Vous êtes sur la page 1sur 6

Prof.

Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da
Universidade Cidade de São Paulo – UNICID

Licença de Uso
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras
Derivadas 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-
nd/2.5/br/ ou envie uma carta para Creative Commons, 559 Nathan Abbott Way, Stanford, California 94305,
USA.

Este material não pode ser alterado. Para maiores informações envie um e-mail para
cmajer@uol.com.br ou cmajer@ig.com.br.

Negócios Eletrônicos

Introdução
O desenvolvimento da Internet se deu inicialmente com a criação de páginas básicas objetivando uma
introdução institucional das organizações neste meio.

Na medida em que a Internet cresceu, as páginas foram se tornando mais completas com diversificação do
tipo de informação (conteúdo) disponibilizado, bem como seus objetivos.

A maneira pela qual a informação era disposta nos sites gerou uma maior complexidade, tanto no que diz
respeito ao tamanho e abrangência da informação bem como na facilidade da dispersão de informações em

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 1


Prof. Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

função da dificuldade de organização e a falta de cuidado com relação ao entendimento deste novo
ambiente.

Os simples sites foram então crescendo e os profissionais da área desenvolveram habilidades e


competências num mercado em contínua evolução e acirrada concorrência.
Em pouco tempo, muitos sites evoluíram para a condição de portais ou locais especializados para
atendimento localizado de determinadas necessidades.

Os portais se caracterizam como locais onde se concentram diversos tipos de informações, calcados numa
grande área de armazenamento de informações, muitas vezes servindo como porta de entrada para
serviços, áreas e até links para outros sites da entidade (ou de parceiros).

Muitas vezes, o acesso é centralizado. O usuário tem acesso às funcionalidades através da página principal
do portal. Na medida em que o usuário seleciona a área de interresse, ele é levado a um local que cont~em
as informações específicas à área selecionada.

Enquanto algumas empresas criavam portais, outras criavam soluções específicas, ou seja, sites para
atendimento específico de um determinado tipo de demanda. Neste momento começaram a surgir os sites
de comércio, de serviços, de informações, de apoio, etc.

Na medida em que os serviços específicos começaram a tomar forma, percebia-se que ocorria um
relacionamento entre determinados tipos de empresas, bem como pessoas físicas, na utilização do serviço.

Este tipo de relacionamento já ocorria no mundo real e estava estendendo-se no mundo virtual.

Alguns termos que denotavam as relações ocorridas no mundo virtual começaram a aparecer.

e-Business (Eletronic Business)


e-Business ou Negócios Eletrônicos, diz respeito a todo tipo de negócio que se baseia em tecnologia da
informação. Exemplos disto são as aplicações que passam informações para outras aplicações utilizando
tecnologia de telecomunicação.

EDI (Eletronic Data Interchange - Intercâmbio Eletrônico de Dados), X25 (Protocolo de Comunicações),
RENPAC (Rede Nacional de Pacotes) são algumas aplicações (e tecnologias) em uso há muitos anos
provendo suporte para este tipo de aplicação.

Atualmente, este termo está sendo muito relacionado com os sistemas encontrados nos processos baseado
em Internet.

E-Business trata de todos os sistemas e sub-sistemas que utilizam a TI, e em especial, ultimamente,
através de tecnologia baseada na Internet. Este conceito está intimamente relacionado aos negócios da
empresa, e se destaca nas relações de comércio eletrônico entre uma empresa e seus fornecedores, mas
não apenas isto. É necessário entender que e-Business é diferente de e-Commerce, algo que muitas
pessoas costumam confundir.

O e-business é formado pelos mais diversos tipos de aplicações, dentre eles:-


 ERP: (Enterprise Resource Planning – Planejamento dos Recursos da Organização)
 CRM: (Customer Relationship Management – Gerenciamento do Relacionamento com o
Cliente)
 Intranet (veja Intranet, abaixo)
 Extranet (veja Extranet, abaixo)
 Workflow: (Ambiente Colaborativo para execução de atividades e tarefas)
 KM: (Knowledge Management – Gerenciamento do Conhecimento)
 Voip: (Voice over IP – Tecnologia para transmissão de voz sobre Conexões IP)
 Sites e Portais

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 2


Prof. Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

 Sistemas de Comércio Eletrônico


 Sistemas de e-mail (Outlook Express, Thunderbird, etc).

A implementação do e-business faz com que a empresa evolua seus processos de controle de negócios
através de novos métodos e procedimentos tornando a empresa mais veloz e versátil.

Dificuldades em implementar e-Business


As dificuldades para implementação do e-business são muitas e convém serem mapeadas para um melhor
conhecimento da empresa:-

• Sistemas Implantados (antigos e de difícil integração com as tecnologias de telecomunicação).


