Vous êtes sur la page 1sur 76

UNaM

Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales Área de Idiomas

Material de cátedra para

Português Instrumental I

Prof. María A. Carrattini Prof. Norma B. Castelli Prof. Mª. Rosana Enriquez Prof. Del Pilar Sanabria

2

2 EDITORIAL UNIVERSITARIA DE MISIONES San Luis 1870 Posadas - Misiones – Tel-Fax: (03752) 428601 Correos

EDITORIAL UNIVERSITARIA DE MISIONES

San Luis 1870

Posadas - Misiones – Tel-Fax: (03752) 428601

Correos electrónicos:

direccion@editorialunam.com.ar

producción@editorialunam.com.ar

administracion@editorialunam.com.ar

ventas@editorialunam.com.ar

http://editorial.unam.com.ar

Colección: Cuadernos de Cátedra

Coordinación de la edición: Claudio Oscar Zalazar

ISBN 978-950-579-195-8 Impreso en Argentina

©Editorial Universitaria

Carrattini, María Adhelma; Norma B. Castelli; Ma. Rosana Enriquez; Del Pilar Sanabria Portugués instrumental I. - 1a ed. - Posadas : EDUNAM - Editorial Universitaria de la Universidad Nacional de Misiones, 2011. Internet. ISBN 978-950-579-195-8 1. Enseñanza de Portugués . I. Título. CDD 469

Fecha de catalogación: 24/03/2011

3

Las autoras:

  • CARRATTINI, María adhelma

Periodista, Profesora en Portugués, Especialista en Educación Superior y Mgter. En Docencia Universitaria. Traductora de Portugués .Docente en la Carrera de Comunicación Social, en el

Área de Idiomas y en el Profesorado de Portugués de la Fac. de Humanidades y Ciencias Soc.

de la UNaM ..

mariacarrat@yahoo.com.br

  • CASTELLI, Norma Beatriz

Profesora en Francés, Portugués y Letras. Ayte. de 1ª en Portugués Instrumental Niveles I y II del Área de Idiomas de la Fac. de Humanidades y Ciencias Soc. de la UNaM y en Escuelas del Nivel Medio. Betty_franport@hotmail.com

  • ENRIQUEZ, María Rosana

Profesora en Portugués. Adscripta en Portugués Instrumental Nivel I del Área de Idiomas de la Fac. de Humanidades y Ciencias Soc. de la UNaM.

Rectora

en

el

Instituto

“Nuestra

Señora

de

Fátima”

mariarosanaenriquez@hotmail.com

de

la

ciudad de Posadas.

  • SANABRIA, Del Pilar

Es Profesora y Licenciada en Letras, Profesora en Portugués y Especialista en Educación

Superior. Docente titular

en

el

Área

de

Idiomas

y

en

el Área de Formación

Docente

del

Profesorado de Portugués de la Fac. de Humanidades y Ciencias Soc. de la UNaM.

Delpy05@yahoo.com.br

4

Introducción PORTUGUÉS INSTRUMENTAL: nuestra propuesta.

Desde el Área de Idiomas, se propone la enseñanza del Portugués Lengua Extranjera (PLE) como Idioma Instrumental.

El Idioma Instrumental - portugués aquí- consiste en el entrenamiento instrumental de esa lengua para fines académicos, como la propia palabra denota. Es también conocido como portugués para Fines Específicos. Tiene como objetivo principal capacitar al alumno, en un período relativamente corto, 1 para que pueda leer y comprender lo esencial para el desempeño de una determinada actividad.

El abordaje instrumental es una de las estrategias de enseñanza de la lengua relacionado directamente con la actividad de los alumnos, con su actividad concreta, práctica, es decir con su proceso integral de aprendizaje, de construcción del conocimiento. No trabajaremos con la traducción ya que para ello se requieren otros conocimientos lingüísticos. Si lo haremos con la enseñanza y puesta en práctica de estrategias de lectura que faciliten la construcción del sentido del texto, entendido éste como un proceso interactivo entre los conocimientos previos del lector y los que el texto le presenta. Desde esta perspectiva, entendemos que el verdadero acto de leer es un proceso de atribución de sentido al texto; es decir, a partir de los conocimientos que ya posee, el lector interactúa con el texto construyendo un significado.

Este proceso, según Kenneth Goodman (1990), implica el uso de estrategias, o sea, acciones por las cuales el lector guía su lectura. Ellas son: selección (aquello del contenido que interesa al lector); predicción (levantamiento de hipótesis sobre lo que vendrá más adelante, a partir de lo que ya fue leído); inferencia (conclusiones y mensajes abstraídos del texto, pero que no están escritas literalmente); autocontrol (actitud de evaluar sus estrategias, a fin de dar darles continuidad o modificarlas); autocorrección (actitud a través de la cual el lector corrige hipótesis levantadas por inferencia o predicción).

Entendemos que el lector, frente a un texto, aún con escasos conocimientos del Portugués, se apoya en algún aspecto que le resulta familiar (reconocimiento de una palabra del título, conocimiento sobre el tema tratado, información que posee sobre el autor del texto, una ilustración que le llama la atención, etc.) y formula hipótesis de diversas naturaleza que las va adecuando al confrontarla con lo que está escrito.

Resumiendo, entendemos que el aprendizaje de la lectura en una lengua extranjera es un proceso de elaboración de hipótesis a partir de los conocimientos previos del alumno lector en interacción dinámica con los diferentes indicios o pistas que le ofrece el texto. Estas hipótesis son corregidas, confirmadas o desechadas en la actividad de construcción y reconstrucción del sentido a medida que se avanza en la lectura de los textos.

Los textos utilizados para la lectocomprensión tendrán relación con las diferentes carreras a las cuales pertenecen los alumnos que cursan esta materia. Pondremos en práctica estrategias que colaboren en la construcción del sentido en lengua extranjera que - se supone - redundará en beneficios de la lengua materna.

En fin, nuestro trabajo con la lectocomprensión está basado en una concepción de lectura en la que el lector deja de ser un mero decodificador de “mensajes” expresados por el autor y pasa a tener un papel activo al interactuar con el texto.

1 Tres(3) horas semanales en dos niveles anuales

Equipo de cátedra

5

CONTENIDOS DE LA ASIGNATURA

Elementos pre-lingüísticos:

paginación,

efectos

tipográficos

(negrita,

itálico,

 

subrayado, mayúsculas, minúsculas);

división en párrafos,

 
 

indicios

tipográficos

(numeración,

organización gráfica.

guiones, etc.);

Recursos gráficos:

cuadros, gráficos e tablas;

títulos, subtítulos, leads;

fotografías, imágenes, dibujos.

 
 

signos de puntuación;

 

- Géneros discursivos: artículos periodísticos, editoriales, publicidades, cartas, prospectos de remedios, recetas culinarias, anuncios clasificados, poemas etc.

-

Tipos

de

texto

(o

secuencias

discursivas):

argumentativos, explicativos, conversacionales, etc.

narrativos,

descriptivos,

expositivos,

  • - Procesos de construcción del conocimiento: la lectura como actividad interactiva (autor-

lector y construcción de sentido). Sistematización de competencias lectoras en LM y LE: estrategias de lectura que conduzcan a la construcción de síntesis, resúmenes, cuadros conceptuales, diagramas.

  • - Elementos lexicales y morfosintácticos característicos de los diferentes tipos de texto

(o secuencias discursivas):

* verbos de acción;

* verbos de estado;

* verbos y expresiones de opinión;

* designación y caracterización del objeto de una descripción;

* designación y caracterización del objeto de una explicación;

* discurso directo e indirecto;

* registros de lengua.

  • - Calificación: adjetivos, grados de comparación, adverbios de modo.

  • - Expresión da localización: adverbios y preposiciones.

- Expresión de tiempo: correlación entre modos y tiempos verbales; marcadores temporales (adverbios, preposiciones y expresiones de tiempo).

6

  • - Semántica de las palabras/expresiones en textos.

  • - Elementos de morfosintaxis.

  • - El orden de las palabras en el enunciado.

  • - Enunciados afirmativos, negativos e interrogativos.

- Recursos lingüísticos que promueven la cohesión y la coherencia de las ideas en un texto:

*

Elementos de

co-referencia (palabras que se

refieren

a

una misma realidad lingüística,

garantizando la manutención expresiones definidas).

y

la progresión

das

ideas

en un texto: sinónimos, pronombres,

Observación:

La gramática será utilizada como herramienta; es decir, como un medio y no como un fin.

7

ALGUNOS

CONSEJOS

PARA

COMPRENDER

MEJOR

LOS

TEXTOS

EN

PORTUGUÉS

  • 1. La lectura no es un proceso de decodificación palabra por palabra; por lo tanto, no es conveniente quedarse en cada palabra del texto, sí concentrarse en el contexto.

  • 2. Muchas de las palabras del texto son cognatas del español (palabras cuya forma de escritura y significado son parecidas en las dos lenguas). Esto simplifica mucho la lectura de un texto.

  • 3. Cuidado con los falsos cognatos (palabras que tienen significado diferente en las dos lenguas). Ejemplo: pena (en portugués)- significa pena pero también pluma ( en español)

  • 4. Buscar el significado o idea general del texto. Ayuda a buscar las ideas principales.

  • 5. Ante una palabra desconocida no hay que detenerse preocupado por el significado. Primero hay que ver si esa palabras es o no importante para la comprensión del texto.

  • 6. Recordar que las palabras que aparecen varias veces en el texto, o están en negrita o itálica son palabras importantes para la comprensión del texto.

  • 7. Ver si la palabra está asociada a un título, ilustración, etc., esto también es un indicio de su importancia.

  • 8. Tratar de entender la palabra considerando el contexto donde ella se encuentra.

  • 9. Recordar que al leer siempre se está prediciendo lo que vendrá a continuación, intentando ver sentido en lo ya leído, verificando hipótesis.

10. Usar el diccionario solo para encontrar el significado de palabras-llave que no pudieron ser entendidas por el contexto. Verificar que ese significado es el que corresponde al contexto en el que ella se encuentra.

8

MÓDULO I

9

EL TEXTO

Los textos, en sus más variadas formas, son parte de nuestra vida cotidiana. Ellos son portadores del conocimiento, de la cultura, siendo así responsables de transmitirlos a través de los tiempos. Sin embargo, a pesar de esa familiaridad con los textos, son pocas las personas que se detienen para reflexionar sobre sus conceptos y definiciones.

El Texto, considerado como un todo organizado de sentido, es la unidad básica con que debemos trabajar en el proceso de enseñanza de la Lengua Portuguesa, porque es en el texto que el usuario de la lengua ejercita su capacidad de organizar, transmitir ideas, informaciones, opiniones en situaciones de interacción comunicativa.

Tradicionalmente,

se

entiende

por

texto

al conjunto de enunciados interrelacionados

constituyendo un todo

significativo que

depende

de

la

coherencia conceptual, de la cohesión

secuencial y de la adecuación a las circunstancias y condiciones de uso de la lengua.

Desde el punto de vista de las modernas teorías lingüísticas, el concepto de texto puede ser entendido de una manera más abarcativa. Para ampliar esta concepción se debe tener en cuenta dos planos:

  • - uno, que se mantiene aún en una perspectiva estrictamente lingüística.

