Vous êtes sur la page 1sur 14

Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico

DE F@TO & DE DIREITO


Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

Professor(a): VALÉRIA Avaliação: 1ª Atualizado em: 18/04/2009


Disciplina: DIREITO PROCESSO PENAL II Período: 6º Data: Diversas
Virtus Unita Fortius Agit: "A união faz a força" Elaborado Por: Edson Ramos
terça-feira 10/02/2009
DIREITO PROCESSO PENAL II

1) COMPETÊNCIA
2) PROCEDENTES PROCESSUAIS (art. 92 a 154, CPP)
3) PROVAS (art. 155 a 250, CPP)
4) SUJEITOS DO PROCESSO(art. 251 a 281, CPP)
5) ATOS PROCESSUAIS (art. 351 a 372, CPP)

1) COMPETÊNCIA
I. COMPETÊNCIA FIXADA PELA CONSTITUIÇÃO
II. COMPETÊNCIA FIXADA PELO CPP
III. COMPETÊNCIA E CESSAÇÃO DO EXERCÍCIO FUNCIONAL
IV. CONCURSO DE AGENTES E FORO POR PRERROGATIVA DE FUNCAO
V. COMPETÊNCIA ABSOLUTA E RELATIVA
VI. CONEXÃO E CONTINÊNCIA (ESPÉCIES)
VII. PRORROGAÇÃO DA COMPETÊNCIA
VIII. SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS
terça-feira 17/02/2009
DA COMPETÊNCIA
Em síntese, pode-se dizer que competência é a limitação do poder jurisdicional. O art. 69, CPP
determina as regras para a fixação da competência jurisdicional.
terça-feira 03/03/2009
Art. 69, CPP – Determinará a competência jurisdicional:
I – o lugar da infração;
II – o domicílio ou residência do réu;
III – a natureza da infração;
IV – a distribuição;
V – a conexão ou continência;
VI – a prevenção;
VII – a prerrogativa de função.
REGRAS DE FIXAÇÃO DE COMPETÊNCIA

a) Territorial
I. Lugar da Infração
II. Lugar do domicílio

b) Prevenção (art. 83, CPP)


c) Distribuição (art. 75, CPP)

1) TERRITORIAL (art. 70 e 71, CPP)


DA COMPETÊNCIA PELO LUGAR DA INFRAÇÃO
Art. 70, CPP – A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso de
tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução.
§ 1º – Se iniciada a execução no território nacional, a infração se consumar fora dele, a competência será determinada
pelo lugar em que tiver sido praticado, no Brasil, o último ato de execução.
§ 2º – Quando o último ato de execução for praticado fora do território nacional, será competente o juiz do lugar em que
o crime, embora parcialmente, tenha produzido ou devia produzir seu resultado.
§ 3º – Quando incerto o limite territorial entre duas ou mais jurisdições, ou quando incerta a jurisdição por ter sido a
infração consumada ou tentada nas divisas de duas ou mais jurisdições, a competência firmar-se-á pela prevenção.

Art. 71, CPP – Tratando-se de infração continuada ou permanente, praticada em território de duas ou mais jurisdições, a
competência firmar-se-á pela prevenção.
1
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

DA COMPETÊNCIA PELO LOCAL DA INFRAÇÃO


O crime plurilocal envolve duas ou mais comarcas, ao passo que o crime a distancia é o delito iniciado
no Brasil e se consuma fora dele ou vice-versa.
Na hipótese do ilícito ter iniciado na comarca A e o resultado se verificado na comarca B, em regra,
considerando o art. 70 do CPP, a competência seria da comarca B:
Exemplo: João foi esfaqueado no trem, na estação Central do Brasil, vindo a falecer em um hospital na
Baixada Fluminense.
Contudo, prevalece o entendimento jurisprudencial de que, no caso de homicídio doloso, o foro
competente é o do local da conduta (teoria da ação). O principal argumento é que no plenário do júri não é
possível a expedição de precatório e, portanto, caso o julgamento ocorra na comarca B, não haverá nenhuma
testemunha presencial, vez que não é obrigada a se deslocar de uma comarca para outra.
Teoria do Resultado – o juiz territorial competente será aquele do lugar em que o crime se consumou. O
CPP, em seu art. 74, caput, adota essa teoria em regra.
Teoria da Ação – o juiz competente será aquele do lugar onde ocorreram os atos executórios. Aplica-se
essa teoria excepcionalmente: Lei 9.099/95, nos crimes tentados, casos de desistência voluntária,
arrependimento eficaz e segundo o STJ nos casos de homicídio doloso.

DA COMPETÊNCIA PELO DOMICÍLIO OU RESIDÊNCIA DO RÉU

Art. 72, CPP – Não sendo conhecido o lugar da infração, a competência regular-se-á pelo domicílio ou residência do réu.
§ 1º – Se o réu tiver mais de uma residência, a competência firmar-se-á pela prevenção.
§ 2º – Se o réu não tiver residência certa ou for ignorado o seu paradeiro, será competente o juiz que primeiro tomar
conhecimento do fato.

Art. 73, CPP – Nos casos de exclusiva ação privada, o querelante poderá preferir o foro de domicílio ou da residência do
réu, ainda quando conhecido o lugar da infração.

HIPÓTESE LEGAL DE PREVENÇÃO


Excepcionalmente, para os crimes que cabem Ação Privada (art. 73 do CPP) o querelante poderá optar
em oferecer queixa no foro do lugar da infração ou no foro do lugar de domicílio do acusado.

