Vous êtes sur la page 1sur 78
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMAS DE DISCIPLINAS CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAMPUS NILÓPOLIS

(1°Período) Introdução à Física Geometria Analítica Pré-Cálculo Estrutura do ensino Escola e Sociedade

(1°Período)

Introdução à Física Geometria Analítica Pré-Cálculo

Estrutura do ensino Escola e Sociedade Comunicação e Informação I

(3°Período)

Física Geral I Cálculo II Biologia Geral I Didática Física em Sala de aula I

(5°Período)

Eletromagnetismo e Ótica Física Física Geral IV Física Clássica História e Filosofia da Ciência I Física em Sala de Aula II Supervisão de Estágio

(7°Período)

Física Moderna II Eletrônica Básica Ciências ambientais I Supervisão de Estágio TCC I

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

(Fluxograma 2007)

(2°Período)

Cálculo I Química Geral III Metrologia Psicologia da Aprendizagem Comunicação e Informação II

(4°Período)

Física Geral II Física Geral III Cálculo III Metodologia do Ensino de Ciências Metodologia da Pesquisa

(6°Período)

Física Moderna I Tópicos Complem. de Matemática Introdução à Astronomia e Gravitação História e Filosofia da Ciência II Pesquisa em Ensino de Física Supervisão de Estágio

(8°Período)

Física Moderna III Libras I Física em Sala de Aula TCC II

1° PERÍODO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio

1° PERÍODO

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA INTRODUÇAÕ À FÍSICA

 

CÓDIGO

FIS018

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA SISTEMA DE MEDIDAS

 
 

1.

O sistema Internacional de Unidades; 2. Dimensões das Grandezas Físicas; 3. Notação científica;4.

Algarismos significativos e ordens de grandeza. PROPRIEDADES DA LUZ

 
 

1.

A propagação da Luz; 2. Princípio de Huygens; 3. Princípio de Fermat; 4. Mecanismos físicos para

reflexão e refração;5. Reflexão especular e reflexão difusa; 6. Intensidade relativa da luz refletida e transmitida;7. Reflexão interna total; 8. Miragens; 9. Dispersão; 10. Demonstração das leis da reflexão e da

refração (princípios de Huygens e Fermat) IMAGENS ÓTICAS

 
 

1.

Espelhos planos; 2. Espelhos esféricos; 3. Diagrama de raios para espelhos planos e esféricos;4.

Imagens formadas por refração; 5. Lentes finas (delgadas); 6. Diagrama de raios para lentes; 7. Combinação de lentes; 8. Lentes compostas; 9. Aberrações;10. Instrumentos óticos (Olho, lupa, microscópio composto e telescópio)

OBJETIVO GERAL Aprender os conceitos básicos de Ótica Geométrica e verificá-los experimentalmente.

 

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

 

(

x ) Prática

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A., MOSCA, Gene – Física – Vol.1 e Vol.2 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol.1 e vol.4 – 6 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição – Bookman.

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

 

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA GEOMETRIA ANALÍTICA

 

CÓDIGO

MAT020

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

Licenciatura em Matemática

 

X

 

Licenciatura em Física

 

X

 

Licenciatura em Química

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas) 81 h

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

6

 

6

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Vetores no R 2 e R 3 . Produto escalar e produto vetorial. Curvas planas: correspondência entre curvas e equações cartesianas. Reta, circunferência, cônicas. Coordenadas polares. Curvas e superfícies no R 3 :

correspondência entre superfícies e equações. Sistemas de coordenadas no espaço. Planos e retas no R 3 . Outras superfícies: superfícies de revolução, superfícies quádricas.

OBJETIVO GERAL Introduzir o conceito de vetores e suas operações e também o conceito de coordenadas no plano e no espaço. Aplicar os referidos conceitos na resolução de problemas geométricos e físicos.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O curso é feito mediante aulas expositivas.

 

( x ) Teórica

(

) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA LEHMANN, Charles – Geometria Analítica – Ed Globo STEINBRUCH, Alfredo – Geometria Analítica – Ed Mc Graw Hill

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

 

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

PRÉ-CÁLCULO

MAT027

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Matemática

 

X

 
 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Funções: Definição, domínio, imagem, gráfico. Funções injetoras, sobrejetoras e bijetoras. Função composta e função inversa. Funções especiais: polinômios, logaritmos e exponenciais, trigonométricas e trigonométricas inversas. Limites: definição, teoremas sobre limites, limites no infinito, limites infinitos, limites fundamentais, formas indeterminadas. Continuidade de funções.

OBJETIVO GERAL Estabelecer as bases de Matemática Elementar que possibilitem a aprendizagem do Cálculo Diferencial e Integral.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O curso é feito mediante aulas expositivas.

 

( x ) Teórica

(

) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA LEITHOLD , Louis – Cálculo com Geometria Analítica – Vol 1. Ed Harbra SAFIER, Fred – Pré-Cálculo – Ed Bookman

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR IEZZI, G.; MURAKAMI, C.; MACHADO,N. J. – Fundamentos da Matemática Elementar 8 – Atual Editora

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA ESTRUTURA DO ENSINO

 

CÓDIGO

ESP011

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

LICENCIATURA EM QUÍMICA

 

X

 

LICENCIATURA EM FÍSICA

 

X

 

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

 

04

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Organização e Funcionamento do Sistema Educacional Brasileiro; A Organização Atual do Ensino; Ensino Médio e Educação Profissional; Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e Educação Profissional; A Organização e Administração do Trabalho na Escola; Relações Humanas na Escola

OBJETIVO GERAL Conhecer e analisar criticamente a estrutura e o funcionamento do Sistema Educacional Brasileiro em suas dimensões histórica, política, social e cultural, considerando os pressupostos legais.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

- dinâmicas de grupo

 

(X) Teórica ( ) Prática

 

- seminários

- aulas expositivas

 

- debates

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Filmes, palestras, SEMATEC.

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001). Apresentação de seminários, realização de projetos de ensino, atividades práticas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA DEMO, P. A nova LDB – ranços e avanços. Campinas: Papirus, 2001. SAVIANNI, D. Educação brasileira: estrutura e sistema. Campinas: Autores Associados, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo, 1981. (Coleção Primeiros Passos)

 

FÁVERO, O. (org) A educação nas constituintes brasileiras 1823-1888. Campinas: Autores Associados,

1996.

GADOTTI, M. Pensamento pedagógico brasileiro. São Paulo: Ática, 1994.

 

SAVIANNI, D. A nova lei de educação – trajetória, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados,

1997.

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

 

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 
 

DISCIPLINA ESCOLA E SOCIEDADE

 

CÓDIGO

ESP010

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Química

 

x

 
 

Licenciatura em Física

 

x

 
 

Licenciatura em Matemática

 

x

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Abordar aspectos sociológicos da Educação, as Desigualdades educacionais,os Clássicos da sociologia e

a

Educação, a Democratização do ensino, algumas questões sobre o currículo e por fim, a Educação crítica

e

libertadora.

OBJETIVO GERAL Compreender a educação a partir da perspectiva sociológica, observando mais de perto a relação entre a Escola e a Sociedade; refletindo criticamente sobre o processo educacional a partir da dinâmica da sociedade brasileira.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Leitura e discussão de textos relevantes para a disciplina; Exibição de filmes:“Sociedade dos Poetas Mortos”, de Peter Weir e “Janela da

( x ) Teórica

 

(

) Prática

Alma”, de João Jardim e de clips que se relacionam à temática da Educação:“The Wall”, Pink Floyd; Análise de letras de música, associando-as aos temas e autores trabalhados.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Elaboração de um júri simulado sobre um assunto contemporâneo relacionado à Educação (Reforma Universitária ou Cotas, por exemplo).