  • - otro, que se extiende a otros lenguajes que van más allá del verbal. Se puede hablar aquí de lenguaje verbal y no verbal (texto visual, musical, cinematográfico, pictórico, entre otros).

Encarar el texto como un producto histórico social, admitir la multiplicidad de lecturas que permite son desafíos permanentes para la enseñanza de la Lengua Portuguesa.

En este primer módulo, se trabajará el concepto de texto y algunas de las tipologías que serán utilizadas en el desarrollo del programa previsto para el Nivel I de Portugués Instrumental. Ejemplos y práctica de lectocomprensión.

1.- El texto como unidad de sentido

Esa unidad de sentido presupone que:

  • a) El significado de una parte no es autónomo, sino que depende de las otras partes.

  • b) El significado global del texto no es el resultado de una mera suma de sus partes, sino de una cierta combinación generadora de sentidos.

2.- El texto como un “evento comunicativo en el cual convergen acciones lingüísticas, cognitivas y sociales” 2

Es en esta última concepción de texto en la que la comprensión deja de ser entendida como una decodificación de mensaje resultante de una codificación de un emisor. La comprensión es aquí una actividad interactiva- compleja – de producción de sentidos que se produce basada en los elementos lingüísticos presentes en la superficie textual y en su forma de organización, pero que requiere la presencia de un conjunto de saberes (enciclopedia) y su reconstrucción en el interior de la situación comunicativa.

El sentido de un texto es –entonces- construido en la interacción texto-sujeto.

Para identificar un texto como tal es necesario atender a algunas condiciones:

1.- debe ser leído e interpretado.

2.- permite

la producción

de

sentidos

a

partir

de

lo

que

ofrece más

los

conocimientos previos del lector. 3.- sugiere (o revela) una intención específica por parte del autor.

2 BEAUGRANDE, R (1997) New foundations for a science of text and discourse: cognition, communication, and freedom of access to knowledge and society. Pág. 10. Norwood. Alex. In KOCH, I. (2002) Desvendando os segredos do texto . Pág. 20.

10

Tipos de textos

Según la trama discursiva

Según la tipología de Werlich, clases de textos 3 son:

1.-

DESCRIPTIVO:

ligado

a

la

percepción

del

espacio. Presenta especificaciones y

caracterizaciones de objetos, personas o procesos a través de una selección de sus trazos

distintivos.

Ejemplo:

O vento arrastou as nuvens, a chuva cessou e sob o céu novamente limpo as crianças começaram a brincar. Um cheiro a terra, poderoso, invadia tudo, entrava pelas casas, subia pelo ar. Pingos de água brilhavam sobre as folhas verdes das árvores e dos mandiocais”.

AMADO, Jorge. (1084) Seara vermelha. Ed. R de Janeiro, Recorde, p.15.

2.- NARRATIVO: ligado a la percepción del tiempo. Generalmente presenta hechos y acciones en una secuencia temporal o causal. El interés del texto reside en la acción de los personajes ante los hechos o acontecimientos. La forma de los verbos y la voz de quien relata adquieren un papel fundamental en la organización de este tipo de texto.

Ejemplo:

“Uma raposa faminta, ao ver alguns cachos de uva pendentes de certa parreira, tentou apoderar-se deles, porém não o conseguiu. Afastando-se, então, dizia para si mesma: ’estão verdes’”.

ESOPO (1999). A raposa e as uvas. IN As fábulas de ESOPO. R.J :Thex.

3.- EXPOSITIVO: explica, da a conocer de forma objetiva unos hechos o un tema.

Ejemplo:

“Faz pouco tempo que o ‘genoma humano’ entrou no repertório dos termos que povoam a vida contemporânea. Investigadores sábios e imaginativos trabalharam durante todo o século XX para formular o corpo de conhecimentos em que se sustenta a definição de genoma: conjunto de cromossomos que ascendentes transmitem a descendentes ao longo da história de uma espécie”.

TEIXEIRA, Mônica (2000) Projeto Humano. S. Paulo: Publifolha. genoma

4.-ARGUMENTATIVO: centrado en el juicio y la toma de posición. La trama de este texto comenta, explica, presenta, confronta hechos, ideas, opiniones, creencias y valores. En general, está organizado en tres partes: una introducción que presenta el tema, la problemática en que se fija una posición; un desarrollo, a través del cual se encadenan las informaciones y se argumenta; y una conclusión.

Ejemplo:

“(

)

É preciso pôr ordem nesta casa da sogra. É preciso tirar de alguns a

liberdade

de

fazerem

mal

a

muitos,

a

eles

mesmos inclusive. É preciso

11

modificar nossos conceitos de civilização e de progresso. É preciso chegar à compreensão de que é melhor termos menos por tempo indefinido do que termos mais por tempo extremadamente limitado.

Não é preciso ser um grande economista para saber que não podermos emitir cheques, indefinidamente, contra nossa conta bancária, sem cuidar do capital depositado no Banco. No entanto, o que temos feito até agora é emitir cheques contra o Banco chamado Natureza, sem cuidar do capital desse Banco”.

Para tener en cuenta:

ARTÍCULOS

FERRI, MARIO. Vegetação brasileira. São Paulo EDUSP.

Definidos

a- o-

as-os

Indefinidos

uma- um

umas- uns

 

VERBO SER - Presente

 

Eu

sou

Nós

somos

Você

é

Vocês

são

Ele/ela é

Eles/elas são

 

Ej: Eu sou Ana, ela é María. Nós somos irmãs.

_ Você é irmão de João?

_ Não, João e eu somos primos. João e Pedro são irmãos.

VERBO ESTAR - Presente

Eu

estou

Nós

estamos

Você está

Vocês

estão

Ele/ela está

Eles/elas estão

Ej: Eu estou de pé, Ana está sentada. Nós estamos esperando a Pedro.

Luisa e Pedro estão no carro.

ATENCIÓN: ¡No confundir!

é (verbo SER)

e (conjunción = y)

Ejemplo: Ele é (él es)

Lúcia e Pedro (Lucía y Pedro)

Dos (de+os)=de los

no (em+o)=en el

12

Es común que en la Lengua Portuguesa se combinen las preposiciones con los artículos definidos e indefinidos dando como resultado las siguientes combinaciones/contracciones 4 :

Artigos definidos

 

Preposições

 

o

 

a

os

 

as

a

ao

 

à

aos

 

às

de

do

 

da

dos

 

das

em

no

 

na

nos

 

nas

por (per)

 

pelo

pela

pelos

pelas

Artigos indefinidos

 

Preposições

 

um

 

uma

uns

 

umas

em

 

num

 

numa

nuns

 

numas

de

 

dum

 

duma

duns

 

dumas

Pronomes demonstrativos

 
   

Femininos

Masculinos

 

Singular

 

esta essa

 

este esse

 

aquela

 

aquele

Plural

estas essas

estes esses

 

aquelas

   

aqueles

     

isto isso

 

aquilo

Contrações: Preposição "DE" + pron. demonstrativos:

de + este(s) = deste(s) de + esta(s) = desta(s) de + esse(s) = desse(s) de + essa(s) = dessa(s) de + aquele(s) = daqueles(s) de + aquela(s) = daquela(s) de + isto = disto de + isso = disso de + aquilo = daquilo

Ejercicios de reconocimiento.

1. - Leia os seguintes comandos e resolva-os

a) Reler os textos das páginas 9 e 10 (Tipos de textos) reconhecer as combinações e contrações estudadas. Inferir o significado das mesmas no contexto.

4 Combinaciones: las preposiciones se unen a otras palabras formando un solo vocablo. Contracciones: al unirse a otras palabras, las preposiciones pierden algún fonema.

13

  • b) Observar: dos- no- nos – pelo – pelos-. Comparar o significado destas palavras em Português

com as mesmas em Espanhol.

  • c) Procurar nos textos acima os pronomes demonstrativos. Indicar seus referentes.

LECTURA COMPRENSIVA

Usar la lectura de forma competente significa, también,

comprender que leer es tanto una

experiencia individual y única, como una experiencia interpersonal y dialógica. Ello nos remite directamente a la naturaleza del proceso de lectura. Toda lectura es individual porque significa un proceso personal y particular de procesamiento de los sentidos del texto. También, toda lectura es interpersonal porque los sentidos no se encuentran en el texto o en el lector, exclusivamente; al contrario, los sentidos se sitúan entre texto e lector.

Un texto siempre es producido en un determinado momento histórico en el cual se encuentra definido un determinado horizonte de expectativas, derivado de un conjunto de conocimientos e informaciones disponibles y compartido por los posibles interlocutores - en mayor o menor medida. Así, cuando un texto es producido, algunos sentidos son pretendidos por el autor, sentidos que devienen de la forma de comprender el mundo, constituida en aquel momento histórico específico y en una determinada cultura.

Una lectura, igualmente, es el resultado del conjunto de conocimientos e informaciones disponible en el momento histórico en que la lectura se realiza, lo cual constituye una determinada forma de ver el mundo.

Así, el proceso de construcción de los sentidos de una obra de tal época será resultado de lo que le sea posible, al lector de hoy comprender (y recuperar) sobre los valores que circulaban cuando la obra fue producida. Esa comprensión se dará de manera circunscripta en un horizonte cultural actual, que presupone otros valores; por lo tanto, los sentidos no serán los mismos que circulaban en el contexto cultural de origen de la obra, sino aquellos que fueran posibles al lector hoy, que resultarán de los valores vigentes actualmente.

Un aspecto importante de destacar es que las palabras son constituidas por un significado estable y recuperable por los hablantes de una determinada lengua en un determinado momento histórico -, y también por un conjunto de sentidos resultantes de las experiencias personales de cada uno, constituidos a partir de las referencias particulares de cada uno a lo largo de su vida. Significado y sentidos constituyen una amalgama indisoluble, de tal forma que una palabra nunca será la misma para diferentes personas, aunque pueda ser comprendida en lo que tiene de generalizable.

Así, aunque sea leída por sujetos que vivan en un mismo momento histórico, una palabra nunca será la misma para diferentes sujetos. Los sentidos de un texto, por lo tanto, al mismo tiempo en que son resultado de un proceso personal e intransferible, dialogan, inevitablemente con el otro: el autor, los otros sujetos presentes en el cuerpo de ideas que constituía el horizonte cultural del momento de su producción. La lectura, así, es personal, al mismo tiempo, dialógica.

La lectura, además, debe ser entendida como un proceso de aplicación de los usos de la lectura y de la escritura en las diferentes prácticas sociales. Desde esa perspectiva, un lector competente es aquel que usa la escritura y la lectura en diferentes situaciones de comunicación, es aquel que se apropió de las estrategias y de los procedimientos de lectura característicos de las prácticas sociales de las cuales participa, de tal forma que los utiliza en la (re)producción de los sentidos de los textos.

Esos procedimientos y estrategias de lectura son individuales y caracterizados como procesos cognitivos, pero también son sociales por ser el resultado de las especificidades de las prácticas sociales en las cuales se producen.

Además, los elementos del contexto de producción de los textos también deben ser tenidos en cuenta en el procesamiento de los sentidos, dado que ponen restricciones- y al mismo tiempo posibilidades –que determinan los textos.

¿Qué son las estrategias de lectura?

Usamos

el

término

estrategias

para

“caracterizar

los

diversos

comportamientos

hipotetizados en el lector durante los procesos de lectura” (KATO, 1999:64).

