesmo espaço também ficam registrados os trackbacks feitos. Na
Figura 15, de parte dos comentários feitos dessa mesma postagem são
apresentados.

39
Trackback: Espécie de notificação automática que um blog/programa envia para outro,
normalmente através dos comentários, avisando sobre a realização de uma postagem em um blog
que cita um post de outro blog. Também conhecido por linkblog, linkback e pingback.
42

FIGURA 15 - Imagem de comentários do post “Revista Feed-se Especial – Democracia”, do blog Dia
de Folga

Fonte: <http://diadefolga.com/revista-feed-se-especial-democracia/>. Acesso em: 26/10/2008


43

Nos três primeiros quadros apresentam-se comentários de leitores que passaram


pelo post e registraram recados no mesmo. A quarta mensagem é um trackback,
que mostra que um outro blog citou o post em questão em uma publicação.

Ambos os leitores que comentaram têm link associados a seus nomes, o que
caracteriza mais uma possibilidade de interação. Caso não conheça o indivíduo que
deixou determinado comentário, é possível saber um pouco do mesmo clicando no
nome daquele que deixa seu endereço de site e/ou blog. A maior parte dos
comentários é composta por pessoas que têm algum endereço a ser atribuído ao
seu nome, ou seja, são blogueiras e/ou escrevem para alguma página na Internet.

A blogueira usa também um sistema que possibilita ao leitor a criação de uma


identidade visual, com o uso de um avatar nos comentários. Para isso, o leitor
precisa fazer um cadastro no sistema conhecido como Gravatar40, incluir seu email e
a imagem que o representará quando postar comentários em blogs que tenham tal
aplicação instalada.

Em várias ocasiões, a dona do blog interage com seus leitores, respondendo aos
comentários feitos e muitas vezes dando continuidade à discussão proposta na
postagem, como pode ser observado na FIGURA 16. Foram escolhidos alguns
comentários que foram respondidos publicamente por Lu Monte.

40
Gravatar: disponível em <http://www.gravatar.com>
44

FIGURA 16 – Imagem de comentários do post “O Escafandro e a Borboleta”, do blog Dia de Folga

Fonte: <http://diadefolga.com/o-escafandro-e-a-borboleta/>. Acesso em: 26/10/2008

Às 10h28min do dia 14/08/2008 a leitora que se identifica como Carol Rodrigues


deixou um comentário no post em questão. Poucas horas depois, às 14h34min, a
blogueira Lu Monte respondeu, também através da ferramenta de comentários do
post, a mensagem da leitora. Três dias depois, o leitor que assina como Bender
também deixou sua mensagem pelos comentários e, dessa vez, a blogueira levou
um dia para responder. Percebe-se assim que não há uma padronização ou prazos
45

máximos para respostas de comentários. Com a Figura 16 observa-se ainda que a


resposta por parte da blogueira nem sempre é certa, já que algumas vezes ela não
deixa outro comentário.

Algumas vezes as respostas pela blogueira são feitas em comentários separados,


sendo um “bloco” de mensagem para cada leitor, como aconteceu no exemplo
acima, entretanto a reciprocidade aos leitores é feita também de outra forma. Lu
Monte também responde, algumas vezes, seus leitores em um só comentário,
separando as mensagens apenas antecedendo a resposta com o nome do
destinatário, conforme apresenta a Figura 17.

FIGURA 17 - Imagem de comentários do post “Parece Pouco?”, do blog Dia de Folga

Fonte: <http://diadefolga.com/parece-pouco/#comments>. Acesso em: 29/10/2008

No sistema de comentários usados no blog Dia de Folga há recursos que ajuda o


leitor a acompanhar a discussão sem ter que voltar à página em questão sempre. É
possível assinar o RSS exclusivamente dos comentários feito naquele post (que na
ocasião é chamado de artigo), de comentários feitos em todo o conteúdo do blog ou
ainda solicitar o recebimento dos mesmos através de email (independente de ter ou
não feito um comentário no post), conforme pode ser visto na Figura 18.
46

FIGURA 18 - Imagem do campo de comentários que aparece no fim de todos os posts do blog Dia de
Folga.

