Vous êtes sur la page 1sur 1

Sade Mental Na contemporaneidade com a promulgao da a lei 10.

216, em 06 de abril de 2001, o Brasil fechou com mais velocidade leitos em hospitais psiquitricos e, ao mesmo tempo, comeou a colocar em funcionamento novas estruturas de tratamento a partir de uma perspectiva comunitria. Dez anos depois, movimentos sociais, especialistas e o prprio Ministrio da Sade avaliam que a poltica acertada, mas que precisa avanar. Para entender como se estrutura hoje a ateno em sade mental, preciso voltar algum tempo na histria. J na dcada de 1980, comea-se a pensar em mudanas no atendimento psiquitrico. Na cronologia descrita pelo Ministrio da Sade sobre a reforma psiquitrica em sua pgina eletrnica, dois fatos so considerados importantes para estabelecerem as condies institucionais para a implantao de novas polticas de sade, inclusive de sade mental: a Constituio de 1988 e a criao do Sistema nico de Sade (SUS). No final dos anos 1980, surge o Movimento Nacional de Luta Antimanicomial, com uma postura claramente contrria aos manicmios e ao tipo de tratamento oferecido nessas instituies. Desde ento, diversos setores da sociedade comeam uma grande batalha no campo da sade mental, exigindo um conjunto de mudanas que acabam sendo amparadas pela lei 10.216/2001. A partir da, a orientao passa a ser a de que o atendimento dos pacientes com transtornos mentais seja feito nos Centros de Ateno Psicossocial (Caps), em Residncias Teraputicas, Ambulatrios, Hospitais Gerais e Centros de Convivncia, em substituio aos hospitais psiquitricos. Conforme explica o Ministrio da Sade, a reforma psiquitrica significa a mudana no modelo de tratamento: no lugar do isolamento, o convvio com a famlia e a comunidade.