Estrategia de lectura

Algunas estrategias de lectura:

14

Proceso de interacción entre el lector y el texto (…) mediante el cual el primero intenta satisfacer los objetivos que guían su lectura”

SOLÉ, I.(1994:p:21)

¿Qué es el contexto?

  • a) activación de los conocimientos previos y selección de informaciones.

  • b) Inferencias.

  • c) Anticipación de informaciones.

  • d) Localización de informaciones en el texto.

  • e) Verificación de inferencias y anticipaciones realizadas.

f) Articulación de índices textuales y contextuales.

  • g) Reducción de la información semántica:

construcción y generalización de informaciones.

La primera información importante a ser considerada en el momento de la lectura es que todo texto hace referencia a una situación concreta. Esa situación es el contexto. Hay diferentes clases de contexto (social, cultural, político, estético, cultural, etc.) y su identificación es fundamental para que se pueda comprender bien un texto.

Contexto situacional:

El contexto implica siempre el conocimiento sobre lo que está siendo dicho y de las creencias y conclusiones respecto al texto en cuestión.

Ejemplo: (Este texto fue tomado de una propaganda del diario Jornal do Brasil reproducido en una revista brasileña)

Eles te vão pegar na esquina” (Veja 22 de agosto de2001).

Situación 1: una ciudad violenta:

Dos amigos conversan y comentan sobre frecuentes asaltos en el barrio de una ciudad brasileña. Uno le avisa al otro: “Eles te vão pegar na esquina”. Es posible que en este caso, el texto se refiera a los asaltantes que esperan en la esquina a sus víctimas.

Situación 2: una familia.

Un hermano llama por teléfono a su casa y le avisa a su hermana que los padres pasarán a buscarla en auto. Es posible, en este caso, que los hermanos acuerden un punto de encuentro con los padres y el hermano le diga: “Eles te vão pegar na esquina”.

Lo que en la situación 1 podría ser una amenaza, pasa en la situación 2 a ser una situación normal en un contexto familiar.

En el caso de la propaganda, la situación es otra y, por lo tanto, el contexto es otro. La frase en cuestión – en la propaganda – aparece seguida de nombres de columnistas muy conocidos, en Brasil, por los textos que publican en el mencionado diario (Jornal do Brasil).

Si tomamos la frase “Eles te vão pegar na esquina” en ese contexto situacional específico, nos daremos cuenta que esa frase se refiere al hecho de que los textos escritos por todos esos escritores, cuyos nombres aparecen en la propaganda, podrán ser encontrados en el Jornal do Brasil. Este diario es vendido en los kioscos de revistas que, generalmente, están ubicados en diferentes esquinas de las ciudades brasileñas.

15

Pegar” en ese contexto, no significa golpear, atacar o buscar a alguien. En este contexto, el significado es capturar la atención del lector que, interesado por los textos de los columnistas identificados en la propaganda, decide comprar el Jornal do Brasil.

Contexto histórico

Muchas veces, la falta de información sobre acontecimientos pasados impide la comprensión de determinados textos.

Ejemplos:

Los clasificados a través de la historia

  • 1. “SÍTIO - Vendo. Barbada. Ótima localização. Água à vontade. Árvores frutíferas. Caça abundante. Um paraíso. Antigos ocupantes despejados por questões imorais. Ideal para casais de mais idade. Negócio de Pai para filhos. Tratar com Deus.”

  • 2. “CRUZEIRO_ Procuram-se casais para um cruzeiro de 40 dias e 40 noites. Ótima oportunidade para fazer novas amizades, compartilhar alegre vida de bordo e preservar a espécie. Trazer guarda-chuva. Tratar com Noé.”

VERÍSSIMO, Luis F. (2001) Comédias para se. Ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva

Para comprender los anuncios es necesario conocer dos episodios bíblicos:

1.- la expulsión de Adán y Eva del Paraíso;

2.-

el

episodio de Noé,

que recogió parejas de todas las especies animales en

su

arca para

garantizar la preservación de las especies al final del diluvio que duró 40 días y 40 noches.

Leituras

1. - Levando em conta tudo o trabalhado sobre textos, reconheça as tipologias textuais e justifique a sua resposta em Espanhol.

"Guta entrou em casa exausta. Despencou na poltrona. Tirou os sapatos e as meias. Olhou os pés desapertados e respirantes. Maior alívio. Brincou com os dedos por um tempão. Depois, pulou num pé só, até cansar. Aí sentou e ligou a TV. Ficou vendo fissurada um super-desenho. Acabou e começou outro chatésimo. Botou o olho rapidinho e logo se encheu. Deu uma zipada pelos outros canais. Nada de interessante. Bufou e desligou a televisão. Foi pro seu quarto. Entrou, deu uma geral e num minuto sacou que tinham mexido em seus brinquedos. Conferiu um por um. Faltava justo o que mais gostava: a cozinha. Presente da madrinha, no Natal. Ficou furiosa. Bateu a porta e saiu gritando como louca pela casa. Berrou com a mãe, que mandou que ela tratasse sozinha de seus negócios. Quase estourou de raiva."

(ABRAMOVICH, Fanny. Baita irritação. Rio de Janeiro, Ediouro, 1998).

“Feitas de pau-a-pique e divididas em três compartimentos minúsculos, as casas eram paródia grosseira da antiga morada romana: um vestíbulo exíguo, um átrio servindo ao mesmo tempo de cozinha, sala de jantar e de recepção, e uma alcova lateral, furna escuríssima mal revelada por uma porta estreita e baixa. Cobertas de camadas espessas de vinte centímetros, de barro, sobre ramos de iço, lembravam as choupanas dos gauleses de César. Traíam a fase transitória entre a caverna primitiva e a casa. Se as edificações em suas modalidades evolutivas objetivam a personalidade humana, o casebre de teto de argila dos jagunços equiparado ao wigwam dos peles-vermelhas sugeria paralelo deplorável. O mesmo desconforto e,

16

sobretudo, a mesma pobreza repugnante, traduzindo de certo modo, mais do que a miséria do homem, a decrepitude da raça”.

CUNHA, Euclides da. O homem, em Os Sertões-– Ediouro.

“Toda

a

gente tinha

achado estranha

a maneira

como o Capitão Rodrigo

Camborá entrara na vida de Santa Fé. Um dia chegou a cavalo, vindo ninguém sabia de onde, com o chapéu de barbicacho puxado para a nuca, a bela cabeça de

macho altivamente erguida e aquele seu olhar de gavião que irritava e ao mesmo tempo fascinava as pessoas. Devia andar lá pelo meio da casa dos trinta, montava

num

alazão,

trazia bombachas

claras,

botas

com

chilenas de

prata

e

o busto

musculoso apertado num

dólmã militar

azul,

com

gola vermelha e botões

de

metal”.

VERÍSSIMO, Érico. Certo capitão Rodrigo

29/03/2006 - 09h05m Astronauta brasileiro vai levar camiseta da seleção ao espaço Reuters

BAIKONUR, Cazaquistão - O primeiro astronauta do Brasil disse nesta quarta-feira que pretende levar a camiseta da seleção de futebol ao espaço para dar sorte ao time na Copa do Mundo em junho.

de

43 anos,

piloto da Força Aérea Brasileira,

deve voar nesta

quarta-feira até a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) a bordo da espaçonave russa Soyuz TMA, a partir do Cosmódromo de Baikonur, no

 

Marcos Pontes,

Cazaquistão.

Broas de fubá Ingredientes

 

2

colheres

(de

manteiga

2

2

ovos

2

xícaras de açúcar

Modo de fazer

sopa)

de

  • 3 xícaras de leite

 
  • 3 xícaras de fubá

colheres de gordura

  • 1 xícara de farinha de trigo

  • 1 colher (de sopa) bem cheia

de fermento

Bata bem a manteiga, a gordura, o açúcar e as gemas. Junte o leite, o fubá, a farinha de trigo peneirada, as claras batidas em neve e, por último, o fermento.

Bata bem a massa, modele as broas e leve ao forno bem quente em assadeiras untadas.

Para entender mejor la lengua portuguesa (1)

COMBINAÇÕES E CONTRAÇÕES

Preposição "A"

Preposição "A" + artigo definido:

a + o(s) = ao(s) a + a(s) = à(s) [ "crase" ]

17

Preposição "A" + pron. indefinido:

a + aquele(s) = àquele(s) a + aquela(s) = àquela(s) a + aquilo = àquilo

Preposição "DE"

Preposição "DE" + art. definido (pr. dem):

Preposição "DE" + artigo indefinido:

de + o(s) = do(s) de + a(s) = da(s)

de + um = dum de + uns = duns de + uma(s) = duma(s)

Preposição "DE" + pron. demonstrativos: de + este(s) = deste(s) de + esta(s) = desta(s) de + esse(s) = desse(s) de + essa(s) = dessa(s) de + aquele(s) = daqueles(s) de + aquela(s) = daquela(s) de + isto = disto de + isso = disso de + aquilo = daquilo

Preposição "DE" + pron. pessoais:

Preposição "DE" + pron. indefinidos:

Preposição "DE" + advérbios:

Preposição "DE" + preposição:

de + ele(s) = dele(s) de + ela(s) = dela(s)

de + outro(s) = doutro(s) de + outra(s) = doutra(s)

de + aqui = daqui de + ali = dali de + aí = daí de + onde = donde

de + entre = dentre

Preposição "EM"

Preposição "EM" + art. definido (pr.dem): em + o(s) = no(s) em + a(s) = na(s)

Preposição "EM" + artigo indefinido:

em + um = num em + uns = nuns em + uma(s) = numa(s)

Preposição "EM" + pron. demonstrativos: em + este(s) = neste(s) em + esta(s) = nesta(s) em + esse(s) = nesse(s) em + essa(s) = nessa(s) em + aquele(s) = naqueles(s) em + aquela(s) = naquela(s) em + isto = nisto em + isso = nisso em + aquilo = naquilo

Preposição "EM" + pron. pessoais:

Preposição "EM" + pron. indefinidos:

em + ele(s) = neles em + ela(s) = nelas

em + outro(s) = noutro(s) em + outra(s) = noutra(s)

18

Preposição "PARA"

Preposição "PARA" + art. definido:

Preposição "PARA" + artigo indefinido:

para + o(s) = pro(s) para + a(s) = pra(s)

para + um = prum para + uns = pruns para + uma(s) = pruma(s)

Preposição "PER"

Preposição "PER" + art. definido:

(forma obsoleta)

"per" + lo(s) = pelo(s) "per" + la(s) = pela(s)

FORMAS DE LOS PRONOMBRES PERSONALES

Los pronombres personales asumen el nombre de rectos cuando cumplen la función de sujeto o de predicativo del sujeto de la oración.

Ej. Ele vai ao colégio todos os dias.

Cuando

los

pronombres

personales

funcionan

como

objeto

directo,

objeto

indirecto,

complemento adverbial o agente de voz pasiva, toman el nombre de oblícuos.

Ej.: Elas me (obj. directo) receberam muito bem na sua turma e deram- me ( obj. indirecto) toda atenção.