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001). Apresentação de seminários, realização de projetos de ensino, atividades práticas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA RODRIGUES, Alberto Tosi. “Sociologia da educação”. Rio de Janeiro: DP & A, 2003. ALENCAR, Chico; GENTILLE, Pablo. “Educar na esperança em tempos de desencanto”. 5 ed. Petrópolis:

Vozes, 2005.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ALVES, Rubem; DIMENSTEIN, Gilberto. “Fomos maus alunos”. 7 ed. Campinas: Papirus, 2003. CATANI, Afrânio; NOGUEIRA, Maria Alice (Orgs.). “Escritos de educação”. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. CECCON. Claudius et al. “Cuidado, escola! Desigualdade, domesticação e algumas saídas”. 6 ed. São Paulo: Brasiliense, 1980.

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

DISCIPLINA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO I

 

CÓDIGO

LCD002

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

Licenciatura em Física

 

X

 

Licenciatura em Matemática

 

X

 

Licenciatura em Química

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

27

02

 

02

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Linguagem e comunicação. Teoria da comunicação. Teoria da informação. Funções da linguagem. Variação lingüística e níveis de linguagem. Língua oral e língua escrita. Tipologia textual. O texto científico. Leitura e análise de textos. Normas de apresentação de trabalhos acadêmicos.

OBJETIVO GERAL Dominar os diferentes usos da linguagem, considerando os diferentes contextos.

 

ABORDAGEM (x ) Teórica ( ) Prática

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Aulas expositivas, leitura e análise de textos, exercícios orais e escritos.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDRADE, M.M. ; HENRIQUES, A. Língua portuguesa: noções básicas para cursos superiores. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1991. VANOYE, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. São Paulo:

 

Martins Fontes, 1998.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR CUNHA, C. ; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

FERREIRA, A.B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

 

1986.

 

GARCIA, O.M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1987. OLIVEIRA, J.L. de. Texto acadêmico: técnicas de redação e pesquisa científica. Petrópolis: Vozes, 2005.

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
2° PERÍODO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio

2° PERÍODO

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

CÁLCULO I

MAT012

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Matemática

 

X

 
 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas) 81 h

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

6

 

6

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Pré-Cálculo

MAT027

EMENTA Derivada: Definição. Interpretação geométrica e física. Derivadas de funções elementares e transcendentais. Regras de derivação. Funções implícitas e taxas relacionadas. Aplicações de derivadas. Integrais:

Antiderivadas e integração indefinida. Mudança de variáveis. Integrais definidas e Teorema Fundamental do Cálculo. Aplicações de integrais definidas. Técnicas de integração. Formas indeterminadas, Regra de L´Hôpital. Integrais impróprias.

OBJETIVO GERAL Construir os conceitos de derivação e integração de funções reais de uma variável real, ilustrá-los com exemplos e aplicá-los aos diversos ramos da Ciência e Tecnologia.

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

O curso é feito mediante aulas expositivas.

(

) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

 

(

Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA LEITHOLD , Louis – Cálculo com Geometria Analítica – Vol 1. Ed Harbra GUIDORIZZI, Hamilton Luiz – Vol 1 – Ed LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR SWOKOWSKI – Cálculo com Geometria Analítica – Vol 1 – Ed Makron

 
 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

 

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA QUÍMICA GERAL III

 

CÓDIGO

QIB008

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

 

6

 

6

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Estrutura atômica. Classificação Periódica dos Elementos. Sólidos Iônicos e Metálicos. Ligação Covalente e teorias relacionadas (Lewis, TLV, RPECV, TOM). Semicondutividade e teoria das bandas. Funções Inorgânicas. Mol. Cálculo Estequiométrico. Medidas de Concentração. Termoquímica. Equilíbrio Químico. Cinética Química. Técnicas de Laboratório.

OBJETIVO GERAL Introduzir conceitos fundamentais de Química, com ênfase na correlação entre a estrutura da matéria e suas propriedades físicas e químicas, permitindo uma visão geral da Química e de suas aplicações.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(x

) Teórica

Aulas expositivas, aulas experimentais, seminários, vídeos, exercícios escritos e

(x

) Prática

virtuais. 30% de Aulas Práticas

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

 

KOTZ J. C. e TREICHEL Jr P. - Química e reações químicas, vol., 1 e 2, São Paulo: Thomson Learning,

2005.

MASTERTON, W. L., SlOWINSKI, E. J. e STALITSKI, C. L. Princípios de Química. São Paulo, LTC,

1990.

 
 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

METROLOGIA

GMT022

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Pré-Cálculo

 

MAT027

 

Introdução à Física

 

FIS018

EMENTA SISTEMA DE UNIDADES 1. Grandezas fundamentais e derivadas 2. O sistema internacional de unidades ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS 1. Definição 2. Operações matemáticas com algarismos significativos DISTRIBUÇÕES DE PROBABILIDADE 1. Variável aleatória discreta 2. Distribuição binomial 3. Freqüência relativa e histograma de freqüência de uma variável aleatória discreta 4. Lei dos grandes números para uma variável aleatória discreta 5. Distribuição de Poisson 6. Distribuição normal como um limite da binomial 7. Variável aleatória contínua 8. Freqüência relativa e histograma de freqüência de uma variável aleatória contínua 9. Densidade de probabilidade 10. Distribuição uniforme 11. Distribuição normal em detalhes 12. Distribuição χ n 2 MEDIÇÕES 1. Medição 2. Valor verdadeiro 3. Valor médio verdadeiro 4. Erros 5. Erro aleaório 6. Erro sistemático 7. Erro sistemático residual 8. Incerteza 9. Incerteza padrão 10. Limite do erro 11. Incerteza expandida 12. Média verdadeira 13. Desvio padrão verdadeiro 14. Média experimental 15. Desvio padrão experimental 16. Distribuição-t de Student 17. Incerteza padrão combinada 18. Incertezas tipo A e B 19. Regras práticas para determinação de incertezas tipo B 20. Graus de liberdade efetivos PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS 1. Independência e correlação de variáveis aleatórias 2. Cálculo de propagação de incertezas GRÁFICOS E AJUSTES 1. Determinação das escalas dos eixos coordenados 2. Ajuste linear 3. Correlações e coeficiente de Pearson 4. Calibração

OBJETIVO GERAL Introduzir os conceitos fundamentais da metrologia que serão empregados pelos discentes em todas as atividades experimentais e cálculos aritméticos durante a graduação e na vida profissional.