DA COMPETÊNCIA POR PREVENÇÃO

Art. 83, CPP – Verificar-se-á a competência por prevenção toda vez que, concorrendo dois ou mais juízes igualmente
competentes ou com jurisdição cumulativa, um deles tiver antecedido aos outros na prática de algum ato do processo ou
de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da denúncia ou da queixa (arts. 70, § 3º, 71, 72, § 2º, e 78,
II, c).

Art. 91, CPP – Quando incerta e não se determinar de acordo com as normas estabelecidas nos arts. 89 e 90, a
competência se firmará pela prevenção.

2) PREVENÇÃO (Art. 83, CPP) – É o critério residual da determinação de competência que incidirá nos casos
em que há pluralidade de juízes igualmente competentes.

HIPÓTESE DE DISTRIBUIÇÃO

DA COMPETÊNCIA POR DISTRIBUIÇÃO


Art. 75, CPP – A precedência da distribuição fixará a competência quando, na mesma circunscrição judiciária, houver
mais de um juiz igualmente competente.

Parágrafo único. A distribuição realizada para o efeito da concessão de fiança ou da decretação de prisão preventiva ou
de qualquer diligência anterior à denúncia ou queixa prevenirá a da ação penal.

3) DISTRIBUIÇÃO (Art. 75, CPP) – Caso não haja juiz prevento e ainda, não havendo pluralidade de juizes
competentes, a fixação da competência se dará pela distribuição, ou seja, caso se verifique que em uma
comarca existam mais de um juiz igualmente competente para julgar o delito, fixará a competência a
distribuição do IP ou das peças informativas.

2
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

Observações:
 Nos crimes permanentes e continuados que se estendam por mais de uma comarca, a competência
será definida pela prevenção.
 Nos crimes consumados na divisa entre duas ou mais comarcas, e não se sabendo precisar
exatamente a qual delas pertence o lugar onde o crime foi praticado, a competência será definida pela
prevenção.
 Nas ações penais privadas, ressalvada a ação penal subsidiaria da publica, a vitima pode optar por
exercer a ação no domicílio do réu mesmo sendo conhecido o local da consumação.

REGRAS DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA


a) Delegação
b) Desaforamento (art. 427, CPP)
c) Conexão e Continência

REGRAS DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA (Detalhadas)


d) Delegação
 Interna – No mesmo juízo
 Externa – Em juízos diferentes
e) Desaforamento (art. 427, CPP)
f) Conexão e Continência
 Conexão (art. 76, CPP)
 Material
• Intersubjetiva
• Objetiva
 Processual
 Continência (art. 77, CPP)
 Cumulação subjetiva c/c Concurso de pessoas (art. 29, CP)
 Cumulação objetiva c/c Concurso formal (art. 70, CP)
1) DELEGAÇÃO

 INTERNA – Caracteriza-se quando a delegação é realizada dentro de um mesmo juízo, como por
exemplo, quando é dado seguimento por um juiz substituto.

 EXTERNA – Caracteriza-se pela delegação realizada por juízos diferentes, como no caso do uso de
carta precatória no curso do processo (juiz deprecante  juiz deprecado)

2) DESAFORAMENTO (art. 427, CPP  alterado pela lei nº 11.689/08)


Segundo estabelece o art. 427 do CPP: "Se o interesse da ordem pública se reclamar ou houver dúvida
sobre a imparcialidade do júri ou a segurança pessoal do acusado, o Tribunal, a requerimento do Ministério
Público, do assistente, do querelante ou do acusado ou mediante representação do juiz competente, poderá
determinar o desaforamento do julgamento para outra comarca da mesma região, onde não existam aqueles
motivos, preferindo-se as mais próximas".
O desaforamento é um mecanismo de modificação da competência, um instituto privativo dos crimes
dos quais a competência é do TJ.
1

DO DESAFORAMENTO
Art. 427, CPP – Se o interesse da ordem pública o reclamar ou houver dúvida sobre a imparcialidade do júri ou a
segurança pessoal do acusado, o Tribunal, a requerimento do Ministério Público, do assistente, do querelante ou do
acusado ou mediante representação do juiz competente, poderá determinar o desaforamento do julgamento para outra
comarca da mesma região, onde não existam aqueles motivos, preferindo-se as mais próximas.
§ 1º O pedido de desaforamento será distribuído imediatamente e terá preferência de julgamento na Câmara ou Turma
competente.
§ 2º Sendo relevantes os motivos alegados, o relator poderá determinar, fundamentadamente, a suspensão do julgamento
pelo júri.
3
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