Observemos el siguiente cuadro con las variaciones de los pronombres personales (en Portugués). Pronomes pessoais oblicuos
Observemos
el
siguiente
cuadro
con
las
variaciones de
los pronombres personales (en
Portugués).
Pronomes pessoais oblicuos
Pessoas do discurso
Pronomes
Átonos
Tônicos
Pessoais Retos
me
mim, comigo
1ª. Pessoa
eu
tu - você
ele/ela
te
contigo
Singular
2ª. Pessoa
o,a,lhe
ele, ele
3ª. Pessoa
se
si, consigo
1ª. Pessoa
nós
nos
nos, conosco
Plural
2ª. Pessoa
vós-vocês
vos
convosco
3ª. Pessoa
eles/elas
os,as,lhes
eles, elas
se
si, consigo

Pronombres de tratamiento

Você - vocês:

O/s senhor/es- a/s senhora/s

Son

denominados

pronombres

de

tratamiento.

Se

utilizan

en

la

cotidianidad.

Si

bien

corresponden a la 2ª persona, exigen la flexión verbal correspondiente a la 3ª persona.

 

Ejemplos:

 

Você recebe um presente. / Vocês recebem um presente hoje. O senhor está bem? / A senhora gosta de dançar?

PRONOMBRES POSESIVOS

19

Pronombres

posesivos

son aquellos que hacen referencia

a

las

personas del

discurso,

indicando una relación de posesión. Estos pronombres mantienen una estrecha relación con los pronombres personales. Es decir, designan aquello que cabe o pertenece a los seres indicados por los pronombres personales.

Ej.: Eu (pr. Personal) não gosto de emprestar os meus (pr. Pos) brinquedos a ninguém.

FORMAS DE LOS PRONOMBRES POSESIVOS

Las formas que pueden tomar los pronombres posesivos son las siguientes:

Um possuidor

Vários possuidores

 

Un objeto

Vs. objetos

Un objeto

Vs. objetos

masc.

meu

meus

nosso

nossos

1ª. Pessoa

fem

minha

minhas

nossa

nossas

masc.

seu

seus

seu

seus

2ª. Pessoa

fem

sua

suas

sua

suas

masc.

seu

seus

seu

seus

3ª. Pessoa

fem

sua

suas

sua

suas

PRONOMBRES INDEFINIDOS

Los pronombres indefinidos- como su propio nombre lo indica- hacen referencia a la 3ª. Persona del discurso de manera vaga, indefinida, imprecisa o genérica.

Ej: Perdi muitos livros.

Perdi alguns livros.

En la Lengua Portuguesa existen varios pronombres indefinidos, algunos de ellos son variables porque pueden recibir las flexiones de número y/o de género.

variáveis em gênero e/ou número

variáveis

apenas

quanto

invariáveis em

gênero e

ao número

número

algum- alguma- alguns- algumas um- uma- uns- umas- todo- toda- todos- todas pouco- pouca- poucos- poucas outro- outra- outros- outras certo- certa- certos- certas tanto- tanta- tantos- tantas nenhum –nenhuma-

quaisquer – quaisquer qual – quais bastante - bastantes

alguém ninguém quem outrem algo tudo / nada/cada menos/ mais/ demais

PRONOMBRES RELATIVOS

Los pronombres relativos también son definidos a partir de un criterio formal. Son relativos aquellos pronombres que hacen referencia a algún elemento mencionado anteriormente en el texto, considerando el antecedente con el cual establecen una relación de naturaleza anafórica.

Siempre introducen oraciones subordinadas adjetivas, tomando como antecedente algún elemento anterior y calificándolo. Desempeñan un papel sintáctico importante en la estructura de las oraciones subordinadas adjetivas.

FORMAS DE PRONOMBRES RELATIVOS

Pronomes relativos variáveis

Pronomes relativos invariáveis

20

o

qual-

a

qual-

os

quais- as

que- quem- onde- quando- como

quais.

 

cujo –cuja- cujos- cujas

 

quanto-

 

quanta-

quantos-

quantas

 

Ej.:Quero comprar uma casa onde (=em que)eu possa ter tranqüilidade. Onde es pronombre relativo cuando puede sustituirse por em que Quero comprar uma casa cuja cozinha seja ampla ( cuja cozinha = cozinha da casa)

Exercícios de reconhecimento

1.- Leia o texto e responda em espanhol,às questões solicitadas. Inimigos

“O

apelido de

Maria Teresa,

para

o Norberto,

era ‘Quequinha’. Depois

do

casamento, sempre que queria contar para os outros uma de sua , o

Norberto

pegava sua mão, carinhosamente e começava:

_ Pois a Quequinha ... E a Quequinha, dengosa, protestava:

_ Ora, Beto!

 

Com

o passar

do

tempo,

o

Norberto deixou de chamar

a

Maria

Teresa de

Quequinha. Se ela estivesse ao seu lado e ele quisesse se referir a ela dizia:

_ A mulher aqui ... Ou às vezes:

_ Esta mulherzinha ... Mas nunca mais Quequinha.

(O tempo, o tempo. O amor tem mil inimigos, mas o pior deles é o tempo. O tempo ataca em silêncio. O tempo usa armas químicas).

Com o tempo, Norberto passou a tratar a mulher por ‘Ela’. _ Ela odeia o Charles Bronson. _ Ah, não gosto mesmo.

Deve-se dizer que o Norberto, a esta altura, embora a chamasse Ela, ainda usava um vago gesto de mão para indicá-la. Pior foi quando passou a dizer ‘essa aí’ e a apontar com o queixo.

_ Essa aí ... E apontava com o queixo, até curvando a boca com um certo desdém

(O tempo, o tempo. O tempo captura o amor e não o mata na hora. Vai tirando uma asa, depois outra ...)

Hoje, quando quer contar alguma coisa da mulher, o Norberto nem olha na sua direção, faz um meneio de lado com a cabeça e diz:

_ Aquilo ” ...

VERISSIMO, L. F. (1996)Novas comédias da vida privada. Porto Alegre: L&PM.

I.- Sabendo que “pronome é a palavra variável que identifica, na língua, os participantes da interlocução e os seres”, sendo classificado de acordo com o tipo de referência que estabelece, volte a o texto e, com base nessa informação, classifique os pronomes destacados em itálico.

Pronomes do texto:

Pessoais:

21

Demonstrativos.

Indefinidos

Relativos:

Possessivos:

II. O texto fala das relações no relacionamento dum casal com o passar do tempo:

  • a) Como Norberto trata a Maria Teresa ao longo do casamento?

  • b) De que maneira o uso dos pronomes contribui para a construção do efeito de humor que se pode observar nesse texto?

  • c) Retire do texto as contrações e indique como elas foram compostas.

22

LECTURA

O HOMEM QUE ESPALHOU O DESERTO

(Ignácio de Loyola Brandão)

Quando menino, costumava apanhar a tesoura da mãe e ia para o quintal, cortando as

  • 5 folhas das árvores. Havia mangueiras, abacateiros, ameixeiras, pessegueiros e até mesmo jabuticabeiras. Um quintal enorme, que parecia uma chácara e onde o menino passava o dia cortando folhas. A mãe gostava assim ele não ia para a rua, não andava em más companhias. E sempre que o menino apanhava o seu caminhão de madeira (naquele tempo, ainda não havia os caminhões de plástico, felizmente) e cruzava o portão, a mãe corria com a tesoura:

10

tome filhinho, venha brincar com as suas folhas. Ele voltava e cortava. As árvores levavam vantagem, porque eram imensas e o menino pequeno. O seu trabalho rendia pouco, apesar do dia-a-dia, constante, de manhã à noite.

Mas o menino cresceu, e ganhou tesouras maiores. Parecia determinado, a medida que o

15

20

tempo passava, a acabar com as folhas todas. Dominado por uma estranha impulsão, ele não queria ir a escola, não queria ir ao cinema, não tinha namoradas ou amigos. Apenas tesouras, das mais diversas qualidades e tipos. Dormia com elas no quarto. À noite, com uma pedra de amolar, afiava bem os cortes, preparando-as para as tarefas do dia seguinte. Às vezes, deixava aberta janela, para que o luar brilhasse nas tesouras polidas.

A mãe, muito contente, apesar de o filho detestar a escola e ir mal nas letras. Todavia era um menino comportado, não saia de casa, não andava em más companhias, não se embriagava aos sábados como os outros meninos do quarteirão, não freqüentava ruas suspeitas onde mulheres pintadas exageradamente se postavam às janelas, chamando os

25

incautos. Seus únicos prazeres eram as tesouras e o corte das folhas.

Só que, agora, ele era maior e as árvores começaram a perder. Ele demorou apenas uma semana para limpar a jabuticabeira. Quinze dias para a mangueira menor e vinte e cinco para a maior. Quarenta dias para o abacateiro, que era imenso, tinha mais de cinqüenta anos. E

30

seis meses depois, quando concluiu, já a jabuticabeira tinha novas folhas e ele precisou

recomeçar.

Certa noite, regressando do quintal, agora silencioso, porque o desmatamento das árvores tinha afugentado pássaros e destruído ninhos, ele concluiu que de nada adiantaria podar as

35

folhas. Ela se recomporia sempre. É uma capacidade da natureza, morrer e reviver.

Como seu cérebro

era

diminuto, ele demorou meses para

encontrar

a

solução: um

machado. Na terça-feira, bem cedo, que não era de perder tempo, começou a derrubada do

abacateiro. Levou dez dias, por que não estava habituado a manejar machados, as mãos

40

calejaram, sangraram. Adquirida a prática, limpou o quintal e descansou aliviado.

Mas, insatisfeito, que agora passava

os

dias

a

olhar aquela desolação, ele saiu de

machado em punho, para os arredores da cidade. Onde encontrava árvore, capões, matos, atacava, limpava, deixava os montes de lenhas arrumadinhos para quem quisesse se servir. Os

45

donos dos terrenos não se importavam, estavam em vias de vendê-los para fábricas de imobiliárias e precisavam de tudo limpo.

E o homem do machado descobriu que podia ganhar a vida com seu instrumento. Onde quer que precisassem derrubar árvores, ele era chamado. Não parava. Contratou uma

50

55

secretária para organizar uma agenda. Depois, auxiliares. Montou uma companhia, construiu edifícios para guardar os seus machados, abrigar os seus operários devastadores. Importou tratores e máquinas especializados do estrangeiro. Mandou assistentes fazerem cursos nos Estados Unidos e Europa. Eles voltaram peritos de primeira linha. E trabalhavam e derrubavam. Foram do sul ao norte, não deixando nada em pé. Onde quer que houvesse uma

folha verde, lá estava uma tesoura, um machado, um aparelho eletrônico para arrasar. Enquanto ele ficava milionário, o país se transformava num deserto, em terra calcinada.

E então, o governo, para remediar, mandou buscar em Israel técnicos especializados em tornar férteis as terras do deserto. E os homens mandaram plantar árvores. E, enquanto as

60

árvores eram plantadas, o homem do machado ensinava ao filho a sua profissão.

Fonte: http://www.geocities.com/naturacia/ohomemqueespalhoudeserto.html

23

A - INTERPRETAÇÃO DO TEXTO

  • 1. Marque com uma cor diferente - no texto - as palavras que você não entendeu na primeira abordagem da leitura.

  • 2. Divida o texto em três grandes partes: introdução, desenvolvimento e conclusão, indicando as linhas que abarcam cada uma dessas partes. Justifique essa divisão.

  • 3. Depois de tirar suas dúvidas de vocabulário, com ajuda dos seus companheiros de grupo ou do dicionário, emita sua opinião se você considera o menino (depois, homem) da história uma pessoa normal.