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

O curso baseia-se em aulas expositivas. Porém, a realização de algumas práticas

(

x ) Prática

experimentais é imprescindível para a fixação dos conceitos lecionados.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

 

(

Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

 

MENDES, A.; ROSÁRIO, P. P

Metrologia e Incerteza de Medição, Ed. Epse

 
 

VUOLO, J. H

Fundamentos da Teoria dos Erros, Ed. Edgard Blücher

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

INMETRO. Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia, Ed. SENAI/DN ABNT, INMETRO, SBM. Guia para Expressão da Incerteza de Medição

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM

 

CÓDIGO

ESP036

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

Licenciatura em Matemática

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA SURGIMENTO DA PSICOLOGIA (Breve Histórico das principais correntes da Filosofia e das Ciências Naturais correlacionando os principais teóricos: Platão e Aristóteles; Descartes); DESENVOLVIMENTO HUMANO (Desenvolvimento no Pré-natal; Recém-nascido, Criança, Adolescência; Desenvolvimento emocional e social); TEORIAS COGNITIVISTAS (O Construtivismo de Piaget; a Teoria da Instrução de Bruner; o Enfoque Interacionista de Vigotski); CONDICIONAMENTO CLÁSSICO E CONDICIONAMENTO OPERANTE (Análise das contribuições de Pavlov, Watson, Skinner, Torndike. Conceituar o Condicionamento Clássico; Princípios e Fatores do Condicionamento Clássico; Aspectos Cognitivos do Condicionamento Clássico; Predisposição Biológica para a Aprendizagem; Conceituar Condicionamento Operante; Princípios do Condicionamento Operante; Conceito de Reforço; Conceito de Estímulo; Aspectos Cognitivos; as Leias da Aprendizagem); MOTIVAÇÃO E EMOÇÃO (Teorias da Motivação e Comportamento Emocional; Teoria do Impulso; A Hierarquia das Necessidades; Motivação e Aprendizagem; Motivação Intrínseca e Extrínseca; Frustração; Curiosidade; Incentivos; A Teoria das Emoções de James-Lange; A Interação Professor-Aluno); A TEORIA DA APRENDIZAGEM SOCIAL (Nesta unidade será discutida a Teoria de Albert Bandura; Aprendizagem do Comportamento Agressivo; Aprendizagem por Reforço e Moldelação; O professor como modelo); A TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS (A teoria das múltiplas inteligências e sua contribuição para o processo de Ensino e Aprendizagem Escolar); ADOLESCÊNCIA E SAÚDE (Adolescência e sala de aula; Desenvolvimento Psicossexual; Transtornos do Comportamento e Aprendizagem; Estatuto da Criança e do Adolescente e responsabilidades do professor; Jogos de Dinâmicas de Grupo; Criatividade e Aprendizagem).

OBJETIVO GERAL Capacitar o licenciando a identificar os principais paradigmas científicos da Psicologia e os pressupostos teóricos que fundamentam a Psicologia da Aprendizagem, com seus princípios e fatores, que estão presentes no processo de Ensino e Aprendizagem humana.

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A disciplina será desenvolvida através de aulas expositivas, leituras de textos,

( x ) Teórica

(

) Prática

trabalhos em grupos, seminários com a utilização de recursos midiáticos.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001). Apresentação de seminários, realização de projetos de ensino, atividades práticas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA BOCK, A.M.B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M.L.T. Psicologias. Uma Introdução ao Estudo da Psicologia. 13 a ed. SP, Editora Saraiva, 1999. RAPAPPORT, C.R. et al. Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: EPU, Vol. 1,2,3, 1991.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BARROS, C.S.G. Pontos de Psicologia Escolar. 5 a ed. Editora Ática, 2002. BARROS, C.S.G. Psicologia e Construtivismo. São Paulo, Ed. Ática, 1996. BRANDÃO, M.L. Psicofisiologia – As bases fisiológicas do comportamento. SP, Atheneu, 2002. GARDNER, H. (1994). Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Trad. Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed. GARDNER, H. (1995). Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese.

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Porto Alegre: Artmed. GUZZO, R.S.L. (org) Psicologia Escolar – LDB e Educação Hoje. 2 a ed. Editora Alínea, 2002. HOCKENBURY, D.H.; HOCKENBURY, S.E. Descobrindo a Psicologia. 2 a ed. Ed. Manole, SP, 2003. REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. LEI 8069/90 – Estatuto da Criança e do Adolescente. STRAUB, R.O. Psicologia da Saúde. Porto Alegre, Artmed, 2005. WERTHEIMER, M. Pequena História da Psicologia. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. Companhia Editora Nacional, SP, 1977.

WERTHEIMER, M. Pequena História da Psicologia. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. Companhia Editora Nacional, SP, 1977.

Coordenador do Curso

Filipe Pereira M. dos Santos

Data Jul/2009

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Mônica Romitelli de Queiroz

Data Jul/2009

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

DISCIPLINA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO II

 

CÓDIGO

LCD003

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

Licenciatura em Física

X

 

Licenciatura em Matemática

X

 

Licenciatura em Química

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

27

02

 

02

PRÉ-REQUISITO (S)

CÓDIGO (S)

Comunicação e Informação I

LCD002

EMENTA Coesão e coerência textuais. Tipologia textual. Técnicas de exposição e de argumentação. Texto acadêmico. Leitura, análise e produção de textos.

OBJETIVO GERAL Desenvolver no aluno as habilidades de compreensão e produção de diferentes tipos de texto.

 

ABORDAGEM ( x ) Teórica ( ) Prática

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Aulas expositivas, exercícios orais e escritos, debates, leitura, análise e produção de textos.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA GARCIA, O.M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1987.

OLIVEIRA, J.L. de. Texto acadêmico: técnicas de redação e pesquisa científica. Petrópolis: Vozes,

 

2005.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ABREU, A.S. Curso de redação. São Paulo: Ática, 2004. ANDRADE, M.M. ; MEDEIROS, J.B. Curso de língua portuguesa: para a área de humanas. São Paulo: Atlas, 1997. CHAMADOIRA, J.B.N. & RAMADAN, M.I.B. Língua portuguesa: pensando e escrevendo. 3ed. São Paulo: Atlas, 1998. CUNHA, C. ; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

EMEDIATO, W. A fórmula do texto: redação, argumentação e leitura. São Paulo: Geração Editorial,

 

2004.

 

FERREIRA, A.B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

 

1986.

 

KOCH, I. V. ; TRAVAGLIA, L.C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 1990.

 

SERAFINI, M.T. Como escrever textos. 5ed. São Paulo: Globo, 1992. VAL, M. da G. Costa. Redação e textualidade. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

 

Data Jul/2009

 
3° PERÍODO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio

3° PERÍODO

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física Geral I

 

CÓDIGO

FIS007

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

 

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Geometria Analítica

 

MAT020

 

Cálculo I

 

MAT012

EMENTA

 

MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO: Deslocamento, velocidade e velocidade escalar; Aceleração; Movimento com aceleração constante MOVIMENTOS EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES: Vetor deslocamento; Posição, velocidade e aceleração; Movimento dos projéteis LEIS DE NEWTON: Primeira lei de Newton; Segunda lei de Newton; Força peso; Terceira lei de Newton; Forças da natureza APLICAÇÕES DAS LEIS DE NEWTON: Força de atrito; Movimento circular; Forças de arraste TRABALHO E ENERGIA: Trabalho e energia cinética; Trabalho e energia em três dimensões; Potência; Energia potencial CONSERVAÇÃO DA ENERGIA: Conservação da energia mecânica; Conservação da energia; Massa e energia; Quantização da energia SISTEMAS DE PARTÍCULAS E CONSERVAÇÃO DO MOMENTUM LINEAR: Centro de massa; Localização do centro de massa por integração; Movimento do centro de massa; Conservação do momento; Energia cinética de um sistema; Colisões; Referencial do centro de massa ROTAÇÃO: Velocidade angular e aceleração angular; Torque, momento de inércia e segunda lei de Newton para a rotação; Cálculo do momento de inércia; Aplicações da segunda lei de Newton à rotação; Energia cinética de rotação; Rolamento CONSERVAÇÃO DO MOMENTUM ANGULAR: Natureza vetorial da rotação; Momento angular; Torque e momento angular; Conservação do momento angular; Quantização do momento angular EQUILÍBRIO ESTÁTICO E ELASTICIDADE: Condições de equilíbrio; Centro de gravidade; Exemplos de equilíbrio estático; Equilíbrio estático num referencial acelerado; Estabilidade do equilíbrio de rotação; Tensão e deformação

OBJETIVO GERAL Aprender os conceitos básicos de Mecânica Newtoniana e verificá-los experimentalmente.

