Vous êtes sur la page 1sur 22

O conceito de laicidade no Estado Judeu1:

Controvérsias em torno da liberdade religiosa em Israel

“Onde temos razão não podem crescer flores”


Yehuda Amichai
2
DANIEL STERNICK

1. Introdução: cultura leiga, Estado leigo e democracia

Qualquer debate que envolva a idéia de laicidade requer uma adequada


compreensão do significado de “cultura leiga” e “Estado laico”. De fato, as diversas facetas
do laicismo podem ser resumidas na análise histórica dessas duas expressões clássicas3. A
dissociação entre Estado e Religião provém, inicialmente, de um movimento que
transformou valores e conhecimentos e que, por fim, exerceu forte influência sobre as
instituições políticas.

Por “cultura leiga”, portanto, entendemos os esforços envidados em busca da


emancipação da filosofia e da moral do âmbito dos dogmas religiosos. Os ideais
renascentistas e iluministas, emergidos a partir do século XVI, deslocaram o núcleo de
pensamento das especulações teológicas e da lógica transcendental para as atividades
terrenas e às ciências naturais, inaugurando toda uma ótica antropocentrista. Com a era das
Luzes, pois, observamos um gradual afastamento entre teoria política e dogmática teológica
a partir da “reivindicação da primazia da razão sobre o mistério” 4 e, consequentemente, do
governo dos homens sobre a legitimação fundada em critérios religiosos.

1
Este trabalho, desenvolvido durante o primeiro semestre de 2006, foi o resultado de uma linha de pesquisa
própria inserida no tema “Estado e Religião”. Devo as possíveis virtudes deste trabalho ao Prof. Fábio
Carvalho Leite que, além de ter cultivado em mim o interesse pelo Direito Constitucional, me deu a
oportunidade de participar do grupo de pesquisa, me incentivando a seguir esta linha particular. Sua dedicação
pelos alunos é admirável e incomparável. Agradeço também ao programa Taglit Birthright Israel e ao Hillel
Rio, nas pessoas de Márcia Kelner Polisuk, Keren Sharon e Alan Spector, pelas inestimáveis contribuições.
2
Aluno do 6º período da Faculdade de Direito da PUC-RIO. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas
para a Iniciação Científica (PIBIC), na linha de pesquisa “Estado e Religião”, sob a orientação dos Profs.
Fábio Carvalho Leite e Carlos Alberto Plastino. Coordenador de Movimento Estudantil do Centro Acadêmico
Eduardo Lustosa. Integrante da Comissão Executiva da Coordenação Regional dos Estudantes de Direito/RJ.
3
ZANONE, Valério in BOBBIO, Norberto et alii. Dicionário de Política, Vol. 2. Trad. Carmen C. Varriale et.
al. 5ª ed. – Brasília: Ed. Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.
4
Idem ibidem.

DOCS-RJ5750v1
No conceito de “Estado laico”, o laicismo aproxima-se mais intimamente da
linguagem política. Grosso modo, falamos aqui da separação entre Estado e Religião,
identificada com a máxima “O Estado nada pode em matéria puramente espiritual, e a
Igreja nada pode em matéria temporal5”. Trata-se, dessa maneira, do oposto do Estado
teocrático, que assume como própria uma determinada confissão religiosa e privilegia seus
fiéis em detrimento dos crentes de outras religiões, assim como dos ateus ou agnósticos.
Assim, reflete um método de pensamento que defende a autonomia das instituições
públicas, da sociedade civil, do ordenamento jurídico – isto é, do temporal – em relação às
autoridades religiosas, às organizações confessionais, à fé e ao espiritual. A ética do Estado
Laico encontra seus alicerces numa concepção secular e não santificada da política6.

O mais fundamental corolário do sobrevalor laicista, que rege a quase totalidade dos
Estados ocidentais contemporâneos, é a liberdade religiosa. Diz-se fundamental, decerto,
posto que essencial na caracterização da democracia vigente nestes Estados. Nesse sentido,
uma vez identificado na democracia o regime em que o poder emana do povo e é exercido
em nome deste – através de representantes eleitos pela maioria – deve-se ter por certo que a
existência de instrumentos antimajoritários é imprescindível à legitimidade de tal regime.
De fato, convivem lado a lado com o princípio da maioria os princípios da liberdade e da
igualdade, sem os quais a democracia tornar-se-ia a ditadura da maioria.

É dessa idéia que extraímos o posicionamento conceitual da liberdade religiosa.


Numa democracia, o povo é livre para escolher seus governantes e os indivíduos,
particularmente, só encontram limites a sua liberdade nas proibições legais. Para que essa
liberdade fosse salvaguardada, foram construídos, historicamente, direitos e garantias
fundamentais dos quais os indivíduos não podem dispor. Se entendemos o fenômeno
religioso como um elemento humano – um “sentimento oceânico”7 relativo a um ente
transcendente, proveniente de laços familiares, sociais e históricos e que se traduz em
5
LOCKE, John. Carta sobre a tolerância (Epistola de tolerantia, 1689), Lisboa, Edições 70, 1996.
6
Deve-se pontuar, aqui, que esta separação é um produto das necessidades burguesas na construção do Estado
Liberal. De fato, as duas primeiras esferas que constam de uma separação entre Estado e sociedade civil são a
religiosa ou espiritual e a econômica. É importante observar que há uma forte conexão entre a ética religiosa e
o “espírito econômico”. Sobre isso, ver WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad.
José Marcos Mariani de Macedo. – São Paulo: Companhia das Letras, 2004.; e BOBBIO, Norberto.
Liberalismo e Democracia. Trad. Marco Aurélio Nogueira. – São Paulo: Brasiliense, 2005.
7
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas
Completas de Sigmund Freud, vol. XXI, pp. 81 e 82. Trad. José Octávio de Aguiar Abreu – Rio de Janeiro:
Ed. Imago, 1974.

DOCS-RJ5750v1
exercícios cotidianos – devemos garantir que os indivíduos possam escolher qual religião
seguir e como segui-la, bem como escolher não ter uma religião. Assim, a liberdade
religiosa compõe o rol de dispositivos antimajoritários com os quais uma democracia deve
contar, caracterizando-se como uma garantia fundamental ao cidadão. Por isso, não importa
se, sociologicamente, a maioria de um país seja adepta de uma determinada religião: as
crenças das minorias também deverão ser respeitadas.