  • 4. Agora compare a sua opinião com a do autor, rastreando no texto algum indício de normalidade ou anormalidade que o autor deixa entrever no texto, indicando o número da/s linha/s.

  • 5. Segundo o autor, que personagem na história pode ser culpado pela afeição da criança por cortar folhas: o menino ou a mãe dele?Justifique com o texto.

  • 6. Alguns psicólogos dizem que a tesoura está associada na psicologia profunda ao processo de castração, privação, separação. Mencione os números das linhas do texto que poderiam associar-se a esta interpretação.

  • 7. Interprete, segundo a conclusão do autor, como terminará a batalha entre os devastadores e os protetores da natureza.

  • 8. Formule uma conclusão pessoal sobre essa leitura em não mais de 5 linhas.

B – Revisando a gramática do texto.

  • 1. Indique, sublinhando no texto com cores diferentes e transcrevendo as palavras correspondentes, quais são os artigos definidos, quais os indefinidos, quais as contrações e quais os pronomes possessivos que você pode encontrar entre as

linhas 48

a

56,

colocando-os

no

quadro

abaixo

(utilize

as

linhas

que

sejam

necessárias):

 

Linha

Art. Def.

Art. Indef.

   

Contração

 

Pron. possess.

 
         
         
         
  • 2. Também referido às linhas anteriores (48 a 56) transcreva no quadro abaixo somente os verbos que se encontrem no pretérito perfeito ou no pretérito imperfeito do Indicativo, e coloque ao lado o infinitivo correspondente (Faça a associação com o espanhol):

Linha Pret. Perf. Pret. Imperf. Infinitivo
Linha
Pret. Perf.
Pret. Imperf.
Infinitivo

24

MODULO II

25

TEXTO NARRATIVO

¿Relatar o narrar?

Relatar hechos y acontecimiento es una de las actividades más comunes de nuestra vida. En todo momento relatamos algún tipo de acontecimiento. Esto lo hacemos desde muy pequeños.

La definición de relato está más asociada a la presentación o enumeración de informaciones básicas sobre un acontecimiento. La preocupación de quien relata debe estar centrada en el registro de los hechos, de allí que a veces, al relatar se omiten detalles o explicaciones del hecho relatado.

La narración- en cambio- si bien presenta hechos o acontecimientos relatados, la principal preocupación de quien narra está centrada en la manera en que los hechos son presentados (ver Módulo I)

LA CRÓNICA:

Otro tipo de texto en el cual podemos identificar la presentación de acontecimientos- sin la elaboración y profundidad que caracterizan a una narración- es la crónica.

Una crónica es una obra literaria que narra hechos históricos en orden cronológico. La palabra crónica viene del latín chronica, que a su vez se deriva del griego kronika biblios, es decir, libros que siguen el orden del tiempo. En una crónica los hechos se narran según el orden temporal en que ocurrieron, a menudo por testigos presenciales o contemporáneos, ya sea en primera o en tercera persona. De modo bastante directo y simplificado, la crónica puede ser presentada como un texto en el cual encontramos el relato de hechos contemporáneos, a partir de los cuales un autor desarrolla reflexiones más genéricas sobre el tema principal asociada a ellos.

Tipos de crónicas

Según el tema tratado, podemos clasificarlas en:

  • a) Mundana: trata de hechos o acontecimientos característicos de una sociedad.

  • b) Lírica: expresa un estado de espíritu del cronista.

  • c) Filosófica: es una reflexión a partir de un hecho o evento.

  • d) Humorística: es una visión irónica o cómica de los hechos presentados.

  • e) Periodística: es la presentación periódica de aspectos particulares a partir de noticias o hechos. Puede ser policial, deportiva, política, etc.

EJEMPLOS:

PAUSA

“Às sete horas, o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez a barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha preparando sanduíches, quando a mulher apareceu bocejando:

_Vais sair de novo, Samuel?

Fez

que

sim

com

a cabeça.

Embora

jovem,

tinha

a

fronte

calva;

mas as

sobrancelhas eram espessas, a barba - embora recém-feita – deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto era uma máscara escura. _ Todos os domingos tu sais cedo – observou a mulher com azedume na voz.

_ Temos muito trabalho no escritório – disse o marido, secamente. Ela olhou os sanduíches:

_ Por que não vens almoçar? _ Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche.

A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga, Samuel pegou o chapéu:

_ Volto de noite.

26

As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem.

Guiava vagarosamente, ao longo do cais, atracadas.

olhando os guindaste, as barcaças

Estacionou o carro numa travessa quieta. Com o pacote de sanduíches debaixo do braço, caminhou apressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordando um homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-se de pé.

_

Ah!

Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje.

Friozinho bom este, não é? A

gente ... _ Estou com pressa, seu Raul! – atalhou Samuel. _ Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. – Estendeu a chave.

Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com curiosidade:

_ Aqui, meu bem! – uma gritou, e riu: um cacarejo curto.

Ofegante, Samuel

entrou

no

quarto e

fechou

a

porta

à

chave.

Era

um

aposento pequeno: uma cama de casal, um guarda-roupa de pinho; a um canto, uma bacia cheia d’água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um despertador de viagem, deu corda e colocou-o na messinha de cabeceira.

Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata. Sentado na cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos no papel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos.

Dormir.

Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se:os automóveis buzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos

Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido.

Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por um índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se e resmungava. Às duas e meia da tarde sentiu um a dor lancinante nas costas. Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados: o índio acabava de traspassa-lo com uma lança. Esvaindo-se em sangue, molhado de suor, Samuel tombou lentamente; ouviu o apito soturno de um vapor. Depois, silêncio.

Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para a bacia, lavou-se. Vestiu rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerente lia uma revista. _ Já vai, seu Isidoro? _ Já, - disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio. _ Até domingo que vem, seu Isidoro – disse o gerente.

_ Não sei se virei – respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caia. _ O senhor diz isto, mas volta sempre – observou o homem rindo. Samuel saiu.

Ao longo

do cais,

guiava lentamente Parou um instante, ficou olhando os

guindastes recortados contra o céu avermelhado. Depois seguiu para casa.”

SCLIAR, Moacyr. In: BOSSI; A. (1997) O conto brasileiro Contemporâneo. São Paulo:Cultrix,

Si convirtiéramos en un relato los hechos narrados por Scliar en el texto”Pausa”, podríamos presentarlos de una manera muy simple:

27

“Un hombre sale de casa bien temprano, todos los domingos; va a una especie de pequeño hotel o pensión donde permanece todo el día. Después de dormir un largo tiempo, se despierta a las 7 hs. De la noche e vuelve a su casa”.

El

texto leído nos

presenta-

sin embargo

un pequeño

drama humano: la

historia de

un

personaje – Samuel/Isidoro – que siente la necesidad de escapar de su rutina, de su esposa y de la

cotidianeidad que lo aprisiona para soñar que vive aventuras y corre libre por espacios sin fronteras. Esto nos indica que:

Los hechos – aunque presentes - pueden significar poco; sin embargo, la narrativa utiliza la ficción para ampliarlos. Así, lo que simplemente podría ser contado como una historia curiosa de un hombre que sale de su casa los domingos para dormir en una habitación mal cuidada, se transforma en un drama humano que evidencia la angustia del personaje aprisionado en la cotidianidad de su vida mediocre.

Transformar la realidad por medio de la ficción es una característica de la narración.

El narrador:

El punto de vista (foco narrativo) en una narración constituye la perspectiva a partir de la cual el narrador cuenta la historia.

Decimos que la narración está en 1ª. Persona cuando quien narra los acontecimientos es la misma persona que participa de ellos. La marca de este narrador aparece a través de verbos y pronombres flexionados en la 1ª. Persona. Es un narrador protagonista o narrador-personaje.

Ejemplo:

Insônia

“Considerando que oito horas de sono são o ideal para uma pessoa, quase oito horas de sono devem ser quase o ideal. É lógico. Então, se eu conseguir dormir até a meia-noite e acordar amanhã às sete e vinte, está ótimo. Ou quase ótimo. Vou acordar feliz, bem disposta, capaz, praticamente recuperada. Se eu dormir até meia- noite. Ainda tenho cinco minutos. Cinco minutos é tempo de sobra pra uma pessoa pegar no sono, quer ver? Vou pegar no sono em cinco minutos. Boa noite. Estou quase dormindo.Quase. Dormi. Não dormi?. Acho que não. Mas vou dormir agora. Senão os pensamentos começam a entrar na minha cabeça e aí, minha filha, nunca mais. Um pensamento puxa outro, parece até que pensamento tem corda. O negócio é não deixar entrar o primeiro, ta vendo?”.

FALCÃO, Adriana. (2002) In: Veja, 16 de out.

El narrador puede aparecer en la narración en 3ª persona a través de las marcas dejadas por los pronombres y verbos de la 3ª persona. Puede ser:

Narrador

omnisciente: no participa de la acción,

pero

sabe

y

relata lo

que las personas

sienten y piensan. Narrador-observador: no participa de la acción y se limita a contar los hechos observados.

Ejemplo:

“Todos os dias, pouco depois das oito da manhã, o motorista saía no carro branco e ia até a aldeia, seguindo veloz pelos quatro quilômetros da estrada beirando o mar. Voltava sempre às nove trazendo o pão, a correspondência que recolhia no correio e, algumas vezes, um pacote de laranjas.Quarta-feira era o dia em que a cozinheira gorda e tranqüila ia com ele. Sentava-se no banco da frete, ao seu lado, e viajava em silêncio, suspirando e olhando o mar”.

Personajes

NEPONUCENO, E. (1994) As três estações. In Coisas do mundo. SP: Companhia das Letras.

El personaje es un ser creado para un texto narrativo. Puede simular las características de una persona; puede ser un animal sentimiento u objeto personificado.

En una narración, puede haber personajes protagonistas que ocupan el primer lugar en un acontecimiento, y personajes secundarios. Generalmente, se los describe física y psicológicamente

28

(como visten, hablan, andan, piensan, sienten). Cuando esto no ocurre, la descripción del espacio y alguna característica del personaje permiten, al lector, imaginar cómo es ese personaje.

Espacio y Tiempo

El espacio puede definirse como “El conjunto de elementos del paisaje exterior (espacio físico) o interior (espacio psicológico) donde se sitúan las acciones de los personajes.” 5

Las principales funciones del espacio son identificar el “lugar” en que transcurre la acción y contribuir para la construcción del tiempo. Flash back es el nombre que se le da al recurso utilizado para hacer que la narración se vuelva atrás en el tiempo por medio del recuerdo del personaje.

El tiempo en la narración es caracterizado por la duración de la acción presentada. Puede ser cronológico o psicológico.

Cronológico: los hechos son presentados de acuerdo al orden de los acontecimientos. Ejemplo:

Amâncio

“Era um domingo; o ócio dos felizes desocupados tinha ganhado o campo e os arrabaldes. Encontrei por isso poucos conhecidos e fria palestra.

Queria fazer horas para ir ver Lúcia. Com os hábitos de voluptuosa indolência, que tomam as mulheres a que faltam os cuidados domésticos, não era natural que tão cedo fosse visível. Para ocupar-me dela, entrei em casa do Valais, jornaleiro do bom-tom.

ALENCAR, Jose (1999) Lucíola. Porto Alegre:L&PM

Psicológico: es la manera por la cual el paso del tempo es evidenciado. Ejemplo:

Cláudia e o tempo paralisado

“( ) ...