 

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

(

x ) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A. – Física – Vol.1 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol.1 – 7 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição - Bookman

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

Cálculo II

MAT013

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Matemática

 

X

 
 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas) 81 h

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

6

 

6

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Cálculo I

MAT012

 

Geometria Analítica

 

MAT020

EMENTA Funções de várias variáveis. Diferencial, derivadas direcionais, gradiente, jacobiana. Funções implícitas. Máximos e mínimos. Gradiente, divergente, rotacional. Integrais múltiplas. Coordenadas polares, cilíndricas e esféricas. Mudança de variáveis em integrais múltiplas. Integral de linha e de superfície. Teoremas de Green, Gauss e Stokes.

OBJETIVO GERAL Construir os conceitos de derivação e integração de funções reais de várias variáveis e funções vetoriais, ilustrá- los com exemplos e aplicá-los aos diversos ramos da Ciência e Tecnologia.

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O curso é feito mediante aulas expositivas.

 

( x ) Teórica

(

) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

---

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA LEITHOLD , Louis – Cálculo com Geometria Analítica – Vol 2. Ed Harbra GUIDORIZZI, Hamilton Luiz – Vol 2 e 3 – Ed LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR SWOKOWSKI – Cálculo com Geometria Analítica – Vol 2 – Ed Makron

 
 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA BIOLOGIA GERAL I

 

CÓDIGO

BIG002

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

LICENCIATURA EM QUÍMICA

 

X

 
 

LICENCIATURA EM FÍSICA

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

4

 

4

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA A importância dos micróbios na vida do homem; As características fundamentais dos seres vivos; Anatomia e fisiologia celular básica; Estudo do DNA e o processo de produção de proteínas. O ambiente terrestre seus conflitos e cooperação.

OBJETIVO GERAL Compreender, de forma prática e teórica, os principais fenômenos relacionados ao mecanismo da vida, tendo por base a dinâmica celular.

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Aulas expositivas utilizando os recursos disponíveis, seminários discentes,

(X)

Teórica

atividades práticas em laboratório.

 

(X)

Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

 

Seminários e Projeto de trabalho para avaliação de aspectos relacionados questão da evolução da vida e bioética.

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

 

ALBERTS, Bruce. Biologia Molecular da Célula. Porto Alegre. Artes Médicas, 2002. GRIFFITHS, A.J.F. Introdução à Genética. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2002.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2003.

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

 

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

 

DIDÁTICA

ESP006

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

Licenciatura em Química

 

X

 

Licenciatura em Física

 

X

 

Licenciatura em Matemática

 

x

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA Fundamentos didáticos e sua aplicação à realidade da Educação Básica. Elementos da ação pedagógica. Planejamento, elaboração e avaliação do processo de ensino-aprendizagem. Relacionamento professor-aluno. Posicionamento crítico e contextualizado da prática educativa. Papel do educador na sociedade brasileira.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Educação e didática: 1.1 Conceituação Básica. 1.2 Prática educativa e sociedade. 1.3 Contextualização e

multidimensionalidade da prática pedagógica. 1.4 Prática pedagógica no contexto de uma pedagogia para a transformação. 1.5 As tarefas da escola pública. 1.6 Didática e formação do professor educador: compromisso social, humano, político e pedagógico. 2. A Didática e o Processo de Ensino: 2.1 Caráter educativo do processo de ensino-aprendizagem. 2.2. Características, estrutura, componentes e dinâmicas do processo de ensino. 2.3. Princípios básicos do ensino. 2.4 Relacionamento professor-aluno: aspectos éticos, emocionais e ideológicos. 2.5 Ensino-Crítico. Planejamento Escolar: elementos de ação pedagógica no contexto de uma pedagogia para

a

transformação. 3.1. Conceituação, funções e importância do planejamento escolar. 3.2. Níveis e relações:

planejamento educacional, curricular e de ensino. 3.3. Fases e elementos componentes do planejamento de ensino. 3.4. Tipos de planos de ensino: plano de curso. Plano de unidade. Plano de aula 3.5. Análise crítica do planejamento: planejamento participativo. 4. Elementos componentes do planejamento de ensino: 4.1

Conhecimento da realidade: requisito para o planejamento escolar. 4.2 Objetivos educacionais: importância. Classificação. Elaboração. 4.3 Conteúdos de ensino: seleção e organização. 4.4 Procedimentos de ensino:

conceituação, classificação, seleção e utilização de métodos e técnicas de ensino. Relação objetivo-conteúdo- método. 4.5 Recursos de ensino: classificação, seleção e utilização. 4.6 Avaliação Escolar: conceituação, características, modalidades, técnicas e instrumentos. Avaliação do processo ensino-aprendizagem: visão crítica.

OBJETIVO GERAL

Analisar criticamente a fundamentação teórica e a aplicação prática em nossa realidade educacional de diferentes experiências de ensino, no contexto de uma pedagogia para transformação da sociedade;

-

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

Vivenciar atividades de planejamento, execução e avaliação das atividades dos docentes, conciliando teoria e prática e desenvolvendo uma visão crítica e contextualizada da prática pedagógica.

-

-

Analisar a contribuição da didática na formação do professor da Educação Básica;

 

-

Compreender a especificidade da função do professor como orientador do processo de ensino-aprendizagem

e

seu papel na formação integral do educando;

 

Caracterizar as fases do planejamento de ensino analisando os elementos componentes de cada fase e reconhecendo sua importância no processo ensino-aprendizagem;

-

ABORDAGEM (X) Teórica ( ) Prática

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Leituras e resenhas de livros Dinâmicas de grupo Seminários Aulas expositivas Debates

 
 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Filmes, palestras, SEMATEC, leituras de livros.

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Apresentação de seminários e atividades práticas.

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo, 1994. VASCONCELOS, Celso dos Santos.Planejamento: Projeto de Ensino-Aprendizagem e Projeto Político- Pedagógico. São Paulo, Cadernos Pedagógicos do Libertad. , 1999.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

 

ARAÚJO, Ulisses F. Assembléia Escolar: Um caminho para a resolução de conflitos.São Paulo,

Moderna,2004.

ALENCAR, Eunice Soriano de. Novas contribuições da Psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, 1995.

 

,

A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1983.

DALMAS, A. Planejamento participativo na escola. Petrópolis: Vozes, 1994. FONTANA, R. Mediação pedagógica na sala de aula. Campinas, Autores Associados, 1996.

FRANCO, L.A. C.A. A escola do trabalho e o trabalho da escola. São Paulo. Cortez, 1991. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

 

,

Pedagogia da Esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, Paulo & SHOR, L. Medo e Ousadia. Uma perspectiva construtiva. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. Petrópolis: Vozes, 1995. HOFFMAN, Jussara. Avaliação: Mito e Desafio. Porto Alegre: Mediação, 1991.

 

,

Avaliação mediadora. Uma prática em construção da pré-escola à Universidade. Porto Alegre:

Educação e realidade, 1993. KUENZER, À: CALAZANS, M. J. & GARCIA, W. Planejamento e Educação no Brasil. São Paulo: Cortez / Autores Associados, 1990. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação Educacional Escolar: para além do autoritarismo. São Paulo: ANDES, ANDE (5), pp 47 – 51. 1986.