§ 3º Será ouvido o juiz presidente, quando a medida não tiver sido por ele solicitada.
§ 4º Na pendência de recurso contra a decisão de pronúncia ou quando efetivado o julgamento, não se admitirá o pedido
de desaforamento, salvo, nesta última hipótese, quanto a fato ocorrido durante ou após a realização de julgamento
anulado.
Art. 428, CPP – O desaforamento também poderá ser determinado, em razão do comprovado excesso de serviço, ouvidos
o juiz presidente e a parte contrária, se o julgamento não puder ser realizado no prazo de 6 (seis) meses, contado do
trânsito em julgado da decisão de pronúncia.
§ 1º Para a contagem do prazo referido neste artigo, não se computará o tempo de adiamentos, diligências ou incidentes
de interesse da defesa.
§ 2º Não havendo excesso de serviço ou existência de processos aguardando julgamento em quantidade que ultrapasse a
possibilidade de apreciação pelo Tribunal do Júri, nas reuniões periódicas previstas para o exercício, o acusado poderá
requerer ao Tribunal que determine a imediata realização do julgamento.
CONEXÃO e CONTINÊNCIA
São institutos que permitem reunir em um só processo infrações ou infratores que poderiam ser
julgados separadamente. Se ganha celeridade e evitam-se decisões contraditórias. Esses institutos são
critérios de modificação da competência, pois vão reunir, perante um só juiz, crime ou criminosos que poderiam
ser julgados perante juizes diferentes.
CONEXÃO (art. 76, CPP)
É o vínculo estabelecido entre dois ou mais fatos, que os tornam entrelaçados por algum motivo,
sugerindo a sua reunião (junção) no mesmo processo, a fim de que sejam julgados pelo mesmo juiz e assim se
evite decisões contraditórias.
TIPOS DE CONEXÃO
 Conexão (art. 76, CPP)
 Material
• Intersubjetiva
• Objetiva
 Processual
CONEXÃO MATERIAL
A) Intersubjetiva (entre sujeitos) – Quando dois ou mais crimes são praticados por duas ou mais pessoas.

 Simultaneidade – dois ou mais crimes, praticados por duas ou mais pessoas, praticados nas
mesmas circunstâncias de tempo e espaço. Ex. torcedores sem combinação destroem o estádio de
futebol.

 Por Concurso de pessoas – dois ou mais crimes, praticados por duas ou mais pessoas
combinadas (concurso de pessoas – art. 76, CPP).

 Por Reciprocidade – dois ou mais crimes, praticados por duas ou mais pessoas que atuam umas
contra as outras (concurso de pessoas – art. 76, I, 3ª parte, CPP).

B) Objetiva – Se houver sido cometido um crime para facilitar outro (roubo de veículo para furto de um banco)
ou ocultá-lo (ocultação de cadáver), ou para conseguir impunidade (roubo seguido de morte) ou vantagem
(roubo com morte do cúmplice).

 Teleológica – Quando a infração é executada para facilitar a execução de outra. Ex: Traficante
mata policial para garantir a venda de entorpecentes.

 Consequencial – Quando a infração é praticada para ocultar, ou garantir a impunidade a outra


infração. Ex: Sujeito mata A para ocultar a morte de B.
CONEXÃO PROCESSUAL (art. 76, III, CPP)

CONTINÊNCIA (art. 77, CPP)

4
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

Significa que em um fato criminoso pode conter outros crimes, tornando todos eles em uma unidade
indivisível.
TIPOS DE CONTINÊNCIA
 Continência (art. 77, CPP)
 Cumulação objetiva c/c Concurso formal (art. 70, CP)
 Cumulação subjetiva c/c Concurso de pessoas (art. 29, CP)

CONTINÊNCIA POR CUMULAÇÃO SUBJETIVA


Quando um crime é praticado com concurso de agentes (art. 29, CP).

CONTINÊNCIA POR CUMULAÇÃO OBJETIVA (art. 77, II, CPP)


Em razão de uma conduta duas ou mais infrações foram praticadas (concurso formal). Ex: A atira para
acertar B e também mata C.
====

DA COMPETÊNCIA POR CONEXÃO OU CONTINÊNCIA

Art. 76, CPP – A competência será determinada pela conexão:


I – se, ocorrendo duas ou mais infrações, houverem sido praticadas, ao mesmo tempo, por várias pessoas reunidas, ou por
várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar, ou por várias pessoas, umas contra as outras; 8 § 1º com
redação dada pela Lei nº 263, de 23 de fevereiro de 1948.
II – se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para conseguir impunidade
ou vantagem em relação a qualquer delas;
III – quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova de outra
infração.

Art. 77, CPP – A competência será determinada pela continência quando:


I – duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração;
II – no caso de infração cometida nas condições previstas nos arts. 51, § 1º, 53, segunda parte, e 54 do Código Penal.

CUMULAÇÃO OBJETIVA E CONCURSO FORMAL (art. 70, CPP)

Art. 70, CPP – A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso de
tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução.
§ 1º – Se, iniciada a execução no território nacional, a infração se consumar fora dele, a competência será determinada
pelo lugar em que tiver sido praticado, no Brasil, o último ato de execução.
§ 2º – Quando o último ato de execução for praticado fora do território nacional, será competente o juiz do lugar em que o
crime, embora parcialmente, tenha produzido ou devia produzir seu resultado.
§ 3º – Quando incerto o limite territorial entre duas ou mais jurisdições, ou quando incerta a jurisdição por ter sido a
infração consumada ou tentada nas divisas de duas ou mais jurisdições, a competência firmar-se-á pela prevenção.

Art. 71, CPP – Tratando-se de infração continuada ou permanente, praticada em território de duas ou mais jurisdições, a
competência firmar-se-á pela prevenção. – Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este
cominadas, na medida de sua culpabilidade.

A COMPETENCIA DO TJ - Compete ao Tribunal do Júri julgar casos de:


 Homicídio simples, privilegiado ou qualificado,
 Induzimento, auxílio ou instigação ao suicídio,
 Infanticídio e
 Aborto.
O TJ tem competência para julgar crimes dolosos contra a vida: o tribunal do júri é competente para
julgar homicídio doloso, infanticídio, aborto, auxílio, induzimento ou instigação ao suicídio, em suas formas
tentadas ou consumadas. Esse rol de crimes pode ser ampliado por meio de leis infraconstitucionais. Cabe
também ao júri julgar os crimes comuns que são conexos aos crimes dolosos contra a vida (art. 78, I do CPP).

