Vous êtes sur la page 1sur 20
QUEM APRENDE? INDIVÍDUO E APRENDIZAGEM: INTELIGÊNCIA Dr. Manuel Muñoz

QUEM APRENDE?

INDIVÍDUO E APRENDIZAGEM: INTELIGÊNCIA
INDIVÍDUO E
APRENDIZAGEM:
INTELIGÊNCIA

Dr. Manuel Muñoz

QUEM APRENDE? INDIVÍDUO E APRENDIZAGEM: INTELIGÊNCIA Dr. Manuel Muñoz
O que é ser inteligente?

O que é ser inteligente?

SE ESTA CRIANÇA FOSSE TUA ALUNA, O QUE

PENSARIAS DELA?
PENSARIAS DELA?

É uma criança do sexto ano que recebeu um

certificado médico onde lhe disse que devido a

suas crises nervosas é necessário que deixe os estudos durante o curso. A criança, por outra

parte, não é um bom estudante, não tem

amigos, os professores o consideram um caso problemático e seu pai sente vergonha dele

devido a sua falta de habilidade atlética. Tudo

isto influi para que tenha uma má adaptação escolar. Em seu desenvolvimento evolutivo falou demasiadamente tarde. Tem condutas diferentes e seus pais o olham como diferente.

INTELIGÊNCIA

INTELIGÊNCIA  O estudo das diferenças individuais no âmbito cognitivo supera o âmbito da psicologia e

O estudo das

diferenças individuais no

âmbito cognitivo

supera o âmbito da psicologia e

a pedagogia.

Questões ideológicas e

políticas.

individuais no âmbito cognitivo supera o âmbito da psicologia e a pedagogia.  Questões ideológicas e

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA  Final sec. XIX: origem do estudo da inteligência: Galton, Catell, Binet. 

Final sec. XIX: origem do estudo da inteligência:

Galton, Catell, Binet. 1905: Escala Métrica da Inteligência de Binet e Simon: idade mental. Base de todos os testes

de inteligência padronizados:

Criar conjunto de itens que provoquem respostas diferentes em crianças da mesma idade.

Selecionar itens que tenham uma graduação na sua dificuldade.

Assegurar a relação entre a execução do teste e das tarefas escolares.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA  Stern (1912). QI: unidade de medida da idade mental.

Stern (1912). QI: unidade de medida da idade mental.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA  Stern (1912). QI: unidade de medida da idade mental.
A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA  Stern (1912). QI: unidade de medida da idade mental.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA  Sperman (1927):  Fator geral (g), comum a todos os testes e

Sperman (1927):

Fator geral (g), comum a todos os testes e tarefas.

Fator específico (e), próprio de cada teste.

Thurstone (1934): análise fatorial. Aptidões

primárias da inteligência: compreensão verbal; fluidez verbal; aptidão numérica; visualização espacial; velocidade perspectiva; memória;

raciocínio. Conseqüências:

Aparecimento de modelos e concepções multifatoriais de inteligência;

Elaboração de baterias de testes de aptidões para

medir habilidades ou destrezas particulares.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA:

PANORAMA GERAL
PANORAMA GERAL

1. Existem altas correlações entre as pontuações dos testes e o rendimento

escolar, especialmente entre

os mais saturados nas habilidades de tipo verbal.

2. Existem alguns fatores que

explicam as correlações habitualmente constatadas entre os testes.

de tipo verbal. 2. Existem alguns fatores que explicam as correlações habitualmente constatadas entre os testes.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA:

PANORAMA GERAL
PANORAMA GERAL

3.

A PERSPECTIVA PSICOMÉTRICA: PANORAMA GERAL 3. A compreensão teórica do que medem realmente, as razões de

A compreensão teórica do que medem

realmente, as razões de

seu valor preditivo e a possibilidade de aproveitar os resultados para melhorar o ensino

ou asa capacidades dos

alunos é reduzida, incompleta e parcial. Somente classificam e

predizem.

4. A inteligência é

concebida como um conjunto de capacidades

estáticas.