MENEZES, L.C. (Org.) Professores: Formação e Profissão. Campinas / São Paulo: Autores Associados / Nupes / Unesco, 1996. MIZUKAMI, Mª da Graça N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. MOREIRA, Antonio F.B. (Org.). Conhecimento Educacional e Formação do Professor. Campinas: Papirus,

1994.

MULTIEDUCAÇÃO (Núcleo curricular básico). Rio de Janeiro: SME, 1996. NIDELCOFF, Maria Teresa. Uma Escola para o Povo. São Paulo: Brasiliense, 1980. A Escola e a Compreensão da Realidade. São Paulo: Brasiliense, 1980. NÓVOA, Antônio. Formação de Professores e Trabalho Pedagógico. Lisboa, Educa, 2002. OLIVEIRA, M. R. (Org.) Didática: ruptura, compromisso e pesquisa. Campinas: Papirus, 1993. PARRA, Nélio. Ensino Individualização: programas e matérias. São Paulo: Saraiva, 1978. PENIN, Sonia. Cotidiano e Escolar. São Paulo: Cortez, 1995. PIMENTA, Selma G. (Org.) Didática e Formação de Professores. São Paulo: Cortez, 1997. RODRIGUES, Neidson. Lições do Príncipe e outras lições. São Paulo: Cortez, 1995. VEIGA, Ilma P.A. Repensando a Didática. Campinas: Papirus, 1996.

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

Data Jul/2009

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física em Sala de Aula I

   

CÓDIGO

ESP012

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

   

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

   

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL

04

 

(tempos de aula)

 

54

04

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Introdução à Física

 

FIS018

EMENTA:

 

Conteúdo programático de Óptica no Ensino Médio a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs); Tendências atuais em Ensino de Óptica Geométrica; Alguns resultados de pesquisa em Ensino de Óptica Geométrica.Teoria das Concepções Alternativas, suas origens e princípios. Concepções Alternativas identificadas no Ensino de Óptica Geométrica. A evolução histórica dos conceitos da Óptica. Análise de alguns conceitos de Óptica apresentados em livros didáticos com abordagens diferenciadas. Elaboração de projetos – aula em Ensino de Óptica com experimentos de laboratório. Produção de material didático (experimentos de baixo custo) voltado para o Ensino de Óptica. Pesquisa e análise de aparatos e/ou experimentos de Óptica existentes em centros e museus de ciências.

OBJETIVO GERAL Conhecer e analisar as tendências atuais para o ensino de física, especificamente Óptica, a partir da nova concepção curricular e dos objetivos propostos para o ensino médio brasileiro (PCNs). OBJETIVOS ESPECÍFICOS Debater e aprofundar a Teoria das Concepções Alternativas e as concepções alternativas identificadas em Óptica; Elaborar atividades práticas com objetivo de desmistificar as concepções alternativas em Ensino de Óptica. Construir material didático para ser utilizado em atividades experimentais ou outros recursos metodológicos de ensino. Desenvolver projetos – aula que rompam com a simples exposição de conteúdos de Física e com o modelo predominantemente matematizado de Ensino de Física.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(X)

Teórica

Aulas expositivas, leitura e discussão de artigos e capítulos, atividades experimentais.

(X)

Prática

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Leitura de bibliografia complementar, visitas e realização de atividade no laboratório específico da área com acompanhamento do professor da disciplina e visitas a instituições de educação não formal (centros e museus de ciências).

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001). Apresentação de seminários, realização de projetos de ensino, realização de atividades experimentais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

 

NARDI, R. Pesquisa em ensino de física. Coleção Educação para a Ciência, Escrituras Editora, São Paulo, 1998. ALMEIDA, Ronaldo; FALCÃO, Douglas. Brincando com a ciência: experimentos interativos de baixo custo. Rio de Janeiro: MAST, 1996, 232p. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ARAÚJO, Mauro Sergio Teixeira de; ABIB, Maria Lucia Vital dos Santos. Atividades experimentais no ensino de física: diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física. São Paulo: SBF, v. 25, n. 2, p. 176-194. 2003. BORGES, O. Formação inicial de professores de física: Formar mais! Formar melhor! Encontro “Ensino de Física:

Reflexões”, Brasília, 11-12 de agosto de 2005, SEED/MEC/SBF. BORGES, O. Ensinar para menos e ensinar melhor. In: Simpósio Nacional de Ensino de Física, XVI, 2005, Rio de Janeiro. Disponível em http://www.coltec.ufmg.br/~inovar/artigos/oto-mr-16snef.pdf

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

BONDIA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação,

no.19,2002.

COLINVAUX, D. (2002) Aprender - no museu? Travessias em direção ao conhecimento. Publicação convidada. Rio de Janeiro: BOLETIM CECA. QUEIROZ, G., GOUVÊA, G. e FRANCO. Formação de Professores e Museus de Ciência In: GOUVÊA, G., MARANDINO, M. e LEAL, M. C.[Orgs]. Educação e Museu: A Construção Social do caráter Educativo dos Museus de Ciência. Rio de Janeiro: Access Editora. 2003. p. 207-218. RICE, K., FEHER, E., Pinholes and Images. Children s conception of light and vision I, Science Education, 71(4), p. 629-639, 1987. RICE, K., FEHER, E., Shadows and Anti-Images: Children s conception of light and vision II . Science Education, 72(5), p. 637-649, 1988. RICE, K., FEHER, E., Children s Conceptions of Color. Research in Science Teaching, vol. 30, no. 3, p. 505-519,

1992.

SEPÚLVEDA, L. Parceria Museu e Escola como Experiência Social e Espaço de Afirmação do Sujeito In:

GOUVÊA, G., MARANDINO, M. e LEAL, M. C.[Orgs]. Educação e Museu: A Construção Social do caráter Educativo dos Museus de Ciência. Rio de Janeiro: Access Editora. 2003. p. 107-128. CARVALHO, Regina Pinto de. Física do dia-a-dia – 105 perguntas e respostas sobre física fora da sala de aula. Belo Horizonte: Gutemberg, 2003. 104p. GIRCOREANO, J. P. ; PACCA, J. L. A. (2001).O ensino da Óptica na perspectiva de compreender a luz e a visão. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Santa Catarina, v. 18, n. 1, p. 26-40. HARRES, J. B. S. (1993) Um teste para detectar concepções alternativas sobre tópicos introdutórios de óptica geométrica. Caderno Catarinense de Ensino de Física, vol. 10, n o 3, p. 220-234. PACCA, J. L. A.; SCARINCI, Anne Louise . Um curso de Astronomia e as pré-concepções dos alunos. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, Brasil, v. 28, n. 1, p. 1-11, 2006. TEIXEIRA S. K. (1982). Estudo das noções espontâneas acerca dos fenômenos relativos à luz em alunos de 11 a 18 anos. Dissertação de Mestrado. São Paulo, IFUSP. TEIXEIRA, S. K, CARVALHO, A. M. P. (1984). A visão de um fenômeno: como os alunos de 11 – 18 anos interpretam a queima de uma folha de papel com o auxílio de uma lente. Revista da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 10 (2): 301 – 303. ZIMMERMANN, E. Modelos de Pedagogia de professores de Física: características e desenvolvimento. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v.17, n.2: p.150-173, 2000. GALLI, C., SALAMI, M. A. Laboratório Caseiro: Registro de figuras de difração da luz em papel fotográfico. Caderno Catarinense Ensino de Física, v.16, n.2: p.242 –245, 1999. CATELLI, F. Laboratório Caseiro: observando espectros luminosos – espectroscópio portátil. Caderno Catarinense Ensino de Física, v.19, n.2, p.262 –269, 2002. LOPES, É. M., LABURU, C. E. Diâmetro de um fio de cabelo por difração (um experimento simples). Caderno Catarinense Ensino de Física, v.18, n.2: p.240 –247, 2001.

