Vous êtes sur la page 1sur 44

VIII – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

267

VIII – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A nossa terra, 2000. Barcelos Freguesias. Direnor, Barcelos, 192p.

Almeida, C. A. F., 1990. Barcelos. Editorial Presença, Lisboa, 30p.

Almeida, J. Ferreira, 2000. Os Portugueses e o Ambiente. I Inquérito Nacional às Representações e Práticas dos Portugueses sobre o Ambiente. Celta, Oeiras, 241p.

Almeida, J. Ferreira, 2004. Os Portugueses e o Ambiente. II Inquérito Nacional às Representações e Práticas dos Portugueses sobre o Ambiente. Celta, Oeiras, 402p.

Amador, M.ª Filomena; Mendes, Alcina, 2003. Programa de Biologia e Geologia 11º Ano. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 48p.

Amador, Maria Filomena 2001. Programa de Biologia e Geologia 10º Ano. Curso Geral de Ciências Naturais Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 97p.

Ambiforum, 1998. Programa comunitário de política e acção relacionado com o ambiente e o desenvolvimento sustentável. Centro de Estudos Ambientais Lda., Lisboa, 98p.

Associação Comercial e Industrial de Barcelos, 2003. Anuário 2003. Europáginas, Lisboa, 212p.

Associação de Municípios do Vale do Cávado, 1996. Plano Estratégico de Desenvolvimento do Vale do Cávado. AMVC, Braga, 54p.

Ayala Carcedo, F.J.; Andreu Posse, F.J, 1991. Manual de Ingenieria de Taludes. Instituto Tecnológico Geominero de España, Madrid, 456p.

Banda, E; Torne, M., 1987. Geologia. Ed. Santillana, 500p.

Barra, António José, 2003. Cartografia de Susceptibilidades de Vertentes. Aplicação ao Concelho de Viana do Castelo. Tese de Mestrado. Universidade do Minho, Braga, 135p.

Barret, Priscilla; M. David., 1999. Mamíferos de Portugal e Europa. Guias Fapas FAPAS, Porto, 315p.

Bateira, C., 2001. Movimentos de Vertente no NW de Portugal, Susceptibilidade Geomorfológica e Sistemas de Informação Geográfica.

268

Geografia Física. Dissertação de Doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 447p.

Bell, F.G., 2003. Geological Hazards. Their Assessment, Avoidance and Mitigation. Spon Press, London, 656p.

Bell, G. Fred., 1999. Geological Hazards. Their Assessment, Avoidance and Mitigation. E & FN Spon, London, 648p.

Borges, M.F., 1999. Contribuição para o estudo do Efeito da Actividade Agro-pecuária na Qualidade das Águas Subterrâneas para Consumo Humano, no Concelho de Barcelos. Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra, 60p.

Braga, Amália, 1988. Arenas e Depósitos Associados na Bacia de Drenagem do Rio Cávado (Portugal). Contribuição para o Estudo da Arenização. Dissertação de Doutoramento. Universidade do Minho, Braga,

325p.

Brito, António José Lopes, 1997. A protecção do Ambiente e os Planos Regionais de Ordenamento do Território. Almedina, Coimbra, 270p.

Brito, António; Costa, Sérgio, 2005. Acesso à informação e participação pública – planeamento de recursos hídricos e desenvolvimento sustentável nos Açores. Seminário sobre aplicação em Portugal e na União Europeia das directivas incidentes no ciclo urbano da água, Covilhã, 8p.

Bruun, Bertel; Delin H.; Svensson L., 1995. Guias Fapas – Aves de Portugal e Europa. FAPAS, Porto, 320p.

Cabral, J., 1995. Neotéctónica em Portugal Continental – Memórias do Instituto Geológico e Mineiro (31). Instituto Geológico e Mineiro, Lisboa,

265p.

Câmara, Ana Cristina, 2001. Geografia - Orientações Curriculares - 3º ciclo. Ministério da Educação. Departamento da Educação Básica, Lisboa, 31p.

Camporro, César Garcia; Roger, Xulio Gutiérrez, 2000. A Paixage. Cadernos de educación ambiental para o estúdio e a interpretación da paixage. Coleción técnica de médio ambiente. Conselleria de Médio Ambiente, Galicia, 57p.

Capela, José Viriato e Borralheiro, Rogério, 1998. Barcelos nas Memórias Paroquiais de 1758. Câmara Municipal de Barcelos, Barcelos, 233p.

269

Capra, Fritjof, 2003. As Conexões Ocultas. Ciência para uma vida sustentável. 3ª edição. Editorial Cultrix, São Paulo, 296p.

Caride, J.A & Meira, P.A, 2004. Educação Ambiental e Desenvolvimento Humano. Instituto Piaget, Lisboa,

Carvalho, Gaspar e Granja, Helena Maria, 2003. As Mudanças da Zona Costeira pela Interpretação dos Sedimentos Plistocénicos e Holocénicos (a metodologia aplicada na zona costeira do NO de Portugal). Revista da Faculdade de Letras – Geografia I série, vol XIX, Porto, 225-236p.

Carvalho, Gaspar, 1966. Desprendimento de Terras e Ravinamentos. Edições Lemos, Porto, 67p.

Castro, Lisete; Ricardo, Maria Manuel, 1992. Gerir o Trabalho de Projecto – Um Manual para Professores e Formadores. Educação Hoje. Texto Editora, Lisboa, 147p.

Cavaco, H., 1992. A Educação Ambiental para o Desenvolvimento – Testemunhos e Notícias. Escolar Editora, Lisboa, 147p.

Centro de Estudos Geográficos – Departamento de Geografia da Universidade de Lisboa - Erasmus, 1996. Fifth European Intensive Course on Applied Geomorphology. Mediterranean and Urban Areas. António de Brum Ferreira & Gonçalo Teles Vieira, Lisboa, 238p.

Chito, Beatriz; Caixinhas, Raul, 1993. A Participação do Público no Processo de Avaliação de Impacte Ambiental. Ambiente e Cidadania. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.º 36, IPAMB, Lisboa, 40p.

Colombo, Alessandro G.; Arellano, Ana Lisa, 2002. Lessons Learnt from flood disasters. Nedies Project. European Commission. Javier Hermás. Report. EUR 20261 E.N., 91p.

Colombo, Alessandro G; Hervás, Javier e outros, 2002. Guidelines on flash flood prevention and mitigations. Nedies Project. European Commission. Javier Hermás. Report. EUR 20386 E.N., 64p.

Comissão Europeia, 1997. Em Direcção a um Desenvolvimento Sustentável. Relatório Intercalar da Comissão Europeia e Plano de Acção Relativo ao Quinto Programa de Acção em Matéria de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, Luxemburgo, 212p.

