Vous êtes sur la page 1sur 8

RELATÓRIO DE ELETRÔNICA I

Prática 1

SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO

Grupo G2

Nome: Guilherme Lopes da Silva

R.A.:

351520

Maíra Martins Garcia

351563

Rafael Dias Sandoval

351547

Ricardo Martins Bonilha

351270

São Carlos

-2010-

Sumário

Objetivos .........................................................................................

pg

3

Fundamentos teóricos ....................................................................

pg

3

Materiais utilizados .........................................................................

pg

6

Resultados .....................................................................................

pg

6

Conclusões ....................................................................................

pg

8

Bibliografia .....................................................................................

pg

8

1. OBJETIVOS

O objetivo da prática 1 é montar uma fonte linear simétrica, através da projeção e confecção de uma placa de circuito impresso.

2. FUNDAMENTOS TEÓRICOS

A tensão que chega em nossas residências é alternada, e a grande maioria dos aparelhos eletrônicos utilizados atualmente funciona à base de uma de alimentação de tensão contínua (CC). Dessa forma, para que seja possível a utilização desses aparelhos é necessário que haja um componente interno que faça a alteração de tensão alternada para contínua, além de adequar a intensidade de tensão a ser fornecida para o perfeito funcionamento de cada aparelho. Esse componente é conhecido como a fonte de tensão, ou de alimentação. Existem basicamente dois tipos principais de fontes de alimentação, a fonte linear e a fonte chaveada. A fonte linear, confeccionada nesta prática, utiliza uma tensão de entrada (AC) maior que a tensão de saída, enquanto que a chaveada pode fornecer, na saída, uma ddp igual, maior, menor, ou invertida, em relação à tensão de entrada. As fontes lineares fornecem baixa potência quando comparadas com as fontes chaveadas e, dificilmente, suportam correntes maiores que 1A. As fontes de tensão linear são assim chamadas por normalmente utilizarem um circuito integrado ou um transistor operando de forma linear na regulação da tensão de saída. Geralmente são montados com um transformador, um retificador, um filtro, estabilizador de tensão e saída DC. Na Figura 1 tem-se um esquema simplificado dessa fonte:

3 Figura 1: Fonte de alimentação linear simplificada

3

Figura 1: Fonte de alimentação linear simplificada

Este tipo de circuito é empregado em aparelhos que consomem pouca energia. A fonte de alimentação linear surgiu primeiro na eletrônica, é a mais comum e a que mais tem sido utilizada, principalmente no áudio/vídeo. Abaixo (Figura 1.1) segue um diagrama de blocos do circuito:

Figura 1.1: Diagrama de bloco de uma fonte de alimentação

Figura 1.1: Diagrama de bloco de uma fonte de alimentação

Cada parte tem um papel importante para o funcionamento da fonte, a

saber:

O Transformador é responsável pela adequação da tensão alternada da rede ao nível correto de tensão alternada que se deseja utilizar; A Retificação constituída por 2 ou 4 diodos retificadores (no esquema apresentado na Figura 1 são 4 diodos) é responsável por transformar a tensão alternada do secundário do transformador em uma tensão contínua ondulada (com ripple), como mostrado na Figura 2 e 3 abaixo:

Este tipo de circuito é empregado em aparelhos que consomem pouca energia. A fonte de alimentação

O Filtro é constituído via de regra, por capacitores e indutores. Ele retira as últimas ondulações (ripple) que ainda possam existir sobre a tensão contínua, tornando-a mais pura (Figura 4).

Figura 4: Onda retificada e filtrada

Figura 4: Onda retificada e filtrada

O Circuito de Controle responsável por manter a tensão de saída constante e estabilizada, mesmo quando há variações na tensão alternada da entrada ou da rede. É geralmente formado por semicondutores, tais como diodos zener e circuitos integrados, que tem por finalidade a manutenção de um valor de tensão fixo na saída, desde que a tensão alimentada seja maior do que a desejada, dissipando o excedente de potência por efeito joule. O projeto pode ser feito de modo que a tensão de saída desse regulador seja menor que a mais baixa do ripple acrescida de um valor de segurança F, garantindo assim um fornecimento sem flutuações. É possível observar na Figura 5 a estabilização da tensão.