SÚMULA Nº 603 – STF


A competência para o processo e julgamento de latrocínio é do juiz singular e não do Tribunal do Júri.

5
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

DA COMPETÊNCIA PELA NATUREZA DA INFRAÇÃO


Art. 74, CPP – A competência pela natureza da infração será regulada pelas leis de organização judiciária, salvo a
competência privativa do Tribunal do Júri.

§ 1º Compete ao Tribunal do Júri o julgamento dos crimes previstos nos arts. 121, §§ 1o e 2o, 122, parágrafo único, 123,
124, 125, 126 e 127 do Código Penal, consumados ou tentados

§ 2º Se, iniciado o processo perante um juiz, houver desclassificação para infração da competência de outro, a este
será remetido o processo, salvo se mais graduada for a jurisdição do primeiro, que, em tal caso, terá sua competência
prorrogada.

§ 3º Se o juiz da pronúncia desclassificar a infração para outra atribuída à competência de juiz singular, observar-se-á
o disposto no art. 410; mas, se a desclassificação for feita pelo próprio Tribunal do Júri, a seu presidente caberá
proferir a sentença (art. 492, § 2o).
terça-feira 17/03/2009
DAS QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES (art. 92 ao 154, CPP)
 INCIDENTES PROCESSUAIS
• QUESTÕES PREJUDICIAIS
 HOMOGÊNEA
 HETEROGÊNEA
 OBRIGATÓRIA
 FACULTATIVA
• QUESTÕES INCIDENTAIS

== = = = = = = == = = = = = = = = == = = = = = = = = =
INCIDENTES PROCESSUAIS

• QUESTÕES PREJUDICIAIS – Trata-se de uma questão de Direito Penal ou extra-penal relativa a


elementar da infração penal em julgamento, cuja decisão está na competência de outro juízo e deve
atender o julgamento do mérito da ação penal principal.

 PREJUDICIAIS HOMOGÊNEAS – As questões, prejudicial e a prejudicada pertencem ao mesmo


ramo do direito (penal x penal, civil x civil), como por exemplo, calúnia (art. 138, CP) x exceção
da verdade (art. 138, § 3º, CP).

 PREJUDICIAIS HETEROGÊNEAS – As questões são de ramos diferentes do direito, como por


exemplo, bigamia x anulação de casamento.

 PREJUDICIAL OBRIGATÓRIA (art. 92, CPP ) – É a questão que, uma vez presente, por não ser
de competência do juiz criminal, obriga a suspensão do processo penal até o julgamento da
questão incidental. Sempre versa sobre questão de estado civil das pessoas.

 PREJUDICIAL FACULTATIVA (art. 93, CPP ) – Surge quando o reconhecimento da infração penal
dependerá da solução diversa do estado das pessoas.

Se a prejudicial for obrigatória, o processo penal ficará suspenso por tempo indeterminado. Se
facultativa, o juiz deverá estabelecer prazo para suspensão que poderá ser prorrogado a seu critério. Fica,
desse modo, durante a suspensão do processo, suspenso o prazo prescricional.

• QUESTÕES INCIDENTAIS – São procedimentos, incidentes que surgem ao longo da ação penal e são
em regra, processados em autos apartados.

PROCESSOS INCIDENTAIS
MODALIDADES:
A) EXCEÇÕES
São consideradas defesas indiretas apresentadas por quaisquer das partes, com o objetivo de
prolongar ou extinguir o curso da ação penal, até que uma questão relevante seja resolvida.
6
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

A-1) EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO


Poderá ocorrer a pedido da parte ou decretada de ofício pelo juiz.
A-2) EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA
O Código não distingue se a incompetência é absoluta ou relativa.
Há dois sistemas para argüir a incompetência do Juízo:
 perante o próprio juiz ,e esse declina sua competência;
 perante o órgão superior para que esse, decidindo a questão, iniba a participação daquele juiz no
processo e remeta ao juiz competente.
No Brasil, vigora o primeiro sistema. O próprio juiz vai declinar de sua competência. O art. 109 do
Código de Processo Penal determina que, se em qualquer fase do processo o juiz reconhecer motivo que o
torne incompetente, declará-lo-á nos autos, haja ou não alegação da parte, prosseguindo-se na forma do artigo
anterior.
A incompetência absoluta e a relativa podem ser reconhecidas de ofício pelo juiz.
A incompetência absoluta tem um regime jurídico mais severo por versar sobre questões de interesse
público. A incompetência relativa se preocupa em atender a conveniência da parte. Ex: o lugar da consumação
do delito facilita busca de provas. Não é só interesse da parte. Há também interesse público.
A exceção de incompetência do Juízo só pode ser argüida pela defesa, pois foi o autor quem ajuizou a ação
perante o Juízo incompetente. Se o Ministério Público percebe que o processo foi distribuído para um Juízo
incompetente, deve pedir a declinação do juiz e não oferecer a denúncia. Argüirá na condição de fiscal da lei.
A argüição deve ser feita no prazo de três dias da defesa prévia. Se a incompetência for absoluta,
poderá ser feita posteriormente.