270

Comissão Europeia, 2006. Um Ambiente de Qualidade. O contributo da EU. Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, Luxemburgo, 22p.

Consorcio Hidrorumo e Procesl, 2000. Plano de Bacia Hidrográfica do Rio Cávado. Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território, Porto,

1000p.

Cook, David; Kirk, Wendy, 1991. Rocks and minerals of the world. Field Guide. Stuart Cooper, London, 192p.

Costa, Joaquim Botelho, 1985. Estudo e classificação das rochas por exame macroscópico. 6ª ed. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 527p.

Costa, Joaquim Botelho, 1999. Caracterização e Constituição do Solo. 6ª ed. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 527p.

Costa, Ricardo J. Faria, 1997. O Quaternário da bacia portuguesa do rio Minho na perspectiva do plano de bacia. 1997. s Jornadas do Quaternário de Portugal. Associação Portuguesa para o Estudo do Quaternário, Braga,

168p.

D. X. de desenvolvimento sostible, 2003. Cares a unha estratexia para o desenvolvimento sostible de Galicia: integración da variable ambiental nas politicas sectorais. Coleción técnica de médio ambiente. Conselleria de Médio Ambiente, Galicia, 160p.

Davis & Dewberry, 1996. Land Developmente Handbook. Planning, Engineering, and Surveying. McGraw-Hill, New York, 1014p.

Dercourt, J. ; Paquet, J., 1986. Geologia Objectos e Métodos. Almedina, Coimbra, 374p.

Dias, G; Letenier, J, 1998. U-Pb zircon and monazite geochronology of post- collisional Hercynian granitoids from the Central iberian Zone (Northern Portugal).Lithos 45, 349-369p.

Dias, G; Simões, P.P e outros, 2001. Mantle and crustal Sources in the Génesis of Late-Hercynian Granitoides (NW Portugal): Geochemical and Sr- Nd Isotopic Constraints. Gondwana Research, Vol. 5, n. º 2, 287-305 p.

Dias, Graciete, 2001. Fontes de Granitoides Hercínicos da Zona Centro- Ibérica (Norte de Portugal): evidências isotópicas (Sr, Nd). Memórias da

271

Academia das ciências de Lisboa. Classe de Ciências. Tomo XXXIX, Lisboa, 121-143p.

Direcção-Geral das Florestas Divisão de Pescas nas Águas Interiores, 1999. Gestão dos Recursos Aquícolas em Portugal. Divisão de Documentação e História Florestal, Lisboa, 48p.

Direcção-Geral das Florestas Divisão de Pescas nas Águas Interiores, 1999. Zonas de Ordenamento da Pesca nas Águas Interiores. Divisão de Documentação e História Florestal, Lisboa, 19p.

Direcção-Geral do Ambiente, 2000. Relatório do Estado do Ambiente 99. Direcção Geral do Ambiente, Lisboa, 348p.

Dorado, António Castro, 1989. Petrografia básica. Texturas, clasificación y nomenclatura de rocas. Parainfo, Madrid, 143p.

Duncan F. M. McGregor and Donald A Thompson, 1995. Geomorphology and Land Management in a Changing Environment. Wiley, John & Sons London, 339p.

Embleton, C.; Embleton-Hamann, C. (Eds), 1997. Geomorphological Hazads of Europe. Developments in Earth Surface Processes 5, Elsevier, Amsterdam, 524p.

EUROSTAT, 1997. Environment Statistics 1996. Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, Luxemburgo, 398p.

Ferreira, A de Brum (1983). “Problemas da evolução geomorfológica quaternária do noroeste de Portugal. VI reunion do Grupo Espanõl de Trabalho de quaternário. Cuadernos do Laboratório Xeológico de Laxe, n.º 5, Publicacións do Seminário de Estudos Galegos. Ediciós de Castro, Coruña, 311-329p.

Ferreira, Denise de Brum, 1981. Carte Geomorphologique du Portugal. Memórias do Centro de Estudos Geográficos. INIC Universidade de Lisboa, Lisboa, 54p.

Ferreira, Francisco Melo, 2002. Sistemas de Informação Geográfica 12º Ano. Curso tecnológico de Ordenamento. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 39p.

Ferreira, N.; Iglesias, M. ; Noronha, F. ; Pereira, E. ; Ribeiro, A e Ribeiro, M. L. (1987). Granitoides da Zona Centro Ibérica e seu enquadramento

272

geodinâmico. Libro Homenagem a L. C. Garcia Figuerola. Edit. Rueda, Parte 1, Cap 4, 37-51p.

Filho, Germano, 1989 Apontamentos de Introdução à Educação Ambiental. INAMB (Instituto Nacional de Ambiente), Lisboa, 49p.

Flageollet, J. C., 1989. Les mouvements de terrain et leur prevention. Masson, Paris, 135p.

Fonseca, Diogo M. M. Oliveira, 2003. Avaliação de Zonas Susceptíveis à Ocorrência de Movimentos de Massa (Barcelos). Departamento de Ciências da Terra – Universidade do Minho, Braga, 130p.

Fonseca, Teotónio, 1987. O Concelho de Barcelos. Aquém e Além-Cávado. Barcelos. Vol I e II. Santa Casa da Misericórdia de Barcelos e Câmara Municipal de Barcelos, Barcelos, 837p.

Freitas, Mário, 1997. Dimensões Fundamentais da Educação Ambiental. Educação Ambiental – Que Perspectivas. Dossier Ambiente, Lisboa, 36-48p

Freitas, Mário, 1997. Resolução de Problemas em Educação Ambiental. Textos de Mestrado em Ciências do Ambiente. Policopiado (não Publicado). Universidade do Minho, Braga, 15p.

Freitas, Mário, 2004. A educação para o desenvolvimento sustentável e a formação de educadores/professores. Perspectivas, Vol 22, n.º 2 Florianópolis, UFSC, 547-575p.

Freitas, Mário, 2004. Concepções de Desenvolvimento Sustentável em estudantes de Licenciatura em Educação, em Portugal. Implicações para a reorientação curricular no âmbito da década das NU. Comunicação ao Educación, Actas electrónicas do I congreso internacional educación, lenguaje y sociedad tensiones educativas en américa latina, General - Pico , Argentina, 11p.

Freitas, Mário, 2005. Da educação ambiental à educação para o desenvolvimento sustentável: domínios de actuação e investigação. Actas das Jornadas da ASPEA, Lisboa 15p.

Freitas, Mário, 2005. Educação para o Desenvolvimento Sustentável:

sugestões para a sua implementação no âmbito da Década das Nações Unidas. Actas electrónicas do VII Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia, 1473-1488p.

273

Galvão, Cecília, 2001. Ciências Físicas e Naturais - Orientações Curriculares. Ministério da Educação. Departamento da Educação Básica, Lisboa, 42p.

