Vous êtes sur la page 1sur 2

de novo e ela disse-me o que havia acontecido.

Eu respondi que tinha este problema devido a


um fato interessante. A minha mãe adotiva
disse-me que em vez de ficar amargurada
deveria alegrar-me por ter sobrevivido. Quando
eu tinha 17 anos, a minha mãe adotiva
encontrou-se com a minha mãe biológica e
disse-lhe que eu a perdoava. Sou cristã.
Acredito que a revolta nos pode consumir a
vida. A minha mãe adotiva amou-me tanto que
eu não sinto necessidade de me encontrar com a
minha mãe biológica. A minha mãe biológica
Gianna Jessen, inglesa não pediu perdão, soube que fez outro aborto
Testemunho de uma abortada depois do meu. Comecei a falar contra o aborto
quando tinha 14 anos e na terça- feira falarei na
A minha mãe biológica estava grávida de sete câmara dos comuns [da Inglaterra, onde o
meses e meio quando decidiu abortar-me. aborto é legalizado desde 1967]. Eu penso que é
Estávamos em 1977. Ela e o meu pai biológico importante mostrar o que aconteceu comigo não
tinham 17 anos na altura e não estavam só para mostrar a verdade do aborto, mas
casados. Ela decidiu abortar numa clínica de também para mostrar as potencialidades que
Los Angeles e realizou um aborto salino. Uma cada um de nós tem dentro de si. Sou
solução com sal é injetada no ventre materno e completamente contra o aborto, seja em que
o bebê a engole e fica queimado por dentro e circunstância for: mesmo em casos de violação.
por fora. Nesse tipo de aborto, o bebê é Embora a violação seja um crime horroroso não
expelido morto em 24 horas, mas eu sobrevivi. deve ser a criança a pagar por esse crime. De
O Aborcionista não estava de serviço quando eu fato, encontrei-me com pessoas produto de
vim ao mundo porque se isso tivesse acontecido violações e elas estão gratas por estar vivas. Se
ele tinha-me estrangulado, algo que era o aborto é um direito das mulheres quais são
considerado perfeitamente legal até 2002. A os meus direitos? Não existiam protestos
única pessoa preocupada comigo foi a feministas contra o fato dos meus direitos
enfermeira. Ela chamou uma ambulância e fui estarem a ser violados no dia em que fui
transportada para o hospital. Fui colocada numa queimada viva. Todos os dias agradeço a Deus.
incubadora. Não se esperava que eu Não me considero um monte de células, nem
sobrevivesse. Porém sobrevivi. Devido a ter nenhum dos nomes que se costumam dar ao que
estado 18 horas sem oxigênio, sendo queimada a mulher carrega no seu ventre. Hoje um bebê
viva no ventre da minha mãe, fiquei com é um bebê quando isso convém. Mas quando
problemas. Não me conseguia mover por mim não convém, quando não chega no momento
mesma e os médicos afirmavam que eu iria certo, é chamado de um monte de células. Um
viver num estado vegetativo o resto da vida. A bebê é chamado de Bebê quando um aborto
minha mãe adotiva - Penny - decidiu que não espontâneo ocorre aos 2 , 3 ou 4 meses. Um
obstante aquilo que os médicos afirmavam, ela bebê é chamado de monte de células quando um
tentaria recuperar-me. Com 3 anos e meio aborto induzido ocorre aos 2, 3 , ou 4 meses. Eu
comecei a conseguir andar. Foi quando a filha não vejo diferença entre os dois. Acredito que
de Penny me adotou. Tenho 28 anos e trabalho sou a prova viva de que o aborto é o assassínio
como música em Nashville, Tennesse. de um ser humano. A minha Mãe biológica há
Ainda coxeio e por vezes caio, mas já participei 28 anos estava convencida de que tinha
numa maratona e irei participar para o ano direito a escolher, de que tinha direito a uma
n’outra em Londres, para jovens deficientes. A escolha que só a afetaria a ela. Porém em
minha mãe adotiva falou-me do meu passado. cada dia da minha vida eu carrego as
Sempre senti que havia algo que faltava contar. conseqüências da sua escolha. Embora eu
Perguntava-lhe muitas vezes porque tinha nada tenha contra ela, acho importante as
problemas e ela respondia-me que eu havia pessoas refletirem antes de tomarem
nascido prematura. Aos 12 anos, perguntei-lhe determinadas decisões.