De acordo com a linha de raciocínio estabelecida, um Estado rigorosamente laico e


democrático é aquele que se coloca em posição de neutralidade em relação às religiões e no
qual o poder político não encontra seu fundamento de validade e legitimidade nas
concepções sagradas. De fato, o Estado reconhece o fenômeno religioso e inclusive tutela o
seu exercício8, colocando as diferentes confissões religiosas em um mesmo plano e com
igual liberdade. Ele não privilegia os fiéis de uma religião em detrimento de outros e
separa, de forma explícita, as instituições públicas das crenças religiosas.

Estabelecidas as premissas teóricas indispensáveis ao prosseguimento da análise, o


presente trabalho tem como objetivo realizar uma abordagem dos múltiplos aspectos que
permeiam as relações entre o Estado de Israel – um Estado que se formou para abrigar os
judeus em diáspora ao redor do mundo e que se compromete com os valores judaicos – e as
diferentes religiões que nele convivem. Efetivamente, trata-se de um caso sui generis, sem
paralelos no cenário internacional hodierno: ao mesmo tempo, é um Estado judeu –
apegado a valores e regras da religião judaica – e um Estado dito laico e democrático.

Por um lado, a passagem anterior pode trazer certo estranhamento e desconforto, já


que constitui um oxímoro aparente. As concepções de “Estado Laico” e “democrático”,
enxergadas a partir de um mínimo rigor teórico, não parecem coadunar-se com a condição
do Estado de Israel. Por outro, no entanto, esta condição nos revela o quão tênue pode ser a
fronteira entre um Estado Laico e um Estado teocrático, uma vez que proporciona questões
intricadas e de dificílimo julgamento. Em um primeiro olhar, pode-se facilmente atestar que
a França ou a Alemanha são Estados laicos, bem como dizer que Iêmen, Irã e Arábia

8
Este entendimento encontra respaldo, como se pode notar pela passagem transcrita, em JACKSON, Vicki C.
e TUSHNET, Mark. Comparative Constitucional Law. New York, New York: Foundation Press, 1999:
“moderate to substantial levels of government support of religious can be consistent with substantial levels of
religious liberty, and extreme forms of government ‘separation’ from religion can amount to hostility
inconsistent with acceptable levels of religious liberty”.

DOCS-RJ5750v1
Saudita não o são. O caso de Israel, particularíssimo, fornece uma base complexa de análise
a partir de diversas situações que envolvem sociedade e instituições públicas no que tange à
religião.

Destarte, a importância de seu estudo se revela na medida em que a variedade


teórica nele presente pode operar como matéria prima conceitual, através da construção de
paradigmas para resolução de situações-problema concernentes a outros países no que
tange à matéria de “Estado e Religião”. Além, é claro, de representar eventual contribuição
para a ciência política e doutrina jurídica israelenses.

2. A perspectiva histórica

É certo que as controvérsias que dizem respeito às relações entre Estado e Religião,
assim como todas as construções históricas e políticas que formaram o cenário
contemporâneo – fundado na separação entre ambos – encontram suas raízes na diversidade
que consubstancia as relações humanas em determinado lugar. Deste modo, se não
existissem variedades culturais e religiosas em diversos países, o Estado nunca teria se
confrontado com questões dessa espécie. Por isso, um diagnóstico a respeito da história e
da formação sociológica do Estado de Israel torna-se imprescindível. Outrossim, os
enfoques do presente trabalho pressupõem determinadas noções básicas da gênese
israelense, tanto no tocante à constituição das instituições políticas quanto do mosaico
social que caracteriza este país.

No início do século XX, teve início um considerável fluxo migratório de judeus9 –


principalmente da Europa e de países árabes – para a então Palestina, na época sob mandato
britânico. Estes judeus, que chegaram ao novo lar destituídos de suas posses e desprovidos
de quaisquer recursos, se assentaram inicialmente em grandes acampamentos e nos
chamados kibutzim10, alcançando rapidamente avançada organização, formando comércio,

9
A organização sionista internacional, após reiteradas discussões sobre o assunto, formalizou no I Congresso
Sionista, na Basiléia, Suíça, a intenção de estabelecer um Estado Judeu na Palestina, uma província do
Império Otomano sob mandato britânico. Em 1898, é criado o Banco Nacional Judaico; em 1901, o Fundo
Nacional Judaico, instituições que serviram para financiar o movimento de colonização da Palestina. O fluxo
migratório para a Palestina foi composto por grandes alyiot, movimentos organizados de transferência
populacional em massa, provenientes principalmente dos países europeus.
10
Kibutz (pural: kibutzim), palavra hebraica, significa “reunião” ou “juntos”, em tradução livre. Trata-se de
comunidades agrícolas de espírito socialista, nas quais o trabalho e os frutos gerados são igualmente

DOCS-RJ5750v1
imprensa e instituições para-militares de defesa, entre outros. Em 1917, Lorde Balfour,
ministro das relações exteriores do Reino Unido – país que tinha jurisdição sobre a
Palestina – declarou oficialmente o direito de o povo judeu ver instituído um Estado Judeu
sobre a Terra de Israel11.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, quase trinta anos depois, os horrores do
nazismo chegaram ao conhecimento da comunidade internacional. O fim da segunda
grande guerra trazia consigo um saldo de seis milhões de judeus mortos, vítimas de uma
política institucional de superioridade racial e genocídio por parte da Alemanha nazista,
além de outros milhões de refugiados que haviam perdido seus familiares. Esta situação
levou os sionistas a intensificarem suas demandas pela instituição de um Estado judeu, ao
passo que o mundo passava a constatar a necessidade de se criar uma pátria judaica. Nesse
sentido, em 14 de maio de 1948, foi proclamada a independência do Estado de Israel, após
a resolução da Assembléia-Geral da ONU em direção ao estabelecimento de um Estado
Judeu em Israel12.

Atualmente, cumpre ressaltar, o Estado de Israel possui maioria judaica (80% dos
habitantes). O restante de sua miríade social é composto por 16% de árabes muçulmanos,
2% de cristãos e 2% de crentes das demais religiões, tais como o Druzo e o Baha’i. Ainda,
deve-se observar que Jerusalém, capital do país, é uma cidade sagrada para o Judaísmo, o
Cristianismo e o Islamismo, o que coloca Israel em uma posição de suma importância aos
fiéis destas três religiões13.