Garcia-Tornel, F.C, 1984. La Geografia de los riesgos. Geo-crítica, 54, Barcelona, 7-39p.

Giordan, André, 1996. A Educação Ambiental na Europa. Cadernos de Educação Ambiental, Instituto De Inovação Educacional, Lisboa, 53p.

Giordan, André; Souchon, Cristian, 1995. La education ambiental: guia prática. Série Fundamentos, n.º 5. Coleccion investigation y enseñanza, Díada, Sevilha, 227p.

Giordan, André; Souchon, Cristian, 1996. Uma Educação para o Ambiente. Instituto De Inovação Educacional, IPAMB, Lisboa, 53p.

Glade, T.; Anderson, M.G.; Crozier, M.J. (Eds), 2005. Landslide Hazard and Risk. John Wiley & Sons Ltd., London, 842p.

Granja, Helena, 1999. Evidence for Late Pleistocene and Holocene Sea- Level, Neotectónic and Climate Control in the Coastal Zone of Northwest Portugal. Geologie en Mijnbouw n.º 77. Kluwer Academic Publishers, Netherlands, 233-245p.

Granja, Helena, 2000. A Geologia do Holocénico Aplicada ao Ordenamento da Zona Costeira. Estudos do Quaternário (3). APEQ, Braga, 73-90p.

Granja, Helena, 2002. Reconstituição Paleoambiental da Zona Costeira, a Norte da Laguna de Aveiro, desde a Idade Média até à Actualidade. O Litoral em Perspectiva Histórca Sécs XVI a XVIII. Actas. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 93-109p.

Griffiths, J. S, 2001. Land Surface Evaluation for Engineering Practice. Geological Society – J.S. Griffiths, London, 248p.

Guidicini, Guido, 1976. Estabilidade de Taludes Naturais e de Escavação. Editora Edgard Blucher Ltda, São Paulo, 169p.

Hervás, J. (Ed), 2003. Lessons Learnt from Landslide Disaters in Europe. Nedies Project, Report EUR20558 EN, European Commission, Joint Research Centre, Ispra, 91p.

Hesselink, F. van Kempen, P. & Walls, A, 2000. EDSdebate. Gland and Cambridge: IUCN, Switzerland, 64p.

274

Hopkins, C. & Mckeown R., 2002. Education for sustainable development:

an international perspective. In: Tilbury, D. et al. (eds) Education and Sustainability: responding to the Global Challenge. 1ª Edição, Gland and Cambridge: CEC/IUCN, Switzerland, 13-24p.

Humphries, J.C.; Sutton, J.R. Press, 1996. Guias Fapas – Árvores de Portugal e Europa. FAPAS, Porto, 320p.

Instituto do Ambiente, 2005. Estratégia da CEE/ONU para Educação para o Desenvolvimento Sustentátel. Instituto do Ambiente, Lisboa, 24p.

Instituto Nacional de Estatística, 2005. Estatísticas do Ambiente 2004. INE, Lisboa, 91p.

Keller, Edward A., 1992. Environmental Geology. 6ª ed. University of California, Santa Barbora – Macmillon Publishing Company, EUA, 512p.

Koch, N.K., 1995. Geohazards Natural and Human. Prentice Hall, New Jersey, 481p.

Lencastre, A; Franco F.M, 1992. Lições de Hidrologia. 2ªed. Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa, Almada, 453p.

Leroi, E., 1996. Lanslide hazards- risk maps at different scales: objectives, tools and developments. In Sennset (Ed.) Landslides, Proceedings of the 7 th International Symposium on Landslides, Balkema, Rotterdam, 35-51p.

Lobo, Manuel Costa, 2000. Normas Urbanísticas Vol. IV. Planeamento integrado do território. Elementos de teoria crítica. Universidade Técnica de Lisboa, Direcção Geral do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Urbano, Lisboa, 2000, 290p.

Lundgren, Lawrence, 1986. Environmental Geology. Prentice-Hall, EUA,

510p.

Magalhães, Manuela Raposo, 2001. A Arquitectura Paisagista. Morfologia e complexidade. Editorial Estampa, Lisboa, 525p.

Malcolm G. Anderson and Susan M. Brooks, 1996. Advances in Hillslop Processes. Volume I e II. , Wiley, John & Sons, England, 1306p.

Marin, A. Andreia; Oliveira, Haydeé Torres, 2003. Percepción ambiental, imaginário y practicas educativas. Tópicos en Educación Ambiental. Vol. V, n.º 13. Editorial Foro. Universidade de Guadalajara, 73-81p.

275

Martinelli, Marcello; Pedrolti, Franco, 2001. A cartografia das unidades de paisagem: questões metodológicas. Revista de Geografia, n.º 14, S. Paulo,

39-46p.

Martins, A. Afonso, 1985. Caracterização Sumária dos Solos de Trás-os- Montes e Alto Douro e sua Ocupação. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 30p.

Martins, Abel C. L., 2000. Resíduos Sólidos Urbanos no Concelho de Braga; Geologia e Educação Ambientais – uma contribuição. Tese de Mestrado, Universidade do Minho, Braga, 250p.

Martins, Odete Sousa, 2002. Programa de Geografia D - 12º Ano - Curso geral de Ciências Naturais. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 42p.

Martins, Odete Sousa; Alberto, Alzira Filipe; Além, Manuel Guilhermino, 2001. Programa de Geografia B 10º Ano - Curso tecnológico de Turismo/ Curso tecnológico de Ordenamento do Território. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 54p.

Martins, Odete Sousa; Alberto, Alzira Filipe; Além, Manuel Guilhermino, 2001. Programa de Geografia B 11º Ano – Curso tecnológico de Turismo/ Curso tecnológico de Ordenamento do Território. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 15p.

Martins, Odete Sousa; Alves, M.ª Luísa; Brazão, M.ª Manuela, 2001. Programa de Geografia A 10º Ano Curso geral de Ciências Sociais e Humanas. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 49p.

Martins, Odete Sousa; Alves, M.ª Luísa; Brazão, M.ª Manuela, 2001. Programa de Geografia A 11º Ano Curso geral de Ciências Sociais e Humanas. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 19p.

Martins, Odete Sousa; Lúcio, José Manuel Rodrigues; Colaço, Vítor Manuel Leal, 2001. Programa da Disciplina de Técnicas de Ordenamento do Território – 10º Ano de Escolaridade – Curso tecnológico de Ordenamento do Território. Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 55p.

276

Martins, Odete Sousa; Lúcio, José Manuel Rodrigues; Colaço, Vítor Manuel Leal, 2001 Programa da Disciplina de Técnicas de Ordenamento do Território – 11º Ano de Escolaridade. Curso tecnológico de Ordenamento do Território, Ministério da Educação. Departamento Ensino Secundário, Lisboa, 24p.