Fonte: <http://diadefolga.com/outubro-rosa-lembrancas/#comments>. Acesso em: 29/10/2008

Percebe-se assim várias possibilidades de interação no blog Dia de Folga, o que


favorece a conversação do leitor com a blogueira e até mesmo com outras pessoas
(sejam elas também leitoras do blog ou não).

3.1.2 Querido Leitor

O blog Querido Leitor, da apresentadora Rosana Hermann, apresenta-se distribuído


em duas colunas, sendo que a maior delas é destinada às postagens. A página
inicial do blog pode ser vista na Figura 19, e o mapa de características na Figura 20.
47

FIGURA 19 - Imagem da página inicial do blog Querido Leitor

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net>. Acesso em: 29/10/2008


48

FIGURA 20 - Imagem da página inicial do blog Querido Leitor mapeada

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net>. Acesso em: 29/10/2008


49

Área do post

Marca do blog, está sempre nessa posição

Link para assinatura de RSS

Anúncios publicitários sempre presentes nessa posição

Número de leitores online

Últimos comentários feitos por leitores

41
Links para vídeos e foto: o primeiro é um streaming feito pelo iPhone da blogueira, o
segundo é a mesma apresentando seu currículo em vídeo. A terceira imagem trata-se da foto mais
recente do Flickr da blogueira.

Área com links da blogueira em outras redes sociais, como Twitter, e canais de contato direto
com a mesma

Espaço que apresenta últimas notícias publicadas no site Folha Online.

Na parte superior do blog, no mesmo quadro que encontra-se o nome Querido Leitor
e uma fotografia constam também duas abas na parte de cima, “Farofa” e “Desde
2000”. O primeiro direciona o leitor para o seu antigo site, que tem o mesmo nome
da aba. O mesmo só é aberto através do site Web Archive, que recupera a imagem
de páginas que já saíram do ar. Já o segundo leva o leitor ao blog do antigo site
Farofa, cuja página ainda está no ar, porém desatualizada desde dezembro de 2000.

41
Streaming (fluxo, ou fluxo de mídia em português) é uma forma de distribuir informação multimídia
numa rede através de pacotes, segundo a Wikipedia. É freqüentemente utilizada para distribuir
conteúdo multimídia através da Internet. Em streaming, as informações da mídia não são usualmente
arquivadas pelo usuário que está recebendo a stream (a não ser a arquivação temporária na memória
do sistema ou que o usuário ativamente faça a gravação dos dados) - a mídia geralmente é
constantemente reproduzida à medida que chega ao usuário se a sua banda for suficiente para
reproduzir a mídia em tempo real. Isso permite que um usuário reproduza mídia protegida por direitos
autorais na Internet sem a violação dos direitos, similar ao rádio ou televisão aberta.
50

Abaixo da imagem com a marca do blog, consta uma linha horizontal com links para
assinar o RSS e anúncios publicitários.

Na coluna localizada à esquerda, inicialmente encontramos um gadget que


apresenta ao leitor quantas outras pessoas estão navegando na página naquele
momento. Logo abaixo, “comentários dos QLs” (queridos leitores, como chama a
própria blogueira) mais recentes aparecem. Caso seja feito o clique em algum
desses comentários, uma janela pop-up42 é aberta mostrando exatamente o
comentário em questão, sem apresentar o post na mesma página.

Seguindo a coluna, encontra-se mais recursos multimídia. Um player de vídeos, que


conta com o título “Streaming do iPhone-via Qik”. Trata-se de vídeos feitos pela
blogueira através de seu celular usando o sistema do Qik43, que é um serviço que
possibilita a transmissão em streaming através do celular, ao vivo. Através disso, o
leitor do blog pode ter a oportunidade de ver as filmagens vindas do celular de
Rosana ao vivo e sem sair da página da mesma.