3. Aspectos jurídico-políticos

Para uma justa compreensão da problemática entre Estado e Religião em Israel, não
pode faltar uma descrição, mesmo que em linhas gerais, da ordem jurídica vigente. Por isso,

divididos. Em Israel, é um importante fator produtivo e contribui, de certa forma, para a construção de uma
identidade nacional.
11
O documento ficou conhecido como a “Declaração Balfour”.
12
A resolução das Nações Unidas foi votada na Assembléia-Geral de 29/11/1947 e decidiu pela partilha do
território que compunha a Palestina em dois estados: um Estado Palestino e um Estado Judeu. A partilha teve
como critério o peso populacional de judeus e palestinos em cada área, sendo proporcional à realidade social.
Logo em seguida à independência, eclodiu a Guerra da Independência – iniciada por uma união de países
árabes vizinhos – que foi vencida por Israel, o que resultou na configuração geográfica que persistiu por anos.
13
Israel também é sagrada pra os adeptos do Baha’i, religião de origem hindu. Isto porque o Templo Baha’i
localiza-se na cidade de Haifa, ao norte do país.

DOCS-RJ5750v1
as instituições públicas, tanto jurídicas quanto políticas, merecem breve exposição.
Inicialmente, importa esclarecer que o Estado de Israel não possui uma Constituição
formal, isto é, um texto normativo com o papel de vértice do ordenamento jurídico. O
sistema jurídico vigente é o common-law, devido à influência das instituições do mandato
britânico. Deste modo, a Declaração de Independência14 é o núcleo principiológico que
irradia validade para a ordem jurídica, estabelecendo o “espírito” do Estado, suas
finalidades e justificativas para a sua instituição. Esta carta possui quatro idéias básicas: a)
“o direito natural de o povo judeu ser mestre de seu próprio destino, como todas as outras
nações, em seu próprio Estado soberano”, direito este delineado pelo Congresso Sionista,
garantido pela comunidade internacional e evidenciado pela “catástrofe que recaiu sobre o
povo judeu”, o Holocausto; b) o incentivo à imigração judaica e ao recebimento de
exilados, deixando clara a intenção de promover a vinda de judeus da diáspora para o
Estado israelense; c) o patrocínio do desenvolvimento do Estado em benefício de todos os
seus habitantes, e não apenas os judeus; d) um Estado baseado na liberdade, justiça e paz,
garantidas as liberdades de consciência, língua, educação, cultura e de religião - incluindo o
respeito aos locais sagrados de todas as religiões.

Se, por um lado, Israel não possui uma Constituição formal, há uma série de “Leis
Básicas” que representam uma tentativa gradativa de se estabelecer um documento único
que, fundado na soberania popular, pontue critérios de limitação do poder e funde valores
sociais. Com efeito, o conteúdo destas leis em muito se assemelham com o que se entende
por normas constitucionais, uma vez que dispõem sobre a organização de instituições
públicas, definem repartição de competências, procedimentos adequados para as decisões
políticas, direitos e garantias fundamentais. Nesse cenário, foi através da Lei Básica de
Dignidade Humana e Liberdade, de 1992, que o Estado de Israel se descreveu oficialmente
como um Estado judeu e democrático. Apesar de se falar em um “Estado judeu” e de haver
uma maioria judaica, em nenhum momento o Estado proclama o Judaísmo como sua
religião oficial15.

14
A Declaração de Independência foi assinada, em Tel Aviv, no dia 14 de maio de 1948 (5 de Iyar de 5708),
pelos principais líderes políticos judeus da época, entre eles David Ben-Gurion e Golda Meir, que alcançaram
posteriormente o cargo de Primeiro-Ministro.
15
LAPIDOTH, Ruth. Freedom of Religion and of Conscience in Israel, 47 Cath. U.L. Rev. 441 (1998)

DOCS-RJ5750v1
De mais a mais, necessário também é um esboço, ainda que rasteiro, da estrutura do
Poder Judiciário israelense. A organização judiciária de Israel compreende cortes seculares
e cortes religiosas – as primeiras detêm primazia, possuindo jurisdição sobre os variados
assuntos da vida social. São elas as magistrate courts, que funcionam como cortes de
primeira instância; as district courts, que são cortes de apelação e também, em alguns
casos, de primeira instância; e, por fim, a Supreme Court, cúpula do Poder Judiciário, que
representa a última instância para os casos ordinários e possui competência para julgar
questões de legalidade dos atos do Poder Público – suas decisões vinculam todas as demais
cortes, com base no princípio de stare decisis. Já as cortes religiosas podem ser judaicas ou
não-judaicas. No caso das judaicas, estão sob controle do gabinete do Primeiro Ministro e
do Grão-Rabinato16, e seus juízes são rabinos indicados pelo Parlamento, tendo jurisdição
sobre questões pontuais. No caso das não-judaicas, relativas às demais religiões
reconhecidas pelo Estado, há a supervisão direta dos respectivos estabelecimentos
religiosos oficiais, sendo os juízes autoridades de cada religião indicados pelo Parlamento.

Neste momento, surge o primeiro questionamento a respeito da relação entre o


Estado e a Religião, já que percebemos certa intimidade entre o Poder Público e entidades
religiosas, a ponto de parte da estrutura estatal ser reservada à jurisdição religiosa. Mais
além, uma função estatal tão importante quanto a jurisdicional permeia-se pelo fator
religioso de forma institucional. Contudo, em um Estado em que a religião é parte
constitutiva e caracterizante – além de desempenhar papel social central – a presença de
autoridades religiosas na estrutura judiciária responsáveis pelo exercício de funções
bastante limitadas parece justificar-se. Ademais, a participação das diversas religiões nesta
esfera estatal não é limitada de modo algum: as diversas confissões religiosas participam do
Judiciário na proporção de seu peso social. Ressalte-se, ainda, que em nenhuma hipótese
uma corte religiosa sob responsabilidade de uma determinada autoridade confessional terá
jurisdição sobre um crente de outra religião, isto é, sua esfera de imperatividade confina-se
ao âmbito de sua religião.