Levantou-se, foi ao banheiro, viu o dia pelo vitrô, o sol invernal, límpido. Abriu o chuveiro bem quente, deixou o vapor invadir os dois cômodos. Quando também o quarto estava tomado por uma neblina, ele abriu ma fresta da veneziana. Percebeu o tempo interior diferente do exterior, y não era o mesmo dos relógios que, entre si, divergiam. É isso, tudo relativo. Não importa quando, apenas o quê. Aconteceu. Houve um telefonema, não foi em sonho. Nem importa se foi dado ontem, uma semana atrás, ou depois do passeio à serra, portanto há quarenta e cinco dias. Fiquei obcecado, descontrolado, tudo parou.

Não estava muito certo do que pensava, porém havia uma lógica, um caminho a ser refletido, Cláudia não estava perdida. Sim, no tempo real talvez nunca mais a encontrasse. Só que Marcelo estava seguro que era capaz – e assim o homem faz – de construir um tempo especial, envolvente, em que ela permanecerá. Este tempo se chama lembrança, e é intocável. Inacessível aos outros, pertence a nós, manejado à nossa maneira. Daqui para frente, Marcelo terá Cláudia conservada dentro de uma redoma. Infinita e eterna. Ela terá o tempo de duração que ele quiser, senhor absoluto

dos instantes, das imagens. (

...

)”.

LOYOLA BRANDAO, Ignácio de Cláudia e o tempo paralisado. In: MESSERANI, Samir (1989) Quem conta um conto. SP:Atual

En este ejemplo, el personaje reflexiona acerca de cómo registró el paso del tiempo desde el día que recibió el mensaje telefónico de Claudia. Piensa en la posibilidad de encontrarla en un tiempo no

real, o sea, de estar con ella mediante sus recuerdos e imaginación. El tiempo, en este caso, no es

cronológico pues se

lo

mide

por

las

emociones

del

personaje

y

no

por

el

reloj.

5 SOARES, A. Os gêneros literário SP: Ática. La traducción es nuestra.

29

Las marcas de tiempo y espacio están dadas en la narración por las localizaciones temporales y espaciales (tiempos verbales, adverbios, fechas, etc.)

Para entender mejor la lengua portuguesa (2) El adverbio

Los adverbios tienen como función principal una caracterización más precisa del proceso verbal. En ese sentido indican las circunstancias en que el proceso verbal se realiza.

Ej: Luisa viajou ontem. Ficará vários dias lá.

Las locuciones adverbiales son expresiones constituidas por dos o más palabras que cumplen la función de adverbio.

Ej: Choveu sem parar ontem. Choveu sem parar durante a festa. Adverbios y locuciones adverbiales de tiempo:

Hoje, ontem, anteontem, amanhã,depois de amanhã, sempre, nunca, as vezes, jamais, cedo, tarde, antes, depois, em breve, ora, já, logo, outrora, outrora, então, de repente ,de manhã, de vez em quando, hoje em dia, de madrugada, à tarde, à noite.

Adverbios y locuciones adverbiales de lugar;

Aqui, ali, acolá lá, longe, perto, dentro, fora, por dentro, por fora, acima, abaixo, adiante, defronte, em cima, embaixo, por cima, por baixo, por perto, à direita, à esquerda, ao lado.

Tipos de discurso

Otro aspecto de la narración relacionado con el punto de vista del narrador es el tipo de discurso que éste utiliza.

Discurso

es

un término

que

se

refiere

a

las

posibilidades que dispone

el narrador para

presentar el habla de los personajes.

 

Diálogo:

Cuando escribimos un diálogo, estamos reproduciendo el

habla

de

personas o

personajes. Por eso, el diálogo exige una puntuación especial.

Veremos dos maneras de montar un diálogo:

1.- El personaje es puesto directamente en escena. “_Ha, não gosto mesmo!”

2.- El personaje es presentado por el narrador. Esa presentación puede ser realizada de dos maneras:

a) La presentación se efectúa antes del habla del personaje:

“Com o tempo, Norberto passou a tratar a mulher por ‘Ela’. _ Ela odeia o Charles Bronson.”

30

b) El narrador identifica el personaje después del habla:

“_ Essa aí ...

Falou Norberto entanto a apontava com o queixo, até curvando a boca com um certo desdém”

Observamos que los verbos utilizados en la presentación del personaje no siempre son los mismos. Estos verbos varían para indicar el modo en que se habló.

Discurso directo: Cuando el habla del personaje es presentado de manera integral, sin la interferencia del narrador estamos ante un discurso directo. Para registrarlo, el narrador puede hacer uso de los verbos del decir (hablar, decir, preguntar, gritar, etc.) seguido de dos puntos (:) e de guión (_) en la línea siguiente.

“A voz de Juliana, disse:

_ A senhora dá licença que eu vá logo ao médico? _ Vá, mas não se demore.”

También puede hacerlo después

de presentar

el

habla seguido de

un

guión

(

_

)

como lo

mencionamos al referirnos al diálogo. “_ Até domingo que vem, seu Isidoro – disse o gerente.”

Discurso indirecto: En lugar de presentar el habla de los personajes en forma de diálogo, el narrador reconstruye- por medio de su propio lenguaje, lo que los personajes habrían dicho.

Ejemplo:

“Juliana pediu licença para ir logo ao médico. A senhora deu-lhe licença, mas pediu-lhe que não se demorasse”. El narrador reproduce- en su discurso- en tercera persona lo que dijeron los personajes.

Discurso indirecto libre: es la tercera forma que tiene el narrador de organizar el discurso en la narración. Es el más complicado porque implica la combinación de diferentes puntos de vista. El narrador inserta palabras dichas en el pensamiento de los personajes, en su propio discurso, dificultando la identificación precisa de quién sería el responsable por lo que está siendo dicho (narrador o personaje).

Ejemplo:

“ Agora a chuva parou. Só está frio e muito bom. Não voltarei para minha casa. Ah, sim, isso é infinitamente consolador. Ele ficará surpreso? Sim, doze anos pesam como quilos de chumbo. Os dias se derretem, fundem-se e formam um só bloco, uma grande âncora. E a pessoa está perdida. Seu olhar adquire um

jeito de pouco fundo. Água escura e silenciosa. (

...

)

Os desejos são fantasmas

que se diluem mal se ascende a lâmpada do bom senso. Por que os maridos são

o bom senso? O seu é particularmente sólido, bom e nunca erra”:

LISPECTOR, C. (1995) A fuga. In A bela e a fera. 5ta. Ed. RJ: Francisco Alves.

Al

inicio

del texto,

tenemos la

nítida

impresión

de

que

el

narrador nos

está presentando

reflexiones del personaje (Não voltarei para minha casa. Ah, sim, isso é infinitamente consolador.

Ele ficará surpreso?) A partir de ahí se hace más difícil

discernir quién habla. ¿Quién hace el

comentario sobre el peso

de los doce años de casados? ¿De quién es la observación sobre los

maridos hecha al final del texto?

Siempre que se confunda el habla (o el pensamiento) del personaje con la voz del narrador, estamos ante un discurso indirecto libre.

31

Lecturas

-Texto 1

1.Leia atentamente o texto abaixo e responda às questões solicitadas nas lacunas oferecidas nesta mesma folha.

APELO

“Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa. Primeiros dias, para dizer a verdade, não senti falta, bom chegar tarde, esquecido na conversa da esquina. Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano,a imagem de relance no espelho.

Com os dias, Senhora, o leite por primeira vez coalhou. A notícia de sua

perda veio

aos

poucos:

a

pilha

de jornais ali

no chão, ninguém os guardou

debaixo da escada. Toda a casa era um corredor deserto, e até o canário ficou

mudo. Para não dar parte de fraco, ah senhora, fui beber com uns amigos.

Uma noite eles se iam e eu ficava só, sem o perdão de sua presença a todas as aflições do dia, como a última luz na varanda.

E comecei a sentir falta das primeiras brigas por causa do tempero na salada – o meu jeito de querer bem. Acaso é saudade, senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas murcham.

Não tenho botão na camisa, calço a meia furada. Que fim levou o saca- rolhas? Nenhum de nós sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora, por favor”.

TREVISAN, D. (1997) In BOSSI,A O conto brasileiro Contemporâneo. SP: Cultrix

1.- Identifique o tema desenvolvido por Dalton Trevisan no texto lido.

2.- O narrador afirma que, na primeira semana depois da separação, não sentiu falta da esposa. O que contribuiu para que a ausência dela não fosse sentida?

4.- Identifique no texto as passagens em que a ausência da esposa é sentida pelo narrador.

5.- Analisar o foco narrativo desse conto é fundamental para a compreensão do texto.

  • a) Qual é ele?

32

  • b) O que a identificação do foco narrativo indica sobre as informações apresentadas sobre a “Senhora” pelo narrador?

Transcreva do conto Apelo as informações dadas sobre:

Tempo

Espaço

   

1)

Em que medida a construção do espaço e do tempo contribui para o desenvolvimento do conto?

Texto 2

LIXO

  • 1 Encontram-se na área de serviço. Cada um com seu pacote de lixo. É a primeira vez que se falam.

_ Bom dia ... _ Bom dia.
5 _ A senhora é do 610. _ E o senhor é dos 612. _ É. _ Eu ainda não o conhecia pessoalmente ... _ Pois é ...
10 _ Desculpe a minha indiscrição, mas tenho visto o seu lixo ... _ O meu quê? _ O seu lixo. _ Ah ...
15 _ Reparei que nunca é muito. Sua família deve ser pequena ... _ Na verdade só sou eu. _ Mmmm. Notei também que o senhor usa muita comida em lata. _ É que eu tenho que fazer minha própria comida. E como não sei cozinhar ... _ Entendo. _ A senhora também ... _ Me chame de você.
20 _ Você também perdoe a minha indiscrição, mas tenho visto alguns resto de comida em seu lixo. Champignons, coisas assim ...

_ É que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes. Mas como moro sozinha, às vezes sobra ...

  • 25 _ A senhora

...

Você não tem família?

33

_ Tenho, mas não aqui. _ No Espírito Santo. _ Como é que você sabe? _ Vejo alguns envelopes no seu lixo. Do Espírito Santo.

  • 30 _ É. Mamãe escreve todas as semanas. _ Ela é professora?

  • 31 _ Isso é incrível! Como foi que você adivinhou? _ Pela letra no envelope. Achei que era letra de professora. _ O senhor não recebe muitas cartas. A julgar pelo seu lixo.

  • 35 _ Pois é ... _ No outro dia tinha um telegrama amassado. _ É. _ Más notícias? _ Meu pai. Morreu.

  • 40 _ Sinto muito. _ Ele já estava bem velhinho. Lá no Sul. Há tempo não nos víamos. _ Foi por isso que você recomeçou a fumar? _ Como é que você sabe?

  • 45 _ De um dia para outro começaram a aparecer carteiras de cigarros amassadas no seu lixo. _ É verdade. Mas consegui parar outra vez. _ Eu, graças a Deus, nunca fumei. _ Eu sei. Mas tenho visto uns vidrinhos de comprimido no seu lixo ... _ Tranqüilizantes. Foi uma fase. Já passou.