Pode-se dizer que pela primeira vez na história conglomerados midiáticos e


produtores independentes podem trabalhar em igualdade de condições
tecnológicas. Se fanzines e rádios livres estavam em desvantagem em
relação ao alcance e qualidade técnica de jornais e rádios broadcast, a
mesma lógica não se aplica à blogosfera. Hoje, as condições tecnológicas
do meio (o blog/programa) podem ser idênticas em diferentes níveis
midiáticos, mas o dispositivo de comunicação se configura de maneira
distinta (Primo, 2008, p.14)

A afirmação acima citada pode ser confirmada com as publicações feitas pela
blogueira em questão. Com a Internet, a mesma tem ferramentas disponíveis para
gerar conteúdo assim como demais conglomerados midiáticos.

Ainda na segunda coluna do Querido Leitor, uma miniatura da última foto postada no
Flickr da blogueira é apresentada, sem link para visualização da mesma no tamanho
original ou para seu álbum completo.

42
O pop-up é uma janela extra que abre no navegador ao visitar uma página web ou acessar uma
hiperligação específica. A pop-up é utilizada pelos criadores do sítio para abrir alguma informação
extra ou como meio de propaganda, de acordo com a Wikipedia
43
Qik: disponível em <http://www.qik.com>
51

Abaixo, apresenta-se o título “Sobre o Blog” que traz links e informações da


blogueira. Links para um currículo em texto, para um blog institucional mantido
também por ela, para os arquivos de material já publicado no Querido Leitor, e
também de seus perfis no Twitter, Blip.fm44 e por fim, no Flickr. Um pouco a seguir
há o link para a compra de seu livro publicado.

Após isso, aparecem mais informações do blog, acompanhados do email de contato.


Selos com a marca do blog e com um contato de acessos compõem esse espaço.

A segunda coluna se estende ainda apresentando mais de cinqüenta links que são
classificados como “Blogs de amigos, textos meus, links”. Nessa mesma lista o link
para o Twitter de Rosana volta a aparecer.

Abaixo, uma área com o nome “Arquivo” apresenta links de postagens desde de
08/06/2003 até a semana mais recente.

Por fim, a segunda coluna se encerra com links com o título “Template by”, que
fazem referência ao visual da página, um selo do Uol Blog (que hospeda o site) e do
perfil do blog no Technoratti.

Já os posts publicados no Querido Leitor são sempre marcados com um ícone (um
dedo apontando o título do conteúdo). Logo em seguida aparece todo o post em si,
que é finalizado com a assinatura “um beijo, um browse, um aperto de mouse da
Rosana Hermann”, seguido do horário exato da publicação, como pode ser visto na
Figura 21.

44
Blip.Fm é uma rede social que consiste em postagem de músicas com mensagens curtas,
parecidas com a do Twitter. É possível adicionar outros usuários ao seu perfil e interagir com eles
através dos textos que acompanham as postagens.
52

FIGURA 21 - Imagem do post “Dia Nacional do Livro”, do blog Querido Leitor

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net/#2008_10-28_23_52_46-128170460-0>. Acesso em: 29/10/2008

Após a assinatura do post, é disponibilizada uma opção também de interação do


leitor, onde ele pode recomendar e encaminhar aquele texto para alguém através de
email, bastando clicar em “envie este post” e preencher a janela pop-up (Figura 22).
53

FIGURA 22 - Imagem da janela pop-up de “envie este post” do blog Querido Leitor

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net/#2008_10-28_23_52_46-128170460-0>. Acesso em: 29/10/2008

Tal recurso oferece ao leitor a possibilidade de compartilhar aquilo que foi lido com
outras pessoas através de email, ou até mesmo “salvando” a publicação na própria
caixa de emails.