4. O Estado e as Autoridades religiosas

16
Autoridade máxima do Judaísmo em Israel, presidida pelo Rabino-Chefe (Chief Rabbi).

DOCS-RJ5750v1
É fundamental insistir, sem embargo das já reconhecidas controvérsias acerca do
assunto e dos dilemas práticos por elas gerados, que Israel é uma espécie de Estado sem
paralelos no cenário internacional. De fato, trata-se de um Estado dotado de um ethos
judaico, por comprometer-se com valores judaicos e promover a imigração de judeus. Por
outro lado, é uma democracia que tutela os direitos fundamentais do homem, inclusive a
liberdade religiosa, o que pressupõe uma mínima dose de neutralidade do Poder Público em
relação ao fenômeno religioso. O conceito de laicidade, no Estado israelense, adquire
contornos singulares ao ter de se conciliar com o seu caráter judaico, construído através de
um movimento histórico e a partir de uma realidade sociológica.

Ao erigir a liberdade religiosa como uma garantia fundamental do cidadão, Israel


assume um compromisso com o livre exercício de crença e ingressa no problema das
relações entre Estado e autoridades religiosas. Isto porque, como já se disse, parte da
estrutura estatal e muito da vida social deste país estão intrinsicamente ligados às diversas
religiões nele presentes.

Em um documento chamado Status quo17, o Estado de Israel estabelece os campos


da vida social em que autoridades religiosas judaicas irão preponderar relativamente às
autoridades civis e políticas. São eles: a) regras de dieta18; b) Shabbath19; c) enterro judaico;
d) matrimônio/divórcio; e) conversão de imigrantes20. Essas cinco questões pontuais
compõem o campo sob jurisdição religiosa, sendo, desse modo, julgadas por cortes
religiosas. Assim, o Estado vincula-se a autoridades das mais diversas confissões religiosas,
na medida em que um cidadão israelense que não seja judeu não poderá ser destinatário de
uma norma religiosa judaica, ou muito menos ser julgado por uma corte religiosa. Deve-se

17
O acordo “Status quo” foi celebrado entre o Estado de Israel – através de seu primeiro Primeiro-Ministro,
David Ben Gurion – e as correntes ultra-ortodoxas do Judaísmo em Israel. Estas correntes visavam garantir
alguns aspectos em que o Estado israelense iria refletir os valores e todo um “modo de vida judaico”.
18
As regras do Kashrut, referentes à alimentação. Entre elas, está a proibição da ingestão de carne suína,
assim como a vedação à mistura de carne com derivados do leite.
19
Shabbath é o dia do descanso, considerado sagrado pela Torah (livro sagrado judaico; o antigo testamento
da Bíblia).
20
Sobre este ponto, uma ocasião controversa e ilustrativa é a do êxodo de 8 mil judeus da Etiópia para Israel,
em 1984. A autoridade religiosa israelense determinou que estes imigrantes deveriam ser convertidos, visto
que sua tribo não era proveniente de mãe judia. A determinação, no entanto, encontrou forte resistência entre
os etíopes. O episódio é muito bem retratado no filme “Um herói do nosso tempo” (Va, vis et deviens), de
Radu Mihaileanu, 2006.

DOCS-RJ5750v1
atentar, ainda, para o fato de que as decisões das cortes religiosas – sejam elas judaicas ou
não – têm força cogente, sendo aplicadas pelo aparato estatal.

Com vistas a uma adequada compreensão acerca do tratamento institucional


concedido à religião, é preciso identificar como o Estado se porta no que diz respeito à
diversidade que permeia o terreno religioso. Nesse sentido, Israel reconhece formalmente o
Judaísmo, o Cristianismo, o Islamismo, o Druzo e Baha’i como religiões. Qualquer
confissão religiosa pode, entretanto, peticionar perante o Ministério de Assuntos Religiosos
visando ao seu reconhecimento. Nesse sentido, como Israel resguarda a liberdade de
religião – seus ritos, sentimentos e locais sagrados, entre outros – se vê obrigado, enquanto
Estado Democrático de Direito, a garantir que todos os cidadãos possam exercer sua fé,
promovendo, inclusive, o suporte necessário. Desse modo, Israel mantém acordos com as
autoridades religiosas das confissões reconhecidas: em questões como casamento,
educação, enterro e conversão, cada indivíduo estará adstrito ao âmbito de jurisdição da
autoridade relativa a sua fé.

Mais além, as instituições religiosas gozam de amplo suporte financeiro estatal, seja
na forma de isenções fiscais, seja na de financiamento direto21. Ainda, muitos atos de
governo acabam beneficiando uma ou outra religião, como, por exemplo, a renovação e
manutenção de uma cidade sagrada. Por certo, este financiamento estatal apresenta certa
disparidade, visto que as instituições judaicas recebem mais recursos do que as demais, o
que parece se justificar em razões demográficas, à medida em que há uma vasta
preponderância de judeus ortodoxos. Contudo, muito se critica o suporte estatal pela falta
de critérios objetivos capazes de uniformizar o repasse de recursos – não se desenvolveu,
em Israel, uma base sistemática legal para este financiamento.

5. Democracia e Laicidade no Estado Judeu

Já se destacou, de modo incisivo, que Israel é muito criticado pela sua condição
política no que diz respeito ao contato entre Estado e Religião. Os questionamentos
21
MAOZ, Asher. Religious Human Rights in the State of Israel, in Religious Human Rights in Global
Perspective: Legal Perspectives (Johan D. Van der Vyver and John Witte, Jr., eds., 1996.

DOCS-RJ5750v1
abrangem desde a caracterização abstrata do Estado – um Estado judeu, mas laico e
democrático – considerada irremediavelmente contraditória e anti-igualitária22, até os
efeitos práticos que constituem verdadeiros dilemas conjunturais no cotidiano social deste
país.

É necessário salientar, em sentido oposto, que a tensão entre princípios, normas e


valores é comum nas democracias modernas. Não raro, os direitos fundamentais dos
indivíduos entram em conflito e têm de ser ponderados, no caso concreto, para que se
alcance uma síntese que melhor represente os sobrevalores defendidos por uma
determinada ordem jurídica. Nesse sentido, em Israel, a atitude judaica, de um lado, e o
caráter laico e democrático, de outro, representam uma tensão que se desenrola em
situações-problema cotidianas que tangem a relação entre a Administração Pública e seus
administrados, os cidadãos.