Matos, João Luís, 2001. Fundamentos de Informação Geográfica. Modelação Geográfica, Análise Espacial, Cartografia Digital, Qualidade. LIDEL – Edições Técnicas, Lda., Lisboa, 323p.

Matos, Sebastião, 1994. Barcelos Antigo no Postal Ilustrado. Câmara Municipal de Barcelos, Barcelos, 135p.

Melendez, Fuster, 1981. Geologia. Parainfo, Madrid, 911p.

Miller, Victor C, 1961. Photogeology. McGraw-Hill, New York, 245p.

Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, 1997. Código de Boas Práticas Agrícolas. Para a protecção da água contra a poluição com nitratos de origem agrícola. Auditor do Ambiente do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Lisboa, 52p.

Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, 1999. Código de Boas Práticas Agrícolas para a protecção da água. Div. Doc. Informação e Relações Públicas, Lisboa, 99p.

Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, 2000. Conservação do solo e da água. Manual Básico de Práticas Agrícolas. INGA, Lisboa, 80p.

Ministério da Educação, 2003. Reforma do Ensino Secundário. Documento Orientador da Revisão Curricular do Ensino Secundário. Ministério da Educação, Lisboa, 33p.

Ministério da Educação, 2003. Reforma do Ensino Secundário. Matrizes. Cursos Científico – Humanísticos e Cursos Tecnológicos. Ministério da Educação, Lisboa, 16p.

Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional; 2006. Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território – Relatório. MAOTDR, Lisboa, 132p.

277

Mota, Isabel Almeida, 2004. Estratégia Nacional para o desenvolvimento Sustentável – ENDS – 20005-2015. XVI Governo Constitucional, Lisboa,

135p.

Nacions Unidas, 2004. La reducción de riesgos de desastres. Un desafio para el desarrollo. Un informe mundial. Programa de las Naciones Unidas para el desarrollo. Dirección de prevención de crises y de recuperación, UNDP, 12p.

Nogueira, Conceição; Sandra, Luísa, 2001. Educar para uma cidadania activa: (re)pensar o papel dos professores. Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia: Actas n.º 6, Vol 2. Universidade do Minho. Centro de Investigação em Educação, Braga, 589-617p.

Novo, Maria, 1996. La education ambiental. Bases éticas, conceptuales y metodológicas. Editorial Universitas, S. A , Madrid, 276p.

Oraisón, Mercedes; Pérez, Ana Maria, 2006. Escuela y Participación: el difícil camino de la construción de ciudadanía. Revista Ibero Americana de Educação. Educação e Cidadania. N.º 42. OEI – Organización de Estudios Ibero Americanos para la educación, la ciência y la cultura. Guadalajara, 15-

29p.

Palma, Maria Isabel, 2005. Educação Ambiental: a formal e a não formal. Contributos dos centros de recursos de Educação Ambiental para a formação das crianças do 1º ciclo do ensino básico. Dissertação de Mestrado. Instituto da Educação e da Criança – Universidade do Minho, Braga, 106p.

Parlamento Europeu – Direcção – Geral de Estudos, 1997. O Parlamento Europeu e a Política do Ambiente na União Europeia. Série sobre o Ambiente, a Saúde Pública e a Defesa do Consumidor, 91p.

Partidário, Maria do Rosário, 1999. Introdução ao Ordenamento do Território (177). Universidade Aberta, Lisboa, 210p.

Peavy, Hoard; Rowe, Donald; Tchobanoglous, George, 1985. Environmental Engineering. McGraw-Hill, Singapore, 699p.

Pedrosa, A, 1993. Serra do Marão. Estudo de Geomorfologia. Dissertação de Doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto,

478p.

278

Pereira, E, 1992. Carta Geológica de Portugal. Notícia Explicativa da Folha 1 (escala 1/200000). Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 83p.

PNPA, 1995. Plano Nacional da Política do Ambiente. Anexos. MARN, Lisboa, 366p.

PNPA, 1995. Plano Nacional da Política do Ambiente. MARN, Lisboa, 292p.

Pujadas, Romà; Font, Jaume, 1998. Ordenación y Planificación Territorial. Editorial Sintesis, España, 399p.

Raposo, Isabel, 1997. Não há Bichos-de-Sete-Cabeças. Cadernos de Educação Ambiental, Instituto de Inovação Educacional, Lisboa, 75p.

Rebelo, Fernando, 1994. Do Ordenamento do Território à gestão dos Riscos Naturais. A Importância da Geografia Física Salientada Através de Casos de Estudo Seleccionados em Portugal. Territorium. Coimbra, 7-15p.

Rebelo, Fernando, 2001. Riscos Naturais e Acção Antrópica. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 274p.

Ribeiro, A; Antunes, M.T.; Ferreira, M.P., Rocha, R. B.; Soares, A . F.; Zbyszewski, G.; Almeida F. M.; Carvalho, D.; Monteiro, J. H., 1979. Introdution à la Géologie Générale du Portugal. Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 114p.

Rodrigues, Gabriela, 2002. Análise e Cartografia das Áreas de Risco de Cheia no Concelho de Barcelos. Universidade dos Açores, Angra do Heroísmo, 120p.

Saltenberg, Ute, 2004. Sin información no podemos alcanzar un dezarrollo sustentable. Revista Educación Ambiental. Ano 1, n.º 2, Chile, 5-7p.

Schmidt, Luísa, 2003. Ambiente no ecrã. Emissões e demissões no serviço público televisivo. Imprensa de Ciências Sociais do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Viseu, 456p.

Schmidt, Luísa, 2006. Década das nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014). Contributo para a sua dinamização em Portugal. Comissão Nacional da UNESCO – Portugal, Lisboa, 34p.

Simões, Teresa Sobrinho, 2002. Programa de Ciências da Vida e do Ambiente 11º Ano. Curso Tecnológico de Química e Controlo Ambiental. Ministério da Educação. Departamento do Ensino Secundário, Lisboa, 39p.

279

Smith, Keith, 1996. Environmental Hazards. Assessing Risk and Reducing Disaster. Routledje, London, 389p.

Stanners David Bordeau, Philippe, 1995. Europe`s Environmente. The Dobrís Assessment. Copenhagen, 676p.

Summerfield, Michael, 1994. Global Geomorphology. Longman Scientific & Technical and John Wiley & Sons, Inc, New York, 537p.

Teixeira, C., 1969. Carta Geológica de Portugal. Notícia Explicativa da Folha 5-C – Barcelos (escala 1/50.000). Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 49p.

Teixeira, C., 1969. Carta Geológica de Portugal. Notícia Explicativa da Folha 9-A – Póvoa de Varzim (escala 1/50.000). Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 50p.