A pessoa que recebe o email com a indicação do post vê apenas o link daquela
postagem, como pode ser visto na Figura 23 (capturada através de um teste feito
pela autora).
54

FIGURA 23 - Imagem do email enviado pelo sistema de envio de post do blog Querido Leitor

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net/#2008_10-28_23_52_46-128170460-0>. Acesso em: 29/10/2008

Abaixo do recurso “Envie este post”, consta em letra mais clara “permalink”, que é o
endereço específico daquela postagem podem ser usados em casos de trackbacks,
e por fim, o número de comentários já feitos com o link que abre os mesmos em uma
janela pop-up.

A seguir, na Figura 24, a imagem da página de comentários do Querido Leitor, onde


mostra um trecho de mensagens deixadas pelos leitores do blog.
55

Figura 24: Imagem de trecho comentários do post “32 de milhões de dólares é pouco”, do blog
Querido Leitor

Fonte: <http://queridoleitor.zip.net/#2008_10-28_14_47_14-128170460-0>. Acesso em: 29/10/2008

Após buscar em inúmeros posts que demonstrassem interações entre a blogueira e


seus leitores através da página de comentários, foi enviado um email à Rosana
Hermann perguntando se tal relacionamento era feito. Na resposta, Rosana
informou que lê todos os comentários, uma vez que cada um passa por sua
moderação, mas responde apenas alguns. Os comentários deixados pela dona do
blog aparecem em vermelho junto às demais mensagens, que costumam estar em
fonte preta (Anexo A).
56

Outra possibilidade de interação presente no blog é um chatbox45, apresentado no


fim da página. O widget chamado Shoutbox46 é usado no Querido Leitor como uma
sala de bate-papo dentro do próprio blog, destinado àqueles que passam pela
página. A janela mostra as mensagens inseridas de forma cronologicamente
inversa, apresentando o nickname do participante da conversa, a mensagem e
quando ela foi postada, como pode ser visto na Figura 25.

FIGURA 25 - Caixa da sala de bate papo inserida dentro do blog Querido Leitor

Fonte: <http://www.queridoleitor.zip.net>. Acesso em: 07/11/2008

Com base na imagem acima, percebe-se ainda que o widget possibilita o envio de
emoticons nas mensagens, informa quantas pessoas estão conectadas online

45
Chatbox: uma espécie de caixa que pode ser inserida dentro de um site ou blog com espaço para
conversação. Uma sala de bate papo dentro daquela página, sendo que para participar basta acessar
o site específico.
46
Shoutbox:disponível em <http://www.shoutmix.com/main/>
57

naquele momento e se o usuário que enviou mensagens encontra-se ainda


conectado ou não à página no momento do acesso.

O blog Querido Leitor, portanto, também dá inúmeras oportunidades para que o


leitor interaja naquele ambiente.

3.2 Interações no Twitter

Conforme visto anteriormente, existem algumas possibilidades de interação dentro


do Twitter. A mais básica, e constante delas, é a conversação que é feita com uso
do caractere “@” precedendo o nome do destinatário da mensagem (Figura 26).

FIGURA 26 - Tela do Twitter quando incluído o caractere “@”. O título da caixa é automaticamente
mudado para a ação (reply)

Fonte: <http://www.twitter.com/home>. Acesso em 25/11/2008

Tendo em vista o que foi definido na metodologia, aqui serão analisadas interações
feitas no Twitter de cada uma das blogueiras selecionadas, Lu Monte (que no Twitter
é @lumonte) e Rosana Hermann (que no Twitter é @rosana).

É importante observar que no Twitter, nem sempre as interações são recíprocas.


Muitas vezes uma mensagem é publicada fazendo referência a um outro usuário e o
emissor não obtém resposta do mesmo. Isso pode ocorrer pelo simples fato do
destinatário realmente não querer responder, ou ainda por ele não ter visto a
mensagem, uma vez que o Twitter apresente os replies de forma deficiente: só
aparecem na aba “replies” mensagens que tiveram o seu nome com @ no início. Se
a referência à pessoa estiver no meio do texto, este não será filtrado pelo sistema.