A título de exemplo, os feriados públicos israelenses são fixados de acordo com as


festividades da religião judaica, sem prejuízo, é claro, das datas de importância histórica
para a nação. Isto significa que a religião judaica, através de suas festas de maior
relevância, acaba determinando certos feriados observados pelo Estado. Este fato poderia
saltar aos olhos de um observador crítico rigoroso que estivesse adotando o paradigma de
um Estado absolutamente separado da religião. A despeito disso, os Estados Unidos, bem
como a grande maioria dos Estados de maioria cristã, adotam, dentre outros, o Natal e o
Dia de Ação de Graças como feriados nacionais, o que raramente é questionado.

Deve-se observar atenta e permanentemente, quando se analisa este tema, que a


justificação para a instituição de um Estado Judeu foi, em verdade, baseada em uma
realidade na qual dois povos, de identidades e ambições nacionais inteiramente distintas e
inconciliáveis, viviam em uma Palestina sob mandato estrangeiro. Estes dois povos,
decerto, almejavam e possuíam o direito à autodeterminação. Aqui, evidencia-se a pedra de
toque dessa questão: não há uma fronteira suficientemente clara que separe a religião, de

22
Ver, nesse sentido, BARAM, Haim. Kol Ha’ir, 25 de abril, 2001: “A jewish and democratic state – there
can be no such a thing. Either it is ‘jewish’ or it is democratic”; ZAND, Shlomo. “To Whom does the State
Belong?”, Ha’aretz, 10 de outubro, 2000: “The very definition of the state as a jewish state is inherently an
anti-egualitarian, alienating factor. It is doubtful that it can sustain a properly functional liberal
democracy”.

DOCS-RJ5750v1
um lado, e a cultura e sentimentos nacionais, de outro. Trata-se, na realidade, de uma
interseção – não há contornos bem definidos, o que dificulta uma visão distintiva entre
estes elementos. De fato, o estudo da relação entre Estado e Religião implica a
compreensão de que o contato entre as instituições públicas e o fenômeno religioso
apresenta uma enorme sensibilidade, que inexiste quando a questão é puramente cultural ou
filosófica.

No que diz respeito a este embate aparente entre os ideais democráticos – somados à
efetividade do sobrevalor laicista – e o ethos judaico de Israel, algumas questões se revelam
problemas centrais na medida em que demonstram certo grau de incompatibilidade com a
visão democrática tradicional em alguns atos administrativos e legislativos do Estado. A
dificuldade encontra-se na necessidade de se conjugar os esforços públicos voltados para a
promoção do caráter judaico do Estado com os limites estabelecidos pelos princípios
democráticos.

A polêmica em torno da “Lei do Retorno”23 – legislação que trata do direito de todo


judeu de regressar a sua pátria histórica – é a primeira e mais controversa delas. Segundo
esta norma, qualquer indivíduo judeu, de qualquer parte do mundo, seja qual for sua
condição, obterá incentivos para a imigração e adquirirá nacionalidade israelense. Nesse
sentido, ela dá a qualquer judeu “no exílio” o direito de voltar à sua histórica pátria e de se
tornar um israelense. O Estado, assim, aloca recursos para promover a imigração de pessoas
que preencham o requisito “ser judeu”.

Cumpre salientar, de início, que esta Lei é um elemento crucial para o caráter
judaico do Estado, constituindo foco central da controvérsia que envolve a natureza judaica
de Israel por ser considerada discriminatória e antidemocrática24. Tal ato legislativo
encontra seu fundamento em uma passagem da Declaração de Independência25 e confirma

23
A “Lei do Retorno” foi aprovada em 1950 pelo Knesset – Parlamento israelense – cinco anos após a
conclusão do Holocausto e dois anos após a independência de Israel. A Lei declara que “Israel constitui um
lar não apenas para os habitantes do Estado mas também para todos os membros do povo judaico em todo o
mundo, quer vivam em situação de pobreza e medo das perseguições, quer vivam uma vida com afluência e
segurança”, em tradução livre. Ainda, ela fornece uma definição objetiva do que é um judeu: “judeu é aquele
nascido de mãe judaica ou que tenha se convertido”.
24
YAKOBSON, Alexander e RUBINSTEIN, Amnon. Democratic norms, Diasporas, and Israel’s Law of
Return. http://www.ajc.org.
25
“O Estado de Israel será aberto para a imigração judaica e para o recebimento de exilados”.

DOCS-RJ5750v1
uma previsão feita pelo relatório das Nações Unidas que recomendou a partilha da Palestina
e a consequente criação do Estado judeu, qual seja, a de que haveria uma imigração
contínua e subsidiada de judeus para Israel26.

O primeiro aspecto e elemento caracterizador da Lei do Retorno é o estabelecimento


de um critério objetivo referente à naturalização. Trata-se, portanto, de uma questão
atinente à cidadania e à nacionalidade. De fato, a lei tem como objeto os judeus que
possuem outra nacionalidade mas que desejam naturalizar-se israelenses. Seu foco, nesse
sentido, se volta para fora de Israel, em que pese sua influência na construção social
daquele país. Contudo, tal diploma legal não elege o único meio de naturalização e, por
isso, não impede que indivíduos não-judeus se tornem israelenses. Mais além, não
discrimina, de modo algum, os cidadãos israelenses não-judeus, que têm seus direitos
resguardados.

Não obstante, pesadas críticas são direcionadas ao tratamento da naturalização na


Lei do Retorno. Baseiam-se, geralmente, em argumentos que a acusam de desproporcional
em relação aos princípios de uma democracia saudável. Equivocam-se, contudo, porque
tangenciam uma analogia necessária entre religião e identidade nacional, a que referimo-
nos anteriormente. Evidencia-se, aqui, a zona cinzenta que caracteriza, no caso específico
de Israel, religião e identidade nacional: se o Estado foi criado para ser o “lar dos judeus”,
estes dois fatores confudem-se invariavelmente. Em vários países do mundo – mais
destacadamente nos europeus – os critérios de nacionalidade e requisitos para naturalização
encontram fundamento na origem étnica que, por sua vez, remete à identidade nacional. A
Constituição Alemã27, por exemplo, estabelece critério de etnia para a naturalização: “Será
alemão (...) quem tenha sido acolhido no território do Império Alemão (...) como refugiado
ou exilado de ascendência alemã”. Com efeito, é bastante comum que países estabeleçam
um determinado “alvo étnico” preferencial – devido a laços culturais identitários – relativo
à imigração. Os exemplos mais claros são os países da nova geografia do leste europeu, já
que possuem quase nenhuma diversidade étnica, caracterizando-se pelo sentido estrito do

26
United Nations Special Comittee on Palestine. Recommendations to the General Assembly, A/364, 3
September 1947.
27
Lei fundamental Alemã de 1949 (Grundgesetz für die Bundesrepublik Deutschland). O exemplo se aplica a
uma série de grupos de indivíduos que, a despeito de sua origem étnica alemã, não possuíam quaisquer laços
com o Estado Alemão moderno, habitando, principalmente, países do Leste Europeu.