Coordenador do Curso

Filipe Pereira M. dos Santos

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Mônica Romitelli de Queiroz

Data Jul/2009

Data Jul/2009

4° PERÍODO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio

4° PERÍODO

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA

 

CÓDIGO

ESP025

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

LICENCIATURA EM QUÍMICA

 

X

 
 

LICENCIATURA EM FÍSICA

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

27

02

 

02

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA O conhecimento e seus níveis. A pesquisa científica. A metodologia científica. Gêneros de textos acadêmicos. Normas da ABNT.

OBJETIVO GERAL Capacitar o aluno a produzir trabalhos acadêmicos.

 

ABORDAGEM

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(X

) Teórica

Aulas expositivas, pesquisas, leitura e análise de textos, debates, exercícios orais e

(

) Prática

escritos.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 21 ed. Petrópolis: Vozes, 2003. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia de trabalho científico. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2001.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6022:2003. Informação e documentação – Artigo em publicação periódica e científica impressa. Rio de Janeiro: 2003. NBR 6023: 2002. Informação e documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2002. NBR 6028: 2003. Informação e documentação – Resumo - Apresentação. Rio de Janeiro, 2003. NBR 10520: 2002. Informação e documentação – Apresentação de citação em documentos. Rio de Janeiro,

2002.

 

NBR 14724:2002. Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação. Rio de Janeiro, 2002. NBR 15287: 2005. Informação e documentação – Projeto de pesquisa – Apresentação. Rio de Janeiro, 2005. KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 21 ed. Petrópolis: Vozes, 2003. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia de trabalho científico. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2001.

 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

 

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física Geral II

 

CÓDIGO

FIS008

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

 

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral I

FIS007

EMENTA OSCILAÇÕES: Movimento harmônico simples; Energia no movimento harmônico simples; Alguns sistemas oscilantes; Oscilações amortecidas; Oscilações forçadas e ressonâncias MOVIMENTO ONDULATÓRIO: Movimento ondulatório simples; Ondas periódicas; Ondas em três dimensões; Ondas incidindo sobre barreiras; Efeito Doppler e ondas de choque SUPERPOSIÇÃO DE ONDAS E ONDAS ESTACIONÁRIAS: Superposição de ondas; Ondas estacionárias; Superposição de ondas estacionárias; Análise harmônica e síntese harmônica; Pacotes de ondas e dispersão

OBJETIVO GERAL

 

Aprender os conceitos básicos que envolvem os fenômenos ondulatórios clássicos e verificá-los experimentalmente.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

(

x ) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A. – Física – Vol.1 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol.2 – 7 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição - Bookman

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física Geral III

 

CÓDIGO

FIS009

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Matemática

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral II

 

FIS008

 

Cálculo II

 

MAT013

EMENTA DISTRIBUIÇÕES DISCRETAS DE CARGA 1. Carga elétrica 2. Condutores e isolantes 3. Lei de Coulomb 4. Campo elétrico 5. Linhas de campo elétrico 6. Movimento das cargas puntiformes nos campos elétricos 7. Dipolos elétricos DISTRIBUIÇÕES CONTÍNUAS DE CARGA 1. Cálculo do campo elétrico a partir da lei de Coulomb 2. Lei de Gauss 3. Cálculo do campo elétrico a partir da Lei de Gauss 4. Descontinuidade do campo elétrico 5. Cargas e campos elétricos em superfícies condutoras 6. Dedução da lei de Gauss a partir da lei de Coulomb POTENCIAL ELÉTRICO 1. Diferença de potencial 2. Potencial elétrico devido a um sistema de cargas puntiformes 3. Cálculo campo elétrico a partir do potencial 4. Cálculo do potencial para distribuições contínuas de carga 5. Superfícies equipotenciais ENERGIA ELETROSTÁTICA E CAPACITÂNCIA 1. Energia potencial eletrostática 2. Capacitância 3. Armazenamento de energia elétrica 4. Capacitores, baterias e circuitos 5. Dielétricos 6. Estrutura molecular de um dielétrico CORRENTE ELÉTRICA E CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 1. A corrente e movimento de cargas 2. Resistência e lei de Ohm 3. Energia nos circuitos elétricos 4. Combinações de resistores 5. Regras de Kirchhoff 6. Circuitos RC CAMPO MAGNÉTICO 1. A força exercida por um campo magnético 2. Movimento de uma carga em um campo magnético 3. Torques sobre espiras com corrente e ímãs 4. Efeito Hall FONTES DO CAMPO MAGNÉTICO 1. O campo magnético de cargas móveis pontuais 2. O campo magnético de correntes: A lei de Biot-Savart 3. Lei de Gauss para o magnetismo 4. Lei de Ampère 5. Magnetismo nos materiais

OBJETIVO GERAL Aprender os conceitos básicos da Eletricidade e do Magnetismo e verificá-los experimentalmente.

 

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

 

(

x ) Prática

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR --

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

 

(

Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A. – Física – Vol.2 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol.3 – 6 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição – Bookman

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

CÁLCULO III

MAT014

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Matemática

 

X

 
 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas) 81 h

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

6

 

6

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Cálculo II

MAT013

EMENTA

 

Seqüências e séries de números. Testes de convergência. Séries de potência e raio de convergência. Séries de

ª

Taylor. Equações diferenciais elementares de 1

ordem. Equações diferenciais lineares de ordem maior que um

e com coeficientes constantes. Aplicações de EDO´s a Física e Química. Transformada de Laplace.

OBJETIVO GERAL Construir a teoria das séries numéricas. Entender o significado e as técnicas de resolução de equações diferenciais e aplicá-las em diversos problemas de Ciência e Tecnologia.

ABORDAGEM ( x ) Teórica

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O curso é feito mediante aulas expositivas.

 

(

) Prática

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA BOYCE, W. e DI PRIMA, R. – Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno. Ed LTC. GUIDORIZZI, Hamilton Luiz – Vol 4 – Ed LTC

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BUTKOV, E. – Física Matemática – Ed Guanabara Dois

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

Mônica Romitelli de Queiroz

 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

 

ESP027

 

Metodologia do Ensino de Ciências

 

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

Licenciatura em Química

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL

02

(tempos de aula)

 

27

02

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

EMENTA O que é ciência. A evolução histórica do Ensino de Ciências no Brasil e os grandes projetos curriculares (PCNs). Tendências Atuais em Ensino de Ciências. Concepções Epistemológicas do Ensino de Ciências O Papel da História da Ciência no Ensino de Ciências. O Ensino de Ciências em CTS. A Experimentação em Ensino de Ciências (laboratório e material alternativo). Análise de materiais e de recursos didáticos. Novas tecnologias no Ensino de Ciências. A Educação Não Formal, via Centros e Museus de Ciência e Tecnologia, como elemento constitutivo da prática pedagógica do licenciando.