Para o usuário saber quem falou dele em algum momento (independente desse
mecanismo de replies), pode ser usado o sistema de busca do próprio Twitter, já
58

citado anteriormente. Pelo fato desse buscador ser público, é possível saber
também “quem falou de quem”, uma vez que replies não são particulares (Figura 27)

FIGURA 27 - Imagem de mensagens encontradas que citaram em algum momento @lumonte

Fonte: <http://search.twitter.com/search?q=lumonte>. Acesso em: 29/02/2008

Enquanto comentários sustentam conversações nos blogs, no Twitter podemos ver a


troca de mensagens com o mesmo papel. “Disso decorre a associação que se
costuma fazer entre microblogs e serviços de mensagem instantânea, como MSN
Messenger e Google Talk” (Zago, 2008, p. 35).
59

Através do aplicativo Tweader47, é possível visualizarmos mensagens que


apresentam a interação mais comum no Twitter (a troca de replies, já citada acima),
de forma mais organizada, como um bate-papo (Figura 28)

FIGURA 28 - Conversação feita através do Twitter, organizada visualmente através do aplicativo


Twader.

Fonte: <http://www.tweader.com>. Acesso em 31/10/2008

Também é possível a participação de mais de uma pessoa em um só assunto, já


que o Twitter apresenta a pulverização como característica (Figura 29).

47
Tweader: disponível em <http://tweader.com/>
60

FIGURA 29 - Conversação feita através do Twitter, organizada visualmente através do aplicativo


Twader

Fonte: <http://www.tweader.com>. Acesso em 25/11/2008

Na figura acima é possível vermos, em ordem cronologicamente inversa, a pergunta


da usuária Lu Monte e a resposta de outros dois usuários, referente à mesma
mensagem. A segunda mensagem de cima para baixo ainda apresenta Lu Monte
interagindo com a pessoa que se identifica como Guezth, ao agradecer a resposta.
Em seguida, o usuário chamado Arcanjo envia um texto referente à mensagem
apresentada no final da imagem, e citando ainda um outro usuário do Twitter,
boombust no assunto, fazendo assim mais uma conexão.

Através do Twitter, é comum os blogueiros divulgarem posts de seus blogs e, em


algumas vezes, debater e conversar sobre conteúdos do mesmo através do
microblog, e não através da parte de suas páginas determinadas para comentários e
tal tipo de interação.

Essa interação entre usuários do Twitter não dependem diretamente da


reciprocidade. Um usuário pode responder o outro mesmo que apenas um deles o
siga, não tornando a relação recíproca. O mesmo exemplo da Figura 29 pode ilustrar
61

isso. A usuária que se identifica como Dannyfofolete segue Rosana, entretanto o


oposto não acontece.

Um aplicativo chamado “Does Follow” (Figura 30) é capaz de mostrar se um usuário


segue um outro, bastando apenas incluir seu nome de identificação no Twitter.

FIGURA 30 - Reprodução da página inicial onde se insere os nomes dos usuários do Twitter e da
resposta dada pelo sistema (nope, que é uma gíria usada na Internet como a palavra “não”)

Fonte: <http://doesfollow.com/>. Acesso em: 31/10/2008

Na figura 31 é possível vermos uma mensagem postada por Lu Monte, onde alguma
novidade de seu blog é divulgada através de um link. O endereço indicado
(<http://moourl.com/npf1v0> se refere indiretamente ao blog da mesma.. Ele foi
enviado com este nome por ter sido compactado48, uma vez que o Twitter limita as
postagens em 140 caracteres, conforme já explicado.

48
Existem vários sites de compactação de links. Eles criam um novo link para o endereço informado,
com menores caracteres, mas se acessados redirecionam o usuário para a página indicada pelo
emissor. Compactadores freqüentemente usados no Twitter: <http://www.tinyurl.com>,
<http://www.moourl.com>
62

FIGURA 31 - Mensagem de @lumonte postada através do Twitter

Fonte: <http://twitter.com/lumonte/statuses/995190991>. Acesso: 10/11/2008

Assim como em chats, no Twitter também é comum o uso de emoticons, fato que já
foi citado anteriormente (Figura 32).