Procedimento da exceção de incompetência:


 A exceção é autuada em apartado.
 Ouve-se o representante do Ministério Público.
 juiz decide. Se pela procedência, remete os autos ao juiz competente.
Dessa decisão cabe recurso em sentido estrito (art. 581, inc. III, do CPP). Não interposto recurso, os autos são
remetidos ao juiz competente. Esse novo juiz não é obrigado a concordar com essa declinação, podendo
também ele suscitar o conflito de jurisdição ou competência. Se decidir pela improcedência, não caberá
recurso. Caberá habeas corpus ou argüição em preliminar de apelação (futuramente).
Conforme o art. 567 do Código de Processo Penal a incompetência do Juízo anula somente os atos
decisórios. Dessa forma somente os atos instrutórios serão ratificados pelo juiz competente, os atos decisórios
serão anulados.

Atenção! A Jurisprudência entende que o recebimento da denúncia ou da queixa não tem carga decisória;
pode, portanto, ser ratificado. Princípio da conseqüencialidade: se o recebimento da denúncia ou da queixa
fosse nulo, todo o processo estaria perdido. A Jurisprudência, por isso, admite tranqüilamente a ratificação do
recebimento da denúncia ou queixa.
QUESTÃO:
O recebimento da denúncia ou queixa interrompe a prescrição. Se foi recebida pelo juiz incompetente e depois
ratificada pelo juiz competente, qual interrompe a prescrição?
R: A ratificação do juiz competente é que interrompe a prescrição. Essa regra aplica-se para qualquer incompetência,
inclusive ratione materiae.

Se a regra de competência violada estiver disposta na Constituição Federal de 1988, os atos


praticados perante o juiz incompetente são considerados inexistentes. Não tem como ratificar.

A decisão que julga procedente a exceção é recorrível. Cabe recurso em sentido estrito. Salvo a
decisão que decide exceção de suspeição, a qual é irrecorrível.

A-3) EXCEÇÃO DE ILEGITIMIDADE


São partes ilegítimas em Processo Penal:
 Ministério Público, se oferecer denúncia em crime de ação penal privada.
 querelante, se oferecer queixa em crime de ação penal pública.
 querelante incapaz (a vítima deve ser maior de 18 anos).
 Alguém que se diz representante do ofendido em crime de ação penal privada, mas não é.

7
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

A ILEGITIMIDADE PODE SER AD CAUSAM OU AD PROCESSUM.


A ilegitimidade ad causam refere-se a condição da ação, ocorre se o Ministério Público oferece queixa
e o querelante oferece denúncia.
A ilegitimidade ad processum ocorre se o querelante é incapaz ou o representante do ofendido não é
o representante legal.Tratando-se de ilegitimidade de causa ou de processo, o instrumento para argüir é
exceção de ilegitimidade.
O reconhecimento da ilegitimidade ad causam acarreta a nulidade absoluta do processo. O
reconhecimento da ilegitimidade ad processum acarreta a nulidade relativa do processo, admitindo a
convalidação, nos termos do art. 568 do Código de Processo Penal.

Exceção de Litispendência e Coisa Julgada


A exceção de litispendência e coisa julgada baseia-se na proibição de uma mesma pessoa ser
processada mais de uma vez pelos mesmos fatos (nen bis in idem ).

A-4) EXCEÇÃO DE LITISPENDÊNCIA


Será argüida exceção de litispendência quando existirem duas ações penais em curso, processando o
mesmo réu pelo mesmo fato. Se um mesmo fato é apurado em dois inquéritos penais, não há litispendência.
Instaurado inquérito policial com ação já em curso, sem ser por requisição do juiz ou do Ministério
Público, para colher diligências complementares, caracteriza-se constrangimento ilegal, sanável por habeas
corpus.
Havendo duas ações iguais, uma delas será excluída. Exclui-se a segunda. Para determinar qual é a
primeira ação, usa-se o critério do art. 219, Código de Processo Civil, examinando em qual delas ocorreu
primeiro a citação válida.

A-5) EXCEÇÃO DE COISA JULGADA


Será argüida a exceção de coisa julgada quando o réu já foi julgado em definitivo sobre um fato e é
proposta nova ação com base no mesmo fato já julgado.

QUESTÕES:
1) É possível a suspensão do processo criminal até que seja apurada em outro juízo a filiação da vítima para
fins de aplicação de agravante previsto no art. 61, II, CP?
R: Não, preceitua o art. 92 do CPP que as questões prejudiciais incidem sobre a existência da infração penal e não
apenas em circunstancias de agravamento de pena.

2) Cabe suspensão do IP em casos de questão pendente no juízo civil?


R: Não, segundo o art. 92 do CPP a suspensão não ocorre no IP, somente sendo cabível na hipótese de ação penal. O
IP prosseguirá até que se dê início a ação criminal.

3) A suspensão da ação penal só ocorrerá em casos de pendência da questão prejudicial no juízo civil?
R: Não, em determinados casos a ação civil poderá ainda nem estar em curso.