DOCS-RJ5750v1
conceito de nação. Entre eles, República Tcheca, Polônia, Bulgária e Hungria. Além destes,
destacam-se como exemplos a Grécia, a Finlândia e a Irlanda.

Outro aspecto – e talvez o mais delicado – da Lei do Retorno é a questão dos


recursos estatais alocados para a imigração judaica. Como tal imigração é um objetivo do
Estado, são fornecidos subsídios para auxiliar a vinda de judeus de todo o mundo. Estes
subsídios são utilizados no pagamento de funcionários responsáveis pela imigração judaica,
habitações provisórias, ensino da língua hebraica28 e questões referentes a emprego, dentre
outros gastos. Importa destacar, nesse plano, que os recursos convertidos em incentivos à
imigração judaica provém dos cofres públicos – destino dos impostos de todos os cidadãos
israelenses, e não apenas dos judeus. Nesse cenário, pode-se perceber uma finalidade
pública que certamente não condiz com a vontade de todos os administrados, mas,
notadamente, apenas com a dos cidadãos judeus. Seguramente, a destinação de verbas
públicas é um assunto sempre bastante sensível, especialmente quando se encontra no
campo da tensão entre Estado e Religião. Sem embargo, a Declaração de Independência e
uma série de leis declaram o dever-ser do Estado, estabelecem finalidades e caracterizam
seu “espírito”. Se, portanto, é intenção de Israel estimular a imigração de judeus e isto se
justifica pelas razões da própria criação do Estado, natural que seja reservada parte do
orçamento à consecução desses fins. Uma interessante saída que poderia dirimir os
questionamentos remanescentes seria a criação de um fundo específico vinculado – que
receberia contribuições privadas e tributos de cidadãos judeus – voltado para o patrocínio
da imigração judaica.

A principal matéria-prima para os debates acerca da tensão entre Estado e Religião é


formada, certamente, por suas implicações práticas. Assim, a construção de modelos
teóricos depende, de certa maneira, da observação das experiências cotidianas. Nesse
sentido, merece destaque, em Israel, a polêmica em torno do casamento e do divórcio, que
se revela um tanto delicada. O matrimônio compõe o rol de assuntos que se encontram sob
jurisdição religiosa, segundo o Status quo. Desse modo, não há casamento civil, por se
tratar de matéria puramente religiosa. Como resultado, pode-se observar uma série de
gravames que se chocam, de certa forma, com os princípios democráticos.

28
O ensino da língua hebraica é realizado em um curso público denominado Ulpan.

DOCS-RJ5750v1
Como exemplo, um ateu, em Israel, não pode se casar senão sob o rito de uma
autoridade religiosa. Assim, alguém que não possui uma fé ou prefere manter distância das
práticas religiosas depara-se com uma restrição a sua liberdade. Pior: não há a menor
hipótese de casamento misto, pois nenhuma autoridade religiosa concordará em realizar a
união. Percebe-se, neste caso, uma situação que contribui para uma realidade de segregação
social, em que a liberdade dos indivíduos é restrita – com suporte da estrutura estatal –
devido a fatores religiosos. Porém, a Suprema Corte reconheceu, em 1990, casamentos
entre cidadãos israelenses oficializados no estrangeiro, assim como cerimônias privadas
realizadas por indivíduos que não poderiam se casar devido a motivos religiosos. Tal
jurisprudência solucionou, em parte, a restrição a direito, flexibilizando regras e
ponderando valores com o objetivo de respeitar os princípios democráticos.

Outra controvérsia diz respeito aos assuntos funerários. O enterro, da mesma forma,
é matéria de competência religiosa. Cada indivíduo, nesse sentido, é sepultado de acordo
com sua crenças, em um cemitério de sua religião. A questão adquire contornos turbulentos,
no entanto, quando se pensa na posição dos indivíduos ateus e seculares que, mais uma vez,
parecem situar-se em “terra de ninguém”. Com efeito, estes cidadãos eram enterrados de
acordo com critérios fixados pelas próprias autoridades religiosas, o que certamente feria
um direito fundamental – o da dignidade humana. Esta situação, nada obstante, foi revista
pela Suprema Corte em decisão29 que criou a possibilidade de cemitérios e funerais
alternativos às regras religiosas – o que foi convertido em lei pelo Parlamento anos depois.
De fato, a jurisprudência do órgão de cúpula do Judiciário israelense tem se constituído em
um importante ator na proteção da liberdade religiosa e no caminho de uma maior
adequação entre o fator religioso e os conceitos de laicidade e democracia.

6. Israel e as religiões não-judaicas

O conceito de laicidade, em Israel, possui características bem peculiares e é


constantemente objeto de intensas controvérsias. Por um lado, parece imiscuir-se
demasiadamente com um caráter judaico, afastando ideais de neutralidade e eqüidistância

29
Trata-se do caso “Menucha Nechona vs. Minister of Religious Affairs” (H.C. 297/88)

DOCS-RJ5750v1
do Estado face ao fenômeno religioso. Por outro, enquadra-se nos valores democráticos de
igualdade e garantia dos direitos fundamentais do homem, além de suas instituições
estarem sempre concernidas em traçar um caminho que atribua maior harmonização entre
questão religiosa, princípios democráticos e modelos de laicidade. Nesse sentido, por se
tratar de um Estado conhecido como “Estado Judeu” – criado para constituir um lar ao
povo judeu, permeado por valores e costumes judaicos – deve-se dedicar atenção
significativa à relação entre Israel e as outras religiões, que também encontram na “terra
santa” locais sagrados, laços históricos e identidade cultural.