Talvez os emoticons sejam a marca mais prototípica da transmutação que


se reflete na escrita do chat , pois sinais de pontuação, letras, números e
outros caracteres são combinados, a fim de transmitir emoções e outras
manifestações de uma comunicação face a face. (ARAÚJO, 2003, p. 100)

FIGURA 32 - Mensagem publicada por Lu Monte onde aparece o uso de um emoticon :).

Fonte:<http://twitter.com/lumonte/status/996643995>. Acesso em: 10/11/2008

Conforme citado na taxonomia feita sobre o conteúdo do Twitter, também é


freqüente o uso do sistema para difusão de notícias diversas
63

Muitos usuários reproduzem últimas notícias ou comentam sobre eventos


atuais no Twitter. Alguns agentes ou usuários automatizados postam
atualizações como boletins sobre o clima ou novas histórias a partir de RSS
feeds. Esta é uma aplicação interessante do Twitter que surgiu por conta do
acesso fácil à API do desenvolvedor (Java et al., 2007, p. 8)

A próxima ilustração (Figura 33) conta uma mensagem postada pela Rosana,
fazendo um comentário relacionado à notícia que pode ser lida ao clicar no link. O
endereço indicado por ela segue para a página do jornal internacional Dallas News49
com uma notícia envolvendo o Twitter, o Youtube e as eleições norte-americanas.

FIGURA 33 - Mensagem enviada por Rosana, onde ela reporta o link de uma notícia acompanhado
de um comentário

Fonte: <http://twitter.com/rosana/status/988164112>. Acesso em: 10/11/2008

A possibilidade de comunicar de forma privada com outros usuários no Twitter


também caracteriza uma relação de interação. O Twitter permite o envio de
mensagens diretas e particulares para pessoas que são suas seguidoras, e o
recebimento do mesmo tipo de mensagem proveniente de pessoas que são

49
A notícia está disponível em
<http://www.dallasnews.com/sharedcontent/dws/news/politics/national/stories/110308dnpoltwitterelex.
155a374.html>
64

seguidas pelo o usuário. Para enviar uma mensagem direta, basta usar o caractere
“d” antes do nome de usuário e o texto (Figura 34).

FIGURA 34 - Tela do Twitter quando incluído o caractere “d”. O título da caixa é automaticamente
mudado para a ação (direct message)

Fonte: <http://www.twitter.com/home>. Acesso em 25/11/2008

Tendo visto tais possibilidades de interação no Twitter, podemos afirmar que a


agilidade, pulverização de conversações e disseminação de informações são
características relevantes no que se trata a comunicação feita através do microblog.
65

4 Conclusão

A possibilidade de interação presente nos blogs e no Twitter é o que dá sentido a


tais páginas. Conforme informações apontadas nesta pesquisa, tanto os blogs
quanto microblogs têm números de acessos consideráveis, se tornando notáveis
meios de publicação. Com a interação como característica de cada uma das
ferramentas de publicação, o conteúdo que passa por ali toma “rumos” diferentes e
ganha um dinamismo particular, se comparado a outros meios.

Através de dados informados neste trabalho, podemos ver que nos blogs é comum
observarmos a interação sendo apresentada de inúmeras formas, como em
comentários, possibilidade de envio de emails, conversação através dos
comentários, e demais serviços disponibilizados por widgets.

Já no Twitter, a primeira vista, a interação é menor, no entanto o que acontece é a


redução das formas de representação da interação, se comparadas com os blogs,
uma vez que a troca de mensagens (replies) pelo microblog é muito intensa, fazendo
com que a interação seja proporcionalmente forte e presente. O Twitter também se
torna particular devido a sua assincronia da interação feita ali, já citada nesta
monografia.