4) Na hipótese do art. 92 do CPP, se a ação penal não foi suspensa e sobrevier a sentença civil conflitante
com a ação penal, o que o réu deverá fazer?
R: Depende da sentença: se for ABSOLUTÓRIA, nada mais caberá fazer, aplicando-se o princípio da reformatio pro
societatis, que é a vedação da reforma em favor da sociedade. Se a sentença for CONDENATÓRIA, cabe ao réu a ação
de revisão de sentença.

terça-feira 24/03/2009
DAS QUESTOES E PROCESSOS INCIDENTES (CONTINUAÇÃO)
EXCEÇÕES
Como já visto, as exceções são consideradas defesas indiretas apresentadas por quaisquer das
partes, com o objetivo de prolongar ou extinguir o curso da ação penal, até que uma questão relevante seja
resolvida.
ESPÉCIES:
a) EXCEÇÃO DILATORIAL
Defesa processual que acarreta a prorrogação da decisão do mérito, como por exemplo a exceção de
suspeição.

b) EXCEÇÃO PEREMPTÓRIA
8
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

Defesa indireta que visa a extinção do processo, como por exemplo a exceção de coisa julgada e
exceção de litispendência.

Nota:
 Art. 581, CPP – Decisões que negam exceção não cabem recurso.

MODALIDADES:
a) SUSPEIÇÃO
 Art. 97, CPP – afirmação da suspeição pelo juiz.
 Art. 254, CPC – quando o juiz constatar circunstancia ilegal, deve declarar-se suspeito e remeterá o
processo ao seu substituto, conforme prescrito nas normas de administração judiciária.
 Dessa decisão não cabe recurso.

Nota:
 Art. 252 / 253, CPP – impedimentos do juiz.
 Art. 254, CPP – suspeição.
 Art. 98, CPP – procedimento para solicitar a suspeita do juiz.

Quando o A exceção é alegada pela Quando o


Juiz acolhe parte Juiz rejeita a
a exceção (art. 98, CPP). exceção

Remete os autos ao Suspensão da Envia os autos ao


Juiz Substituto Ação Penal? Tribunal.
Art. 99, CPP Art. 100, CPP

NÃO SIM
Art. 111, Art. 102,
CPP CPP

A CONSEQUENCIA DO JULGAMENTO
A) DECISÃO DE PROCEDENCIA DA EXCEÇÃO (art. 564, I, CPP)
Acarreta na nulidade dos atos processuais, ou seja, qualquer decisão ou despacho proferido por juiz
suspeito, a partir do instante de nascimento da suspeição ou impedimento, deve ter seus atos renovados pelo
juiz substituto (art. 101, CPP).

B) DECISAO DE IMPROCEDENCIA DA EXCEÇÃO


Caberá multa à parte excipiente (art. 101, caput, CPP).

SUSPEIÇÃO OU IMPEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL (ART. 107, CPP)


Não cabe suspeição das partes às autoridades policiais nos atos de inquérito, devendo a própria
autoridade declarar-se suspeita ou impedida (art. 107, 2ª parte do CPP).

EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA
É a defesa direta que a parte pode interpor em face do juízo, alegando sua in
competência para julgar o fato, fundamentando-se no princípio do juiz natural (art. 5º, XXXVIII, CF/88).
MOMENTO DA ARGUIÇÃO
A) INCOMPETÊNCIA RELATIVA (art. 396-A, CPP).
Sob pena de preclusão.
B) INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA
A qualquer momento, não cabe preclusão.

9
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

CONSEQUÊNCIA DO JULGAMENTO PROCEDENTE


A) INCOMPETÊNCIA RELATIVA
Levará a ratificação dos atos pelo juiz competente.
B) INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA
Refazimento dos atos processuais.
SUSPENSÃO DO PROCESSO (ART. 111, CPP)
Art. 111. As exceções serão processadas em autos apartados e não suspenderão, em regra, o andamento da ação penal.

QUESTÃO – Analise a possibilidade de ser argüida por um meio de exceção, tanto a ilegitimidade ad causam
como a ilegitimidade ad processum.
terça-feira 31/03/2009
EXCEÇÃO DE LITISPENDÊNCIA
É a defesa indireta apresentada por qualquer das partes, demonstrando a determinado juízo, a
existência de causa idêntica em andamento em outro foro, ainda pendente de julgamento, razão pela qual o
processo deve ser extinto. Caracteriza-se pela identidade das partes e das imputações.
O ajuizamento da primeira ação determina a competência, ou seja, a ação mais antiga.

PEREMPTÓRIA (ato do juiz)


Momento da configuração da litispendência no processo penal, A litispendência se dá no momento do
ajuizamento da segunda ação, dispensando-se a citação do réu, mesmo porque o CPP silencia-se sobre a
matéria.
terça-feira 07/04/2009

Art. 267, CPC1ª – Extingue-se o processo, 2ª


Arguiçãosem resolução de mérito: 1ª 2ª
A o juiz acolher a alegação de perempção,
(...)V - quando Açã Açãjulgada;
litispendência ou de coisa Açã
ção o o o
Sobre a litispendência
 A litispendência se dá no momento do ajuizamento da segunda ação.
Sobre a argüição de litispendência
 O local da argüição é o foro onde foi ajuizada a 2ª ação.
 O momento da argüição é a qualquer tempo, não havendo preclusão por ser matéria de ordem pública.
 Quando o juiz acolhe a alegação de litispendência a 2ª ação é extinta de ofício (art. 267, V, CPC).
 O Juiz pode reconhecer de ofício, independentemente de requisição da parte.
 Quando o juiz julgar improcedente a argüição, não caberá recurso. Dependendo do caso caberá o
habeas corpus.
 Reconhecida de ofício, cabe apelação (CPP, art. 593, II).
 Do acolhimento, cabe recurso em sentido estrito (art. 581, III, CPP).