Inicialmente, cabe pontuar – mesmo correndo o risco de exceder os limites da


insistência – que as minorias religiosas desfrutam de liberdade religiosa, tanto no que diz
respeito à liberdade de opção por determinada fé quanto relativamente às práticas
religiosas, que se desdobra na liberdade de culto e crença e no direito ao respeito a locais
sagrados e manifestações religiosas, sem prejuízo de outras expressões confessionais. As
autoridades religiosas, por sua vez, possuem plena autonomia e mantêm acordos de
cooperação com o Estado, participando, inclusive, de sua estrutura. Este fato demonstra que
se, por um lado, a organização estatal não se apresenta totalmente isenta em relação ao
fenômeno religioso e aparenta certas infiltrações religiosas, por outro, proporciona a
possibilidade de todas as confissões participarem do funcionamento do Estado. Como já se
frisou, a questão religiosa em Israel é latente e exerce influência sobre parcela expressiva
da realidade social, tomando, desse modo, parte no processo político-institucional.

Ainda, a liberdade religiosa, quando enxergada sob o ângulo das religiões não-
judaicas, resulta também em uma liberdade cultural e educacional. Uma criança
muçulmana, por exemplo, não terá uma formação escolar idêntica a de uma criança judia,
já que não terá disciplinas como história judaica e cultura judaica. Em substituição, assistirá
a aulas relativas a sua cultura e religião, sob responsabilidade de professores de sua crença.
O Estado, de fato, se obriga a prestar o ensino de matérias alternativas ao currículo de
escolas públicas judaicas, relativas à identidade religiosa e cultural de cada família.

No entanto, um dos componentes do acordo entre o Estado israelense e as


autoridades religiosas afeta, de modo contundente, o dia-a-dia dos cidadãos. De fato, a
influência do Shabbath sobre o cotidiano civil surge como uma limitação àqueles que não

DOCS-RJ5750v1
praticam a religião judaica, quer sejam os chamados “judeus seculares”, quer sejam os que
seguem outras religiões. Em quase todo o território nacional, o comércio fecha e o sistema
público de transporte deixa de funcionar durante o dia sagrado para os judeus. Desse modo,
os não-judeus vêem cessar a prestação de um serviço básico como o transporte devido a um
imperativo religioso. Nesse sentido, torna-se evidente a penetração do dever-ser religioso
nas atitudes funcionais do Estado.

Outro problema que merece atenção é aquele relacionado ao serviço militar. A


legislação israelense e os governos sempre asseguraram que a grande maioria do efetivo
militar fosse constituída por cidadãos israelenses judeus. Há, sim, praticantes de outras
religiões nas Forças Armadas como, por exemplo, os beduínos30, que compõem inteiros
pelotões nas forças de defesa de Israel. No entanto, outra grande parcela da população se vê
impedida de servir o Exército, o que tem como conseqüência algumas restrições no
mercado de trabalho, já que determinados cargos e funções exigem o certificado de
reservista. Tal limitação, que gera um impacto direto no princípio da igualdade, possui sua
razão de ser: as forças militares deste país defendem a causa de um Estado Judeu e,
historicamente, enfrentaram países islâmicos que formam a fronteira. Nesse sentido, a
manutenção de uma expressiva maioria de judeus no serviço militar é pressuposto para a
defesa dos fins do Estado. Ademais, há um problema ético em se obrigar os cidadãos
muçulmanos a servir o Exército, uma vez que poderiam, eventualmente, se confrontar com
países vizinhos de origem islâmica com quem, subjetivamente, compartilharia vínculos
religiosos, culturais e históricos. Nada obstante, exigências democráticas não permitem que
parcelas da população sejam discriminadas, com conseqüentes restrições a sua liberdade.
Assim, se o serviço militar é cingido, majoritariamente, aos cidadãos judeus, é inaceitável
que sejam criadas demandas desta sorte aos cidadãos não-judeus.

7. Israel e a religião judaica

Já se disse que o Estado israelense privilegia, de certo modo, a religião judaica,


visto que a maioria da população é composta por indivíduos de fé judaica e, principalmente,

30
Tribo islâmica que vive em acampamentos no deserto, ao sul do país.

DOCS-RJ5750v1
porque sua própria essência, desde a sua formação, encontra-se compromissada com a
promoção de valores judaicos e com a construção e desenvolvimento de um lar para o povo
judeu, subsidiando imigração e custeando a educação judaica, entre outros. O Judaísmo,
portanto, se incute em diversos setores da sociedade sem, contudo, impedir a livre escolha e
exercício de outras crenças religiosas.

Ao contrário do que parece, a questão da liberdade religiosa dos judeus no “Estado


Judeu” é bem mais complexa. Rica em detalhes e contradições, ela requer a compreensão
de que o conteúdo da liberdade religiosa compreende não só a livre escolha de uma crença,
mas também a opção sobre a forma como ela será exercida e, ainda, a possibilidade de
isentar-se completamente de qualquer expressão religiosa. A respeito deste último aspecto,
a situação dos “judeus seculares” – aqueles que não mantêm vínculos com a fé judaica, mas
com a cultura, história e laços sanguíneos – representa uma das incoerências. Com efeito,
no freqüente debate acerca da religiosidade do Estado, eles se posicionam, constantemente,
em oposição às restrições a direitos causadas por comandos religiosos, tais como o não
funcionamento do serviço público de transporte e fechamento do comércio no Shabbath, as
imposições relacionadas à alimentação (v.g. proibição de criação de porcos), assim como a
inexistência do casamento civil.

Aqui, caracteriza-se a delicada questão de se verificar até onde o grau de


intromissão da religião no Estado deve afetar a vida civil. A liberdade religiosa,
conceitualmente, abrange também a liberdade de não se ter uma religião 31. O indivíduo
deve ter o direito de manter-se afastado da religião – ser ateu ou agnóstico, por exemplo – e
ver esse direito respeitado face ao Estado. É claro que, em se tratando de Israel, a postura
do Estado deve equilibrar um mínimo de neutralidade perante o fenômeno religioso, que se
ajuste com os modelos de laicismo e democracia, e o nível de contato com a religião, na
proporção de seu peso na vida do Estado.

No tocante à faceta do modo do exercício religioso, as diferenças se aprofundam. A


autoridade máxima do Judaísmo em Israel – o Grão-Rabinato – possui o monopólio acerca
da concepção da religião judaica, qual seja, a ortodoxa. Outras correntes, como a
conservadora ou a reformista, são marginalizadas das decisões religiosas contempladas pelo
31
Em inglês, o termo é mais esclarecedor: “freedom from religion”.