OBJETIVO GERAL Conhecer e examinar criticamente metodologias atuais no Ensino de Ciências. Conhecer diferentes recursos didáticos e estratégias de ensino disponíveis na escola e em instituições de educação não formal em ciências. Capacitar para o desenvolvimento e execução de projetos de ensino-aprendizagem em ciências, com objetivo de adequar pedagogicamente os conteúdos de ciências ao contexto atual. Conscientizar o licenciando das diferenças e complementaridades entre saber o conteúdo e saber ensinar o conteúdo.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

X ) Teórica

Aulas expositivas, leitura e discussão de textos, realização de atividades

(

X ) Prática

experimentais.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Leitura de bibliografia complementar, visita técnica a instituições de ensino formal e instituições de educação não formal (museus e centros de ciências).

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001). Apresentação de seminários, realização de projetos de ensino, atividades práticas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA DELIZOICOV, D. e ANGOTTI, J. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo, Cortez, 1990. POZO, Juan Ignacio; GÓMEZ CRESPO, M. A . Aprender y Enseñar Ciencia Madrid: Morata, 1998

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR SCHON, D. Educando um profissional reflexivo. Ed. Artmed. MOREIRA, Marco Antonio e AXT, Rolando. - Tópicos em Ensino de Ciências - Sagra, Porto Alegre, 1991. MORAES, Roque e MANCUSO, Ronaldo Educação em Ciências - Produção de Currículos e Formação de Professores – Ijuí: Editora UNIJUÌ – 2004 NÓVOA, A. Os Professores e a sua Formação. Dom Quixote Publicações PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação. Perspectivas Sociológicas. Nova Enciclopédia, 1995.

MORAES, R. (Org.). Construtivismo e o ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre, Edipucrs, 2000.

SANTOS, W. L. P. dos e MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (ciência- tecnologia-sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, v. 2, n. 2,

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

133-162, dez 2000.

SCHNETZLER, R. P.; e ARAGÃO, R. M. de (Orgs.). Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas, R. Vieira Gráfica e Editora Ltda., 2000.

KRASILCHICK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo, Edusp, 1987.

MARANDINO, M. A Cultura Escolar Frente aos Desafios das Novas Tecnologias no Ensino de Ciências. V Encontro Aberto do Grupo de Ação Coordenada em Ensino de Ciências do Estado do Rio de Janeiro, 2002. QUEIROZ, G., GOUVÊA, G. e FRANCO. Formação de Professores e Museus de Ciência In: GOUVÊA, G., MARANDINO, M. e LEAL, M. C.[Orgs]. Educação e Museu: A Construção Social do caráter Educativo dos Museus de Ciência. Rio de Janeiro: Access Editora. 2003. p. 207-218. NARDI, R. (Org.). Questões atuais em ensino de ciências. São Paulo: escriturais Editora. 1998.

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

Mônica Romitelli de Queiroz

Data Jul/2009

Data Jul/2009

5° PERÍODO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio

5° PERÍODO

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Eletromagnetismo e Ótica Física

 

CÓDIGO

FIS001

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral III

 

FIS009

 

Cálculo III

 

MAT014

EMENTA INDUÇÃO MAGNÉTICA: 1. Fluxo magnético 2. FEM induzida e Lei de Faraday 3. Lei de Lenz 4. FEM induzida por movimento 5. Correntes parasitas 6. Indutância 7. Energia magnética 8. Circuitos RL 9. Propriedades magnéticas de Supercondutores CIRCUITOS COM CORRENTE ALTERNADA: 1. Geradores de corrente alternada 2. Corrente alternada em um resistor 3. Circuitos com corrente alternada 4. Fasores 5. Circuitos LC e RLC sem um gerador 6. Circuitos RLC excitados 7. O transformador EQUAÇÕES DE MAXWELL E ONDAS ELETROMAGNÉTICAS: 1. Corrente de deslocamento de Maxwell 2. Equações de Maxwell (forma integral) 3. Equações de Maxwell na forma diferencial (passagem da forma integral para a forma diferencial) 4. Ondas eletromagnéticas 5. O espectro eletromagnético 6. Produção de ondas eletromagnéticas 7. Radiação de um dipolo elétrico 8. Energia e quantidade de movimento em uma onda eletromagnética 9. Equação de onda para ondas eletromagnéticas PROPRIEDADES DA LUZ (ONDA ELETROMAGNÉTICA) 1. Dualidade onda-partícula 2. Espectro de luz 3. Fontes de luz 4. Velocidade da luz 5. Polarização INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO (ONDA ELETROMAGNÉTICA) 1. Diferença de fase e coerência 2. Interferência em filmes finos 3. Padrão de interferência em duas fendas 4. Padrão de difração em uma única fenda 5. Usando fasores para somar ondas harmônicas 6. Difração de Fraunhofer e Fresnel 7. Difração e resolução 8. Redes de difração e hologramas

OBJETIVO GERAL Aprender os conceitos básicos do Eletromagnetismo e sua relação com a Ótica Física.

 

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

 

(

x ) Prática

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A. – Física – Vol. 2 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol. 3 – 6 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição – Bookman

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física Geral IV

 

CÓDIGO

FIS010

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

 

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

81

06

 

06

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral II

 

FIS008

EMENTA FLUIDOS 1. Massa específica 2. Pressão num fluido 3. Empuxo e princípio de Arquimedes 4. Fluidos em movimento TEMPERATURA E TEORIA CINÉTICA DOS GASES 1. Equilíbrio térmico e temperatura 2. As escalas de temperatura Celsius e Fahrenheit 3. Termômetros a gás e escala de temperatura absoluta 4. A lei dos gases ideais 5. Teoria cinética dos gases CALOR E A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA 1. Capacidade calorífica e calor específico 2. Mudança de fase e calor latente 3. A experiência de Joule e a primeira lei da termodinâmica 4. A lei de resfriamento de Newton 5. Energia interna de um gás ideal 6. Trabalho e diagrama PV de um gás 7. Capacidades caloríficas dos gases e teorema da eqüipartição 8. Capacidades caloríficas dos sólidos 9. Falha do teorema da eqüipartição 10. Compressão adiabática quase-estática de um gás A SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA 1. Máquinas térmicas e a segunda lei da termodinâmica 2. Refrigeradores e a segunda lei da termodinâmica 3. Equivalência entre os enunciados de Kelvin e de Clausius 4. A máquina de Carnot 5. Bombas de calor 6. Irreversibilidade e desordem 7. Entropia 8. Entropia e disponibilidade de energia 9. Entropia e probabilidade PROPRIEDADES TÉRMICAS E PROCESSOS TÉRMICOS 1. Dilatação térmica 2. Equação de van der Waals e as isotermas líquido-vapor 3. Diagramas de fase 4. Transferência de energia térmica (Condução, convecção e radiação)

OBJETIVO GERAL Aprender os conceitos básicos da Dinâmica dos Fluidos e da Termodinâmica, além de verificá-los experimentalmente.