Art. 581, CPP – Caberá recurso, no sentido estrito, da decisão, despacho ou sentença:
I – (...)
II - que concluir pela incompetência do juízo;
III - que julgar procedentes as exceções, salvo a de suspeição;
(...);
XVI - que ordenar a suspensão do processo, em virtude de questão prejudicial;
(...)
XVIII - que decidir o incidente de falsidade;
(...)

10
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

Art. 582, CPP – Os recursos serão sempre para o Tribunal de Apelação, salvo nos casos dos ns. V, X e XIV.
Parágrafo único. O recurso, no caso do no XIV, será para o presidente do Tribunal de Apelação.

Art. 583, CPP – Subirão nos próprios autos os recursos:


I - quando interpostos de oficio;
II - nos casos do art. 581, I, III, IV, VI, VIII e X;
(...)

Art. 593, CPP – Caberá apelação no prazo de 5 (cinco) dias:


I - das sentenças definitivas de condenação ou absolvição proferidas por juiz singular;
II - das decisões definitivas, ou com força de definitivas, proferidas por juiz singular nos casos não previstos no
Capítulo anterior; (Redação dada pela Lei nº 263, de 23.2.1948)
(...)

Obs: Matéria de ordem pública

EXCEÇÃO DE COISA JULGADA


É a defesa indireta contra o mérito do processo, que visa a sua extinção, tendo como alegação, a
existência em outro foro, idêntica causa já definitivamente julgada.

COISA JULGADA MATERIAL (art. 386, I e III, CPP)


Ocorre quando o mérito da causa foi decidido, reconhecendo ou afastando a pretensão punitiva do
Estado, não havendo mais a possibilidade da interposição de qualquer recurso, razão pela qual torna-se
imutável. Ex: Antonio foi absolvido por não ser o culpado (definitivo).

COISA JULGADA FORMAL (art. 386, II, CPP)


Trata-se da decisão final do processo que não resulta de imutabilidade, visto que é possível o
ajuizamento de nova ação, conforme previsão legal. Ex: João foi absolvido por falta de provas (caso surjam
novas provas ).

Art. 386, CPP – O juiz absolverá o réu, mencionando a causa na parte dispositiva, desde que reconheça:
I - estar provada a inexistência do fato;
II - não haver prova da existência do fato;
III - não constituir o fato infração penal;
IV - não existir prova de ter o réu concorrido para a infração penal;
V - existir circunstância que exclua o crime ou isente o réu de pena (arts. 17, 18, 19, 22 e 24, § 1o, do Código Penal);
VI - não existir prova suficiente para a condenação.

COISA SOBERANAMENTE JULGADA


É a decisão que, além de não caber mais recurso, também impossibilita o ajuizamento de revisão
criminal visando rediscutir o mérito da ação penal já definida.
Não é permitida mais qualquer tipo de discussão sobre a sentença.
O instituto forma-se apenas para a acusação.

QUESTÕES:
2) Mévio é réu em uma ação penal, pela pratica de três furtos. No curso da demanda o MP toma conhecimento
da prática de um quarto furto, praticado em continuidade delitiva com as infrações anteriores. Após a
condenação de Mévio pela prática dos três furtos é possível o ajuizamento de uma nova ação penal visando
condena-lo pela prática do quarto furto?
R:
3) Manuel seqüestra Maria e a arrasta por diversas cidades, já que muda de cativeiro de tempo em tempo.
Acabou sendo descoberto, vindo a ser processado na comarca onde localizou-se o primeiro cativeiro, Rio de
Janeiro. O membro do MP de São Paulo, tendo conhecimento da passagem da vítima pela cidade de Santo
Amaro, resolveu também denunciar Manuel pelo crime de seqüestro. Pergunta-se:

A) É possível o tramite concomitante de ambas as ações?


R:

B) E se uma das ações tiver sido proferida sentença penal condenatória? Seria possível a continuação da
segunda ação?

11
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

R:

APREENSÃO
Apreende-se tudo que é produto de crime ou que é válido para a prova da infração penal.

RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS


É o procedimento de devolução a quem de direito, de objeto apreendido durante diligência policial ou
judiciária, não mais interessante ao processo criminal.
Desses objetos apreendidos, podem ser restituídas, antes de transitar em julgado a sentença
condenatória, aquelas peças que não interessarem a o processo (art. 118). Nos outros casos, a restituição se
dá com o trânsito em julgado da sentença (art. 119), a não ser que se trate de (CP, art. 91, II): a) instrumentos
do crime, cujo uso, porte ou fabricação, seja considerado ilícito; b) produto do crime ou qualquer bem ou valor
que constitua proveito auferido pelo agente com a prática do crime. Mesmo nesses casos, a restituição pode
ser feita se os objetos pertencerem ao lesado ou terceiro de boa-fé.

PROCEDIMENTO (art. 120, CPP)

LEGITIMIDADE:
 Réu
 Vítima
 Terceiro interessado

PRAZO  Para requerer a restituição  art. 122 e 123, CPP

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS (arts. 125 a 144, CPP)


São medidas tomadas no processo criminal que visa garantir a futura indenização da vítima,
pagamento das despesas processuais, pagamento da pena pecuniária ou evitar que o acusado obtenha lucro
com a prática criminosa (enriquecimento ilícito).

são medidas assecuratórias:


 SEQUESTRO
 ARRESTO
 HIPOTECA LEGAL

SEQUESTRO (arts. 125 a 133, CPP)


medida utilizada para tornar indisponível os bens móveis ou imóveis, quando esses foram adquiridos
com lucro obtido pelo crime. Trata o seqüestro de bem específico.