United Nations, 2005. Hyago framework for action 2005-2015. Building the resilience of nations and communities to disasters. World Conference on Disaster Reduction. Kobe, Hyago, Japan, 25p.

United Nations, 2005. Report of the world conference on disaster reduction. Kobe, Hyago, Japan, 45p.

Varnes, D.J.and the International Association of Engineering Geology Commission on Landslides and Other Mass Movements Slopes, 1984. Landslide hazard zonation: a review of principles and practice. Unesco, Paris, 61p.

Wisner, B.; Blaikie, P.; Cannon, T., Davis, I., 2004. At Risk. Natural hazards, people`s vulnerability and disasters. Second Edition, Rutledge, Taylor & Francis Group, London, 471p.

Zêzere, José Luís, 2000. A Classificação dos Movimentos de Vertente:

Tipologia, Actividade e Morfologia. Série Investigação (6). Centro de Estudos Geográficos, Lisboa, 29p.

Zêzere, José Luís, 2001. Distribuição e Ritmo dos Movimentos de Vertente na Região a Norte de Lisboa (38). Geografia Física e Ambiente. Centro de Estudos Geográficos, Lisboa, 167p.

Zêzere, José Luís, 2005. Dinâmica de Vertente e Riscos Geomorfológicos. (Relatório n.º 41). Geografia Física e Ambiente. Centro de Estudos Geográficos, Lisboa, 128p.

280

LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA (UE)

Directiva do Conselho 90/313 de 23 de Junho – Liberdade de acesso à informação em matéria de ambiente

Resolução 93/C/138/01 de 17 de Maio – Programa da Comunidade Europeia de política de acção em matéria de ambiente e desenvolvimento sustentável (5º programa de acção)

Parecer do Comité das Regiões – Política ambiental nas cidades e nos municípios (13/3/98)

LEGISLAÇÃO NACIONAL

Lei n.º 11/87, de 7 de Abril – Lei de Bases do Ambiente

Lei n.º 48/98, de 11 de Agosto – Estabelece as bases da política de ordenamento do território e de urbanismo

Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro – Define o regime de coordenação dos âmbitos nacional, regional e municipal do sistema de gestão territorial, o regime geral de uso do solo e o regime de elaboração, aprovação, execução e avaliação dos instrumentos de gestão territorial

Lei n.º 54/05 de 15 de Novembro (Titularidade dos recursos hídricos)

Decreto-lei n.º 468/71 de 5 de Novembro (Domínio Público hídrico)

Decreto-lei n.º 321/83, de 5 de Julho (REN)

Decreto-lei n.º 89/87 de 26 de Fevereiro (Cheias)

Decreto-lei n.º 69/90 de 2 de Março (Planos de Ordenamento do Território)

Decreto-lei n.º 93/90, de 19 de Março (REN)

Decreto-lei n.º 316/90 de 13 de Outubro (REN)

Decreto-lei n.º 367/90 de 26 de Novembro (prevê a constituição dos Planos Regionais de Ordenamento do Território)

Decreto-lei n.º 211/92 de 8 de Outubro (Planos de Ordenamento do Território)

Decreto-lei n.º 213/92 de 12 de Outubro (REN)

281

Resolução do Conselho de Ministros n.º 38/95 de 21 de Abril (define o Plano Nacional de Política de Ambiente)

Resolução do Conselho de Ministros n.º 64/95 de 4 de Julho (ratificação do Plano Director Municipal de Barcelos)

Decreto-lei n.º 364/98 de 21 de Novembro (Domínio público Hídrico)

Decreto-lei n.º 382/99 de 22 de Setembro (Protecção de águas subterrâneas)

Decreto-lei n.º 310/03 de 10 de Dezembro (alteração à lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, sobre o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial)

Decreto-lei n.º 180/06 de 6 de Setembro (REN)

LEGISLAÇÃO ESPANHOLA E GALEGA

Decreto 82/1989 de 11 de Maio (Espaço Natural)

Lei 10/1995 de 23 de Novembro (Ordenamento do Território Galego)

Lei 9/2001 de 21 de Agosto (Conservação da natureza)

Lei 9/2002 de 30 de Dezembro (Ordenamento Urbanístico e Protecção do Meio Rural na Galiza)

ENDEREÇOS INFORMÁTICOS

panda.igeo.pt/beot/html

preresi.ineti.pt/documentacao/legislacao/nacional

snig.igeo.pt

snirh.inag.pt

www.acfonline.org.na/blueprint/index.html

www.ccr-n.pt

www.cnads.pt

www.deb.min-edu.pt/proposta_reorganização_curricular.html

www.dgotdu.pt

www.diramb.gov.pt

282

www.dpp.pt

www.epa.gov/globalwarning/sitemeap.html

www.euriroliteracy.org/

www.europa.eu.int/comm/publications/

www.exploratorium.edu/learning_sudio/sii/

www.iambiente.pt

www.icn.pt/

www.igeo.pt

www.inag.pt/inag2004/port/a_intervencao/planeamento/pbh/pbh.html

www.inag.pt/inag2004/port/a_intervencao/planeamento/pna/pna.html

www.ine.pt

www.inresiduos.pt

www.irar.pt

www.meteo.pt

www.onuportugal.pt

www.portugal.gov.pt

www.sciam.com

www.territorioportugal.pt

www.un.org

www.unesco.org.pt

www.xunta.es

283

IX – ANEXOS

284

Foto n.º 1 – Cheia em Barcelos no ano de 1962 (junto à ponte Medieval).

Foto n.º 1 – Cheia em Barcelos no ano de 1962 (junto à ponte Medieval).

Cheia em Barcelos no ano de 1962 (junto à ponte Medieval). Foto n.º 2 – Cheia

Foto n.º 2 – Cheia em Barcelos no ano de 1962 (ao fundo e à direita, confluência do ribeiro de Vila com o rio Cávado).

285

Foto n.º 3a – Cheia em Barcelos no ano de 1962 (ao fundo casario marginal

Foto n.º 3a – Cheia em Barcelos no ano de 1962 (ao fundo casario marginal ao rio Cávado, em Barcelinhos).

(ao fundo casario marginal ao rio Cávado, em Barcelinhos). Foto n.º 3b – Cheia em Barcelos

Foto n.º 3b – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (ao fundo casario marginal ao rio Cávado, em Barcelinhos).

286

Foto n.º 4 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (ponte medieval de ligação

Foto n.º 4 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (ponte medieval de ligação entre Barcelos e Barcelinhos).

(ponte medieval de ligação entre Barcelos e Barcelinhos). Foto n.º 5 – Cheia em Barcelos no

Foto n.º 5 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (piscinas municipais – Barcelos).

287

Foto n.º 6 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (ponte do Estreito Cristelo).

Foto n.º 6 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (ponte do Estreito Cristelo).