    • 50 _ Você brigou com o namorado, certo? _ Isso também você descobriu no lixo? _ Primeiro o buquê de flores, com o cartãozinho jogado fora. Depois muito lenço de papel. _ É, chorei bastante, mas já passou.

    • 55 _ Mas hoje ainda tem uns lencinhos ... _ É que ainda estou com um pouco de coriza. _ Ah. _ Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo. _ É. Sim Eu fico muito em casa. Não saio muito. Sabe como é.

    • 60 _ Namorada? _ Não. _ Mas há alguns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo. Até bonitinha. _ Eu estava limpando umas gaveta. Coisa antiga. _ Você não rasgou a fotografia. Isso significa que, no fundo, você quer que ela volte.

    • 65 _ Você já está analisando o meu lixo! _ Não posso negar que o seu lixo me interessou. _ Engraçado. Quando examinei o seu lixo, decidi que gostaria de conhecê-la. Acho que foi a poesia.

34

  • 70 _ Não!. Você viu meus poemas? _ Vi e gostei muito. _ Mas são muito ruins!. _ Se você achasse ele ruim mesmo, teria rasgado. Eles estavam só dobrados.

  • 75 _ Se eu soubesse que você ia ler ... _ Só não fiquei com ele porque, ao final, estaria roubando. Se bem que, não sei: o lixo da pessoa ainda é propriedade dela? _ Acho que não. Lixo é domínio público.

_ Você tem razão. Através do lixo, o particular se torna público. O lixo é comunitário. É nossa parte mais social. Será isso?

  • 80 _ Bom, aí você já está indo fundo de mais no lixo. Acho que ... _ Ontem, no seu lixo ... _ O quê? _Me enganei, ou eram cascas de camarão? _ Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei.

  • 85 _ Eu adoro camarão. _ Descasquei, mas ainda não comi. Quem sabe a gente pode ... _ Jantar juntos? _ É. _ Não quero dar trabalho.

  • 90 _ Trabalho nenhum. _ Vai sujar a cozinha. _ Nada. Num instante se limpa tudo e põe os restos fora. _ No seu lixo ou no meu?

VERÍSSIMO, L. F. (1981) O analista de Bagé. 3ª. Ed. Porto Alegre: L&PM

Responda às seguintes questões, em espanhol. 1.- No início da conversa, o tratamento entre os dois interlocutores é cerimonioso.

  • a) que pronomes de tratamento são empregados pelas personagens?

  • b) Quem tenta mudar a situação?

2.- “Desculpe a minha indiscrição, mas tenho visto o seu lixo desculpas tem fundamento ou não?. Por quê?

...

Na sua opinião, esse pedido de

3.- O lixo de cada um dos vizinhos funcionou como um conjunto de “pegadas” que orientam as conclusões do outro. Identifique as “pegadas” a cada conclusão.

Conclusões

Pegadas 6

  • a) A mãe da moça era professora

...............................................................

  • b) A moça tinha brigado com o namorado.

...............................................................

  • c) O vizinho tinha recebido más notícias.

...............................................................

  • d) O vizinho tinha hábitos caseiros.

...............................................................

4.- O nosso raciocínio geralmente caminha em passos (momentos) até chegarmos, ou não, a uma conclusão.

6 Aquilo que indica a possível existência de alguma coisa; sinal, vestígio, pista.

35

Descreva os passos do raciocínio do homem para concluir namorado.

que

a

moça tinha

brigado

com

o

5.- Que fala da vizinha permitiu ao homem concluir que a moça estava sendo analisado? 6.- Como, no contexto do diálogo, a mulher provavelmente completaria essa frase interrompida:

“_ Se eu soubesse que você ia ler

...

”?

7.- Explique o sentido duplo da seguinte frase no contexto:

“_ Bom, aí você já está indo fundo de mais no lixo. ” 8.- Observe:

“Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei. _ Eu adoro camarão.”

Na fala do vizinho, a moça percebeu uma sugestão, um desejo apenas insinuado mas não expresso claramente. Qual sugestão?

9.- Muitas falas das personagens desse texto parecem dizer uma coisa mas querem- na verdade- dizer outra. Há afirmações de um e de outro que deixam subentendidas algumas perguntas ou conclusões, como no caso anterior. Explique o que está subentendido nestes trechos:

  • a) sua família deve ser pequena

...

”.

  • b) ...

Mas

tenho visto uns vidrinhos de comprimido no seu lixo

”.

  • c) “_ Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo”

10.- Todo o diálogo, especialmente o desfecho, revela uma drama muito comum entre os habitantes das grandes cidades. Que drama é esse? 11.- Releia o trecho que vai da linha 79 a 92. Que subtítulo você daria a esse fragmento? 12.- Descreva ou desenhe como você imagina a expressão fisionômica da mulher quando disse:

“_ Isso é incrível! Como foi que você adivinhou?” (linha 32) 13.- Compare:

A.- “

....

tenho

visto seu lixo” (linha 10)

B “_ Você já está analisando o meu lixo!.” (linha 65)

  • a) Que diferença há entre ver e analisar?

14.- Compare as frases:

a.-“_ É que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes.” b.- A pesar de irmãos, eram bem diferentes um do outro. - O adjetivo destacado tem significados diversos nas duas frases. Identifique esses significados.

15.- “_ Não!. Você viu meus poemas?” (linha 69)

Explique o significado do não na frase acima.

Texto 3.-

“Alexander Saldanha Ribeiro. Desprezou o elevador e seguiu pela escada, apesar da volumosa mala que carregava e do número de andares a serem vencidos. Dez.

Não demonstrava pressa, porém o seu rosto denunciava a segurança de uma resolução irrevogável. Já no décimo pavimento, meteu-se por um longo corredor, onde a poeira e detritos emprestavam desagradáveis aspectos aos ladrilhos. Todas as salas encontravam-se fechadas e delas não escapava qualquer ruído que indicasse presença humana”.

RUBIÃO, Murilo (1980) A Armadilha. In: A casa do girassol SP: Ática

36

Texto 4.-

“O sinal verde ascendeu-se enfim, bruscamente os carros arrancaram, mas logo se notou que não tinham arrancado todos por igual. O primeiro da fila do meio estava parado, deve haver ali um problema mecânico qualquer, o acelerador solto, a abalança da caixa de velocidades que se encravou, ou uma avaria do sistema hidráulico, blocagem dos travões, falha do circuito elétrico, se é que não se lhe acabou simplesmente a gasolina, não seria a primeira vez que se dava o caso. O novo ajuntamento de peões que está a formar-se nos passeios vê o condutor do automóvel imobilizado a bracejar por trás do pára-brisas, enquanto os carros atrás dele buzinam frenéticos. Alguns condutores já saltaram para a rua, dispostos a empurrar o automóvel empanado para que não fique a estorvar o trânsito, batem furiosamente nos vidros fechados, o homem que está lá dentro vira a cabeça para eles, a um lado, a outro, vê-se que grita qualquer coisa, pelos movimentos da boca percebe-se que repete uma palavra, uma não, duas, assim é realmente, consoante* se vai ficar a saber quando alguém, enfim, conseguir abrir a porta. Estou cego”.

*consoante: conforme, segundo, de acordo.

Responda em espanhol:

SARAMAGO, José (1996) Ensaio sobre a cegueira. SP: Companhia das Letras.

1.- Qual é o tempo das ações narradas no texto 3? Há alguma indicação específica sobre o momento em que as ações ocorrem?

2.-Qual é o tempo das ações narradas no texto 4?

3.- Em qual dos dois textos há uma distância entre o momento em que o narrador conta os fatos e o momento em que eles ocorreram? Justifique sua resposta.

4.-

Qual

seria a intenção

do narrador

do

texto

4 ao

alterar o tempo verbal

para descrever os

acontecimentos?

5.-

De que forma apresentados?

essa opção

narrativa interfere na relação entre

o leitor e os acontecimentos

37

Las partes del cuerpo humano

37 Las partes del cuerpo humano Cabeça- rosto- pescoço- ombro- cotovelo- cintura- Mão- perna- pé- joelho-

Cabeça- rosto- pescoço- ombro- cotovelo- cintura- Mão- perna- pé- joelho- dedos do pé- polegar- dedos- braço- peito- queixo- boca- um dente- dentes- nariz- orelha- Olho- cabelo- umbigo- calcanhar- coxa - bumbum -celha- sobrancelhas

-Completar as partes do corpo da menina com as palavras do quadro acima.

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

38

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

Expresiones idiomáticas

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS RELACIONADAS COM AS PARTES DO CORPO

Andar com a pulga atrás da orelha = estar desconfiado

Bater com o nariz na porta = não encontrar a pessoa no local

Boca cheia não conversa; Boca que fala não mastiga; Boca calada é remédio; Minha boca é um túmulo; Em boca fechada não entra mosquito; Minha boca é um botão =

sugere manter um segredo. Cara-de-pau = pessoa cínica.

Custar os olhos da cara = ser muito caro.

Dar com a língua nos dentes = denunciar.

Dar o golpe do baú = casar-se com uma pessoa rica por interesse.

DESENFERRUJAR A LÍNGUA: ter oportunidade de falar uma língua estrangeira; voltar a

falar uma língua estrangeira. Dor de cotovelo = ciúme.

 

Estar de saco cheio = estar intolerante.

Farinha

do

mesmo saco = comparação entre duas ou mais pessoas de personalidade

mesquinha Fazer das tripas coração = fazer o possível e o impossível

Ficar de braços cruzados = não fazer nada (não resolver uma situação)

Ficar de olho = olhar, observar.

Ficar de orelha em pé = está desconfiado, alerta.

Ficar de papo pro ar = não fazer nada (ser preguiçoso)

Mão-de-vaca = pessoa que faz economia de suas coisas exageradamente

Não dar o braço a torcer = não ceder de modo algum

Não dizer coisa com coisa = falar sem nexo, sem sentido.

Olho gordo = inveja.

Pé frio = pessoa sem sorte.

Pé quente = pessoa com sorte.

Perder a cabeça = descontrolar-se.

Perna-de-pau = quem não sabe jogar bem o futebol.

Pôr a alma pela boca, a partir desta interpretação, passa a sugerir a idéia de perder a vida ou parte da vida, o que normalmente acontece com o cansaço ou sofrimento excessivo.

Pôr a boca no trombone = contar pra todo mundo.

Pôr no olho da rua = despedir, expulsar.

Rodar a baiana = fazer um escândalo.

Saber na ponta da língua = saber perfeitamente.

Tirar de letra = fazer alguma coisa com grande facilidade.

Tocar no ponto fraco = atingir a fraqueza de alguém.

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

39

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

MÓDULO III

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

40

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

El párrafo

El párrafo es una etapa del desarrollo de las ideas en una disertación, del encadenamiento lógico de los elementos en una descripción o de la sucesión de hechos en una narrativa.

Tipográficamente, el párrafo se caracteriza por un pequeño distanciamiento del margen izquierdo (cerca de 1,25 cm.).

Cada

uno

de

los párrafos

es un encadenamiento de frases

que dan coherencia

a

una

idea

principal, a la cual se agregan otras- secundarias – todas íntimamente relacionadas por el sentido.

Observemos las siguientes recomendaciones (tanto para la producción de un párrafo como para el reconocimiento de uno):

1.-la secuencia de los párrafos sigue el plan lógico y detallado que el escritor eligió para su redacción.