Requisitos  art. 126, CPP

Procedimento e Legitimidade  art. 127, CPP  medida cautelar de seqüestro.

Recurso  Caberá apelação da decisão que acolhe ou rejeita o pedido de seqüestro.

Embargos de terceiros (art. 129, CPP ver art. 1.046, CPC)


Art. 129, CPP – O seqüestro autuar-se-á em apartado e admitirá embargos de terceiro.

Art. 1.046, CPC – Quem, não sendo parte no processo, sofrer turbação ou esbulho na posse de seus bens por ato de
apreensão judicial, em casos como o de penhora, depósito, arresto, seqüestro, alienação judicial, arrecadação,
arrolamento, inventário, partilha, poderá requerer Ihe sejam manutenidos ou restituídos por meio de embargos.

Levantamento do seqüestro (art. 131, CPP)

HIPOTECA LEGAL (arts. 134 e 135)


Medida assecuratória que também visa tornar indisponíveis os bens móveis ou imóveis do acusado.
Difere-se porém do seqüestro por cuidar especificamente dos bens que foram adquiridos de forma lícita.

Procedimentos: art. 135, CPP.

12
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

ARRESTO (art. 136 a 142, CPP)


Medida assecuratória utilizada para tornar indisponível os bens móveis do acusado, com a mesma
finalidade da Hipoteca Legal.

Art. 137, CPP – Se o responsável não possuir bens imóveis ou os possuir de valor insuficiente, poderão ser seqüestrados
bens móveis suscetíveis de penhora, nos termos em que é facultada a hipoteca legal dos móveis.

Arresto (seqüestro definitivo): “poderão ser seqüestrados” (termo correto: arrestados).

Nota:
SEQÜESTRO ≠ HIPOTECA LEGAL

Seqüestro  recai apenas no produto do crime


Hipoteca Legal  recai sobre qualquer bem

Os pressupostos para que seja requerida a hipoteca legal:


1 – prova da materialidade
2 – indícios suficientes da autoria (certeza é só com a sentença condenatória)

================================

INCIDENTE DE FALSIDADE (art. 145 a 148, CPP)


É a medida processual destinada a impugnar documento considerado “viciado” ou irregular, fazendo-se
prova de que não é autentico, isto é, não corresponde a verdade e por isso não possui valor probatório.
Essa decisão não faz coisa julgada, ou seja, não impede que no futuro seja ingressada ação para
julgar a veracidade da acusação.

Julgamento da argüição:
1 – Acolhendo o juiz o incidente de falsidade, manda desentranhar o documento e remete-lo ao MP (art. 145,
IV, CPP).

2 – Não acolhendo, a ação penal seguirá seu curso normal.

INCIDENTE DE INSANIDADE (art. 149 a 154, CPP)


A pessoa portadora de insanidade mental não pode ser punida, nem condenada, pois não tem
capacidade de se responsabilizar pelos próprios atos. Pode, porém, ser processada, e, caso o juiz considere
que o réu cometeu um fato típico e ilícito, lhe aplicará uma medida de segurança, espécie de sanção voltada
para a cura e tratamento.

Pois bem. Se, durante o processo ou inquérito, surge dúvida a respeito da sanidade mental do acusado, o juiz
deve instaurar uma perícia médico-legal para esclarecer a situação. A perícia pode mostrar uma das seguintes
possibilidades:

a) o acusado não é insano – o processo continua normalmente;

b) o acusado é insano – o juiz deve nomear um curador, que é um representante legal do réu. Podem ocorrer
as seguintes hipóteses:
I) o acusado se tornou insano após o cometimento do crime – o processo fica suspenso até o seu
restabelecimento, podendo ser internado em manicômio (CPP, art. 152);
II) o acusado já era insano ao tempo do crime. A insanidade pode ser verificada no inquérito, durante o
processo ou mesmo após a condenação. No último caso, a pena será substituída por medida de segurança
(LEP, 183).
QUESTÃO:
A interdição realizada em processo civil em face da presença de doença mental, afasta a necessidade da
instauração do incidente de insanidade em uma ação penal?

R: Não, para auferir a doença mental é necessário periciar o acusado no momento da infração penal, ou seja, se o
mesmo, no momento da prática do ato gozava de saúde mental (critério bio-psicológico).

13
Clube de Compartilhamento de Material Acadêmico
DE F@TO & DE DIREITO
Virtus Unita Fortius Agit : "A união faz a força"  entre em contato: defato.dedireito@yahoo.com.br

terça-feira 14/04/2009
A professora deu uma passada rápida na matéria e fez comentários sobre a prova, que será de toda a
matéria. Porem, ela sugeriu intensificar estudos nos seguintes tópicos:
 Questões prejudiciais (principalmente Obrigatória e Facultativa).
 Exceções (principalmente Litispendência, Suspeição, Coisa Julgada Material e Formal).
 Seqüestro, Arresto, Hipoteca Legal (peculiaridades entre si).
 Incidentes de Falsidade e Insanidade.

===================
FIM da Matéria da 1ª Avaliação.
===================
Próximas aulas:
Feriado de Tiradentes terça-feira 21/04/2009
PROVA terça-feira 28/04/2009

14