Barcelos no ano de 2000/2001 (ponte do Estreito Cristelo). Foto n.º 7 – Cheia em Barcelos

Foto n.º 7 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (Ribeira das Pontes – Tamel S. Veríssimo).

288

Foto n.º 8 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (foz da Ribeira das

Foto n.º 8 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (foz da Ribeira das Pontes – Tamel S. Veríssimo).

(foz da Ribeira das Pontes – Tamel S. Veríssimo). Foto n.º 9 – Cheia em Barcelos

Foto n.º 9 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (rio Este – Cambeses).

289

Foto n.º 10 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (rio Neiva – Balugães).

Foto n.º 10 – Cheia em Barcelos no ano de 2000/2001 (rio Neiva – Balugães).

em Barcelos no ano de 2000/2001 (rio Neiva – Balugães). Foto n.º 11 – Desmoronamento de

Foto n.º 11 – Desmoronamento de terras em Volteiro (Martim) (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

290

Foto n.º 12 – Desmoronamento de terras em Volteiro (Martim) (o traço de cor laranja

Foto n.º 12 – Desmoronamento de terras em Volteiro (Martim) (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

de cor laranja identifica o local do movimento de terras). Foto n.º 13 – Linha de

Foto n.º 13 – Linha de água regularizada (Várzea no lugar da Estrada).

291

Foto n.º 14 – Inundação da cave de um prédio, devido à ruptura da canalização

Foto n.º 14 – Inundação da cave de um prédio, devido à ruptura da canalização que regularizava uma linha de água (Várzea no lugar da Estrada).

292

Foto n.º 15 – Abatimento do solo, devido à colmatação da tubagem de circulação da

Foto n.º 15 – Abatimento do solo, devido à colmatação da tubagem de circulação da linha de água regularizada (Várzea no lugar da Estrada).

linha de água regularizada (Várzea no lugar da Estrada). Foto n.º 16 – Fotografia aérea de

Foto n.º 16 – Fotografia aérea de Durrães – lugar de Novais (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

293

Foto n.º 17 – Fotografia do local onde ocorreu o movimento de terras em Durrães

Foto n.º 17 – Fotografia do local onde ocorreu o movimento de terras em Durrães (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

de cor laranja identifica o local do movimento de terras). Foto n.º 18 – Pormenor do

Foto n.º 18 – Pormenor do local onde se iniciou o movimento de terras em Durrães.

294

Foto n.º 19 – Pormenor do solo onde se iniciou o movimento de terras em

Foto n.º 19 – Pormenor do solo onde se iniciou o movimento de terras em Durrães. Existência de rocha muito alterada, alguns blocos graníticos e presença de raízes destruídas pelo fogo.

graníticos e presença de raízes destruídas pelo fogo. Foto n.º 20 – Casa destruída pelo movimento

Foto n.º 20 – Casa destruída pelo movimento de terras em Durrães.

295

Foto n.º 21 – Fotografia aérea de Quintiães – lugar do Rodo (o traço de

Foto n.º 21 – Fotografia aérea de Quintiães – lugar do Rodo (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

de cor laranja identifica o local do movimento de terras). Foto n.º 22 – Fotografia do

Foto n.º 22 – Fotografia do local onde ocorreu o movimento de terras em Quintiães (o traço de cor laranja identifica o local do movimento de terras).

296

Foto n.º 23 – Pormenor do local onde ocorreu o movimento de terras em Quintiães.

Foto n.º 23 – Pormenor do local onde ocorreu o movimento de terras em Quintiães. O caminho fotografado na figura, era o da passagem de uma pequena linha de água. Na altura do movimento a linha de água encontrava-se canalizada.

do movimento a linha de água encontrava-se canalizada. Foto n.º 24 – Pormenor do local onde

Foto n.º 24 – Pormenor do local onde se iniciou o movimento de terras em Quintiães. Existência de rocha muito alterada, alguns blocos graníticos e presença de vegetação destruída pelo fogo.

297

Foto n.º 25 – Pormenor do solo próximo do local onde se iniciou o movimento

Foto n.º 25 – Pormenor do solo próximo do local onde se iniciou o movimento de terras em Quintiães (a cerca de 50m do local). Existência de rocha muito alterada.

cerca de 50m do local). Existência de rocha muito alterada. Foto n.º 26 – Fotografia aérea

Foto n.º 26 – Fotografia aérea de Tamel Stª Leocádia – lugar do Barreiro (o traço de cor laranja identifica o local de passagem de uma linha de água que se encontra parcialmente regularizada).

298

Foto n.º 27 – Fotografia aérea de Carapeços – lugar de Penido (o traço de

Foto n.º 27 – Fotografia aérea de Carapeços – lugar de Penido (o traço de cor laranja identifica o local de passagem de uma linha de água que se encontra parcialmente regularizada).

linha de água que se encontra parcialmente regularizada). Foto n.º 28 – Início da colmatação do

Foto n.º 28 – Início da colmatação do canal que regularizava a passagem de uma linha de água em Tamel Stª Leocádia (lugar do Barreiro).

299

Foto n.º 29 – Aspecto da destruição junto a uma habitação, causada pela regularização de

Foto n.º 29 – Aspecto da destruição junto a uma habitação, causada pela regularização de uma linha de água em Tamel Stª Leocádia (lugar do Barreiro).

linha de água em Tamel Stª Leocádia (lugar do Barreiro). Foto n.º 30 – Aspecto da

Foto n.º 30 – Aspecto da destruição, causada pela circulação da linha de água, pelo seu percurso original, extravasando o canal de regularização – Tamel Stª Leocádia (lugar do Barreiro).

300

Foto n.º 31 – Local onde se iniciou a acumulação de detritos numa linha de

Foto n.º 31 – Local onde se iniciou a acumulação de detritos numa linha de água em Carapeços (lugar de Penido).

numa linha de água em Carapeços (lugar de Penido). Foto n.º 32 – Aspecto da destruição,

Foto n.º 32 – Aspecto da destruição, causada pela regularização de uma linha de água em Carapeços (lugar de Penido). O volume de detritos ultrapassou muito a capacidade de escoamento do canal de regularização.

301

Foto n.º 33 – Aspecto da destruição, causada pela circulação da linha de água, pelo

Foto n.º 33 – Aspecto da destruição, causada pela circulação da linha de água, pelo seu percurso original, extravasando o canal de regularização – Carapeços (lugar de Penido).

o canal de regularização – Carapeços (lugar de Penido). Foto n.º 34 a) – Elaboração de

Foto n.º 34 a) – Elaboração de sondagem. a – Montagem da fonte de alimentação energética.