• Tecnologias Obsoletas em uso (geralmente dominadas pela equipe de desenvolvimento interno).
• Parque de Máquinas está Obsoleto (O que traz a necessidade de se atualizar os computadores e
dispositivos de Hardware, rede, etc).
• Cultura Interna da Empresa (que muitas vezes é difícil de ser mudada).
• Problemas de Visão da Administração (Que a seu entender não enxerga a relação custo-benefício do
investimento na nova tecnologia).
• Questões Relacionadas a custos (Ou relacionados ao orçamento da empresa/setor).
• Falta de conhecimento da equipe (Conhecimento da equipe de desenvolvimento está ultrapassado
sendo necessário investir em capacitação).

Siglas dos negócios Eletrônicos

Na medida em que o uso da Internet foi evoluindo, diversos termos foram criados para representar os
diversos tipos de negócios eletrônicos ocorridos no meio:-

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 3


Prof. Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

B2B : Business to Business


Negócio a Negócio: Transações eletrônicas realizadas entre empresas que em geral são parceiros
comerciais. Muitas vezes, os negócios se dão através de portais eletrônicos baseados na Internet ou através
de Extranet.

Um tipo muito conhecido de B2B é o e-Procurement, que possibilita à empresa informar a fornecedores
as suas necessidades de atendimento em termos de material e serviços, possibilitando-os o preenchimento
de cotações e envio de ofertas para atendimento da demanda solicitada.

B2C : Business to Consumer ou Business to Customer


Negócios com o Consumidor ou Negócios com o Cliente: Transações eletrônicas realizadas entre pessoas
físicas e empresariais para a aquisição de um produto ou serviço.

Sites como a da Lojas Americanas (www.americanas.com.br) que permitem a um consumidor adquirir um


produto da empresa. Um site de um banco, ao disponibilizar uma série de produtos e serviços ao cliente
está aplicando este tipo de transação.

B2B2C : Business to Business to Consumer


Negócio a Negócio a Consumidor: É uma espécie de junção de B2B com B2C. Neste tipo de atividade, as
empresas efetuam transações eletrônicas objetivando a criação de uma plataforma de produtos ou serviços
a serem disponibilizados para o consumidor. Sites como o do Buscapé (www.buscape.com.br) permite às
empresas utilizarem sua plataforma para disponibilizar produtos e serviços para clientes em geral.

B2E : Business to Employee


Negócio com Funcionário: É a disponibilização de serviços de uma empresa à seu quadro de funcionários.
Exemplos disto podem ser o acesso do funcionário à sua ficha funcional, posicionamento quanto à plano de
carreiras, etc.

C2B : Consumer to Business


Consumidor a Negócio: Neste tipo de negócio, um grupo de consumidores de unem para ofertar a aquisição
de um produto ou serviço. Um exemplo disto poderia ser um grupo de amigos se juntando para fazer uma
viagem e uma vez definido os participantes eles se juntam para dar lances ou ofertar a compra do pacote
para empresas de turismo, que eventualmente negociam o pacote.

C2C: Consumer to Consumer


Consumidor a Consumidor: Neste tipo de atividade, um consumidor relaciona-se com outro consumidor.
Exemplos tipo podem ser sites onde pessoas possam colocar anúncios para trocar mercadorias, vender
serviços ou produtos, para outras pessoas.

G2C : Government to Consumer ou C2G (Consumer to Government)


Governo a Consumidor: Também parte do que é conhecido como e-government, através deste tipo de
negócio, o governo relaciona-se com um consumidor, disponibilizando serviços de apoio como o de
localização de documentos, preenchimento (e/ou pagamento) de Imposto de Renda, Impressão ou
pagamento de taxas municipais, estaduais e federais.

G2B : Government to Business ou B2G (Business to Government)


Governo a Negócios ou Negócios a Governo: Também parte do que é conhecido como e-government diiz
respeito às atividades realizadas entre as empresas e o governo, através da disponibilização e acesso de
informações tais como: Localização e preenchimento de documentos e formulários nas esferas municipal,
estadual e federal.

G2G : Government to Government


Governo a Governo: Também parte do que é conhecido como e-government, através deste tipo de negócio,
o governo transfere informações entre seus órgãos e departamentos, permitindo a integração de controles,
agilidade na recuperação da informação e economia em função do compartilhamento da informação.

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 4


Prof. Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

Aplicações Corporativas baseadas em Meio Eletrônico


Intranet
Basicamente, a Intranet define-se como a rede de computadores corporativa que funciona através das
tecnologias baseadas em Internet, como por exemplo, os navegadores, serviços de e-mail, chat, serviços de
mensagens, etc, utilizando para isto o protocolo TCP/IP. Em muitos casos, os dados e o acesso da Intranet
são fechados (barrados) pelo dispositivo Firewall, que filtra conexões entre a parte interna da empresa e a
externa. Existe a possibilidade da Intranet estar aberta e conectada na Internet, o que possibilita a seus
usuários a utilização da infra-estrutura da Internet para acesso aos dados menos sensíveis da empresa, via
Intranet.