Pode parecer que a interação se faz mais presente nos blogs que nos microblogs,
mas tal impressão fica evidente pelo fato de se ter inúmeras formas de expressão da
mesma no primeiro. O que acontece no Twitter é pura interação também, entretanto
ela se apresenta de forma mais única: através dos replies. Vez ou outra a mesma se
apresenta através de usos de aplicativos. A pulverização de informações grifa
também a particularidade do serviço, trazendo um diferencial às interações
conhecidas até então na Internet.

Portanto, percebe-se que a interação é uma das características mais importantes


para a constante evolução e ampliação de conteúdo, tanto nos blogs quando no
Twitter. Cada uma a sua maneira, com suas particularidades, os blogs e o Twitter,
66

por fim, têm a interação enquanto característica comum, porém, cada um é levado
de acordo com sua particularidade.
67

5 Referências

ALZAMORA, Geane. Cultura em Fluxo: novas mediações em rede. Belo


Horizonte. Editora PUCMinas, 2004.

BLOOD, Rebeca (org), We`ve got blog: how weblogs are changing our culture.
Cambridge (USA), Perseurs, 2002, p19-20; e P. Bausch; M.Haughey, e M. Hourihan,
We Blog: Publishing Online with Weblogs. Indianapolis (USA). Wiley Publishing,
2002, p 294.

BLOOD, Rebeca. Weblogs and Journalism: Do They Connect? Nieman Reports,


n.3, v. 57, p.61-63, 2003.

BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinânica da


pesquisa em Ciências Sociais: os pólos da prática metodológica. 5 ed. Rio de
Janeiro: Francisco Alvez, 1991

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet. Rio de Janeiro. Editora Jorge Zahar,


2003.

DIZARD, Wilson Jr. A Nova Mídia. Rio de Janeiro, Editora Jorge Zahar, 2000.

DUARTE & BARROS. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação, 2005.

ESCOBAR. Juliana Lúcia. A possibilidade da construção de relacionamentos


sociais através das interações nos espaços de comentários dos blogs. (Artigo
publicado em 2007). Disponível em
<http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-1877-1.pdf>.
Acesso feito em 20/10/2008

FORTUNATI, L., Italy: stereotypes, true and false., in KATZ, J.E; AAKHUS,M.,
Perpetual Contact. Mobile communication, private talk, public performance.
Cambridge University Press, 2002, pp. 42-62.
68

GOLDER, Scott A.; HUBERMAN, Bernardo A. Usage patterns of collaborative


tagging systems. Journal of Information Science, v. 32, n. 2, p. 198-208, 2006.
Disponível em: <http://jis.sagepub.com/cgi/content/abstract/32/2/198>. Acesso em:
26/10/2008.

GOODE, William J.; HATT, Paul K. Métodos em pesquisa social. 7. Ed. São Paulo:
Nacional, 1979

JAVA, Akshay; SONG, Xiaodan; FININ, Tim; TSENG, Belle. Why We Twitter:
Understanding Microblogging Usage and Communities. Procedings of the Joint
9th WEBKDD, 2007. Disponível em:
<http://ebiquity.umbc.edu/paper/html/id/367/Why-We-Twitter-Understanding
Microblogging-Usage-and-Communities>. Acesso em: 10/10/2008.

KATZ, J.E; AAKHUS,M., Perpetual Contact. Mobile communication, private talk,


public performance. Cambridge University Press, 2002.

LANDOW, George P. Hipertexto: la convergência de la teoria crítica


contemporânea y la tecnologia. Barcelona: Paidós, 1992.

LEMOS, André. A Arte da Vida. Diários Pessoais e Webcams na Internet. In:


Cultura da Rede. Revista Comunicação e Linguagem, Lisboa, 2002.

LEMOS, André. Cibercultura e Mobilidade: a Era da Conexão. (Artigo publicado


em 2004). Disponível em
<http://www.razonypalabra.org.mx/anteriores/n41/alemos.html>. Acesso em:
27/10/2008.