302

Foto n.º 35 – Elaboração de sondagem. B – Montagem do martelo pneumático Foto n.º

Foto n.º 35 – Elaboração de sondagem. B – Montagem do martelo pneumático

de sondagem. B – Montagem do martelo pneumático Foto n.º 36 – Elaboração de sondagem. C

Foto n.º 36 – Elaboração de sondagem. C – Observação preliminar das camadas de solo que constituem a sondagem.

303

Foto n.º 37 – Elaboração de sondagem. D – Medição do comprimento das diferentes camadas.

Foto n.º 37 – Elaboração de sondagem. D – Medição do comprimento das diferentes camadas.

D – Medição do comprimento das diferentes camadas. Foto n.º 38 – Elaboração de sondagem. E

Foto n.º 38 – Elaboração de sondagem. E – Recolha de amostras das diferentes camadas e sua macroscópica.

304

Quadro n.º 11 – Valores Diários de Quantidade de Precipitação (mm) Estação Meteorológica de Viana do Castelo.

Dia

Nov-00

Dez-00

Dia

Jan-01

Dia

Set-02

Out-02

1

3,0

31,0

 

1 0,0

1

 

9,0

2

64,0

18,0

 

2 0,0

2

 

0,0

3

10,0

8,0

 

3 0,0

3

 

0,0

4

5,0

20,0

 

4 0,0

4

 

0,0

5

50,0

18,0

 

5 0,0

5

 

0,0

6

12,0

0,8

 

6 0,0

6

 

0,0

7

19,0

57,0

 

7 0,0

7

 

0,0

8

14,0

47,0

 

8 0,0

8

 

0,2

9

4,0

8,0

 

9 12,0

9

 

6,0

10

0,0

20,0

 

10 0,0

10

 

13,0

11

0,0

20,0

 

11 0,0

11

 

0,0

12

4,0

0,0

 

12 0,0

12

 

4,0

13

53,0

14,0

 

13 2,0

13

 

5,0

14

3,0

41,0

 

14 28,0

14

 

26,0

15

0,2

6,0

 

15 4,0

15

2,0

8,0

16

16,0

0,2

 

16 0,0

16

6,0

28,0

17

0,0

5,0

 

17 0,0

17

5,0

6,0

18

0,0

56,0

 

18 0,0

18

20,0

0,0

19

10,0

11,0

 

19 0,0

19

2,0

0,0

20

3,0

3,0

 

20 0,0

20

12,0

24,0

21

3,0

0,0

 

21 0,0

21

1,0

43,0

22

57,0

8,0

 

22 0,0

22

9,0

20,0

23

8,0

5,0

 

23 0,0

23

0,0

10,0

24

13,0

40,0

 

24 0,0

24

0,0

11,0

25

38,0

14,0

 

25 0,0

25

0,0

21,0

26

1,0

17,0

 

26 0,0

26

0,0

0,4

27

14,0

6,0

 

27 0,0

27

0,0

0,0

28

0,0

32,0

 

28 0,0

28

0,0

0,0

29

7,0

1,0

 

29 0,0

29

0,0

0,0

30

2,0

8,0

 

30 0,0

30

0,0

31,0

31

 

18,0

 

31 0,0

31

 

1,0

Total

413,2

533,0

Total

46,0

Total

57,0

266,6

Média

13,8

17,2

Média

1,5

Média

3,6

8,6

305

Quadro n.º 12 – Valores Diários de Quantidade de Precipitação (mm) Estação Meteorológica de Braga.

Dia

Nov-00

Dez-00

Dia

Jan-01

Dia

Set-02

Out-02

1

1,8

45,5

1

47,8

1

 

15,0

2

88,2

27,8

2

18,2

2

 

1,0

3

4,7

3,8

3

12,7

3

 

0,0

4

2,9

25,2

4

38,3

4

 

0,0

5

21,2

28,7

5

58,3

5

 

0,0

6

72,8

27,8

6

23,2

6

 

0,0

7

12,8

75,7

7

3,3

7

 

0,0

8

11,8

47,7

8

0,0

8

 

0,0

9

3,5

22,2

9

15,8

9

 

5,0

10

0,0

41,5

10

9,9

10

 

5,0

11

0,0

9,5

11

31,3

11

 

0,1

12

0,7

0,1

12

1,8

12

 

-999.0

13

32,7

13,8

13

0,1

13

 

3,0

14

10,4

37,5

14

0,0

14

 

5,0

15

0,0

3,8

15

0,0

15

2,0

15,0

16

6,7

0,0

16

5,0

16

4,0

33,0

17

2,8

0,6

17

5,6

17

15,0

22,0

18

0,0

10,3

18

11,7

18

38,0

0,0

19

7,2

2,7

19

11,2

19

5,0

0,0

20

1,3

8,3

20

0,0

20

8,0

14,0

21

2,8

0,9

21

0,0

21

18,0

22,0

22

23,2

3,8

22

6,8

22

-999.0

22,0

23

12,0

9,5

23

23,9

23

2,0

10,0

24

10,2

17,8

24

37,2

24

0,0

9,0

25

24,7

30,2

25

20,8

25

0,0

30,0

26

8,5

20,2

26

27,0

26

0,0

0,0

27

9,3

16,8

27

47,2

27

0,0

0,0

28

0,0

27,2

28

14,2

28

0,0

0,0

29

26,0

7,5

29

2,5

29

0,0

0,0

30

4,0

28,3

30

0,1

30

0,0

30,0

31

 

6,3

31

0,5

31

 

0,9

Total

402,2

601,0

 

474,4

 

92,0

242,0

Média

13,4

19,4

 

15,3

 

5,8

7,8

Não foi determinado

306

Quadro n.º 16 – Listagem de publicações analisadas.

ANOS E BIBLIOGRAFIA

ATÉ 1758- “Memórias Paroquiais de Barcelos”;

1892 -1911- “Comercio de Barcelos”;

1912 -1913- “O Radical”;

1932 -1943- “Notícias de Barcelos”;

1944 -1969- “O Barcelense” (entre 61 e 69 nºs incompletos)

1962 - 1976- “Jornal de Barcelos”

1976 - 2003 -“Barcelos Popular”

Quadro n.º 17 – Listagem de acontecimentos naturais, por publicação, ocorridos no concelho de Barcelos

COMERCIO DE BARCELOS

1. 26/08/1894 - Violento incêndio no Monte da Franqueira (n.º 234);

2. 28/10/1894 - Grande cheia no Rio Cávado, cobrindo totalmente os moinhos junto à Ponte

medieval (n.º 234);

3. 13/04/1902 - Violento Ciclone no Campo da Feira (n.º 632);

4. 4/08/1898 - Vaga violenta de calor, 31º à sombra (n.º 444);

5. 18/05/1902 - Morte no desabamento de uma saibreira em Manhente (n.º 637);