“Dinheiro é um meio de trocas. Com isso os homens podem dedicar-se a poucas atividades, especializando-se naquelas que são realmente competentes, sem preocupar-se com as demais. Uma dentista, por exemplo, após anos de estudo e de prática, oferece um importante serviço à sociedade. Entretanto, ela não mais terá tempo para levar seus filhos ao colégio. Assim, passa a utilizar os serviços de um motorista. Esse interessante meio de trocas foi muito importante para o incrível desenvolvimento de nossa sociedade.

O dinheiro também é uma importante reserva de valor. A natureza impõe uma fase de declínio na capacidade de trabalho. Aos sessenta anos, poucos de nós estaremos capacitados a trabalhar no mesmo tempo que tínhamos aos trinta. Esse desafio natural requer a reserva de uma substancial quantia em dinheiro para que possamos custear as despesas da velhice.

Muitos de nós vivemos grandes conflitos no processo de obtenção do dinheiro. Algumas pessoas acreditam que tudo será resolvido se ficarem ricas. Outras, em oposição, desprezam o dinheiro, ou tratam-no como algo menor”.

Praticamos?

HALFELD, M, (2001) Investimentos.p:2 SP:Fundamento Educacional.

  • a) Distinga, em cada um dos parágrafos, a introdução, o desenvolvimento e a conclusão.

  • b) Resuma em uma frase a idéia geral do texto.

2.- Cada um dos parágrafos tem uma idéia central.

“O dinheiro também é uma importante reserva de valor. A natureza impõe uma fase de declínio na capacidade de trabalho. Aos sessenta anos, poucos de nós estaremos capacitados a trabalhar no mesmo tempo que tínhamos aos trinta. Esse desafio natural requer a reserva de uma substancial quantia em dinheiro para que possamos custear as despesas da velhice”.

Praticamos?

  • a) Explique como este parágrafo está construído.

  • b) Transcreva a frase que resume a idéia central do parágrafo

3.- Um novo parágrafo pode introduzir um aspecto novo ou complementar.

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

41

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

“Muitos de nós vivemos grandes conflitos no processo de obtenção do dinheiro. Algumas pessoas acreditam que tudo será resolvido se ficarem ricas. Outras, em oposição, desprezam o dinheiro, ou tratam-no como algo menor”.

Praticamos?

  • a) Explique que novo aspecto o autor introduziu neste parágrafo.

4.- Um novo parágrafo pode apresentar uma causa ou conseqüência de uma situação.

“O número de acidentes nas estradas e mesmo nas cidades durante o carnaval é muito grande. Nas rodovias federais, ocorreram 148 mortes durante o período 2002, em aumento de 14,73% em comparação com o ano anterior quando ocorreram 129 mortes. No estado de São Paulo morreram 40 pessoas e 162 tiveram ferimentos graves nos 1147 acidentes ocorridos.

As bebidas alcoólicas são as principais vilãs, mas o uso de acessórios e equipamentos irregulares e a falta de vistoria nos veículos também podem implicar mortes e ferimentos graves. Um exemplo é o uso irregular de pára-brisas de vidros temperados, quando o correto é o uso de vidros laminados.”.

Praticamos?

(Auto New, 27/02/2003)

  • a) Que frase do segundo parágrafo anuncia a causa principal do que está relatado no primeiro?

  • b) Que causas secundárias estão expostas no mesmo parágrafo?

  • c) Quais as conseqüências dessas causas secundárias?

5.-

As

diferentes

partes

de

um

texto

podem

contraditórios de uma mesma questão.

ser

opor

para

ressaltar

aspectos

Junto com a globalização vem o impacto das novas tecnologias. Máquinas substituem homens gerando desempregos. Por exemplo, cada vez menos gente trabalha nos bancos porque, como você vê nas ruas, existem caixas automáticas.

A tecnologia também cria empregos, ao abrir novas funções até então inexistentes. Muitos trabalhadores não conseguem se reciclar e ficam marginalizados, já que sem estudos não podem dominar as novas tecnologias”.

Praticamos?

DIMESNTEIN, Gilberto (1988) O cidadão de papel.SP:Ática, p.:117

  • a) Que aspecto negativo está expresso no primeiro parágrafo?

  • b) Que aspectos positivos estão expressos no segundo parágrafo?

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

42

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

Lecturas

Os japoneses em São Paulo

 

Está

São

Paulo

com

os

grande,

 

troncos

grandes

e

primeiros imigrantes japoneses. Chegaram no dia 18 pelo vapor

reforçados, mas pernas curtas. Um japonês de 14 anos não é mais alto

Kasato Maru,

depois

de

52 dias

que uma de nossas crianças de oito

de viagem do Japão a Santos.

 

anos

de

idade.

A

estatura média

 

Estes

781

japoneses

japonesa é inferior à nossa média.

 

introduzidos

agora

agrupam-se

 

Têm nas suas mulheres a maior

em

164

famílias,

sendo

cada

confiança,

a

ponto

de,

para

não

família constituída em média de

interromperem uma lição adventícia

4,5

indivíduos. São poucos

os

de português, lhes confiarem a troca

indivíduos

que

vieram

avulsos

de seu dinheiro japonês em moeda

(37),

isto

é,

não fazendo parte

portuguesa,

pois

todos trazem

de famílias.

O

número

de

dinheiro: dez yens,20, 30, 40, 50 ou

crianças e o de velhos, nulo.

mais yens, mas todos trazem um pouco.

 

Estavam

todos,

homens

e

mulheres, vestidos à europeia:

 

Os

empregados

da

alfândega

eles de chapéu ou boné; e elas

declararam que nunca viram gente

de

saia

e

camiseta pegada

à

que tenha tanta ordem e com tanta

saia, apertada na cintura por um

calma assistido à conferência de suas

cinto,

e

de

chapéu de senhora.

bagagens e em nenhuma só vez

Um chapéu simples,

 

o

mais

foram apanhados em mentiras.

simples

que

se pode conceber,

preso na cabeça por um elástico

e ornado com um grampo.

A

raça

é muito diferente, mas

não é inferior. Não façamos antes de

tempo juízos temerários a respeito

Todos os japoneses vindos

da

ação

do

japonês

ao trabalho

são geralmente baixos: cabeça

nacional.

 

Correio Paulistano, junho de 1908.

1.- Leia o texto, enumere os parágrafo e, em função dos conteúdos dê um título a cada um.

Comandos para ler o texto após o trabalho com o professor:

Texto:

O FUTURO NO PASADO

  • 1 Anunciou-se que São Paulo ia a ter bondes elétricos. Os tímidos veículos puxados a burros, que cortavam a morna cidade provinciana iam desaparecer para sempre. Não mais veríamos na descida da ladeira de Santo Antônio, frente à nossa casa, o bonde descer sozinho equilibrado pelo breque do condutor. E o par de burros seguindo depois. Uma febre de

  • 5 curiosidade tomou as famílias, as casas, os grupos. Como seriam os novos bondes que andavam magicamente, sem impulso exterior? Eu tinha notícia pelo pretinho Lázaro, filho da cozinheira de minha tia, vinda do Rio, que era muito perigoso esse negócio de eletricidade. Quem pusesse os pés nos trilhos ficava ali grudado e seria esmagado fatalmente pelo bonde. Precisava pular. Uma grande empresa canadense estabelecia-se em São Paulo – a Ligth. Meu

  • 10 pai, que era vereador, trazia notícias e pormenores do grandioso empreendimento. Construíam uma represa na direção do santuário do Bom Jesus de Pirapora.

A Câmara Municipal fora convidada a conhecer os trabalhos da Ligth.

Pronunciava-se “Laite”. E, uma manhã, Seu Andrade, com seus companheiros de vereança,

  • 15 partiu para ver o que se fazia.

Dona Inês e eu ouvimos no dia seguinte as proezas da excursão. Meu pai contava que

atravessara, sem se curvar, por dentro de canos enormes por onde

passaria a

água

represada. Um mistério esse negócio de eletricidade. Ninguém sabia como era. Caso é que funcionava. Para isso as ruas da pequena São Paulo de 1900 enchiam-se de fios e postes.

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

43

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas

20

O fato público mexera com a opinião. Havia os favoráveis, os que previam um grande

progresso

para

a

Capital com

a

aquisição da energia elétrica. Mas havia

também os

que

cheiravam negociata na vinda de capitais estrangeiros para cá. ...

25

30

E anunciaram que numa manhã apareceria o primeiro bonde elétrico. Indicaram-me a atual Avenida São João como o local por onde transitaria o veiculo espantoso. Um amigo de casa informava:

_O

bonde

pode

andar

ate

a velocidade de nove

pontos. Mas,

é

uma

disparada dos

diabos. Ninguém aguenta. É capaz de saltar dos trilhos! E matar todo mundo ...

A cidade tomou um aspecto de revolução. Todos se locomoviam, procuravam ver. E os mais afoitos queriam ir até a temeridade de entrar no bonde, andar de bonde elétrico!

35

40

45

Naquele dia de estreia ninguém pagava passagem, era de graça. A afluência tornou-se, portanto, enorme.

No centro agitado, eu desci a ladeira de São João, que não era ainda a avenida de hoje. Fiquei na esquina da Rua Líbero Badaró, olhando para o largo de São Bento, de onde devia sair a maravilha mecânica.

...

Um murmúrio

tomou conta

dos ajuntamentos.

vinha

o bicho!

O

veiculo amarelo e

grande ocupou os trilhos no centro da via pública. Um homem de farda

azul

e

boné

o

conduzia, tendo ao lado um fiscal. Uma avalanca de ferro prendia-o ao fio esticado, no alto.

Uma campainha forte tilintava abrindo as alas convergentes do povo. Desceu devagar. Gritavam: Cuidado! Vem a nove pontos!

50

...

O carro lerdo aproximou-se fez a curva. Estava apinhado de pessoas, sentadas, de pé. Uma mulher exclamou:

55

_Ota gente corajosa! Anda nessa geringonça!

Passou. Parou adiante, perto do local onde se abre hoje a Avenida Anhangabaú. Houve um tumulto. Acidente?

60

Não andava mais, gente acorria de todos os lados. Muitos saltavam. _ Rebentaram a trave do lado! Não é nada!

Tiravam a trave quebrada. O veiculo encheu-se de novo, continuou mais devagar ainda, precavido.

65

E

ficou

pelo ar,

ante o povo boquiaberto que rumava para as casas, a atmosfera dos

grandes acontecimentos. Nas ruas, os acendedores de lampião passavam com suas varas ao ombro acendendo os acetilenos da iluminação pública.

70

ANDRADE, Oswald de (1990) Um homem sem profissão; sob As ordens de mamãe.São Paulo, Globo/Secretaria de Estado da Cultura. P.46-9.

1)

Leia o título e a partir dele levante algumas hipóteses sobre o conteúdo do texto.

2)

Assinale os parágrafos e leia-os.

3)

Que tipo de texto é? Por quê?

4)

Quais são as marcas do autor? Marque no texto.

5)

Qual é o fato principal do texto?

6)

Para que o narrador usa a descrição?

7)

Leia as hipóteses elaboradas a partir do título e verifique-as.

8)

Faça um resumo do texto em Espanhol. Sem esquecer as recomendações sobre como elaborar cada parágrafo.

APUNTES DE CÁTEDRA-PORTUGUÉS INSTRUMENTAL I

44

-UNaM- FH y Cs. Ss.- Área de Idiomas