O Filtro — é constituído via de regra, por capacitores e indutores. Ele retira as últimas

Figura 5: ddp de saída do estabilizador de tensão

2.1 MÉTODO LITOGRÁFICO DE CIRCUITO IMPRESSO

Há diversos métodos para a produção de circuitos eletrônicos, sendo que um dos mais utilizados é o de litografia em circuitos impressos. Este método consiste:

1) na traçagem do circuito que se deseja montar em uma placa isolante que possua uma camada de cobre; 2) na corrosão desta placa por meio de alguma substância química, geralmente um ácido;

3) na soldagem dos componentes eletrônicos.

Para a produção desses circuitos, primeiramente é necessário saber que um circuito impresso é o circuito estampado na placa que substitui o conjunto de fios, na interligação de componentes ou circuitos. Também é conhecido como “LAY-OUT”. Na traçagem deste, é necessário desenhar as trilhas ( servem para interligar componentes entre si, ou seja, substitui o corresponde a um fio de ligação comum, e suas espessuras são de aproximadamente 0,035mm) e as ilhas (uma extensão da linha, que necessita ser um pouco maior por ser onde os componentes serão soldados). A placa onde será desenhado o traçado é conhecida como suporte. Este é o material isolante sobre o qual se acha colada a película de cobre. As matérias-primas mais utilizadas na confecção de suportes são:

  • a) Fenolite

  • b) Fibra de vidro (resina epóxi)

  • c) Composit

  • d) Plástico

sendo que o Fenolite é a matéria prima mais antiga e a mais utilizada na

fabricação de placa de circuito impresso por preencher a maioria dos requisitos técnicos, por ser mais barato e ser fácil de ser manipulado (cortar, furar, frezar, etc).

3. MATERIAIS UTILIZADOS

Utilizou-se

os

seguintes

materiais:

Placa

de

fenolite,

ferro

de

solda,

transformador, diodos retificadores, led, regulador de tensão 7812, dois capacitores eletrolíticos de 1000 μF, resistor de 1K, multímetro e osciloscópio.

4. RESULTADOS

Inicialmente, com uma caneta para retroprojetor, imprimimos as trilhas do projeto acima sobre a camada de cobre na placa de fenolite. Então, deixamos a placa imersa na solução salina até que a região não impressa fosse removida (cerca de 20 minutos). Limpamos a placa com álcool 98% G. L. para remover a tinta sobre o cobre remanescente. O circuito da fonte de alimentação montado foi o da Figura 6 e sua respectiva máscara litográfica está na Figura 7:

Figura 6: Circuito da fonte de alimentação AC/DC

Figura 6: Circuito da fonte de alimentação AC/DC

Figura 6: Circuito da fonte de alimentação AC/DC Figura 7: Máscara litográfica da fonte de alimentação

Figura 7: Máscara litográfica da fonte de alimentação AC/DC

Assim, cada componente foi soldado, sendo medidas suas voltagens separadamente com um multímetro e posteriormente observadas as formas de onda em todos os pontos do circuito. O valor medido na tensão de saída foi de

7

11,97 V, dessa forma constatou-se que a fonte de alimentação feita em aula foi montada corretamente, pois o valor esperado para a tensão final era de 12 V. As formas de onda vistas no osciloscópio de cada componente do circuito estavam de acordo com o esperado.

5. CONCLUSÕES

Esta prática permitiu concluir que para a construção de uma fonte de alimentação AC/DC são necessários componentes que exerçam as seguintes funções: retificação, atenuação de ripple, regulação e estabilização de tensão. A fonte construída consistia em poucos componentes em um circuito simples e não era abalada se requerida uma corrente baixa. Para valores maiores, nota-se que seu rendimento passava a ser significativamente comprometido. Um projeto de uma fonte deve ser direcionado para sua aplicação, se tornando cada vez mais sofisticado, a medida que correntes mais elevadas e/ou maior estabilidade sejam exigidas.

6. BIBLIOGRAFIA