6. 16/06/1895 - Temporal extremamente violento, com raios mortíferos, afectando Adães, Areias

de Vilar, Encourados, Airó, Gamil, Rio Côvo, Várzea (iniciou-se em 8 de Junho e

continuou até 23) (n.º 275);

7. 21/07/1895 - Temporal violento em Forjães (n.º 281);

8. 16/11/1902 - Grande temporal na zona sul do concelho (n.º 663);

9. 17/07/1904 - Seca violenta que durou até Setembro (n.º 750, 753, 754, 756, 758)

10. 18/02/1900 - Temporal violento e cheia do Rio Cávado (nº520)

11. 24/04/1909 - Abalos de terra (n.º 999)

12. 19/10/1907 - Temporal violento e cheia do Rio Cávado (n.º 920)

13. 25/12/1909 - Cheia do Rio Cávado e inundação de Barcelinhos (n.º 1034, 1035)

14. 30/0471910 - Abalos de terra (n.º 1052)

15. 11/06/1910 - Abalos de terra (n.º 1058)

16. 18/06/1910 - Trovoada com pequena tempestade (n.º 1059)

17. 10/12/1910 - Grande Invernia (n.º 1084)

307

O RADICAL

18. 23/08/1913 - Vaga de calor (n.º 51)

NOTÍCIAS DE BARCELOS

19. 17/08/1933 - Tufão em Tamel Stª Leucádia (n.º 60)

20. 29/09/1932 - Temporal e cheia no Rio Cávado (n.º 14)

21. 1935(?) - Temporal em Gueral (n.º 130)

22. 2/01/1936 - Enormes cheias em todo o país e também em Barcelos (n.º 184)

23. 2/01/1936 - Desmoronamento do muro da creche Stª Maria, antiga muralha de Barcelos (n.º

184)

24. 13/02/1936 -Chuva muito intensa, queda de 460mm 8dm de chuva, captada pela estação hidráulica do Douro- posto udográfico de Barcelos (n.º 190)

25. 21/05/1936 - Inquérito sobre levantamento de prejuízos causados pelo mau tempo (n.º 204)

26. 21/04/1938 - Grande obra de Povoamento Florestal (n.º 302)

27. 2/01/1941 - Frio muito intenso, temp –4ºC (n.º 441)

28. 25/01/1940 - Queda de neve em todo o Concelho (n.º 392)

29. 20/02/1941 - Ciclone muito intenso, vento na ordem dos 200Km/h (n.º 448)

30. 16/05/1940 - Efeitos do temporal na freguesia da Ucha (n.º 408)

31. 24/07/1941 - Subsídios para atenuar a crise provocada pelo ciclone de 15 de Fevereiro (n.º

470)

O BARCELENSE

32. 21/08/1943- Desmoronamento de terras em minas (n.º 1690)

33. 22/12/1945- Grandes temporais em todo o País e também em Barcelos (n.º 1811)

34. 8/03/1947- Temporais violentos em todo o País (n.º 1874)

35. 31/01/1948- Violento Tufão que atingiu a cidade de Barcelos (n.º 1921)

36. 29/05/1948- Vento ciclónico (n.º 1938)

37. 16/07/1949- Grande seca que se prolongou até Agosto (n.º 1997, 2002)

38. 20/11/1948- Tremor de Terra (n.º 1963)

39. 8/07/1950 - Grande Temporal e incêndios causados pela trovoada (n.º 2048)

40. 21/06/1952- Grandes temporais (n.º 2150)

41. 8/10/1960 - Violentos temporais em todo o país (desde 24 de Setembro) (n.º 2583)

42. 9/11/1963 - Temporal violento que atingiu o centro de Barcelos (n.º 2744)

43. 1/03/1969 - Tremores de Terra (verificado em 28 de Fevereiro) (n.º 306)

JORNAL DE BARCELOS

44. 7/02/1963 - Nevão em Barcelos (n.º 672)

45. 30/08/1962 - Grande vaga de calor (n.º 651)

308

46. 24/02/1966 - Grande invernia e cheia do Rio Cávado (n.º 829)

47. 10/03/1966 - Temporal violento, estradas e caminhos cortados (n.º 831)

48. 20/03/1969 - Estragos violentos em Silveiros provocados pelo tremor de terra de 28 de Fevereiro (n.º 987)

49. 20/03/1969 - Rigoroso Inverno (considerado o mais violento dos últimos 50 anos – “O tempo e o Homem”) (n.º 987)

50. 31/12/1970 - Grande Nevão que cobriu a cidade de Barcelos (n.º 1078)

51. 27/01/1972 - Violento Tufão em Viatodos (n.º 1127)

52. 10/02/1972 - Mau tempo associado a um ciclone devastador que atravessou o concelho de Barcelos (n.º 1129)

53. 17/06/1976 - Seca violenta e prolongada (durou até 26 de Agosto) (n.º 1353, 1358)

54. 4/07/1974 - Chuvas torrenciais e ventos ciclónicos (n.º 1254)

BARCELOS POPULAR

55. 4/01/ 1979 - Grande cheia no Rio Cávado (n.º 57)

56. 7/01/1982 - Violento temporal em Dezembro de 1981 ( n.º 133)

57. 24/02/1983 - Nevão em Barcelos (no dia 15 de Fevereiro) (n.º 153)

58. 22/10/1987 - Intenso vendaval que se abateu sobre o concelho causando vários estragos (n.º

259)

59. 13/01/94 - Temporal fez vitima mortal(queda de muro em Pedra Furada), todo o concelho ficou alagado, derrube de várias arvores (n.º144)

60. 26/05/94 - Vendaval muito violento no centro da cidade com derrube de árvores no campo da feira (n.º 163)

61. 04/01/96 - Violento temporal em Barqueiros (n.º 238)

62. 23/05/96 - Violento Tufão em Oliveira causando vários estragos (n.º 258)

63. 28/10/99 - Inundações e queda de árvores levando à destruição de várias casas no concelho (n.º 420)

64. 14/12/00 - Grande cheia considerada das maiores dos últimos 20 anos. Água alagou zonas a mais de 30m das margens. Derrocada no muro da antiga muralha (Rua Fernando Magalhães) (n.º 58)

65. 4/01/01 - Chuvas muito intensas provocam derrocada em Durrães colocando casa em perigo e causando vários estragos materiais. O concelho encontra-se “alagado” (n.º 61)

66. 17/10/02 - Chuvas torrenciais em Tamel Stª Leocádia e Carapeços provocam elevados prejuízos materiais e inundações em algumas casas no lugar do Barreiro (Tamel) e no lugar de Penido (Carapeços)

309

Figura n.º 19 – Panfleto informativo da Protecção Civil sobre inundações. 310

Figura n.º 19 – Panfleto informativo da Protecção Civil sobre inundações.

310