1. É melhor matar um bebê do que vê-lo lembrar que geralmente a mulher tem poucos
passar fome no futuro? Claro que não! Jamais dias férteis por mês. Se o estupro não ocorre
devemos matar um ser humano inocente. Nem nesse prazo, não ocorre gravidez. E se o estupro
temos que deixá-lo passar fome. Como cristãos, ocorre nos dias férteis, também não é certo que
somos obrigados a fazer de tudo para suprir a mulher engravide, porque ela pode atrasar a
suas necessidades. A fome não é inexorável. Ela ovulação por conta do stress provocado pelo
só acontece com tanta freqüência porque os estupro. Acontecendo, entretanto, a gravidez,
homens não cumprem seus deveres. Mas isto por que punir o bebê com uma sentença de
não é razão para tirar a vida, sobretudo do morte por um crime alheio?
próximo inocente. Morte não acaba com a fome
de ninguém. Menos ainda no futuro. 8. A mulher tem o direito de abortar porque
tem direito ao próprio corpo? A mulher não é
2. A mãe solteira deve fazer o aborto por formado de cabeça, tronco, membros e bebê,
vergonha da sociedade? Vergonha é cometer este é outro ser humano e não uma parte do
um assassinato diante de Deus. É a Deus que corpo da mãe. É uma presunção alguém achar
vamos prestar contas. que é dono da vida de outra pessoa e que tem o
direito de matá-la.
3. O que fazer no caso de adultério? O
adultério é um erro grave, que deve ser evitado 9. O aborto deixa conseqüências? Além da
a qualquer custo. O aborto é um erro muito morte do bebê, muitas mulheres sofrem graves
mais grave do que a traição é um assassinato. conseqüências físicas e psicológicas que se
manifestam próxima ou tardiamente. Pode
4. Um bebê física ou mentalmente deficiente ocorrer perfuração do útero, hemorragia, perda
deve ser eliminado antes de nascer? Claro de órgãos reprodutores, choque anafilático,
que não! Seria o mesmo que autorizar a maiores possibilidades de esterilidade, abortos
eliminação de todos os deficientes físicos e espontâneos, gravidezes nas trompas,
mentais que estão nas ruas, porque cada ser nascimentos prematuros e morte.
humano começa a existir no momento da Psicologicamente: o sentimento de culpa,
concepção. Além disso, não somos nazistas em sensações de perda, tristeza profunda,
busca de uma raça supostamente perfeita. Quem diminuição da auto-estima, associação do bebê
somos nós para julgar e condenar à morte abortado com outras crianças, distorção do
aqueles que Deus criou para amarmos? instinto maternal e sentimento de
desumanização.
5. Em caso de Rubéola? A rubéola não deixa
seqüelas tão facilmente quanto se imagina. E 10. A legalização do aborto tornaria o aborto
mesmo que isso aconteça, o bebê deve nascer e mais seguro para a mulher? Nenhum aborto é
viver, é claro! Ainda que ele tenha algum seguro (em clínicas clandestinas ou de luxo).
“defeito”, ele é um ser humano, cujo direito de Seguro é não abortar. É sempre prejudicial à
existir deve ser respeitado. mulher e fatal ao bebê. Se o aborto nem sempre
deixa conseqüências físicas, as seqüelas
6. Na gravidez de alto-risco, qual vida seria psicológicas são inevitáveis, às pessoas ligadas
mais importante: a da mãe ou a do filho? As à mãe e ao pai do bebê abortado inclusive.
duas são valiosas e têm sua importância. Se a Além disso, legalizar o assassinato pré-natal é
medicina hoje dispõe de recursos para salvar admitir a pior de todas as injustiças sociais e o
ambas, o médico jamais deveria praticar um total desrespeito a um direito fundamental do
aborto ou aconselhá-lo, pois o direito das duas ser humano: o direito de nascer e viver.
vidas é igual e não está submetido à decisão de
um médico ou de qualquer outra instância 11. Pode-se admitir o aborto provocado em
humana. Só Deus é o Senhor da vida e da algum caso? Não! O aborto induzido/
morte. provocado é sempre o assassinato do filho pela
7. E no caso de estupro? O estupro é uma mãe (e cúmplices). Em alguns países, a lei
violência intolerável que deve ser prevenida e começou permitindo essa atrocidade em alguns
combatida por todos os meios. Contudo, é bom casos até legalizá-la totalmente.

Centres d'intérêt liés