DOCS-RJ5750v1
Estado. Isto significa que o Estado de Israel, que emprega recursos para a consecução da
atividade religiosa e manutenção de sua autoridade, acaba, por via reflexa, ditando a forma
como a religião judaica será exercida em território nacional. Assim, os critérios sobre as
regras de alimentação, conversão, enterro, Shabbath, bem como as decisões judiciais de
cortes religiosas, ficam a cargo de uma única orientação religiosa, que não necessariamente
representa a forma de entender o Judaísmo de todos os cidadãos judeus. Por exemplo, um
casal judeu que seja fiel seguidor da doutrina reformista da religião terá de se casar,
forçosamente, sob as regras e ritos da orientação ortodoxa.

Vê-se, aqui, que a máxima “O Estado nada pode em matéria puramente espiritual”
não é observada, posto que Israel oferece suporte cogente a ortodoxia religiosa. As diversas
correntes religiosas não se encontram, nesse sentido, em pé de igualdade, já que o Estado
estabelece – no sentido estrito da palavra – uma delas. Dessa forma, a partir do viés
concernente ao modo de exercício da religião, a relação entre o Estado de Israel e o
Judaísmo possui intricações próprias, o que gera, inclusive, desentendimentos entre os
religiosos locais sobre a atitude do Estado face à questão religiosa.

Nesse sentido, a interferência recíproca entre Estado e religião judaica certamente


infringe os critérios de neutralidade a que o Estado deve se ater. Pode-se dizer,
curiosamente, que o judeu tem menos liberdade religiosa em Israel do que em muitos
outros países do mundo. Isto porque, sem dúvida, o judeu israelense que se identifica com
uma forma de ver o Judaísmo diversa da ortodoxa tem sua liberdade restrita por um
posicionamento institucional.

8. Conclusão

Por se tratar de uma questão bastante controversa e dotada de intensa sensibilidade,


a relação entre Estado e Religião promove debates acirrados e é terreno de grandes
divergências. Certamente, o rumo histórico dos ideais políticos levou a uma noção de rígida
separação entre ambos, que constitui um pressuposto para a efetivação de valores
democráticos. Formou-se, neste sentido, uma concepção de laicidade que retrata um

DOCS-RJ5750v1
modelo rigoroso de separação entre o fenômeno religioso e as instituições políticas,
adequado aos referenciais de igualdade e liberdade estimados pelo mundo moderno.

Importa destacar, no entanto, que a inquietação relativa a possíveis infiltrações da


religião no Estado pode levar a posições radicais que desconsiderem a realidade sócio-
política de determinado país. De fato, eleger um modelo estático, inflexível e abstrato para
o Estado Laico parece ser uma atitude equivocada, uma vez que, no caso concreto, pode-se
estar ignorando traços sociológicos singulares.

Nesse sentido, Israel configura-se como um caso que apresenta variadas tensões e
problemas relativos ao caráter laico do Estado e à liberdade religiosa. Muitos estudiosos
defendem a tese de que Israel não é um Estado Laico, já que as contradições inerentes à sua
condição judaica impedem um mínimo de neutralidade das instituições públicas face o
fenômeno religioso. Evidentemente, o caso israelense não se encaixa nos seus moldes fixos
e pré-constituídos a respeito da laicidade.

A análise de um caso específico como o de Israel, contudo, demonstra que o


conceito de laicidade deve ser reexaminado a cada observação científica, por exemplo,
através do método comparativo, que se revela apropriado e eficaz. No caso israelense, tal
conceito apresenta características peculiares por ter de se conciliar com o caráter judaico do
Estado.

Ante o exposto no decorrer da presente dissertação, ficou claro que, no Estado de


Israel, estão presentes contradições e conflitos no tocante à influência do fenômeno
religioso – especialmente do Judaísmo – sobre o institucional. Há, certamente, verdadeiros
dilemas práticos e casos de restrições a direitos. Sem embargo, também pôde ser verificada
a preocupação em se harmonizar estas características singulares com os princípios
democráticos e a garantia da liberdade religiosa para os crentes de todas as confissões. Com
efeito, em Israel, todas as religiões influenciam as instituições políticas na dimensão da sua
envergadura social.

A presente discussão acerca do conceito de laicidade no Estado Judeu certamente


suscita mais reflexões e dúvidas do que respostas e definições. Neste caso, interrogações

DOCS-RJ5750v1
podem contribuir de modo mais efetivo do que fórmulas e acepções. Em Israel, o laico e o
caráter judaico são protagonistas de uma evolução sócio-política que parece estar
conduzindo à harmonia entre Estado e fenômeno religioso, através da garantia fundamental
da liberdade religiosa e dos esforços em busca da igualdade entre as confissões religiosas.

BIBLIOGRAFIA:

BARAM, Haim. “A jewish and democratic state – there can be no such a thing”. Kol
Ha’ir, 25 de abril, 2001.

BOBBIO, Norberto et alii. Dicionário de Política, Vol. 2. Trad. Carmen C. Varriale et. al. 5ª
ed. – Brasília: Ed. Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São
Paulo, 2000.

DOCS-RJ5750v1
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização in Edição Standard Brasileira das Obras
Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXI, pp. 81 e 82. Trad. José Octávio de
Aguiar Abreu – Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1974.

JACKSON, Vicki C. e TUSHNET, Mark. Comparative Constitucional Law. New York,


New York: Foundation Press, 1999.

LAPIDOTH, Ruth. Freedom of Religion and of Conscience in Israel, 47 Cath. U.L. Rev.
441 (1998)

LOCKE, John. Carta sobre a Tolerância (Epistola de Tolerantia, 1689), Lisboa, Edições
70, 1996.

MAOZ, Asher. Religious Human Rights in the State of Israel, in Religious Human Rights in
Global Perspective: Legal Perspectives (Johan D. Van der Vyver and John Witte, Jr., eds.,
1996.

United Nations Special Comittee on Palestine. Recommendations to the General Assembly,


A/364, 3 September 1947.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. José Marcos Mariani
de Macedo. – São Paulo: Companhia das Letras, 2004.; e BOBBIO, Norberto. Liberalismo
e Democracia. Trad. Marco Aurélio Nogueira. – São Paulo: Brasiliense, 2005.

YAKOBSON, Alexander e RUBINSTEIN, Amnon. Democratic norms, Diasporas, and


Israel’s Law of Return. Http://www.ajc.org.

ZAND, Shlomo. “To Whom does the State Belong?”, Ha’aretz, 10 de outubro, 2000.

DOCS-RJ5750v1
DOCS-RJ5750v1