 

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

 

(

x ) Prática

O curso possui 2/3 de aulas expositivas e 1/3 de aulas de laboratório.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

 

(

Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA TIPLER, Paul A. – Física – Vol.1 – Ed. LTC HALLIDAY, Resnick. – Fundamentos de Física – vol.2 – 7 o ed. - Editora LTC

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HEWITT, Paul G. – Física Conceitual – 9 a Edição - Bookman

 
 

Coordenador do Curso

 

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA

 

CÓDIGO

Física Clássica

FIS004

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

 

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

 

54

04

 

04

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral I

 

FIS007

 

Cálculo III

 

MAT014

EMENTA MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL DE UMA PARTÍCULA 1. Teorema do momento e da energia 2. Força aplicada dependente do tempo 3. Força de amortecimento dependente da velocidade 4. Força conservativa dependente de posição. Energia potencial 5. Oscilador harmônico simples 6. Oscilador harmônico amortecido 7. Oscilador harmônico forçado 8. Princípio da superposição. Oscilador harmônico com força aplicada arbitrariamente. MOVIMENTO DE UMA PARTÍCULA EM DUAS OU TRÊS DIMENSÕES 1. Cinemática no plano 2. Cinemática em três dimensões 3. Teorema do momento linear e da energia 4. Teorema do momento angular no plano e vetorial 5. Discussão geral do movimento em duas e três dimensões 8. Movimento sob a ação de uma força central 9. Força central inversamente proporcional ao quadrado da distância 10. Órbitas hiperbólicas. O problema de Rutherford 11. Movimento de uma partícula em um campo eletromagnético SISTEMA DE COORDENADAS EM MOVIMENTO 1. Origem do movimento de coordenadas 2. Rotação dos sistemas de coordenadas 3. Leis do movimento de rotação da terra 4. Pêndulo de Foucault EQUAÇÕES DE LAGRANGE E HAMILTON (INTRODUÇÃO) 1. Coordenadas generalizadas 2. Princípio da mínima ação 3. Equações de Lagrange 4.Exemplos de Lagrangianos 5.Equações de Hamilton 6. Exemplos de Hamiltonianos

OBJETIVO GERAL Aprofundar os conceitos de Mecânica e aprender sobre sistemas de coordenadas não-inerciais. Além disso, ter conhecimentos básicos das equações de Lagrange e Hamilton.

ABORDAGEM

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

(

x ) Teórica

 

(

) Prática

Aulas expositivas.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ---

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR

 

(

Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA WATARI, Kazunori – Mecânica Clássica – volumes. I e II – Editora Livraria da Física LEMOS, Nilvado A. – Mecânica Analítica – Editora Livraria da Física

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR SYMON, Keith R. – Mecânica – 4 a edição – Ed. Campus

 
 

Coordenador do Curso

Pró-Reitora de Ensino de Graduação

Filipe Pereira M. dos Santos

 

Mônica Romitelli de Queiroz

 
 

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

 
Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

 

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA História e Filosofia da Ciência I

   

CÓDIGO

ESP018

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

   

CLASSIFICAÇÃO

 

Obrigatória

Optativa

Licenciatura em Física

 

X

 

Licenciatura em Química

   

X

 

Licenciatura em Matemática

   

X

 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL (tempos de aula)

54

04

04

PRÉ-REQUISITO (S) Não tem

 

CÓDIGO (S) -

 

EMENTA 1 - História da Ciência Antiga: das origens à Grécia; 2 - Introdução à Filosofia da Ciência: a filosofia da natureza de Platão e Aristóteles; 3 - O Método Científico (hipóteses, leis e teorias científicas); 4 - Ciência Natural - os pressupostos filosóficos: 4.1 - O Positivismo Lógico; 4.2 - As idéias de Popper; 4.3 - A Filosofia de Thomas Kuhn; 4.4 - As Idéias de Lakatos e Feyerabend; 5 - Lógica e Ordenação do Pensamento; 6 - O Método Indutivo no Renascimento Científico: Bacon, Galileu e Newton.

OBJETIVO GERAL Apresentar e debater, sob um ponto de vista histórico, conceitos fundamentais de filosofia da ciência, partindo da ciência dos povos antigos e apresentando um amplo painel dos principais problemas associados à evolução do conhecimento, com especial atenção a discussões acerca do progresso (ou não) do conhecimento científico.

ABORDAGEM (X ) Teórica ( ) Prática

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Discussão de textos inerente aos temas; Apresentação de filmes e vídeos didáticos.

 

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Interação com experimentos científicos; Visitas a exposições científicas.

 

OPERACIONALIZAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR ( Exclusivo para os Cursos de Licenciatura, de acordo com o Parecer CNE/CP n o 28/2001).Debate de textos que mostrem a necessidade de um Ensino de Ciências na Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio) contextualizado em sua história, frisando a sua não linearidade e as diferentes leituras que podemos ter.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

GEWANDSZNAIDER, Fernando; Alves-Mazzotti, Alda Judith. O Método nas Ciências Naturais: pesquisa quantitativa e qualitativa. Pioneira Thomson Learning. 2001 BRAGA, Marco; Guerra, Andréia; Reis, José Cláudio. Breve História da Ciência Moderna. Vol II: Das Máquinas do Mundo ao Universo –Máquina. Jorge Zahar. Rio de Janeiro. 2003.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ALVES, Rubens. Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e as suas regras. Loyola. São Paulo. 2000. BRAGA, Marco; Guerra, Andréia; Reis, José Cláudio. Breve História da Ciência Moderna. Vol I: Convergência de saberes (Idade Média). Jorge Zahar. Rio de Janeiro. 2003. BRAGA, Marco; Guerra, Andréia; Reis, José Cláudio. Breve História da Ciência Moderna. Vol III: Das Luzes ao Sonho do Doutor Frankenstein (século XVIII). Jorge Zahar. Rio de Janeiro.2003. BRAYSON, Bill. Breve História de Quase Tudo. Companhia das Letras. 2005. CHALMERS, A. F. O que é Ciência Afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993, p 23 –35. DESCARTES, René. Discurso de Método. Martin Claret . São Paulo. 2005. FARIAS, Robson de Fernandes. Para Gostar de Ler a História da Química. Vol I. Átomo. São Paulo. 2005. KUHN, Thomas. A Estrutura das Revoluções Científicas. Perspectiva. São Paulo. 2005. ROCHA, José Fernando. Origens e Evolução das Idéias da Física. EDUFBA. Salvador. 2002. RONAN, Colin. História Ilustrada da Ciência da Universidade de Cambridge: das origens à Grécia. v.I. Jorge Zahar. São Paulo. 1987. RONAN, Colin. História Ilustrada da Ciência da Universidade de Cambridge: da Renascença à Revolução Científica. v.III. Jorge Zahar. São Paulo. 1987. WATSON, James D. DNA: O Segredo da Vida. Companhia das Letras. 2005.

Coordenador do Curso Filipe Pereira M. dos Santos

Pró-Reitora de Ensino de Graduação Mônica Romitelli de Queiroz

Data Jul/2009

   

Data Jul/2009

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

PROGRAMA DE DISCIPLINA

 

DISCIPLINA Física em Sala de Aula II

 

CÓDIGO

ESP013

CURSO (S) EM QUE É OFERECIDA

 

CLASSIFICAÇÃO

Obrigatória

Optativa

 

Licenciatura em Física

 

X

 
 

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL (horas)

NÚMERO DE CRÉDITOS

CARGA HORÁRIA SEMANAL

04

 

(tempos de aula)

 

54

04

PRÉ-REQUISITO (S)

 

CÓDIGO (S)

 

Física Geral II

 

FIS008

EMENTA Conteúdo programático de Mecânica e Ondas no Ensino Médio a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): História da mecânica e da hidrodinâmica enfatizando os conhecimentos de interesse ao ensino da física de ensino médio. Teoria da Mudança Conceitual. Concepções Alternativas identificadas no Ensino de Mecânica e Ondas. Análise e criação de materiais didáticos (experimentos de baixo custo) voltado para o ensino de Mecânica e Ondas. Análise de materiais bibliográficos de interesse ao ensino da Mecânica e de Ondas do ensino médio. Planejamento de aulas teórico-experimentais. Pesquisa e análise de aparatos e/ou experimentos de Mecânica e Ondas existentes em centros e museus de ciências.