LEMOS, André. Podcast. Emissão sonora, futuro do rádio e cibercultura.


404nOtF0und, n. 46, Jun 2005.

McFEDRIES, Paul. All A-Twitter. Spectrum, IEEE Publication, v. 44. n. 10, p. 84,
2007.
69

MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo on line e os espaços do leitor: um estudo de


caso do Net Estado. Dissertação de Mestrado – UFRGS/PPGCOM, Porto Alegre,
1998.

MISCHAUD, Edward. Twitter: Expressions of the Whole Self. 2007. Dissertação


de Mestrado. London School of Economics, Department of Media and
Communications, Londres, 2007.

NARDI, Bonnie; SCHIANO, Diane; GUMBRECHT, Michelle - Blogging as social


activity, or, would you let 900 million people read your diary? In: CSCW '04:
Proceedings of the 2004 ACM conference on Computer supported cooperative work,
2004. ACM.

ORIHUELA, Jose Luis. Weblogs: el médio y el mensage. Nuestro Tiempo.


Pamplona, Espanha, n. 601-602, jul./ago. 2004, p. 48-53.

ORTEGA Y GASSET, J., A rebelião das massas. Rio de Janeiro, Livro Ibero-
Americano, 1962.

ORTIZ, Renato. Mundialização e Cultura. São Paulo. Editora Brasiliense, 1994.

PRETTO, Nelson De Luca, SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Além das Redes:
Internet, diversidade, cultural e tecnologias do poder. Editora EDUFBA, 2008.

PRIMO, Alex ; SMANIOTTO, Ana Maria Reczek . Comunidades de blogs e


espaços conversacionais. Prisma.com, v. 3, p. 1-15, 2006.

Primo, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura,

Cognição. Porto Alegre: Sulina, 2007

PRIMO, Alex. Interney blogs como micromídia digital: elementos para o estudo
do encadeamento midiático. Disponível em
<http://www.compos.org.br/data/biblioteca_416.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de
2008
70

RECUERO, Raquel. Webrings: As Redes de Sociabilidade e os Weblogs.


Sessões do imaginário, Porto Alegre, v. 11, p. 19-27, 2004.

RECUERO, Raquel. Teoria das Redes e Redes Sociais na Internet:


Considerações sobre o Orkut, os Weblogs e os Fotologs. XXVII Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação, Porto Alegre, RS, 2004.

TAPSCOTT, Don; WILLIAMS, Anthony. Wikinomics: Como a Colaboração em


Massa Pode Mudar o Seu Negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

TAVARES, Eduardo Tavares. Conhecimentos livres e novas dinâmicas políticas:


O significado do coletivo metareciclagem. Belo Horizonte. Fafich,2007.

SCHITTINE, Denise. Blog: comunicação e escrita íntima na internet. Rio de


Janeiro. Editora Civilização Brasileira, 2004

SPYER, Juliano. Conectado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007

ZAGO, Gabriela da Silva. Jornalismo Em Microblogs: Um Estudo Das


Apropriações Jornalísticas Do Twitter. (Dissertação: monografia. PUC/RS), 2008.
71

Anexo A - transcrição do email enviado no dia 30 de outubro de 2008 à blogueira


Rosana Hermann, criadora do blog Querido Leitor.

Olá Rosana,

tudo legal?
Como havia comentado recentemente, estou estudando seu blog na
minha monografia. Tenho uma dúvida sobre o blog: você costuma
responder comentários dos leitores? Caso sim, como? Na própria página
de comentários, em privado? Se respondeu algum recentemente, se
puder me envie o link por favor?

Muito obrigada pela atenção novamente,

Raquel Camargo

Resposta:

RAquel

Eu leio todos os comentários pois eu os aprovo um a um

Respondo a alguns, em vermelho. Tenho um código no template para que


minha resposta fique destacada a não se confunda com o que o leitor
escreveu.

é só você ver nos comentários.

Um beijo, um browse, um aperto de mouse da Rosana Hermann