A PERSPECTIVA DO PROCESSAMENTO DA

INFORMAÇÃO
INFORMAÇÃO

Final do anos 50: metáfora do computador. A MENTE HUMANA, EM INTERAÇÃO CONSTANTE

COM O MEIO, SELECIONA, TRATA E MANIPULA

INFORMAÇÕES PROVENIENTES DESSE MEIO

Objetivo: elaborar modelos detalhados de

funcionamento cognitivo, especificando os

elementos que participam nos processos de tratamento da informação e as funções que desempenham.

especificando os elementos que participam nos processo s de tratamento da informação e as funções que

A PERSPECTIVA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO Núcleo principal de pesquisa atual. Duas linhas:

 Núcleo principal de pesquisa atual.  Duas linhas:  Estratégias de processamento e seus elementos

Estratégias de processamento e seus elementos e processos: metacomponentes, componentes de

execução, de aquisição, de retenção e de transferência.

de aquisição, de retenção e de transferência.  Conhecimento prévio do sujeito relevante para as novas

Conhecimento prévio do sujeito relevante para as novas aprendizagens.

A PERSPECTIVA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO

A PERSPECTIVA DO PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO  Esta perspectiva possibilita fazer um diagnóstico mais completo e

Esta perspectiva possibilita fazer um diagnóstico mais completo e detalhado das habilidades dos alunos e delinear intervenções educativas. Também possibilita o desenvolvimento de programas

instrucionais de treinamento cognitivo, dirigidos a melhorar

determinados recursos e processos

cognitivos (Feurstein, 1980).

de treinamento cognitivo, dirigidos a melhorar determinados recursos e processos cognitivos (Feurstein, 1980).
de treinamento cognitivo, dirigidos a melhorar determinados recursos e processos cognitivos (Feurstein, 1980).

A PERSPECTIVA DO PROCESSAMENTO DA

INFORMAÇÃO
INFORMAÇÃO

Conceituação dinâmica da inteligência: combina processos, estratégias e conhecimentos.

A relação entre

inteligência e

aprendizagem é de

interrelação

recíproca.

estratégias e conhecimentos.  A relação entre inteligência e aprendizagem é de interrelação recíproca.

A TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

A TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS  Howard Gardner propõe “uma visão pluralista da mente”: de inteligência

Howard Gardner propõe “uma visão

pluralista da mente”: de inteligência única

a feixe de capacidades.

Inteligência é a capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos

valorizados em um ambiente cultural ou

comunitário.

Nova visão da inteligência:7 diferentes

competências que se interpenetram

(envolvemos mais de uma habilidade na solução de problemas).

A partir das relações com o ambiente,

aspectos culturais, algumas são mais

desenvolvidas ao passo que deixamos de aprimorar outras.

A TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

 Nos anos 90, Daniel Goleman acrescenta mais duas:  Inteligência Pictográfica: habilidade que a
 Nos anos 90, Daniel
Goleman acrescenta
mais duas:
 Inteligência
Pictográfica: habilidade
que a pessoa tem de
transmitir uma
mensagem pelo
desenho que faz.
 Inteligência Naturalista:
capacidade de uma
pessoa em sentir-se um
componente natural.

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  A inteligência emocional é a capacidade de administrar as emoções para alcançar

A inteligência emocional é a capacidade de administrar as emoções para alcançar

objetivos. Relacionada a habilidades como

motivar a si mesmo e persistir nas frustrações;

controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas;

adiar gratificações

motivar pessoas.

controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas;  adiar gratificações  motivar pessoas.

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  Daniel Goleman, em seu livro, mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas

Daniel Goleman, em seu livro, mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de

livro, mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades: 1. Autoconhecimento Emocional - reconhecer

habilidades:

1.

Autoconhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.

2.

Controle emocional - habilidade de lidar com

seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação.

3.

Automotivação - dirigir emoções a serviço de um

objetivo é essencial para manter-se caminhando

sempre em busca.

4.

Reconhecimento de emoções em outras pessoas.