Extranet
A Extranet é uma espécie de extensão dos sistemas de informática de uma empresa visando o
compartilhamento e acesso de dados ou serviços a parceiros corporativos.

Geralmente, esta extensão é liberada após uma identificação, onde o usuário informa um nome para login e
senha, e uma vez identificado, seu acesso é liberado para consulta ou realização de tarefas, conforme as
possibilidades que a Extranet proporciona. Diversos tipos de informações podem ser consultados conforme o
modelo aplicado de Extranet. Alguns modelos de Extranet permitem o acesso básico à informação,
objetivando a impressão de relatórios, enquanto outros expõem toda uma completa funcionalidade,
permitindo ao usuário, seja ele funcionário ou parceiro preencher formulários internos, gerenciar processos
ou consultar dados críticos da corporação.

e-Commerce
e-Commerce significa Comércio Eletrônico e destaca-se por toda transação efetuada on-line, relacionada a
dois ou mais elementos que possa envolver um produto ou serviço. Atualmente, o e-commerce tem sido
muito utilizado através da Internet, pois se se pode notar facilmente as facilidades que este meio (a
Internet) traz para as empresas, principalmente em função do número de pessoas e empresas que utilizam
atualmente a Internet.

O e-Commerce faz parte do e-Business.

Quando falamos em e-Commerce ou Comércio Eletrônico, estamos nos referindo à transação comercial
efetuada, de forma virtual, por meio eletrônico.

Atualmente, o e-Commerce utiliza-se da Internet para anunciar, comercializar e distribuir de forma


eletrônica diversos tipos de bens e serviços.

Antes da transação ser de fato realizada, um processo entra em cena, evidenciando as vantagens existentes
do comércio eletrônico em comparação com uma venda comum, para um consumidor.

Vantagens do e-Commerce para um Consumidor


 Acesso fácil e rápido de informações do produto ou serviço tais como quais modelos existem, que cores
estão disponíveis,fotos, especificação técnica,etc.
 Possibilidade de comparação de preços na visita ao site de concorrentes ou de mecanismos de buscas
 Verificação de Prazos em geral (Pagamento e Entrega)
 Verificação de Informações de Garantia
 Verificação de custos de entrega (SEDEX)
 Verificação de formas de pagamento (usualmente boletos bancários, cartões de crédito ou débito)
 Facilidade de efetivação da compra e recebimento do produto/serviço, sem precisar sair de casa (ou de
onde estiver) em qualquer horário
 Possibilidade de Atendimento Personalizado para resolução de dúvidas (via e-mail, chat, inserção de
chamado ou em último caso via telefone)
 Em alguns casos, controle de rastreamento/atendimento de seu pedido

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 5


Prof. Carlos Majer – Aplicações Corporativas – UNICID

Na medida em que as empresas começaram a utilizar a Internet como plataforma para o lançamento e
divulgação de seus produtos e serviços, elas perceberam as vantagens do modelo de comércio baseado em
formato eletrônico.

Vantagens do e-Commerce para uma Empresa


Dentre suas vantagens, para a empresa que pretende ingressar nesta modalidade de venda, podemos
destacar:-

 Agilidade na divulgação de seus produtos


 Agilidade no processo de venda e compra
 Agilidade no atendimento ao cliente gerando satisfação
 Redução de seus custos de operação
 Aumento da visibilidade e do mercado consumidor em função do meio (Internet - meio eletrônico),
geográfico (outras regiões, cidades, países e locais remotos) e horário de funcionamento (24h/7 d).
 Baixos custos de divulgação (propaganda e marketing) e lançamento de produtos/serviços
 Mercado promissor em constante expansão
 Os processos empresariais ficam mais claros e visíveis aos administradores da empresa, que não
precisam mais depender de uma informação que esteja sob guarda de um departamento (exemplo:
comercial), uma vez que as informações passam a constar num banco de dados centralizado, disponível
a todos que tiverem o devido acesso.
 Eliminação de filas, congestionamentos e necessidade de infra-estrutura de atendimento presencial
(pessoas, locais, etc.).
 Eliminação (ou redução) de despesas de infra-estrutura operacional (água, luz, funcionários, telefone,
aluguel, etc.), reduzindo/eliminando problemas com segurança (assaltos, ladrões, etc)
 Empresa passa uma melhor imagem transmitindo confiança, inovação e dinamismo.
 Baixo custo de manutenção do negócio. Uma vez desenvolvido, o sistema pode ser facilmente
gerenciado sem necessidades de grandes capitais para a continuidade do negócio.

Aplicações Corporativas – Negócios Eletrônicos Página 6